SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
LITERATURA
O

QUE É LITERATURA?
DERIVADO
DO
TERMO
LATINO
LITTERA, QUE SIGNIFICA LETRA E SÃO ELAS
QUE COMPÕEM AS PALAVRAS.
 LITERATURA É A ARTE QUE UTILIZA A
PALAVRA COMO MATÉRIA PRIMA DE SUAS
CRIAÇÕES.
TEXTOS LITERÁRIOS E NÃO LITERÁRIOS
 LITERÁRIOS:

ELABORADOS
COM
CUIDADO
ESTÉTICO, DE LINGUAGEM TRABALHADA, FORMA
ARTÍSTICA CUIDADOSA, COM USO DE VÁRIOS
RECURSOS
COMO:
FIGURAS
DE
LINGUAGENS,
PONTUAÇÃO
ESPECIAL,
VOCABULÁRIO
SELECIONADO, MUSICALIDADE E RITMO.
SÃO
CARREGADOS DE EMOÇÃO E SIMBOLOGIA, QUE
TRAZ VIDA E BELEZA AS PALAVRAS DO PAPEL .
 NÃO
LITERÁRIOS:
TEXTOS
CORRIQUEIROS, DESPROVIDOS DE TAIS ELEMENTOS
ARTÍSTICOS OU RECURSOS MAIS DEFINIDOS.
EXEMPLOS: LITERÁRIO
O engenheiro
( João Cabral de Melo Neto)
A luz, o sol, o ar livre
envolvem o sonho do engenheiro
O engenheiro sonha coisas claras:
superfícies, tênis, um copo de água
O lápis, o esquadro, o papel;
o desenho, o projeto, o número;
o engenheiro pensa o mundo justo,
mundo que nenhum véu encobre.
( Em certas tardes nós subíamos
Ao edifício. A cidade diária,
Como um jornal que todos liam
Ganhava um pulmão de cimento e vidro.)

A água, o vento, a claridade,
De um lado o rio, no alto as nuvens,
Situavam na natureza o edifício
Crescendo de suas forças simples
NÃO LITERÁRIO
GÊNEROS
 ÉPICO:

narrativa
relacionadas
à
exaltação
de
acontecimentos heroicos (epopeias), revoluções sociais,
feitos brilhantes e bem sucedidos. (novela, crônica, conto,
fábula, romance etc...)

 LÍRICO:

aplica-se a textos subjetivos, em que o eu
lírico(poético) fala de seus sentimentos, emoções, desejos,
enfim, do seu estado da alma. (poemas, sonetos, hinos, ode,
prosa poética etc...)

 DRAMÁTICO: obra literária em forma de poema ou prosa,

conhecida como peça teatral, ou seja, feita para ser
representada. (auto, comédia, farsa, tragédia etc...)
EXEMPLO DE SONETO
Soneto de Fidelidade
Vinicius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Vinicius de Moraes, "Antologia Poética", Editora do Autor, Rio de Janeiro, 1960, pág. 96.
ESTILOS DE ÉPOCA
 CRONOLOGIA

DA LITERATURA
QUADRO GERAL
LITERATURA PORTUGUESA
ERA MEDIDEVAL
TROVADORISMO

HUMANISMO

SÉCULOS XII A XIV

SÉCULOS XV

CANCIONEIROS
POESIA
TROVADORESCA(CANTIGAS)

CANCIONEIRO GERAL
FERNÃO LOPES
GIL VICENTE
QUADRO GERAL
LITERATURA PORTUGUESA
ERA CLÁSSICA
RENASCIMENTO/
CLASSICISMO

BARROCO/
SEISCENTISMO

NEOCLASSICISMO/
ARCADISMO

SÉCULO XVI

SÉCULO XVII A XVIII SÉCULO XVIII

CAMÕES

CULTISMO
CONCEPTISMO
Pe. ANTÔNIO
VIEIRA

ÁRCADIA LUSITANA
NOVA ÁRCADIA
BOCAGE
QUADRO GERAL
LITERATURA PORTUGUESA
ERA ROMÂNTICA
ROMANTISMO

REALISMO/
SIMBOLISMO
NATURALISMO

MODERNISMO

SÉCULO XIX

SÉCULO XIX

SÉCULO XIX

SÉCULO XX

ALMEIDA
GARRETT
ALEXANDRE
HERCULANO
CAMILO
CASTELO
BRANCO
JÚLIO DINIZ

QUESTÃO
COIMBRÃ
ANTERO DE
QUENTAL
EÇA DE
QUEIRÓS

EUGÊNIO DE
CASTRO
ANTÔNIO
NOBRE
CAMILO
PESSANHA

REVISTA
ORPHEU
FERNANDO
PESSOA
REV.
PRESENÇA
QUADRO GERAL
LITERATURA BRASILEIRA
ERA COLONIAL
QUINHENTISMO

BARROCO

NEOCLASSICISMO
ARCADISMO

SÉCULO XVI

SÉCULO XVII/XVIII

SÉCULO XVIII

DESCOBRIMENTO
LITERATURA
INFORMATIVA
LITERATURA
CATEQUÉTICA
JOSÉ DE
ANCHIETA

BAHIA
GREGÓRIO DE
MATTOS

MINAS GERAIS
CLÁUDIO MANOEL
DA COSTA
TOMÁS ANTONIO
GONZAGA
BASÍLIO DA GAMA
SANTA RITA DURÃO
QUADRO GERAL
LITERATURA BRASILEIRA
ERA NACIONAL
ROMANTISMO

REALISMO
NATURALISMO

PARNASIANISMO
SIMBOLISMO

MODERNISMO

Século XIX

Século XIX

Século XIX

Século XX

Independência
Gonçalves Dias
Alvares De
Azevedo
Castro Alves
Joaquim Manuel
De Macedo
José De Alencar

Machado De
Assis
Aluísio Azevedo
Raul Pompéia
Parnasianismo

Cruz E Sousa
Alphonsus De
Guimarães

Semana De 22
Mário E. Osvald
De Andrade
Geração De 30
Geração De 45
Guimarães Rosa
Clarice Lispector
TROVADORISMO
CANTIGAS
AMOR E AMIGO
Você me
proibiu, senhora, de que
lhe dissesse qualquer coisa
sobre o quanto sofro por
sua causa.
Mas então me diga, por
Deus, senhora: a quem
falarei o quanto sofro e já
sofri por você senão a
você mesma?

(D. Dinis)
SATÍRICA
ESCÁRNIO
TROVADORISMO
ARTE NO TROVADORISMO
ARQUITETURA GÓTICA
HUMANISMO
PRODUÇÃO LITERÁRIA
GIL VICENTE
AUTO DA LUSITÂNIA
AUTO DA BARCA DO INFERNO


Escrita em 1517, durante a transição entre Idade Média e
Renascimento, o Auto da Barca do Inferno, é uma das obras mais
representativas do teatro vicentino. Como em tantas outras
peças, nesta o autor aproveita a temática religiosa como pretexto
para a crítica de costumes.
A Obra

O primeiro a embarcar é um Fidalgo, que chega acompanhado
de um Pajem, que leva a calda da roupa do Fidalgo e também
uma cadeira, para seu encosto.
O Diabo mal viu o Fidalgo e já lhe falou para entrar em sua
barca, pois ele iria levar mais almas e mostrar que era bom
navegante. Antes disso, o companheiro do Diabo, começou a
preparar a barca para que as almas dos que viessem, pudessem
entrar. Quando tudo estava pronto, o Fidalgo dirigiu a palavra
ao Diabo, perguntando para onde aquela barca iria. O Diabo
respondeu que iria para o Inferno, então o Fidalgo resolveu ser
sarcástico e falou que as roupas do Diabo pareciam de uma
mulher e que sua barca era horrível. O Diabo não gostou da
provocação e disse que aquela barca com certeza era ideal
para ele, devido a sua impertinência. O Fidalgo espantado, diz
ao Diabo que tem quem reze por ele, mas acaba recebendo a
notícia de que seu pai também havia embarcado rumo ao
Inferno.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 

Destaque

Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literaturaleliovr
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da PalavraCrisBiagio
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 Faell Vasconcelos
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a LiteraturaGlauco Duarte
 
Conceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaConceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaJosé Ricardo Lima
 
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem -  1° ano ensino médioLiteratura é uma linguagem -  1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médioDaniel Vitor de Almeida
 
Linguagem literária não literária
Linguagem literária não literáriaLinguagem literária não literária
Linguagem literária não literáriaCristina Medina
 
Literatura: A Arte da Palavra (2011)
Literatura:  A Arte da Palavra (2011)Literatura:  A Arte da Palavra (2011)
Literatura: A Arte da Palavra (2011)CrisBiagio
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literaturaAndriane Cursino
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literaturajaquemarcondes
 
Literatura Brasileira Historico
Literatura Brasileira  HistoricoLiteratura Brasileira  Historico
Literatura Brasileira Historicoguest4d131d
 
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaIntrodução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaFernando Kenji Kamei
 
Textos literários e não literários
Textos literários e não literáriosTextos literários e não literários
Textos literários e não literáriosleozinferreiira
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOIFMA
 

Destaque (20)

Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
Literatura 1 2013
Literatura 1   2013Literatura 1   2013
Literatura 1 2013
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
 
Conceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaConceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da Literatura
 
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem -  1° ano ensino médioLiteratura é uma linguagem -  1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
 
A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)
 
Linguagem literária não literária
Linguagem literária não literáriaLinguagem literária não literária
Linguagem literária não literária
 
Literatura: A Arte da Palavra (2011)
Literatura:  A Arte da Palavra (2011)Literatura:  A Arte da Palavra (2011)
Literatura: A Arte da Palavra (2011)
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Literatura Brasileira Historico
Literatura Brasileira  HistoricoLiteratura Brasileira  Historico
Literatura Brasileira Historico
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaIntrodução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
 
Textos literários e não literários
Textos literários e não literáriosTextos literários e não literários
Textos literários e não literários
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 

Semelhante a Slide introdução à literatura

TRABALHO: Literatura
TRABALHO: LiteraturaTRABALHO: Literatura
TRABALHO: LiteraturaLGonc
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfMnicaOliveira567571
 
Jornal literário modernismo
Jornal literário modernismoJornal literário modernismo
Jornal literário modernismoNeena Santos
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesCiceroMarcosSantos1
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturacursinhoembu
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxLUCELIOFERREIRADASIL
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).pptCAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosMaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.pptlluiscarlosdassilva
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasilAlineEliasReisSantos
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoCarolina Matuck
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaLuci Cruz
 

Semelhante a Slide introdução à literatura (20)

TRABALHO: Literatura
TRABALHO: LiteraturaTRABALHO: Literatura
TRABALHO: Literatura
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Jornal literário modernismo
Jornal literário modernismoJornal literário modernismo
Jornal literário modernismo
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Enem modernismo
Enem   modernismoEnem   modernismo
Enem modernismo
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis TrindadePoesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
 
Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
 
[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo
 

Slide introdução à literatura

  • 1.
  • 2. LITERATURA O QUE É LITERATURA? DERIVADO DO TERMO LATINO LITTERA, QUE SIGNIFICA LETRA E SÃO ELAS QUE COMPÕEM AS PALAVRAS.  LITERATURA É A ARTE QUE UTILIZA A PALAVRA COMO MATÉRIA PRIMA DE SUAS CRIAÇÕES.
  • 3. TEXTOS LITERÁRIOS E NÃO LITERÁRIOS  LITERÁRIOS: ELABORADOS COM CUIDADO ESTÉTICO, DE LINGUAGEM TRABALHADA, FORMA ARTÍSTICA CUIDADOSA, COM USO DE VÁRIOS RECURSOS COMO: FIGURAS DE LINGUAGENS, PONTUAÇÃO ESPECIAL, VOCABULÁRIO SELECIONADO, MUSICALIDADE E RITMO. SÃO CARREGADOS DE EMOÇÃO E SIMBOLOGIA, QUE TRAZ VIDA E BELEZA AS PALAVRAS DO PAPEL .  NÃO LITERÁRIOS: TEXTOS CORRIQUEIROS, DESPROVIDOS DE TAIS ELEMENTOS ARTÍSTICOS OU RECURSOS MAIS DEFINIDOS.
  • 4. EXEMPLOS: LITERÁRIO O engenheiro ( João Cabral de Melo Neto) A luz, o sol, o ar livre envolvem o sonho do engenheiro O engenheiro sonha coisas claras: superfícies, tênis, um copo de água O lápis, o esquadro, o papel; o desenho, o projeto, o número; o engenheiro pensa o mundo justo, mundo que nenhum véu encobre. ( Em certas tardes nós subíamos Ao edifício. A cidade diária, Como um jornal que todos liam Ganhava um pulmão de cimento e vidro.) A água, o vento, a claridade, De um lado o rio, no alto as nuvens, Situavam na natureza o edifício Crescendo de suas forças simples
  • 6. GÊNEROS  ÉPICO: narrativa relacionadas à exaltação de acontecimentos heroicos (epopeias), revoluções sociais, feitos brilhantes e bem sucedidos. (novela, crônica, conto, fábula, romance etc...)  LÍRICO: aplica-se a textos subjetivos, em que o eu lírico(poético) fala de seus sentimentos, emoções, desejos, enfim, do seu estado da alma. (poemas, sonetos, hinos, ode, prosa poética etc...)  DRAMÁTICO: obra literária em forma de poema ou prosa, conhecida como peça teatral, ou seja, feita para ser representada. (auto, comédia, farsa, tragédia etc...)
  • 7. EXEMPLO DE SONETO Soneto de Fidelidade Vinicius de Moraes De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. Vinicius de Moraes, "Antologia Poética", Editora do Autor, Rio de Janeiro, 1960, pág. 96.
  • 8. ESTILOS DE ÉPOCA  CRONOLOGIA DA LITERATURA
  • 9. QUADRO GERAL LITERATURA PORTUGUESA ERA MEDIDEVAL TROVADORISMO HUMANISMO SÉCULOS XII A XIV SÉCULOS XV CANCIONEIROS POESIA TROVADORESCA(CANTIGAS) CANCIONEIRO GERAL FERNÃO LOPES GIL VICENTE
  • 10. QUADRO GERAL LITERATURA PORTUGUESA ERA CLÁSSICA RENASCIMENTO/ CLASSICISMO BARROCO/ SEISCENTISMO NEOCLASSICISMO/ ARCADISMO SÉCULO XVI SÉCULO XVII A XVIII SÉCULO XVIII CAMÕES CULTISMO CONCEPTISMO Pe. ANTÔNIO VIEIRA ÁRCADIA LUSITANA NOVA ÁRCADIA BOCAGE
  • 11. QUADRO GERAL LITERATURA PORTUGUESA ERA ROMÂNTICA ROMANTISMO REALISMO/ SIMBOLISMO NATURALISMO MODERNISMO SÉCULO XIX SÉCULO XIX SÉCULO XIX SÉCULO XX ALMEIDA GARRETT ALEXANDRE HERCULANO CAMILO CASTELO BRANCO JÚLIO DINIZ QUESTÃO COIMBRÃ ANTERO DE QUENTAL EÇA DE QUEIRÓS EUGÊNIO DE CASTRO ANTÔNIO NOBRE CAMILO PESSANHA REVISTA ORPHEU FERNANDO PESSOA REV. PRESENÇA
  • 12. QUADRO GERAL LITERATURA BRASILEIRA ERA COLONIAL QUINHENTISMO BARROCO NEOCLASSICISMO ARCADISMO SÉCULO XVI SÉCULO XVII/XVIII SÉCULO XVIII DESCOBRIMENTO LITERATURA INFORMATIVA LITERATURA CATEQUÉTICA JOSÉ DE ANCHIETA BAHIA GREGÓRIO DE MATTOS MINAS GERAIS CLÁUDIO MANOEL DA COSTA TOMÁS ANTONIO GONZAGA BASÍLIO DA GAMA SANTA RITA DURÃO
  • 13. QUADRO GERAL LITERATURA BRASILEIRA ERA NACIONAL ROMANTISMO REALISMO NATURALISMO PARNASIANISMO SIMBOLISMO MODERNISMO Século XIX Século XIX Século XIX Século XX Independência Gonçalves Dias Alvares De Azevedo Castro Alves Joaquim Manuel De Macedo José De Alencar Machado De Assis Aluísio Azevedo Raul Pompéia Parnasianismo Cruz E Sousa Alphonsus De Guimarães Semana De 22 Mário E. Osvald De Andrade Geração De 30 Geração De 45 Guimarães Rosa Clarice Lispector
  • 15.
  • 17. AMOR E AMIGO Você me proibiu, senhora, de que lhe dissesse qualquer coisa sobre o quanto sofro por sua causa. Mas então me diga, por Deus, senhora: a quem falarei o quanto sofro e já sofri por você senão a você mesma? (D. Dinis)
  • 27. AUTO DA BARCA DO INFERNO  Escrita em 1517, durante a transição entre Idade Média e Renascimento, o Auto da Barca do Inferno, é uma das obras mais representativas do teatro vicentino. Como em tantas outras peças, nesta o autor aproveita a temática religiosa como pretexto para a crítica de costumes. A Obra O primeiro a embarcar é um Fidalgo, que chega acompanhado de um Pajem, que leva a calda da roupa do Fidalgo e também uma cadeira, para seu encosto. O Diabo mal viu o Fidalgo e já lhe falou para entrar em sua barca, pois ele iria levar mais almas e mostrar que era bom navegante. Antes disso, o companheiro do Diabo, começou a preparar a barca para que as almas dos que viessem, pudessem entrar. Quando tudo estava pronto, o Fidalgo dirigiu a palavra ao Diabo, perguntando para onde aquela barca iria. O Diabo respondeu que iria para o Inferno, então o Fidalgo resolveu ser sarcástico e falou que as roupas do Diabo pareciam de uma mulher e que sua barca era horrível. O Diabo não gostou da provocação e disse que aquela barca com certeza era ideal para ele, devido a sua impertinência. O Fidalgo espantado, diz ao Diabo que tem quem reze por ele, mas acaba recebendo a notícia de que seu pai também havia embarcado rumo ao Inferno.