SlideShare uma empresa Scribd logo
ACREDITAÇÃO HOSPITALAR
O QUE É ACREDITAÇÃO? 
“Acreditar significa dar crédito, crer, ter como verdadeiro, dar ou estabelecer crédito.” 
Dic. aurélio
Acreditacao hospitalar pdf
O QUE É ACREDITAÇÃO? 
“Um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Nas experiências, brasileira e internacional, é uma ação coordenada por uma organização ou agência não governamental encarregada do desenvolvimento e implantação da sua metodologia. Em seus princípios tem um caráter eminentemente educativo, voltado para a melhoria contínua, sem finalidade de fiscalização ou controle oficial, não devendo ser confundido com os procedimentos de licenciamento e ações típicas de Estado.” (ONA)
•Para a Organização Panamericana de Saúde – OPAS/OMS acreditação é um procedimento de avaliação dos recurso institucionais,voluntário, periódico e reservado, que tende a garantir a qualidade da assistência por intermédio de padrões previamente aceitos (Novaes & Paganini, 1992).
Para a JCAHO a acreditação é um sistema de verificação externa e periódica, que objetiva promover a segurança e qualidade dos serviços de saúde prestados ao público, por intermédio de um conjunto de padrões estabelecidos. A avaliação é de caráter voluntário e verifica-se a conformidade diante desses padrões (www.jcaho.org, abril 2003).
Ministério da Saúde, Acreditação Hospitalar é o método de consenso, racionalização e ordenação das instituições hospitalares e, principalmente, de educação permanente dos seus profissionais, expressando-se pela realização de um procedimento de avaliação dos recursos institucionais, voluntário, periódico e reservado, que tende a garantir a qualidade de assistência por meio de padrões previamente estabelecidos (Ministério da Saúde, 2001).
Principal objetivo da Acreditação 
•Introduzir uma metodologia, seus conceitos e princípios, através de um Manual de Padrões, que contempla um conjunto de processos, capazes de dotar a instituição de saúde, de ferramentas e instrumentos que possibilitam promover a melhoria de desempenho de seus serviços.
Acreditacao hospitalar pdf
•as organizações de saúde que buscam a certificação mostram a seriedade de seu trabalho e defendem sua legitimidade social.
PROGRAMAS PIONEIROS 
•1951 – Joint Commission on Hospital Accreditation – JCAHO – EUA, atua em mais de 40 países; JCI – Joint Commission International - criada em 1999 com objetivo de melhorar a qualidade da assistencia à saúde internacionalmente;No Brasil é representada pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação – CBA; 
•1958 – Canadian Council on Health Services Accreditation – Canadá; 
•Austrália: 1959 e 1987: ACHS e QIC;
PROGRAMAS PIONEIROS 
•Reino Unido: 1986 e 1989, dois programas: Hospital Accreditation Programme (HAP) King’s Fund (KFHQS); 
•Nova Zelândia: 1987, The New Zealand Council on Healthcare Standards; 
•1990: Inglaterra 
•1995: Finlândia 
•1996: Espanha (Catalunha) 
•1997: República Checa e Lituânia 
•1997: França 
•1998: Polônia e Suíça 
•1999: Letônia e Holanda 
•1999: Brasil 
•2000: Portugal 
•2001: Alemanha, Bulgária 
•2002: Dinamarca, Irlanda e Bósnia 
•2003: Índia, Tailândia
CARACTERÍSTICAS DA ACREDITAÇÃO 
•A organização é que decide se vai participar ou não; 
•A avaliação de conformidade com os padrões estabelecidos é conduzida por avaliadores sem vínculo com as organizações; 
•Reforça a lealdade das pessoas da organização; 
•O padrão tem que ser totalmente cumprido;
•Todas as áreas devem satisfazer um determinado nível; 
•O processo tem sofrido alterações de modo que atenda as exigências que se modificam a todo instante; 
•A gestão de riscos, gestão dos pacientes e da segurança foram incluídos no processo e passaram a ser fator preponderante como critério e avaliação;
Acreditacao hospitalar pdf
NÍVEIS DE ACREDITAÇÃO 
NÍVEL 1 - SEGURANÇA 
Gerenciamento de Riscos 
Medidas de prevenção ou controle que devem ser adotados, para eliminar, prevenir ou minimizar um ou vários pontos críticos ou de risco.
NÍVEIS DE ACREDITAÇÃO 
NÍVEL 2 – GESTÃO INTEGRADA 
Combinação de processos, procedimentos e práticas adotadas para implementar suas políticas e atingir de forma eficiente o seu objetivo.
NÍVEIS DE ACREDITAÇÃO 
NÍVEL 3 – EXCELÊNCIA EM GESTÃO 
•Agrega aos níveis anteriores, requisitos relativos a excelência, ao bom desempenho, à gestão e a qualidade dos serviços
PRINCIPAIS VANTAGENS 
•Segurança para os pacientes e profissionais; 
•Qualidade da assistência; 
•Construção de equipe e melhoria contínua; 
•Útil instrumento de gerenciamento; 
•Critérios e objetivos concretos adaptados à realidade brasileira; 
•O caminho para a melhoria contínua.
Acreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdf
É comprida a estrada que vai desde a intenção até à execução. 
Molière
Acreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdf
Aprimoramento
Acreditacao hospitalar pdf
Acreditacao hospitalar pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
Ramos, Luiz Ramos
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
Walyson Batista
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Proqualis
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
HIAGO SANTOS
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Uti
UtiUti
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
joselene beatriz
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Aroldo Gavioli
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Fabricio Marques Moreira
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
Samira Rahaamid Paz
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
ivanaferraz
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
joselene beatriz
 
Gestão da Qualidade Em Saúde
Gestão da Qualidade Em SaúdeGestão da Qualidade Em Saúde
Gestão da Qualidade Em Saúde
Alex Eduardo Ribeiro
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 

Mais procurados (20)

Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Gestão da Qualidade Em Saúde
Gestão da Qualidade Em SaúdeGestão da Qualidade Em Saúde
Gestão da Qualidade Em Saúde
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 

Destaque

Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
Monica Mamedes
 
Aula 6 planejamento operacional
Aula 6   planejamento operacionalAula 6   planejamento operacional
Aula 6 planejamento operacional
Murilo Amorim
 
Plano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negóciosPlano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negócios
Guilherme Carvalho
 
Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
Tajra Assessoria Educacional Ltda
 
JCI Londrina
JCI LondrinaJCI Londrina
JCI Londrina
JCI Londrina
 
Acreditação hospitalar
Acreditação hospitalarAcreditação hospitalar
Acreditação hospitalar
Rodrigo Sousa
 
História da Qualidade
História da QualidadeHistória da Qualidade
História da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Aula 5 planejamento tático
Aula 5   planejamento táticoAula 5   planejamento tático
Aula 5 planejamento tático
Murilo Amorim
 
Planejamento Operacional
Planejamento OperacionalPlanejamento Operacional
Planejamento Operacional
Débora Prado
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 

Destaque (12)

Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
 
Aula 6 planejamento operacional
Aula 6   planejamento operacionalAula 6   planejamento operacional
Aula 6 planejamento operacional
 
Plano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negóciosPlano operacional para plano de negócios
Plano operacional para plano de negócios
 
Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
 
JCI Londrina
JCI LondrinaJCI Londrina
JCI Londrina
 
Acreditação hospitalar
Acreditação hospitalarAcreditação hospitalar
Acreditação hospitalar
 
História da Qualidade
História da QualidadeHistória da Qualidade
História da Qualidade
 
Aula 5 planejamento tático
Aula 5   planejamento táticoAula 5   planejamento tático
Aula 5 planejamento tático
 
Planejamento Operacional
Planejamento OperacionalPlanejamento Operacional
Planejamento Operacional
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
 

Semelhante a Acreditacao hospitalar pdf

ONA
ONAONA
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e  Avaliação dos Serviços de SaúdeQualidade e  Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
Osmarino Gomes Pereira
 
Acreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptxAcreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptx
IsadoraPereira32
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
JlioAlmeida21
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
EvertonMonteiro19
 
Acreditacao
AcreditacaoAcreditacao
Acreditacao
Priscila Atuati
 
Trabalho da marlene
Trabalho da marleneTrabalho da marlene
Trabalho da marlene
Cibele Torres
 
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
Ana Aragão
 
AULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.pptAULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.ppt
ElanePriscilaMaciel
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
Amanda Thomé
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
Fatima Morais
 
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdfAula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
NSPSoCamiloMacap
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
Ingrid Iasmyn Amin
 
Health services - Intervention proposal
Health services - Intervention proposalHealth services - Intervention proposal
Health services - Intervention proposal
groupVision | optimizing group collaboration
 
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pptx
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pptxAula-16-Qualidade-em-Saúde.pptx
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pptx
RobsonSilva243666
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Biomedicina SP
 
Gurus da qualidade
Gurus da qualidadeGurus da qualidade
Gurus da qualidade
Adylson Santana
 
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinicoGarantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Bnb Percussionista
 
MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.
MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.
MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.
B&R Consultoria Empresarial
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
Ana Helena
 

Semelhante a Acreditacao hospitalar pdf (20)

ONA
ONAONA
ONA
 
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e  Avaliação dos Serviços de SaúdeQualidade e  Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
 
Acreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptxAcreditação hospitalar.pptx
Acreditação hospitalar.pptx
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
 
Acreditacao
AcreditacaoAcreditacao
Acreditacao
 
Trabalho da marlene
Trabalho da marleneTrabalho da marlene
Trabalho da marlene
 
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
 
AULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.pptAULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.ppt
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
 
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdfAula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 
Health services - Intervention proposal
Health services - Intervention proposalHealth services - Intervention proposal
Health services - Intervention proposal
 
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pptx
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pptxAula-16-Qualidade-em-Saúde.pptx
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pptx
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
 
Gurus da qualidade
Gurus da qualidadeGurus da qualidade
Gurus da qualidade
 
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinicoGarantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
 
MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.
MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.
MODELO B&R PARA IMPLANTAÇÃO DE ISO 9001.
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
 

Último

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
edsonfrancojunior99
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
Paulo Dalla Nora Macedo
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 

Último (6)

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 

Acreditacao hospitalar pdf

  • 2. O QUE É ACREDITAÇÃO? “Acreditar significa dar crédito, crer, ter como verdadeiro, dar ou estabelecer crédito.” Dic. aurélio
  • 4. O QUE É ACREDITAÇÃO? “Um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Nas experiências, brasileira e internacional, é uma ação coordenada por uma organização ou agência não governamental encarregada do desenvolvimento e implantação da sua metodologia. Em seus princípios tem um caráter eminentemente educativo, voltado para a melhoria contínua, sem finalidade de fiscalização ou controle oficial, não devendo ser confundido com os procedimentos de licenciamento e ações típicas de Estado.” (ONA)
  • 5. •Para a Organização Panamericana de Saúde – OPAS/OMS acreditação é um procedimento de avaliação dos recurso institucionais,voluntário, periódico e reservado, que tende a garantir a qualidade da assistência por intermédio de padrões previamente aceitos (Novaes & Paganini, 1992).
  • 6. Para a JCAHO a acreditação é um sistema de verificação externa e periódica, que objetiva promover a segurança e qualidade dos serviços de saúde prestados ao público, por intermédio de um conjunto de padrões estabelecidos. A avaliação é de caráter voluntário e verifica-se a conformidade diante desses padrões (www.jcaho.org, abril 2003).
  • 7. Ministério da Saúde, Acreditação Hospitalar é o método de consenso, racionalização e ordenação das instituições hospitalares e, principalmente, de educação permanente dos seus profissionais, expressando-se pela realização de um procedimento de avaliação dos recursos institucionais, voluntário, periódico e reservado, que tende a garantir a qualidade de assistência por meio de padrões previamente estabelecidos (Ministério da Saúde, 2001).
  • 8. Principal objetivo da Acreditação •Introduzir uma metodologia, seus conceitos e princípios, através de um Manual de Padrões, que contempla um conjunto de processos, capazes de dotar a instituição de saúde, de ferramentas e instrumentos que possibilitam promover a melhoria de desempenho de seus serviços.
  • 10. •as organizações de saúde que buscam a certificação mostram a seriedade de seu trabalho e defendem sua legitimidade social.
  • 11. PROGRAMAS PIONEIROS •1951 – Joint Commission on Hospital Accreditation – JCAHO – EUA, atua em mais de 40 países; JCI – Joint Commission International - criada em 1999 com objetivo de melhorar a qualidade da assistencia à saúde internacionalmente;No Brasil é representada pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação – CBA; •1958 – Canadian Council on Health Services Accreditation – Canadá; •Austrália: 1959 e 1987: ACHS e QIC;
  • 12. PROGRAMAS PIONEIROS •Reino Unido: 1986 e 1989, dois programas: Hospital Accreditation Programme (HAP) King’s Fund (KFHQS); •Nova Zelândia: 1987, The New Zealand Council on Healthcare Standards; •1990: Inglaterra •1995: Finlândia •1996: Espanha (Catalunha) •1997: República Checa e Lituânia •1997: França •1998: Polônia e Suíça •1999: Letônia e Holanda •1999: Brasil •2000: Portugal •2001: Alemanha, Bulgária •2002: Dinamarca, Irlanda e Bósnia •2003: Índia, Tailândia
  • 13. CARACTERÍSTICAS DA ACREDITAÇÃO •A organização é que decide se vai participar ou não; •A avaliação de conformidade com os padrões estabelecidos é conduzida por avaliadores sem vínculo com as organizações; •Reforça a lealdade das pessoas da organização; •O padrão tem que ser totalmente cumprido;
  • 14. •Todas as áreas devem satisfazer um determinado nível; •O processo tem sofrido alterações de modo que atenda as exigências que se modificam a todo instante; •A gestão de riscos, gestão dos pacientes e da segurança foram incluídos no processo e passaram a ser fator preponderante como critério e avaliação;
  • 16. NÍVEIS DE ACREDITAÇÃO NÍVEL 1 - SEGURANÇA Gerenciamento de Riscos Medidas de prevenção ou controle que devem ser adotados, para eliminar, prevenir ou minimizar um ou vários pontos críticos ou de risco.
  • 17. NÍVEIS DE ACREDITAÇÃO NÍVEL 2 – GESTÃO INTEGRADA Combinação de processos, procedimentos e práticas adotadas para implementar suas políticas e atingir de forma eficiente o seu objetivo.
  • 18. NÍVEIS DE ACREDITAÇÃO NÍVEL 3 – EXCELÊNCIA EM GESTÃO •Agrega aos níveis anteriores, requisitos relativos a excelência, ao bom desempenho, à gestão e a qualidade dos serviços
  • 19. PRINCIPAIS VANTAGENS •Segurança para os pacientes e profissionais; •Qualidade da assistência; •Construção de equipe e melhoria contínua; •Útil instrumento de gerenciamento; •Critérios e objetivos concretos adaptados à realidade brasileira; •O caminho para a melhoria contínua.
  • 23. É comprida a estrada que vai desde a intenção até à execução. Molière