O Papel dos Alimentos Funcionais
na Prevenção e Controle do
Câncer de Mama
Docente: Isabelle Ferreira
Discentes: Anna Paul...
Sobre o artigo
 Ano: 2004
 Revista: Brasileira de Cancerologia
 Autores:
 Patricia de Carvalho Padilha
 Rosilene de L...
Objetivo: investigar na literatura o papel dos
alimentos funcionais no controle e prevenção do
câncer de mama, assim como ...
Câncer de mama
 Doença de importância cada vez maior em todas as
partes do mundo;
 No Brasil, é o mais frequente tipo de...
Alimentos funcionais
 Também chamados de nutracêuticos e alimentos
planejados
 Relacionados com o binômio dieta-saúde
Al...
Exemplos de alimentos funcionais
 Fibras;
 Ácidos graxos poliinsaturados ômega 3 (n-3);
 Fitoquímicos;
 Peptídeos ativ...
Quimioprevenção no câncer de mama
 Opção terapêutica, podendo prevenir, interromper ou
reverter a gênese do câncer
 Supl...
Intervenção dietética
Ômega-3 (n-3)
 Papel promotor da gordura dietética no desenvolvimento
do câncer de mama
 Correlação entre o consumo exce...
Ácido linoleico conjugado (CLA)
 Atividade anticarcinogênica evidente nas três fases da
carcinogênese - iniciação, promoç...
Fibras
 Mecanismo mais provável: redução de estrogênios
bioativos no sangue
 Alteração da flora colônica, atuando na reg...
Vitaminas e minerais
 Investigados com atuação quimiopreventiva na
carcinogênese mamária: vitaminas antioxidantes (A, C e...
Fitoquímicos
 Neoplasia mamária – Fitoestrógenos;
 Isoflavonas e lignanas
 Isoflavonas genisteína e daidzeína (obtidas ...
O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama

563 visualizações

Publicada em

Observação: O CLA é proibido no Brasil, segundo a ANVISA.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
563
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Portanto, a gênese e progressão do câncer de mama parecem estar extremamente relacionadas a hábitos alimentares, consumo de gorduras, carnes, produtos lácteos, frutas, vegetais, fibras, fitoestrógenos, e outros componentes dietéticos.
    Dados epidemiológicos e experimentais, que demonstram uma associação entre dieta e risco de câncer, destacam certos componentes que têm uma função quimiopreventiva, como alguns alimentos funcionais, em especial no câncer de mama.
  • Surge a compreensão de que a alimentação adequada exerce um papel além do que fornecer energia e nutrientes essenciais, enfatizando também a importância dos constituintes não-nutrientes, que em associação, são identificados pela promoção de efeitos fisiológicos benéficos, podendo prevenir ou retardar doenças tais como as cardiovasculares, câncer, infecções intestinais, obesidade, dentre outras.
  • Na abordagem ao câncer de mama merecem destaque os ácidos graxos poliinsaturado ômega 3 (n-3) e linoléico conjugado, as fibras, algumas vitaminas e minerais, e os fitoquímicos. (falaremos adiante)
  • Considerando a variação entre o consumo de alimentos fontes de gordura entre os diversos países, nota-se uma tendência à redução das taxas de incidência
    de neoplasia mamária naqueles cujo consumo de fontes de n-3, em especial, o óleo de peixe, são elevados, como nos países asiáticos.
    A hipótese preferida para estabelecer a relação das gorduras dietéticas com a carcinogênese mamária é o metabolismo dos ácidos graxos poliinsaturados, que
    apresentam um papel importante na abordagem às doenças neoplásicas.
  • Além disso, o CLA modula marcadores do sistema imune e a formação de eicosanóides, atuando no metabolismo lipídico e na expressão genética.
  • Mecanismos alternativos: outros constituintes da fibra, como o fitato (inositol-6- fosfato), que merece ter sua ação anticarcinogênica investigada, visto que há diversas evidências acerca da variedade de efeitos biologicamente significantes, na tumorigênese quimicamente induzida31.
  • Defesa contra as espécies reativas de oxigênio (responsáveis por danos ao DNA), regulação da diferenciação celular e, consequentemente, inibição do crescimento de células mamárias cancerígenas.
    Praticamente todas as vitaminas têm poder redutor quanto ao níveis de carcinogênese devido a atividade antioxidante.
  • fitoestrógenos, que são compostos fenólicos heterocíclicos similares aos estrogênios aturais e sintéticos com propriedades tanto estrogênicas quanto antiestrogênicas
  • O papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama

    1. 1. O Papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama Docente: Isabelle Ferreira Discentes: Anna Paula; Fharlley Lohann; Jarson Pedro; Luis Henrique; Renatha Celiana.
    2. 2. Sobre o artigo  Ano: 2004  Revista: Brasileira de Cancerologia  Autores:  Patricia de Carvalho Padilha  Rosilene de Lima Pinheiro.
    3. 3. Objetivo: investigar na literatura o papel dos alimentos funcionais no controle e prevenção do câncer de mama, assim como analisar a utilização destes, e descrever seus principais mecanismos de ação. Metodologia: revisão do conhecimento disponível na literatura sobre o tema, utilizando-se os termos: quimioprevenção, alimentos funcionais, nutrição e câncer de mama. Foram encontrados mais de 5000 referências nas bases de dados Medline e Lilacs, porém optou-se preferencialmente pelos artigos dos últimos 10 anos, de língua portuguesa e inglesa, e com ênfase para trabalhos epidemiológicos e estudos experimentais. Analisaram-se ainda manuais do Ministério da Saúde e livros acadêmicos.
    4. 4. Câncer de mama  Doença de importância cada vez maior em todas as partes do mundo;  No Brasil, é o mais frequente tipo de neoplasia em incidência de mortalidade entre mulheres;  Problema de saúde pública – prevenção e controle de alta relevância. Fatores de risco:  Ambientais e genéticos Fatores dietéticos (≈ 30%), tabaco.
    5. 5. Alimentos funcionais  Também chamados de nutracêuticos e alimentos planejados  Relacionados com o binômio dieta-saúde Alimentos funcionais: Exercer ação metabólica ou fisiológica que contribua para a saúde física e para a diminuição de morbidades crônicas; integrar a alimentação usual; os efeitos positivos devem ser obtidos em quantidades não tóxicas, perdurando mesmo após suspensão de sua ingestão; e, por fim, os alimentos funcionais não são destinados ao tratamento ou cura das doenças.
    6. 6. Exemplos de alimentos funcionais  Fibras;  Ácidos graxos poliinsaturados ômega 3 (n-3);  Fitoquímicos;  Peptídeos ativos (arginina e glutamina);  Prebióticos (inulina e oligofrutose ou frutooligossacarídeo);  Probióticos (lactobacilos acidófilos, casei, bulgárico e lactis).
    7. 7. Quimioprevenção no câncer de mama  Opção terapêutica, podendo prevenir, interromper ou reverter a gênese do câncer  Suplementos dietéticos;  Vitaminas e minerais;  Substâncias não-nutrientes, os fitoquímicos. Atuam potencialmente com mecanismos de ação anticarcinogênicos  Antioxidantes, antiinflamatórios, anti-hormonais, antiangiogênicos, etc.
    8. 8. Intervenção dietética
    9. 9. Ômega-3 (n-3)  Papel promotor da gordura dietética no desenvolvimento do câncer de mama  Correlação entre o consumo excessivo de gordura e o aumento dos índices desta neoplasia Correlação entre o teor de gordura da dieta e os níveis séricos de estradiol Tipo de gordura consumida ≠ quantidade da ingestão total  Metabolismo dos ácidos graxos poli-insaturados.
    10. 10. Ácido linoleico conjugado (CLA)  Atividade anticarcinogênica evidente nas três fases da carcinogênese - iniciação, promoção e progressão;  Decorrente da sua ação inibidora no crescimento de células mamárias, denominadas receptoras de estrogênio positivas, ou seja, relacionada ao sistema de resposta estrogênica.  Redução da proliferação celular;  Alteração nos componentes do ciclo celular;  Mediação na inibição de apoptose
    11. 11. Fibras  Mecanismo mais provável: redução de estrogênios bioativos no sangue  Alteração da flora colônica, atuando na regulação da recirculação enterohepática de estrogênios, de tal forma que a quantidade de estrogênio excretado é aumentada  Mecanismos alternativos: outros constituintes da fibra, como o fitato (inositol-6- fosfato).
    12. 12. Vitaminas e minerais  Investigados com atuação quimiopreventiva na carcinogênese mamária: vitaminas antioxidantes (A, C e E), Folato e Selênio.  Estudos demonstram que mulheres com uma dieta rica em frutas e vegetais têm um risco reduzido de desenvolverem câncer de mama.  Ações:  Defesa contra as espécies reativas de oxigênio;  Regulação da diferenciação celular;
    13. 13. Fitoquímicos  Neoplasia mamária – Fitoestrógenos;  Isoflavonas e lignanas  Isoflavonas genisteína e daidzeína (obtidas da soja e seus produtos) são as principais formas biologicamente ativas.

    ×