SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIDADE INTEGRADA SESI SENAI – EBEP / 2° ANO QUÍMICA / ORIENTADORA: SAMANTHA B. / DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA
GONÇALVES DIAS – INTRODUÇÃO/BIOGRAFIA
Antônio Gonçalves Dias nasceu
em 10 de agosto de 1823. Era filho de um
comerciante português com uma mestiça.
Quando pequeno começou a trabalhar como
caixeiro da loja de seu pai, que veio a falecer
em 1837.
Em 1835 começou a estudar latim,
francês e filosofia. Mais tarde, foi estudar na
Europa, em Portugal, onde em 1838
terminou os estudos secundários e
ingressou na Faculdade de Direito da
Universidade de Coimbra (1840) ,
retornando em 1845, após bacharelar-se.
Mas antes de retornar, participou de dois
grupos medievistas: Gazeta Literária e O
Trovador, compartilhando das ideias
românticas de Almeida Garrett, Alexandre
Herculano e António Feliciano de Castilho.
Por ficar tanto tempo fora de sua
pátria inspira-se para escrever a Canção do
Exílio e parte dos poemas de "Primeiros
cantos" e "Segundos cantos".
Passou a vida toda viajando a
trabalho e estudando na Europa e no Brasil
sempre aumentando seu arsenal de obras
de todos os tipos. Em uma de suas viagens
Gonçalves Dias foi à Europa em 1862 para
um tratamento de saúde. Não obtendo
resultados retornou ao Brasil em 1864 no
navio Ville de Boulogne, que naufragou na
costa brasileira; salvaram-se todos, exceto o
poeta, que foi esquecido, agonizando em seu
leito, e se afogou.
Sua obra, de grande importância
para o Brasil, será abordada nas lâminas
seguintes.
GONÇALVES DIAS – INTRODUÇÃO/BIOGRAFIA
GONÇALVES DIAS – CARACTERÍSTICAS GERAIS
DE SUA LITERATURA
Sua obra poética, lírica ou épica, enquadrou-se na
temática “americana”, isto é, de incorporação dos assuntos e
paisagens brasileiros na literatura nacional, fazendo-a voltar-se
para a terra natal, marcando assim a nossa independência em
relação a Portugal. Ao lado da natureza local, recorreu aos temas
em torno do indígena, o homem americano primitivo, tomado
como o protótipo de brasileiro, desenvolvendo, com José de
Alencar na ficção, o movimento do “Indianismo”, que conferiu
caráter nacional à literatura brasileira. Os indígenas, com suas
lendas e mitos, seus dramas e conflitos, suas lutas e amores, sua
fusão com o branco, ofereceram-lhe um mundo rico de
significação simbólica. Embora não tenha sido o primeiro a
buscar na temática indígena recursos para o abrasileiramento da
literatura, Gonçalves Dias foi o que mais alto elevou o Indianismo.
GONÇALVES DIAS – LITERATURA ROMÂNTICA
Gonçalves fundamentou as bases da poesia brasileira, consolidando o
Romantismo. Incorporou à nossa escrita temas e formas que serviam de
modelo até o modernismo. Dotado de Riqueza temática, abrangeu múltiplos
assuntos em diversos aspectos, tais como:
• Poesia Indianista
• O culto e exaltação da natureza, vista quase sempre como reflexo de Deus;
• A tendência para a solidão, em contato com a natureza, longe da sociedade;
• O derramamento lírico, em que o poeta extravasa as emoções e sentimentos
de forma livre e espontânea;
• A necessidade de perpassar a produção poética do sentimento cristão e
religioso;
• A metrificação variada e livre, sem o rigor formalista da poesia clássica.
• O nacionalismo expresso por meio da temática indianista e também do
sentimento da pátria;
• Sentimentalismo, a concepção amorosa a partir de sentimentos puros e
castos.
• O uso frequente de reticências e interjeições como recurso que expressa bem
os estados da alma.
GONÇALVES DIAS – POESIA INDIANISTA
Expressa um ideal de homem brasileiro, que é retratado no índio mítico
e lendário, inspirado no “bom selvagem” de Jean Jacques Rousseau. Tem por
base o cavaleiro medieval (herói, nobre, guerreiro, fiel aos deveres). Além disso,
Gonçalves Dias não vê o colonizador branco com simpatia, e sim como o símbolo
do terror e da exploração do índio. I-Juca-Pirama: Poema que narra o último
descendente Tupi, que é feito prisioneiro de uma tribo inimiga:
GONÇALVES DIAS – SENTIMENTALISMO
Caracterizado pela poesia lírico-amorosa e visão trágica do amor (amar é
chorar, sofrer e morrer). Aparecem nos poemas as marcas do romantismo como o
pessimismo, insatisfação e individualismo.
Ainda Uma Vez – Adeus!
Enfim te vejo! – enfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te
Que não cessei de querer-te,
Pesar de quanto sofri.
Muito Penei! Cruas Ânsias
Dos teus olhos afastado
Houveram-me acabrunhado,
A não lembrar-me de ti!
Ainda uma vez – Adeus –
Gonçalves Dias
GONÇALVES DIAS – EXALTAÇÃO DA NATUREZA
A Natureza também é o refúgio do poeta nos momentos de saudade,
solidão e desalento. Uma de suas poesias naturalistas é a Canção do Exílio, a
poesia a mais famosa em todo o Brasil. Sua temática é própria da primeira
fase do Romantismo brasileiro, em sua mescla de nostalgia e nacionalismo.
Gonçalves Dias compôs o poema cinco anos depois de partir para Portugal,
onde fora cursar Direito na Universidade de Coimbra. O texto é estruturado
a partir do contraste entre a paisagem europeia e a terra natal - jamais
nominada, sempre vista com o olhar exagerado de quem está distante e, em
sua saudade, exalta os valores que não encontra no local de exílio. A forma
equilibrada do poema tornou-o material perfeito como texto declamatório.
A grande exposição do poema ao longo da história literária brasileira teria,
para alguns autores, banalizado a criação ao ponto de extrair do leitor
contemporâneo o impacto inicial de seus versos. A Canção do Exílio foi
amplamente recriada e parodiada, principalmente pelos poetas
modernistas; dois de seus versos estão citados no Hino Nacional Brasileiro
("Nossos bosques têm mais vida,/Nossa vida, mais amores.").
GONÇALVES DIAS – CANÇÃO FO EXÍLIO
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas tem mais flores,
Nossos bosques tem mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar - sozinho, à noite -
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
GONÇALVES DIAS – PRIMEIROS CANTOS
A Canção do Exílio é parte da obra “Primeiros Cantos”, que foi recebida com
entusiasmo pela crítica e fez grande sucesso junto ao público ledor de poesia. Alexandre
Herculano renomado e recatado escritor romântico de Portugal e o imperador D. Pedro
II registram rasgados elogios ao livro e tecem palavras de simpatia e incentivo para
Gonçalves Dias.
Na sequencia, vieram também Segundos Cantos e Últimos Cantos, ambos
fizeram sucesso.
GONÇALVES DIAS – OUTRAS OBRAS
Poesia
1846: Primeiros Cantos, Rio de Janeiro, Laemmert.
1848: Segundos Cantos, Rio de Janeiro, Ferreira Monteiro.
1851: Últimos Cantos, Rio de Janeiro, Paula Brito.
1857: Os Timbiras, Leipzig, Brockhaus
1857: Cantos, Leipzig, Brockhaus. (contendo todos os cantos anteriores e mais 16
novas composições sob o título de ‘’Novos Cantos’’).
1969: Lira Varia , in “Obras Póstumas’’, 1869. (poesias inéditas).
Teatro
1843: Patkull, in “Obras Póstumas’’, 1869.
1845: Beatriz Cenci, in “Obras Póstumas’’, 1869.
1846: Leonor de Mendonça, Rio de Janeiro, Villeneuve & Cia, 1847.
1850: Boabdil, in “Obras Póstumas’’, 1869.
Romance
1850: Meditação (fragmento), in Guanabara, Rio de Janeiro, Tip. Guanabarense.
1843: Memórias de Agapito, in “Obras Póstumas’’, 1869.
1843: Um Anjo, in “Obras Póstumas’’, 1869.
"Gonçalves Dias é o poeta nacional por
excelência: ninguém lhe disputa na opulência
da imaginação, no fino lavor do verso, no
conhecimento da natureza brasileira e dos
seus costumes selvagens“
-José de Alencar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
Cirlei Santos
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
Isabella Ruas
 
livro pequeno príncipe
livro pequeno príncipe livro pequeno príncipe
livro pequeno príncipe
Gabriel Marcelo Teixeira dos Santos
 
Literatura africana
Literatura africanaLiteratura africana
Literatura africana
Maria Luiza Fritsch Felippsen
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Biografia de Castro Alves
Biografia de Castro Alves Biografia de Castro Alves
Biografia de Castro Alves
Aula pratica de!
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTOLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
GoisBemnoEnem
 
Pré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercíciosPré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercícios
jasonrplima
 
Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
angelamariagomes
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
Edson Alves
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
Colégio Santa Luzia
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
GernciadeProduodeMat
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Conto
ContoConto
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
Claudia Ribeiro
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 

Mais procurados (20)

Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
livro pequeno príncipe
livro pequeno príncipe livro pequeno príncipe
livro pequeno príncipe
 
Literatura africana
Literatura africanaLiteratura africana
Literatura africana
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Biografia de Castro Alves
Biografia de Castro Alves Biografia de Castro Alves
Biografia de Castro Alves
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTOLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
 
Pré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercíciosPré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercícios
 
Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Conto
ContoConto
Conto
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 

Destaque

Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
Alexandre Rodrigues Nunes
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
Leno Moreira
 
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Julia Maldonado Garcia
 
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentarAntônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
Mari Abreu
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
Lany da Silva
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Andriane Cursino
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
ma.no.el.ne.ves
 
Gonçalves Magalhães trabalho de Literatura
Gonçalves Magalhães trabalho de LiteraturaGonçalves Magalhães trabalho de Literatura
Gonçalves Magalhães trabalho de Literatura
Janaína Limberger
 
Paródias com desenhos sobre a poesia "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...
Paródias com desenhos sobre a poesia  "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...Paródias com desenhos sobre a poesia  "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...
Paródias com desenhos sobre a poesia "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...
Seduc MT
 
O romantismo - poesia
O romantismo -  poesiaO romantismo -  poesia
O romantismo - poesia
Tiago Lott
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Melhores poemas de gonçalves dias
Melhores poemas de gonçalves diasMelhores poemas de gonçalves dias
Melhores poemas de gonçalves dias
ma.no.el.ne.ves
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
FOLHA NAZA
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
Junior Moura
 
CançãO Do ExíLio Recontada 2[1]
CançãO Do  ExíLio Recontada 2[1]CançãO Do  ExíLio Recontada 2[1]
CançãO Do ExíLio Recontada 2[1]
Silvana Beeck Stival
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
030577
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
Toyotaempilhadeiras
ToyotaempilhadeirasToyotaempilhadeiras
Toyotaempilhadeiras
TOYOTA EMPILHADEIRAS
 
Cancao do exilio
Cancao do exilioCancao do exilio
Cancao do exilio
Mensagens Virtuais
 
Campaña Publicitaria de Cremas antiedad
Campaña Publicitaria de Cremas antiedadCampaña Publicitaria de Cremas antiedad
Campaña Publicitaria de Cremas antiedadCarolina Lorenzo
 

Destaque (20)

Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.Gonçalves De Magalhães - Literatura.
Gonçalves De Magalhães - Literatura.
 
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentarAntônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
 
Gonçalves Magalhães trabalho de Literatura
Gonçalves Magalhães trabalho de LiteraturaGonçalves Magalhães trabalho de Literatura
Gonçalves Magalhães trabalho de Literatura
 
Paródias com desenhos sobre a poesia "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...
Paródias com desenhos sobre a poesia  "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...Paródias com desenhos sobre a poesia  "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...
Paródias com desenhos sobre a poesia "Canção do Exílio" de Gonçalves Dias. E...
 
O romantismo - poesia
O romantismo -  poesiaO romantismo -  poesia
O romantismo - poesia
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
 
Melhores poemas de gonçalves dias
Melhores poemas de gonçalves diasMelhores poemas de gonçalves dias
Melhores poemas de gonçalves dias
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
 
CançãO Do ExíLio Recontada 2[1]
CançãO Do  ExíLio Recontada 2[1]CançãO Do  ExíLio Recontada 2[1]
CançãO Do ExíLio Recontada 2[1]
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
Toyotaempilhadeiras
ToyotaempilhadeirasToyotaempilhadeiras
Toyotaempilhadeiras
 
Cancao do exilio
Cancao do exilioCancao do exilio
Cancao do exilio
 
Campaña Publicitaria de Cremas antiedad
Campaña Publicitaria de Cremas antiedadCampaña Publicitaria de Cremas antiedad
Campaña Publicitaria de Cremas antiedad
 

Semelhante a GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)

Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
MarianaSantosdaSilva8
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
KarinaSouzaCorreiaAl
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
AlessandraSoaresMont
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
Vanuza Duarte
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
Antonio Marcos
 
Trabalho 1
Trabalho 1Trabalho 1
Trabalho 1
Dauro Moura
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Walisson Miranda
 
Projeto poesia - 2015
Projeto poesia - 2015Projeto poesia - 2015
Projeto poesia - 2015
leidianelopes1
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
Jéssica Moresi
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
GANHADODINHEIRO
 
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.pptliteratura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
keilaoliveira69
 
Romantismo Parte 2
Romantismo Parte 2Romantismo Parte 2
Romantismo Parte 2
Marina Alessandra
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
ELIANAAPARECIDADASIL1
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
strawhiit
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
Escola Estadual Antônio Valadares
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Canção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianaCanção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e mariana
teresakashino
 

Semelhante a GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características) (20)

Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
 
Trabalho 1
Trabalho 1Trabalho 1
Trabalho 1
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Projeto poesia - 2015
Projeto poesia - 2015Projeto poesia - 2015
Projeto poesia - 2015
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
 
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.pptliteratura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
 
Romantismo Parte 2
Romantismo Parte 2Romantismo Parte 2
Romantismo Parte 2
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Canção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e marianaCanção do exílio (6)hudson e mariana
Canção do exílio (6)hudson e mariana
 

Mais de Danillo Rodrigues

A engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúdeA engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúde
Danillo Rodrigues
 
A engenharia aplicada a saúde
A engenharia aplicada a saúde A engenharia aplicada a saúde
A engenharia aplicada a saúde
Danillo Rodrigues
 
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meioModelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Danillo Rodrigues
 
Plaquinhas para formatura
Plaquinhas para formaturaPlaquinhas para formatura
Plaquinhas para formatura
Danillo Rodrigues
 
TCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOS
TCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOSTCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOS
TCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOS
Danillo Rodrigues
 
MOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADE
MOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADEMOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADE
MOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADE
Danillo Rodrigues
 
Botulismo
BotulismoBotulismo
TRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSO
TRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSOTRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSO
TRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSO
Danillo Rodrigues
 
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃOFERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
Danillo Rodrigues
 
A evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoA evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário político
Danillo Rodrigues
 
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Danillo Rodrigues
 
PALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOSPALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOS
Danillo Rodrigues
 
Amazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMASAmazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMAS
Danillo Rodrigues
 
APARTHEID
APARTHEID APARTHEID
APARTHEID
Danillo Rodrigues
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
Danillo Rodrigues
 
Eritroblastose fetal - DOENÇA
Eritroblastose fetal - DOENÇAEritroblastose fetal - DOENÇA
Eritroblastose fetal - DOENÇA
Danillo Rodrigues
 
A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS
A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIASA crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS
A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS
Danillo Rodrigues
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
Danillo Rodrigues
 
China
China China
Operações de separação - FILTRAÇÃO
Operações de separação - FILTRAÇÃOOperações de separação - FILTRAÇÃO
Operações de separação - FILTRAÇÃO
Danillo Rodrigues
 

Mais de Danillo Rodrigues (20)

A engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúdeA engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúde
 
A engenharia aplicada a saúde
A engenharia aplicada a saúde A engenharia aplicada a saúde
A engenharia aplicada a saúde
 
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meioModelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
 
Plaquinhas para formatura
Plaquinhas para formaturaPlaquinhas para formatura
Plaquinhas para formatura
 
TCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOS
TCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOSTCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOS
TCC - ANÁLISE BROMATOLÓGICA E COMPARATIVA DE SALGADINHOS INDUSTRIALIZADOS
 
MOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADE
MOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADEMOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADE
MOLDURA INSTAGRAM - ALTA QUALIDADE
 
Botulismo
BotulismoBotulismo
Botulismo
 
TRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSO
TRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSOTRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSO
TRIGONOMETRIA - TEORIA, APLICAÇÕES E EXERCÍCIOS RESOLVIDOS PASSO A PASSO
 
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃOFERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
 
A evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoA evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário político
 
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
 
PALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOSPALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOS
 
Amazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMASAmazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMAS
 
APARTHEID
APARTHEID APARTHEID
APARTHEID
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
 
Eritroblastose fetal - DOENÇA
Eritroblastose fetal - DOENÇAEritroblastose fetal - DOENÇA
Eritroblastose fetal - DOENÇA
 
A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS
A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIASA crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS
A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
 
China
China China
China
 
Operações de separação - FILTRAÇÃO
Operações de separação - FILTRAÇÃOOperações de separação - FILTRAÇÃO
Operações de separação - FILTRAÇÃO
 

GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)

  • 1. UNIDADE INTEGRADA SESI SENAI – EBEP / 2° ANO QUÍMICA / ORIENTADORA: SAMANTHA B. / DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA
  • 2. GONÇALVES DIAS – INTRODUÇÃO/BIOGRAFIA Antônio Gonçalves Dias nasceu em 10 de agosto de 1823. Era filho de um comerciante português com uma mestiça. Quando pequeno começou a trabalhar como caixeiro da loja de seu pai, que veio a falecer em 1837. Em 1835 começou a estudar latim, francês e filosofia. Mais tarde, foi estudar na Europa, em Portugal, onde em 1838 terminou os estudos secundários e ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1840) , retornando em 1845, após bacharelar-se. Mas antes de retornar, participou de dois grupos medievistas: Gazeta Literária e O Trovador, compartilhando das ideias românticas de Almeida Garrett, Alexandre Herculano e António Feliciano de Castilho.
  • 3. Por ficar tanto tempo fora de sua pátria inspira-se para escrever a Canção do Exílio e parte dos poemas de "Primeiros cantos" e "Segundos cantos". Passou a vida toda viajando a trabalho e estudando na Europa e no Brasil sempre aumentando seu arsenal de obras de todos os tipos. Em uma de suas viagens Gonçalves Dias foi à Europa em 1862 para um tratamento de saúde. Não obtendo resultados retornou ao Brasil em 1864 no navio Ville de Boulogne, que naufragou na costa brasileira; salvaram-se todos, exceto o poeta, que foi esquecido, agonizando em seu leito, e se afogou. Sua obra, de grande importância para o Brasil, será abordada nas lâminas seguintes. GONÇALVES DIAS – INTRODUÇÃO/BIOGRAFIA
  • 4. GONÇALVES DIAS – CARACTERÍSTICAS GERAIS DE SUA LITERATURA Sua obra poética, lírica ou épica, enquadrou-se na temática “americana”, isto é, de incorporação dos assuntos e paisagens brasileiros na literatura nacional, fazendo-a voltar-se para a terra natal, marcando assim a nossa independência em relação a Portugal. Ao lado da natureza local, recorreu aos temas em torno do indígena, o homem americano primitivo, tomado como o protótipo de brasileiro, desenvolvendo, com José de Alencar na ficção, o movimento do “Indianismo”, que conferiu caráter nacional à literatura brasileira. Os indígenas, com suas lendas e mitos, seus dramas e conflitos, suas lutas e amores, sua fusão com o branco, ofereceram-lhe um mundo rico de significação simbólica. Embora não tenha sido o primeiro a buscar na temática indígena recursos para o abrasileiramento da literatura, Gonçalves Dias foi o que mais alto elevou o Indianismo.
  • 5. GONÇALVES DIAS – LITERATURA ROMÂNTICA Gonçalves fundamentou as bases da poesia brasileira, consolidando o Romantismo. Incorporou à nossa escrita temas e formas que serviam de modelo até o modernismo. Dotado de Riqueza temática, abrangeu múltiplos assuntos em diversos aspectos, tais como: • Poesia Indianista • O culto e exaltação da natureza, vista quase sempre como reflexo de Deus; • A tendência para a solidão, em contato com a natureza, longe da sociedade; • O derramamento lírico, em que o poeta extravasa as emoções e sentimentos de forma livre e espontânea; • A necessidade de perpassar a produção poética do sentimento cristão e religioso; • A metrificação variada e livre, sem o rigor formalista da poesia clássica. • O nacionalismo expresso por meio da temática indianista e também do sentimento da pátria; • Sentimentalismo, a concepção amorosa a partir de sentimentos puros e castos. • O uso frequente de reticências e interjeições como recurso que expressa bem os estados da alma.
  • 6. GONÇALVES DIAS – POESIA INDIANISTA Expressa um ideal de homem brasileiro, que é retratado no índio mítico e lendário, inspirado no “bom selvagem” de Jean Jacques Rousseau. Tem por base o cavaleiro medieval (herói, nobre, guerreiro, fiel aos deveres). Além disso, Gonçalves Dias não vê o colonizador branco com simpatia, e sim como o símbolo do terror e da exploração do índio. I-Juca-Pirama: Poema que narra o último descendente Tupi, que é feito prisioneiro de uma tribo inimiga:
  • 7. GONÇALVES DIAS – SENTIMENTALISMO Caracterizado pela poesia lírico-amorosa e visão trágica do amor (amar é chorar, sofrer e morrer). Aparecem nos poemas as marcas do romantismo como o pessimismo, insatisfação e individualismo. Ainda Uma Vez – Adeus! Enfim te vejo! – enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito Penei! Cruas Ânsias Dos teus olhos afastado Houveram-me acabrunhado, A não lembrar-me de ti! Ainda uma vez – Adeus – Gonçalves Dias
  • 8. GONÇALVES DIAS – EXALTAÇÃO DA NATUREZA A Natureza também é o refúgio do poeta nos momentos de saudade, solidão e desalento. Uma de suas poesias naturalistas é a Canção do Exílio, a poesia a mais famosa em todo o Brasil. Sua temática é própria da primeira fase do Romantismo brasileiro, em sua mescla de nostalgia e nacionalismo. Gonçalves Dias compôs o poema cinco anos depois de partir para Portugal, onde fora cursar Direito na Universidade de Coimbra. O texto é estruturado a partir do contraste entre a paisagem europeia e a terra natal - jamais nominada, sempre vista com o olhar exagerado de quem está distante e, em sua saudade, exalta os valores que não encontra no local de exílio. A forma equilibrada do poema tornou-o material perfeito como texto declamatório. A grande exposição do poema ao longo da história literária brasileira teria, para alguns autores, banalizado a criação ao ponto de extrair do leitor contemporâneo o impacto inicial de seus versos. A Canção do Exílio foi amplamente recriada e parodiada, principalmente pelos poetas modernistas; dois de seus versos estão citados no Hino Nacional Brasileiro ("Nossos bosques têm mais vida,/Nossa vida, mais amores.").
  • 9. GONÇALVES DIAS – CANÇÃO FO EXÍLIO Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas tem mais flores, Nossos bosques tem mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite - Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá.
  • 10. GONÇALVES DIAS – PRIMEIROS CANTOS A Canção do Exílio é parte da obra “Primeiros Cantos”, que foi recebida com entusiasmo pela crítica e fez grande sucesso junto ao público ledor de poesia. Alexandre Herculano renomado e recatado escritor romântico de Portugal e o imperador D. Pedro II registram rasgados elogios ao livro e tecem palavras de simpatia e incentivo para Gonçalves Dias. Na sequencia, vieram também Segundos Cantos e Últimos Cantos, ambos fizeram sucesso.
  • 11. GONÇALVES DIAS – OUTRAS OBRAS Poesia 1846: Primeiros Cantos, Rio de Janeiro, Laemmert. 1848: Segundos Cantos, Rio de Janeiro, Ferreira Monteiro. 1851: Últimos Cantos, Rio de Janeiro, Paula Brito. 1857: Os Timbiras, Leipzig, Brockhaus 1857: Cantos, Leipzig, Brockhaus. (contendo todos os cantos anteriores e mais 16 novas composições sob o título de ‘’Novos Cantos’’). 1969: Lira Varia , in “Obras Póstumas’’, 1869. (poesias inéditas). Teatro 1843: Patkull, in “Obras Póstumas’’, 1869. 1845: Beatriz Cenci, in “Obras Póstumas’’, 1869. 1846: Leonor de Mendonça, Rio de Janeiro, Villeneuve & Cia, 1847. 1850: Boabdil, in “Obras Póstumas’’, 1869. Romance 1850: Meditação (fragmento), in Guanabara, Rio de Janeiro, Tip. Guanabarense. 1843: Memórias de Agapito, in “Obras Póstumas’’, 1869. 1843: Um Anjo, in “Obras Póstumas’’, 1869.
  • 12. "Gonçalves Dias é o poeta nacional por excelência: ninguém lhe disputa na opulência da imaginação, no fino lavor do verso, no conhecimento da natureza brasileira e dos seus costumes selvagens“ -José de Alencar