Terceira geração modernista

3.850 visualizações

Publicada em

Panorama da literatura e arte no Brasil de 45 até o final da década de 50

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.850
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.129
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
262
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Terceira geração modernista

  1. 1. 3ª Geração Modernista Geração de 45
  2. 2. • A prosa (Romance ou contos) literatura intimista, de sondagem psicológica, introspectiva, principalmente em Clarice Lispector A literatura introspectiva/intimista busca fixar-se na crise do próprio indivíduo, em sua consciência e inconsciência. regionalismo adquire nova dimensão com Guimarães Rosa e sua recriação dos costumes e da fala sertaneja, penetrando fundo na psicologia do jagunço do Brasil central.
  3. 3. Guimarães Rosa O médico que virou peão de palavras
  4. 4. Características da obra de Guimarães Rosa • seus textos apresenta estruturas como as rimas, aliterações, onomatopeias, neologismo etc. • preocupa-se mais com o conteúdo do que em como o texto é feito; • a linguagem confere mais força ao imaginário mágico criado em suas "estórias’’. • apresenta uma prosa que abandona as ações dos personagens, para valorizar os estados mentais e as suas reações. • quebra-se as barreiras temporais e com isso há uma perca da noção do tempo. • a estrutura temporal continua com os elementos da narrativa e ao mesmo tempo funde com a intemporalidade própria da poesia
  5. 5. EXEMPLO “Suas lágrimas corriam atrás dela, como formiguinhas brancas” "Nunca tivera ela amantes! Não um. Não dois. Disse-se e dizia isso Jó Joaquim. Reportava a lenda a embustes, falsas lérias escabrosas. Cumpria-lhe descaluniá-la, obrigava-se por tudo. Trouxe à boca de cena do mundo, de caso raso o que fora tão claro como água suja. Demonstrando-o, amatemático, contrário ao público pensamento e à lógica, desde que Aristóteles a fundou." Conto "Desenredo"
  6. 6. Clarice Lispector (1925 - 1977) • Ucraniana, veio ainda bebê para o Brasil - por isso, sentia se “brasileira”. • Principal nome da prosa intimista da moderna literatura brasileira • sua obra retrata o questionamento do ser, do “estar- no-mundo”. • A pesquisa do ser humano resulta no romance introspectivo.
  7. 7. Características da obra de Clarice Lispector • sondagem dos mecanismos mais profundos da mente humana (predominância de impressões, de sensações); • introdução da técnica do fluxo da consciência; • suas principais personagens são mulheres, mas não se limitam ao espaço do ambiente familiar; • visa a atingir valores essenciais humanos e universais tais como a falsidade das relações humanas; • Presença de epifania (com causa banal); • uso de metalinguagem em associação com os processos intimistas e psicológicos, político-sociais, filosóficos e existenciais; • Fusão da prosa com a poesia;
  8. 8. Poesia Referência: João Cabral de Melo Neto. • Criaram uma poesia inversa ao Modernismo de 1922. • A poesia dessa geração oscila entre o subjetivismo e a poética experimentalista. • A palavra é valorizada do modo como ela é escrita com o objetivo de restabelecer o formal. • Essa geração utilizou como tema poético as formas de expressão política, as contradições internas do homem e os problemas de uma sociedade. Isso fez com que a poesia se voltasse mais para uma sondagem psicológica.
  9. 9. A poesia engajada de João Cabral de Melo Neto
  10. 10. Característica da poesia de João Cabral de Melo Neto • apresenta um tendência à objetividade e imagens surrealistas e relativas aos sonhos nos dois primeiros livros • aprofunda a tendência à substantivação, à economia da linguagem, submetendo as palavras a um processo crescente de depuração, com uso de metáforas, personificações e alegorias • procede à geometrização do poema, aproximando a arte do Poeta à do Engenheiro; o repúdio ao sentimentalismo e ao irracionalismo leva-o à elaboração do poema objeto. • questiona o próprio ato de escrever e a função da poesia; • Preocupação política e principalmente a denúncia social do Nordeste e sua gente: os retirantes, as tradições e o folclore regional, a estrutura agrária canavieira, injusta e desigual. • Aparece ainda a paisagem da Espanha, que apresenta pontos em comum com o cenário nordestino. Mantém viva e atuante a reflexão sobre a Arte em suas várias manifestações, como a pintura e a literatura.
  11. 11. Outros poetas • Gilberto Mendonça Teles • Mauro Mota • Geir Campos • Domingos Carvalho da Silva • Ledo Ivo • Péricles Eugênio da Silva Ramos
  12. 12. ANOS 50 NO BRASIL A industrialição e a modernização do país A chegada da Televisão A urbanização acelerada A pílula anticoncepcional O Governo JK “Cinquenta anos em cinco”
  13. 13. Década de 50 CONCRETISMO NO BRASIL O concretismo é um movimento vanguardista surgido em 1950, primeiramente na música, passando para a poesia e artes plásticas.
  14. 14. Características das artes • Utilização tanto no suporte como na matéria prima de materiais industrializados, produzidos em série, como ferro, alumínio, tinta esmalte, etc. • Baseiam-se no rigor geométrico, na matemática, que estrutura ritmos e relações. • Eliminam o gesto, o sinal da mão. O desenho é preciso, feito com régua e compasso.
  15. 15. GRUPO NOIGANDRES Em 1952, Décio Pignatari e os irmãos Augusto e Haroldo de Campos lançaram, o grupo e a revista “Noigandres”, por onde divulgam uma nova forma de fazer poesias
  16. 16. Características • Ênfase no raciocínio, na ciência e na racionalidade • Uso de figuras abstratas para compor as artes plásticas • Versos foram banidos • Fim da poesia intimista • Linguagem geométrica • Fim do eu-lírico • Aproveitamento do espaço do papel utilizado • Valorização do conteúdo visual e sonoro • Possível variação de leituras através de diferentes ângulos • Recorrência ao Futurismo e Cubismo para inspiração
  17. 17. Beba Coca-Cola Décio Pignatary
  18. 18. Giro Haroldo de Campos
  19. 19. TERRA Décio Pignatary
  20. 20. Nasce Morre Haroldo de Campos
  21. 21. NEOCONCRETISMO Encabeçados por Ferreira Gullar e Reinaldo Jardim, organizaram-se como neoconcretos, admitindo a presença de elementos subjetivos na estruturação do poema. Aos dois poetas reuniram-se em 1959, na Exposição de Arte Neoconcreta no MAM do Rio, os artistas Amílcar de Castro, Franz Weissmann, Lígia Clark, Lígia Pape e Theon Spanudis.
  22. 22. As principais características do movimento neoconcreto • Oposição ao concretismo, materialismo, cientificismo e positivismo • Maior subjetividade e expressividade artística • Liberdade de experimentações e criações artísticas • Interação do público com a obra • Abstracionismo e uso de cores e formas geométricas • Transcendência da arte • Existencialismo e Humanismo
  23. 23. Amilcar de Castro Franz Weissmann Lígia Clark
  24. 24. Lígia Pape Hélio Oiticica Aluisio Carvão
  25. 25. Poesia Práxis • A Poesia-Práxis representou um movimento literário fundado pelo crítico e poeta Mário Chamie. Essa denominação surgiu em crítica ao movimento de vanguarda concretista, de forma que uma dissidência de poetas, insatisfeitos com o rigor formal e o academicismo, resolvem romper com o concretismo ao propor uma nova estética poética. • As principais características da poesia práxis: Produção de múltiplas interpretações Rejeição ao formalismo e academicismo concretista Maior valorização do conteúdo em detrimento da forma Poesia Visual e Social
  26. 26. Poema-Processo O poema/processo nasce de condições históricas e sociais dominantes no Brasil e no mundo da época, que criaram no país uma linguagem revolucionaria/racional próprias das aspirações de renovação que ocorriam, as quais exigiam a necessidade de uma abertura nos diversos caminhos da comunicação brasileira. • Características do Poema/processo: • Marca para os novos poetas um novo tipo de trabalho intersemiótico que, ou ficava fora da literatura, ou a dimensionava para além dos limites em que ela se estava colocando; • Afirmar que a poesia existente nos livros rasgados não podia servir de modelo, pois estava superada e, ainda mais, porque a poesia é invenção e não cópia; • Questionar o verso como único elemento de força criadora poética, diante da realidade técnica, informacional, científica e cultural da época; • Assumir uma ação/significante que se apresentasse política no contexto daqueles duros anos;
  27. 27. PSIU Augusto de Campos
  28. 28. Anos 70: Poesia Marginal
  29. 29. • "Veio uns ômi de saia preta cheiu di caixinha e pó branco qui eles disserum qui chamava açucri Aí eles falarum e nós fechamu a cara depois eles arrepetirum e nós fechamu o corpo Aí eles insistirum e nós comemu eles" Chacal
  30. 30. "O operário não tem nada com a minha dor Bebemos a mesma cachaça por uma questão de gosto ri do meu cabelo minha cara estúpida de vagabundo dopado de manhã no meio do trânsito torrando o dinheirinho miúdo a tomar cachaça pelo que aconteceu pelo que não aconteceu por uma agulha gelada furando o peito“ Charles
  31. 31. Epopéia (Cacaso) "O poeta mostra o pinto para a namorada E proclama: eis o reino animal! Pupilas fascinadas fazem jejum"
  32. 32. Diário de bagos quando você se abaixa pra pegar um disco com seu vestido curtinho delicioso aparece a calcinha no rego moreno da bunda curto muito meu olhar derrete de prazer não há como enganar a evidência desculpe o volume do lado esquerdo da calça sem cueca com tesão não se trinca antes todos entendessem e se dedicassem de corpo e cama obs.: meu pau esquecidamente duro cai no amolecimento

×