O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

investigação epidemiológica

21.851 visualizações

Publicada em

investigação epidemiológica

  1. 1. Faculdade dos Guararapes Curso de Enfermagem Disciplina de Epidemiologia Prof. Waldemir Borba Investigação Epidemiológica
  2. 2. “ Um conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos”. (Segundo a Lei 8080/90)
  3. 3. OBJETIVOS
  4. 4. Tipos de dados • Demográficos, Ambientais e Socioeconômicos • Morbidade • Mortalidade • Notificação de epidemias e surtos
  5. 5. • É parte integrante das ações de controle de doenças. Determina os elos na cadeia de transmissão da doença, visando executar medidas que possibilitem interrompê-la . • Fornece dados sobre o estado vacinal, idade, residências de casos e contatos que podem contribuir para a compreensão do processo de geração da doença e dos fatores de risco.
  6. 6. • A realização ou não de investigação epidemiológica depende dos níveis endêmicos, modo de transmissão, das medidas de controle usadas em cada doença e dos recursos disponíveis em cada unidade. • É fundamental manter alerta o sistema de V.E visando identificar, precocemente surtos, investigá-los e adotar as medidas necessárias para controlá-los
  7. 7. Investigação epidemiológica Objetivos • Identificar fonte e modo de transmissão • Grupos expostos ao maior risco • Fatores determinantes • Confirmar diagnóstico • Determinar principais características epidemiológicas
  8. 8. Investigação epidemiológica Objetivos • Identificar fonte e modo de transmissão • Grupos expostos ao maior risco • Fatores determinantes • Confirmar diagnóstico • Determinar principais características epidemiológicas
  9. 9. Justificativas • Número de casos excedendo a freqüência habitual • Suspeita de fonte comum de infecção • Evolução da doença mais severa do que habitualmente • Dano à saúde desconhecido
  10. 10. • Recomendação ou aplicação de medidas de bloqueio – vacinação, tratamento, isolamento • Divulgação das informações Boletim epidemiológico
  11. 11. Primeiras Medidas a serem adotadas frente a Investigação • Assistência Médica ao Paciente • Qualidade da Assistência • Proteção Individual • Proteção da População
  12. 12. 1 – Coleta de dados sobre o caso • Identificação do paciente • Anamnese e exame físico • Suspeita diagnóstica • Meio ambiente • Exames laboratoriais
  13. 13. • Fonte de contágio a exemplo de água, alimentos, etc; • Período de incubação do agente; • Modos de transmissão (respiratória, sexual, vetorial, etc.); • Faixa etária, sexo, raça e grupos sociais mais acometidos (Características biológicas e sociais);
  14. 14. • Presença ou não de outros casos na localidade (abrangência da transmissão); • Possibilidade da existência de vetores ligados à transmissão da doença; • Fatores de risco: estação do ano; saneamento; riscos ambientais.
  15. 15. Esta etapa tem como propósito identificar casos adicionais (secundários ou não) ainda não notificados, ou aqueles oligosintomáticos que não buscaram atenção médica e visa: • tratamento adequado dos casos; • determinar a magnitude e extensão do evento; • ampliação do espectro das medidas de controle.
  16. 16. 4 – Processamento e análises parciais dos dados • A consolidação, análise e interpretação dos dados disponíveis devem considerar as características de pessoa, tempo, lugar e os aspectos clínicos e epidemiológicos, para a formulação de hipóteses quanto ao diagnóstico clínico, fonte de transmissão, potenciais riscos ambientais; efetividade das medidas de controle adotadas até aquele momento.
  17. 17. • As Fichas Epidemiológicas de cada caso devem ser analisadas visando definir qual critério (Clínico-epidemiológico-laboratorial; clínico-laboratorial; clínico-epidemiológico) foi ou será empregado para o diagnóstico final, considerando as definições de caso específicas para cada doença.
  18. 18. • Suspeito • Confirmado : - Laboratorial - Clínico - Epidemiológico - Clínico • Descartado
  19. 19. • Causas da ocorrência; • Se medidas de prevenção em curto prazo estão sendo executadas; • Orientações e recomendações a serem instituídas; • Alerta às autoridades saúde dos níveis hierárquicos superiores.
  20. 20. Terminologia • Sazonalidade – aumento “normal” esperado em determinados períodos do ano para algumas doenças.
  21. 21. • 1- Confirmação do Diagnóstico da Doença Etapas 1 e 2 – Investigação de casos (Coleta de dados e Busca de Pistas)
  22. 22. • 2- Confirmação da Existência de Epidemia/Surto Deve haver cautela para que seja descartada uma série de circunstâncias que possam explicar por que o número de casos superou o esperado.
  23. 23. • 2- Confirmação da Existência de Epidemia/Surto - Mudanças na nomenclatura da doença - Aumento da sensibilidade de detecção diagnóstica - Melhoria do Sistema de Notificação - Variação sazonal
  24. 24. • 3- Caracterização da Epidemia - Qual o período de duração da epidemia? - Qual a distribuição geográfica predominante? - Quais os principais grupos etários e sexo mais atingidos? - Que características distinguem os indivíduos afetados da população em geral?
  25. 25. • Se a disseminação se deu por veículo comum, por transmissão pessoa a pessoa ou ambas formas • O provável período de tempo de exposição dos casos às fontes de infecção • Período de incubação • Provável agente causal 4- Formulação de Hipóteses Preliminares
  26. 26. Caracterização da epidemia Hipóteses Identificação das fontes e modos de transmissão Determinação da duração
  27. 27. • 5- Análises Parciais É realizada de acordo com a magnitude e gravidade do evento
  28. 28. • 6- Busca Ativa de Casos • 7- Busca de Dados Adicionais – análise detalhada para confirmação das hipóteses. • 8 – Processamento e Análise Final
  29. 29. • 9- Recomendações de Medidas de Controle Quando se conhece a fonte de um surto/epidemia, as medidas de controle devem ser imediatamente implementadas.
  30. 30. • 10- Relatório Final • 11- Divulgação Assistência médica e aos participantes da investigação clínica e epidemiológica; Representantes das comunidades; Autoridades locais Órgãos responsáveis pela investigação. BOLETINS
  31. 31. Seminário de Gestão Ciclo PDCA Utilizado para monitorar processos P DC A Plan - Planejar Do - Executar Check - Checar Act - Agir, Corrigir

×