SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 93
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
@rildosan | Versão: 9.0 | 2015 | #faneweb
FAN
Formação
Analista de
Negócio 3.0
Fundamentos da Análise
de Negócio
Rildo Santos (@rildosan)
Treinamento | Consultoria | Mentoria
Rildo Santos (@rildosan)
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildosan@rildosan.com
www.etecnologia.com.br
skype: rildo.f.santos
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Mentoria
Nossos Serviços
Treinamento
Consultoria
Desenvolver e
capacitar pessoas
Desenvolver
habilidades
Pessoas
capacitadas
Pessoas
habilitadas
Necessidades e
Expectativas
eTecnologia oferece um conjunto de serviços com objetivo de transformar e gerar valor para as
organizações:
Resultados
e Valores
Ganhos:
Eficiência
e Eficácia
Ganho:
Efetividade
2
Transformação
de resultados
Melhoria de
Desempenho da
Empresa
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Formação de Analista de Negócio 3.0
3
Por quê fazer o curso de Formação de Analista de Negócio 3.0 ?
Em tempos difíceis e de desafios os profissionais devem estar preparados para ser mais
eficientes, eficazes e entregar valor.
Para enfrentar estes cenários somente conhecer tecnologia não é suficiente é preciso
conhecer o negócio, saber identificar necessidades, problemas e oportunidades,
entender as partes interessadas e garantir a entregar valor.
A análise de negócio pode ajudar na superação dos desafios e dificuldades
apresentando práticas e técnicas que facilitam o desenvolvimento de soluções que
habilitam o alcance de metas e objetivos e melhoria de resultados.
Você está preparado para enfrentar os desafios?
Você está pronto para entregar valor ?
Para saber maiores detalhes clique no link: http://www.etecnologia.com.br/fan.html
O curso tem duas partes, a
primeira se concentra em
explanar os fundamentos da
Análise de Negócio e a
segunda foca em
demonstrar como aplicar
práticas e técnicas de
Análise de Negócio para
entregar valor.
Turmas abertas e in-company
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Consultoria e Treinamento
4
eTecnologia é uma empresa especializada em Análise de Negócio, ela é capaz de prover o que existe em
mais avançado em Análise de Negócio:
Implantação de Escritório de Negócio:
É uma área focada 100% do tempo em Governança,
Gestão de Demandas e Análise de Negócio.
Os objetivos principais do escritório é fazer entrega de
valor para sustentação da empresa através da aplicação
de práticas e técnicas de análise de negócio e melhorar
o proveito das oportunidades.
Mentoria para Equipe de Análise de Negócio
Ter uma equipe de Análise de Negócio preparada para
enfrentar desafios e de alto desempenho é vital para
empresa atingir objetivos e metas.
Utilize os serviços de mentoria para preparar, desenvolver e
transformar sua equipe em uma equipe de resultado.
Consultoria
Treinamento (Turmas Abertas e In-company)
Formação Analista de Negócio 3.0
Esta formação apresenta os fundamentos da Análise de
Negócio e demonstra como aplicar práticas de análise de
negócio para entrega de valor para as partes interessadas.
Formação ideal para quem deseja atuar como Analista de
Negócio.
Contato:
Rildo Santos (@ rildosan)
rildo.santos@etecnologia.com.br
treinamento@etecnologia.com.br
www.etecnologia.com.br
www.etecnologia.com.br/an
Curso de Análise de Negócio para Equipe Ágil
Não basta ser ágil para entregar valor a equipe ágil deve
conhecer o negócio.
Este workshop prepara a equipe ágil para falar a linguagem
de negócio e melhorar a entrega de valor para os clientes.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Autor:
Rildo Santos (@rildosan)
rildosan@rildosan.com
rildo.santos@etecnologia.com.br
www.etecnologia.com.br
www.etecnologia.ning.com
www.facebook.com/rildosan
Rildo Santos (@rildosan) é consultor, estrategista, mentor, coach, facilitador, palestrante,
instrutor, escritor e empreendedor.
Atua com Pessoas, Inovação, Planejamento Estratégico, Processos, Gestão, Análise de
Negócio, Liderança, Empreendedorismo, Tecnologia da Informação e Métodos Ágeis.
É Administrador de Empresas, Especialista em Didática do Ensino Superior e Mestrando
em Engenharia da Software pelo Mackenzie.
É certificado ITIL, instrutor Oficial certificados em Cobit e Cobit Game, CSM, CSPO e
instrutor Java.
5
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Compartilhamento de Conhecimento:
Compartilhamento de conhecimento é parte da missão da aTecnologia:
Contribuir para que nossos clientes, profissionais, professores e alunos alcancem melhorias
de desempenho e para que elas sejam duradouras, substanciais e sustentáveis.
Publicamos nossas ideias para ajudar disseminar práticas da gestão, ser fonte de
inspiração e facilitar a tomada de decisão.
* Mais de 1.000.000 de views
6
http://pt.slideshare.net/ridlo/presentations :
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
O programa Menos Papel, Mais Árvores®, é uma ação, com objetivo de
estimular o consumo sustentável de papel dentro das organizações.
Programa: “Menos Papel, Mais Árvores ®”
Qual é o mundo que queremos ?
O primeiro passo para criar um mundo melhor, é saber qual tipo de mundo que queremos
ter e qual tipo que deixaremos de herança para as próximas gerações.
Nossa missão: É buscar pelo equilibro do homem, da tecnologia e do meio ambiente.
Para cumprir esta missão é necessário: mobilizar, conscientizar, comprometer e AGIR.
Quer participar ?
- Reduza o uso de papel (e de madeira) o máximo possível.
- Só imprima se for extremamente necessário.
- Evite comprar produtos com excesso de embalagem.
- Ao imprimir ou escrever, utilize os dois lados do papel.
- Use papel reciclado.
7
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 8
Objetivo do Curso:
Curso de Formação de
Analista de Negócio 3.0
O objetivo deste curso é prover capacitação para os participantes atuarem como Analista de
Negócio, demonstrar práticas, técnicas e ferramentas que são necessárias para fazer a Análise de
Negócio.
Durante o curso será apresentado o Guia BABok® 3.0 (Corpo de Conhecimento de Análise de
Negócio), que é considerado como guia de referência de Análise de Negócio. Será mostrado as
áreas de conhecimentos, técnicas, tarefas e competências fundamentais do Analista de Negócio.
Também será exibido uma visão prática e realista de Análise de Negócio nas organizações que vai
além do Guia BABok 3.0
Será demonstrado através de Estudo de Caso como aplicar as técnicas de análise de negócio para
desenvolvimento de soluções que permitem as organizações atingirem suas metas e objetivos.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 9
Introdução a Análise de Negócio:
A cada dia as organizações se tornam mais complexas, por conta de novas exigências dos
clientes, por conta de consolidação, aquisição, fusão, da necessidade de reduzir custos,
da competição global ou pela implementação de novas leis e regulamentações.
Saber somente tecnologia já não é o suficiente, é preciso conhecer o negócio, entender
suas reais necessidades, oportunidades, problemas, requisitos e partes interessadas.
Você conhece o negócio ?
Está preparado para entregar soluções que agregam valor ?
Neste curso apresentaremos como Analista de Negócio pode utilizar as técnicas e
práticas de Análise de Negócio, para desenvolver soluções que ajudam a organização
atingir suas metas e objetivos. No primeiro módulo será explanado os fundamentos da
Análise de Negócio, no segundo será apresentado e discutido a Visão de Negócio
que é necessária para fazer a entrega de valor.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Conteúdo
10
21
Fundamentos da
Análise de Negócio
Visão de Negócio
Dividimos o conteúdo em três partes:
- Primeira: Apresenta os Fundamentos da Análise de Negócio
- Segunda: Explana e discute a Visão de Negócio que o Analista de deve ter.
- Terceira: Demonstra como aplicar as práticas e técnicas de Análise de Negócio
3
Práticas de Análise
de Negócio
Fundamentos
Ferramentas
Técnicas
Estudos de
Casos e
Exemplos
Conhecimento
Análise
Comunicação
e Interação
Ícones utilizados neste Guia e seus significados:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 11
Conteúdo:
- Papel do Analista de Negócios nas empresas
- Perfil do Analista de Negócio
- O Guia BABok® 3.0
- Definição de Análise de Negócio
- Quem é o Analista de Negócio
- Áreas de Conhecimento
- Técnicas de Análise de Negócio
- Requisitos
- Partes Interessadas
- Ciclo de Requisitos e Design
- Perspectivas
- Competências do Analista de Negócio
No final deste módulo, você deve:
- Entender porque as empresas precisam de um profissional focado na solução de problemas
- Conhecer o Guia BABok 3.0
- Saber quais são as áreas de conhecimento e técnicas de análise de negócio
- Quais são as competências do Analista de Negócio
- Saber como Analista de Negócio pode contribuir para geração de valor
1º.
Módulo
Fundamentos da Análise de Negócio:
Analista de Negócio 3.0
Formação
1
Fundamentos da
Análise de Negócio
Fundamentos
Conhecimento
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 12
Parte 1
Como o Analista de Negócio pode atuar nas organizações
Papel do
Analista de
Negócios nas
Organizações
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 13
Integração das Áreas de Negócio
Na maioria das empresas podemos encontrar áreas de negócio trabalhando isoladas, como se fossem
empresas independentes, isto é conhecido como silos empresariais.
Estes silos provocam entropia[1] (medida da variação ou desordem em um sistema),cada área de
negócio defende seus interesses, definindo seus próprios objetivos e prioridades.
Geralmente silos empresariais e disputas internas de poder provocam destruição de valor.
Em algumas empresas existem um “verdadeiro cabo de guerra” entre as áreas de negócio e área de
tecnologia da informação para demonstrar quem manda e quem obedece...
Qual profissional trabalha para integrar e criar sinergia entre as áreas?
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
Tecnologia da InformaçãoÁreas de Negócio
[1] (Física) medida atrelada à quantidade de energia interna não-utilizável ou perdida dadas as transformações ocorridas no sistema no que
concerne à viabilidade de produzir trabalho. A parcela da energia interna de um sistema não disponível para produzir trabalho é dada pelo produto
da entropia pela temperatura absoluta do sistema (pelo produto T.S).
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 14
Gerenciamento das “Demandas de Negócio”
Como melhorar a capacidade para atender as demandas de negócio?
Quem é responsável por equilibrar as DEMANDAS de
Negócio e a CAPACIDADE de entrega das áreas ?
Como reduzir o “gap”
da capacidade da TI ?
Backlog
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 15
Gerenciamento do Ciclo de Vida dos Requisitos
Segundo Peter Drucker:
"60% dos problemas das
empresas resultam de
falhas na comunicação“
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
Problemas com entendimento dos requisitos, estão ligados na maioria
das vezes com uma comunicação “precária” e falha.
A comunicação é essencial para entrega de valor.
Não importa quão bem uma solução seja feita, se ela não atender as
necessidades de negócio dificilmente ela gerará valor.
- Quem trabalhar para melhorar eficiência da comunicação?
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 16
Demonstrando ROI (Retorno sobre Investimentos)
A maioria da organizações têm diversos projetos no seu portfólio, mas, dificilmente elas conseguem dizer
com precisão quais projetos são viáveis e quais vão gerar valor agregado “real” para o negócio.
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
Quem é responsável por fazer as análises de viabilidade dos projetos?
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Representando os Clientes
17
Todas as organizações tem clientes, eles podem ser internos ou
externos.
Os clientes geram demandas de negócio, tais como:
- Um novo sistema
- Uma nova funcionalidade em um sistema que já existe
- Mudanças, devido a uma nova regulamentação
- Solicitação de correções de defeitos e falhas que surgem nos sistemas.
Um representante do cliente, é aquele profissional que vai “brigar”
internamente para que a demanda do cliente seja entregue na data
combinada, com custo certo e com a qualidade esperada.
Não estamos falando do Gerente de Projeto, profissional que é
responsável pela execução do projeto.
Estamos falando do profissional que está próximo e escuta o
cliente. É aquele que conhece o negócio do cliente, sabe das
necessidades, dos problemas e das oportunidades.
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
- Quem representa o cliente ?
- Quem é a voz do cliente ?
- Quem é responsável por gerar valor agregado ao cliente ?
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Desenvolvendo Solução de Negócio (Business Development Solutions - BDS)
18
Para ser competitiva e fugir dos “commodities” as empresas tem que buscar novas soluções de negócio
que atraia novos e retenha clientes, mas que tenham uma boa rentabilidade.
Para desenvolver boas soluções de negócio o Analista de Negócio deve primeiro conhecer bem o negócio
da empresa e utilizar a práticas de Análise de Negócio como a principal ferramenta para gerar resultado,
gerar valor.
- Entender o negócio principal da organização
- Conhecer as partes interessadas (internas e externas)
- Saber quem são os clientes (conhecer as necessidades, preocupações e expectativas)
- Trabalhar com orientação a resultados
- Trabalhar em equipe e de forma colaborativa
- Utilizar boas práticas e técnicas de Análise de Negócio
Quem é responsável pelo desenvolvimento de novas soluções de negócio?
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
O Analista de Negócio é um profissional que tem Conhecimento do Negócio e
Competências suficientes para entrega valor e ajudar o negócio atingir metas e objetos.
Integração – Facilitando a integração entre as áreas de negócio e TI. Promover a sinergia
entre as áreas de negócio e TI
Comunicação - Aprimorando a comunicação entre as áreas de negócio e TI:
- Ajudando as partes interessadas a externar suas reais necessidades
Demanda – Melhorando a capacidade de TI de atender as demandas de negócio no prazo certo (requerido
pelo negócio), custo certo e com qualidade esperada.
Clientes – Ser voz do cliente, ser o representante do cliente. É dar foco nas demandas do cliente, é
agregar valor ao cliente.
Projetos – Fazendo Análise de Viabilidade para saber quais projetos TI agregam valor ao negócio.
Solução de Negócio - Desenvolvendo solução de negócio para vantagem competitiva e valor para o
negócio.
BABok®, Um Guia
de Referência
19
Analista de Negócio
Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Qual é o perfil e área de atuação do Analista de Negócio ?
Parte 2
20
Perfil do Analista de Negócio
Função Papel
Negócio TI
TipoAtuação
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
- Analista de Negócio de Tecnologia da Informação trabalha
no contexto da TI, ele atua com as demandas de TI, projetos de
TI, é um facilitador do relacionamento entre TI e negócio e etc,
21
Perfis do Analista de Negócio
Segundo Howard Podeswa (autor do livro UML for IT Business Analyst) existem dois perfis de Analista
de Negócio:
Existem dois tipos de perfis de Analista de Negócio:
- Analista de Negócio que trabalha no contexto de negócio.
Ele trabalha com as demandas de negócio e está envolvido
com projetos de melhoria de processos, redução de custos,
conformidade, mitigação de risco, novos produtos e etc
Exemplo de Analisa de Negócio para atuar no negócio:
A posição de analista de negócios tem como principal
responsabilidade a prospecção e análise de empresas de
alto potencial de crescimento, impacto social e alinhadas
com o perfil de investimento da Empresa.
Exemplo de Analisa de Negócio para atuar no negócio:
Ser o representante da área de negócio dentro de TI para
garantir que todas as necessidades do cliente sejam
atendidas. Assegurar comunicação entre sistemas e negócio
par que o cliente tenha toda a informação necessária dos
seus respectivos projetos.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
TI
Solução:
- TI
22
Perfil e Atuação do Analista de Negócio
Função
Trabalha 100% do
tempo com Análise de
Negócio e afins
Papel
Trabalha de forma pontual ou
parcial com Análise
de Negócio e afins
Negócio
Soluções:
- TI
- Processos
- Pessoas
- Organização
PerfilAtuação
O Perfil do Analista de Negócio: Cargo ou Papel
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
O Perfil do Analista de Negócio: Cargo ou Papel
23
Cargo Papel
Profissional que atua 100% do tempo com
Análise de Negócio.
Análise de Negócio
Profissional que atua em parte do tempo ou de forma
pontual, geralmente em projetos ou em demandas
que exigem práticas de Análise de Negócio.
São Donos do Produto (PO), Scrum
Masters, Desenvolvedores, Gerentes de
Produto, Analistas de Sistemas, Analistas de
Requisitos, Analistas de Testes, Arquitetos
de Software e etc que eventualmente
desempenham o papel de Analista de
Negócio.
Eles podem atuar em uma área em especifico,
como vendas, ou em toda a organização.
Algumas empresas ainda não sabem como incluir o Analista de Negócio dentro da empresas.
Existem dois caminhos para fazer a inclusão ou adoção do Analista de Negócio:
- O primeiro caminho: É contratar ou promover uma pessoa para ocupar cargo de Analista de Negócio, o
cargo deve ser registrado, pois existe CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) para o Analista de
Negócio.
- Segunda caminho: A empresa pode optar por adotar o papel de Analista de Negócio, neste caso
qualquer profissional com conhecimento em Análise de Negócio e competências necessárias poderá
desempenhar o papel.
Não existem o melhor caminho ou caminho certo, cada empresa tem que avaliar sua necessidade e
tomar a decisão.
Muitas empresas começam com o papel de Analista de Negócio e ao longo do tempo e com a maturidade
e experiência acabam adotando o cargo de Analista de Negócio.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 24
Parte 3
Visão Geral do Guia BABOK 3.0
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 25
Esta parte apresenta um resumo do Guia BABOK versão 3. Como já escrevemos e aqui reforçamos, “O BABOK
é a melhor referência de boas práticas de Análise de Negócio, é uma ferramenta fundamental para o Analista de
Negócio.” Conhecer o conteúdo do Guia é essencial para desenvolvimento do trabalho de análise de negócio.
Neste parte é apresentado uma visão geral do guia, contendo definição de análise de negócio e de analista de
negócio, áreas de conhecimento; técnicas de análise de negócio; competências fundamentais e etc.
Ainda é mostrado as novidades da versão 3, como framework BACCM (Business Analysis Core Concept Model),
Requisitos & Design e Perspectivas (Ágil, Gestão de Processo de Negócio, Inteligência de Negócio e
Arquitetura de Negócio) .
Guia BABOK v3:
Advertência:
O Guia BABok® não deve ser interpretado como uma imposição de que todas as práticas descritas na
publicação devam ser seguidas em todas as circunstancias. Ele não deve ser seguido no estilo “by the book”.
Qualquer conjunto de práticas pode ser adaptado para condições especificas para melhor atender as
necessidades de negócio de uma organização.
O que é Guia BABOK® 3 ?
Guia BABOK® 3 é Corpo de Conhecimento de Análise de Negócio, ele é
mantido IIBA (Instituto Internacional de Análise) é considerado um padrão
internacional reconhecido de prática para análise de negócios. Ele incorpora a
conhecimento coletivo e a experiência de especialistas na área de todo o
mundo.
O objetivo principal do Guia BABOK® é definir a profissão de Analista de
Negócio e fornecer um conjunto de práticas comumente aceitas. Ele ajuda os
profissionais a definir as competências necessárias para desempenhar com
efetividade o trabalho de análise de negócio.
Guia BABOK® 3
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Definição de Análise de Negócio segundo o Guia BABOK 3.0:
"A prática de viabilizar mudanças em organizações através da definição de necessidades e
recomendação de soluções que entregam valor para às partes interessadas.“
Análise de Negócio permite que uma empresa possa articular as necessidades e as razões para a mudança, e
para “projetar” e descrever as soluções que podem entregar valor.
Análise de negócios é realizado em uma variedade de iniciativas dentro de uma empresa. As iniciativas podem
ser estratégicas, táticas ou operacionais. Análise pode ser realizada em um projeto ou ao longo da evolução da
empresa em ciclo de melhoria contínua.
Ela pode ser utilizada para compreender o cenário atual, a definir o cenário futuro, e para determinar as
atividades necessárias para alcançar o cenário futuro.
Análise de Negócio pode ser realizada a partir de um diversificado leque de perspectivas. O Guia BABOK®
descreve várias dessas perspectivas: Ágil, Inteligência Negócio (BI), Tecnologia da Informação, Arquitetura de
Negócios, e de Gestão de Processos de Negócios.
Uma perspectiva pode ser pensado como uma lente, através do qual o praticante de análise de negócios vê
suas atividades de trabalho com base no contexto corrente. Uma ou muitas perspectivas podem ser aplicados a
uma iniciativa, e as perspectivas delineado no guia não representam todos os contextos de análise negócio ou o
conjunto completo de disciplinas de análise de negócios.
Definição de Análise de Negócio
26
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Definição de Analista de Negócio segundo BABOK 3:
“Um analista de negócios é qualquer pessoa que executa as tarefas de análise de negócios descrita no Guia
BABOK®, não importa o seu cargo ou função organizacional. “
Veja a lista de alguns cargos, que geralmente fazem análise de negócio:
• Arquiteto de Negócios,
• Arquiteto de Soluções,
• Consultor de Gestão,
• Analista de Processos,
• Gerente de Produto,
• Gerente de Projetos,
• Dono do Produto (PO),
• Analista de Requisitos e
• Analista de Sistemas.
Definição de Analista de Negócio
Analista de Negócio
Analista de Sistemas
Analista / Engenheiro
de Requistos
Arquiteto
de Soluções
Dono do
Produto
Gerente de
Produto
Analista de
Processo
Consultor de Gestão
27
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Os analistas são responsáveis pela descoberta, síntese e análise de informações a partir de uma variedade de
fontes dentro de uma empresa, incluindo ferramentas, processos, documentação e partes interessadas.
Os Analistas de Negócio são ainda responsáveis por elicitar (identificar) as necessidades reais das partes
interessadas que frequentemente envolve a investigar e esclarecer os seus expectativas, preocupações e
desejos expressados, a fim de determinar as causas para desenvolver soluções que entregam valor para as
partes interessadas.
Analista de Negócio é responsável por fazer o alinhamento entre design das soluções as necessidades das
partes interessadas.
As atividades que analistas de negócios executam incluem:
• Compreender problemas da empresa e metas,
• Analisar necessidades e soluções,
• Elaborar de estratégias,
• Desenvolver soluções,
• Impulsionar a mudança e
• Facilitar a colaboração das partes interessadas.
Responsabilidades do Analista de Negócio
Analista de Negócio
28
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 29
Áreas de Conhecimento
Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio Análise de Requisitos e Definição de Design
Elicitação e Colaboração Avaliação da Solução
Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos Competências Fundamentais
Análise da Estratégia
Áreas representam conhecimento que a análise do negócio necessita para entregar valor as partes
interessadas. Na versão atual do guia, existem seis áreas de conhecimento, conforme o quadro abaixo:
Áreas de Conhecimento
Figura abaixo demonstra as áreas de conhecimento e seus relacionamentos:
Planejamento e Monitoramento
da Análise de Negócio
Gerenciamento
do Ciclo de Vida
de Requisitos
Análise da
Estratégia
Análise de
Requisitos e
Definição de
Design
Avaliação da Solução
Elicitação e
Colaboração
Competências Fundamentais
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 30
A área Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio organiza tarefa e coordena esforços do
Analista de Negócio e das partes interessadas. Essas tarefas produzem saídas que são usadas como um guia
para outras tarefas.
A área de conhecimento Elicitação e Colaboração descrevem as tarefas que Analista de Negócio faz para
obter informações das partes interessadas e confirmar resultados. Ela também descreve a comunicação com
as partes interessadas e com análise de negócio é montada.
A área Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos descrevem as tarefas que Analista de Negócio
executa para gerenciar, manter os requisitos e informações do inicio ao fim do projeto (solução). Estas tarefas
descrevem o estabelecimento de relacionamentos entre requisitos e design, avaliação das alterações dos
requisitos e designs, quando as mudanças são propostas, análise e busca por um entendimento comum sobre
as mudanças.
A área de conhecimento Análise da Estratégia descreve como deve trabalhar o análise de negócio, o que
deve ser feito para colaborar com partes interessadas para identificar a necessidade e sua importância
estratégia ou tática (necessidade de negócio), habilita a organização para dar resolução a essa necessidade, e
alinha resultando da mudança nos níveis superiores e inferiores das estratégias.
A área de Análise de Requisitos e Definição de Design descreve quais tarefas que Analista de Negócio faz
para estruturar e organizar os requisitos que formam descobertos durante as atividades de elicitação,
especifica e modelo de requisitos e design, faz validação e verificação da informação, identifica alternativa de
soluções para responder as necessidades de negócio e estima o valor que será entregue por cada solução.
Esta área de conhecimento abrange as atividades interativas e incrementais que vão desde o conceito inicial
até a exploração da necessidade através da transformação dessas necessidades em uma solução
recomendada.
A área de conhecimento Avaliação da Solução descrevem as tarefas que Analista de Negócio faz para avaliar
o valor entregue por uma solução em uso pela organização, e para recomendar a remoção de barreiras ou
restrições que impede a entrega integral de valor.
Descrição das Áreas de Conhecimento
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 31
Termos Chaves
Informação de Análise de Negócio:
Informações de análise de negócios refere-se aos conjuntos amplo e diversificado de
informações que os analistas de negócios precisam para analisar, transformar e gerar
relatórios. É informação de qualquer tipo em qualquer nível de pormenor em que é usado
como uma entrada ou saída do trabalho de análise de negócios. Exemplos de informações
de análise de negócios incluem resultados de elicitação, requisitos, projetos, opções de
solução, escopo da solução, e estratégia de mudança recursos necessários e as partes
interessadas envolvidas.
Design:
Um projeto é uma representação útil de uma solução. Desenho foca em compreender como
valor pode ser realizada por uma solução se for construído. A natureza da representação
pode ser um documento (ou conjunto de documentos) e pode variar amplamente,
dependendo das circunstâncias.
Risco:
O risco é o efeito da incerteza sobre o valor de uma mudança, uma solução, ou a empresa.
Os analistas de negócios colaboraram com outras partes interessadas para identificar, avaliar
e priorizar os riscos, e para lidar com esses riscos, alterando a probabilidade e as condições
ou eventos que levam à incerteza: mitigar as consequências, a remoção da fonte do risco,
evitando o risco por completo não tomar a decisão de iniciar ou continuar com uma atividade
que leva ao risco, compartilhando o risco com outros partes, ou aceitar ou até mesmo
aumentando o risco de lidar com um oportunidade.
Organização:
Um grupo autônomo de pessoas sob a gestão de um único indivíduo ou comitê (ou diretoria),
que trabalha com metas e objetivos comuns. As organizações geralmente tem um limite bem
definido e opera em uma base contínua, oposto a equipe de projeto, o que pode ser
dissolvida uma vez que seus objetivos são alçados.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 32
Termos Chaves
Empresa:
Uma empresa é um sistema de uma ou mais organizações e as soluções que eles usam para
perseguir um conjunto compartilhado de objetivos comuns. Estas soluções (também referido
como capacidades organizacionais) podem ser processos, ferramentas ou informações. Para
o efeitos de análise de negócios, dos limites da empresa pode ser definido em relação ao
mudar e não precisa ser constrangido pelos limites de uma entidade legal, organização ou
unidade organizacional. Uma empresa pode incluir qualquer número de negócio, o governo,
ou qualquer outro tipo de organização.
Plano:
Um plano é uma proposta para fazer ou alcançar alguma coisa. Planos descrevem um
conjunto de eventos, as dependências entre os eventos, a sequência esperada, o
programação, os resultados ou desfechos, os materiais e recursos necessários e as partes
interessadas envolvidas.
Requisito:
Um requisito é uma representação útil de uma necessidade. Requisitos focam em
compreender que tipo de valor pode ser entregue se um requisito é cumprido. A natureza da
representação pode ser um documento (ou conjunto de documentos), mas pode variar
amplamente, dependendo das circunstâncias.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 33
Técnicas de Análise de Negócio
Técnicas facilitam a execução das tarefas de análise de negócio. São 50 técnicas, veja a lista abaixo:
Critério de Aceite e Avaliação
Gerenciamento de Backlog
Balanced Scorecard (BSC)
Benchmarking e Análise de Mercado
Brainstorming
Análise de Capacidade de Negócio
Caso de Negócio (Business Cases)
Business Model Canvas (BMC)
Análise de Regras de Negócio
Jogos Colaborativos
Modelagem Conceitual
Dicionários de Dados
Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)
Mineração de Dados (Data Mining)
Modelagem de Dados
Análise de Decisão
Modelagem de Decisão (Decision Modelling)
Análise de Documentos
Estimativa
Análise Financeira
Grupos de Focais
Decomposição Funcional
Glossário
Análise de Interface
Entrevistas
Item Tracking (Controle de Item)
Lições Aprendidas
Métricas e Indicadores de Desempenho (KPIs)
Mapa Mental
Análise de Requisitos não funcionais
Observação
Modelagem Organizacional
Priorização
Análise de Processos
Modelagem de Processos
Prototipagem
Revisão
Gerenciamento e Análise de Risco
Matriz de Papéis e Responsabilidade (RACI)
Análise de Causa Raiz
Modelagem de Escopo
Diagrama de Sequência
Lista de Parte Interessadas , Mapa ou Personas
Modelagem de estado
Questionário ou Pesquisa (survey)
Análise SWOT
Caso de Uso e Cenários
Histórias do Usuário (User Stories)
Avaliação de Fornecedores
Workshops
* Em negritos são as novas técnicas que foram adicionadas.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Requisitos das Partes Interessadas
34
Requisitos
Definição de requisitos:
"Um requisito é uma representação útil de uma necessidade. Requisitos focam em compreender que tipo de
valor pôde ser entregue se um requisito é satisfeito. A natureza da representação pode ser um documento (ou
conjunto de documentos), mas pode variar muito, dependendo das circunstâncias".
Esquema de classificação de requisitos:
- Requisitos de Negócio
- Requisitos das Partes Interessadas
- Requisitos da Solução:
- Requisitos Funcionais e Requisitos Não Funcionais ou Requisitos de Qualidade de Serviço
- Requisitos de Transição
Requisitos de Negócio
Requisitos da Solução
Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais
Requisitos de Transição
Objetivo e/ou meta
de negócio
Necessidades,
Expectativas,
Preocupações e
Desejos
Ações para
operacionalizar
a solução
Funcionalidades,
qualidades e
restrições...
Analista deve
conhecer e entender
o negócio
Analista deve
entender e atender
as pessoas
Analista deve
conhecer e entender
a operação
Analista deve
saber como construir
soluções de negócio
Requisitos O quê?Conhecimento
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 35
Requisitos
Descrição dos requisitos:
- Requisitos de Negócio: Declarações de metas, objetivos e resultados que descreve por que uma mudança
foi iniciada. Eles podem ser aplicados a toda a empresa, uma área de negócios ou uma iniciativa específica.
- Requisitos das Partes Interessadas: Descreve as necessidades das partes interessadas que devem ser
cumpridas a fim de alcançar os requisitos de negócio. Eles podem servir como uma ponte entre requisitos de
negócios e requisitos da solução.
- Requisitos da Solução: Descreve as capacidades e qualidades de uma solução que atende aos requisitos
das partes interessados. Eles fornecem o nível adequado de detalhe para permitir o desenvolvimento e
implementação a solução. Requisitos de solução podem ser divididos em duas subcategorias:
- Requisitos Funcionais: Descreve as capacidades que uma solução deve ter, em termos de
comportamento e a informação de que a solução de irá gerenciar e
- Requisitos Não Funcionais ou Requisitos de Qualidade de Serviço:
Diretamente não se relacionam com o comportamento da funcionalidade da solução, mas sim descreve as
condições em que uma solução deve ter para permanecer eficaz ou com qualidades que uma solução deve
ter.
- Requisitos da Transição: Descreve as capacidades que uma solução deve ter e as condições para facilitar a
transição do estado atual para o estado futuro, mas que não são necessárias para uma mudança é completa.
Eles são diferenciados dos outros tipos de requisitos porque eles são de natureza temporária. Requisitos de
Transição endereçam tópicos como conversão de dados, treinamento ,continuidade de negócio e etc.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Segundo guia BABOK: “Partes interessadas é um grupo ou indivíduo com uma relação com a
mudança, a necessidade, ou a solução.”
Cada tarefa inclui uma lista de interessados ​​que são susceptíveis de participar na execução dessa tarefa
ou que serão afetados por ela. Uma parte interessada é um indivíduo ou grupo que um analista de
negócios é susceptível de interagir de forma direta ou indiretamente.
Guia BABOK® não define que esses papéis sejam preenchidos por qualquer iniciativa. Qualquer das
partes interessadas pode ser uma fonte de requisitos, pressupostos ou restrições.
Esta lista não pretende ser uma lista exaustiva de todas as partes interessadas possíveis classificações.
Alguns exemplos de pessoas que se encaixam em cada uma delas papéis genéricos estão listados
abaixo. Na maior parte dos casos, haverá múltiplos papéis das partes interessadas encontrado dentro de
cada categoria. Da mesma forma, um única indivíduo pode representar mais que papel.
Para efeitos do Guia BABOK®, a lista genérica de interessados ​​inclui as seguintes funções:
• Analista de Negócios,
• Cliente,
• Especialista em Negócio (ou Especialista em Domínio de
Negócio)
• Usuário final,
• Implementadores,
• Suporte Operacional,
• Gerente de Projeto,
• Regulador,
• Patrocinador,
• Fornecedor, e
• Testador.
36
Partes Interessadas
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 37
Requisitos e Design
Requisitos
de Negócio
Requisitos
das Partes
Interessadas
Requisitos
da Solução
Requisitos
da Transição
Quais são
as condições
para colocar
a solução em
operação?
Quais são as
expectativas,
necessidades,
preocupações e
desejos?
Quais são as funcionalidades?
Quais são critérios de qualidade?
Quais são as metas
e objetivos de negócio ?
Ciclo contínuo
enquanto houver
requisitos
Ciclo de Requisitos e Design:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 38
Requisitos e Design
Elicitando, analisando, validando e gerenciando requisitos são reconhecidas como principais atividades de
Análise de Negócios. No entanto, é importante reconhecer que o Analistas Negócio também são responsáveis
pela definição de design, em algum nível, numa iniciativa.
O nível de responsabilidade para o projeto varia de acordo com a perspectiva dentro da qual um analista de
negócios está trabalhando.
Requisitos estão focados na necessidade; modelos estão focados na solução. O distinção entre requisitos e
design nem sempre é clara. As mesmas técnicas são utilizadas para eliciar, modelar, e analisar ambos. Um
requisito conduz a uma design que por sua vez pode conduzir a descoberta e análise de mais requisitos. A
mudança de foco é muitas vezes sutil.
A classificação como um requisito ou um design pode se tornar menos significativo como o analista de negócios
trabalha para progredir para uma maior compreensão e eventual cumprimento da necessidade. As tarefas no
guia como acompanhamento de requisitos (Trace Requirements) ou Especificar e Modelo de
Requisitos pode referir-se requisitos, mas a intenção é incluir design também.
Ciclo de
Requisitos e
Design
“Design
somente
acaba
quando todos
os requisitos
foram
trabalhados”
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 39
BACCM (Business Analysis Core Concept Model)
O BACCM (Business Analysis Core Concept Model) é um framework conceitual para o analista de negócio aplicar
as práticas de análise de negócio. O BACCM facilita a aplicação das práticas de análise de negócio.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
- Mudanças (Changes) : Ação de transformar em resposta uma
necessidade.
- Necessidades (Needs): Um problema ou uma oportunidade.
- Soluções (Solutions): Produto ou Serviço que satisfaz as necessidades
das partes interessadas em um contexto.
- Partes interessadas (Stakeholders): Um grupo ou indivíduo que estão
envolvidos diretamente ou indiretamente com a necessidade, mudança
ou solução.
- Valor (Value): Valor percebido, representa aquilo que a solução deverá
entregar para as partes interessadas dentro de um contexto.
- Contextos (Contexts): Ambiente onde acontece a mudança.
40
BACCM (Business Analysis Core Concept Model)
O BACCM (Business Analysis Core Concept Model) continuação:
O BACCM engloba o que é e análise de negócio, o que significa para aqueles que executam tarefas de análise de
negócios, independentemente da perspectiva, segmento de mercado, metodologia ou nível na organização.
Os seis principais conceitos no BACCM são: Mudança, Necessidade, Solução, Partes Interessadas, Valor e
Contexto.
Cada conceito é uma ideia fundamental para a prática da análise de negócios, e todos os conceitos são iguais e
necessários. Cada conceito é definido por outros cinco conceitos .
Os conceitos tem os mesmo níveis de importância e significado. Estes conceitos são fundamentais para
compreender o tipo de informações solicitadas, analisadas ou geridas das tarefas de análise de negócio.
O BACCM pode ser usado para:
• Descrever a profissão e domínio de análise de negócios,
• Comunicar sobre análise de negócio com uma terminologia comum,
• Avaliar as relações de conceitos-chaves em análise de negócio,
• Realizar uma melhor análise do negócio de forma holística por avaliar as relações entre os seis conceitos e
• Avaliar o impacto desses conceitos e relações em qualquer ponto durante um esforço de trabalho, a fim de
estabelecer tanto uma fundação e um caminho para a frente.
Principais conceitos do BACCM:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 41
Perspectivas
Perspectivas descrevem disciplinas especializadas dentro da prática de análise de negócio. Uma perspectiva é
conjunto de comportamentos, terminologia e atitudes. Elas são usadas pelo Analista de Negócio dentro suas
atividades de análise de negócio.
Perspectivas*
Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP)
Inteligência de Negócio (BI)
Tecnologia da Informação (TI)
Arquitetura de Negócio
Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM)
*Lista não exaustiva.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 42
Perspectivas
Perspectivas descrevem disciplinas especializadas dentro da prática de análise de negócio. Uma perspectiva é
conjunto de comportamentos, terminologia e atitudes. Elas são usadas pelo Analista de Negócio dentro suas
atividades de análise de negócio.
Perspectivas ainda descrevem várias visões de análise de negócio, elas ajudam o Analista de Negócio a
trabalhar com vários pontos de vistas para melhor fazer as tarefas de análise de negócio. O guia têm cinco
perspectivas:
- Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP)
- Inteligência de Negócio (BI)
- Tecnologia da Informação (TI)
- Arquitetura de Negócio
- Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM)
Estas perspectivas não tem intenção de representar todas as perspectivas possíveis de que análise de
negócios é praticada.
As perspectivas discutidas no BABOK representam algumas das visões mais comuns de análise de negócios.
As perspectivas não são mutuamente exclusivas, na medida em que pode empregar mais de uma perspectiva.
Qualquer iniciativa inclui um, vários ou todos esses pontos de vista. Por exemplo, uma iniciativa pode ter um
componente de tecnologia (Perspectiva de Tecnologia da Informação), o componente de tecnologia pode
significar mudanças de processos de negócio (Perspectiva de Gerenciamento de Processos de Negócio), a
iniciativa pode decidir fazer parte, ou todo o trabalho com uma abordagem ágil (Perspectiva de Ágil).
Outra iniciativa pode mesclar duas organizações e precisa de olhar para as capacidades de negócio e como os
impactos de transformação desses recursos (Perspectiva de Arquitetura de Negócios), e os gestores de
negócio necessitam de informações atualizadas para análise e tomada de decisão (Perspectiva de Inteligência
de Negócio). Iniciativa que tratam de problemas complexos ou grande pode empregar todas as perspectivas.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 43
Competências do Analista de Negócio:
Quais são as competências de um Analista
de Negócio ?
Conhecimento
Habilidades
Atitudes
Competências
do Analista de Negócio
Parte 4
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 44
Competências Fundamentais do Analista de Negócio: Fornece uma descrição
das características, habilidades, comportamentos, conhecimentos e
qualidades pessoais para dar suporte as práticas de análise de negócio.
No BABOK 3 as competências do Analista de Negócio é uma Área de
Conhecimento chamada: “Competências Fundamentais”.
Lista de Competências Fundamentais do Analista de Negócio:
Capacidade
Analítica e
Solução de
Problemas
Pensamento
Criativo
Tomada de
Decisão
Aprendizado
Pensamento
Analítico
(solução de
Problema)
Pensamento
Sistêmico
Características
Comportamentais
Ética
Organização e
Gerenciamento
do Tempo
Confiabilidade
Conhecimento
do Negócio
Visão de
Negócio
Conhecimento
(do Segmento)
de Mercado
Conhecimento
da
Organização
Conhecimento
da Solução
Habilidades de
Comunicação
Comunicação
Verbal
Saber escutar
Habilidades de
Interação
Facilitação
Liderança e
Influência
Trabalhar em
Equipe
Ferramentas e
Tecnologia
Ferramenta de
Produtividade
de
Escritório
Ferramenta de
Análise de
Negócio e
Tecnologia
Ferramenta de
Comunicação
e Tecnologia
Negociação
e Resolução
de Conflitos
Saber Ensinar
Comunicação
Não Verbal
Conhecimento
de
Metodologia
Responsabilidade
pessoal
(Personal
Accountability)
Adaptabilidade
Pensamento
Visual
Pensamento
Conceitual
Comunicação
Escrita
Áreas de Conhecimento: Competências do Analista de Negócio
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 45
Saber se comunicar com facilidade
Habilidade de
Interação Humana
Saber solucionar problemas
Conhecer o negócio
Comunicação
Pensamento analítico e Capacidade para
resolver problemas
Negócio
As 4 Principais Competências do Analista de Negócio:
Liderança
Empatia
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Ganhos da Análise de Negócio:
46
Melhoria do entendimento do negócio
Conhecimento das necessidades, problemas e oportunidades de negócio
Priorização das demandas de negócio
Conhecimento e definição de requisitos de negócio
Demonstração da viabilidade financeira das soluções
Aumento do nível de satisfação dos clientes
Entregar valor para o negócio
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 47
Conteúdo:
- Visões de negócio
- Visão da Estratégia
- Visão Holística
- Planejamento Estratégico
- Posicionamento de mercado
- Cadeia de Valor
- Arquitetura Corporativa
- BPM (Gestão de Processos de Negócio)
- Visão de Tecnologia
No final deste módulo, você deve:
- Saber como identificar a visão de negócio
- Ter uma visão geral do planejamento estratégico
- Saber o que é a Cadeia de Valor
- Conhecer a Arquitetura Corporativa
- Entender visão de tecnologia da informação
2º.
Módulo
Visões de Negócio
Analista de Negócio 3.0
Formação
2
Visão de Negócio
Fundamentos
Conhecimento
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Visão de Negócio
Parte 1
48
Para entregar valor o Analista deve
conhecer o negócio da organização
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Quais são Visões de Negócio ?
Para entregar valor o Analista deve
conhecer:
- Visão da Estratégia
- Visão da Operação
- Visão da Tecnologia (Valor da tecnologia)
49
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Organização
Social
Governo
Força de
trabalho
Fornecedores
Clientes
Concorrência
Visão Interna
Visão Externa
Visão Holística
Econômico
Visão do Analista
de Negócio
Para conhecer o negócio, é preciso ter uma Visão Holística da Organização
Visão interna
Visão externa
Ambiente Geral
Ambiente Operacional
Oportunidades
e ameaças
Pontos fortes e
Pontos fracos
50
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Visão da Estratégia:
Rod Map para implementação do Planejamento Estratégico:
Balanced Scorecard (BSC) é uma ferramenta de planejamento estratégico, que
ajuda definir a visão, missão, valores, objetivos e metas de uma organização.
Análise do
ambiente
competitivo
Análise dos
pontos fortes
Análise da
Concorrência
Análise das
oportunidades
Análise das
ameaças
Definição da
Estratégia
Visão
Valores
Missão
Posicionamento
da empresa
Planos
Táticos
Planos
Operacionais
Projetos
Estratégicos
Processos
de Negócio
Estratégia da
empresa
Execução da
Estratégia
Análise dos
pontos fracos
Ambiente
externo
51
Ambiente
interno
1
2
3 4
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 52
A Análise SWOT é uma ferramenta analítica (ou técnica) utilizada para fazer análise de cenário,
sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico, ela pode ser utilizada para análise
de cenários simples e complexos.
Análise SWOT é uma visão de alto nível, algumas vezes será necessário fazer uma avaliação mais
detalhada.
SWOT (Strenghts - Forças, Weaknesses - Fraquezas, Opportunities - Oportunidades e Threats -
Ameaças)
Análise do Ambiente Competitivo: Matriz SWOT
Forças (pontos fortes) Fraquezas (pontos fracos)
Oportunidades
InternoExterno
Ajuda Atrapalha
Forças Fraquezas
Oportunidades Ameaças
AmbienteinternoAmbienteexterno
Análise SWOT
preservar melhorar
aproveitar evitar
Ameaças (Riscos)
Visão da Estratégia:
preservar
Avaliar através
de Business Case
(Caso de Negócio)
Análise de
Causa Raiz
Análise de
Risco
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 53
Análise do Ambiente Competitivo: Análise da Concorrência
O modelo das Cinco Forças de Porter do Michael Porter destina-se à análise da concorrência
entre empresas. Considera cinco fatores chaves, as "forças" competitivas, que devem ser estudados
para que se possa desenvolver uma estratégia efetiva. Utilizam dessas forças em uma empresa que
afeta a sua capacidade para ofertar produtos, atender seus clientes e obter lucros. Uma mudança em
qualquer uma das forças geralmente requer uma nova análise para reavaliar o mercado.
Visão da Estratégia:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 54
Posicionamento da empresa
Exemplos de Posicionamento:
- Posicionamento por Preço Baixo: Vender por um preço muito baixo; Para
sobreviver é necessário ter volume;
- Posicionamento por Conveniência: Proporcionar conveniência/comodidade para o
cliente. Serviço leva e traz de oficinas de automóvel;
- Posicionamento por Qualidade do Produto/Serviço: Oferecer produto/serviço com
qualidade superior. Exemplo um produto tenha durabilidade;
- Posicionamento por Branding (marca): Fazer que a marca represente algo para
cliente (um coisa boa: uma emoção ou estilo de vida)
- Posicionamento por Serviço de Valor Agregado: Oferecer serviço a mais, além do
que os concorrentes estão dispostos a fazer;
- Posicionamento por Experiência do Cliente: Exceder a expectativa do cliente
(encantar o cliente).
Posicionamento refere-se à metodologia utilizada para criar percepção de um
produto, marca ou identidade de uma empresa – Jack Trout e Al Ries. De acordo
com Trout e Ries: “Posicionamento não é o que faz o produto, mas o que você faz
com a cabeça do público alvo”.
Visão da Estratégia:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Governança de Negócio:
Planejamento Estratégico
Governança de Conformidade:
GRC Governança, Risco e Conformidade
Governança Corporativa é um conjunto de responsabilidades e práticas exercitadas pelo Conselho da
Administração (CA) e pelo o gerenciamento executivo com o objetivo de:
- Fornecer um direcionamento estratégico
- Garantir que os objetivos sejam alcançados.
- Estabelecer que os riscos sejam gerenciados.
- Garantir que os recursos da empresa sejam usados com responsabilidade.
- Conformidade: Aderência à leis,
políticas, regulamentos, contratos e
requisitos de auditoria.
- Performance do Negócio: Melhorar
o lucro, a eficiência, a efetividade, e o
crescimento da organização.
Governança Corporativa requer um equilíbrio entre a conformidade e a performance da organização
55
Visão da Estratégia:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Estratégia é executada através dos
processos de negócio e projetos
Estratégia
Para alcançar resultado (valor) o
negócio requer uma estratégia
Negócio
Valor
Projetos
Cadeia de Valor (Processos)
A estratégia define a
visão, missão, valores,
objetivos e metas
Infra-estrutura empresarial
Gerenciamento de Recursos Humanos
Desenvolvimento de Tecnologia
Compras / Aquisição de insumos
Resultados
Processos de Negócio
e Portfólio de Projetos
Os resultados são avaliados e
os desvios são corrigidos
BSC é uma ferramenta de
Planejamento Estratégico
Ciclo de Melhoria Contínua
PDCA ajuda a fazer o ciclo
de melhoria contínua
Portfólio de Projetos[1]
Planejamento Estratégico Execução do Planejamento Monitoramento da Execução
Nível Estratégico Nível Operacional Nível Tático
Processos
O nível tático é onde o Analista de
Negócio poderá gerar valor
56
Visão da Estratégia:
Nota [1] Veja apêndice C
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 57
Por que o Analista de Negócio deve conhecer a estratégia da empresa?
1 - Para identificar quais demandas de negócio são estratégicas e definir o nível
de prioridade destas demandas.
2 - Para ajudar na elaboração dos planos táticos.
3 - Para desenvolver soluções que estejam alinhadas com a estratégia da
empresa.
O que pode acontecer se Analista de Negócio não enxergar a estratégia ?
Ele não contribuirá para alcance dos objetivos e metas da organização.
Visão da Estratégia:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Parte 2
Arquitetura Negócio
58
Archimate®
Linguagem
Togaf®
Processo
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 59
Arquitetura Negócio
1.Arquitetura de negócio:
Descreve os processos
que o negócio usa para
cumprir suas metas e
objetivos.
4.Arquitetura técnica:
Descreve a infraestrutura
de hardware e software
que suportam os
aplicativos e suas
interações.
3.Arquitetura de dados:
Descreve como os
dados são armazenados,
organizados e acessados.
2.Arquitetura de
aplicativo:
Descreve como
aplicativos específicos
são programados e
como interagem.
Framework para Arquitetura Corporativa : TOGAF
Um framework que é considerado padrão para Arquitetura Corporativa é TOGAF do Open Group
(http://www.opengroup.org/togaf/). Este framework ajuda a lidar com sistemas interconectados que atendem ao
negócio. Arquitetura Corporativa segue o principio de aproximar a TI do negócio através do planejamento estratégico.
O TOGAF é dividido em uma arquitetura corporativa em 4 categorias:
Arquitetura Corporativa (segundo o Guia BABok):
Arquitetura Corporativa é uma descrição dos processos de negócio de uma organização, software e hardware, pessoas,
operações e projetos, e os relacionamentos entre eles.
Arquitetura do Negócio (segundo o Guia BABok ):
Um subconjunto da arquitetura corporativa que define um estado atual ou futuro de uma organização, incluindo a sua
estratégia, metas e objetivos, o ambiente interno, através de um processo ou visão funcional, o ambiente externo no
qual o negócio opera e as partes interessadas afetadas pelas atividades da organização.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 60
Exemplo de como aplicar o framework no Togaf para desenhar um modelo de Arquitetura Corporativa
(Arquitetura de Negócio e Arquitetura de Tecnologia):
Visão da Arquitetura Corporativa
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 61
Exemplo Genérico de Arquitetura Corporativa (Arquitetura de Negócio e Arquitetura de Tecnologia):
Empresa
ArquiteturadeNegócioArquiteturadeTecnologia Estratégia (BSC)
Processos (Cadeia de Valor)
e Portfólio de Projetos
Aplicações (Sistemas)
Infraestrutura de TI
VisãodoAnalistadeNegócio
AtuaçãodoAnalistadeNegócio
Visão da Arquitetura Corporativa
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 62
Exemplo de Arquitetura de Negócio: Togaf® e Archimate®
ArchiMate ® é uma linguagem de modelagem aberta (open source) e independente para apoiar a descrição
de Arquitetura Corporativa.
A ArchiMate® fornece instrumentos para permitir que os arquitetos corporativos possam descrever, analisar
e visualizar a arquitetura dentro e através de domínios de negócios.
ArchiMate® é uma padrão técnico de The Open Group e baseia-se nos conceitos do padrão 1471 do IEEE
1471.
Ela é suportada por várias ferramenta, como ARIS, Archi,EA (Enterprise Architect) da Sparx, Metis da Troux
Technologies, Systems Architect da IBM, Visual Paradigm e etc.
Togaf® ArchiMate®
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 63
Exemplo de Arquitetura de Negócio: Togaf® e Archimate®
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 64
Uma visão de valor da tecnologia da informação, faz que o Analista de Negócio tenha um
foco no valor que a tecnologia pode gerar para o negócio e não nos seus aspectos
técnicos.
Visão de Valor da Tecnologia
Visão da tecnologia sem demonstrar
qual é valor gerado para o negócio
Visão de valor da tecnologia
O Analista de Negócio tem que saber como usar a tecnologia para gerar valor para o negócio.
O Analista de Negócio deve falar a linguagem de negócio
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Parte 3
Visão de Operações: Cadeia de Valor
65
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Planejamento Estratégico Alinhado com os Processos
Planejamento Estratégico
Cadeia de Valor
Processosde
Negócio
Processosde
Suporte
Objetivos e Metas
Por que ?
O quê ?
Como ?
Quando ?
Quem ?
66
Estratégia é executada através dos processos de negócio
Executa a
estratégia
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Hierarquia Genérica de Processos
67
Cadeia de Valor
Macro Processo Macro Processo Macro Processo
Processo Processo Processo
AtividadeAtividade Atividade
Tarefa Subprocesso
Tarefa Tarefa
Segundo Davenport e Hammer insistem que as empresas devem pensar nos processos em termos
globais (tal como a cadeia de valor de Porter) as mudanças nos processos deve trazer melhoria para a
empresa como um todo.
Tarefa é menor
unidade de trabalho
do processo
Decomposição
Se a empresa já tem uma cadeia de valor definida podemos fazer decomposição dos processos a partir
da Cadeia de Valor.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
A Cadeia de Valor, segundo Porter1, é o conjunto de atividades tecnológicas e economicamente distintas
que a empresa utiliza para realizar seus negócios. Essas atividades geram valor, e agregar valor nessa
cadeia de forma mais significativa que os concorrentes torna a empresa mais competitiva
1 - A cadeia de valor foi desenvolvida pelo Michael Porter, em seu livro Vantagem Competitiva
Análise da Cadeia de Valor
Processosde
Suporte
Processosde
Negócio
Sinônimos:
Atividades
Secundárias ou
Atividade Meio
Sinônimos:
Atividade de
Primária ou
Atividade Fim
68
Cadeia de Valor representa o conjunto das atividades acima esquematizado que constitui aquilo que
Porter chama “Cadeia de Valor”, modelo conceptual que ajuda na análise da cadeia.
Ela inclui nove tipos de atividades genéricas. Cinco delas são definidas por atividades primárias e
outras quatro por atividades de apoio.
As atividades primárias são as que envolvem, o movimento de materiais e produtos, a produção de
bens e serviços, o marketing, e as vendas e serviços pós-venda, que correspondem de algum modo às
funções de gestão clássica. As atividades de secundária dão apoio as atividades primarias e são as
que envolvem, neste exemplo, manutenção da infra-estrutura empresarial, gestão de recursos
humanos e infra-estrutura, desenvolvimento de tecnologia e compras elas facilitam e proporcionam
bases para desenvolvimento da empresa.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 69
Fornecedores
Cadeia de Valor (Processos de Negócio)
Clientes
Infra-estrutura empresarial
Gerenciamento de Recursos Humanos
Desenvolvimento de Tecnologia
Compras / Aquisição de insumos
Conhecer a Cadeia de Valor
Boas Práticas no Desenvolvimento da Cadeia de Valor:
- A Cadeia de Valor deve abranger a cadeia produtiva (matéria-prima até produto/serviço), a cadeia de
distribuição (produto/serviço até o consumidor final), bem como todos os elementos de influência direta e
indireta não descritos na forma de atividade (como governo, cooperativas e instituições financeiras, entre
outros).
Foco no negócio:
A partir da identificação dos processos de negócio da cadeia de valor, a empresa a pode focar no seu
“core business” e pode terceirizar (terceirizar deve ser uma decisão da gestão) os processos que não
são estratégicos para o negócio.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Exemplo de Check List para a construção da Cadeia de Valor de uma Pizzaria:
- Qual é nossa vantagem competitiva ?
(O que fazemos nos torna diferente dos nossos concorrentes?)
Exemplo: Entrega de produto de qualidade de forma pontual
-Como entregamos valor para o cliente ?
Exemplo: Mantendo a pontualidade de entrega
- Quais são as atividades primária ?
(atividades envolvidos diretamente na entrega de valor ?)
- Atendimento de Cliente
- Preparo do Pedido (Cozinha)
- Entrega de Pedido
- Recebimento do pagamento do pedido
- Quais são as atividades secundárias?
(Atividades envolvidos indiretamente, aquelas que apóiam a entrega de valor?)
- Compras de ingredientes e afins
- Manutenção de equipamentos e conservação
- Contabilidade
- Recursos humanos (Recrutamento, Seleção e Contração)
- Departamento de Pessoal
- Tecnologia da Informação (Sistemas, manutenção de equipamentos de TI e suporte)
70
Pequeno Check List para a construção da Cadeia de Valor
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Exemplo de Cadeia de Valor para uma Pizzaria:
Processos de Suporte:
- Compras
- Contábil
- Serviços de Tecnologia da Informação (TI)
- Manutenção e Conservação
- Serviços de Recursos Humanos
Processos de Negócio:
- Finanças
- Atendimento ao Cliente
- Preparação de Pedido (Cozinha)
- Entrega de Pedido
71
Baixo valor agregado ao negócio
Ação: Reduzir custo, eliminar desperdícios e etc
Alto valor agregado ao negócio
Ação: Melhorar processos
Exemplo de Cadeia de Valor
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Exercício: Cadeia de Valor
72
A figura abaixo demonstra uma industria Ventura, seu principais produtos são perfumes, observe
os detalhes da figura e faça uma sugestão de cadeia de valor.
Posicionamento da empresa: Qualidade do Produto
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
ProcessosdeNegócioProcessosdeSuporte
73
Exercício: Cadeia de Valor
Check List aplicado ao desenho da Cadeia de Valor:
1 - Identifique o negócio principal (core business) da empresa
2 - Descubra qual é posicionamento da empresa
3 - Identifique os processos de negócio
4 - Identifique os processos de suporte
5 - Desenhe a cadeia de valor
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 74
Parte 4
Gestão de Processos de Negócio (BPM)
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 75
Gestão de Processos de Negócio
A Gestão de Processos de Negócio (BPM) é tratado como uma perspectiva no Guia BABOK,
O BPM é uma perspectiva de gestão que destaca a única características de análise de negócios
quando praticada no contexto do desenvolvimento ou melhoria dos processos de negócios.
BPM é uma disciplina de gestão e um conjunto de permitindo tecnologias que:
• Se concentra em como a organização realiza um trabalho para entregar valor ao longo várias áreas
funcionais para os clientes e partes interessadas.
• Aponta para uma visão de entrega de valor que se estende por toda a organização.
• Vê a organização através de uma visão centrada no processo.
A iniciativa BPM entrega valor através da implementação de melhorias à forma como o trabalho é
realizada em uma organização.
BPM determina como os processos manuais e automatizados são criados, modificados, cancelado, e
governados. Organizações que possuem uma centrada em processos vista deleite BPM como um
esforço contínuo e uma parte integrante da gestão em curso e funcionamento da organização
Objetivo:
O objetivo de BPM é para assegurar que o fornecimento de valor é otimizada através de processo
finalistas (fim-a-fim).
Analista deve entender e conhecer os processos:
Os analistas de negócios utilizar frameworks e ferramentas para facilitar a análise e entendimento dos
processos da organização
Meta:
A meta do BPM é melhorar o desempenho operacional (eficácia, eficiência, adaptabilidade e qualidade)
e para reduzir custos e riscos. Os analistas de negócios freqüentemente consideram a transparência
nos processos e operações como um núcleo comum valor das iniciativas de BPM
A seguir uma apresentação da Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio (BPM)
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 76
“Processos existem na organização, quer os percebamos ou não. Nós temos duas escolhas: ou os
ignoramos e rezamos para que façam o que desejamos, ou os entendemos e gerenciamos.” (Geary
Rummler)
Se a escolha for entender e gerenciar os processos, o que a organização ganha ?
Quando entendemos os processos sabemos exatamente aquilo o que é feito, quem faz o quê, quando
é feito e como é feito, ganha-se conhecimento sobre o negócio, eficiência e eficácia.
A preposição por indica o
momento da ação de fato,
portanto a gestão por processo
endereça organização por
processos e não por meio da
estrutura organizacional
A gestão pode ser implementada de duas formas:
A Gestão por Processo de Negócio: O foco deste modelo de gestão é
organizar ou orientar a empresa por processos.
Estes modelo é rara ser implantado nas empresas, pois, ele requer que a
organização seja orientada por processos, para que isso aconteça é
preciso fazer o “tombamento” do modelo hierárquico (mudar o modelo
organizacional) e reestruturar cargos e papéis funcionais, uma vez que
eles devem ser organizados em torno dos processos.
A Gestão de Processo de Negócio : O foco deste modelo de gestão é a
melhoria contínua dos processos existentes na organização. É modelo
mais usual, é mais fácil de implantar, pois ele foca em fazer melhorias nos
pontos fracos, sem causar impactos significativo no modelo organizacional.
A preposição de indica “relação
atributiva possessiva, logo a
gestão de processos é a pratica
de apoderar-se deles,
controlando-os para melhora-
los continuamente.
Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
Analista de Negócio deve conhecer os processos de negócio da empresa, mas ele deve trabalhar em
colaboração com os donos dos processos e/ou equipe de processos, quando ele estiver atuando em
uma iniciativa ou projeto que envolva a melhoria ou implementação de novo de processos.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 77
Definição: “Processo de Negócio é um conjunto de atividades relacionadas que tem o objetivo de
atingir resultado”.
Depois da definição de processo de negócio, apresentamos os componentes chaves, eles são cinco:
Entrada, Saída, Recursos, Partes Interessadas e Regras de Negócio. A figura abaixo descreve os
componentes e ações:
Entrada Saída (Resultado)
Regras de Negócio
Recursos Partes
Interessadas
transformação
Atividades
Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
Controlar
planejar
Seguir
Mensurar
Gerenciar
Processo
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 78
Hierarquia de Processos:
Os processos são organizados em uma hierarquia, ela é composta de três níveis1, o primeiro nível é o
macroprocesso que representa uma agregação de processos, o segundo nível são os processos que
representa uma agregação de atividades e terceiro nível são as atividades , elas podem ser classificadas
em tarefas e ou subprocesso.
A grosso modo podemos fazer uma comparação da hierarquia de processos com estrutura de uma árvore,
onde o tronco é macroprocesso, os galhos são os processos e folhas são as atividades.
Conceitos Fundamentais da Gestão de Processos de Negócio
Macroprocesso
Processo
Atividades
Atividades
Processo
Atividades
Atividades
Nota 1: Adaptado da Hierarquia segundo Harrington,1993, 1997; Davis e Weckler, 1997
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 79
Visão Horizontal (ou transversal) dos Processos de Negócio:
Rummler e Brache (1994) defendem que uma visão horizontal da organização permite ver como o trabalho é
realmente feito pelos processos que cruzam as fronteiras das áreas funcionais (departamentos), mostrando como
as áreas colaboram para produzir valor para os clientes – além de incluir os ingredientes que faltam aos
tradicionais organogramas: o cliente, a colaboração entre as áreas funcionais, o fluxo de trabalho e o produto.
Veja a figura abaixo:
Conceitos Fundamentais da Gestão de Processos de Negócio
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Existem algumas tipos de processos de negócio, entre eles estão:
- Processos Primários e Processos de Suporte Rummler e Brache, declarou que um Processo de Negócio: “É
uma série de passos que uma empresa executa para produzir um produto ou serviço. “Se o processo cruza as
fronteiras das áreas funcionais (departamentos) e entrega um produto ou serviço para um cliente, então ele é
um processo primário; caso contrário, é um processo de suporte.
Esta definição fornece um bom “insight” para começar a discussão, mas podemos aprimora-la.
Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
80
Definição de Processos Primários:
São processos que estão ligados intimamente ao negócio principal (core business ou atividade principal) da empresa.
O objetivo destes processos é gerar resultados através da entrega de produtos e/ou serviços que agreguem valor ao
cliente. Características: Fazem entrega de valor (produto ou serviço ) para o cliente, são transversais por natureza
(cruzam a estrutura organizacional) oferecendo uma visão horizontal e normalmente estão associados com a
estratégia da empresa.
Exemplos: Do pedido à entrega do produto, Da ordem de produção a entrega de produtos, Do pedido ao caixa (Order
to cash), Da internação à alta médica e etc.
Sinônimos: Processo Finalístico, Processos Essenciais, Processo Ponta a Ponta ou Atividades Fim.
Cliente faz
pedido
Gerenciamento
de pedidos
Planejamento
da produção
Fabricação
de produtos
Entrega do pedido
Cliente recebe
produto
Exemplo de Processo Primário:
Do pedido à entrega
do produto é um
processo primário e
transversal que
recebe o pedido do
cliente, planeja,
fabrica, fatura e
entrega o produto
para o cliente.
Do pedido à entrega do produto
Faturamento do pedido
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
81
Definição de Processos de Suporte :
São processos que dão sustentação aos primários e/ou a outros processos de suporte, geralmente estão ligados
a uma ou mais áreas funcionais exemplos: Recursos Humanos, Compras e etc.
Características: Eles não entregam valor agregado diretamente para os clientes, estão ligados as áreas
funcionais, mas geralmente são interfuncionais.
Exemplos: Suporte a Serviços de TI, Gerenciamento de Recursos Humanos, Gerenciamento de Compras e etc
Sinônimos de processos de suporte: Processos de Apoio, Processos Secundário ou Atividades Meio
Cliente faz
pedido
Gerenciamento
de pedidos
Planejamento
da produção
Cliente recebe
produto
Exemplo de Processo Primário e Processo de Suporte:
O processo de
Gerenciamento de Compras
dá suporte ao processo
primário “Do pedido à
entrega do produto”.
O Planejamento da Produção,
que faz parte do processo
primário, dispara uma
requisição de compras
quando o estoque de matéria
prima entre na faixa de
segurança . A requisição é
endereçado ao processo de
Gerenciamento de Compras.
Do pedido à entrega do produto
Gerenciamento
de compras
SuportePrimário
Fabricação
de produtos
Faturamento
do pedido
Entrega do
pedido
Outros Tipos Processos de Negócio:
Além dos tipos citados, alguns livros e guias, apresentam mais um tipo, ele é chamado de Processos
de Gerenciamento.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 82
Qual é a melhor prática para classificar os processos ?
Apesar de apresentarmos os tipos de processos de negócio, não existe uma receita de bolo pronta ou um
formula mágica para fazer tal tipificação, conhecer o negócio é melhor caminho para classificar os processos.
Outra coisa que julgamos importante é que os tipos podem mudar de acordo com a estratégia da empresa.
A Cadeia de Valor (definida pelo Michael Porter), que já apresentamos, representa a melhor forma para
classificar os processos de negócio. A figura abaixo mostra um modelo genérico de cadeia de valor, ela
apresenta os processos de suporte na cor azul na parte superior da figura e os processos primários na cor
vermelha na parte inferior. O tema cadeia de valor será discutida mais adiante.
Podemos ter somente um tipo processo dentro de empresa?
Ninguém faz um filme ou uma peça teatral somente com protagonistas (personagem
principal de uma narrativa, filmes, peças teatrais, musicais ou obras literárias) apesar das
principais ações são realizadas por ele ou sobre ele, é imprescindível ter atores
coadjuvantes para compor uma a história e um diretor para dirigir os atores. A mesma
coisa acontece em uma empresa, existem os processos primários , processos de suporte
e processos de gerenciamento.
Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 83
Exemplo de Ciclo de Vida da Gestão de Processos de Negócio:
Conhecimento de
Processos
Modelo AS-IS
(estado atual)
Modelo TO-BE
(estado futuro)
Medição de
Desempenho
Resultado
Análise
inicio
fim
Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 84
Para ir além
Você gostou do conteúdo, veja outros materiais que abordam o tema Análise de Negócio:
http://pt.slideshare.net/Ridlo/como-o-analista-de-neg http://pt.slideshare.net/Ridlo/reumo-do-guia-babok-3-v1
http://pt.slideshare.net/Ridlo/anlise-de-negcio-com-
mtodos-geis
http://pt.slideshare.net/Ridlo/business-analysis-
canvas-canvas-para-anlise-de-negcio?related=1
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 85
Conteúdo:
A – Definição de Portfólio de Projetos
B – Conteúdo do Guia BABOK® 3. IIBA – 215
C – ArchiMate 2.1 (linguagem visual utilizada para
modelagem de arquitetura de negócio)
Apêndice
Apêndice
Analista de Negócio 3.0
Formação
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Apêndice A: Definição de Portfólio e Programa
86
Portfólio:
Um portfólio refere-se a projetos, programas, subportfólios e operações gerenciados como um grupo para
atingir objetivos estratégicos.
Programa:
Um programa é definido como um grupo de projetos, subprogramas e atividades de programa
relacionados, gerenciados de modo coordenado visando a obtenção de benefícios que não estariam
disponíveis se eles fossem gerenciados individualmente.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Capitulo 1 – Introdução:
- Propósito do Guia BABOK
- O que é Análise de Negócio
- Quem é o Analista de Negócio
- Estrutura do Guia
Capitulo 2 - Conceitos Chaves de Análise de Negócio:
- Framework BACCM
- Termos chaves
- Esquema de classificação de requisitos
- Partes Interessadas
- Requisitos e Design
A partir do capítulo 3 até 9 capitulo são apresentadas e descrias as áreas de conhecimento.
Capitulo 3 - Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio
Capitulo 4 - Elicitação e Colaboração
Capitulo 5 - Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos
Capitulo 6 - Análise da Estratégia
Capitulo 7 - Análise de Requisitos e Definição de Design
Capitulo 8 - Avaliação da Solução
Capitulo 9 - Competências Fundamentais
Capítulo 10 - Descreve as Técnicas de Análise de Negócio
Capítulo 11 - Descreve as Perspectivas, são abordadas as seguintes perspectivas
- Ágil
- Inteligência de Negócio (BI)
- Tecnologia da Informação (TI)
- Arquitetura de Negócio
- Gestão de Processos de Negócio
O guia tem 4 apêndices:
- A - Glossário
- B - Técnicas mapeadas para tarefas
- C - Contribuições (lista das pessoas que contribuirão para desenvolvimento do guia)
- D - Sumário de Mudanças entre os guias.
87
Apêndice B: Conteúdo do Guia BABOK® 3
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 88
Apêndice C: ArchiMate
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 89
Referências:
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 90
Notas:
Marcas Registradas:
Todos os termos mencionados que são reconhecidos como Marca Registrada e/ou comercial são de
responsabilidades de seus proprietários. O autor informa não estar associada a nenhum produto e/ou
fornecedor que é apresentado neste material. No decorrer deste, imagens, nomes de produtos e
fabricantes podem ter sido utilizados, e desde já o autor informa que o uso é apenas ilustrativo para fins
educativo, não visando ao lucro, favorecimento ou desmerecimento da marca ou produto.
Melhoria e Revisão:
Este material esta em processo constante de revisão e melhoria, se você encontrou algum problema
ou erro envie um e-mail para nós.
Criticas e Sugestões:
Nós estamos abertos para receber criticas e sugestões que possam melhorar o material, por favor
envie um e-mail para nós.
Rildo Santos (rildo.santos@etecnologia.com.br)
Imagens:
Google, Flickr e Banco de Imagem.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Comunidade eTecnologia
Venha para comunidade eTecnologia
Os membros da comunidade podem participar dos eventos, treinamentos e cursos gratuitos.
Comunidade: http://etecnologia.ning.com/
Para participar da comunidade basta se cadastrar: http://etecnologia.ning.com
A missão da comunidade é compartilhar conhecimento, trocar experiências e prover
aprendizado.
91
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
Licença:
Você tem o direito de:
Compartilhar — copiar e redistribuir o material em qualquer suporte ou formato
Adaptar — remixar, transformar, e criar a partir do material O licenciante não pode revogar estes
direitos desde que você respeite os termos da licença.
De acordo com os termos seguintes:
Atribuição — Você deve atribuir o devido crédito, fornecer um link para a licença, e indicar se
foram feitas alterações. Você pode fazê-lo de qualquer forma razoável, mas não de uma forma
que sugira que o licenciante o apoia ou aprova o seu uso.
Não Comercial — Você não pode usar o material para fins comerciais.
Compartilhamento — Se você remixar, transformar, ou criar a partir do material, tem de distribuir
as suas contribuições sob a mesma licença que o original.
Sem restrições adicionais — Você não pode aplicar termos jurídicos ou medidas de caráter
tecnológico que restrinjam legalmente outros de fazerem algo que a licença permita.
Avisos:
Você não tem de cumprir com os termos da licença relativamente a elementos do material que
estejam no domínio público ou cuja utilização seja permitida por uma exceção ou limitação que
seja aplicável.
Não são dadas quaisquer garantias. A licença pode não lhe dar todas as autorizações
necessárias para o uso pretendido. Por exemplo, outros direitos, tais como direitos de imagem,
de privacidade ou direitos morais, podem limitar o uso do material.
AnalistadeNegócio3.0
2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br
@rildosan | Versão: 9.0 | 2015 | #faneweb
FAN
Formação
Analista de
Negócio 3.0
Fundamentos da Análise
de Negócio
Rildo Santos (@rildosan)
Treinamento | Consultoria | Mentoria
Rildo Santos (@rildosan)
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildosan@rildosan.com
www.etecnologia.com.br
skype: rildo.f.santos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Rildo (@rildosan) Santos
 
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de NegócioTécnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de NegócioRildo (@rildosan) Santos
 
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e MentoriaPortfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e MentoriaRildo (@rildosan) Santos
 
Gestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólioGestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólioProjetos e TI
 
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMNMapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMNRildo (@rildosan) Santos
 
UM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOS
UM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOSUM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOS
UM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOSMarcelo Neves
 
Arquitetura de negócio uma abordagem prática
Arquitetura de negócio uma abordagem práticaArquitetura de negócio uma abordagem prática
Arquitetura de negócio uma abordagem práticaThiago Rocha
 
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?Rildo (@rildosan) Santos
 
Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]
Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]
Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]Rildosan
 
Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)
Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)
Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)Rafael Targino
 

Mais procurados (20)

Guia de Práticas de Análise de Negócio
Guia de Práticas de Análise de NegócioGuia de Práticas de Análise de Negócio
Guia de Práticas de Análise de Negócio
 
Guia BABOK v3 Principais mudanças
Guia BABOK v3 Principais mudançasGuia BABOK v3 Principais mudanças
Guia BABOK v3 Principais mudanças
 
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
 
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de NegócioTécnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
 
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e MentoriaPortfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
 
Scrum Experience
Scrum ExperienceScrum Experience
Scrum Experience
 
Gestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólioGestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólio
 
Transformação Ágil
Transformação ÁgilTransformação Ágil
Transformação Ágil
 
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMNMapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
 
Service Design Thinking
Service Design Thinking Service Design Thinking
Service Design Thinking
 
Process Design Thinking
Process Design ThinkingProcess Design Thinking
Process Design Thinking
 
UM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOS
UM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOSUM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOS
UM BREVE RESUMO DO GUIA BABOK V3 DE ANÁLISE DE NEGÓCIOS
 
Arquitetura de negócio uma abordagem prática
Arquitetura de negócio uma abordagem práticaArquitetura de negócio uma abordagem prática
Arquitetura de negócio uma abordagem prática
 
Aula4 levantamento requisitos
Aula4 levantamento requisitosAula4 levantamento requisitos
Aula4 levantamento requisitos
 
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
 
Business Design Thinking
Business Design ThinkingBusiness Design Thinking
Business Design Thinking
 
Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]
Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]
Indicadores desempenho e métricas em ti v29p [2013]
 
TOGAF em Ação
TOGAF em AçãoTOGAF em Ação
TOGAF em Ação
 
Gestão de Mudanças - ITIL
Gestão de Mudanças - ITILGestão de Mudanças - ITIL
Gestão de Mudanças - ITIL
 
Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)
Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)
Proposta de um Processo de Arquitetura Corporativa (Enterprise Architecture)
 

Destaque

Melhoria de Processos de Negócio com Quick Wins
Melhoria de Processos de Negócio com Quick WinsMelhoria de Processos de Negócio com Quick Wins
Melhoria de Processos de Negócio com Quick WinsRildo (@rildosan) Santos
 
Produtividade em Desenvolvimento de Software
Produtividade em Desenvolvimento de SoftwareProdutividade em Desenvolvimento de Software
Produtividade em Desenvolvimento de SoftwareRildo (@rildosan) Santos
 
Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3
Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3
Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3Rildo (@rildosan) Santos
 
Como Implementar Escritório de Processos
Como Implementar Escritório de Processos Como Implementar Escritório de Processos
Como Implementar Escritório de Processos Rildo (@rildosan) Santos
 
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]Rildo (@rildosan) Santos
 
Guia BABOK 3 Principais Mudanças Requisitos
Guia BABOK 3 Principais Mudanças RequisitosGuia BABOK 3 Principais Mudanças Requisitos
Guia BABOK 3 Principais Mudanças RequisitosRildo (@rildosan) Santos
 
Análise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de Sucesso
Análise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de SucessoAnálise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de Sucesso
Análise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de SucessoRildo (@rildosan) Santos
 
Tutorial BizAgi Modelagem de Processos de Negócio
Tutorial BizAgi Modelagem de Processos de NegócioTutorial BizAgi Modelagem de Processos de Negócio
Tutorial BizAgi Modelagem de Processos de NegócioRildo (@rildosan) Santos
 
Fundamentos de Análise de Negócios
Fundamentos de Análise de NegóciosFundamentos de Análise de Negócios
Fundamentos de Análise de NegóciosMarcelo Neves
 
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)Rildo (@rildosan) Santos
 
Análise, Simulação e Melhoria de Processo com WBM
Análise, Simulação e Melhoria de Processo com WBMAnálise, Simulação e Melhoria de Processo com WBM
Análise, Simulação e Melhoria de Processo com WBMRildo (@rildosan) Santos
 

Destaque (19)

Melhoria de Processos de Negócio com Quick Wins
Melhoria de Processos de Negócio com Quick WinsMelhoria de Processos de Negócio com Quick Wins
Melhoria de Processos de Negócio com Quick Wins
 
Produtividade em Desenvolvimento de Software
Produtividade em Desenvolvimento de SoftwareProdutividade em Desenvolvimento de Software
Produtividade em Desenvolvimento de Software
 
Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3
Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3
Guia BABOK v3 principais mudanças parte 3
 
Software como Investimento
Software como Investimento Software como Investimento
Software como Investimento
 
Como Implementar Escritório de Processos
Como Implementar Escritório de Processos Como Implementar Escritório de Processos
Como Implementar Escritório de Processos
 
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
 
Guia BABOK 3 Principais Mudanças Requisitos
Guia BABOK 3 Principais Mudanças RequisitosGuia BABOK 3 Principais Mudanças Requisitos
Guia BABOK 3 Principais Mudanças Requisitos
 
Documentação de Processos de Negócio
Documentação de Processos de NegócioDocumentação de Processos de Negócio
Documentação de Processos de Negócio
 
Análise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de Sucesso
Análise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de SucessoAnálise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de Sucesso
Análise de Negócio com Métodos Ágeis, Um Caso de Sucesso
 
Gestão por Processo
Gestão por ProcessoGestão por Processo
Gestão por Processo
 
Tutorial BizAgi Modelagem de Processos de Negócio
Tutorial BizAgi Modelagem de Processos de NegócioTutorial BizAgi Modelagem de Processos de Negócio
Tutorial BizAgi Modelagem de Processos de Negócio
 
Fundamentos de Análise de Negócios
Fundamentos de Análise de NegóciosFundamentos de Análise de Negócios
Fundamentos de Análise de Negócios
 
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Processos (compactada)
 
Palestra Analista de Negócio 3.0
Palestra Analista de Negócio 3.0 Palestra Analista de Negócio 3.0
Palestra Analista de Negócio 3.0
 
Melhoria de Processo de Negócio
Melhoria de Processo de NegócioMelhoria de Processo de Negócio
Melhoria de Processo de Negócio
 
Tutorial Visio Modelagem de Processos
Tutorial Visio Modelagem de ProcessosTutorial Visio Modelagem de Processos
Tutorial Visio Modelagem de Processos
 
Análise, Simulação e Melhoria de Processo com WBM
Análise, Simulação e Melhoria de Processo com WBMAnálise, Simulação e Melhoria de Processo com WBM
Análise, Simulação e Melhoria de Processo com WBM
 
Analista de Negócio Ágil 3.0
Analista de Negócio Ágil 3.0 Analista de Negócio Ágil 3.0
Analista de Negócio Ágil 3.0
 
Como elaborar um Business Case
Como elaborar um Business CaseComo elaborar um Business Case
Como elaborar um Business Case
 

Semelhante a Curso de formação de analista de negocio 3.0 (Fundamentos da Análise de Negócio)

Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio Rildo (@rildosan) Santos
 
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8Rildosan
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...tdc-globalcode
 
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de NegociosPrograma semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de NegociosGrupo Treinar
 
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva Grupo Treinar
 
Projeto integradoriv versao-final
Projeto integradoriv versao-finalProjeto integradoriv versao-final
Projeto integradoriv versao-finaljulio vidal
 
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosUma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosJosé Vieira
 
A Profissão de Análise de Negócios
A Profissão de Análise de NegóciosA Profissão de Análise de Negócios
A Profissão de Análise de NegóciosCristiano Heringer
 
Apresentação Institucional Effortt Brasil
Apresentação Institucional Effortt BrasilApresentação Institucional Effortt Brasil
Apresentação Institucional Effortt BrasilEffortt Brasil
 
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de NegóciosT@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de NegóciosTargettrust
 
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design ThinkingTDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinkingtdc-globalcode
 
Kick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
Kick Off IIBA - Capítulo Porto AlegreKick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
Kick Off IIBA - Capítulo Porto AlegreJohn Azevedo, CSPO
 
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...Ernani Marques, MBA, PRINCE2, PgMP/PMP, CBAP
 
Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2
Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2
Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2Marcelo Azeredo
 

Semelhante a Curso de formação de analista de negocio 3.0 (Fundamentos da Análise de Negócio) (20)

Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
 
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
 
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de NegociosPrograma semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
 
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
 
Projeto integradoriv versao-final
Projeto integradoriv versao-finalProjeto integradoriv versao-final
Projeto integradoriv versao-final
 
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosUma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
 
Portfólio BPM
Portfólio BPMPortfólio BPM
Portfólio BPM
 
A Profissão de Análise de Negócios
A Profissão de Análise de NegóciosA Profissão de Análise de Negócios
A Profissão de Análise de Negócios
 
Apresentação Institucional Effortt Brasil
Apresentação Institucional Effortt BrasilApresentação Institucional Effortt Brasil
Apresentação Institucional Effortt Brasil
 
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de NegóciosT@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
 
W2CONN Institucional
W2CONN InstitucionalW2CONN Institucional
W2CONN Institucional
 
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design ThinkingTDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
 
Kick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
Kick Off IIBA - Capítulo Porto AlegreKick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
Kick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
 
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
 
Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2
Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2
Web Analytics - Uma Visão Brasileira 2
 
Webanalytics uma visao_brasileira_2
Webanalytics uma visao_brasileira_2Webanalytics uma visao_brasileira_2
Webanalytics uma visao_brasileira_2
 
Web Analytics: uma visão brasileira 2
Web Analytics: uma visão brasileira 2Web Analytics: uma visão brasileira 2
Web Analytics: uma visão brasileira 2
 
Web Analytics (SEO) - Uma Visão Brasileira
Web Analytics (SEO) - Uma Visão BrasileiraWeb Analytics (SEO) - Uma Visão Brasileira
Web Analytics (SEO) - Uma Visão Brasileira
 
Portfolio Segatto
Portfolio SegattoPortfolio Segatto
Portfolio Segatto
 

Mais de Rildo (@rildosan) Santos (17)

Feedback. Arte de dar e receber feedback
Feedback. Arte de dar e receber feedbackFeedback. Arte de dar e receber feedback
Feedback. Arte de dar e receber feedback
 
Minicurso Meça o que importa com OKR
Minicurso Meça o que importa com OKRMinicurso Meça o que importa com OKR
Minicurso Meça o que importa com OKR
 
Meça o que importa com OKR
Meça o que importa com OKRMeça o que importa com OKR
Meça o que importa com OKR
 
Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)
Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)
Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)
 
Novidades da Sétima Edição do Guia PMBOK
Novidades da Sétima Edição do Guia PMBOKNovidades da Sétima Edição do Guia PMBOK
Novidades da Sétima Edição do Guia PMBOK
 
Jornada de Aprendizado Lean BPM
Jornada de Aprendizado Lean BPM Jornada de Aprendizado Lean BPM
Jornada de Aprendizado Lean BPM
 
Mapa Mental Scrum
Mapa Mental ScrumMapa Mental Scrum
Mapa Mental Scrum
 
Tutorial Scrum Experience
Tutorial Scrum Experience Tutorial Scrum Experience
Tutorial Scrum Experience
 
Guia BPM CBOK(R)
Guia BPM CBOK(R)Guia BPM CBOK(R)
Guia BPM CBOK(R)
 
Gestão Ágil de Projetos
Gestão Ágil de ProjetosGestão Ágil de Projetos
Gestão Ágil de Projetos
 
Scrum Master em ação
Scrum Master em açãoScrum Master em ação
Scrum Master em ação
 
Gestão de Projetos Ágeis
Gestão de Projetos ÁgeisGestão de Projetos Ágeis
Gestão de Projetos Ágeis
 
Scrum, o tutorial definitivo
Scrum, o tutorial definitivo Scrum, o tutorial definitivo
Scrum, o tutorial definitivo
 
Feedback Canvas
Feedback CanvasFeedback Canvas
Feedback Canvas
 
Project Agile Canvas
Project Agile CanvasProject Agile Canvas
Project Agile Canvas
 
Service Design Thinking
Service Design ThinkingService Design Thinking
Service Design Thinking
 
Mentoria
Mentoria Mentoria
Mentoria
 

Último

Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfReinerModro
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxvaniapatriciapimente
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGil Giardelli
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdfEMERSON EDUARDO RODRIGUES
 

Último (6)

CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 

Curso de formação de analista de negocio 3.0 (Fundamentos da Análise de Negócio)

  • 1. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br @rildosan | Versão: 9.0 | 2015 | #faneweb FAN Formação Analista de Negócio 3.0 Fundamentos da Análise de Negócio Rildo Santos (@rildosan) Treinamento | Consultoria | Mentoria Rildo Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br rildosan@rildosan.com www.etecnologia.com.br skype: rildo.f.santos
  • 2. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Mentoria Nossos Serviços Treinamento Consultoria Desenvolver e capacitar pessoas Desenvolver habilidades Pessoas capacitadas Pessoas habilitadas Necessidades e Expectativas eTecnologia oferece um conjunto de serviços com objetivo de transformar e gerar valor para as organizações: Resultados e Valores Ganhos: Eficiência e Eficácia Ganho: Efetividade 2 Transformação de resultados Melhoria de Desempenho da Empresa
  • 3. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Formação de Analista de Negócio 3.0 3 Por quê fazer o curso de Formação de Analista de Negócio 3.0 ? Em tempos difíceis e de desafios os profissionais devem estar preparados para ser mais eficientes, eficazes e entregar valor. Para enfrentar estes cenários somente conhecer tecnologia não é suficiente é preciso conhecer o negócio, saber identificar necessidades, problemas e oportunidades, entender as partes interessadas e garantir a entregar valor. A análise de negócio pode ajudar na superação dos desafios e dificuldades apresentando práticas e técnicas que facilitam o desenvolvimento de soluções que habilitam o alcance de metas e objetivos e melhoria de resultados. Você está preparado para enfrentar os desafios? Você está pronto para entregar valor ? Para saber maiores detalhes clique no link: http://www.etecnologia.com.br/fan.html O curso tem duas partes, a primeira se concentra em explanar os fundamentos da Análise de Negócio e a segunda foca em demonstrar como aplicar práticas e técnicas de Análise de Negócio para entregar valor. Turmas abertas e in-company
  • 4. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Consultoria e Treinamento 4 eTecnologia é uma empresa especializada em Análise de Negócio, ela é capaz de prover o que existe em mais avançado em Análise de Negócio: Implantação de Escritório de Negócio: É uma área focada 100% do tempo em Governança, Gestão de Demandas e Análise de Negócio. Os objetivos principais do escritório é fazer entrega de valor para sustentação da empresa através da aplicação de práticas e técnicas de análise de negócio e melhorar o proveito das oportunidades. Mentoria para Equipe de Análise de Negócio Ter uma equipe de Análise de Negócio preparada para enfrentar desafios e de alto desempenho é vital para empresa atingir objetivos e metas. Utilize os serviços de mentoria para preparar, desenvolver e transformar sua equipe em uma equipe de resultado. Consultoria Treinamento (Turmas Abertas e In-company) Formação Analista de Negócio 3.0 Esta formação apresenta os fundamentos da Análise de Negócio e demonstra como aplicar práticas de análise de negócio para entrega de valor para as partes interessadas. Formação ideal para quem deseja atuar como Analista de Negócio. Contato: Rildo Santos (@ rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br treinamento@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br/an Curso de Análise de Negócio para Equipe Ágil Não basta ser ágil para entregar valor a equipe ágil deve conhecer o negócio. Este workshop prepara a equipe ágil para falar a linguagem de negócio e melhorar a entrega de valor para os clientes.
  • 5. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Autor: Rildo Santos (@rildosan) rildosan@rildosan.com rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br www.etecnologia.ning.com www.facebook.com/rildosan Rildo Santos (@rildosan) é consultor, estrategista, mentor, coach, facilitador, palestrante, instrutor, escritor e empreendedor. Atua com Pessoas, Inovação, Planejamento Estratégico, Processos, Gestão, Análise de Negócio, Liderança, Empreendedorismo, Tecnologia da Informação e Métodos Ágeis. É Administrador de Empresas, Especialista em Didática do Ensino Superior e Mestrando em Engenharia da Software pelo Mackenzie. É certificado ITIL, instrutor Oficial certificados em Cobit e Cobit Game, CSM, CSPO e instrutor Java. 5
  • 6. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Compartilhamento de Conhecimento: Compartilhamento de conhecimento é parte da missão da aTecnologia: Contribuir para que nossos clientes, profissionais, professores e alunos alcancem melhorias de desempenho e para que elas sejam duradouras, substanciais e sustentáveis. Publicamos nossas ideias para ajudar disseminar práticas da gestão, ser fonte de inspiração e facilitar a tomada de decisão. * Mais de 1.000.000 de views 6 http://pt.slideshare.net/ridlo/presentations :
  • 7. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br O programa Menos Papel, Mais Árvores®, é uma ação, com objetivo de estimular o consumo sustentável de papel dentro das organizações. Programa: “Menos Papel, Mais Árvores ®” Qual é o mundo que queremos ? O primeiro passo para criar um mundo melhor, é saber qual tipo de mundo que queremos ter e qual tipo que deixaremos de herança para as próximas gerações. Nossa missão: É buscar pelo equilibro do homem, da tecnologia e do meio ambiente. Para cumprir esta missão é necessário: mobilizar, conscientizar, comprometer e AGIR. Quer participar ? - Reduza o uso de papel (e de madeira) o máximo possível. - Só imprima se for extremamente necessário. - Evite comprar produtos com excesso de embalagem. - Ao imprimir ou escrever, utilize os dois lados do papel. - Use papel reciclado. 7
  • 8. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 8 Objetivo do Curso: Curso de Formação de Analista de Negócio 3.0 O objetivo deste curso é prover capacitação para os participantes atuarem como Analista de Negócio, demonstrar práticas, técnicas e ferramentas que são necessárias para fazer a Análise de Negócio. Durante o curso será apresentado o Guia BABok® 3.0 (Corpo de Conhecimento de Análise de Negócio), que é considerado como guia de referência de Análise de Negócio. Será mostrado as áreas de conhecimentos, técnicas, tarefas e competências fundamentais do Analista de Negócio. Também será exibido uma visão prática e realista de Análise de Negócio nas organizações que vai além do Guia BABok 3.0 Será demonstrado através de Estudo de Caso como aplicar as técnicas de análise de negócio para desenvolvimento de soluções que permitem as organizações atingirem suas metas e objetivos.
  • 9. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 9 Introdução a Análise de Negócio: A cada dia as organizações se tornam mais complexas, por conta de novas exigências dos clientes, por conta de consolidação, aquisição, fusão, da necessidade de reduzir custos, da competição global ou pela implementação de novas leis e regulamentações. Saber somente tecnologia já não é o suficiente, é preciso conhecer o negócio, entender suas reais necessidades, oportunidades, problemas, requisitos e partes interessadas. Você conhece o negócio ? Está preparado para entregar soluções que agregam valor ? Neste curso apresentaremos como Analista de Negócio pode utilizar as técnicas e práticas de Análise de Negócio, para desenvolver soluções que ajudam a organização atingir suas metas e objetivos. No primeiro módulo será explanado os fundamentos da Análise de Negócio, no segundo será apresentado e discutido a Visão de Negócio que é necessária para fazer a entrega de valor.
  • 10. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Conteúdo 10 21 Fundamentos da Análise de Negócio Visão de Negócio Dividimos o conteúdo em três partes: - Primeira: Apresenta os Fundamentos da Análise de Negócio - Segunda: Explana e discute a Visão de Negócio que o Analista de deve ter. - Terceira: Demonstra como aplicar as práticas e técnicas de Análise de Negócio 3 Práticas de Análise de Negócio Fundamentos Ferramentas Técnicas Estudos de Casos e Exemplos Conhecimento Análise Comunicação e Interação Ícones utilizados neste Guia e seus significados:
  • 11. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 11 Conteúdo: - Papel do Analista de Negócios nas empresas - Perfil do Analista de Negócio - O Guia BABok® 3.0 - Definição de Análise de Negócio - Quem é o Analista de Negócio - Áreas de Conhecimento - Técnicas de Análise de Negócio - Requisitos - Partes Interessadas - Ciclo de Requisitos e Design - Perspectivas - Competências do Analista de Negócio No final deste módulo, você deve: - Entender porque as empresas precisam de um profissional focado na solução de problemas - Conhecer o Guia BABok 3.0 - Saber quais são as áreas de conhecimento e técnicas de análise de negócio - Quais são as competências do Analista de Negócio - Saber como Analista de Negócio pode contribuir para geração de valor 1º. Módulo Fundamentos da Análise de Negócio: Analista de Negócio 3.0 Formação 1 Fundamentos da Análise de Negócio Fundamentos Conhecimento
  • 12. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 12 Parte 1 Como o Analista de Negócio pode atuar nas organizações Papel do Analista de Negócios nas Organizações
  • 13. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 13 Integração das Áreas de Negócio Na maioria das empresas podemos encontrar áreas de negócio trabalhando isoladas, como se fossem empresas independentes, isto é conhecido como silos empresariais. Estes silos provocam entropia[1] (medida da variação ou desordem em um sistema),cada área de negócio defende seus interesses, definindo seus próprios objetivos e prioridades. Geralmente silos empresariais e disputas internas de poder provocam destruição de valor. Em algumas empresas existem um “verdadeiro cabo de guerra” entre as áreas de negócio e área de tecnologia da informação para demonstrar quem manda e quem obedece... Qual profissional trabalha para integrar e criar sinergia entre as áreas? Papel do Analista de Negócios nas Organizações: Tecnologia da InformaçãoÁreas de Negócio [1] (Física) medida atrelada à quantidade de energia interna não-utilizável ou perdida dadas as transformações ocorridas no sistema no que concerne à viabilidade de produzir trabalho. A parcela da energia interna de um sistema não disponível para produzir trabalho é dada pelo produto da entropia pela temperatura absoluta do sistema (pelo produto T.S).
  • 14. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 14 Gerenciamento das “Demandas de Negócio” Como melhorar a capacidade para atender as demandas de negócio? Quem é responsável por equilibrar as DEMANDAS de Negócio e a CAPACIDADE de entrega das áreas ? Como reduzir o “gap” da capacidade da TI ? Backlog Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
  • 15. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 15 Gerenciamento do Ciclo de Vida dos Requisitos Segundo Peter Drucker: "60% dos problemas das empresas resultam de falhas na comunicação“ Papel do Analista de Negócios nas Organizações: Problemas com entendimento dos requisitos, estão ligados na maioria das vezes com uma comunicação “precária” e falha. A comunicação é essencial para entrega de valor. Não importa quão bem uma solução seja feita, se ela não atender as necessidades de negócio dificilmente ela gerará valor. - Quem trabalhar para melhorar eficiência da comunicação?
  • 16. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 16 Demonstrando ROI (Retorno sobre Investimentos) A maioria da organizações têm diversos projetos no seu portfólio, mas, dificilmente elas conseguem dizer com precisão quais projetos são viáveis e quais vão gerar valor agregado “real” para o negócio. Papel do Analista de Negócios nas Organizações: Quem é responsável por fazer as análises de viabilidade dos projetos?
  • 17. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Representando os Clientes 17 Todas as organizações tem clientes, eles podem ser internos ou externos. Os clientes geram demandas de negócio, tais como: - Um novo sistema - Uma nova funcionalidade em um sistema que já existe - Mudanças, devido a uma nova regulamentação - Solicitação de correções de defeitos e falhas que surgem nos sistemas. Um representante do cliente, é aquele profissional que vai “brigar” internamente para que a demanda do cliente seja entregue na data combinada, com custo certo e com a qualidade esperada. Não estamos falando do Gerente de Projeto, profissional que é responsável pela execução do projeto. Estamos falando do profissional que está próximo e escuta o cliente. É aquele que conhece o negócio do cliente, sabe das necessidades, dos problemas e das oportunidades. Papel do Analista de Negócios nas Organizações: - Quem representa o cliente ? - Quem é a voz do cliente ? - Quem é responsável por gerar valor agregado ao cliente ?
  • 18. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Desenvolvendo Solução de Negócio (Business Development Solutions - BDS) 18 Para ser competitiva e fugir dos “commodities” as empresas tem que buscar novas soluções de negócio que atraia novos e retenha clientes, mas que tenham uma boa rentabilidade. Para desenvolver boas soluções de negócio o Analista de Negócio deve primeiro conhecer bem o negócio da empresa e utilizar a práticas de Análise de Negócio como a principal ferramenta para gerar resultado, gerar valor. - Entender o negócio principal da organização - Conhecer as partes interessadas (internas e externas) - Saber quem são os clientes (conhecer as necessidades, preocupações e expectativas) - Trabalhar com orientação a resultados - Trabalhar em equipe e de forma colaborativa - Utilizar boas práticas e técnicas de Análise de Negócio Quem é responsável pelo desenvolvimento de novas soluções de negócio? Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
  • 19. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br O Analista de Negócio é um profissional que tem Conhecimento do Negócio e Competências suficientes para entrega valor e ajudar o negócio atingir metas e objetos. Integração – Facilitando a integração entre as áreas de negócio e TI. Promover a sinergia entre as áreas de negócio e TI Comunicação - Aprimorando a comunicação entre as áreas de negócio e TI: - Ajudando as partes interessadas a externar suas reais necessidades Demanda – Melhorando a capacidade de TI de atender as demandas de negócio no prazo certo (requerido pelo negócio), custo certo e com qualidade esperada. Clientes – Ser voz do cliente, ser o representante do cliente. É dar foco nas demandas do cliente, é agregar valor ao cliente. Projetos – Fazendo Análise de Viabilidade para saber quais projetos TI agregam valor ao negócio. Solução de Negócio - Desenvolvendo solução de negócio para vantagem competitiva e valor para o negócio. BABok®, Um Guia de Referência 19 Analista de Negócio Papel do Analista de Negócios nas Organizações:
  • 20. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Qual é o perfil e área de atuação do Analista de Negócio ? Parte 2 20 Perfil do Analista de Negócio Função Papel Negócio TI TipoAtuação
  • 21. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br - Analista de Negócio de Tecnologia da Informação trabalha no contexto da TI, ele atua com as demandas de TI, projetos de TI, é um facilitador do relacionamento entre TI e negócio e etc, 21 Perfis do Analista de Negócio Segundo Howard Podeswa (autor do livro UML for IT Business Analyst) existem dois perfis de Analista de Negócio: Existem dois tipos de perfis de Analista de Negócio: - Analista de Negócio que trabalha no contexto de negócio. Ele trabalha com as demandas de negócio e está envolvido com projetos de melhoria de processos, redução de custos, conformidade, mitigação de risco, novos produtos e etc Exemplo de Analisa de Negócio para atuar no negócio: A posição de analista de negócios tem como principal responsabilidade a prospecção e análise de empresas de alto potencial de crescimento, impacto social e alinhadas com o perfil de investimento da Empresa. Exemplo de Analisa de Negócio para atuar no negócio: Ser o representante da área de negócio dentro de TI para garantir que todas as necessidades do cliente sejam atendidas. Assegurar comunicação entre sistemas e negócio par que o cliente tenha toda a informação necessária dos seus respectivos projetos.
  • 22. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br TI Solução: - TI 22 Perfil e Atuação do Analista de Negócio Função Trabalha 100% do tempo com Análise de Negócio e afins Papel Trabalha de forma pontual ou parcial com Análise de Negócio e afins Negócio Soluções: - TI - Processos - Pessoas - Organização PerfilAtuação O Perfil do Analista de Negócio: Cargo ou Papel
  • 23. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br O Perfil do Analista de Negócio: Cargo ou Papel 23 Cargo Papel Profissional que atua 100% do tempo com Análise de Negócio. Análise de Negócio Profissional que atua em parte do tempo ou de forma pontual, geralmente em projetos ou em demandas que exigem práticas de Análise de Negócio. São Donos do Produto (PO), Scrum Masters, Desenvolvedores, Gerentes de Produto, Analistas de Sistemas, Analistas de Requisitos, Analistas de Testes, Arquitetos de Software e etc que eventualmente desempenham o papel de Analista de Negócio. Eles podem atuar em uma área em especifico, como vendas, ou em toda a organização. Algumas empresas ainda não sabem como incluir o Analista de Negócio dentro da empresas. Existem dois caminhos para fazer a inclusão ou adoção do Analista de Negócio: - O primeiro caminho: É contratar ou promover uma pessoa para ocupar cargo de Analista de Negócio, o cargo deve ser registrado, pois existe CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) para o Analista de Negócio. - Segunda caminho: A empresa pode optar por adotar o papel de Analista de Negócio, neste caso qualquer profissional com conhecimento em Análise de Negócio e competências necessárias poderá desempenhar o papel. Não existem o melhor caminho ou caminho certo, cada empresa tem que avaliar sua necessidade e tomar a decisão. Muitas empresas começam com o papel de Analista de Negócio e ao longo do tempo e com a maturidade e experiência acabam adotando o cargo de Analista de Negócio.
  • 24. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 24 Parte 3 Visão Geral do Guia BABOK 3.0
  • 25. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 25 Esta parte apresenta um resumo do Guia BABOK versão 3. Como já escrevemos e aqui reforçamos, “O BABOK é a melhor referência de boas práticas de Análise de Negócio, é uma ferramenta fundamental para o Analista de Negócio.” Conhecer o conteúdo do Guia é essencial para desenvolvimento do trabalho de análise de negócio. Neste parte é apresentado uma visão geral do guia, contendo definição de análise de negócio e de analista de negócio, áreas de conhecimento; técnicas de análise de negócio; competências fundamentais e etc. Ainda é mostrado as novidades da versão 3, como framework BACCM (Business Analysis Core Concept Model), Requisitos & Design e Perspectivas (Ágil, Gestão de Processo de Negócio, Inteligência de Negócio e Arquitetura de Negócio) . Guia BABOK v3: Advertência: O Guia BABok® não deve ser interpretado como uma imposição de que todas as práticas descritas na publicação devam ser seguidas em todas as circunstancias. Ele não deve ser seguido no estilo “by the book”. Qualquer conjunto de práticas pode ser adaptado para condições especificas para melhor atender as necessidades de negócio de uma organização. O que é Guia BABOK® 3 ? Guia BABOK® 3 é Corpo de Conhecimento de Análise de Negócio, ele é mantido IIBA (Instituto Internacional de Análise) é considerado um padrão internacional reconhecido de prática para análise de negócios. Ele incorpora a conhecimento coletivo e a experiência de especialistas na área de todo o mundo. O objetivo principal do Guia BABOK® é definir a profissão de Analista de Negócio e fornecer um conjunto de práticas comumente aceitas. Ele ajuda os profissionais a definir as competências necessárias para desempenhar com efetividade o trabalho de análise de negócio. Guia BABOK® 3
  • 26. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Definição de Análise de Negócio segundo o Guia BABOK 3.0: "A prática de viabilizar mudanças em organizações através da definição de necessidades e recomendação de soluções que entregam valor para às partes interessadas.“ Análise de Negócio permite que uma empresa possa articular as necessidades e as razões para a mudança, e para “projetar” e descrever as soluções que podem entregar valor. Análise de negócios é realizado em uma variedade de iniciativas dentro de uma empresa. As iniciativas podem ser estratégicas, táticas ou operacionais. Análise pode ser realizada em um projeto ou ao longo da evolução da empresa em ciclo de melhoria contínua. Ela pode ser utilizada para compreender o cenário atual, a definir o cenário futuro, e para determinar as atividades necessárias para alcançar o cenário futuro. Análise de Negócio pode ser realizada a partir de um diversificado leque de perspectivas. O Guia BABOK® descreve várias dessas perspectivas: Ágil, Inteligência Negócio (BI), Tecnologia da Informação, Arquitetura de Negócios, e de Gestão de Processos de Negócios. Uma perspectiva pode ser pensado como uma lente, através do qual o praticante de análise de negócios vê suas atividades de trabalho com base no contexto corrente. Uma ou muitas perspectivas podem ser aplicados a uma iniciativa, e as perspectivas delineado no guia não representam todos os contextos de análise negócio ou o conjunto completo de disciplinas de análise de negócios. Definição de Análise de Negócio 26
  • 27. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Definição de Analista de Negócio segundo BABOK 3: “Um analista de negócios é qualquer pessoa que executa as tarefas de análise de negócios descrita no Guia BABOK®, não importa o seu cargo ou função organizacional. “ Veja a lista de alguns cargos, que geralmente fazem análise de negócio: • Arquiteto de Negócios, • Arquiteto de Soluções, • Consultor de Gestão, • Analista de Processos, • Gerente de Produto, • Gerente de Projetos, • Dono do Produto (PO), • Analista de Requisitos e • Analista de Sistemas. Definição de Analista de Negócio Analista de Negócio Analista de Sistemas Analista / Engenheiro de Requistos Arquiteto de Soluções Dono do Produto Gerente de Produto Analista de Processo Consultor de Gestão 27
  • 28. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Os analistas são responsáveis pela descoberta, síntese e análise de informações a partir de uma variedade de fontes dentro de uma empresa, incluindo ferramentas, processos, documentação e partes interessadas. Os Analistas de Negócio são ainda responsáveis por elicitar (identificar) as necessidades reais das partes interessadas que frequentemente envolve a investigar e esclarecer os seus expectativas, preocupações e desejos expressados, a fim de determinar as causas para desenvolver soluções que entregam valor para as partes interessadas. Analista de Negócio é responsável por fazer o alinhamento entre design das soluções as necessidades das partes interessadas. As atividades que analistas de negócios executam incluem: • Compreender problemas da empresa e metas, • Analisar necessidades e soluções, • Elaborar de estratégias, • Desenvolver soluções, • Impulsionar a mudança e • Facilitar a colaboração das partes interessadas. Responsabilidades do Analista de Negócio Analista de Negócio 28
  • 29. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 29 Áreas de Conhecimento Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio Análise de Requisitos e Definição de Design Elicitação e Colaboração Avaliação da Solução Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos Competências Fundamentais Análise da Estratégia Áreas representam conhecimento que a análise do negócio necessita para entregar valor as partes interessadas. Na versão atual do guia, existem seis áreas de conhecimento, conforme o quadro abaixo: Áreas de Conhecimento Figura abaixo demonstra as áreas de conhecimento e seus relacionamentos: Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos Análise da Estratégia Análise de Requisitos e Definição de Design Avaliação da Solução Elicitação e Colaboração Competências Fundamentais
  • 30. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 30 A área Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio organiza tarefa e coordena esforços do Analista de Negócio e das partes interessadas. Essas tarefas produzem saídas que são usadas como um guia para outras tarefas. A área de conhecimento Elicitação e Colaboração descrevem as tarefas que Analista de Negócio faz para obter informações das partes interessadas e confirmar resultados. Ela também descreve a comunicação com as partes interessadas e com análise de negócio é montada. A área Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos descrevem as tarefas que Analista de Negócio executa para gerenciar, manter os requisitos e informações do inicio ao fim do projeto (solução). Estas tarefas descrevem o estabelecimento de relacionamentos entre requisitos e design, avaliação das alterações dos requisitos e designs, quando as mudanças são propostas, análise e busca por um entendimento comum sobre as mudanças. A área de conhecimento Análise da Estratégia descreve como deve trabalhar o análise de negócio, o que deve ser feito para colaborar com partes interessadas para identificar a necessidade e sua importância estratégia ou tática (necessidade de negócio), habilita a organização para dar resolução a essa necessidade, e alinha resultando da mudança nos níveis superiores e inferiores das estratégias. A área de Análise de Requisitos e Definição de Design descreve quais tarefas que Analista de Negócio faz para estruturar e organizar os requisitos que formam descobertos durante as atividades de elicitação, especifica e modelo de requisitos e design, faz validação e verificação da informação, identifica alternativa de soluções para responder as necessidades de negócio e estima o valor que será entregue por cada solução. Esta área de conhecimento abrange as atividades interativas e incrementais que vão desde o conceito inicial até a exploração da necessidade através da transformação dessas necessidades em uma solução recomendada. A área de conhecimento Avaliação da Solução descrevem as tarefas que Analista de Negócio faz para avaliar o valor entregue por uma solução em uso pela organização, e para recomendar a remoção de barreiras ou restrições que impede a entrega integral de valor. Descrição das Áreas de Conhecimento
  • 31. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 31 Termos Chaves Informação de Análise de Negócio: Informações de análise de negócios refere-se aos conjuntos amplo e diversificado de informações que os analistas de negócios precisam para analisar, transformar e gerar relatórios. É informação de qualquer tipo em qualquer nível de pormenor em que é usado como uma entrada ou saída do trabalho de análise de negócios. Exemplos de informações de análise de negócios incluem resultados de elicitação, requisitos, projetos, opções de solução, escopo da solução, e estratégia de mudança recursos necessários e as partes interessadas envolvidas. Design: Um projeto é uma representação útil de uma solução. Desenho foca em compreender como valor pode ser realizada por uma solução se for construído. A natureza da representação pode ser um documento (ou conjunto de documentos) e pode variar amplamente, dependendo das circunstâncias. Risco: O risco é o efeito da incerteza sobre o valor de uma mudança, uma solução, ou a empresa. Os analistas de negócios colaboraram com outras partes interessadas para identificar, avaliar e priorizar os riscos, e para lidar com esses riscos, alterando a probabilidade e as condições ou eventos que levam à incerteza: mitigar as consequências, a remoção da fonte do risco, evitando o risco por completo não tomar a decisão de iniciar ou continuar com uma atividade que leva ao risco, compartilhando o risco com outros partes, ou aceitar ou até mesmo aumentando o risco de lidar com um oportunidade. Organização: Um grupo autônomo de pessoas sob a gestão de um único indivíduo ou comitê (ou diretoria), que trabalha com metas e objetivos comuns. As organizações geralmente tem um limite bem definido e opera em uma base contínua, oposto a equipe de projeto, o que pode ser dissolvida uma vez que seus objetivos são alçados.
  • 32. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 32 Termos Chaves Empresa: Uma empresa é um sistema de uma ou mais organizações e as soluções que eles usam para perseguir um conjunto compartilhado de objetivos comuns. Estas soluções (também referido como capacidades organizacionais) podem ser processos, ferramentas ou informações. Para o efeitos de análise de negócios, dos limites da empresa pode ser definido em relação ao mudar e não precisa ser constrangido pelos limites de uma entidade legal, organização ou unidade organizacional. Uma empresa pode incluir qualquer número de negócio, o governo, ou qualquer outro tipo de organização. Plano: Um plano é uma proposta para fazer ou alcançar alguma coisa. Planos descrevem um conjunto de eventos, as dependências entre os eventos, a sequência esperada, o programação, os resultados ou desfechos, os materiais e recursos necessários e as partes interessadas envolvidas. Requisito: Um requisito é uma representação útil de uma necessidade. Requisitos focam em compreender que tipo de valor pode ser entregue se um requisito é cumprido. A natureza da representação pode ser um documento (ou conjunto de documentos), mas pode variar amplamente, dependendo das circunstâncias.
  • 33. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 33 Técnicas de Análise de Negócio Técnicas facilitam a execução das tarefas de análise de negócio. São 50 técnicas, veja a lista abaixo: Critério de Aceite e Avaliação Gerenciamento de Backlog Balanced Scorecard (BSC) Benchmarking e Análise de Mercado Brainstorming Análise de Capacidade de Negócio Caso de Negócio (Business Cases) Business Model Canvas (BMC) Análise de Regras de Negócio Jogos Colaborativos Modelagem Conceitual Dicionários de Dados Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Mineração de Dados (Data Mining) Modelagem de Dados Análise de Decisão Modelagem de Decisão (Decision Modelling) Análise de Documentos Estimativa Análise Financeira Grupos de Focais Decomposição Funcional Glossário Análise de Interface Entrevistas Item Tracking (Controle de Item) Lições Aprendidas Métricas e Indicadores de Desempenho (KPIs) Mapa Mental Análise de Requisitos não funcionais Observação Modelagem Organizacional Priorização Análise de Processos Modelagem de Processos Prototipagem Revisão Gerenciamento e Análise de Risco Matriz de Papéis e Responsabilidade (RACI) Análise de Causa Raiz Modelagem de Escopo Diagrama de Sequência Lista de Parte Interessadas , Mapa ou Personas Modelagem de estado Questionário ou Pesquisa (survey) Análise SWOT Caso de Uso e Cenários Histórias do Usuário (User Stories) Avaliação de Fornecedores Workshops * Em negritos são as novas técnicas que foram adicionadas.
  • 34. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Requisitos das Partes Interessadas 34 Requisitos Definição de requisitos: "Um requisito é uma representação útil de uma necessidade. Requisitos focam em compreender que tipo de valor pôde ser entregue se um requisito é satisfeito. A natureza da representação pode ser um documento (ou conjunto de documentos), mas pode variar muito, dependendo das circunstâncias". Esquema de classificação de requisitos: - Requisitos de Negócio - Requisitos das Partes Interessadas - Requisitos da Solução: - Requisitos Funcionais e Requisitos Não Funcionais ou Requisitos de Qualidade de Serviço - Requisitos de Transição Requisitos de Negócio Requisitos da Solução Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Requisitos de Transição Objetivo e/ou meta de negócio Necessidades, Expectativas, Preocupações e Desejos Ações para operacionalizar a solução Funcionalidades, qualidades e restrições... Analista deve conhecer e entender o negócio Analista deve entender e atender as pessoas Analista deve conhecer e entender a operação Analista deve saber como construir soluções de negócio Requisitos O quê?Conhecimento
  • 35. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 35 Requisitos Descrição dos requisitos: - Requisitos de Negócio: Declarações de metas, objetivos e resultados que descreve por que uma mudança foi iniciada. Eles podem ser aplicados a toda a empresa, uma área de negócios ou uma iniciativa específica. - Requisitos das Partes Interessadas: Descreve as necessidades das partes interessadas que devem ser cumpridas a fim de alcançar os requisitos de negócio. Eles podem servir como uma ponte entre requisitos de negócios e requisitos da solução. - Requisitos da Solução: Descreve as capacidades e qualidades de uma solução que atende aos requisitos das partes interessados. Eles fornecem o nível adequado de detalhe para permitir o desenvolvimento e implementação a solução. Requisitos de solução podem ser divididos em duas subcategorias: - Requisitos Funcionais: Descreve as capacidades que uma solução deve ter, em termos de comportamento e a informação de que a solução de irá gerenciar e - Requisitos Não Funcionais ou Requisitos de Qualidade de Serviço: Diretamente não se relacionam com o comportamento da funcionalidade da solução, mas sim descreve as condições em que uma solução deve ter para permanecer eficaz ou com qualidades que uma solução deve ter. - Requisitos da Transição: Descreve as capacidades que uma solução deve ter e as condições para facilitar a transição do estado atual para o estado futuro, mas que não são necessárias para uma mudança é completa. Eles são diferenciados dos outros tipos de requisitos porque eles são de natureza temporária. Requisitos de Transição endereçam tópicos como conversão de dados, treinamento ,continuidade de negócio e etc.
  • 36. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Segundo guia BABOK: “Partes interessadas é um grupo ou indivíduo com uma relação com a mudança, a necessidade, ou a solução.” Cada tarefa inclui uma lista de interessados ​​que são susceptíveis de participar na execução dessa tarefa ou que serão afetados por ela. Uma parte interessada é um indivíduo ou grupo que um analista de negócios é susceptível de interagir de forma direta ou indiretamente. Guia BABOK® não define que esses papéis sejam preenchidos por qualquer iniciativa. Qualquer das partes interessadas pode ser uma fonte de requisitos, pressupostos ou restrições. Esta lista não pretende ser uma lista exaustiva de todas as partes interessadas possíveis classificações. Alguns exemplos de pessoas que se encaixam em cada uma delas papéis genéricos estão listados abaixo. Na maior parte dos casos, haverá múltiplos papéis das partes interessadas encontrado dentro de cada categoria. Da mesma forma, um única indivíduo pode representar mais que papel. Para efeitos do Guia BABOK®, a lista genérica de interessados ​​inclui as seguintes funções: • Analista de Negócios, • Cliente, • Especialista em Negócio (ou Especialista em Domínio de Negócio) • Usuário final, • Implementadores, • Suporte Operacional, • Gerente de Projeto, • Regulador, • Patrocinador, • Fornecedor, e • Testador. 36 Partes Interessadas
  • 37. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 37 Requisitos e Design Requisitos de Negócio Requisitos das Partes Interessadas Requisitos da Solução Requisitos da Transição Quais são as condições para colocar a solução em operação? Quais são as expectativas, necessidades, preocupações e desejos? Quais são as funcionalidades? Quais são critérios de qualidade? Quais são as metas e objetivos de negócio ? Ciclo contínuo enquanto houver requisitos Ciclo de Requisitos e Design:
  • 38. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 38 Requisitos e Design Elicitando, analisando, validando e gerenciando requisitos são reconhecidas como principais atividades de Análise de Negócios. No entanto, é importante reconhecer que o Analistas Negócio também são responsáveis pela definição de design, em algum nível, numa iniciativa. O nível de responsabilidade para o projeto varia de acordo com a perspectiva dentro da qual um analista de negócios está trabalhando. Requisitos estão focados na necessidade; modelos estão focados na solução. O distinção entre requisitos e design nem sempre é clara. As mesmas técnicas são utilizadas para eliciar, modelar, e analisar ambos. Um requisito conduz a uma design que por sua vez pode conduzir a descoberta e análise de mais requisitos. A mudança de foco é muitas vezes sutil. A classificação como um requisito ou um design pode se tornar menos significativo como o analista de negócios trabalha para progredir para uma maior compreensão e eventual cumprimento da necessidade. As tarefas no guia como acompanhamento de requisitos (Trace Requirements) ou Especificar e Modelo de Requisitos pode referir-se requisitos, mas a intenção é incluir design também. Ciclo de Requisitos e Design “Design somente acaba quando todos os requisitos foram trabalhados”
  • 39. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 39 BACCM (Business Analysis Core Concept Model) O BACCM (Business Analysis Core Concept Model) é um framework conceitual para o analista de negócio aplicar as práticas de análise de negócio. O BACCM facilita a aplicação das práticas de análise de negócio.
  • 40. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br - Mudanças (Changes) : Ação de transformar em resposta uma necessidade. - Necessidades (Needs): Um problema ou uma oportunidade. - Soluções (Solutions): Produto ou Serviço que satisfaz as necessidades das partes interessadas em um contexto. - Partes interessadas (Stakeholders): Um grupo ou indivíduo que estão envolvidos diretamente ou indiretamente com a necessidade, mudança ou solução. - Valor (Value): Valor percebido, representa aquilo que a solução deverá entregar para as partes interessadas dentro de um contexto. - Contextos (Contexts): Ambiente onde acontece a mudança. 40 BACCM (Business Analysis Core Concept Model) O BACCM (Business Analysis Core Concept Model) continuação: O BACCM engloba o que é e análise de negócio, o que significa para aqueles que executam tarefas de análise de negócios, independentemente da perspectiva, segmento de mercado, metodologia ou nível na organização. Os seis principais conceitos no BACCM são: Mudança, Necessidade, Solução, Partes Interessadas, Valor e Contexto. Cada conceito é uma ideia fundamental para a prática da análise de negócios, e todos os conceitos são iguais e necessários. Cada conceito é definido por outros cinco conceitos . Os conceitos tem os mesmo níveis de importância e significado. Estes conceitos são fundamentais para compreender o tipo de informações solicitadas, analisadas ou geridas das tarefas de análise de negócio. O BACCM pode ser usado para: • Descrever a profissão e domínio de análise de negócios, • Comunicar sobre análise de negócio com uma terminologia comum, • Avaliar as relações de conceitos-chaves em análise de negócio, • Realizar uma melhor análise do negócio de forma holística por avaliar as relações entre os seis conceitos e • Avaliar o impacto desses conceitos e relações em qualquer ponto durante um esforço de trabalho, a fim de estabelecer tanto uma fundação e um caminho para a frente. Principais conceitos do BACCM:
  • 41. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 41 Perspectivas Perspectivas descrevem disciplinas especializadas dentro da prática de análise de negócio. Uma perspectiva é conjunto de comportamentos, terminologia e atitudes. Elas são usadas pelo Analista de Negócio dentro suas atividades de análise de negócio. Perspectivas* Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP) Inteligência de Negócio (BI) Tecnologia da Informação (TI) Arquitetura de Negócio Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) *Lista não exaustiva.
  • 42. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 42 Perspectivas Perspectivas descrevem disciplinas especializadas dentro da prática de análise de negócio. Uma perspectiva é conjunto de comportamentos, terminologia e atitudes. Elas são usadas pelo Analista de Negócio dentro suas atividades de análise de negócio. Perspectivas ainda descrevem várias visões de análise de negócio, elas ajudam o Analista de Negócio a trabalhar com vários pontos de vistas para melhor fazer as tarefas de análise de negócio. O guia têm cinco perspectivas: - Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP) - Inteligência de Negócio (BI) - Tecnologia da Informação (TI) - Arquitetura de Negócio - Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) Estas perspectivas não tem intenção de representar todas as perspectivas possíveis de que análise de negócios é praticada. As perspectivas discutidas no BABOK representam algumas das visões mais comuns de análise de negócios. As perspectivas não são mutuamente exclusivas, na medida em que pode empregar mais de uma perspectiva. Qualquer iniciativa inclui um, vários ou todos esses pontos de vista. Por exemplo, uma iniciativa pode ter um componente de tecnologia (Perspectiva de Tecnologia da Informação), o componente de tecnologia pode significar mudanças de processos de negócio (Perspectiva de Gerenciamento de Processos de Negócio), a iniciativa pode decidir fazer parte, ou todo o trabalho com uma abordagem ágil (Perspectiva de Ágil). Outra iniciativa pode mesclar duas organizações e precisa de olhar para as capacidades de negócio e como os impactos de transformação desses recursos (Perspectiva de Arquitetura de Negócios), e os gestores de negócio necessitam de informações atualizadas para análise e tomada de decisão (Perspectiva de Inteligência de Negócio). Iniciativa que tratam de problemas complexos ou grande pode empregar todas as perspectivas.
  • 43. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 43 Competências do Analista de Negócio: Quais são as competências de um Analista de Negócio ? Conhecimento Habilidades Atitudes Competências do Analista de Negócio Parte 4
  • 44. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 44 Competências Fundamentais do Analista de Negócio: Fornece uma descrição das características, habilidades, comportamentos, conhecimentos e qualidades pessoais para dar suporte as práticas de análise de negócio. No BABOK 3 as competências do Analista de Negócio é uma Área de Conhecimento chamada: “Competências Fundamentais”. Lista de Competências Fundamentais do Analista de Negócio: Capacidade Analítica e Solução de Problemas Pensamento Criativo Tomada de Decisão Aprendizado Pensamento Analítico (solução de Problema) Pensamento Sistêmico Características Comportamentais Ética Organização e Gerenciamento do Tempo Confiabilidade Conhecimento do Negócio Visão de Negócio Conhecimento (do Segmento) de Mercado Conhecimento da Organização Conhecimento da Solução Habilidades de Comunicação Comunicação Verbal Saber escutar Habilidades de Interação Facilitação Liderança e Influência Trabalhar em Equipe Ferramentas e Tecnologia Ferramenta de Produtividade de Escritório Ferramenta de Análise de Negócio e Tecnologia Ferramenta de Comunicação e Tecnologia Negociação e Resolução de Conflitos Saber Ensinar Comunicação Não Verbal Conhecimento de Metodologia Responsabilidade pessoal (Personal Accountability) Adaptabilidade Pensamento Visual Pensamento Conceitual Comunicação Escrita Áreas de Conhecimento: Competências do Analista de Negócio
  • 45. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 45 Saber se comunicar com facilidade Habilidade de Interação Humana Saber solucionar problemas Conhecer o negócio Comunicação Pensamento analítico e Capacidade para resolver problemas Negócio As 4 Principais Competências do Analista de Negócio: Liderança Empatia
  • 46. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Ganhos da Análise de Negócio: 46 Melhoria do entendimento do negócio Conhecimento das necessidades, problemas e oportunidades de negócio Priorização das demandas de negócio Conhecimento e definição de requisitos de negócio Demonstração da viabilidade financeira das soluções Aumento do nível de satisfação dos clientes Entregar valor para o negócio
  • 47. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 47 Conteúdo: - Visões de negócio - Visão da Estratégia - Visão Holística - Planejamento Estratégico - Posicionamento de mercado - Cadeia de Valor - Arquitetura Corporativa - BPM (Gestão de Processos de Negócio) - Visão de Tecnologia No final deste módulo, você deve: - Saber como identificar a visão de negócio - Ter uma visão geral do planejamento estratégico - Saber o que é a Cadeia de Valor - Conhecer a Arquitetura Corporativa - Entender visão de tecnologia da informação 2º. Módulo Visões de Negócio Analista de Negócio 3.0 Formação 2 Visão de Negócio Fundamentos Conhecimento
  • 48. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Visão de Negócio Parte 1 48 Para entregar valor o Analista deve conhecer o negócio da organização
  • 49. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Quais são Visões de Negócio ? Para entregar valor o Analista deve conhecer: - Visão da Estratégia - Visão da Operação - Visão da Tecnologia (Valor da tecnologia) 49
  • 50. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Organização Social Governo Força de trabalho Fornecedores Clientes Concorrência Visão Interna Visão Externa Visão Holística Econômico Visão do Analista de Negócio Para conhecer o negócio, é preciso ter uma Visão Holística da Organização Visão interna Visão externa Ambiente Geral Ambiente Operacional Oportunidades e ameaças Pontos fortes e Pontos fracos 50
  • 51. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Visão da Estratégia: Rod Map para implementação do Planejamento Estratégico: Balanced Scorecard (BSC) é uma ferramenta de planejamento estratégico, que ajuda definir a visão, missão, valores, objetivos e metas de uma organização. Análise do ambiente competitivo Análise dos pontos fortes Análise da Concorrência Análise das oportunidades Análise das ameaças Definição da Estratégia Visão Valores Missão Posicionamento da empresa Planos Táticos Planos Operacionais Projetos Estratégicos Processos de Negócio Estratégia da empresa Execução da Estratégia Análise dos pontos fracos Ambiente externo 51 Ambiente interno 1 2 3 4
  • 52. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 52 A Análise SWOT é uma ferramenta analítica (ou técnica) utilizada para fazer análise de cenário, sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico, ela pode ser utilizada para análise de cenários simples e complexos. Análise SWOT é uma visão de alto nível, algumas vezes será necessário fazer uma avaliação mais detalhada. SWOT (Strenghts - Forças, Weaknesses - Fraquezas, Opportunities - Oportunidades e Threats - Ameaças) Análise do Ambiente Competitivo: Matriz SWOT Forças (pontos fortes) Fraquezas (pontos fracos) Oportunidades InternoExterno Ajuda Atrapalha Forças Fraquezas Oportunidades Ameaças AmbienteinternoAmbienteexterno Análise SWOT preservar melhorar aproveitar evitar Ameaças (Riscos) Visão da Estratégia: preservar Avaliar através de Business Case (Caso de Negócio) Análise de Causa Raiz Análise de Risco
  • 53. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 53 Análise do Ambiente Competitivo: Análise da Concorrência O modelo das Cinco Forças de Porter do Michael Porter destina-se à análise da concorrência entre empresas. Considera cinco fatores chaves, as "forças" competitivas, que devem ser estudados para que se possa desenvolver uma estratégia efetiva. Utilizam dessas forças em uma empresa que afeta a sua capacidade para ofertar produtos, atender seus clientes e obter lucros. Uma mudança em qualquer uma das forças geralmente requer uma nova análise para reavaliar o mercado. Visão da Estratégia:
  • 54. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 54 Posicionamento da empresa Exemplos de Posicionamento: - Posicionamento por Preço Baixo: Vender por um preço muito baixo; Para sobreviver é necessário ter volume; - Posicionamento por Conveniência: Proporcionar conveniência/comodidade para o cliente. Serviço leva e traz de oficinas de automóvel; - Posicionamento por Qualidade do Produto/Serviço: Oferecer produto/serviço com qualidade superior. Exemplo um produto tenha durabilidade; - Posicionamento por Branding (marca): Fazer que a marca represente algo para cliente (um coisa boa: uma emoção ou estilo de vida) - Posicionamento por Serviço de Valor Agregado: Oferecer serviço a mais, além do que os concorrentes estão dispostos a fazer; - Posicionamento por Experiência do Cliente: Exceder a expectativa do cliente (encantar o cliente). Posicionamento refere-se à metodologia utilizada para criar percepção de um produto, marca ou identidade de uma empresa – Jack Trout e Al Ries. De acordo com Trout e Ries: “Posicionamento não é o que faz o produto, mas o que você faz com a cabeça do público alvo”. Visão da Estratégia:
  • 55. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Governança de Negócio: Planejamento Estratégico Governança de Conformidade: GRC Governança, Risco e Conformidade Governança Corporativa é um conjunto de responsabilidades e práticas exercitadas pelo Conselho da Administração (CA) e pelo o gerenciamento executivo com o objetivo de: - Fornecer um direcionamento estratégico - Garantir que os objetivos sejam alcançados. - Estabelecer que os riscos sejam gerenciados. - Garantir que os recursos da empresa sejam usados com responsabilidade. - Conformidade: Aderência à leis, políticas, regulamentos, contratos e requisitos de auditoria. - Performance do Negócio: Melhorar o lucro, a eficiência, a efetividade, e o crescimento da organização. Governança Corporativa requer um equilíbrio entre a conformidade e a performance da organização 55 Visão da Estratégia:
  • 56. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Estratégia é executada através dos processos de negócio e projetos Estratégia Para alcançar resultado (valor) o negócio requer uma estratégia Negócio Valor Projetos Cadeia de Valor (Processos) A estratégia define a visão, missão, valores, objetivos e metas Infra-estrutura empresarial Gerenciamento de Recursos Humanos Desenvolvimento de Tecnologia Compras / Aquisição de insumos Resultados Processos de Negócio e Portfólio de Projetos Os resultados são avaliados e os desvios são corrigidos BSC é uma ferramenta de Planejamento Estratégico Ciclo de Melhoria Contínua PDCA ajuda a fazer o ciclo de melhoria contínua Portfólio de Projetos[1] Planejamento Estratégico Execução do Planejamento Monitoramento da Execução Nível Estratégico Nível Operacional Nível Tático Processos O nível tático é onde o Analista de Negócio poderá gerar valor 56 Visão da Estratégia: Nota [1] Veja apêndice C
  • 57. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 57 Por que o Analista de Negócio deve conhecer a estratégia da empresa? 1 - Para identificar quais demandas de negócio são estratégicas e definir o nível de prioridade destas demandas. 2 - Para ajudar na elaboração dos planos táticos. 3 - Para desenvolver soluções que estejam alinhadas com a estratégia da empresa. O que pode acontecer se Analista de Negócio não enxergar a estratégia ? Ele não contribuirá para alcance dos objetivos e metas da organização. Visão da Estratégia:
  • 58. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Parte 2 Arquitetura Negócio 58 Archimate® Linguagem Togaf® Processo
  • 59. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 59 Arquitetura Negócio 1.Arquitetura de negócio: Descreve os processos que o negócio usa para cumprir suas metas e objetivos. 4.Arquitetura técnica: Descreve a infraestrutura de hardware e software que suportam os aplicativos e suas interações. 3.Arquitetura de dados: Descreve como os dados são armazenados, organizados e acessados. 2.Arquitetura de aplicativo: Descreve como aplicativos específicos são programados e como interagem. Framework para Arquitetura Corporativa : TOGAF Um framework que é considerado padrão para Arquitetura Corporativa é TOGAF do Open Group (http://www.opengroup.org/togaf/). Este framework ajuda a lidar com sistemas interconectados que atendem ao negócio. Arquitetura Corporativa segue o principio de aproximar a TI do negócio através do planejamento estratégico. O TOGAF é dividido em uma arquitetura corporativa em 4 categorias: Arquitetura Corporativa (segundo o Guia BABok): Arquitetura Corporativa é uma descrição dos processos de negócio de uma organização, software e hardware, pessoas, operações e projetos, e os relacionamentos entre eles. Arquitetura do Negócio (segundo o Guia BABok ): Um subconjunto da arquitetura corporativa que define um estado atual ou futuro de uma organização, incluindo a sua estratégia, metas e objetivos, o ambiente interno, através de um processo ou visão funcional, o ambiente externo no qual o negócio opera e as partes interessadas afetadas pelas atividades da organização.
  • 60. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 60 Exemplo de como aplicar o framework no Togaf para desenhar um modelo de Arquitetura Corporativa (Arquitetura de Negócio e Arquitetura de Tecnologia): Visão da Arquitetura Corporativa
  • 61. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 61 Exemplo Genérico de Arquitetura Corporativa (Arquitetura de Negócio e Arquitetura de Tecnologia): Empresa ArquiteturadeNegócioArquiteturadeTecnologia Estratégia (BSC) Processos (Cadeia de Valor) e Portfólio de Projetos Aplicações (Sistemas) Infraestrutura de TI VisãodoAnalistadeNegócio AtuaçãodoAnalistadeNegócio Visão da Arquitetura Corporativa
  • 62. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 62 Exemplo de Arquitetura de Negócio: Togaf® e Archimate® ArchiMate ® é uma linguagem de modelagem aberta (open source) e independente para apoiar a descrição de Arquitetura Corporativa. A ArchiMate® fornece instrumentos para permitir que os arquitetos corporativos possam descrever, analisar e visualizar a arquitetura dentro e através de domínios de negócios. ArchiMate® é uma padrão técnico de The Open Group e baseia-se nos conceitos do padrão 1471 do IEEE 1471. Ela é suportada por várias ferramenta, como ARIS, Archi,EA (Enterprise Architect) da Sparx, Metis da Troux Technologies, Systems Architect da IBM, Visual Paradigm e etc. Togaf® ArchiMate®
  • 63. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 63 Exemplo de Arquitetura de Negócio: Togaf® e Archimate®
  • 64. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 64 Uma visão de valor da tecnologia da informação, faz que o Analista de Negócio tenha um foco no valor que a tecnologia pode gerar para o negócio e não nos seus aspectos técnicos. Visão de Valor da Tecnologia Visão da tecnologia sem demonstrar qual é valor gerado para o negócio Visão de valor da tecnologia O Analista de Negócio tem que saber como usar a tecnologia para gerar valor para o negócio. O Analista de Negócio deve falar a linguagem de negócio
  • 65. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Parte 3 Visão de Operações: Cadeia de Valor 65
  • 66. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Planejamento Estratégico Alinhado com os Processos Planejamento Estratégico Cadeia de Valor Processosde Negócio Processosde Suporte Objetivos e Metas Por que ? O quê ? Como ? Quando ? Quem ? 66 Estratégia é executada através dos processos de negócio Executa a estratégia
  • 67. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Hierarquia Genérica de Processos 67 Cadeia de Valor Macro Processo Macro Processo Macro Processo Processo Processo Processo AtividadeAtividade Atividade Tarefa Subprocesso Tarefa Tarefa Segundo Davenport e Hammer insistem que as empresas devem pensar nos processos em termos globais (tal como a cadeia de valor de Porter) as mudanças nos processos deve trazer melhoria para a empresa como um todo. Tarefa é menor unidade de trabalho do processo Decomposição Se a empresa já tem uma cadeia de valor definida podemos fazer decomposição dos processos a partir da Cadeia de Valor.
  • 68. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br A Cadeia de Valor, segundo Porter1, é o conjunto de atividades tecnológicas e economicamente distintas que a empresa utiliza para realizar seus negócios. Essas atividades geram valor, e agregar valor nessa cadeia de forma mais significativa que os concorrentes torna a empresa mais competitiva 1 - A cadeia de valor foi desenvolvida pelo Michael Porter, em seu livro Vantagem Competitiva Análise da Cadeia de Valor Processosde Suporte Processosde Negócio Sinônimos: Atividades Secundárias ou Atividade Meio Sinônimos: Atividade de Primária ou Atividade Fim 68 Cadeia de Valor representa o conjunto das atividades acima esquematizado que constitui aquilo que Porter chama “Cadeia de Valor”, modelo conceptual que ajuda na análise da cadeia. Ela inclui nove tipos de atividades genéricas. Cinco delas são definidas por atividades primárias e outras quatro por atividades de apoio. As atividades primárias são as que envolvem, o movimento de materiais e produtos, a produção de bens e serviços, o marketing, e as vendas e serviços pós-venda, que correspondem de algum modo às funções de gestão clássica. As atividades de secundária dão apoio as atividades primarias e são as que envolvem, neste exemplo, manutenção da infra-estrutura empresarial, gestão de recursos humanos e infra-estrutura, desenvolvimento de tecnologia e compras elas facilitam e proporcionam bases para desenvolvimento da empresa.
  • 69. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 69 Fornecedores Cadeia de Valor (Processos de Negócio) Clientes Infra-estrutura empresarial Gerenciamento de Recursos Humanos Desenvolvimento de Tecnologia Compras / Aquisição de insumos Conhecer a Cadeia de Valor Boas Práticas no Desenvolvimento da Cadeia de Valor: - A Cadeia de Valor deve abranger a cadeia produtiva (matéria-prima até produto/serviço), a cadeia de distribuição (produto/serviço até o consumidor final), bem como todos os elementos de influência direta e indireta não descritos na forma de atividade (como governo, cooperativas e instituições financeiras, entre outros). Foco no negócio: A partir da identificação dos processos de negócio da cadeia de valor, a empresa a pode focar no seu “core business” e pode terceirizar (terceirizar deve ser uma decisão da gestão) os processos que não são estratégicos para o negócio.
  • 70. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Exemplo de Check List para a construção da Cadeia de Valor de uma Pizzaria: - Qual é nossa vantagem competitiva ? (O que fazemos nos torna diferente dos nossos concorrentes?) Exemplo: Entrega de produto de qualidade de forma pontual -Como entregamos valor para o cliente ? Exemplo: Mantendo a pontualidade de entrega - Quais são as atividades primária ? (atividades envolvidos diretamente na entrega de valor ?) - Atendimento de Cliente - Preparo do Pedido (Cozinha) - Entrega de Pedido - Recebimento do pagamento do pedido - Quais são as atividades secundárias? (Atividades envolvidos indiretamente, aquelas que apóiam a entrega de valor?) - Compras de ingredientes e afins - Manutenção de equipamentos e conservação - Contabilidade - Recursos humanos (Recrutamento, Seleção e Contração) - Departamento de Pessoal - Tecnologia da Informação (Sistemas, manutenção de equipamentos de TI e suporte) 70 Pequeno Check List para a construção da Cadeia de Valor
  • 71. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Exemplo de Cadeia de Valor para uma Pizzaria: Processos de Suporte: - Compras - Contábil - Serviços de Tecnologia da Informação (TI) - Manutenção e Conservação - Serviços de Recursos Humanos Processos de Negócio: - Finanças - Atendimento ao Cliente - Preparação de Pedido (Cozinha) - Entrega de Pedido 71 Baixo valor agregado ao negócio Ação: Reduzir custo, eliminar desperdícios e etc Alto valor agregado ao negócio Ação: Melhorar processos Exemplo de Cadeia de Valor
  • 72. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Exercício: Cadeia de Valor 72 A figura abaixo demonstra uma industria Ventura, seu principais produtos são perfumes, observe os detalhes da figura e faça uma sugestão de cadeia de valor. Posicionamento da empresa: Qualidade do Produto
  • 73. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br ProcessosdeNegócioProcessosdeSuporte 73 Exercício: Cadeia de Valor Check List aplicado ao desenho da Cadeia de Valor: 1 - Identifique o negócio principal (core business) da empresa 2 - Descubra qual é posicionamento da empresa 3 - Identifique os processos de negócio 4 - Identifique os processos de suporte 5 - Desenhe a cadeia de valor
  • 74. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 74 Parte 4 Gestão de Processos de Negócio (BPM)
  • 75. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 75 Gestão de Processos de Negócio A Gestão de Processos de Negócio (BPM) é tratado como uma perspectiva no Guia BABOK, O BPM é uma perspectiva de gestão que destaca a única características de análise de negócios quando praticada no contexto do desenvolvimento ou melhoria dos processos de negócios. BPM é uma disciplina de gestão e um conjunto de permitindo tecnologias que: • Se concentra em como a organização realiza um trabalho para entregar valor ao longo várias áreas funcionais para os clientes e partes interessadas. • Aponta para uma visão de entrega de valor que se estende por toda a organização. • Vê a organização através de uma visão centrada no processo. A iniciativa BPM entrega valor através da implementação de melhorias à forma como o trabalho é realizada em uma organização. BPM determina como os processos manuais e automatizados são criados, modificados, cancelado, e governados. Organizações que possuem uma centrada em processos vista deleite BPM como um esforço contínuo e uma parte integrante da gestão em curso e funcionamento da organização Objetivo: O objetivo de BPM é para assegurar que o fornecimento de valor é otimizada através de processo finalistas (fim-a-fim). Analista deve entender e conhecer os processos: Os analistas de negócios utilizar frameworks e ferramentas para facilitar a análise e entendimento dos processos da organização Meta: A meta do BPM é melhorar o desempenho operacional (eficácia, eficiência, adaptabilidade e qualidade) e para reduzir custos e riscos. Os analistas de negócios freqüentemente consideram a transparência nos processos e operações como um núcleo comum valor das iniciativas de BPM A seguir uma apresentação da Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio (BPM)
  • 76. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 76 “Processos existem na organização, quer os percebamos ou não. Nós temos duas escolhas: ou os ignoramos e rezamos para que façam o que desejamos, ou os entendemos e gerenciamos.” (Geary Rummler) Se a escolha for entender e gerenciar os processos, o que a organização ganha ? Quando entendemos os processos sabemos exatamente aquilo o que é feito, quem faz o quê, quando é feito e como é feito, ganha-se conhecimento sobre o negócio, eficiência e eficácia. A preposição por indica o momento da ação de fato, portanto a gestão por processo endereça organização por processos e não por meio da estrutura organizacional A gestão pode ser implementada de duas formas: A Gestão por Processo de Negócio: O foco deste modelo de gestão é organizar ou orientar a empresa por processos. Estes modelo é rara ser implantado nas empresas, pois, ele requer que a organização seja orientada por processos, para que isso aconteça é preciso fazer o “tombamento” do modelo hierárquico (mudar o modelo organizacional) e reestruturar cargos e papéis funcionais, uma vez que eles devem ser organizados em torno dos processos. A Gestão de Processo de Negócio : O foco deste modelo de gestão é a melhoria contínua dos processos existentes na organização. É modelo mais usual, é mais fácil de implantar, pois ele foca em fazer melhorias nos pontos fracos, sem causar impactos significativo no modelo organizacional. A preposição de indica “relação atributiva possessiva, logo a gestão de processos é a pratica de apoderar-se deles, controlando-os para melhora- los continuamente. Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio Analista de Negócio deve conhecer os processos de negócio da empresa, mas ele deve trabalhar em colaboração com os donos dos processos e/ou equipe de processos, quando ele estiver atuando em uma iniciativa ou projeto que envolva a melhoria ou implementação de novo de processos.
  • 77. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 77 Definição: “Processo de Negócio é um conjunto de atividades relacionadas que tem o objetivo de atingir resultado”. Depois da definição de processo de negócio, apresentamos os componentes chaves, eles são cinco: Entrada, Saída, Recursos, Partes Interessadas e Regras de Negócio. A figura abaixo descreve os componentes e ações: Entrada Saída (Resultado) Regras de Negócio Recursos Partes Interessadas transformação Atividades Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio Controlar planejar Seguir Mensurar Gerenciar Processo
  • 78. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 78 Hierarquia de Processos: Os processos são organizados em uma hierarquia, ela é composta de três níveis1, o primeiro nível é o macroprocesso que representa uma agregação de processos, o segundo nível são os processos que representa uma agregação de atividades e terceiro nível são as atividades , elas podem ser classificadas em tarefas e ou subprocesso. A grosso modo podemos fazer uma comparação da hierarquia de processos com estrutura de uma árvore, onde o tronco é macroprocesso, os galhos são os processos e folhas são as atividades. Conceitos Fundamentais da Gestão de Processos de Negócio Macroprocesso Processo Atividades Atividades Processo Atividades Atividades Nota 1: Adaptado da Hierarquia segundo Harrington,1993, 1997; Davis e Weckler, 1997
  • 79. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 79 Visão Horizontal (ou transversal) dos Processos de Negócio: Rummler e Brache (1994) defendem que uma visão horizontal da organização permite ver como o trabalho é realmente feito pelos processos que cruzam as fronteiras das áreas funcionais (departamentos), mostrando como as áreas colaboram para produzir valor para os clientes – além de incluir os ingredientes que faltam aos tradicionais organogramas: o cliente, a colaboração entre as áreas funcionais, o fluxo de trabalho e o produto. Veja a figura abaixo: Conceitos Fundamentais da Gestão de Processos de Negócio
  • 80. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Existem algumas tipos de processos de negócio, entre eles estão: - Processos Primários e Processos de Suporte Rummler e Brache, declarou que um Processo de Negócio: “É uma série de passos que uma empresa executa para produzir um produto ou serviço. “Se o processo cruza as fronteiras das áreas funcionais (departamentos) e entrega um produto ou serviço para um cliente, então ele é um processo primário; caso contrário, é um processo de suporte. Esta definição fornece um bom “insight” para começar a discussão, mas podemos aprimora-la. Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio 80 Definição de Processos Primários: São processos que estão ligados intimamente ao negócio principal (core business ou atividade principal) da empresa. O objetivo destes processos é gerar resultados através da entrega de produtos e/ou serviços que agreguem valor ao cliente. Características: Fazem entrega de valor (produto ou serviço ) para o cliente, são transversais por natureza (cruzam a estrutura organizacional) oferecendo uma visão horizontal e normalmente estão associados com a estratégia da empresa. Exemplos: Do pedido à entrega do produto, Da ordem de produção a entrega de produtos, Do pedido ao caixa (Order to cash), Da internação à alta médica e etc. Sinônimos: Processo Finalístico, Processos Essenciais, Processo Ponta a Ponta ou Atividades Fim. Cliente faz pedido Gerenciamento de pedidos Planejamento da produção Fabricação de produtos Entrega do pedido Cliente recebe produto Exemplo de Processo Primário: Do pedido à entrega do produto é um processo primário e transversal que recebe o pedido do cliente, planeja, fabrica, fatura e entrega o produto para o cliente. Do pedido à entrega do produto Faturamento do pedido
  • 81. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio 81 Definição de Processos de Suporte : São processos que dão sustentação aos primários e/ou a outros processos de suporte, geralmente estão ligados a uma ou mais áreas funcionais exemplos: Recursos Humanos, Compras e etc. Características: Eles não entregam valor agregado diretamente para os clientes, estão ligados as áreas funcionais, mas geralmente são interfuncionais. Exemplos: Suporte a Serviços de TI, Gerenciamento de Recursos Humanos, Gerenciamento de Compras e etc Sinônimos de processos de suporte: Processos de Apoio, Processos Secundário ou Atividades Meio Cliente faz pedido Gerenciamento de pedidos Planejamento da produção Cliente recebe produto Exemplo de Processo Primário e Processo de Suporte: O processo de Gerenciamento de Compras dá suporte ao processo primário “Do pedido à entrega do produto”. O Planejamento da Produção, que faz parte do processo primário, dispara uma requisição de compras quando o estoque de matéria prima entre na faixa de segurança . A requisição é endereçado ao processo de Gerenciamento de Compras. Do pedido à entrega do produto Gerenciamento de compras SuportePrimário Fabricação de produtos Faturamento do pedido Entrega do pedido Outros Tipos Processos de Negócio: Além dos tipos citados, alguns livros e guias, apresentam mais um tipo, ele é chamado de Processos de Gerenciamento.
  • 82. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 82 Qual é a melhor prática para classificar os processos ? Apesar de apresentarmos os tipos de processos de negócio, não existe uma receita de bolo pronta ou um formula mágica para fazer tal tipificação, conhecer o negócio é melhor caminho para classificar os processos. Outra coisa que julgamos importante é que os tipos podem mudar de acordo com a estratégia da empresa. A Cadeia de Valor (definida pelo Michael Porter), que já apresentamos, representa a melhor forma para classificar os processos de negócio. A figura abaixo mostra um modelo genérico de cadeia de valor, ela apresenta os processos de suporte na cor azul na parte superior da figura e os processos primários na cor vermelha na parte inferior. O tema cadeia de valor será discutida mais adiante. Podemos ter somente um tipo processo dentro de empresa? Ninguém faz um filme ou uma peça teatral somente com protagonistas (personagem principal de uma narrativa, filmes, peças teatrais, musicais ou obras literárias) apesar das principais ações são realizadas por ele ou sobre ele, é imprescindível ter atores coadjuvantes para compor uma a história e um diretor para dirigir os atores. A mesma coisa acontece em uma empresa, existem os processos primários , processos de suporte e processos de gerenciamento. Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
  • 83. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 83 Exemplo de Ciclo de Vida da Gestão de Processos de Negócio: Conhecimento de Processos Modelo AS-IS (estado atual) Modelo TO-BE (estado futuro) Medição de Desempenho Resultado Análise inicio fim Visão Geral da Gestão de Processos de Negócio
  • 84. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 84 Para ir além Você gostou do conteúdo, veja outros materiais que abordam o tema Análise de Negócio: http://pt.slideshare.net/Ridlo/como-o-analista-de-neg http://pt.slideshare.net/Ridlo/reumo-do-guia-babok-3-v1 http://pt.slideshare.net/Ridlo/anlise-de-negcio-com- mtodos-geis http://pt.slideshare.net/Ridlo/business-analysis- canvas-canvas-para-anlise-de-negcio?related=1
  • 85. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 85 Conteúdo: A – Definição de Portfólio de Projetos B – Conteúdo do Guia BABOK® 3. IIBA – 215 C – ArchiMate 2.1 (linguagem visual utilizada para modelagem de arquitetura de negócio) Apêndice Apêndice Analista de Negócio 3.0 Formação
  • 86. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Apêndice A: Definição de Portfólio e Programa 86 Portfólio: Um portfólio refere-se a projetos, programas, subportfólios e operações gerenciados como um grupo para atingir objetivos estratégicos. Programa: Um programa é definido como um grupo de projetos, subprogramas e atividades de programa relacionados, gerenciados de modo coordenado visando a obtenção de benefícios que não estariam disponíveis se eles fossem gerenciados individualmente.
  • 87. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Capitulo 1 – Introdução: - Propósito do Guia BABOK - O que é Análise de Negócio - Quem é o Analista de Negócio - Estrutura do Guia Capitulo 2 - Conceitos Chaves de Análise de Negócio: - Framework BACCM - Termos chaves - Esquema de classificação de requisitos - Partes Interessadas - Requisitos e Design A partir do capítulo 3 até 9 capitulo são apresentadas e descrias as áreas de conhecimento. Capitulo 3 - Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio Capitulo 4 - Elicitação e Colaboração Capitulo 5 - Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos Capitulo 6 - Análise da Estratégia Capitulo 7 - Análise de Requisitos e Definição de Design Capitulo 8 - Avaliação da Solução Capitulo 9 - Competências Fundamentais Capítulo 10 - Descreve as Técnicas de Análise de Negócio Capítulo 11 - Descreve as Perspectivas, são abordadas as seguintes perspectivas - Ágil - Inteligência de Negócio (BI) - Tecnologia da Informação (TI) - Arquitetura de Negócio - Gestão de Processos de Negócio O guia tem 4 apêndices: - A - Glossário - B - Técnicas mapeadas para tarefas - C - Contribuições (lista das pessoas que contribuirão para desenvolvimento do guia) - D - Sumário de Mudanças entre os guias. 87 Apêndice B: Conteúdo do Guia BABOK® 3
  • 88. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 88 Apêndice C: ArchiMate
  • 89. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 89 Referências:
  • 90. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br 90 Notas: Marcas Registradas: Todos os termos mencionados que são reconhecidos como Marca Registrada e/ou comercial são de responsabilidades de seus proprietários. O autor informa não estar associada a nenhum produto e/ou fornecedor que é apresentado neste material. No decorrer deste, imagens, nomes de produtos e fabricantes podem ter sido utilizados, e desde já o autor informa que o uso é apenas ilustrativo para fins educativo, não visando ao lucro, favorecimento ou desmerecimento da marca ou produto. Melhoria e Revisão: Este material esta em processo constante de revisão e melhoria, se você encontrou algum problema ou erro envie um e-mail para nós. Criticas e Sugestões: Nós estamos abertos para receber criticas e sugestões que possam melhorar o material, por favor envie um e-mail para nós. Rildo Santos (rildo.santos@etecnologia.com.br) Imagens: Google, Flickr e Banco de Imagem.
  • 91. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Comunidade eTecnologia Venha para comunidade eTecnologia Os membros da comunidade podem participar dos eventos, treinamentos e cursos gratuitos. Comunidade: http://etecnologia.ning.com/ Para participar da comunidade basta se cadastrar: http://etecnologia.ning.com A missão da comunidade é compartilhar conhecimento, trocar experiências e prover aprendizado. 91
  • 92. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br Licença: Você tem o direito de: Compartilhar — copiar e redistribuir o material em qualquer suporte ou formato Adaptar — remixar, transformar, e criar a partir do material O licenciante não pode revogar estes direitos desde que você respeite os termos da licença. De acordo com os termos seguintes: Atribuição — Você deve atribuir o devido crédito, fornecer um link para a licença, e indicar se foram feitas alterações. Você pode fazê-lo de qualquer forma razoável, mas não de uma forma que sugira que o licenciante o apoia ou aprova o seu uso. Não Comercial — Você não pode usar o material para fins comerciais. Compartilhamento — Se você remixar, transformar, ou criar a partir do material, tem de distribuir as suas contribuições sob a mesma licença que o original. Sem restrições adicionais — Você não pode aplicar termos jurídicos ou medidas de caráter tecnológico que restrinjam legalmente outros de fazerem algo que a licença permita. Avisos: Você não tem de cumprir com os termos da licença relativamente a elementos do material que estejam no domínio público ou cuja utilização seja permitida por uma exceção ou limitação que seja aplicável. Não são dadas quaisquer garantias. A licença pode não lhe dar todas as autorizações necessárias para o uso pretendido. Por exemplo, outros direitos, tais como direitos de imagem, de privacidade ou direitos morais, podem limitar o uso do material.
  • 93. AnalistadeNegócio3.0 2015 versão 9.0 Dez | FAN Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br @rildosan | Versão: 9.0 | 2015 | #faneweb FAN Formação Analista de Negócio 3.0 Fundamentos da Análise de Negócio Rildo Santos (@rildosan) Treinamento | Consultoria | Mentoria Rildo Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br rildosan@rildosan.com www.etecnologia.com.br skype: rildo.f.santos