SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Quinhentismo corresponde ao estilo literário que abrange todas as manifestações literárias produzidas no  Brasil  na época de seu  descobrimento , durante o  século XVI .  As principais manifestações literárias  não são propriamente Literatura Brasileira, mas Literatura sobre o Brasil.  Incluem-se nessas manifestações a  Literatura Informativa  dos viajantes e a  Literatura catequética  do Pe. José de Anchieta
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Retábulo da  Basílica de Nossa Senhora do Carmo  em Recife, uma das glórias do barroco brasileiro BARROCO:  Uma época de conflitos No século XVII, o Brasil presenciou o surgimento de uma literatura própria a partir dos escritores nascidos na colônia . Contexto Histórico: Primeira invasão holandesa, que ocorreu na Bahia, em 1624, e a Segunda, em Pernambuco, em 1630, que perdurou até 1654 . Costuma-se considerar a publicação da obra Prosopopéia (1601), de  Bento Teixeira, como o marco  inicial do Barroco no Brasil .
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Igreja de São Francisco, em Salvador, com frontão de característica barroca
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PRINCIPAIS REPRESENTANTES DO BARROCO BRASILEIRO  POESIA   GREGÓRIO DE MATOS GUERRA  (apelido de Boca do Inferno ou Boca de Brasa ) TEMAS DA POESIA GREGORIANA:    POESIA RELIGIOSA    POESIA SATÍRICA    POESIA ERÓTICA PROSA  PADRE ANTÔNIO VIEIRA A JESUS CRISTO NOSSO SENHOR  Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado,  da vossa alta clemência me despido;  porque, quanto mais tenho delinqüido,  vos tenho a perdoar mais empenhado.  Se basta a vos irar tanto pecado,  a abrandar-vos sobeja um só gemido:  que a mesma culpa, que vos há ofendido  vos tem para o perdão lisonjeado.  Se uma ovelha perdida, e já cobrada  glória tal e prazer tão repentino  vos deu, como afirmais na sacra história,  eu sou Senhor, a ovelha desgarrada,  cobrai-a; e não queirais, pastor divino,  perder na vossa ovelha, a vossa glória.  (Gregório de Matos)  “ Fazer pouco fruto a palavra de Deus no Mundo, pode proceder de um de três princípios: ou da parte do pregador, ou da parte do ouvinte, ou da parte de Deus..(...) ”  ( Sermão da Sexagésima , Padre Antônio Vieira, pregado na Capela Real, no ano de 1655)
ARCADISMO Pastoral  de  outono , por  François Boucher . Representação do pastoralismo. O Arcadismo desenvolveu-se no  Brasil  do  século XVIII  especialmente em  Minas Gerais , onde se havia descoberto  ouro , fato que marcou o local como centro econômico e, portanto, cultural da  colônia   portuguesa . Delimita-se o Arcadismo no Brasil  entre os anos de  1768  (publicação das Obras poéticas , de Cláudio Manuel da Costa) e  1836  (início do Romantismo).
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Os principais autores árcades são: Cláudio Manoel da Costa ,  (Glauceste Satúrnio) produziu o poema épico,  Vila Rica . Basílio da Gama ,  (Termindo Sipílio) sua obra principal foi o poema épico O Uraguai Frei José de Santa Rita Durão . sua obra consiste basicamente no  Caramuru Tomás Antonio Gonzaga  (Dirceu )  escreveu  As Liras de Marília de Dirceu.  Edição de 1824 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
ROMANTISMO O Romantismo surge em 1830, influenciado pela Independência, em 1822. Desenvolve uma linguagem própria e aborda temas ligados à natureza e às questões político-sociais. Defende a liberdade de criação e privilegia a emoção. As obras valorizam o individualismo, o sofrimento amoroso, a religiosidade, a natureza, os temas nacionais, as questões político-sociais e o passado. O marco inicial do romantismo brasileiro é a publicação, em 1836, de Suspiros Poéticos e Saudades,  de Gonçalves de Magalhães  (1811-1882).
CARACTERÍSTICAS 1 – Individualismo, egocentrismo, subjetivismo, narcisismo 2 – Sentimentalismo, Escola do Coração (lágrima, sonho, devaneio, ternura, emoção) 3 – Sentimento da nacionalidade, patriotismo, com nacionalismo focado na natureza e na sociedade. 4 – Liberdade de composição 5 – Cristianismo 6 – Escritores assumem atitudes de artificialismo - cabelos longos;- pele pálida;- olhar perdido;- vida desregrada
A produção literária passa por três fases: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Canção do exílio  ( Gonçalves Dias )
Alguns  Romances: Cinco minutos ,  1856 A viuvinha ,  1857 O guarani ,  1857 Lucíola ,  1862 Diva ,  1864 Iracema ,  1865 Ubirajara ,  1874 O sertanejo ,  1875 Senhora ,  1875 José de Alencar Nascimento 1 de Maio  de  1829 ,  Ceará Falecimento 12 de Dezembro  de  1877  (48 anos)   Rio de Janeiro ,
2-GERAÇÃO   BYRONIANA OU ULTRA-ROMÂNTICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],PRINCIPAIS AUTORES:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
MEUS OITO ANOS   Oh! que saudades que tenho   Da aurora da minha vida, Da minha infância querida  Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores,  Naquelas tardes fagueiras  À sombra das bananeiras,  Debaixo dos laranjais!  Como são belos os dias  Do despontar da existência!   —  Respira a alma inocência  Como perfumes a flor;  O mar é — lago sereno,  O céu — um manto azulado,  O mundo — um sonho dourado, A vida — um hino d'amor!  Que aurora, que sol, que vida,  Que noites de melodia  Naquela doce alegria,  Naquele ingênuo folgar!  (...) ,[object Object]
3- GERAÇÃO CONDOREIRA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
Realismo  /  Naturalismo   no   Brasil ORIGEM  DO REALISMO França – Madame Bovary – Gustave Flaubert – 1ª obra realista No Brasil, esse contexto se inicia em 1881, com Machado de Assis, que publica  Memórias póstumas de Brás Cubas  (primeiro romance realista do Brasil). Durante o período de passagem do Romantismo para o Realismo  , o Brasil  sofreu inúmeras mudanças na história econômica, política e social. O Realismo encontrou no Brasil uma realidade propícia para a ascensão da literatura, já que escritores como Castro Alves e José de Alencar haviam preparado o terreno.
CARACTERÍSTICAS 1 – Oposição ao Romantismo 2 – Racionalismo 3 – Objetivismo 4 – Universalismo 5 – Crítica Social (obra literária é um instrumento a serviço de novas idéias, crítica à sociedade arcaica 6 – Formalismo – perfeição da forma; a palavra retratando fielmente a sociedade 7 – Filosofia materialista 8 - Anti-romantismo, anti-burguesia, anti-igreja 9 - Romance de tese 10 - Linguagem trabalhada 11 - Ataque ao casamento
O Realismo na Literatura manifesta-se na prosa. A poesia da época vive o parnasianismo. O romance – social, psicológico e de tese – é a principal forma de expressão. Deixa de ser apenas distração e torna-se veículo de crítica a instituições, como a Igreja Católica, e à hipocrisia burguesa. A escravidão, os preconceitos raciais e a sexualidade são os principais temas, tratados com linguagem clara e direta. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PRINCIPAIS AUTORES  REALISTAS: RAUL  POMPÉIA  ( O ATENEU) VISCONDE DE TAUNAY  (  Inocência) MACHADO DE ASSIS :  Romances: Ressurreição, 1872. A mão e a luva, 1874. Helena, 1876. Iaiá Garcia, 1878. Memórias Póstumas de Brás Cubas, 1881. Quincas Borba, 1891. Dom Casmurro, 1899. Esaú Jacó, 1904. Memorial de Aires, 1908 .
O Naturalismo é uma escola literária conhecida por ser a radicalização do  Realismo , baseando-se na observação fiel da realidade e na experiência, mostrando que o indivíduo é determinado pelo ambiente e pela  hereditariedade . A escola esboçou o que pode-se declarar como os primeiros passos do pensamento teórico evolucionista de  Charles Darwin .   O primeiro romance é  O mulato  (1881) do  maranhense  Aluísio de Azevedo , o escritor  que melhor representa a corrente literária  do naturalismo brasileiro. Além dessa obra,  foi o responsável pela criação de um dos maiores marcos da literatura brasileira: O cortiço . Naturalismo  no  Brasil
Quadro comparativo
O parnasianismo é uma  escola literária  ou um movimento literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. Um estilo de época que se desenvolveu na  poesia  a partir de  1850 , na  França Parnasianismo:  Arte pela arte, objetividade, poesia descritiva, versos impassíveis, exatidão e economia de imagens e metáforas, poesia técnica e formal, retomada de valores clássicos, apego à mitologia greco-romana. PRINCIPAIS POETAS BRASILEIROS:  Olavo Bilac,  Alberto de Oliveira,  Raimundo Correia,  Vicente  de Carvalho
 
Iniciou-se  no Brasil com a publicação de MISSAL E BROQUÉIS de Cruz e Sousa em 1883. Os Simbolistas usavam a palavra como símbolo, sugestão ou evocação. CARACTERÍSTICAS: 1- Temas como: mistérios da vida e da morte, religião, existência de Deus, misticismo, solidão, a ilusão, o vago, o sobrenatural. 2- Preocupação com a forma: preocupação maior com a escolha e beleza das palavras do que com as idéias. 3-Musicalidade: vocábulos sonoros, onomatopéias, etc. 4- uso das cores; 5- Uso de palavras ambíguas, com duplo sentido; 6- Sinestesia: junção dos sentidos.  SIMBOLISMO
Principal autor:  CRUZ E SOUSA  ( 1861 – 1898) VIOLÕES QUE CHORAM Ah! plangentes violões dormentes, mornos, Soluços ao luar, choros ao vento... Tristes perfis, os mais vagos contornos, Bocas murmurejantes de lamento. Noites de além, remotas, que eu recordo, Noites da solidão, noites remotas Que nos azuis da Fantasia bordo, Vou constelando de visões ignotas. (...) Vozes veladas, veludosas vozes, Volúpias dos violões, vozes veladas, Vagam nos velhos vórtices velozes Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas. (...) Paul Gauguin
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Romance
RomanceRomance
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
Denise
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
Marcia Simone
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
CDIM Daniel
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
Rita Tramonte
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 

Mais procurados (20)

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 

Destaque

Controlador de Domínio Open Source
Controlador de Domínio Open SourceControlador de Domínio Open Source
Controlador de Domínio Open Source
Ricardo Pinheiro
 
O que é literatura marginal
O que é literatura marginalO que é literatura marginal
O que é literatura marginal
Ilca Guimarães
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
Mário Júnior Silva
 
LDAP: Usos e Aplicações
LDAP: Usos e AplicaçõesLDAP: Usos e Aplicações
LDAP: Usos e Aplicações
elliando dias
 
Revisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEMRevisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
Servidor de autenticação centralizada com OpenLDAP
Servidor de autenticação centralizada com OpenLDAPServidor de autenticação centralizada com OpenLDAP
Servidor de autenticação centralizada com OpenLDAP
Thiago Finardi
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
Universidad Nacional de Misiones
 
Autenticação Centralizada
Autenticação CentralizadaAutenticação Centralizada
Autenticação Centralizada
Linux User Goup Alagoas
 

Destaque (9)

Controlador de Domínio Open Source
Controlador de Domínio Open SourceControlador de Domínio Open Source
Controlador de Domínio Open Source
 
O que é literatura marginal
O que é literatura marginalO que é literatura marginal
O que é literatura marginal
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
LDAP: Usos e Aplicações
LDAP: Usos e AplicaçõesLDAP: Usos e Aplicações
LDAP: Usos e Aplicações
 
Revisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEMRevisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEM
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Servidor de autenticação centralizada com OpenLDAP
Servidor de autenticação centralizada com OpenLDAPServidor de autenticação centralizada com OpenLDAP
Servidor de autenticação centralizada com OpenLDAP
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Autenticação Centralizada
Autenticação CentralizadaAutenticação Centralizada
Autenticação Centralizada
 

Semelhante a LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS

Literatura Brasileira Histórico
Literatura Brasileira HistóricoLiteratura Brasileira Histórico
Literatura Brasileira Histórico
Pré-Vestibular da Cidadania
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Daniel Brito
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
espanhol1979a
 
Arcadismo e realismo
Arcadismo e realismoArcadismo e realismo
Arcadismo e realismo
Marcos Carvalho
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
Maria Cristina Almeida
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Ma_rcia
 
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptxBarroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
LucasPereira913631
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
CamilaOliveira83116
 
Barroco e arcadismo
Barroco e arcadismoBarroco e arcadismo
Barroco e arcadismo
_EsterLopesBR
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
Revisão
RevisãoRevisão
Literatura Brasileira Historico
Literatura Brasileira  HistoricoLiteratura Brasileira  Historico
Literatura Brasileira Historico
guest4d131d
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
Elizeth608
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
Antonio Marcos
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
Gabriel Andrade
 

Semelhante a LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS (20)

Literatura Brasileira Histórico
Literatura Brasileira HistóricoLiteratura Brasileira Histórico
Literatura Brasileira Histórico
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
Arcadismo e realismo
Arcadismo e realismoArcadismo e realismo
Arcadismo e realismo
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
 
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptxBarroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
Barroque and Arcadism in Brazilian literature..pptx
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
Barroco e arcadismo
Barroco e arcadismoBarroco e arcadismo
Barroco e arcadismo
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Literatura Brasileira Historico
Literatura Brasileira  HistoricoLiteratura Brasileira  Historico
Literatura Brasileira Historico
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 

Mais de Amelia Barros

Iframe src
Iframe srcIframe src
Iframe src
Amelia Barros
 
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Amelia Barros
 
291 arquivo
291 arquivo291 arquivo
291 arquivo
Amelia Barros
 
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Amelia Barros
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Amelia Barros
 
48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc
Amelia Barros
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
Amelia Barros
 
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Amelia Barros
 
Novo acordo
Novo acordoNovo acordo
Novo acordo
Amelia Barros
 
Origem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesaOrigem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesa
Amelia Barros
 
Or subord-subst-
Or subord-subst-Or subord-subst-
Or subord-subst-
Amelia Barros
 
Predicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracaoPredicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracao
Amelia Barros
 
Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1
Amelia Barros
 
Romantico
RomanticoRomantico
Romantico
Amelia Barros
 

Mais de Amelia Barros (14)

Iframe src
Iframe srcIframe src
Iframe src
 
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
 
291 arquivo
291 arquivo291 arquivo
291 arquivo
 
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
 
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
Ft22lusiadasestruturasexternaeinterna 100227104253-phpapp01
 
Novo acordo
Novo acordoNovo acordo
Novo acordo
 
Origem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesaOrigem da-lngua-portuguesa
Origem da-lngua-portuguesa
 
Or subord-subst-
Or subord-subst-Or subord-subst-
Or subord-subst-
 
Predicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracaoPredicados e-termos-da-oracao
Predicados e-termos-da-oracao
 
Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1Substantivo aula proposta. 1
Substantivo aula proposta. 1
 
Romantico
RomanticoRomantico
Romantico
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS

  • 1.  
  • 2. Quinhentismo corresponde ao estilo literário que abrange todas as manifestações literárias produzidas no Brasil na época de seu descobrimento , durante o século XVI . As principais manifestações literárias não são propriamente Literatura Brasileira, mas Literatura sobre o Brasil. Incluem-se nessas manifestações a Literatura Informativa dos viajantes e a Literatura catequética do Pe. José de Anchieta
  • 3.
  • 4. Retábulo da Basílica de Nossa Senhora do Carmo em Recife, uma das glórias do barroco brasileiro BARROCO: Uma época de conflitos No século XVII, o Brasil presenciou o surgimento de uma literatura própria a partir dos escritores nascidos na colônia . Contexto Histórico: Primeira invasão holandesa, que ocorreu na Bahia, em 1624, e a Segunda, em Pernambuco, em 1630, que perdurou até 1654 . Costuma-se considerar a publicação da obra Prosopopéia (1601), de Bento Teixeira, como o marco inicial do Barroco no Brasil .
  • 5.
  • 6.
  • 7. PRINCIPAIS REPRESENTANTES DO BARROCO BRASILEIRO POESIA GREGÓRIO DE MATOS GUERRA (apelido de Boca do Inferno ou Boca de Brasa ) TEMAS DA POESIA GREGORIANA: POESIA RELIGIOSA POESIA SATÍRICA POESIA ERÓTICA PROSA PADRE ANTÔNIO VIEIRA A JESUS CRISTO NOSSO SENHOR Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado, da vossa alta clemência me despido; porque, quanto mais tenho delinqüido, vos tenho a perdoar mais empenhado. Se basta a vos irar tanto pecado, a abrandar-vos sobeja um só gemido: que a mesma culpa, que vos há ofendido vos tem para o perdão lisonjeado. Se uma ovelha perdida, e já cobrada glória tal e prazer tão repentino vos deu, como afirmais na sacra história, eu sou Senhor, a ovelha desgarrada, cobrai-a; e não queirais, pastor divino, perder na vossa ovelha, a vossa glória. (Gregório de Matos) “ Fazer pouco fruto a palavra de Deus no Mundo, pode proceder de um de três princípios: ou da parte do pregador, ou da parte do ouvinte, ou da parte de Deus..(...) ” ( Sermão da Sexagésima , Padre Antônio Vieira, pregado na Capela Real, no ano de 1655)
  • 8. ARCADISMO Pastoral de outono , por François Boucher . Representação do pastoralismo. O Arcadismo desenvolveu-se no Brasil do século XVIII especialmente em Minas Gerais , onde se havia descoberto ouro , fato que marcou o local como centro econômico e, portanto, cultural da colônia portuguesa . Delimita-se o Arcadismo no Brasil entre os anos de 1768 (publicação das Obras poéticas , de Cláudio Manuel da Costa) e 1836 (início do Romantismo).
  • 9.
  • 10.
  • 11. ROMANTISMO O Romantismo surge em 1830, influenciado pela Independência, em 1822. Desenvolve uma linguagem própria e aborda temas ligados à natureza e às questões político-sociais. Defende a liberdade de criação e privilegia a emoção. As obras valorizam o individualismo, o sofrimento amoroso, a religiosidade, a natureza, os temas nacionais, as questões político-sociais e o passado. O marco inicial do romantismo brasileiro é a publicação, em 1836, de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães (1811-1882).
  • 12. CARACTERÍSTICAS 1 – Individualismo, egocentrismo, subjetivismo, narcisismo 2 – Sentimentalismo, Escola do Coração (lágrima, sonho, devaneio, ternura, emoção) 3 – Sentimento da nacionalidade, patriotismo, com nacionalismo focado na natureza e na sociedade. 4 – Liberdade de composição 5 – Cristianismo 6 – Escritores assumem atitudes de artificialismo - cabelos longos;- pele pálida;- olhar perdido;- vida desregrada
  • 13.
  • 14. Canção do exílio ( Gonçalves Dias )
  • 15. Alguns Romances: Cinco minutos , 1856 A viuvinha , 1857 O guarani , 1857 Lucíola , 1862 Diva , 1864 Iracema , 1865 Ubirajara , 1874 O sertanejo , 1875 Senhora , 1875 José de Alencar Nascimento 1 de Maio de 1829 , Ceará Falecimento 12 de Dezembro de 1877 (48 anos) Rio de Janeiro ,
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.  
  • 20. Realismo / Naturalismo no Brasil ORIGEM DO REALISMO França – Madame Bovary – Gustave Flaubert – 1ª obra realista No Brasil, esse contexto se inicia em 1881, com Machado de Assis, que publica Memórias póstumas de Brás Cubas (primeiro romance realista do Brasil). Durante o período de passagem do Romantismo para o Realismo , o Brasil sofreu inúmeras mudanças na história econômica, política e social. O Realismo encontrou no Brasil uma realidade propícia para a ascensão da literatura, já que escritores como Castro Alves e José de Alencar haviam preparado o terreno.
  • 21. CARACTERÍSTICAS 1 – Oposição ao Romantismo 2 – Racionalismo 3 – Objetivismo 4 – Universalismo 5 – Crítica Social (obra literária é um instrumento a serviço de novas idéias, crítica à sociedade arcaica 6 – Formalismo – perfeição da forma; a palavra retratando fielmente a sociedade 7 – Filosofia materialista 8 - Anti-romantismo, anti-burguesia, anti-igreja 9 - Romance de tese 10 - Linguagem trabalhada 11 - Ataque ao casamento
  • 22.
  • 23. PRINCIPAIS AUTORES REALISTAS: RAUL POMPÉIA ( O ATENEU) VISCONDE DE TAUNAY ( Inocência) MACHADO DE ASSIS : Romances: Ressurreição, 1872. A mão e a luva, 1874. Helena, 1876. Iaiá Garcia, 1878. Memórias Póstumas de Brás Cubas, 1881. Quincas Borba, 1891. Dom Casmurro, 1899. Esaú Jacó, 1904. Memorial de Aires, 1908 .
  • 24. O Naturalismo é uma escola literária conhecida por ser a radicalização do Realismo , baseando-se na observação fiel da realidade e na experiência, mostrando que o indivíduo é determinado pelo ambiente e pela hereditariedade . A escola esboçou o que pode-se declarar como os primeiros passos do pensamento teórico evolucionista de Charles Darwin . O primeiro romance é O mulato (1881) do maranhense Aluísio de Azevedo , o escritor que melhor representa a corrente literária do naturalismo brasileiro. Além dessa obra, foi o responsável pela criação de um dos maiores marcos da literatura brasileira: O cortiço . Naturalismo no Brasil
  • 26. O parnasianismo é uma escola literária ou um movimento literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. Um estilo de época que se desenvolveu na poesia a partir de 1850 , na França Parnasianismo: Arte pela arte, objetividade, poesia descritiva, versos impassíveis, exatidão e economia de imagens e metáforas, poesia técnica e formal, retomada de valores clássicos, apego à mitologia greco-romana. PRINCIPAIS POETAS BRASILEIROS: Olavo Bilac, Alberto de Oliveira, Raimundo Correia, Vicente de Carvalho
  • 27.  
  • 28. Iniciou-se no Brasil com a publicação de MISSAL E BROQUÉIS de Cruz e Sousa em 1883. Os Simbolistas usavam a palavra como símbolo, sugestão ou evocação. CARACTERÍSTICAS: 1- Temas como: mistérios da vida e da morte, religião, existência de Deus, misticismo, solidão, a ilusão, o vago, o sobrenatural. 2- Preocupação com a forma: preocupação maior com a escolha e beleza das palavras do que com as idéias. 3-Musicalidade: vocábulos sonoros, onomatopéias, etc. 4- uso das cores; 5- Uso de palavras ambíguas, com duplo sentido; 6- Sinestesia: junção dos sentidos. SIMBOLISMO
  • 29. Principal autor: CRUZ E SOUSA ( 1861 – 1898) VIOLÕES QUE CHORAM Ah! plangentes violões dormentes, mornos, Soluços ao luar, choros ao vento... Tristes perfis, os mais vagos contornos, Bocas murmurejantes de lamento. Noites de além, remotas, que eu recordo, Noites da solidão, noites remotas Que nos azuis da Fantasia bordo, Vou constelando de visões ignotas. (...) Vozes veladas, veludosas vozes, Volúpias dos violões, vozes veladas, Vagam nos velhos vórtices velozes Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas. (...) Paul Gauguin
  • 30.