SlideShare uma empresa Scribd logo
1.
2.

3.

4.

5.

EXERCÍCIO 8 – Leite
Qual o objetivo da IN 51?
que regulamenta a produção, identidade, qualidade, coleta e
transporte do leite A, B, C, pasteurizado e cru refrigerado
Fale sobre como deve proceder o produtor com relação ao
armazenamento e o transporte do leite da propriedade rural
até a usina de beneficiamento. O leite cru deverá ser refrigerado
na propriedade rural. Os produtores rurais deverão usar tanques
de refrigeração por expansão direta ou por imersão de latões em
água gelada, desde que o leite seja mantido abaixo de 7ºC por,
no máximo, 48 horas. O leite cru refrigerado deverá ser
transportado a granel da propriedade para a indústria, em tanques
rodoviários isotérmicos.
O leite cru não refrigerado poderá ser transportado em latões,
desde que chegue à indústria até duas horas após a ordenha.
Quais as análises do leite são realizadas pela Rede Brasileira
de Laboratórios de Controle de Qualidade do Leite?
Contagem Bacteriana Total (CBT), Contagem de Células
Somáticas (CCS), Determinação dos teores de gordura, lactose,
proteína, sólidos totais, sólidos desengordurados; Pesquisa de
resíduos de antimicrobianos.
Quais as principais alterações que ocorrem no leite
contaminado por bactérias pscicotrofilas, mesófilas e
termófilas?
As bactérias psicrotróficas que se multiplicam em temperaturas
baixas (7oC ou menos). causam degradação das proteínas e
gordura do leite, com conseqüente alterações no sabor e odor e
mesmo a redução no rendimento dos queijos.
Bactérias mesofílicas, isto é, a temperatura ótima de
multiplicação é entre 25 a 35oC A contaminação do leite com
essas bactérias se dá, geralmente, devido a falhas nos processos
de higienização das tetas antes da ordenha e a falhas nos
sistemas de limpeza e sanitização dos equipamentos de ordenha,
tanque de refrigeração ou utensílios que entram em contato com
o leite. Ocasionando contaminação por microorganismo
patogênico.
bactérias termófilas: o crescimento deste tipo de bactéria dá-se
por falhas no processo de pasteurização, já q ela resiste a altas
temperaturas 100ºC ou menos e produzem esporos resistentes
há diversas condições, com o crescimento desta bactéria diminui
a vida de prateleira do produto, As bactérias termófilas são
associadas com falhas crônicas ou persistentes de limpeza dos
equipamentos de ordenha ou de contaminação originada do solo.
O que são células somáticas? Qual a importância na sua
contagem? Afeta a qualidade da matéria prima?
A contagem de células somáticas (CCS) do leite total do
rebanho é um indicativo da prevalência de mastite e da qualidade
da composição do leite.
Rebanhos com baixas CCS
apresentam
menores perdas na produção e produzem leite com melhor
qualidade composicional, tanto do ponto de vista nutricional
quanto do processamento.
6. Quais os tipos de mastite podem ser verificadas em rebanhos
contaminados?
Existe a mastite clinica e a subclínica; a clinica pode ser
observada pelo ordenhador , pois ela apresenta sintomas como a
teta aumeta o tamanho, presença de pus e ou sangue no
primeiro jato entre outras já a subiclinicas não apresentam
sintomoas por isso mais difícil de se identificar.
7. Por que os produtores, a indústria, autoridades de saúde
pública se preocupam com os resíduos de antibióticos no
leite?
Uma pequena porcentagem de consumidores apresenta reação
alérgica à penicilina, mesmo para as pequenas quantidades que
podem aparecer no leite como resíduos;
Os resíduos de antibióticos poderiam atuar sobre as bactérias
do ambiente e/ou presentes nos animais, selecionando amostras
resistentes, o que pode prejudicar futuros tratamentos, se
necessários.
Pequenas concentrações de antibióticos podem inibir as
espécies de bactérias usadas nos produtos lácteos fermentados,
e o leite não poderá ser usado para o processamento
posteriormente.
8. Cite algumas medidas de higiene
devem ser
tomadas para evitar a contaminação do leite.
Adequação do ambiente / Manejo de
dejetos /
Condução dos animais para a ordenha / Detecção de mastite /
Preparação do úbere para a ordenha / Desinfecção das tetas
antes da ordenha (predipping) / Ordenha / Desinfecção das tetas
pós-ordenha (posdipping) / Manutenção dos animais em pé após
a ordenha: é recomendado para evitar a penetração/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

qualidade do leite
qualidade do leitequalidade do leite
qualidade do leite
guestb24543c
 
Relatorio analise de leite pratica
Relatorio analise de leite   praticaRelatorio analise de leite   pratica
Relatorio analise de leite pratica
CARDENE A. GUARITA CARDENE ANDRADE
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
monimatos
 
Leite
LeiteLeite
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
Nágela Magave
 
Índice crioscópico
Índice crioscópico Índice crioscópico
Índice crioscópico
Emidio Barros
 
Senar produção de leite conforme in 62
Senar   produção de leite conforme in 62Senar   produção de leite conforme in 62
Senar produção de leite conforme in 62
Jane Domingues
 
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leiteManipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
If-Leite Qualidade do Leite
 
Roteiro aula pratica
Roteiro aula praticaRoteiro aula pratica
Roteiro aula pratica
Grazielly Momsen
 
RELATÓRIO leite
RELATÓRIO leiteRELATÓRIO leite
Cartilha
CartilhaCartilha
Pasteurização (leite)
Pasteurização (leite)Pasteurização (leite)
Pasteurização (leite)
Mickeylodeon Brasil
 
Cap27
Cap27Cap27
Abate de bovinos -
Abate de bovinos - Abate de bovinos -
Abate de bovinos -
Tiago Faisca
 
Acidez do leite
Acidez do leiteAcidez do leite
Acidez do leite
fcanico
 
Queijo minas frescal
Queijo minas frescalQueijo minas frescal
Queijo minas frescal
Lenildo Araujo
 
Pasteurizaçao
PasteurizaçaoPasteurizaçao
Pasteurizaçao
Sandy Tavares
 
Produção De Frangos
Produção De FrangosProdução De Frangos
Produção De Frangos
Felipe Tavares
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
Raquel Jóia
 
Relatório Leite
Relatório LeiteRelatório Leite
Relatório Leite
Beatriz Rodrigues
 

Mais procurados (20)

qualidade do leite
qualidade do leitequalidade do leite
qualidade do leite
 
Relatorio analise de leite pratica
Relatorio analise de leite   praticaRelatorio analise de leite   pratica
Relatorio analise de leite pratica
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
 
Leite
LeiteLeite
Leite
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Índice crioscópico
Índice crioscópico Índice crioscópico
Índice crioscópico
 
Senar produção de leite conforme in 62
Senar   produção de leite conforme in 62Senar   produção de leite conforme in 62
Senar produção de leite conforme in 62
 
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leiteManipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
 
Roteiro aula pratica
Roteiro aula praticaRoteiro aula pratica
Roteiro aula pratica
 
RELATÓRIO leite
RELATÓRIO leiteRELATÓRIO leite
RELATÓRIO leite
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Pasteurização (leite)
Pasteurização (leite)Pasteurização (leite)
Pasteurização (leite)
 
Cap27
Cap27Cap27
Cap27
 
Abate de bovinos -
Abate de bovinos - Abate de bovinos -
Abate de bovinos -
 
Acidez do leite
Acidez do leiteAcidez do leite
Acidez do leite
 
Queijo minas frescal
Queijo minas frescalQueijo minas frescal
Queijo minas frescal
 
Pasteurizaçao
PasteurizaçaoPasteurizaçao
Pasteurizaçao
 
Produção De Frangos
Produção De FrangosProdução De Frangos
Produção De Frangos
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
 
Relatório Leite
Relatório LeiteRelatório Leite
Relatório Leite
 

Semelhante a EXERCICIO LEITE

B022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleiteB022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleite
Débora Oliveira
 
MILK POINT 3
MILK POINT 3MILK POINT 3
MILK POINT 3
guestb24543c
 
Milk
MilkMilk
Artigo TéCnico 1
Artigo TéCnico 1Artigo TéCnico 1
Artigo TéCnico 1
guestb24543c
 
Leites - análises e legislação
Leites - análises e legislaçãoLeites - análises e legislação
Leites - análises e legislação
Universidade Federal de Santa Catarina
 
leite e derivados.vacas e homens pdf
leite e derivados.vacas e homens     pdfleite e derivados.vacas e homens     pdf
leite e derivados.vacas e homens pdf
sarahvictoriasvtgsv
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
Sandra Semedo
 
Embrapaqueijoparmeso 170822133505
Embrapaqueijoparmeso 170822133505Embrapaqueijoparmeso 170822133505
Embrapaqueijoparmeso 170822133505
Andreia Oliveira Chahhoud
 
Queijo parmes--o
Queijo parmes--oQueijo parmes--o
Queijo parmes--o
Marcelo Diniz
 
Queijo parmesão
Queijo parmesãoQueijo parmesão
Queijo parmesão
Lenildo Araujo
 
Embrapa queijo parmesão
Embrapa queijo parmesãoEmbrapa queijo parmesão
Embrapa queijo parmesão
pauloweimann
 
Queijo parmesão
Queijo parmesãoQueijo parmesão
Queijo parmesão
Lenildo Araujo
 
Araújo 2009
Araújo 2009Araújo 2009
Araújo 2009
goretypuente
 
Analise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CE
Analise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CEAnalise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CE
Analise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CE
Francisco Pereira da Silva
 
Usinaleite
UsinaleiteUsinaleite
Usinaleite
Jhonas Amaral
 
Inspeção de Leite
Inspeção de LeiteInspeção de Leite
Inspeção de Leite
Maira Veruska
 
A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...
A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...
A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...
AngelaGontijo1
 
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
ImprimeServices
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
felipesoaresdesouza2
 
milk1
milk1milk1

Semelhante a EXERCICIO LEITE (20)

B022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleiteB022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleite
 
MILK POINT 3
MILK POINT 3MILK POINT 3
MILK POINT 3
 
Milk
MilkMilk
Milk
 
Artigo TéCnico 1
Artigo TéCnico 1Artigo TéCnico 1
Artigo TéCnico 1
 
Leites - análises e legislação
Leites - análises e legislaçãoLeites - análises e legislação
Leites - análises e legislação
 
leite e derivados.vacas e homens pdf
leite e derivados.vacas e homens     pdfleite e derivados.vacas e homens     pdf
leite e derivados.vacas e homens pdf
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
 
Embrapaqueijoparmeso 170822133505
Embrapaqueijoparmeso 170822133505Embrapaqueijoparmeso 170822133505
Embrapaqueijoparmeso 170822133505
 
Queijo parmes--o
Queijo parmes--oQueijo parmes--o
Queijo parmes--o
 
Queijo parmesão
Queijo parmesãoQueijo parmesão
Queijo parmesão
 
Embrapa queijo parmesão
Embrapa queijo parmesãoEmbrapa queijo parmesão
Embrapa queijo parmesão
 
Queijo parmesão
Queijo parmesãoQueijo parmesão
Queijo parmesão
 
Araújo 2009
Araújo 2009Araújo 2009
Araújo 2009
 
Analise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CE
Analise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CEAnalise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CE
Analise de Mesófilos em Leite Cru Comercializado na Cidade de Quixeramobim - CE
 
Usinaleite
UsinaleiteUsinaleite
Usinaleite
 
Inspeção de Leite
Inspeção de LeiteInspeção de Leite
Inspeção de Leite
 
A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...
A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...
A Ciência do Leite e seus derivados: Características, Processamento e tipos d...
 
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
5 - Características FQ e análises - Copy.pdf
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
 
milk1
milk1milk1
milk1
 

Mais de Railenne De Oliveira Celestino

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
Railenne De Oliveira Celestino
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Railenne De Oliveira Celestino
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Railenne De Oliveira Celestino
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Railenne De Oliveira Celestino
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Railenne De Oliveira Celestino
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
Railenne De Oliveira Celestino
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Railenne De Oliveira Celestino
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Railenne De Oliveira Celestino
 
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
Railenne De Oliveira Celestino
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Railenne De Oliveira Celestino
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010

Mais de Railenne De Oliveira Celestino (14)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Vias de acesso NE
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 

EXERCICIO LEITE

  • 1. 1. 2. 3. 4. 5. EXERCÍCIO 8 – Leite Qual o objetivo da IN 51? que regulamenta a produção, identidade, qualidade, coleta e transporte do leite A, B, C, pasteurizado e cru refrigerado Fale sobre como deve proceder o produtor com relação ao armazenamento e o transporte do leite da propriedade rural até a usina de beneficiamento. O leite cru deverá ser refrigerado na propriedade rural. Os produtores rurais deverão usar tanques de refrigeração por expansão direta ou por imersão de latões em água gelada, desde que o leite seja mantido abaixo de 7ºC por, no máximo, 48 horas. O leite cru refrigerado deverá ser transportado a granel da propriedade para a indústria, em tanques rodoviários isotérmicos. O leite cru não refrigerado poderá ser transportado em latões, desde que chegue à indústria até duas horas após a ordenha. Quais as análises do leite são realizadas pela Rede Brasileira de Laboratórios de Controle de Qualidade do Leite? Contagem Bacteriana Total (CBT), Contagem de Células Somáticas (CCS), Determinação dos teores de gordura, lactose, proteína, sólidos totais, sólidos desengordurados; Pesquisa de resíduos de antimicrobianos. Quais as principais alterações que ocorrem no leite contaminado por bactérias pscicotrofilas, mesófilas e termófilas? As bactérias psicrotróficas que se multiplicam em temperaturas baixas (7oC ou menos). causam degradação das proteínas e gordura do leite, com conseqüente alterações no sabor e odor e mesmo a redução no rendimento dos queijos. Bactérias mesofílicas, isto é, a temperatura ótima de multiplicação é entre 25 a 35oC A contaminação do leite com essas bactérias se dá, geralmente, devido a falhas nos processos de higienização das tetas antes da ordenha e a falhas nos sistemas de limpeza e sanitização dos equipamentos de ordenha, tanque de refrigeração ou utensílios que entram em contato com o leite. Ocasionando contaminação por microorganismo patogênico. bactérias termófilas: o crescimento deste tipo de bactéria dá-se por falhas no processo de pasteurização, já q ela resiste a altas temperaturas 100ºC ou menos e produzem esporos resistentes há diversas condições, com o crescimento desta bactéria diminui a vida de prateleira do produto, As bactérias termófilas são associadas com falhas crônicas ou persistentes de limpeza dos equipamentos de ordenha ou de contaminação originada do solo. O que são células somáticas? Qual a importância na sua contagem? Afeta a qualidade da matéria prima? A contagem de células somáticas (CCS) do leite total do rebanho é um indicativo da prevalência de mastite e da qualidade da composição do leite. Rebanhos com baixas CCS apresentam menores perdas na produção e produzem leite com melhor qualidade composicional, tanto do ponto de vista nutricional quanto do processamento.
  • 2. 6. Quais os tipos de mastite podem ser verificadas em rebanhos contaminados? Existe a mastite clinica e a subclínica; a clinica pode ser observada pelo ordenhador , pois ela apresenta sintomas como a teta aumeta o tamanho, presença de pus e ou sangue no primeiro jato entre outras já a subiclinicas não apresentam sintomoas por isso mais difícil de se identificar. 7. Por que os produtores, a indústria, autoridades de saúde pública se preocupam com os resíduos de antibióticos no leite? Uma pequena porcentagem de consumidores apresenta reação alérgica à penicilina, mesmo para as pequenas quantidades que podem aparecer no leite como resíduos; Os resíduos de antibióticos poderiam atuar sobre as bactérias do ambiente e/ou presentes nos animais, selecionando amostras resistentes, o que pode prejudicar futuros tratamentos, se necessários. Pequenas concentrações de antibióticos podem inibir as espécies de bactérias usadas nos produtos lácteos fermentados, e o leite não poderá ser usado para o processamento posteriormente. 8. Cite algumas medidas de higiene devem ser tomadas para evitar a contaminação do leite. Adequação do ambiente / Manejo de dejetos / Condução dos animais para a ordenha / Detecção de mastite / Preparação do úbere para a ordenha / Desinfecção das tetas antes da ordenha (predipping) / Ordenha / Desinfecção das tetas pós-ordenha (posdipping) / Manutenção dos animais em pé após a ordenha: é recomendado para evitar a penetração/