SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTUD 
OS DE 
COORT 
E Disciplina: Epidemiologia 
Docente: Janaina Paula Costa 
da Silva 
Discentes: Jocione Medeiros; 
Larissa Pinheiro; Lucas 
Reinold; Luis César; Luis 
Henrique Dantas.
INTRODUÇÃO
ESTUDOS DE COORTE 
1. O termo “coorte” designava originalmente a unidades de combate 
romanas, identificadas nos campos de batalha pelo uniforme 
padronizado; 
2. A história dos estudos de coorte foi explorada por Liddell (1988); 
3. Origem: tábuas de mortalidade (calcula as probabilidades de vida e 
morte de uma população, em função da idade); 
4. Observações prospectivas iniciadas na metade da década de 1940 
(ambas ainda em curso): 
• Pesquisa sobre efeito da bomba atômica em seres humanos; 
• Estudo de Framingham (sobre doenças cardiovasculares). 
Demonstrou a 
importância de alguns 
fatores de risco para o 
desenvolvimento de 
doença cardíaca e 
cérebro-vascular
ESTUDOS DE COORTE 
1. Também chamado de follow-up; 
2. Abordam hipóteses etiológicas produzindo medidas de incidência 
e medidas diretas de risco; 
3. São chamados de prospectivos, pois partem da observação de 
grupos comprovadamente expostos a um fator de risco suposto 
como causa de doença a ser detectada no futuro; 
4. Essa característica propõe a antecipação das possíveis causas e a 
investigação de seus efeitos; 
5. Os estudos de coorte têm inicio ao se colocar em foco uma variável 
cuja contribuição como fator de risco para determinada doença 
deseja-se conhecer, avaliar ou confirmar.
ESTUDOS DE COORTE 
1. Etapa inicial dessa modalidade de estudo epidemiológico: 
• Seleção de um grupo de pessoas consideradas sadias quanto à doença sob 
investigação. O grupo deverá ser o mais homogêneo possível em relação à sua 
composição por vários fatores. 
2. Caracterização segundo o grupo estudado: 
• Coortes De População Geral; 
• Coortes De Grupos Populacionais Restritos; 
• Coortes De Exposição Especial; 
3. São dois tipos gerais de estudos de coortes: 
• Coorte Concorrente; 
• Estudo não-concorrente de coorte Histórica (ou retrospectivo).
ESTUDOS DE COORTE – 
CARACTERIZAÇÃO SEGUNDO O 
GRUPO ESTUDADO 
1. COORTES DE POPULAÇÃO GERAL: seguimento de uma amostra de 
uma população geral, de uma área bem definida geograficamente 
ou administrativamente; 
2. COORTES DE GRUPOS POPULACIONAIS RESTRITOS: são escolhidos 
grupos que oferecem facilidades para a avaliação da exposição, do 
seguimento e do desfecho (ex. profissionais de saúde); 
3. COORTES DE EXPOSIÇÃO ESPECIAL: Seleciona-se um grupo de 
pessoas submetidas a níveis elevados de uma exposição não usual 
(exposições ocupacionais, acidentes químicos, acidentes nucleares, 
por exemplo)
ESTUDOS DE COORTE – COORTE 
CONCORRENTE 
1. A coorte é acompanhada desde o momento da exposição, 
procedendo-se como etapa do próprio estudo, o monitoramento e 
registro dos casos de doença ou óbito na medida em que esses 
ocorram, até a data prevista para encerramento das observações. 
2. A qualificação de “concorrente” para esse tipo de estudo 
prospectivo, deve-se ao fato de que o encaminhamento da 
pesquisa e o fenômeno (a doença) progridem em paralelo, 
concomitantemente. 
• Objetiva determinar diferenças na velocidade com que surge a 
doença nos subgrupos de expostos e não expostos ao suposto fator 
de risco.
ESTUDOS DE COORTE – ESTUDO NÃO-CONCORRENTE 
DE COORTE 
HISTÓRICA (OU RETROSPECTIVO) 
1. Envolvem usualmente grupos sociais ou profissionais específicos, 
selecionados por terem sido expostos a fatores de risco em 
potencial e por se dispor de registros sistemáticos da exposição e 
do efeito. 
2. Fundamento na reconstrução de coortes em algum ponto do 
passado (sendo justamente por isso chamado de “coorte 
histórica”), com seleção e classificação dos seus elementos no 
presente e com inicio e fim do acompanhamento no passado, 
antes do momento da realização da pesquisa. Sendo classificada 
também como coorte retrospectiva. 
3. A classificação de “não-concorrente” decorre da constatação de 
que o desenvolvimento da pesquisa e a evolução dos fatos que a 
motivaram decorrem em tempos históricos diferentes.
ESTUDOS DE COORTE - EXEMPLOS 
Coorte de nascidos em Pelotas 
A coorte de nascimentos com seguimento regular mais longo em um 
país em desenvolvimento tem sido conduzida pelo Centro de 
Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas, no Rio 
Grande do Sul. A investigação monitorou todas as crianças nascidas 
vivas na cidade de Pelotas, nos anos de 1982, 1993 e 2004. 
Nas três fases do estudo, foram realizadas visitas no terceiro e 12º 
mês de idade. Eram aplicados questionários às mães, além de 
medidas e avaliações do desenvolvimento das crianças. Os 
participantes continuam sendo acompanhados até o presente, e 
questões como mortalidade infantil, desnutrição, crescimento, 
sexualidade, gravidez na adolescência e hipertensão têm sido 
exploradas na pesquisa.
ESTUDOS DE COORTE - EXEMPLOS 
Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto - ELSA Brasil 
O Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto - ELSA Brasil - é uma investigação 
multicêntrica de coorte composta por 15 mil funcionários de seis instituições 
públicas de ensino superior e pesquisa das regiões Nordeste, Sul e Sudeste 
do Brasil. A pesquisa tem o propósito de investigar a incidência e os fatores 
de risco para doenças crônicas, em particular, as cardiovasculares e o 
diabetes, durante o período de 20 anos (iniciando em 2008). 
Em cada centro integrante do estudo, os sujeitos da pesquisa – com idade 
entre 35 e 74 anos – fazem exames e entrevistas nas quais são avaliados 
aspectos como condições de vida, diferenças sociais, relação com o 
trabalho, gênero e especificidades da dieta da população brasileira. 
Além de fomentar o desenvolvimento de novas investigações, o estudo é 
fundamental para a adequação de políticas públicas de saúde às 
necessidades nacionais.
ESTUDOS DE COORTE 
1. VANTAGENS: 
• Produz medidas diretas de risco; 
• Alto poder analítico; 
• Simplicidade de desenho; 
• Facilidade de análise. 
2. DESVANTAGENS: 
• Vulnerável a perdas (attrition bias); 
• Inadequado para doenças de baixa frequência; 
• Alto custo relativo.
ARTIG 
O
escore z do 
indicador PI 
(peso para 
idade)
Epidemiologia: Estudos de coorte
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
PEREIRA, Maurício Gomes. Epidemiologia: teoria e prática. – [reimpr.] – Rio de 
Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 596 p. 
ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar de; Epidemiologia & 
Saúde. – 6 ed. – Rio de Janeiro: MEDSI, 2003. 728 p. 
Estudo de Coorte. Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC/UFRJ. 
Disponível em 
http://www.iesc.ufrj.br/cursos/fono/n)%20AT15%20Est%20Coorte.pdf. 
Acesso em 05 de novembro de 2015. 
Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto - ELSA Brasil – Disponível em 
http://www.elsa.org.br/oelsabrasil.html. Acesso em 05 de novembro de 
2014. 
Coorte de Nascidos em Pelotas. – Disponível em 
http://www.elsa.org.br/estudos_coorte.html ou http://www.epidemio-ufpel. 
org.br/site/content/coorte_1993/index.php. Acesso em 05 de 
novembro de 2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de DadosAula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de Dados
Ghiordanno Bruno
 
Estudo caso controle
Estudo caso controleEstudo caso controle
Estudo caso controle
HIAGO SANTOS
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
Arquivo-FClinico
 
Revisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da LiteraturaRevisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da Literatura
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Introdução a investigação e produção científica na área da saúde
Introdução a investigação e produção científica na área da saúdeIntrodução a investigação e produção científica na área da saúde
Introdução a investigação e produção científica na área da saúde
Aliny Lima
 
Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
Ricardo Alexandre
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
Eliane Santos
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
RafaelBorges3
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
Rosario Cação
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
Wanderson Oliveira
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
comunidadedepraticas
 
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoPrognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Ricardo Alexandre
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigo
Adelmo Bicalho
 
Tipos De Estudo
Tipos De EstudoTipos De Estudo
Tipos De Estudo
Eduardo Vilas Boas
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
Thiago Freitas
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
Samuel J. Tacuana
 
Ensaios Clinicos (aula 8)
Ensaios Clinicos (aula 8)Ensaios Clinicos (aula 8)
Ensaios Clinicos (aula 8)
Sandra Lago Moraes
 

Mais procurados (20)

Aula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de DadosAula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de Dados
 
Estudo caso controle
Estudo caso controleEstudo caso controle
Estudo caso controle
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
Revisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da LiteraturaRevisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da Literatura
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Introdução a investigação e produção científica na área da saúde
Introdução a investigação e produção científica na área da saúdeIntrodução a investigação e produção científica na área da saúde
Introdução a investigação e produção científica na área da saúde
 
Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoPrognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigo
 
Tipos De Estudo
Tipos De EstudoTipos De Estudo
Tipos De Estudo
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
 
Ensaios Clinicos (aula 8)
Ensaios Clinicos (aula 8)Ensaios Clinicos (aula 8)
Ensaios Clinicos (aula 8)
 

Semelhante a Epidemiologia: Estudos de coorte

Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
Fernando Henrique
 
Desenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisaDesenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisa
Karla Vivianne
 
09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos
09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos
09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos
Raquel Guerra
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
Centro Universitário Ages
 
Introdução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide prontoIntrodução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide pronto
RobsonGomes753918
 
1a_aula.ppt - epidemiologia
1a_aula.ppt - epidemiologia1a_aula.ppt - epidemiologia
1a_aula.ppt - epidemiologia
FabianaAlessandro2
 
Estudo Coorte
Estudo Coorte Estudo Coorte
Estudo Coorte
Ailton Silva
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
adriana da silva barros
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Ricardo Alexandre
 
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
 Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat... Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
PaulaMelo127834
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
RaquelDaCosta7
 
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptxAula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Fábio Rogério De Oliveira Da Cunha
 
03 delianeamento de estudos científicos
03   delianeamento de estudos científicos03   delianeamento de estudos científicos
03 delianeamento de estudos científicos
gisa_legal
 
investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica
danilo oliveira
 
9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf
9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf
9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf
NaiaraMendes13
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Leticia Princesiny
 
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
NaiaraMendes13
 
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de BioestatísticaEstudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
FranciscoMendes220914
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
RaquelOlimpio1
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 

Semelhante a Epidemiologia: Estudos de coorte (20)

Epidemiologia 4 periodo de medicina
Epidemiologia  4 periodo de medicinaEpidemiologia  4 periodo de medicina
Epidemiologia 4 periodo de medicina
 
Desenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisaDesenhos de pesquisa
Desenhos de pesquisa
 
09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos
09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos
09 03 principais delineamentos aplicados em estudos epidemiológicos
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
 
Introdução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide prontoIntrodução a epidemiologia - slide pronto
Introdução a epidemiologia - slide pronto
 
1a_aula.ppt - epidemiologia
1a_aula.ppt - epidemiologia1a_aula.ppt - epidemiologia
1a_aula.ppt - epidemiologia
 
Estudo Coorte
Estudo Coorte Estudo Coorte
Estudo Coorte
 
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptxConceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
Conceitos.historico.e.usos.da.Epidemiologia.Aula.1.pptx
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
 
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
 Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat... Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
 
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptxEPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
EPIDEMIOLOGIA GERAL Introducao.pptx
 
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptxAula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
Aula 1 Introdução a Epidemiologia & Estatística 05.02.2024.pptx
 
03 delianeamento de estudos científicos
03   delianeamento de estudos científicos03   delianeamento de estudos científicos
03 delianeamento de estudos científicos
 
investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica
 
9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf
9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf
9-investigaoepidemiolgica-101113150524-phpapp01.pdf
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
01-Aula_Introducao_Epidemiologia-2020 (4).pdf
 
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de BioestatísticaEstudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
Estudos Epidemiológicos na área de Bioestatística
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 

Mais de Luis Dantas

O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de MamaO papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
Luis Dantas
 
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNADPesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD
Luis Dantas
 
Bioimpedância
BioimpedânciaBioimpedância
Bioimpedância
Luis Dantas
 
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblasticaAnemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Luis Dantas
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
Luis Dantas
 
Transtornos Alimentares e seus Aspectos Sociológicos
Transtornos Alimentares e seus Aspectos SociológicosTranstornos Alimentares e seus Aspectos Sociológicos
Transtornos Alimentares e seus Aspectos Sociológicos
Luis Dantas
 
Cinética do Escuremcimento Não-enzimático
Cinética do Escuremcimento Não-enzimáticoCinética do Escuremcimento Não-enzimático
Cinética do Escuremcimento Não-enzimático
Luis Dantas
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaA Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
Luis Dantas
 
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
Luis Dantas
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
Luis Dantas
 
Reflexos da globalização na cultura alimentar
Reflexos da globalização na cultura alimentarReflexos da globalização na cultura alimentar
Reflexos da globalização na cultura alimentar
Luis Dantas
 
Cuidados paliativos e nutrição
Cuidados paliativos e nutriçãoCuidados paliativos e nutrição
Cuidados paliativos e nutrição
Luis Dantas
 
Síndrome de von recklinghausen
Síndrome de von recklinghausenSíndrome de von recklinghausen
Síndrome de von recklinghausen
Luis Dantas
 
Gastrulação
GastrulaçãoGastrulação
Gastrulação
Luis Dantas
 
Carnitina
CarnitinaCarnitina
Carnitina
Luis Dantas
 
Alterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescadoAlterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescado
Luis Dantas
 
Caracterização bioquímica do amido
Caracterização bioquímica do amidoCaracterização bioquímica do amido
Caracterização bioquímica do amido
Luis Dantas
 

Mais de Luis Dantas (18)

O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de MamaO papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
 
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNADPesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD
 
Bioimpedância
BioimpedânciaBioimpedância
Bioimpedância
 
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblasticaAnemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
 
Transtornos Alimentares e seus Aspectos Sociológicos
Transtornos Alimentares e seus Aspectos SociológicosTranstornos Alimentares e seus Aspectos Sociológicos
Transtornos Alimentares e seus Aspectos Sociológicos
 
Cinética do Escuremcimento Não-enzimático
Cinética do Escuremcimento Não-enzimáticoCinética do Escuremcimento Não-enzimático
Cinética do Escuremcimento Não-enzimático
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaA Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
 
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)Patologia   caso clínico (pancreatite aguda)
Patologia caso clínico (pancreatite aguda)
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Reflexos da globalização na cultura alimentar
Reflexos da globalização na cultura alimentarReflexos da globalização na cultura alimentar
Reflexos da globalização na cultura alimentar
 
Cuidados paliativos e nutrição
Cuidados paliativos e nutriçãoCuidados paliativos e nutrição
Cuidados paliativos e nutrição
 
Síndrome de von recklinghausen
Síndrome de von recklinghausenSíndrome de von recklinghausen
Síndrome de von recklinghausen
 
Gastrulação
GastrulaçãoGastrulação
Gastrulação
 
Carnitina
CarnitinaCarnitina
Carnitina
 
Alterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescadoAlterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescado
 
Caracterização bioquímica do amido
Caracterização bioquímica do amidoCaracterização bioquímica do amido
Caracterização bioquímica do amido
 

Epidemiologia: Estudos de coorte

  • 1. ESTUD OS DE COORT E Disciplina: Epidemiologia Docente: Janaina Paula Costa da Silva Discentes: Jocione Medeiros; Larissa Pinheiro; Lucas Reinold; Luis César; Luis Henrique Dantas.
  • 3. ESTUDOS DE COORTE 1. O termo “coorte” designava originalmente a unidades de combate romanas, identificadas nos campos de batalha pelo uniforme padronizado; 2. A história dos estudos de coorte foi explorada por Liddell (1988); 3. Origem: tábuas de mortalidade (calcula as probabilidades de vida e morte de uma população, em função da idade); 4. Observações prospectivas iniciadas na metade da década de 1940 (ambas ainda em curso): • Pesquisa sobre efeito da bomba atômica em seres humanos; • Estudo de Framingham (sobre doenças cardiovasculares). Demonstrou a importância de alguns fatores de risco para o desenvolvimento de doença cardíaca e cérebro-vascular
  • 4. ESTUDOS DE COORTE 1. Também chamado de follow-up; 2. Abordam hipóteses etiológicas produzindo medidas de incidência e medidas diretas de risco; 3. São chamados de prospectivos, pois partem da observação de grupos comprovadamente expostos a um fator de risco suposto como causa de doença a ser detectada no futuro; 4. Essa característica propõe a antecipação das possíveis causas e a investigação de seus efeitos; 5. Os estudos de coorte têm inicio ao se colocar em foco uma variável cuja contribuição como fator de risco para determinada doença deseja-se conhecer, avaliar ou confirmar.
  • 5. ESTUDOS DE COORTE 1. Etapa inicial dessa modalidade de estudo epidemiológico: • Seleção de um grupo de pessoas consideradas sadias quanto à doença sob investigação. O grupo deverá ser o mais homogêneo possível em relação à sua composição por vários fatores. 2. Caracterização segundo o grupo estudado: • Coortes De População Geral; • Coortes De Grupos Populacionais Restritos; • Coortes De Exposição Especial; 3. São dois tipos gerais de estudos de coortes: • Coorte Concorrente; • Estudo não-concorrente de coorte Histórica (ou retrospectivo).
  • 6. ESTUDOS DE COORTE – CARACTERIZAÇÃO SEGUNDO O GRUPO ESTUDADO 1. COORTES DE POPULAÇÃO GERAL: seguimento de uma amostra de uma população geral, de uma área bem definida geograficamente ou administrativamente; 2. COORTES DE GRUPOS POPULACIONAIS RESTRITOS: são escolhidos grupos que oferecem facilidades para a avaliação da exposição, do seguimento e do desfecho (ex. profissionais de saúde); 3. COORTES DE EXPOSIÇÃO ESPECIAL: Seleciona-se um grupo de pessoas submetidas a níveis elevados de uma exposição não usual (exposições ocupacionais, acidentes químicos, acidentes nucleares, por exemplo)
  • 7. ESTUDOS DE COORTE – COORTE CONCORRENTE 1. A coorte é acompanhada desde o momento da exposição, procedendo-se como etapa do próprio estudo, o monitoramento e registro dos casos de doença ou óbito na medida em que esses ocorram, até a data prevista para encerramento das observações. 2. A qualificação de “concorrente” para esse tipo de estudo prospectivo, deve-se ao fato de que o encaminhamento da pesquisa e o fenômeno (a doença) progridem em paralelo, concomitantemente. • Objetiva determinar diferenças na velocidade com que surge a doença nos subgrupos de expostos e não expostos ao suposto fator de risco.
  • 8. ESTUDOS DE COORTE – ESTUDO NÃO-CONCORRENTE DE COORTE HISTÓRICA (OU RETROSPECTIVO) 1. Envolvem usualmente grupos sociais ou profissionais específicos, selecionados por terem sido expostos a fatores de risco em potencial e por se dispor de registros sistemáticos da exposição e do efeito. 2. Fundamento na reconstrução de coortes em algum ponto do passado (sendo justamente por isso chamado de “coorte histórica”), com seleção e classificação dos seus elementos no presente e com inicio e fim do acompanhamento no passado, antes do momento da realização da pesquisa. Sendo classificada também como coorte retrospectiva. 3. A classificação de “não-concorrente” decorre da constatação de que o desenvolvimento da pesquisa e a evolução dos fatos que a motivaram decorrem em tempos históricos diferentes.
  • 9. ESTUDOS DE COORTE - EXEMPLOS Coorte de nascidos em Pelotas A coorte de nascimentos com seguimento regular mais longo em um país em desenvolvimento tem sido conduzida pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul. A investigação monitorou todas as crianças nascidas vivas na cidade de Pelotas, nos anos de 1982, 1993 e 2004. Nas três fases do estudo, foram realizadas visitas no terceiro e 12º mês de idade. Eram aplicados questionários às mães, além de medidas e avaliações do desenvolvimento das crianças. Os participantes continuam sendo acompanhados até o presente, e questões como mortalidade infantil, desnutrição, crescimento, sexualidade, gravidez na adolescência e hipertensão têm sido exploradas na pesquisa.
  • 10. ESTUDOS DE COORTE - EXEMPLOS Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto - ELSA Brasil O Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto - ELSA Brasil - é uma investigação multicêntrica de coorte composta por 15 mil funcionários de seis instituições públicas de ensino superior e pesquisa das regiões Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil. A pesquisa tem o propósito de investigar a incidência e os fatores de risco para doenças crônicas, em particular, as cardiovasculares e o diabetes, durante o período de 20 anos (iniciando em 2008). Em cada centro integrante do estudo, os sujeitos da pesquisa – com idade entre 35 e 74 anos – fazem exames e entrevistas nas quais são avaliados aspectos como condições de vida, diferenças sociais, relação com o trabalho, gênero e especificidades da dieta da população brasileira. Além de fomentar o desenvolvimento de novas investigações, o estudo é fundamental para a adequação de políticas públicas de saúde às necessidades nacionais.
  • 11. ESTUDOS DE COORTE 1. VANTAGENS: • Produz medidas diretas de risco; • Alto poder analítico; • Simplicidade de desenho; • Facilidade de análise. 2. DESVANTAGENS: • Vulnerável a perdas (attrition bias); • Inadequado para doenças de baixa frequência; • Alto custo relativo.
  • 13. escore z do indicador PI (peso para idade)
  • 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PEREIRA, Maurício Gomes. Epidemiologia: teoria e prática. – [reimpr.] – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 596 p. ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar de; Epidemiologia & Saúde. – 6 ed. – Rio de Janeiro: MEDSI, 2003. 728 p. Estudo de Coorte. Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC/UFRJ. Disponível em http://www.iesc.ufrj.br/cursos/fono/n)%20AT15%20Est%20Coorte.pdf. Acesso em 05 de novembro de 2015. Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto - ELSA Brasil – Disponível em http://www.elsa.org.br/oelsabrasil.html. Acesso em 05 de novembro de 2014. Coorte de Nascidos em Pelotas. – Disponível em http://www.elsa.org.br/estudos_coorte.html ou http://www.epidemio-ufpel. org.br/site/content/coorte_1993/index.php. Acesso em 05 de novembro de 2014.

Notas do Editor

  1. Luis H.
  2. Luis H.
  3. Lucas
  4. Luis H. Outra definição: São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença.
  5. Jocione Como por exemplo de seleção de grupos: experiência compartilhada num período de tempo definido, ano de nascimento, ocupação, área geográfica onde se situa o domicilio ou o trabalho, etc.
  6. Luis Cesar
  7. Jocione 1. O momento da exposição pode referir-se a um evento pontual, de curta duração, ou a uma ocorrência constante ou periódica no decorrer de todo o período de observação.
  8. Luis Cesar A principal circunstância favorável à realização de estudos retrospectivos de coorte consiste na disponibilidade de registros médicos confiáveis.
  9. Larissa
  10. Lucas O ELSA torna-se possível pelo interesse do Ministério da Saúde e do Ministério da Ciência e Tecnologia em realizar pesquisas nacionais de grande porte sobre a saúde da população adulta no Brasil.
  11. Larissa