SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Angélica Carvalho
Dayane da Mota
Graciela Santana
Jaciara Fonseca
Jéssica Michele
Railenne Oliveira
Simone

Montes Claros
Setembro/2013
NUTRIÇÃO ENTERAL



Entende-se por terapia de nutrição enteral (TNE)
um

conjunto

de

procedimentos

terapêuticos

empregados para manutenção ou recuperação do
estado nutricional por meio de nutrição enteral.
SELEÇÃO DA VIA DE ACESSO





Deve-se estimar o tempo pelo qual a TNE será
necessária para a escolha da melhor via.
TNE de curto prazo (sondas)
TNE de longo prazo (estomias)




Uma vez realizada a opção por sonda nasoenteral ou
estomia, a próxima decisão a ser tomada é relativa
ao local da extremidade distal da sonda.
Estômago ou no intestino delgado?

Posicionamento pré-pilórico: sonda nasogástrica
ou gastrostomia.





Posicionamento pós-pilórico: sonda nasoduodenal,
nasojejunal e jejunostomia.
MÉTODOS DE ADMINISTRAÇÃO
DA NE
VIAS DE ACESSO
 Nasoenteral
 Nasogástrica
 Nasoduodenal
 Nasojejunal

 Faringostomia
 Gastrostomia
 Jejunostomia
VIAS DE ACESSO


Em

pacientes

com

arquitetura

e

função

gastrintestinal preservada e sem grande risco de
aspiração e refluxo gastroesofágico, a intubação
nasogástrica é forma mais fácil e com menor custo
para acesso nutricional enteral.
SONDAGEM NASOENTERAL




Mais utilizada;
Inserção da sonda , em posição pré ou pós-pilórica,
na maioria das vezes é feita à beira do leito e pode
ser manual ou com auxílio endoscópico ou
fluoroscópico.

Verifica-se o posicionamento correto:
* ausculta do ar injetado
* aspiração de sucos entéricos
* medida de pH.

FARINGOSTOMIA E
ESOFAGOSTOMIA


Pouco empregadas pelas equipes de terapia
nutricional;



1951 descrita a passagem da sonda pela faringe
para permitir a nutrição de pacientes com câncer do
trato aerodigestivo alto.



Alternativa segura para pacientes que necessitavam
de nutrição a longo prazo.



Indicações especiais: Atresia de esôfago
GASTROSTOMIA


As sondas podem ser posicionadas através de
cirurgia aberta ou por via percutânea ou utilizando
endoscópicos.



Existem três técnicas diferentes: técnica de tração,
a técnica de impulsão e técnica de punção.
JEJUNOSTOMIA


O acesso é alcançado pelos mesmos métodos básicos
da gastrostomia, com algumas modificações para
acomodar na posição jejunal.
CUIDADOS NA MANUTENÇÃO DAS
ESTOMIAS


O vazamento do suco gástrico ou duodenal para a
pele ou tensão da sonda sobre a pele podem causar
irritação e ulceração.



A pele deve ser observada várias vezes ao dia
procurando evidenciar sinais de vazamento ou
infecção, tais como: eritema, drenagem purulenta ou
edema.



Prevenção: limpar diariamente a pele ao redor da
sonda com água morna ou sabão neutro; aplique gazes
e fixe com fitas alergênicas.
REFERÊNCIAS


WAITZBERG, Dan linetzky. Nutrição oral,
enteral e parenteral na prática clínica. 3º
ed.São Paulo: Ed.Atheneu,2006. pág 561- 590.
Vias de acesso NE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Letícia Gonzaga
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
deboradamata
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 

Mais procurados (20)

Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
 
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de CasoGASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
 
Clínica Médica l
Clínica Médica lClínica Médica l
Clínica Médica l
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 

Destaque

Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
natybortoletto
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
ONCOcare
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
Safia Naser
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.
Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.
Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.
Renata Araújo
 
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
ONCOcare
 
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edisonPo sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Edison Santos
 
Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
Marcio Pinto da Silva
 

Destaque (20)

Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
TERAPIA NUTRICIONAL
TERAPIA NUTRICIONALTERAPIA NUTRICIONAL
TERAPIA NUTRICIONAL
 
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
38   manutenção de sondas e cuidados na administração38   manutenção de sondas e cuidados na administração
38 manutenção de sondas e cuidados na administração
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
 
Drenos e Sondas
Drenos e SondasDrenos e Sondas
Drenos e Sondas
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Manual sobre drenos
Manual sobre drenosManual sobre drenos
Manual sobre drenos
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.
Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.
Choques; Nutrição Enteral; Nutrição Parenteral, Intubação.
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Drenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondasDrenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondas
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Nutrição Enteral Domiciliar: manual do Usuário - Unicamp
Nutrição Enteral Domiciliar: manual do Usuário - UnicampNutrição Enteral Domiciliar: manual do Usuário - Unicamp
Nutrição Enteral Domiciliar: manual do Usuário - Unicamp
 
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
 
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edisonPo sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
Po sondagem nasogastrica-nasoenteral_2012.pdf-edison
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
Administração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagemAdministração de medicamentos em enfermagem
Administração de medicamentos em enfermagem
 

Semelhante a Vias de acesso NE

Ta gastrostomia aliment-ent
Ta gastrostomia aliment-entTa gastrostomia aliment-ent
Ta gastrostomia aliment-ent
jaqueac2012
 
Endoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopiaEndoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopia
Cláudia Sofia
 

Semelhante a Vias de acesso NE (20)

Sonda nasogastrica
Sonda nasogastricaSonda nasogastrica
Sonda nasogastrica
 
aula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxaula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptx
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
 
Cirurgias gástricas
Cirurgias gástricasCirurgias gástricas
Cirurgias gástricas
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Nutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdfNutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdf
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
 
Ta gastrostomia aliment-ent
Ta gastrostomia aliment-entTa gastrostomia aliment-ent
Ta gastrostomia aliment-ent
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
 
Endoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopiaEndoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopia
 
Assistência Gastrointestinal e Endócrina em Terapia Intensiva
Assistência Gastrointestinal e Endócrina em Terapia IntensivaAssistência Gastrointestinal e Endócrina em Terapia Intensiva
Assistência Gastrointestinal e Endócrina em Terapia Intensiva
 
Slide de Gastrectomia
Slide de Gastrectomia Slide de Gastrectomia
Slide de Gastrectomia
 
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfaulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
 
8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
 
Complicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPTComplicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPT
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Aula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.pptAula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.ppt
 

Mais de Railenne De Oliveira Celestino

Mais de Railenne De Oliveira Celestino (14)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Vias de acesso NE

  • 1. Angélica Carvalho Dayane da Mota Graciela Santana Jaciara Fonseca Jéssica Michele Railenne Oliveira Simone Montes Claros Setembro/2013
  • 2. NUTRIÇÃO ENTERAL  Entende-se por terapia de nutrição enteral (TNE) um conjunto de procedimentos terapêuticos empregados para manutenção ou recuperação do estado nutricional por meio de nutrição enteral.
  • 3. SELEÇÃO DA VIA DE ACESSO    Deve-se estimar o tempo pelo qual a TNE será necessária para a escolha da melhor via. TNE de curto prazo (sondas) TNE de longo prazo (estomias)
  • 4.   Uma vez realizada a opção por sonda nasoenteral ou estomia, a próxima decisão a ser tomada é relativa ao local da extremidade distal da sonda. Estômago ou no intestino delgado? Posicionamento pré-pilórico: sonda nasogástrica ou gastrostomia.   Posicionamento pós-pilórico: sonda nasoduodenal, nasojejunal e jejunostomia.
  • 5.
  • 6.
  • 8. VIAS DE ACESSO  Nasoenteral  Nasogástrica  Nasoduodenal  Nasojejunal  Faringostomia  Gastrostomia  Jejunostomia
  • 9. VIAS DE ACESSO  Em pacientes com arquitetura e função gastrintestinal preservada e sem grande risco de aspiração e refluxo gastroesofágico, a intubação nasogástrica é forma mais fácil e com menor custo para acesso nutricional enteral.
  • 10. SONDAGEM NASOENTERAL   Mais utilizada; Inserção da sonda , em posição pré ou pós-pilórica, na maioria das vezes é feita à beira do leito e pode ser manual ou com auxílio endoscópico ou fluoroscópico. Verifica-se o posicionamento correto: * ausculta do ar injetado * aspiração de sucos entéricos * medida de pH. 
  • 11.
  • 12. FARINGOSTOMIA E ESOFAGOSTOMIA  Pouco empregadas pelas equipes de terapia nutricional;  1951 descrita a passagem da sonda pela faringe para permitir a nutrição de pacientes com câncer do trato aerodigestivo alto.  Alternativa segura para pacientes que necessitavam de nutrição a longo prazo.  Indicações especiais: Atresia de esôfago
  • 13.
  • 14. GASTROSTOMIA  As sondas podem ser posicionadas através de cirurgia aberta ou por via percutânea ou utilizando endoscópicos.  Existem três técnicas diferentes: técnica de tração, a técnica de impulsão e técnica de punção.
  • 15. JEJUNOSTOMIA  O acesso é alcançado pelos mesmos métodos básicos da gastrostomia, com algumas modificações para acomodar na posição jejunal.
  • 16. CUIDADOS NA MANUTENÇÃO DAS ESTOMIAS  O vazamento do suco gástrico ou duodenal para a pele ou tensão da sonda sobre a pele podem causar irritação e ulceração.  A pele deve ser observada várias vezes ao dia procurando evidenciar sinais de vazamento ou infecção, tais como: eritema, drenagem purulenta ou edema.  Prevenção: limpar diariamente a pele ao redor da sonda com água morna ou sabão neutro; aplique gazes e fixe com fitas alergênicas.
  • 17.
  • 18. REFERÊNCIAS  WAITZBERG, Dan linetzky. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 3º ed.São Paulo: Ed.Atheneu,2006. pág 561- 590.