A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS

165 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A crise do euro e o Brasil - INFLUÊNCIAS

  1. 1. A CRISE DO EURO E O BRASIL A gravidade da crise europeia também preocupa e atinge os países emergentes.
  2. 2. INFLUÊNCIAS DA CRISE DO EURO NO BRASIL Mesmo com fundamentos econômicos sólidos, o Brasil não está imune à crise. As linhas de crédito para importação e exportação brasileiras, em bancos europeus, diminuíram e estão mais caras. Nossos exportadores já buscam financiamentos nos bancos americanos e asiáticos, que têm muita liquidez, mas passaram a exigir mais garantias, porque sabem que as vendas das empresas para o exterior vão recuar com a desaceleração da economia dos países desenvolvidos. A CRISE DO EURO E O BRASIL A gravidade da crise europeia também preocupa os países emergentes. Ao contrário de décadas passadas, quando as instabilidades das economias menos desenvolvidas contagiavam às mais avançadas e necessitavam o resgate dos organismos multilaterais, agora os emergentes temem a contaminação dos problemas sofridos pelos ricos.
  3. 3. Os sinais da crise do euro já aparecem na China e podem trazer consequências para o Brasil, porque o país asiático é um grande importador das nossas matérias primas. O dado preliminar sobre a atividade manufatureira, na China, recuou em setembro, indicando que o crescimento, na segunda maior economia do mundo, continua a desacelerar, devido ao enfraquecimento da demanda mundial pelos produtos chineses. A CRISE DO EURO E O BRASIL O Brasil, além da China, Rússia, Índia e África do Sul, que formam o grupo dos países emergentes chamado Brics, se reuniram em Washington, em setembro, para negociar uma ajuda conjunta à Europa, como a compra de títulos do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira.
  4. 4. Mas ficou claro que os cinco emergentes possuem interesses muito diferentes. A China prefere transferir recursos para a região, através o FMI, e aumentar seu poder dentro do Fundo. A Rússia está com sua capacidade de apoio debilitada, porque já está afetada pelas turbulências europeias. E, a presidente Dilma Rousseff, já afirmou que o Brasil contribuirá com a busca de soluções, mas sem participar das operações de socorro financeiro. A CRISE DO EURO E O BRASIL
  5. 5. A CRISE DO EURO E O BRASIL

×