Romantismo Parte 2

7.722 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

Romantismo Parte 2

  1. 1. Romantismo no Brasil   <ul><li>A nossa história , a nossa literatura </li></ul><ul><li>  O Romantismo nasce no Brasil poucos anos depois da nossa independência política.  </li></ul><ul><li>Por isso, as primeiras obras e os primeiros artistas românticos estão empenhados em definir um perfil da cultura brasileira em vários aspectos: a língua, a etnia, as tradições, o passado histórico, as diferenças regionais, a religião, etc. </li></ul><ul><li>Pode-se dizer que o nacionalismo é o traço essencial que caracteriza a produção de nossos primeiros escritores românticos. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  2. 2. Momento histórico <ul><ul><li>A Coroa portuguesa muda-se para o Brasil em 1808 e </li></ul></ul><ul><ul><li>eleva a c o lônia  à  categoria de  Reino Unido, ao lado de </li></ul></ul><ul><ul><li>Portugal e  Algarves.   As conseqüências desse fato são </li></ul></ul><ul><ul><li>inúmeras: </li></ul></ul><ul><ul><li>- a vida brasileira altera-se profundamente, o que de certa </li></ul></ul><ul><ul><li>forma contribui para o processo de independência política </li></ul></ul><ul><ul><li>da nação . </li></ul></ul><ul><ul><li>- as dinamizações da vida cultural da colônia  e a criação </li></ul></ul><ul><ul><li>de um público leitor criam algumas das condições </li></ul></ul><ul><ul><li>necessárias para: </li></ul></ul><ul><ul><li>* o florescimento de uma literatura mais consistente e </li></ul></ul><ul><ul><li>orgânica do  que eram as manifestações literárias dos </li></ul></ul><ul><ul><li>séculos XVII e XVIII. </li></ul></ul><ul><ul><li>  </li></ul></ul>
  3. 3. Particularidades do nosso Romantismo  <ul><ul><li>A independência política, em 1822, desperta na consciência  de </li></ul></ul><ul><ul><li>intelectuais e artistas nacionais a necessidade de criar uma </li></ul></ul><ul><ul><li>cultura brasileira  identificada  com suas próprias raízes históricas, </li></ul></ul><ul><ul><li>lingüísticas  e culturais.   </li></ul></ul><ul><ul><li>O Romantismo assume em nossa literatura a conotação de  um </li></ul></ul><ul><ul><li>movimento  anticolonialista  e  antilusitano.   Portanto,  um  dos  </li></ul></ul><ul><ul><li>traços essenciais do nosso Romantismo é  o nacionalismo, abrindo </li></ul></ul><ul><ul><li>um leque de possibilidades a serem exploradas: </li></ul></ul><ul><ul><li>     a) o indianismo     b) o regionalismo </li></ul></ul><ul><ul><li>   </li></ul></ul><ul><ul><li>  c) a pesquisa histórica, folclórica e lingüística. </li></ul></ul><ul><ul><li>d) crítica aos problemas nacionais.  </li></ul></ul>
  4. 4.      Marco inicial do Romantismo no Brasil : <ul><li>Suspiros poéticos e saudades (1836), de Gonçalves de Magalhães. </li></ul>Marco Final do Romantismo no Brasil : <ul><li>Memórias Póstumas de Brás Cubas(1881) </li></ul><ul><li>de Machado de Assis e O Mulato, de Aluísio </li></ul><ul><li>de Azevedo; </li></ul>
  5. 5. <ul><li>As gerações do Romantismo   </li></ul><ul><li>Primeira geração: Nacionalista, indianista e religiosa. </li></ul><ul><li>Poetas: Gonçalves Dias e Gonçalves de Magalhães. </li></ul><ul><li>Segunda geração: Marcada pelo mal-do-século, </li></ul><ul><li>Apresenta:  egocentrismo  exacerbado,  pessimismo, </li></ul><ul><li>satanismo   e atração pela morte. </li></ul><ul><li>Poetas:  Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Fagundes </li></ul><ul><li>Varela e Junqueira Freire. </li></ul><ul><li>Terceira geração: Marcada pelo condoreirismo: poesia de cunho político e social. Justiça! Igualdade ! </li></ul><ul><li>Poeta de maior expressão: Castro Alves.   </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Gonçalves Dias   “ Um projeto de cultura  brasileira”   (1823 - 1864)   </li></ul><ul><li>       Filho de português com uma cafuza, o maranhense  fez  os  </li></ul><ul><li>primeiros estudos em seu Estado natal e completou-os em Coimbra, </li></ul><ul><li>onde cursou Direito.  De volta ao Brasil (1845),  trouxe em sua </li></ul><ul><li>bagagem  boa parte de seus escritos.  Fixa-se no Rio de Janeiro, e ali </li></ul><ul><li>publica sua  primeira obra Primeiros contos (1846). Fez várias viagens </li></ul><ul><li>pelo país, incluindo a Amazônia,  tendo  chegado a escrever uma </li></ul><ul><li>“ Dicionário da  língua tupi”. </li></ul><ul><li>       </li></ul><ul><li>Embora  Gonçalves de Magalhães  seja  considerado  o  introd u tor </li></ul><ul><li>do romantismo no Brasil, foi, na verdade, Gonçalves Dias quem </li></ul><ul><li>implantou e solidificou a poesia romântica em nossa literatura.      </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Gonçalves Dias   </li></ul><ul><li>    </li></ul><ul><li>   A  obra de Gonçalves Dias pode ser  considerada  a  realização </li></ul><ul><li>de um verdadeiro projeto de construção da cultura brasileira.   O autor, </li></ul><ul><li>buscando captar a sensibilidade e os  sentimentos de nosso povo, </li></ul><ul><li>criou uma poesia voltada para o índio e para  a  natureza brasileira, </li></ul><ul><li>numa linguagem simples e acessível. Seus versos, tais como os de </li></ul><ul><li>sua: Canção do exílio , são  melódicos e exploram métricas e ritmos </li></ul><ul><li>variados.    Cultivou  também  po e mas religiosos, de fundo panteísta </li></ul><ul><li>(adoração da natureza como  divi n dade). </li></ul><ul><li>      </li></ul><ul><li>  Sua obra poética apresenta os gêneros lírico e épico. Na épica , canta </li></ul><ul><li>os feitos heróicos de índios valorosos que substituem  a   figura do </li></ul><ul><li>herói medieval europeu ( I-Juca -Pirama e Os timbiras ).  </li></ul><ul><li>Na lírica, Os temas  mais  comuns  são  a  pátria, a natureza, Deus, o </li></ul><ul><li>índio e o Amor não correspondido    -   em  grande parte,  decorrente </li></ul><ul><li>de  sua frustrada paixão por Ana Amélia do Vale. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Na próxima aula estudaremos a 2º geração Romântica onde o pessimismo, a morte e a evasão norteiam os pensamentos e a inspiração dos poetas do Mal – do – século. </li></ul>

×