SlideShare uma empresa Scribd logo
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o
alcance da meta padrão. Contem: listagem dos equipamentos; peças e materiais utilizado na tarefa,
incluindo-se os instrumentos de medida; padrões da qualidade; descrição dos procedimentos da
tarefa por atividades críticas; condições de fabricação, de operação e pontos proibidos de cada
tarefa; pontos de controle (itens de controle e características da qualidade) e os métodos de controle;
relação de anomalias passíveis de ação; roteiro de inspeção períodicas dos equipamentos de
produção. O mesmo que SOP - Standard Operation Procedure ou Procedimento Padrão de
Operação.
Como e quem deve fazer um POP?
Transcrever as tarefas rotineiras que todos fazemos mecanicamente para uma folha de papel nem
sempre é uma tarefa fácil, talvez seja um pouco cansativa, mas devemos tomar alguns cuidados.
- Nunca copie procedimentos de livros ou de outras organizações, existem particularidades que só o
nosso estabelecimento tem e isso é de fácil percepção por parte do responsável do estabelecimento
ou ainda por ação de auditores, nem tão experientes.
- A pessoa que executa a tarefa é quem deve colaborar com o desenvolvimento do procedimento,
ele é o dono do processo. Existe ainda um caráter psicológico que faz com que o funcionário se
sinta parte integrante do Sistema da Qualidade do estabelecimento e que as diretrizes desse sistema
não sejam uma imposição da alta administração.
- O funcionário tem que ser treinado, habilitado e qualificado para a execução de sua tarefa. Sendo
assim, escreva o que você faz e faça o que está escrito.
- Faça constantes análises críticas (pelo menos duas vezes por ano) sobre a aplicabilidade de seus
procedimentos e se os mesmos ainda estão sendo seguidos.
- A linguagem utilizada no POP deverá estar em consonância com o grau de instrução das pessoas
envolvidas nas tarefas, dê preferência para uma linguagem simples e objetiva.
O conteúdo do POP, assim como sua aplicação, deverá ter o completo entendimento e
familiarização por parte dos funcionários que tenham participação direta e/ou indireta na qualidade
final daquele procedimento. Normalmente a ingerência de supervisores, coordenadores e diretores
neste ponto é uma das causa de ineficiência na implantação de um Sistema da Qualidade. Cabendo
aos mesmos as responsabilidades pela revisão e aprovação do POP.
Qual a finalidade do POP?
Um POP tem o objetivo de se padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de
tarefas fundamentais, para o funcionamento correto do processo. Ou seja, um POP coerente garante
ao usuário que a qualquer momento que ele se dirija ao estabelecimento, as ações tomadas para
garantir a qualidade sejam as mesmas, de um turno para outro, de um dia para outro. Ou seja,
aumenta-se a previsibilidade de seus resultados, minimizando as variações causadas por imperícia e
adaptações aleatórias, independente de falta, ausência parcial ou férias de um funcionário.
O POP também tem uma finalidade interna de ser um ótimo instrumento para a Gerência da
Qualidade para praticar auditorias internas. Ou seja, funcionários de um setor auditam outro setor e
de posse de um POP do setor auditado o auditor encontra subsídios técnicos para indagações e
verificação deeficácia da metodologia, assim como sua familiarização entre os auditados.

Adaptado do Curso de BPLC – ministrado por Renato Lima Duarte
RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999
BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA
6.DOCUMENTAÇÃO:
6.1.O estabelecimento deve manter procedimentos operacionais escritos quanto as condições para
aquisição, armazenamento, conservação e dispensação de produtos.
6.2.Deve existir procedimentos claros quanto ao destino dos produtos com prazo de validade
vencidos sejam os mesmos sujeitos a controle especial ou não.
6.3.Devem ser instituídos procedimentos que definam a política da empresa quanto aos produtos
próximos ao vencimento.
6.4.Todos os procedimentos referentes a aplicação de injetáveis devem ser realizados mediantes
rotinas pré-estabelecidas, bem como, obedecer à prescrição médica.
6.5.Deve existir procedimento que defina a utilização de materiais descartáveis e garanta a sua
utilização somente dentro do prazo de validade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pop+ +procedimento+operacional+padrao
Pop+ +procedimento+operacional+padraoPop+ +procedimento+operacional+padrao
Pop+ +procedimento+operacional+padrao
Glaucione Garcia
 
Appcc exemplo manual 6
Appcc exemplo   manual 6Appcc exemplo   manual 6
Appcc exemplo manual 6
Ciclair
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Luis Antonio Cezar Junior
 
Pop encapsulação
Pop   encapsulaçãoPop   encapsulação
Pop encapsulação
Juciê Vasconcelos
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Railenne De Oliveira Celestino
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
Cínthia Lima
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Jaqueline Almeida
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de Fornecedores
Denise Selegato
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
kaiorochars
 
Pop controle da temperatura e umidade
Pop   controle da temperatura e umidadePop   controle da temperatura e umidade
Pop controle da temperatura e umidade
Juciê Vasconcelos
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Juciê Vasconcelos
 
Manual de boas_práticas
Manual de boas_práticasManual de boas_práticas
Manual de boas_práticas
UNIP
 
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SBOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
Celina Martins
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Bruno Pires
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´s
papacampos
 
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoBPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
Carla Souza
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Vanessa Rodrigues
 
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriaSegurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
senaimais
 

Mais procurados (20)

Pop+ +procedimento+operacional+padrao
Pop+ +procedimento+operacional+padraoPop+ +procedimento+operacional+padrao
Pop+ +procedimento+operacional+padrao
 
Appcc exemplo manual 6
Appcc exemplo   manual 6Appcc exemplo   manual 6
Appcc exemplo manual 6
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
 
Pop encapsulação
Pop   encapsulaçãoPop   encapsulação
Pop encapsulação
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de Fornecedores
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
 
Pop controle da temperatura e umidade
Pop   controle da temperatura e umidadePop   controle da temperatura e umidade
Pop controle da temperatura e umidade
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
 
Manual de boas_práticas
Manual de boas_práticasManual de boas_práticas
Manual de boas_práticas
 
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SBOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´s
 
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoBPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriaSegurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
 

Destaque

Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Railenne De Oliveira Celestino
 
POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃOPOP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
mauricioronei
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004
Marcelo Leal Souza
 
5 pop 004.01 - treinamento
5   pop 004.01 - treinamento5   pop 004.01 - treinamento
5 pop 004.01 - treinamento
Andreia Carvalho
 
Pot ou its
Pot ou itsPot ou its
Pot ou its
Marcelo Leal Souza
 
Pop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoPop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisado
Roderly
 
RDC 17 2010 Perguntas e respostas
RDC 17 2010 Perguntas e respostasRDC 17 2010 Perguntas e respostas
RDC 17 2010 Perguntas e respostas
Renata Jorge Tiossi
 
Ju farma
Ju farmaJu farma
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorialAula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Hugo Sousa
 
Pop microscopia
Pop   microscopiaPop   microscopia
Pop microscopia
José Vitor Alves
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Railenne De Oliveira Celestino
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MGPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
Cínthia Lima
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Railenne De Oliveira Celestino
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
Bruno Andrade
 
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosBoas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Safia Naser
 
Conclusão
ConclusãoConclusão
Conclusão
Cynthia Funchal
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Deisi Colombo
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNT
Micheli Wink
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
william vilhena
 

Destaque (20)

Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
 
POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃOPOP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_2_2004
 
5 pop 004.01 - treinamento
5   pop 004.01 - treinamento5   pop 004.01 - treinamento
5 pop 004.01 - treinamento
 
Pot ou its
Pot ou itsPot ou its
Pot ou its
 
Pop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoPop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisado
 
RDC 17 2010 Perguntas e respostas
RDC 17 2010 Perguntas e respostasRDC 17 2010 Perguntas e respostas
RDC 17 2010 Perguntas e respostas
 
Ju farma
Ju farmaJu farma
Ju farma
 
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorialAula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
 
Pop microscopia
Pop   microscopiaPop   microscopia
Pop microscopia
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MGPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
 
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosBoas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
 
Conclusão
ConclusãoConclusão
Conclusão
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNT
 
Resíduos hospitalares
Resíduos hospitalaresResíduos hospitalares
Resíduos hospitalares
 

Semelhante a PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP

Dicas de Padronização de Processos
Dicas de Padronização de ProcessosDicas de Padronização de Processos
Dicas de Padronização de Processos
Gerisval Pessoa
 
Apresentação - Projeto Conhecimento
Apresentação - Projeto ConhecimentoApresentação - Projeto Conhecimento
Apresentação - Projeto Conhecimento
Labsoft - myLIMS
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucesso
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucessoPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucesso
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucesso
Ivan Tojal
 
Importância do controle empresarial
Importância do controle empresarialImportância do controle empresarial
Importância do controle empresarial
B&R Consultoria Empresarial
 
Importância do controle empresarial
Importância do controle empresarialImportância do controle empresarial
Importância do controle empresarial
B&R Consultoria Empresarial
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...
Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...
Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
TP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da QualidadeTP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da Qualidade
Cristiana
 
3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica
3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica
3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica
QualiChart
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
Anne Bezerra
 
Qualidade e processos
Qualidade e processosQualidade e processos
Qualidade e processos
Jeferson L. Feuser
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
Rafael Silva
 
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Anderson Pontes
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
Andressa Ribeiro
 
Aula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdf
Aula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdfAula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdf
Aula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdf
Patrick271412
 
Mapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdfMapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdf
AroldoMenezes1
 
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
JanainaGomes68
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Cesar Gonçalves
 
Formação de-auditores-líderes-23-03-2014
Formação de-auditores-líderes-23-03-2014Formação de-auditores-líderes-23-03-2014
Formação de-auditores-líderes-23-03-2014
Andrew Rocha
 
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e TreinamentoWCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
EXCELLENCE CONSULTING
 

Semelhante a PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP (20)

Dicas de Padronização de Processos
Dicas de Padronização de ProcessosDicas de Padronização de Processos
Dicas de Padronização de Processos
 
Apresentação - Projeto Conhecimento
Apresentação - Projeto ConhecimentoApresentação - Projeto Conhecimento
Apresentação - Projeto Conhecimento
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucesso
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucessoPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucesso
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: receita de sucesso
 
Importância do controle empresarial
Importância do controle empresarialImportância do controle empresarial
Importância do controle empresarial
 
Importância do controle empresarial
Importância do controle empresarialImportância do controle empresarial
Importância do controle empresarial
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...
Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...
Ebook Procedimento Operacional Padrao A chave para uma Clinica Odontologica d...
 
TP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da QualidadeTP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da Qualidade
 
3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica
3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica
3 aplicacoes-para-o-gerenciamento-da-qualidade-analitica
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
 
Qualidade e processos
Qualidade e processosQualidade e processos
Qualidade e processos
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
 
Aula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdf
Aula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdfAula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdf
Aula 02 Assistente de RH - Comunicação Social I - Processos de Comunicação.pdf
 
Mapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdfMapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdf
 
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
 
Formação de-auditores-líderes-23-03-2014
Formação de-auditores-líderes-23-03-2014Formação de-auditores-líderes-23-03-2014
Formação de-auditores-líderes-23-03-2014
 
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e TreinamentoWCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
 

Mais de Railenne De Oliveira Celestino

Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Railenne De Oliveira Celestino
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Railenne De Oliveira Celestino
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
Railenne De Oliveira Celestino
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Railenne De Oliveira Celestino
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
Railenne De Oliveira Celestino
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE

Mais de Railenne De Oliveira Celestino (9)

Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Vias de acesso NE
 

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP

  • 1. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance da meta padrão. Contem: listagem dos equipamentos; peças e materiais utilizado na tarefa, incluindo-se os instrumentos de medida; padrões da qualidade; descrição dos procedimentos da tarefa por atividades críticas; condições de fabricação, de operação e pontos proibidos de cada tarefa; pontos de controle (itens de controle e características da qualidade) e os métodos de controle; relação de anomalias passíveis de ação; roteiro de inspeção períodicas dos equipamentos de produção. O mesmo que SOP - Standard Operation Procedure ou Procedimento Padrão de Operação. Como e quem deve fazer um POP? Transcrever as tarefas rotineiras que todos fazemos mecanicamente para uma folha de papel nem sempre é uma tarefa fácil, talvez seja um pouco cansativa, mas devemos tomar alguns cuidados. - Nunca copie procedimentos de livros ou de outras organizações, existem particularidades que só o nosso estabelecimento tem e isso é de fácil percepção por parte do responsável do estabelecimento ou ainda por ação de auditores, nem tão experientes. - A pessoa que executa a tarefa é quem deve colaborar com o desenvolvimento do procedimento, ele é o dono do processo. Existe ainda um caráter psicológico que faz com que o funcionário se sinta parte integrante do Sistema da Qualidade do estabelecimento e que as diretrizes desse sistema não sejam uma imposição da alta administração. - O funcionário tem que ser treinado, habilitado e qualificado para a execução de sua tarefa. Sendo assim, escreva o que você faz e faça o que está escrito. - Faça constantes análises críticas (pelo menos duas vezes por ano) sobre a aplicabilidade de seus procedimentos e se os mesmos ainda estão sendo seguidos. - A linguagem utilizada no POP deverá estar em consonância com o grau de instrução das pessoas envolvidas nas tarefas, dê preferência para uma linguagem simples e objetiva. O conteúdo do POP, assim como sua aplicação, deverá ter o completo entendimento e familiarização por parte dos funcionários que tenham participação direta e/ou indireta na qualidade final daquele procedimento. Normalmente a ingerência de supervisores, coordenadores e diretores neste ponto é uma das causa de ineficiência na implantação de um Sistema da Qualidade. Cabendo aos mesmos as responsabilidades pela revisão e aprovação do POP. Qual a finalidade do POP? Um POP tem o objetivo de se padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de tarefas fundamentais, para o funcionamento correto do processo. Ou seja, um POP coerente garante ao usuário que a qualquer momento que ele se dirija ao estabelecimento, as ações tomadas para garantir a qualidade sejam as mesmas, de um turno para outro, de um dia para outro. Ou seja, aumenta-se a previsibilidade de seus resultados, minimizando as variações causadas por imperícia e adaptações aleatórias, independente de falta, ausência parcial ou férias de um funcionário. O POP também tem uma finalidade interna de ser um ótimo instrumento para a Gerência da Qualidade para praticar auditorias internas. Ou seja, funcionários de um setor auditam outro setor e de posse de um POP do setor auditado o auditor encontra subsídios técnicos para indagações e verificação deeficácia da metodologia, assim como sua familiarização entre os auditados. Adaptado do Curso de BPLC – ministrado por Renato Lima Duarte
  • 2. RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA 6.DOCUMENTAÇÃO: 6.1.O estabelecimento deve manter procedimentos operacionais escritos quanto as condições para aquisição, armazenamento, conservação e dispensação de produtos. 6.2.Deve existir procedimentos claros quanto ao destino dos produtos com prazo de validade vencidos sejam os mesmos sujeitos a controle especial ou não. 6.3.Devem ser instituídos procedimentos que definam a política da empresa quanto aos produtos próximos ao vencimento. 6.4.Todos os procedimentos referentes a aplicação de injetáveis devem ser realizados mediantes rotinas pré-estabelecidas, bem como, obedecer à prescrição médica. 6.5.Deve existir procedimento que defina a utilização de materiais descartáveis e garanta a sua utilização somente dentro do prazo de validade.