SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
68*(67­2'(352(',0ENTO PARA
       GERENCIAMENTO DE RESË'826'(6(59,d26'(6$Ò'(

1. Status de Revis‹o

Elaborado por:                                       Aprovado por:
1žUHYis‹o: 00                                       Data: ___/____/______


2. Objetivo

       Definir o procedimento para o gerenciamento dos res’duos gerados.


3. Defini•›es
Grupo B (GB): res’duos qu’micos; aqueles que apresentam risco ˆ saœde pœblica e ao meio ambi-
ente, independente de suas caracter’sticas de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxici-
dade
Grupo D (GD): res’duos comuns
Grupo E (GE): embalagens de vidro quebradas ou n‹o e, perfurocortantes de modo geral.
RSS: res’duos de servi•os de saœde.

4. Procedimento

4.1. Classifica•‹o os res’duos gerados

   ·   4.1.1.Classificar os res’duos qu’micos gerados nos diversos setores da farm‡cia pela Reso-
       lu•‹o CONAMA 283, de 12/07/01, ANVISA e Resolu•‹o ± RDC no 306, de 7 de Dezembro
       de 2004 como res’duos de servi•os de saœde.
4.1.2. Classificar os res’duos como Grupo B, D ou E.

4.2. Segrega•‹o dos res’duos gerados

4.2.1. Segregar os RSS por grupo, no momento e no local de sua gera•‹o. Classificar e identificar
conforme suas caracter’sticas, em Res’duos do Grupo B (lixo especial) e res’duos do grupo D (lixo
comum).

4.3.Acondicionamento prŽvio dos res’duos gerados

4.3.1.Em intervalos variados (sujeitos a demanda e diferentes dos hor‡rios da produ•‹o), um fun-
cion‡rio encarregado (treinado) deve recolher os res’duos gerados e encaminh‡-los para o local
de armazenamento tempor‡rio, respeitando sempre os s’mbolos e etiquetas de advert•ncia utili-
zadas.
4.3.2.Armazenar os RSS do grupo D gerados temporariamente, em container azul, de material
lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vazamento; com tampa provida de sistema de abertura
sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tombamento; dotado de rodas
para facilitar o deslocamento.



                                         P‡gina 1 de 1
68*(67­2'(352(',0ENTO PARA
     GERENCIAMENTO DE RESË'826'(6(59,d26'(6$Ò'(

4.3.3.Coletar os RSS grupo B gerados na farm‡cia em sacos pl‡sticos apropriados de acordo com
a NBR 7500 da ABNT, colocar em container devidamente identificado e armazenar em local apro-
priado.

4.5. Coletar e Transportar os res’duos gerados
4.5.1. Armazenar internamente os RSS do grupo D gerados na farm‡cia, em containers e devida-
mente identificados, podendo ser dispensados atravŽs da coleta seletiva do —rg‹o municipal com-
petente.
4.5.2. Os RSS do grupo B gerados na farm‡cia devem ser dispensados atravŽs de empresa con-
tratada.

4.6. Acondicionamento dos res’duos gerados segundo RDC 306 da Anvisa
4.6.1.Segregar os res’duos de servi•os de saœde s—lidos do grupo B gerados na empresa no mo-
mento de sua gera•‹o em sacos pl‡sticos branco-leitosos, resistentes ˆ ruptura e vazamento,
imperme‡veis, descart‡veis, identificados com o s’mbolo de risco associado (ver figura 1). Tais
sacos est‹o contidos em recipientes de material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vaza-
mento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados
e resistentes ao tombamento; estes recipientes tambŽm est‹o identificados com o s’mbolo de ris-
co associado (ver figura 1).
4.6.2. Segregar os res’duos de servi•os de saœde l’quidos do grupo B gerados na empresa no
momento de sua gera•‹o em recipientes de material compat’vel com o liquido armazenado, resis-
tentes, r’gidos e estanques, com tampa rosqueada e vedante.
4.6.3.Descartar os res’duos de servi•os de saœde perfurocortantes do grupo E, eventualmente,
gerados na empresa separadamente no local de sua gera•‹o, em recipientes r’gidos, resistentes
a punctura, ruptura ou vazamento, com tampa e devidamente identificado como, PERFUROCOR-
TANTES com risco qu’mico.

4.7. Segrega•‹o dos res’duos do grupo D
4.7.1. Segregar os res’duos do grupo D gerados na empresa no momento de sua gera•‹o, con-
forme a destina•‹o final. Utilizar os sacos imperme‡veis para materiais recicl‡veis, utilizando a
identifica•‹o de cores: AZUL ± papŽis e VERMELHO ± pl‡sticos. Tais sacos devem estar contidos
em recipientes de material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vazamento, com tampa provida
de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tomba-
mento; estes recipientes tambŽm devem estar identificados com os s’mbolos de pl‡stico recicl‡vel
e papel recicl‡vel (ver a figura 2).
4.7.2. Segregar os demais res’duos do grupo D em sacos imperme‡veis na cor preta, considera-
dos n‹o-recicl‡veis, sendo encaminhado para descarte atravŽs o Departamento de Limpeza Ur-
bana.

4.8. Armazenamento tempor‡rio dos res’duos gerados
4.8.1. Armazenar temporariamente os RSS do grupo B gerados, em container branco leitoso, de
material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vazamento; com tampa provida de sistema de
abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tombamento; dotado de
rodas para facilitar o deslocamento.
4.8.2.O abrigo interno tempor‡rio dos RSS do grupo B deve ser constru’do em alvenaria, fechado
e coberto. Com porta (abrindo para fora), piso, teto e paredes revestidos de material liso, imper-
me‡vel e lav‡vel, na cor branca. Deve possuir alo sifonado ligado a instala•‹o de esgoto sanit‡rio


                                       P‡gina 2 de 2
68*(67­2'(352(',0ENTO PARA
     GERENCIAMENTO DE RESË'826'(6(59,d26'(6$Ò'(

do servi•o. Deve ser identificado atravŽs de adesivo conforme figura 1. Suas dimens›es devem
ser de 0,60m de profundidade, 1,66m de largura e 1,95m de altura.
4.8.3.O abrigo interno tempor‡rio dos RSS do grupo D deve ser constru’do em alvenaria, fechado
e coberto. Com porta (abrindo para fora), piso, teto e paredes revestidos de material liso,
imperme‡vel e lav‡vel na cor branca. Deve possuir ainda ralo sifonado ligado a instala•‹o de
esgoto sanit‡rio do servi•o. ƒ identificado atravŽs de adesivo conforme figura 2. Suas dimens›es
devem ser de 0,78m de profundidade, 1,65m de largura e 1,95m de altura.

4.9. Destino final dos RSS
4.9.1. Encaminhar os RSS do grupo B gerados na farm‡cia para a empresa competente e devi-
damente licenciada pelos —rg‹os ambientais e sanit‡rios, ela ser‡ respons‡vel (em contrato) pela
coleta, transporte e incinera•‹o dos mesmos.


5. Registros da Qualidade
N‹o aplic‡vel

6. Hist—rico de Revis›es
N‹o aplic‡vel


7. Refer•ncias
    · ANVISA. Resolu•‹o ± RDC no 214, de 12 de Dezembro de 2006
    · $19,6$3RUWDULDQƒGHGHDJRVWRGH
    · Resolu•‹o CONAMA 283 de 12 de julho de 2001.
    · ANVISA. Resolu•‹o ± RDC no 306, de 7 de Dezembro de 2004.



8. Anexos


Figura 1. Identifica•‹o dos res’duos gerados




                                       P‡gina 3 de 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PGRSS Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde
PGRSS   Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúdePGRSS   Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde
PGRSS Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúdeRebeca Purcino
 
26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf
26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf
26º POP manejo de resíduos sólidos.pdfJAQUELINE BARRETO
 
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduosControle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduosKetlenBatista
 
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentosVisa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentosHEBERT ANDRADE RIBEIRO FILHO
 
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrssPlamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrssUniversidade Federal Fluminense
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...Cínthia Lima
 
Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúdesanthdalcin
 
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop   limpeza e sanitização da caixa d'águaPop   limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop limpeza e sanitização da caixa d'águaJuciê Vasconcelos
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Bruno Pires
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentosJuciê Vasconcelos
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira GABRIELA ELISE
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesRicardo Alanís
 
Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomucenoPop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomucenoPaulo Eduardo Bastos
 

Mais procurados (20)

PGRSS Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde
PGRSS   Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúdePGRSS   Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde
PGRSS Plano de gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde
 
26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf
26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf
26º POP manejo de resíduos sólidos.pdf
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduosControle integrado de pragas e manejo de resíduos
Controle integrado de pragas e manejo de resíduos
 
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentosVisa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrssPlamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
 
Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúde
 
Lixo Hospitalar
Lixo HospitalarLixo Hospitalar
Lixo Hospitalar
 
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop   limpeza e sanitização da caixa d'águaPop   limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
 
Pgrs i
Pgrs iPgrs i
Pgrs i
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentos
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃOPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantes
 
Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomucenoPop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno
 

Mais de Juciê Vasconcelos

Pop operação do agitador magnético
Pop   operação do agitador magnéticoPop   operação do agitador magnético
Pop operação do agitador magnéticoJuciê Vasconcelos
 
Pop manutenção e limpeza do deionizador
Pop   manutenção e limpeza do deionizadorPop   manutenção e limpeza do deionizador
Pop manutenção e limpeza do deionizadorJuciê Vasconcelos
 
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop   manipulação de horm, citostáticos e antibPop   manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop manipulação de horm, citostáticos e antibJuciê Vasconcelos
 
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop   interpretação do conteúdo de certificados de análisesPop   interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análisesJuciê Vasconcelos
 
Pop determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop   determinação do peso médio em cápsulas durasPop   determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop determinação do peso médio em cápsulas durasJuciê Vasconcelos
 
Pop determinação da densidade em líquidos
Pop   determinação da densidade em líquidosPop   determinação da densidade em líquidos
Pop determinação da densidade em líquidosJuciê Vasconcelos
 
Pop densidade aparente de pós
Pop   densidade aparente de pósPop   densidade aparente de pós
Pop densidade aparente de pósJuciê Vasconcelos
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedoresJuciê Vasconcelos
 

Mais de Juciê Vasconcelos (20)

Pop operação do agitador magnético
Pop   operação do agitador magnéticoPop   operação do agitador magnético
Pop operação do agitador magnético
 
Pop manutenção e limpeza do deionizador
Pop   manutenção e limpeza do deionizadorPop   manutenção e limpeza do deionizador
Pop manutenção e limpeza do deionizador
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
 
Pop manipulação de pomadas
Pop   manipulação de pomadasPop   manipulação de pomadas
Pop manipulação de pomadas
 
Pop manipulação de pastas
Pop   manipulação de pastasPop   manipulação de pastas
Pop manipulação de pastas
 
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop   manipulação de horm, citostáticos e antibPop   manipulação de horm, citostáticos e antib
Pop manipulação de horm, citostáticos e antib
 
Pop lavagem de vidrarias
Pop   lavagem de vidrariasPop   lavagem de vidrarias
Pop lavagem de vidrarias
 
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop   interpretação do conteúdo de certificados de análisesPop   interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análises
 
Pop encapsulação
Pop   encapsulaçãoPop   encapsulação
Pop encapsulação
 
Pop determinação do p h
Pop   determinação do p hPop   determinação do p h
Pop determinação do p h
 
Pop determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop   determinação do peso médio em cápsulas durasPop   determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop determinação do peso médio em cápsulas duras
 
Pop determinação da densidade em líquidos
Pop   determinação da densidade em líquidosPop   determinação da densidade em líquidos
Pop determinação da densidade em líquidos
 
Pop densidade aparente de pós
Pop   densidade aparente de pósPop   densidade aparente de pós
Pop densidade aparente de pós
 
Pop controle de embalagens
Pop   controle de embalagensPop   controle de embalagens
Pop controle de embalagens
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
 
Pop alcoometria
Pop   alcoometriaPop   alcoometria
Pop alcoometria
 
Pop aditivação
Pop   aditivaçãoPop   aditivação
Pop aditivação
 
Pop
PopPop
Pop
 
Apostila legislacao ebserh
Apostila legislacao ebserhApostila legislacao ebserh
Apostila legislacao ebserh
 
Apostila saude publica
Apostila saude publicaApostila saude publica
Apostila saude publica
 

Pop gerenciamento de resíduos de serviços de saúde

  • 1. 68*(67­2'(352(',0ENTO PARA GERENCIAMENTO DE RESË'826'(6(59,d26'(6$Ò'( 1. Status de Revis‹o Elaborado por: Aprovado por: 1žUHYis‹o: 00 Data: ___/____/______ 2. Objetivo Definir o procedimento para o gerenciamento dos res’duos gerados. 3. Defini•›es Grupo B (GB): res’duos qu’micos; aqueles que apresentam risco ˆ saœde pœblica e ao meio ambi- ente, independente de suas caracter’sticas de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxici- dade Grupo D (GD): res’duos comuns Grupo E (GE): embalagens de vidro quebradas ou n‹o e, perfurocortantes de modo geral. RSS: res’duos de servi•os de saœde. 4. Procedimento 4.1. Classifica•‹o os res’duos gerados · 4.1.1.Classificar os res’duos qu’micos gerados nos diversos setores da farm‡cia pela Reso- lu•‹o CONAMA 283, de 12/07/01, ANVISA e Resolu•‹o ± RDC no 306, de 7 de Dezembro de 2004 como res’duos de servi•os de saœde. 4.1.2. Classificar os res’duos como Grupo B, D ou E. 4.2. Segrega•‹o dos res’duos gerados 4.2.1. Segregar os RSS por grupo, no momento e no local de sua gera•‹o. Classificar e identificar conforme suas caracter’sticas, em Res’duos do Grupo B (lixo especial) e res’duos do grupo D (lixo comum). 4.3.Acondicionamento prŽvio dos res’duos gerados 4.3.1.Em intervalos variados (sujeitos a demanda e diferentes dos hor‡rios da produ•‹o), um fun- cion‡rio encarregado (treinado) deve recolher os res’duos gerados e encaminh‡-los para o local de armazenamento tempor‡rio, respeitando sempre os s’mbolos e etiquetas de advert•ncia utili- zadas. 4.3.2.Armazenar os RSS do grupo D gerados temporariamente, em container azul, de material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vazamento; com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tombamento; dotado de rodas para facilitar o deslocamento. P‡gina 1 de 1
  • 2. 68*(67­2'(352(',0ENTO PARA GERENCIAMENTO DE RESË'826'(6(59,d26'(6$Ò'( 4.3.3.Coletar os RSS grupo B gerados na farm‡cia em sacos pl‡sticos apropriados de acordo com a NBR 7500 da ABNT, colocar em container devidamente identificado e armazenar em local apro- priado. 4.5. Coletar e Transportar os res’duos gerados 4.5.1. Armazenar internamente os RSS do grupo D gerados na farm‡cia, em containers e devida- mente identificados, podendo ser dispensados atravŽs da coleta seletiva do —rg‹o municipal com- petente. 4.5.2. Os RSS do grupo B gerados na farm‡cia devem ser dispensados atravŽs de empresa con- tratada. 4.6. Acondicionamento dos res’duos gerados segundo RDC 306 da Anvisa 4.6.1.Segregar os res’duos de servi•os de saœde s—lidos do grupo B gerados na empresa no mo- mento de sua gera•‹o em sacos pl‡sticos branco-leitosos, resistentes ˆ ruptura e vazamento, imperme‡veis, descart‡veis, identificados com o s’mbolo de risco associado (ver figura 1). Tais sacos est‹o contidos em recipientes de material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vaza- mento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tombamento; estes recipientes tambŽm est‹o identificados com o s’mbolo de ris- co associado (ver figura 1). 4.6.2. Segregar os res’duos de servi•os de saœde l’quidos do grupo B gerados na empresa no momento de sua gera•‹o em recipientes de material compat’vel com o liquido armazenado, resis- tentes, r’gidos e estanques, com tampa rosqueada e vedante. 4.6.3.Descartar os res’duos de servi•os de saœde perfurocortantes do grupo E, eventualmente, gerados na empresa separadamente no local de sua gera•‹o, em recipientes r’gidos, resistentes a punctura, ruptura ou vazamento, com tampa e devidamente identificado como, PERFUROCOR- TANTES com risco qu’mico. 4.7. Segrega•‹o dos res’duos do grupo D 4.7.1. Segregar os res’duos do grupo D gerados na empresa no momento de sua gera•‹o, con- forme a destina•‹o final. Utilizar os sacos imperme‡veis para materiais recicl‡veis, utilizando a identifica•‹o de cores: AZUL ± papŽis e VERMELHO ± pl‡sticos. Tais sacos devem estar contidos em recipientes de material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vazamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tomba- mento; estes recipientes tambŽm devem estar identificados com os s’mbolos de pl‡stico recicl‡vel e papel recicl‡vel (ver a figura 2). 4.7.2. Segregar os demais res’duos do grupo D em sacos imperme‡veis na cor preta, considera- dos n‹o-recicl‡veis, sendo encaminhado para descarte atravŽs o Departamento de Limpeza Ur- bana. 4.8. Armazenamento tempor‡rio dos res’duos gerados 4.8.1. Armazenar temporariamente os RSS do grupo B gerados, em container branco leitoso, de material lav‡vel, resistente ˆ ruptura, punctura e vazamento; com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e resistentes ao tombamento; dotado de rodas para facilitar o deslocamento. 4.8.2.O abrigo interno tempor‡rio dos RSS do grupo B deve ser constru’do em alvenaria, fechado e coberto. Com porta (abrindo para fora), piso, teto e paredes revestidos de material liso, imper- me‡vel e lav‡vel, na cor branca. Deve possuir alo sifonado ligado a instala•‹o de esgoto sanit‡rio P‡gina 2 de 2
  • 3. 68*(67­2'(352(',0ENTO PARA GERENCIAMENTO DE RESË'826'(6(59,d26'(6$Ò'( do servi•o. Deve ser identificado atravŽs de adesivo conforme figura 1. Suas dimens›es devem ser de 0,60m de profundidade, 1,66m de largura e 1,95m de altura. 4.8.3.O abrigo interno tempor‡rio dos RSS do grupo D deve ser constru’do em alvenaria, fechado e coberto. Com porta (abrindo para fora), piso, teto e paredes revestidos de material liso, imperme‡vel e lav‡vel na cor branca. Deve possuir ainda ralo sifonado ligado a instala•‹o de esgoto sanit‡rio do servi•o. ƒ identificado atravŽs de adesivo conforme figura 2. Suas dimens›es devem ser de 0,78m de profundidade, 1,65m de largura e 1,95m de altura. 4.9. Destino final dos RSS 4.9.1. Encaminhar os RSS do grupo B gerados na farm‡cia para a empresa competente e devi- damente licenciada pelos —rg‹os ambientais e sanit‡rios, ela ser‡ respons‡vel (em contrato) pela coleta, transporte e incinera•‹o dos mesmos. 5. Registros da Qualidade N‹o aplic‡vel 6. Hist—rico de Revis›es N‹o aplic‡vel 7. Refer•ncias · ANVISA. Resolu•‹o ± RDC no 214, de 12 de Dezembro de 2006 · $19,6$3RUWDULDQƒGHGHDJRVWRGH · Resolu•‹o CONAMA 283 de 12 de julho de 2001. · ANVISA. Resolu•‹o ± RDC no 306, de 7 de Dezembro de 2004. 8. Anexos Figura 1. Identifica•‹o dos res’duos gerados P‡gina 3 de 3