SlideShare uma empresa Scribd logo
Qualidade no Ambiente Hospitalar
História da Qualidade
Evolução na Saúde
Profª. Es. Rúbia Soraya Rabello
Qualidade
PROGRAMAÇÃO
2
• História Gestão da Qualidade
• Evolução da Qualidade – Saúde
• Gurus da Qualidade
• O papel do profissional da saúde na Qualidade
• Ferramentas da Qualidade e sua aplicação na Saúde
- PDCA, DMAIC, Fluxogramas, Diagrama de Causa e Efeito,
Histograma, FMEA, 5W2H, 5 porquês.
• Indicadores
• Lean Six Sigma na Saúde
• Metodologias nacionais e internacionais de certificação e
acreditação ( CQH, ONA, ISSO, JCI, NIAHO e Qmentum )
Bibliografia
Bibliografia Recomendada
3
Avaliação
4
SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA
• ATIVIDADE EM SALA = 40% DA NOTA FINAL
• AVALIAÇÃO INDIVIDUAL = 60% DA NOTA
Apresentação
5
APRESENTAÇÃO
• Nome
• Formação
• Área de atuação
• Expectativa
• Contato: rurabello@yahoo.com
Histórico
6
HISTÓRICO DA QUALIDADE
HAMURABI
Identifica-se alguma noção de responsabilidade médica e qualidade em saúde,
assinalada pela abordagem da má prática :
Consolidam-se as leis babilônicas com o célebre monarca Hamurabi (1728 A.C.),
que se tornou famoso por preconizar a lei do talião, princípio sintetizado na
expressão “Oho por olho, dente por dente”, e pelo qual se aplica ao faltoso, um
castigo rigorosamente proporcional ao dano que causou.
Histórico
7
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Os Fenícios amputavam a mão do fabricante de determinados produtos que
não fossem produzidos, segundo as especificações governamentais, com
perfeição.
Já os Romanos desenvolveram técnicas de pesquisa altamente sofisticadas para
época e as aplicavam principalmente na divisão e mapeamento territorial para
controlar as terras rurais incorporadas ao Império. Desenvolveram padrões de
qualidade, métodos de medição e ferramentas específicas para execução
destes serviços.
Histórico
8
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Século IV A.C.
Juramento de Hipócrates.
Conceito de primun non nocere (primeiro não lesar).
Na Roma antiga exige-se licença e estabelece-se regulamentação para o
exercício profissional, além de fixar-se a proporção de médicos necessários para
o atendimento à população.
Desenvolve-se conceitos de higiene e de preservação da saúde estreitamente
relacionados com o contexto cultural, filosófico e místico de cada povo. Há
registros muito antigos (expressos em gravuras, estátuas, descrições etc), sobre:
Cuidados com a saúde individual e coletiva;
Descrição de morbidades e suas prováveis causas;
Possíveis terapêuticas a serem empregadas;
Além das transformações do meio ambiente para a proteção contra os agravos
existentes.
Histórico
9
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Idade Média
Com a crescente complexidade técnico-científica e a transformação da
atenção à saúde em um processo multifatorial e multiprofissional, revisa-
se e altera-se a compreensão e o entendimento de ser o médico o único
responsável pelos resultados da atividade médica.
Na Europa durante a idade média já se discutiam ideias sobre as causas das
morbidades, as condições de higiene individual e coletiva, e as possíveis
terapêuticas. No final deste período surge a percepção da necessidade do
controle do ambiente e da higiene.
As Américas são descobertas e ocupadas ao final do século XV, sendo sua
colonização efetivada sob o reflexo desta cultura, apesar de , em 1348, em
Veneza, já serem estabelecidas medidas de vigilância dos portos para
impedir a entrada de epidemias na idade, o que caracteriza preocupação
com a preservação da saúde coletiva.
Histórico
10
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Histórico
11
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Século XIX e Florence Nightingale
Progressivamente percebe-se a necessidade de estabelecer paradigmas adequados de
qualidade, eficiência e eficácia, deixando de apenas avaliar o ato da atenção à saúde
para incorporar a análise, o seguimento, os resultados, procurando estabelecer os
possíveis nexos causais com evoluções insatisfatórias.
Os primeiros modelos direcionados à gestão da qualidade da assistência médica
iniciam em 1855 durante a Guerra da Criméia com Florence Nightingale (1820-
1910), que desenvolve métodos de coleta de dados, registros de arquivamento,
além de medidas de higiene relacionadas a todo processo de atenção aos feridos
de guerra. (Primeira relação com acreditação de hospitais). A consequência de seu
sistema é a melhora da qualidade de atendimento e a diminuição da mortalidade,
com a tentativa de estabelecer modelos de atendimento.
Histórico
12
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Século XX e Ernest Codman
Cirurgião e professor. Realiza a primeira iniciativa de avaliação dos serviços em saúde
em 1910, formulando a proposta para um sistema de gerenciamento de resultados
(The End Result System Standardization), determinando que o hospital deve
acompanhar cada paciente o tempo suficiente para determinar se o tratamento
alcança os objetivos propostos. Caso contrário, o hospital deve procurar determinar
o motivo do resultado insatisfatório, buscar corrigir as falhas encontradas e com isto,
elevar a chance de sucesso no futuro.
Este sistema foi implementado nos pacientes de Codman, mas as dificuldades em
realizar as análises em pacientes de seus colegas, culmina na expulsão de Coldman do
hospital em que trabalhava, levando-o a criar uma unidade hospitalar própria para
assim aplicar seu método de avaliação.
Constituida a ACS – American Chemical Society
Histórico
13
HISTÓRICO DA QUALIDADE
1917 – Minimum Standard for Hospitals
Preceitos:
Organização do corpo clinico nos hospitais;
Graduação em medicina e licenciatura legal dos membros do corpo clinico;
Adoção pelo corpo clinico e com aprovação do conselho diretor do hospital, de
regras, regulamentos e políticas que governem o trabalho profissional do hospital;
Organização e guarda de prontuários individuais, precisos e corretos, com ênfase
na padronização do conteúdo, incluindo “identificação, história da doença atual,
exame físico, exames especiais, tratamento médico ou cirúrgico, achados
patológicos macro ou microscópicos, anotações da evolução e, em caso de morte,
os achados da necropsia;
Disponibilidade do equipamento para diagnóstico e terapêutica, incluindo pelo
menos, laboratório de patologia clinica e serviços de radiologia.
Histórico
14
HISTÓRICO DA QUALIDADE
1918 – American College of Surgeons
Na primeira auditoria realizada em hospitais nos Estados Unidos pela ACS, em
1918, apenas 89 de 692 hospitais com 200 leito ou mais, cumprem os padrões
mínimos propostos. Em virtudes destes números constrangedores, opta-se pela
divulgação confidencial dos resultados específicos a cada instituição, evitando-se
a veiculação pública.
Fica estabelecido que o objetivo da auditoria deva ser o auto aperfeiçoamento de
cada instituição, a fim de proporcionar informações para que gestores hospitalares
o usem como substrato de programas de metas e projetos de melhoria dos
padrões de assistência médica.
O American College of Surgeons dá continuidade ao programa de padronização
de hospitais, desenvolvido por Codman, no período de 1917 a 1951, chegando a
3290 hospitais aprovados em 1950.
Histórico
15
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Década de 50 – Joint Commission
O programa de acreditação torna-se muito grande e complexo para uma
organização administrar, formando-se em 1951, a Joint Commission on
Acreditation of Hospitals – JCAH, mais tarde (1987) renomeada como Joint
Commission on Acreditation of Organizations – JCAHO: uma organização
idependente, sem fins lucrativos, cujo objetivo era proporcionar a acreditação
voluntária.
Com o rápido crescimento do número de hospitais norte-americanos, após
segunda guerra mundial, dissemina-se o conceito de QUALIDADE para as outras
associações da categoria profissional.
Histórico
16
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Canadá, EUA e Austrália
1953 – Canadian Commission on Hospital Accreditation
Com propósito de criar um programa canadense para acreditação hospitalar.
1958 – É incorporada a Canadian Council on Hospital Accreditation
Objetivando estabelecer padrões para os hospitais canadenses e avaliar sua
adesão, cuja agregação ao programa é voluntária, livre de intervenção
governamental, nacional, bilíngue e sem fins lucrativos.
Década de 60 – Os EUA introduzem o Medicare e o Medicald em seus
modelos de assistência médica, onde os hospitais acreditados pela Joint
Commission foram habilitados a participar pois já possuem a maior parte dos
requisitos necessários par o funcionamento.
1970 – Estabelece-se os padrões ótimos para acreditação, visto que já atendiam
aos padrões mínimos estabelecidos anteriormente.
1974 – Austrália forma o Conselho de Padronização dos Hospitais.
Histórico
17
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Espanha e América Latina
1989 - Na Espanha é criada a ENAC (Entidad Nacional de Acreditación)
O processo inicia com o preenchimento de formulários pelos interessados;
Análise de documentação; promoção de auditorias formalizadas com resultados
detalhadamente descritos para promoção de ações corretivas sobre as não
conformidades que julgar poder solucionar.
1961 – Conselho interamericano econômico e social elabora a carta de Punta Del Este,
recomendando a elaboração de planos nacionais de desenvolvimento social e
econômico, tendo a saúde como elemento fundamental.
Anos 80 - A recessão resultou na deterioração dos setores sociais e por consequência
dos hospitais, para remediar esta situação inicia-se o OPAS (Organização Pan-
americana de Saúde), elaborando projetos para mudança de abordagem da
assistência SILOS (Sistemas Locais de Saúde), que descentraliza a saúde do
poder administrativo e técnico, estimulando uma abordagem gerencial, planejada
e programada.
Histórico
18
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Anos 90- América do Sul e América Central
OPAS - patrocina seminários nacionais para todos os países da América do Sul, América
Central e Caribe, além de reuniões com representantes de países das sub-regiões e três
grandes conferências Latino Americanas.
A Acreditação passou a ser vista como elemento estratégico para desencadear e apoiar
iniciativas de qualidade nos serviços de saúde.
Iniciou-se um grande movimento para progressiva mudança de hábitos, de maneira a
provocar os profissionais de todos os níveis e serviços um novo estímulo para avaliar as
debilidades e forças da instituição, com o estabelecimento de metas claras e
mobilização constante para o aprimoramento dos objetivos, a fim de garantir a qualidade
da atenção médica.
Anos 90 – Manual de Acreditación de Hospitales para América Latina e Caribe
1993 – 2004 – América do Sul, América Central e Caribe (ligados ao Ministério da
Saúde), promovem seus movimentos de melhoria na assistência.
Histórico
19
HISTÓRICO DA QUALIDADE
PERÍODO VARGAS
1937 MES – Ministério de Educação e Saúde reorganiza-se pela lei 378, artigo 90,
objetivando facilitar ao governo federal o conhecimento das atividades relativas a
educação e à saúde realizadas no País, para facilitação da execução dos serviços e
concessão de auxílio e subsídio federais.
1941 DNS – Departamento Nacional de Saúde vinculado ao MES incorpora vários
serviços de combate a endemias existentes, assumindo o controle de formação de
técnicos em saúde pública e institucionaliza as campanhas de saúde pública criando a
DOH (Divisão de Organização Hospitalar) Propósitos:
Fornecer atenção ao doente, deficientes físicos e desamparados;
Organizar, normatizar, disciplinar cadastrar todas as organizações prestadoras de
serviço de saúde - OPSS;
Incentivar melhorias de todas as OPSS em busca de um modelo definido;
Inspecionar as OPSS para a verificação da aplicação dos subsídios federais;
Gerenciar sob todas as formas as instituições de assistência em todos os níveis.
NESTE ANO ACONTECE O PRIMEIRO CENSO HOSPITALAR.
Histórico
20
HISTÓRICO DA QUALIDADE
De 1960 à Década de 1990 - Passos para Acreditação Hospitalar
Reorganização do sistema
(IAPC IAPI INPS INAMPS)
Reorganização do sistema
(SUS). Desenvolvimento de
instrumentos gerenciais
relacionados aos serviços
oferecidos. População acesso
ao atendimento público
Fortalecimento dos estudos para
classificação de hospitais
segundo os critérios de
qualidade e utilização de
indicadores.
OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde 1902
IAPC - Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Comerciários 1961
IAPI - Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários 1962
INPS - Instituto Nacional de Previdência Social 1966
SUS – Sistema Único de Saúde 1988
1960 1974
1988
1990
Histórico
21
HISTÓRICO DA QUALIDADE
Ministério da Saúde
elabora projeto Garantia
da Qualidade em Saúde
Instituto de Medicina Social RJ é realizado
o simpósio Acreditação de Hospitais e
Melhoria de Qualidade em Saúde.
Diversas instituições ligadas à saúde
propõe PACQS
Desenvolvimento de manuais de
acreditação. Ceará, Rio Grande do Sul,
Rio de Janeiro e São Paulo – CQH.
MS cria o PGAQS
1992
1994 1995
1998
PACQS – Programa de Avaliação e Certificação da Qualidade em Serviços de Saúde (Objetivo de implantar uma
política de avaliação e certificação de qualidade em estabelecimentos de saúde.
PGAQS – Programa de Garantia e Aprimoramento da Qualidade em Saúde. A partir desta iniciativa intensifica-se
as discussões de acreditação no âmbito do ministério.
MS cria um grupo executivo para
implantação de programas e manuais, criados
a partis da versão OPAS (testado em 17
instituições hospitalares nas cinco regiões
brasileiras, a partir do resultado formaliza-se o
“Manual Brasileiro de Acreditação
Hospitalar”
Histórico
22
HISTÓRICO DA QUALIDADE
1999 – ONA
É constituída juridicamente a Organização Nacional de Acreditação, iniciando a
implantação de normas técnicas, credenciamento de instituições acreditadoras,
desenvolvimento do código de ética e a qualificação e capacitação de avaliadores.
2002 – ONA e Anvisa
Anvisa reconhece a organização como instituição competente e autorizada a
operacionalizar o desenvolvimento do processo de Acreditação de Organizações de
Serviços de Saúde no Brasil.
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
Renata Cristina
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
Rafael Lima
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
Fabiano Ladislau
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
Samira Rahaamid Paz
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Alex Eduardo Ribeiro
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Proqualis
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)
Weslei Andrade
 
A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
Eugenio Rocha
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Nocoes de administracao
Nocoes de administracaoNocoes de administracao
Nocoes de administracao
Romualdo Procópio
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Proqualis
 

Mais procurados (20)

Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)
 
A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Nocoes de administracao
Nocoes de administracaoNocoes de administracao
Nocoes de administracao
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
 

Destaque

Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
Tajra Assessoria Educacional Ltda
 
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
Maria Stella
 
Planejamento Operacional
Planejamento OperacionalPlanejamento Operacional
Planejamento Operacional
Débora Prado
 
Aula 5 planejamento tático
Aula 5   planejamento táticoAula 5   planejamento tático
Aula 5 planejamento tático
Murilo Amorim
 
Plano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negóciosPlano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negócios
Guilherme Carvalho
 
Aula 6 planejamento operacional
Aula 6   planejamento operacionalAula 6   planejamento operacional
Aula 6 planejamento operacional
Murilo Amorim
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
Monica Mamedes
 
Acreditações Hospitalares
Acreditações HospitalaresAcreditações Hospitalares
Acreditações Hospitalares
Rubia Soraya Rabello
 
JCI Londrina
JCI LondrinaJCI Londrina
JCI Londrina
JCI Londrina
 
Acreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdfAcreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdf
Juliane Assis
 
Acreditação hospitalar
Acreditação hospitalarAcreditação hospitalar
Acreditação hospitalar
Rodrigo Sousa
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 

Destaque (14)

Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
 
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
 
Planejamento Operacional
Planejamento OperacionalPlanejamento Operacional
Planejamento Operacional
 
Aula 5 planejamento tático
Aula 5   planejamento táticoAula 5   planejamento tático
Aula 5 planejamento tático
 
Plano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negóciosPlano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negócios
 
Aula 6 planejamento operacional
Aula 6   planejamento operacionalAula 6   planejamento operacional
Aula 6 planejamento operacional
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
 
Acreditações Hospitalares
Acreditações HospitalaresAcreditações Hospitalares
Acreditações Hospitalares
 
JCI Londrina
JCI LondrinaJCI Londrina
JCI Londrina
 
Acreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdfAcreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdf
 
Acreditação hospitalar
Acreditação hospitalarAcreditação hospitalar
Acreditação hospitalar
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
 

Semelhante a História da Qualidade

Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Arare Carvalho Júnior
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
JlioAlmeida21
 
Etica 06 boas praticas clinicas documento das americas bpc
Etica 06   boas praticas clinicas documento das americas bpcEtica 06   boas praticas clinicas documento das americas bpc
Etica 06 boas praticas clinicas documento das americas bpc
gisa_legal
 
éTica 06 boas práticas clínicas documento das americas bpc
éTica 06   boas práticas clínicas documento das americas bpcéTica 06   boas práticas clínicas documento das americas bpc
éTica 06 boas práticas clínicas documento das americas bpc
gisa_legal
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
EvertonMonteiro19
 
Codex higiene
Codex higieneCodex higiene
Codex higiene
Pedro Henrique
 
Codex alimentarius
Codex alimentariusCodex alimentarius
Codex alimentarius
Marcelo Vieira
 
8723 35029-1-pb
8723 35029-1-pb8723 35029-1-pb
8723 35029-1-pb
valneide
 
19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI
Javier Rodríguez-Vera
 
Codexalimentarius 110828085850-phpapp01
Codexalimentarius 110828085850-phpapp01Codexalimentarius 110828085850-phpapp01
Codexalimentarius 110828085850-phpapp01
Pierre Travassos
 
Codex alimentarius
Codex alimentariusCodex alimentarius
Codex alimentarius
marcoportela
 
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Camila Ferreira
 
8274 agosto
8274 agosto8274 agosto
8274 agosto
Vagner Machado
 
Experiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições Crônicas
Experiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições CrônicasExperiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições Crônicas
Experiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições Crônicas
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Programa de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculosePrograma de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculose
Antônio Silva
 
Modelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúde
Modelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúdeModelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúde
Modelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúde
Centro Universitário Ages
 
Tema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel Pr
Tema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel PrTema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel Pr
Tema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel Pr
Leonardo Savassi
 
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
AlineBarreto56
 
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde PúblicaO Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
Bruno Castro
 
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
Case   os reflexos da gestão pela qualidade totalCase   os reflexos da gestão pela qualidade total
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
Ana Paula da Silva
 

Semelhante a História da Qualidade (20)

Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
 
Etica 06 boas praticas clinicas documento das americas bpc
Etica 06   boas praticas clinicas documento das americas bpcEtica 06   boas praticas clinicas documento das americas bpc
Etica 06 boas praticas clinicas documento das americas bpc
 
éTica 06 boas práticas clínicas documento das americas bpc
éTica 06   boas práticas clínicas documento das americas bpcéTica 06   boas práticas clínicas documento das americas bpc
éTica 06 boas práticas clínicas documento das americas bpc
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
 
Codex higiene
Codex higieneCodex higiene
Codex higiene
 
Codex alimentarius
Codex alimentariusCodex alimentarius
Codex alimentarius
 
8723 35029-1-pb
8723 35029-1-pb8723 35029-1-pb
8723 35029-1-pb
 
19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI
 
Codexalimentarius 110828085850-phpapp01
Codexalimentarius 110828085850-phpapp01Codexalimentarius 110828085850-phpapp01
Codexalimentarius 110828085850-phpapp01
 
Codex alimentarius
Codex alimentariusCodex alimentarius
Codex alimentarius
 
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
 
8274 agosto
8274 agosto8274 agosto
8274 agosto
 
Experiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições Crônicas
Experiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições CrônicasExperiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições Crônicas
Experiência do CONASS - Laboratório de Inovação na Atenção Condições Crônicas
 
Programa de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculosePrograma de controle da tuberculose
Programa de controle da tuberculose
 
Modelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúde
Modelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúdeModelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúde
Modelo de perfil nutricional da organização Pan-Americana da saúde
 
Tema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel Pr
Tema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel PrTema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel Pr
Tema Livre Poster Apresentado No I Cobrad Cascavel Pr
 
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdfAula 1 - Gestão hospitalar.pdf
Aula 1 - Gestão hospitalar.pdf
 
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde PúblicaO Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
 
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
Case   os reflexos da gestão pela qualidade totalCase   os reflexos da gestão pela qualidade total
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
 

Mais de Rubia Soraya Rabello

Aula Indicadores
Aula IndicadoresAula Indicadores
Aula Indicadores
Rubia Soraya Rabello
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Rubia Soraya Rabello
 
Qualidade Estudo De Meta
Qualidade Estudo De MetaQualidade Estudo De Meta
Qualidade Estudo De Meta
Rubia Soraya Rabello
 
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X FornecedorApresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Rubia Soraya Rabello
 
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Rubia Soraya Rabello
 
Treinamento 5 S
Treinamento 5 STreinamento 5 S
Treinamento 5 S
Rubia Soraya Rabello
 
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean HospitalMapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Rubia Soraya Rabello
 
Lean Six Sigma Hospital
Lean Six Sigma Hospital Lean Six Sigma Hospital
Lean Six Sigma Hospital
Rubia Soraya Rabello
 
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma HospitalFerramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Rubia Soraya Rabello
 

Mais de Rubia Soraya Rabello (11)

Aula Indicadores
Aula IndicadoresAula Indicadores
Aula Indicadores
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Aula Lean
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
 
Qualidade Estudo De Meta
Qualidade Estudo De MetaQualidade Estudo De Meta
Qualidade Estudo De Meta
 
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X FornecedorApresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
 
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
 
Treinamento 5 S
Treinamento 5 STreinamento 5 S
Treinamento 5 S
 
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean HospitalMapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
 
Lean Six Sigma Hospital
Lean Six Sigma Hospital Lean Six Sigma Hospital
Lean Six Sigma Hospital
 
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma HospitalFerramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
 

História da Qualidade

  • 1. Qualidade no Ambiente Hospitalar História da Qualidade Evolução na Saúde Profª. Es. Rúbia Soraya Rabello
  • 2. Qualidade PROGRAMAÇÃO 2 • História Gestão da Qualidade • Evolução da Qualidade – Saúde • Gurus da Qualidade • O papel do profissional da saúde na Qualidade • Ferramentas da Qualidade e sua aplicação na Saúde - PDCA, DMAIC, Fluxogramas, Diagrama de Causa e Efeito, Histograma, FMEA, 5W2H, 5 porquês. • Indicadores • Lean Six Sigma na Saúde • Metodologias nacionais e internacionais de certificação e acreditação ( CQH, ONA, ISSO, JCI, NIAHO e Qmentum )
  • 4. Avaliação 4 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA • ATIVIDADE EM SALA = 40% DA NOTA FINAL • AVALIAÇÃO INDIVIDUAL = 60% DA NOTA
  • 5. Apresentação 5 APRESENTAÇÃO • Nome • Formação • Área de atuação • Expectativa • Contato: rurabello@yahoo.com
  • 6. Histórico 6 HISTÓRICO DA QUALIDADE HAMURABI Identifica-se alguma noção de responsabilidade médica e qualidade em saúde, assinalada pela abordagem da má prática : Consolidam-se as leis babilônicas com o célebre monarca Hamurabi (1728 A.C.), que se tornou famoso por preconizar a lei do talião, princípio sintetizado na expressão “Oho por olho, dente por dente”, e pelo qual se aplica ao faltoso, um castigo rigorosamente proporcional ao dano que causou.
  • 7. Histórico 7 HISTÓRICO DA QUALIDADE Os Fenícios amputavam a mão do fabricante de determinados produtos que não fossem produzidos, segundo as especificações governamentais, com perfeição. Já os Romanos desenvolveram técnicas de pesquisa altamente sofisticadas para época e as aplicavam principalmente na divisão e mapeamento territorial para controlar as terras rurais incorporadas ao Império. Desenvolveram padrões de qualidade, métodos de medição e ferramentas específicas para execução destes serviços.
  • 8. Histórico 8 HISTÓRICO DA QUALIDADE Século IV A.C. Juramento de Hipócrates. Conceito de primun non nocere (primeiro não lesar). Na Roma antiga exige-se licença e estabelece-se regulamentação para o exercício profissional, além de fixar-se a proporção de médicos necessários para o atendimento à população. Desenvolve-se conceitos de higiene e de preservação da saúde estreitamente relacionados com o contexto cultural, filosófico e místico de cada povo. Há registros muito antigos (expressos em gravuras, estátuas, descrições etc), sobre: Cuidados com a saúde individual e coletiva; Descrição de morbidades e suas prováveis causas; Possíveis terapêuticas a serem empregadas; Além das transformações do meio ambiente para a proteção contra os agravos existentes.
  • 9. Histórico 9 HISTÓRICO DA QUALIDADE Idade Média Com a crescente complexidade técnico-científica e a transformação da atenção à saúde em um processo multifatorial e multiprofissional, revisa- se e altera-se a compreensão e o entendimento de ser o médico o único responsável pelos resultados da atividade médica. Na Europa durante a idade média já se discutiam ideias sobre as causas das morbidades, as condições de higiene individual e coletiva, e as possíveis terapêuticas. No final deste período surge a percepção da necessidade do controle do ambiente e da higiene. As Américas são descobertas e ocupadas ao final do século XV, sendo sua colonização efetivada sob o reflexo desta cultura, apesar de , em 1348, em Veneza, já serem estabelecidas medidas de vigilância dos portos para impedir a entrada de epidemias na idade, o que caracteriza preocupação com a preservação da saúde coletiva.
  • 11. Histórico 11 HISTÓRICO DA QUALIDADE Século XIX e Florence Nightingale Progressivamente percebe-se a necessidade de estabelecer paradigmas adequados de qualidade, eficiência e eficácia, deixando de apenas avaliar o ato da atenção à saúde para incorporar a análise, o seguimento, os resultados, procurando estabelecer os possíveis nexos causais com evoluções insatisfatórias. Os primeiros modelos direcionados à gestão da qualidade da assistência médica iniciam em 1855 durante a Guerra da Criméia com Florence Nightingale (1820- 1910), que desenvolve métodos de coleta de dados, registros de arquivamento, além de medidas de higiene relacionadas a todo processo de atenção aos feridos de guerra. (Primeira relação com acreditação de hospitais). A consequência de seu sistema é a melhora da qualidade de atendimento e a diminuição da mortalidade, com a tentativa de estabelecer modelos de atendimento.
  • 12. Histórico 12 HISTÓRICO DA QUALIDADE Século XX e Ernest Codman Cirurgião e professor. Realiza a primeira iniciativa de avaliação dos serviços em saúde em 1910, formulando a proposta para um sistema de gerenciamento de resultados (The End Result System Standardization), determinando que o hospital deve acompanhar cada paciente o tempo suficiente para determinar se o tratamento alcança os objetivos propostos. Caso contrário, o hospital deve procurar determinar o motivo do resultado insatisfatório, buscar corrigir as falhas encontradas e com isto, elevar a chance de sucesso no futuro. Este sistema foi implementado nos pacientes de Codman, mas as dificuldades em realizar as análises em pacientes de seus colegas, culmina na expulsão de Coldman do hospital em que trabalhava, levando-o a criar uma unidade hospitalar própria para assim aplicar seu método de avaliação. Constituida a ACS – American Chemical Society
  • 13. Histórico 13 HISTÓRICO DA QUALIDADE 1917 – Minimum Standard for Hospitals Preceitos: Organização do corpo clinico nos hospitais; Graduação em medicina e licenciatura legal dos membros do corpo clinico; Adoção pelo corpo clinico e com aprovação do conselho diretor do hospital, de regras, regulamentos e políticas que governem o trabalho profissional do hospital; Organização e guarda de prontuários individuais, precisos e corretos, com ênfase na padronização do conteúdo, incluindo “identificação, história da doença atual, exame físico, exames especiais, tratamento médico ou cirúrgico, achados patológicos macro ou microscópicos, anotações da evolução e, em caso de morte, os achados da necropsia; Disponibilidade do equipamento para diagnóstico e terapêutica, incluindo pelo menos, laboratório de patologia clinica e serviços de radiologia.
  • 14. Histórico 14 HISTÓRICO DA QUALIDADE 1918 – American College of Surgeons Na primeira auditoria realizada em hospitais nos Estados Unidos pela ACS, em 1918, apenas 89 de 692 hospitais com 200 leito ou mais, cumprem os padrões mínimos propostos. Em virtudes destes números constrangedores, opta-se pela divulgação confidencial dos resultados específicos a cada instituição, evitando-se a veiculação pública. Fica estabelecido que o objetivo da auditoria deva ser o auto aperfeiçoamento de cada instituição, a fim de proporcionar informações para que gestores hospitalares o usem como substrato de programas de metas e projetos de melhoria dos padrões de assistência médica. O American College of Surgeons dá continuidade ao programa de padronização de hospitais, desenvolvido por Codman, no período de 1917 a 1951, chegando a 3290 hospitais aprovados em 1950.
  • 15. Histórico 15 HISTÓRICO DA QUALIDADE Década de 50 – Joint Commission O programa de acreditação torna-se muito grande e complexo para uma organização administrar, formando-se em 1951, a Joint Commission on Acreditation of Hospitals – JCAH, mais tarde (1987) renomeada como Joint Commission on Acreditation of Organizations – JCAHO: uma organização idependente, sem fins lucrativos, cujo objetivo era proporcionar a acreditação voluntária. Com o rápido crescimento do número de hospitais norte-americanos, após segunda guerra mundial, dissemina-se o conceito de QUALIDADE para as outras associações da categoria profissional.
  • 16. Histórico 16 HISTÓRICO DA QUALIDADE Canadá, EUA e Austrália 1953 – Canadian Commission on Hospital Accreditation Com propósito de criar um programa canadense para acreditação hospitalar. 1958 – É incorporada a Canadian Council on Hospital Accreditation Objetivando estabelecer padrões para os hospitais canadenses e avaliar sua adesão, cuja agregação ao programa é voluntária, livre de intervenção governamental, nacional, bilíngue e sem fins lucrativos. Década de 60 – Os EUA introduzem o Medicare e o Medicald em seus modelos de assistência médica, onde os hospitais acreditados pela Joint Commission foram habilitados a participar pois já possuem a maior parte dos requisitos necessários par o funcionamento. 1970 – Estabelece-se os padrões ótimos para acreditação, visto que já atendiam aos padrões mínimos estabelecidos anteriormente. 1974 – Austrália forma o Conselho de Padronização dos Hospitais.
  • 17. Histórico 17 HISTÓRICO DA QUALIDADE Espanha e América Latina 1989 - Na Espanha é criada a ENAC (Entidad Nacional de Acreditación) O processo inicia com o preenchimento de formulários pelos interessados; Análise de documentação; promoção de auditorias formalizadas com resultados detalhadamente descritos para promoção de ações corretivas sobre as não conformidades que julgar poder solucionar. 1961 – Conselho interamericano econômico e social elabora a carta de Punta Del Este, recomendando a elaboração de planos nacionais de desenvolvimento social e econômico, tendo a saúde como elemento fundamental. Anos 80 - A recessão resultou na deterioração dos setores sociais e por consequência dos hospitais, para remediar esta situação inicia-se o OPAS (Organização Pan- americana de Saúde), elaborando projetos para mudança de abordagem da assistência SILOS (Sistemas Locais de Saúde), que descentraliza a saúde do poder administrativo e técnico, estimulando uma abordagem gerencial, planejada e programada.
  • 18. Histórico 18 HISTÓRICO DA QUALIDADE Anos 90- América do Sul e América Central OPAS - patrocina seminários nacionais para todos os países da América do Sul, América Central e Caribe, além de reuniões com representantes de países das sub-regiões e três grandes conferências Latino Americanas. A Acreditação passou a ser vista como elemento estratégico para desencadear e apoiar iniciativas de qualidade nos serviços de saúde. Iniciou-se um grande movimento para progressiva mudança de hábitos, de maneira a provocar os profissionais de todos os níveis e serviços um novo estímulo para avaliar as debilidades e forças da instituição, com o estabelecimento de metas claras e mobilização constante para o aprimoramento dos objetivos, a fim de garantir a qualidade da atenção médica. Anos 90 – Manual de Acreditación de Hospitales para América Latina e Caribe 1993 – 2004 – América do Sul, América Central e Caribe (ligados ao Ministério da Saúde), promovem seus movimentos de melhoria na assistência.
  • 19. Histórico 19 HISTÓRICO DA QUALIDADE PERÍODO VARGAS 1937 MES – Ministério de Educação e Saúde reorganiza-se pela lei 378, artigo 90, objetivando facilitar ao governo federal o conhecimento das atividades relativas a educação e à saúde realizadas no País, para facilitação da execução dos serviços e concessão de auxílio e subsídio federais. 1941 DNS – Departamento Nacional de Saúde vinculado ao MES incorpora vários serviços de combate a endemias existentes, assumindo o controle de formação de técnicos em saúde pública e institucionaliza as campanhas de saúde pública criando a DOH (Divisão de Organização Hospitalar) Propósitos: Fornecer atenção ao doente, deficientes físicos e desamparados; Organizar, normatizar, disciplinar cadastrar todas as organizações prestadoras de serviço de saúde - OPSS; Incentivar melhorias de todas as OPSS em busca de um modelo definido; Inspecionar as OPSS para a verificação da aplicação dos subsídios federais; Gerenciar sob todas as formas as instituições de assistência em todos os níveis. NESTE ANO ACONTECE O PRIMEIRO CENSO HOSPITALAR.
  • 20. Histórico 20 HISTÓRICO DA QUALIDADE De 1960 à Década de 1990 - Passos para Acreditação Hospitalar Reorganização do sistema (IAPC IAPI INPS INAMPS) Reorganização do sistema (SUS). Desenvolvimento de instrumentos gerenciais relacionados aos serviços oferecidos. População acesso ao atendimento público Fortalecimento dos estudos para classificação de hospitais segundo os critérios de qualidade e utilização de indicadores. OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde 1902 IAPC - Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Comerciários 1961 IAPI - Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários 1962 INPS - Instituto Nacional de Previdência Social 1966 SUS – Sistema Único de Saúde 1988 1960 1974 1988 1990
  • 21. Histórico 21 HISTÓRICO DA QUALIDADE Ministério da Saúde elabora projeto Garantia da Qualidade em Saúde Instituto de Medicina Social RJ é realizado o simpósio Acreditação de Hospitais e Melhoria de Qualidade em Saúde. Diversas instituições ligadas à saúde propõe PACQS Desenvolvimento de manuais de acreditação. Ceará, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo – CQH. MS cria o PGAQS 1992 1994 1995 1998 PACQS – Programa de Avaliação e Certificação da Qualidade em Serviços de Saúde (Objetivo de implantar uma política de avaliação e certificação de qualidade em estabelecimentos de saúde. PGAQS – Programa de Garantia e Aprimoramento da Qualidade em Saúde. A partir desta iniciativa intensifica-se as discussões de acreditação no âmbito do ministério. MS cria um grupo executivo para implantação de programas e manuais, criados a partis da versão OPAS (testado em 17 instituições hospitalares nas cinco regiões brasileiras, a partir do resultado formaliza-se o “Manual Brasileiro de Acreditação Hospitalar”
  • 22. Histórico 22 HISTÓRICO DA QUALIDADE 1999 – ONA É constituída juridicamente a Organização Nacional de Acreditação, iniciando a implantação de normas técnicas, credenciamento de instituições acreditadoras, desenvolvimento do código de ética e a qualificação e capacitação de avaliadores. 2002 – ONA e Anvisa Anvisa reconhece a organização como instituição competente e autorizada a operacionalizar o desenvolvimento do processo de Acreditação de Organizações de Serviços de Saúde no Brasil.