SlideShare uma empresa Scribd logo
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
FAN
Análise de
Negócio na
Perspectiva
de BI
Rildo Santos (@rildosan)
@rildosan | Versão: 14 | Set 2016 | #faneweb
www.etecnologia.com.br
Treinamento | Consultoria | Mentoria
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildosan@rildosan.com
Pessoas
Inovação
Tecnologia
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Evento:
2
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Palestrante:
Rildo Santos (@rildosan)
Sou consultor, estrategista, mentor, coach, facilitador, palestrante, instrutor, escritor e
empreendedor.
Sou presidente do BCI (Business Case Institute) capítulo Brazil.
www.businesscaseinstitute.org
Atua com Pessoas, Inovação, Planejamento Estratégico, Processos, Gestão, Análise de
Negócio, Liderança, Empreendedorismo, Tecnologia da Informação e Métodos Ágeis.
Sou Administrador de Empresas, Especialista em Didática do Ensino Superior e
Mestrando em Engenharia da Software pelo Mackenzie.
Tenho as certificações ITIL, instrutor Oficial certificados em Cobit e Cobit Game, CSM,
CSPO e instrutor Java.
Minha experiência em BI, vem de uma vivência em fábrica de inteligência de
negócio de uma grande operada do telecom. Trabalhos realizados em pré-venda de
serviços de DW/BI. E por fim de atuação em treinamento de Banco de Dados e
Certificação de BI da Linha Microsoft.
3
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Mentoria
Serviços da eTecnologia
Treinamento
Consultoria
Desenvolver e
capacitar pessoas
Desenvolver
habilidades
Pessoas
capacitadas
Necessidades e
Expectativas
eTecnologia oferece um conjunto de serviços com objetivo de transformar e gerar valor para
as organizações:
Resultados
e Valores
Ganhos:
Eficiência
e Eficácia
Ganho:
Efetividade
4
Transformação
de resultados
Melhoria de
Desempenho da
Empresa
Pessoas
habilitadas
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Compartilhamento de Conhecimento:
5
Acesse: www.slideshare.net/ridlo/presentations
Compartilhamento de conhecimento é parte da missão da eTecnologia:
Contribuímos para que as pessoas possam alcançar seus sonhos pessoais e profissionais.
.
Publicamos nosso conteúdo, apresentações no slideshare, faça uma visita.
* Já alcançamos
a marca de mais
de 1.000.000 de
views
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
A cada dia as organizações se tornam mais complexas, por conta de novas exigências dos
clientes, por conta de consolidação, aquisição, fusão, da necessidade de reduzir custos, da
competição global ou pela implementação de novas leis e regulamentações.
Saber somente tecnologia já não é o suficiente, é preciso conhecer o negócio, entender suas
reais necessidades, oportunidades, problemas, requisitos e partes interessadas.
Você está preparado para desenvolver soluções que entregam valor para as partes
interessadas?
6
Introdução:
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 7
Introdução: Fraldas e Cerveja
O que cerveja tem a ver com fraldas?
Uma das maiores redes de varejo dos Estados Unidos descobriu, em seu gigantesco Data
Warehouse, que a venda de fraldas descartáveis estava associada à de cerveja. Em geral,
os compradores eram homens, que saíam à noite para comprar fraldas e aproveitavam
para levar algumas cervejas para casa. Os produtos foram postos lado a lado. Resultado:
a venda de fraldas e cervejas disparou.
Uma boa solução de BI precisa gerar valor para as partes interessadas, é neste ponto
que o Analista de Negócio entra e pode fazer a diferença.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Conteúdo:
1
Parte 1:
Visão Geral dos
Fundamentos da Análise
de Negócio
Parte 2:
Análise de Negócio e
Perspectiva de BI
2
Parte 3:
Estudo de Caso
3
8
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 9
Visão Geral dos Fundamentos da Análise de Negócio
1
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 10
Guia BABOK 3.0:
Advertência:
O Guia BABok® não deve ser interpretado como uma imposição de que todas as práticas descritas na
publicação devam ser seguidas em todas as circunstancias. Ele não deve ser seguido no estilo “by the book”.
Qualquer conjunto de práticas pode ser adaptado para condições especificas para melhor atender as
necessidades de negócio de uma organização.
Guia BABOK® 3
Guia BABOK® 3 é o Corpo de Conhecimento de Análise de
Negócio.
Ele é mantido IIBA (Instituto Internacional de Análise) e
considerado um padrão internacional de práticas para análise
de negócios. Ele incorpora o conhecimento coletivo e a
experiência de especialistas na área de todo o mundo.
O objetivo principal do Guia BABOK® é definir a profissão de
Analista de Negócio e fornecer um conjunto de práticas
comumente aceitas.
Ele ajuda os profissionais a definir as competências
necessárias para desempenhar com efetividade o trabalho de
análise de negócio.
O Guia BABOK® 3 é uma referência para as práticas de
Análise de Negócio.
O Guia BABOK 3.0
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Definição de Análise de Negócio segundo o Guia BABOK 3.0:
"A prática de viabilizar mudanças em organizações através da definição de
necessidades e recomendação de soluções que entregam valor para às partes
interessadas.“
Análise de Negócio permite que uma empresa possa articular as necessidades e as razões para a mudança, e
para “projetar” e descrever as soluções que podem entregar valor.
Análise de negócios é realizado em uma variedade de iniciativas dentro de uma empresa. As iniciativas podem
ser estratégicas, táticas ou operacionais. Análise pode ser realizada em um projeto ou ao longo da evolução da
empresa em ciclo de melhoria contínua.
Ela pode ser utilizada para compreender o cenário atual, a definir o cenário futuro, e para determinar as
atividades necessárias para alcançar o cenário futuro.
Definição de Análise de Negócio
11
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
TI
Solução:
- TI
12
Função
Trabalha 100% do
tempo com Análise de
Negócio e afins
Papel
Trabalha de forma pontual ou
parcial com Análise
de Negócio e afins
Negócio
Soluções:
- TI
- Processos
- Pessoas
- Organização
PerfilAtuação
O Perfil do Analista de Negócio: Cargo ou Papel
Definição de Analista de Negócio segundo BABOK 3:
“Um analista de negócios é qualquer pessoa que executa as tarefas de análise de negócios
descrita no Guia BABOK®, não importa o seu cargo ou função organizacional. “
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 13
Ciclo de Análise de Negócio
Produto resultante da
Análise de Negócio
Analista de Negócio
Especialistas
Necessidade
de Negócio
Colaboração
Planejamento e Monitoramento
da Análise de Negócio
Gerenciamento do
Ciclo de Vida de
Requisitos
Análise da
Estratégia
Análise de
Requisitos e
Definição de
Design
Avaliação da Solução
Elicitação e
Colaboração
Áreas representam conhecimento que a análise do negócio necessita para entregar valor as partes
interessadas. Existem seis áreas de conhecimento:
Competências Fundamentais
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 14
Técnicas de Análise de Negócio
Técnicas facilitam a execução das tarefas de análise de negócio. São 50 técnicas, veja a lista abaixo:
Critério de Aceite e Avaliação
Gerenciamento de Backlog
Balanced Scorecard (BSC)
Benchmarking e Análise de Mercado
Brainstorming
Análise de Capacidade de Negócio
Caso de Negócio (Business Cases)
Business Model Canvas (BMC)
Análise de Regras de Negócio
Jogos Colaborativos
Modelagem Conceitual
Dicionários de Dados
Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)
Mineração de Dados (Data Mining)
Modelagem de Dados
Análise de Decisão
Modelagem de Decisão (Decision Modelling)
Análise de Documentos
Estimativa
Análise Financeira
Grupos de Focais
Decomposição Funcional
Glossário
Análise de Interface
Entrevistas
Item Tracking (Controle de Item)
Lições Aprendidas
Métricas e Indicadores de Desempenho (KPIs)
Mapa Mental
Análise de Requisitos não funcionais
Observação
Modelagem Organizacional
Priorização
Análise de Processos
Modelagem de Processos
Prototipagem
Revisão
Gerenciamento e Análise de Risco
Matriz de Papéis e Responsabilidade (RACI)
Análise de Causa Raiz
Modelagem de Escopo
Diagrama de Sequência
Lista de Parte Interessadas , Mapa ou Personas
Modelagem de estado
Questionário ou Pesquisa (survey)
Análise SWOT
Caso de Uso e Cenários
Histórias do Usuário (User Stories)
Avaliação de Fornecedores
Workshops
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Requisitos das Partes Interessadas
15
Requisitos
Definição de requisitos:
"Um requisito é uma representação útil de uma necessidade. Requisitos focam em compreender que tipo de
valor pôde ser entregue se um requisito é satisfeito. A natureza da representação pode ser um documento (ou
conjunto de documentos), mas pode variar muito, dependendo das circunstâncias".
Esquema de classificação de requisitos:
- Requisitos de Negócio
- Requisitos das Partes Interessadas
- Requisitos da Solução:
- Requisitos Funcionais e Requisitos Não Funcionais ou Requisitos de Qualidade de Serviço
- Requisitos de Transição
Requisitos de Negócio
Requisitos da Solução
Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais
Requisitos de Transição
Objetivo e/ou meta
de negócio
Necessidades,
Expectativas,
Preocupações e
Desejos
Capacidades e
e recursos
Para colocar
uma solução em
operação
Funcionalidades,
qualidades e
restrições...
Analista deve
conhecer e entender
o negócio
Analista deve
entender e atender
as pessoas
Analista deve
conhecer e entender
a operação
Analista deve
saber como construir
soluções de negócio
Requisitos O quê?Conhecimento
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 16
Requisitos e Design
Requisitos
de Negócio
Requisitos
das Partes
Interessadas
Requisitos
da Solução
Requisitos
da Transição
Quais são
as condições
para colocar
a solução em
operação?
Quais são as
expectativas,
necessidades,
preocupações e
desejos?
Quais são as funcionalidades?
Quais são critérios de qualidade?
Quais são as metas
e objetivos de negócio?
Ciclo contínuo
enquanto houver
requisitos
Ciclo de Requisitos e Design: “Design somente acaba quando todos os requisitos foram trabalhados”
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 17
BACCM (Modelo de Conceitos Centrais da Análise de Negócios)
O BACCM (Business Analysis Core Concept Model - Modelo de Conceitos Centrais da Análise de
Negócios) é um framework conceitual que facilita a aplicação das práticas de análise de negócio.
O BACCM facilita a aplicação das práticas de análise de negócio
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 18
Perspectivas
Perspectivas descrevem disciplinas especializadas dentro da prática de análise de negócio. Uma perspectiva é
conjunto de comportamentos, terminologia e atitudes. Elas são usadas pelo Analista de Negócio dentro suas
atividades de análise de negócio.
Perspectivas*
Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP)
Inteligência de Negócio (BI)
Tecnologia da Informação (TI)
Arquitetura de Negócio
Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM)
*Lista não exaustiva.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 19
Missão do Analista de Negócio
Analista de Negócio tem diversas responsabilidades, mas aquela mais significante, a missão é entregar o ROI
da soluções, ou seja, gerar valor para as partes interessadas.
ROI da Solução = Entrega de Valor
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 20
Modelo para Análise de Negócio
Área de Conhecimento
Documentos de Saída ou
Produtos resultantes da
Análise de Negócio
Documentos
de Entrada
(Demanda de
Negócio)
Técnicas
Tarefas de Análise de Negócio
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 21
Análise de Negócio e Perspectiva de BI
2
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 22
Introdução: Por que as organização precisam do Business Intelligence (BI) ?
As organizações tem necessidade que vão além dos sistemas transacionais, elas carecem de informações
em visões diferentes e compiladas de diversas formas para tomada de decisão, para fazer integração entre
áreas e para consolidar resultados.
Olhar para diversos sistemas transacionais e arquivos para obter informações além de levar muito tempo e
pode ser não confiável.
Na maioria das vezes, as informações existem, mas são difíceis de se obter tanto por não residirem em
seus sistemas transacionais como por estarem fragmentadas em diversos sistemas e arquivos.
Embora as funções de uma organização como vendas, finanças, contabilidade, custos, logística, gestão de
pessoas e etc, estejam interligadas, os dados que produzem e armazenam não estão.
Para que uma organização possa cumprir sua missão com desempenho ideal e efetividade, as informações
devem fluir através de limites funcionais ou departamentais.
Soluções de BI tem o propósito de coletar, tratar, armazenar, consolidar e disponibilizar as informações
para facilitar os gestores na tomada de decisão.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 23
Introdução: Por que as organização precisam do Business Intelligence (BI) ?
Peso das decisões: Nenhum fator tem tanto impacto no desempenho de uma
organização quanto a capacidade de seus gestores de decidir em meio aos
cenários de incertezas.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 24
Introdução: Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
O objetivo de inteligência de negócio é a transformação de dados em informações
de valor agregado para apoiar a tomada de decisão de negócios nos níveis
estratégico, tático e operacional.
Nível executivo: Apoia
decisões estratégicas
Nível de gestão:
Suporta decisões táticas
Nível de processo:
Suporta decisões
operacionaisNível Operacional
Nível Tático
Nível Estratégico
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 25
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Demandas de Negócio por Soluções de BI:
Existem pelo menos duas forma de tratar a demanda de negócio, a primeira
quando as partes interessadas sabem que elas querem, e solicitam uma solução
de BI e a segunda quando as partes interessadas tem uma necessidade mas não
sabem o que querem.
Quando os clientes
e/ou usuários sabem
exatamente o que
querem
Quando os clientes e
usuários não sabem
exatamente o que
querem
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 26
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Ser o Construtor da Ponte entre Cliente/usuários e Equipe de BI
Quando os clientes e/ou usuários não sabem exatamente o que querem
GAP
Equipe de BIClientes
e usuários
Analista de
Negócio
Neste cenário o Analista de Negócio deve atuar como orquestrador entre o cliente e
equipe de BI, como objetivo de facilitar o entendimento da necessidade e definir o que
deve ser feito...
Entendimento da
Necessidade do Cliente
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 27
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Framework Conceitual de Solução de BI
Entradas Processamento
Saídas
Visão Macro
Visão do Usuário
Visão Detalhada Visão dos técnicos
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 28
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Descritiva Diagnóstica Preditiva Prescritiva
O que aconteceu? Por que aconteceu?
O que é provável
de acontecer?
O que devo fazer?
Metodologia:
- BABOK não define metodologias para solução de BI. Entretanto o guia apresenta
conceitos e abordagens.
No âmbito de inteligência de negócios, BABOK, discute alguns conceitos e recomenda
algumas abordagens.
Conceito de Tipos de Análise:
Existem quatro tipos de análise de dados que representam soluções incrementais, com
níveis de complexidade crescente dos sistemas, custo e valor.
Coleta condições
ambiente e operação
Exemplo: Google
Analytics
Examina as causas Detecta padrões
e comportamentos
Identifica medidas
para melhorar os
resultados ou para
corrigir problemas
Tipos de Análise
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 29
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Abordagem: Supply and Demand Driven (Orientada pela Oferta e Orientada pela
Demanda)
Supply-driven (Orientado pela
Oferta): Esta abordagem mapeia
dados dos sistemas existentes
(fontes de dados) para definir
quais dados estão disponíveis.
Assume ponto de vista "para um
determinado custo, qual o valor
que podemos entregar? ".
Demand-driven (Orientado pela
demanda): Esta abordagem começa
com a identificação das informações
que são necessárias para apoiar
decisões de negócios e em seguida
mapeia como encontrar essas
informações nas fontes de dados para
determinar a viabilidade e custo.
x
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 30
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Supply and Demand Driven (Orientada pela Oferta e Demanda)
Os objetivos e prioridades de uma iniciativa de BI pode ser baseada em metas técnicas de melhoria dos
sistemas de distribuição de informação existentes (orientada pela oferta) ou sobre os objetivos de
negócio de fornecer a informação apropriada para melhorar os processos de tomada de decisão
(orientada pela demanda):
Supply-driven (Orientado pela Oferta): Assume o ponto de vista "para um determinado custo, qual
o valor que podemos entregar? ".
Esta abordagem mapeia dados dos sistemas existentes para definir quais dados estão disponíveis
A estratégia de implementação comum seria:
1 - fase a inclusão de bancos de dados existentes para solução de arquitetura da inteligência de
negócios da solução,
2 - Progressivamente substituir ou reparar saídas existentes e
3 - Explorar novos “insights” que pode ser adquirida a partir do consolidado dados.
Demand-driven (Orientado pela demanda): Assume o ponto de vista "para um dado valor, qual
custo nós incorremos? ".
Esta abordagem começa com a identificação das informações que são necessárias para apoiar
decisões de negócios e em seguida mapeia como encontrar essas informações nas fontes de dados
subjacentes para determinar a viabilidade e custo.
Isto prevê estratégias de implementação incrementais que não são determinados por existir estruturas
de banco de dados, e permite o uso exploratório inicial de inteligência de negócios para além dos
requisitos de comunicação existentes.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 31
Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI)
Dados Estruturados, Semi-estruturados e Desestruturados:
Existem três tipos de dados que as abordagens de BI que devemos considerar:
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 33
Estudo de Caso
3
Práticas de Análise de Negócio e Perspectiva de BI
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 34
Objetivo da Análise de Negócio
Para entregar valor o Analista de
Negócio deve ser responder
algumas questões chaves:
- Quais são as necessidades de
negócio?
- Quem são as partes interessadas?
- O que é o valor para as partes
interessadas?
- Qual solução satisfaz as
necessidades de negócio?
- Como entregar valor para as partes
interessadas?
- Que tipo de mudança é necessária
para garantir entrega de valor?
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 35
Introdução da Análise de Negócio na Perspectiva de BI
O objetivo principal do Analista de Negócio é definir “por que” e “o que fazer”.
Objetivo 1: Por que?
Qual é o propósito da
demanda de negócio?
Propósito
Objetivo 2: O que?
Definir o que fazer
O que fazer
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 36
Introdução da Análise de Negócio na Perspectiva de BI
Definir o “o que fazer”
Para definir o que fazer é importante para saber Quais são as necessidades reais do negócio e da
parte interessadas?
O Analista deve trabalhar para entender as necessidades reais de negócio e das partes interessadas.
Parece simples, mas não é, pois nem sempre as partes interessadas tem plena certeza do que elas
precisam para fazer suas atividades.
Adaptado de Brooks: “A parte mais difícil na construção de uma solução consiste exatamente em
identificar o que construir. Nenhuma outra parte do trabalho do Analista de Negócio compromete tanto
o resultado do trabalho se elaborado de forma incorreta. Nenhuma outra parte oferece tanta dificuldade
para efetuar correções posteriores. "
Não importa quão bem é uma solução é feita, se as necessidades e expectativas não foram
entendidas por completo, não haverá entrega de valor para o clientes. (@rildosan)
O objetivo principal do Analista de Negócio é definir “por que” e “o que fazer”.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 37
Equipe de
Projeto Soluções
de BI
Partes
Interessadas
Analista de
Negócio
Analista de Negócio Atuando na Gestão Demanda de Negócio
Necessidades de
Soluções de BI
Gestão de
Demanda
de Negócio
Projeto
Estratégia
Internas
Externas
Oportunidade
Design da
Solução
Entendimentos
dos Requisitos
Entendimento
da Demanda
Técnicas
Especialistas
Problema
Resultado:
Solução de BI
Melhorias
Novos negóciosConformidade
Transformar as necessidades em soluções
Ser o facilitador da comunicação entre as partes interessadas
Ser mentor para a equipe de projeto
Representar as partes interessadas (clientes)
Entregar valor para as partes interessadas
Gerenciar o Ciclo de Vida da Soluções
Calcular o “ROI” da solução
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 38
Análise de Negócio Enxuta
Adoramos o simples, desta forma praticamos a Análise de Negócio Enxuta focamos no
BACCM:
Entender a
necessidade de
negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Mapear os
contextos
Design da Solução
Planejar
Mudança
Identificar o valor que
solução deve entregarRequisitos
do Negócio
Requisitos
das partes
interessadas
Requisitos
da solução
Requisitos
de transição
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 39
Técnicas
Lista de técnicas que podem ser usadas para desenvolvimento de Soluções de BI
Critério de Aceite e Avaliação
Estimativa
Entrevistas
Lições Aprendidas
Métricas e Indicadores de Desempenho (KPIs)
Mapa Mental
Análise de Requisitos não funcionais
Observação
Modelagem Organizacional
Priorização
Gerenciamento e Análise de Risco
Matriz de Papéis e Responsabilidade (RACI)
Análise de Causa Raiz
Modelagem de Escopo
Lista de Parte Interessadas
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 40
Análise de Negócio Enxuta
Necessidade: Entender a necessidade de negócio
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 41
Necessidade: Combater a Evasão Escolar
Análise de Negócio Enxuta
O objetivo do secretário de educação é reduzir para 5% a evasão escolar em
um ano. O objetivo pode ser traduzido como um Requisito de Negócio ou
Objetivo de Negócio:
Em outras palavras para entregar valor para o “Dono do Negócio” (Business
Owner) a solução proposta deverá ajudar na tomada de decisão e no
planejamento das ações para redução da evasão escolar.
5% 10%
Em dado município foi identificado uma
crescente onda de evasão escolar no
ensino fundamental, em 2014, a evasão
era de 5%, mas em 2015, de repente ela
chegou a 10%.
Em reunião com o secretário de
educação, ele chamou atenção para
problema e fez uma solicitação de
criação de uma solução que tenha
informações suficientes para ajudar
na elaboração de ações que reduzam
a evasão escolar.
2014 2015
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 42
Necessidade: Combater a Evasão Escolar
Existem muitos motivos que levam o aluno abandonar a escola:
- Necessidade de entrar no mercado de trabalho
- Falta de interesse pela escola
- Falta ou deficiências no transporte escolar
- Doenças crônicas
- Falta de incentivo dos pais
- Problemas familiares
- Mudanças de endereço
- Outros.
Para serem minimizados, esses problemas dependem de ações efetivas.
Entretanto, é necessário ter informações para tomar decisão, planejar e
executar as ações
Análise de Negócio Enxuta
Secretária da
Saúde
Informações sobre
desempenho e
frequência dos alunos
Informações sobre
saúde dos alunos
Secretária da
Educação
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 43
Necessidade: Combater a Evasão Escolar
Fatos apontados pelo secretário:
O município tem mais 12.000 alunos matriculados em escola municipais, a taxa
de evasão cresceu 100% no último ano, foi de 5% para 10%, isso significa que 1
em cada 10 alunos que iniciam o ensino fundamental abandona a escola antes
de completar a última série.
Do ponto de vista da gestão, o gestor público é responsável pela educação deve
abraçar a causa e disponibilizar recursos para combater a evasão escolar,
envolver outras secretárias para que ações sejam efetivas, a secretaria da saúde
e de educação deve atuar integradas para identificar e erradicar as causas da
evasão.
Análise de Negócio Enxuta
Secretária da
Saúde
Informações sobre
saúde dos alunos
Secretária da
Educação
Informações sobre
desempenho e
frequência dos alunos
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 44
As secretarias têm sistemas independentes, não integrados e com
diferentes tecnologias, principais fontes de dados:
Análise de Negócio Enxuta
Planilhas
Sistema de
Educação
Sistema de
Saúde
Sistema de Gestão de Saúde, contém informações de saúde do
município
Algumas informações da secretária de saúde estão em planilhas.
Sistema de Gestão de Educação, contém informações de educação
do município. Este é principal sistema, ele tem maior partes dos
dados para construção da solução.
O Analista selecionou abordagem Supply-driven (Orientado pela Oferta):
- Esta abordagem mapeia as fontes de dados existentes para definir quais
dados estão disponíveis
A Analista classificou as fontes de dados como:
- Dados Estruturados: Banco de Dados dos Sistemas
- Semi-estruturados: Planilhas
Necessidade: Combater a Evasão Escolar
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 45
Análise de Negócio Enxuta
Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Requisitos
das partes
interessadas
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 46
Análise de Negócio Enxuta
Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas
O secretário da Educação (dono do negócio) apontou as principais partes interessadas
na solução.
- Secretário da Saúde
- Pais e Alunos
- Diretores de Escola, Coordenadores Pedagógicos e Professores
O prefeito é principal patrocinador, logo ele também é uma parte interessada.
Quem Papel Nível de Influência Descrição
Prefeito Patrocinador Altíssima influência É gestor responsável pelo município
Secretário de
Educação
Dono do Negócio
(Business Owner)
Alta influência É gestor responsável pela pasta
educação do município. É o dono do
negócio é autor da demanda de
negócio.
Diretores,
Coordenadores
e Professores
Interessados Média influência Serão impactados pela mudança
causada pela solução
Pais e alunos Interessados Baixa influência Serão impactados pela mudança
causada pela solução
Alunos Interessados Baixa influência Serão impactados pela mudança
causada pela solução
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 47
Análise de Negócio Enxuta
Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas
Objetivos, Necessidades, Expectativas, Preocupação, Premissa e Nível Prioridade:
Requisitos das
das Partes
Interessadas
Descrição
Objetivo Reduzir a evasão escolar
Necessidades Devido o aumento significativo da evasão escolar, tornou necessário
ter informações suficientes para tomada de decisão e para facilitar o
planejamento de ações para combater a evasão escolar.
A solução tem que integrar os sistemas de gestão de educação e
gestão de saúde para gerar informações que são necessárias para o
planejamento das ações de combate a evasão escolar.
Expectativas - A solução deve ficar pronta em 2 meses
- Os principais atores devem ser capacitados para usar e operar a
solução.
Preocupação Aumento da evasão escolar no município
Premissa A solução deverá ser construída com softwares livres
Nível de Prioridade Alta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 48
Análise de Negócio Enxuta
Partes Interessadas: Elicitar Requisitos das Partes Interessadas
Requisitos das Partes Interessadas
Lista de Requisitos
Requisitos funcionais
- Questão chave:
Quais funcionalidades a solução
de BI deve possuir?
Requisitos Não Funcionais:
- Questão chave:
Quais qualidades de serviço
(QoS) a solução de BI deve ter?
Requisitos de Transição
- Questão chave:
Quais capacidades e recurso são
necessários para implantar e
operacionalizar a solução?
Respostas:
- Fazer consultas
- Gerar relatórios predefinidos
- Exportar dados para excel
- Exibir painéis de indicadores
- Consulta Ad-hoc
- Relatório Ad-hoc
- Gerar alertas por relatórios, e-mail e sms
Respostas:
- Importar dados dos sistemas de educação, saúde e escolar
- Deve estar disponível durante o período comercial (8hx5d)
- Deve ser intuitivo e fácil de usar
- Deve ser rápido, as consultas devem demorar no máximo 3 minutos
- Exatidão dos dados
- Os dados devem ser íntegros
- Acesso a Solução deve controlada por senha
- Design Responsivo
Resposta:
- As pessoas da secretária da educação devem estar capacitadas
para usar e operar a solução
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 49
R – Responsável: Quem é responsável
pela execução (a execução pode ser delegada)
A
C
I
R
I - Informado, quem é informado
(Exemplo: antes ou depois da execução de uma
atividade)
A – Accountable, (Responsabilizado) quem presta
conta (ou é cobrado) do resultado da solução
C – Consultado, quem é consultado
(Exemplo: antes da execução de uma atividade)
Papel Principal Atividade RACI
Analista de
Negócio
Elaborar a Solução de
Negócio
R
Acompanhar o ciclo de
vida da solução para
validação do ROI
R
Dono do Negócio Validar e aprovar a solução
de negócio
A/C
Patrocinador Patrocinar o
desenvolvimento da
solução
I
Secretários de
Saúde e
Educação
Dar apoio na construção
da solução
C
Equipe de TI Implementar a solução R/C
Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas
Análise de Negócio Enxuta
Técnica: Matriz RACI
Objetivo: Identificar e atribuir responsabilidades e papeis para as partes interessadas.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 50
Análise de Negócio Enxuta
Valores: Identificar o valor que solução deve entregar
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
Requisitos
do Negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Requisitos
das partes
interessadas
Identificar o valor que
solução deve entregarRequisitos
do Negócio
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 51
Valores
Não basta desenvolver boas soluções para as necessidades de negócio. As
soluções devem entregar valor para as partes interessadas.
O valor pode ser visto como potenciais retornos realizados, vantagens, benefícios,
os ganhos e melhorias. Em alguns casos é possível ter uma redução no valor sob a
forma de perdas, riscos e aumento de custos.
É possível mensurar o valor através da avaliação de desempenho das soluções. O
Analista de Negócio quando responsável pelo desempenho de uma solução, deverá
fazer a avaliação através de indicadores de desempenho.
O valor pode ser tangível ou intangível:
- Valor tangível é diretamente mensurável. Valor tangível muitas vezes tem uma
componente monetário significativo, como aumento de receita.
- Valor intangível é mensurado de forma indireta. Valor intangível, muitas vezes tem
um componente significativo, como aumento da reputação ou elevação da motivação
dos funcionários de uma empresa.
No BACCM, o valor é definido como:
“O valor, importância ou utilidade de algo para as partes interessadas em um contexto”
Ressaltando:
O objetivo principal da Análise de Negócio é entregar valor para as partes interessadas
"O valor é uma medida de quão bem uma organização, projeto, produto ou serviço, satisfaz os
objetivos das partes interessadas. O conceito de valor é baseado na relação entre as
necessidades e expectativas satisfatórias e os recursos necessários para alcançá-los que podem
mudar tanto com o contexto e tempo. "
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Valores: Definir valor que será entregue as partes interessaas
Requisito de
Negócio
Diretriz de Negócio:
Reduzir a evasão escolar
Requisito de negócio é aquilo que deve ser entregue para gerar valor.
Planejamento
Estratégico do
Município
Demanda é estratégica ? Sim
52
Análise de Negócio Enxuta
Necessidades
Negócio
Diretriz de
Negócio
Requisito de Negócio:
“Reduzir a evasão escolar para 5% em um ano”
Avaliação de
Desempenho
Medição: Indicador de desempenho
Taxa de Evasão: % Evasão Escolar
Exemplo de Resultado:
Taxa de Evasão: 10%
Entrega de Valor
AnálisedaEstratégiaCiclodeVida
daSolução
Definido na área de conhecimento
Avaliação da Solução:
Requisitos das
Partes Interessadas
Partes
interessadas
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 53
Contexto
Segundo BABOK, contextos são circunstâncias, situações que influenciam, são
influenciadas por, e fornecer uma compreensão da mudança.
Elementos Descrição
Estratégia
(diretriz)
Reduzir a evasão escolar
Tempo Prazo de entrega da solução: 2 meses
Organização/Área Demais áreas impactadas pela solução:
- Área que será a principal beneficiada pela implantação da
solução: Secretária de Educação
Demais áreas impactadas pela solução:
- A área que também será influenciada pela implantação
da solução:
Secretária de Saúde
Principal parte
Interessada
Secretário de Educação
Comportamento Resistência dos pais dos alunos
Sistema Sistemas que fazem interface direta coma a solução:
- Gestão de Escolar
- Gestão de Saúde
Tecnologia Uso de tecnologia livre (open-source)
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 54
Análise de Negócio Enxuta
Contextos: Mapear os contextos
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
Requisitos
do Negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Requisitos
das partes
interessadas
Identificar o valor que
solução deve entregarRequisitos
do Negócio
Mapear os
contextos
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 55
Contextos
Segundo BABOK, contextos são circunstâncias, situações que influenciam, são influenciadas
por, e fornecer uma compreensão da mudança.
As mudanças ocorrem dentro de um contexto. O contexto é tudo relevante para a mudança que está
dentro do meio ambiente.
Contexto podem incluir:
- Partes interessadas,
- Atitudes,
- Comportamentos,
- Crenças
- Concorrentes,
- Cultura,
- Demografia,
- Metas,
- Infraestrutura
- Processos,
- Produtos e ferramentas
- Projetos,
- Tecnologia
- Tempo
E qualquer outro elemento que correspondem à definição
Questão chave:
Para identificar quais elementos podem influenciar o contexto da solução, podemos fazer a seguinte
questão:
Quais são os elementos doa contextos que podem influenciar e são influenciadas pela solução?
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 56
Análise de Negócio Enxuta
Soluções: Design de Soluções
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
Requisitos
do Negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Requisitos
das partes
interessadas
Identificar o valor que
solução deve entregarRequisitos
do Negócio
Mapear os
contextos
Design de Soluções
Requisitos
da solução
Requisitos
de transição
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Desenvolvimento de Solução de Negócio:
57
Foco da Análise de Negócio deve ser na solução e não no
problema.
O Analista de Negócio deve trabalhar para desenvolver as
melhores soluções para os problemas de negócio.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 58
Análise de Negócio Enxuta
A solução está associada com a perspectiva de Inteligência de Negócio (BI), pois ela tem as seguintes
características:
- Integração de dados diversos sistemas fontes
- Informação analítica para tomada de decisão
- Necessidade de indicadores de gestão
Perspectivas*
Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP)
Inteligência de Negócio (BI)
Tecnologia da Informação (TI)
Arquitetura de Negócio
Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM)
*Lista não exaustiva.
Solução: Design da Solução
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 59
Análise de Negócio Enxuta
A solução será composta pelos seguintes artefatos:
*Lista não exaustiva.
Solução: Design da Solução
Documento de Design da Solução
- Descrição da Solução
- Escopo da Solução
- Premissas
- Restrição
- Requisitos da Solução
- Dependências
- Capacidades
- Soluções
- Critérios de aceitação
- ROI da Solução (Entrega de Valor)
Arquitetura da Solução
- Visão da Arquitetura da Solução
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Desenvolvimento do Documento de Design da Solução
Premissas e
Restrições
Requisitos
da Solução*
Capacidades
Requeridas
Dependências
60
Desenvolvimento da Solução
Escopo da Solução
Solução
Ótima Boa Viável
Critérios de Aceitação
Entrega de Valor (ROI da Solução)
Análise de Negócio Enxuta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 62
Solução: Design da Solução
Design da Solução
Escopo da Solução
Dentro do escopo:
- A Solução de BI deve integrar os dados dos sistemas de educação e saúde para gerar
informações de forma tempestiva e estrutura para tomada de decisão e planejamento de
ações com objetivo de combater a evasão escolar no município.
Fora do escopo:
- Atenderá somente a educação municipal.
Descrição da Solução
A solução deverá fazer a integração e cruzamentos dos dados dos sistemas de educação e
saúde para gerar informações de forma tempestiva e estruturada para o gestor de
educação, fazer tomada de decisão e planejar as ações que são necessárias para redução
da evasão escolar do município.
A solução deverá permitir a emissão de relatórios, consultas Ad-hoc (OLAP)- interativas,
consultas e relatórios predefinidos.
Ela também deverá prover relatórios sobre a evasão por escola e alertas por e-mail para
escolas que possuem os maiores índices de evasão e SMS para os pais dos alunos.
Para facilitar a gestão da evasão a solução terá painéis de indicadores (dashboards) com
os dados e gráficos de evasão de todas as escolas do município.
Atualização da solução deverá diária.
A Solução também disponibilizará os dados de evasão para os diretores das escolas
através da web. Os diretores terão visões de evasão por turma, série e por período. Essas
informações também serão compartilhadas com os pais dos alunos através do Portal de
Educação.
Análise de Negócio Enxuta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 63
Restrições, Premissas, Dependências e Capacidades Requeridas
Solução: Design da Solução
Análise de Negócio Enxuta
A solução deve
ficar pronta em
2 meses (tempo)
A solução deverá
ser construída
com softwares
livres
Dependências
Restrições
Premissas
Sistemas de
Educação
Sistemas de
Saúde
Capacidades Requeridas
Sistema
Gerenciador de
Banco de
Dados
(PostGreSQL)
Ferramenta de
BI
(Pentaho versão
comunitária)
Planilhas Excel
Servidores Rede/Internet
Conhecimento
de BI
Infraestrutura
(hardware e
software) -
disponível
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 64
Análise de Negócio Enxuta
Solução: Design da Solução
Requisitos da Solução e de Transição
Mapa de Requisitos da Solução
Requisitos funcionais
Requisitos Não Funcionais
Requisitos de Transição
Gerar
relatórios
Exportar para
excel
Consultas
Ad-hoc
Integridade dos
dados
Segurança
Disponibilidade Usabilidade Desempenho
Gerars
Alertas
Design
Responsivo
Treinar as
pessoas da
Secretária de
Educação
Relatório
Ad-hoc
Exibir
Painéis
de indicadores
Fazer
Consultas
Acurácia dos
dados
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Exemplo de Check List para Priorização de Requisitos:
1 - Definir critério:
Priorizar os requisitos com base no valor para o negócio e para partes interessadas.
2 – Abrangência:
Defina a abrangência da priorização. Exemplo: Priorizar somente os requisitos funcionais.
3 - Nível de Priorização:
Determinar os níveis de priorização, por exemplo: 5-Alto , 3-Médio e 1-Baixo.
4 – Escolher a técnica ou método para priorização:
Quando a solução será um software, existem diversos que podem ser utilizados como MoSCoW, Kano
Theme Screening, Theme Scoring, Portfólio de Produtos, Curva ABC de Cliente e etc. Nós
utilizaremos o MoSCoW (must have, should have, could have, won’t have).
5 – Aplicar o modelo: Priorizar os requisitos.
Faça uma oficina de trabalho ou uma reunião, convide todas partes interessadas, explique o modelo de
priorização e peça para eles fazerem a priorização. O Analista deve atuar como um facilitador e às
vezes como questionador do valor dos requisitos com intuito de melhorar o nível de priorização.
6 – Publique um documento com os requisitos priorizados.
Não basta identificar e escrever todos os requisitos eles precisam ser priorizados. A priorização serve
para definir claramente em qual ordem os requisitos serão entregues e /ou implementados.
A priorização é um processo de tomada de decisão usado para determinar a importância relativa dos
requisitos. A importância dos requisitos pode ser baseada em critérios como: valor agregado, no risco,
na complexidade de implementação, no custo, no tempo (duração) ou em qualquer outro critério.
Priorização de Requisitos
65
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Priorização de Requisitos: MoSCoW
MoSCoW é um método para priorização. Ele foi desenvolvido por Dai Clegg e foi usado no DSDM
(Método de Desenvolvimento de Sistemas Dinâmicos) que é um método ágil para desenvolvimento de
software. MoSCoW é acrônimo, ou seja, veja equivalência na tabela:
Nível Nome do Nível de Prioridade Descrição do Nível de Prioridade
5 – Alto Must have (Deve ter) Descreve um requisito que deve fazer parte da solução.
Ele é vital e, portanto, deve ser obrigatório.
Requisitos com alto valor agregado para o negócio.
3 – Médio Should have (Deveria ter) Representa um requisito que deveria fazer parte da
solução, caso possível, ele é importante, mas não vital.
Requisitos com médio valor agregado para o negócio.
1 – Baixo Could have (Poderia ter) Descreve um requisito que é considerado desejável, mas
não importante, e que será incluído na solução caso o
tempo e os recursos permitam.
Requisitos com baixo valor agregado para o negócio.
0 – Nulo Won´t have (Não terá) Representa requisitos que não devem fazer parte da
solução.
Requisitos sem valor agregado para o negócio.
Boa Prática:
MoSCoW (Deve ter, deveria ter, poderia ter, não terá) é usado principalmente para priorizar os requisitos,
embora a técnica também é útil em muitas outras áreas. Recomendamos que nenhum esforço mais de
60% de must haves para uma solução, com 40% Shoulds e Coulds. Qualquer coisa acima de 60%
representa um risco para o sucesso e previsibilidade da entrega da solução.
66
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 67
Must have
(Deve ter)
Should have
(Deveria ter)
Could have
(Poderia ter)
Won´t have
(Não terá)
Alto Médio
NuloBaixo
Requisitos da Solução e de Transição priorizados utilizando a técnica MoSCoW
Fazer
Consultas
Gerar
relatórios
Integridade dos
dados
SegurançaDisponibilidade
Usabilidade
Desempenho
Análise de Negócio Enxuta
Solução: Design da Solução
Treinar as
pessoas da
Secretária de
Educação
Exportar para
excel
Consultas
Ad-hoc
Exibir
Painéis
de indicadores
Gerar
Alertas
Relatório
Ad-hoc
Design
Responsivo
Acurácia dos
dados
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Dependências (Técnica: Análise de Interfaces)
Análise de Interfaces:
Objetivo:
Identificar interfaces entre soluções e/ou componentes da solução, estabelecer grau de dependência e
definir requisitos que descrevem como elas irão interagir.
Descrição:
A analise de interface auxilia a clarear as fronteiras entre os aplicativos. Ela distingue qual aplicativo
fornece funcionalidades especificas junto das necessidades de entrada e saída de dados. Fazendo uma
separação clara e cuidadosa dos requisitos para cada aplicativo durante a definição dos requisitos
compartilhados de interface, uma base para a interoperabilidade bem sucedida e estabelecida.
Identificando quais interfaces são necessárias para apoiar um aplicativo define o terreno para elicitar
uma grande variedade de requisitos.
Quando usar :
- Identificar pontos de conexões da solução com outros sistemas internos/externos
- Integrar a solução com sistema legado
- Solução baseada em componentes de terceiros
Definir as principais dependências de negocio e técnicas que irão impor restrições ao esforço de entrega
da solução, incluindo dependências que possam existir entre os componentes da solução.
Pequeno Check list:
- A solução tem dependências externas (outras soluções, processos e/ou sistemas)
- Como estabelecida ou qual tecnologia é utilizada para construção das interfaces
- Verifique o grau das dependências: ele poderá ser forte (quando a solução tem alta dependência da
interface com outra solução para funcionar) ou fraco (quando a solução em baixa dependência da
interface com outras solução para funcionar).
68
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Análise de Capacidades Requeridas:
É uma descrição detalhada das capacidades são requeridas para atender a necessidade do negocio e
serve como base para o escopo da solução.
Atividade:
Levantar as capacidades atuais e identificar os gaps (lacunas) que a impedem de atender as
necessidades do negocio e alcançar os resultados esperados.
Análise:
Analisar e definir se é possível desenvolver a solução utilizando a estrutura, pessoas, processos e
tecnologia atuais.
Caso seja possível o desenvolvimento da solução as suas capacidades existentes, o esforço da
mudança resultante tende a ser relativamente pequena. Mesmo neste cenário se houve uma única
capacidade ela deverá ser descrita.
Caso não seja possível, será necessário descrever com detalhes quais são as capacidades requeridas e
quais impacto para na entrega da solução, se elas não forem adquiridas.
Exemplos de capacidades requeridas:
- Conhecimento de novas tecnologias. Exemplo: Conhecer uma nova linguagem de programação.
- Conhecimento de novos modelos de negócio.
- Conhecimento de novas ambientes ou plataformas tecnológicas.
- Conhecimento de novas formas de implementação da solução. Exemplo: Implementar uma solução
para iPhone (Apple).
- Softwares ou licenças de software.
- Infraestutura de tecnologia
69
Pequeno Check list:
- Quais capacidades a solução requer ?
- Qual é impacto na entrega da solução se as capacidades requeridas não estiverem disponíveis ?
- Existem alternativas viáveis para as capacidades requeridas ?
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 70
Critérios de Aceitação para Solução
# Critérios Descrição
1 Fazer consultas Fazer consultas de frequência de alunos,
desempenho e de evasão.
2 Gerar relatórios Geração de relatórios predefinidos:
- Relatório de Evasão por Região/Escola
- Relatório de Tendência de Evasão
3 Exportar dados para Excel Possibilidade de selecionar e exportar dados para
Excel
4 Consulta Ad-hoc Fazer consultas de forma interativa
5 Relatório Ad-hoc Elaborar relatórios de forma interativa
6 Exibir Painéis de Indicadores Ter painéis com informações sobre evasão escolar
6 Gerar Alertas Geração alertas por: relatório, envio de e-mail e sms
7 Segurança A solução deverá ser protegida por senha de acesso
8 Disponibilidade Solução deve estar disponível no horário comercial
(8hx5d)
9 Acurácia dos dados Exatidão dos dados.
Análise de Negócio Enxuta
Solução: Design da Solução
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 72
Data Warehouse
Saúde
Data Mart
Educação
Data Mart
Fontes de
dados
Planilhas
Sistema de
Educação
E
T
L
Sistema de
Saúde
ODS
Consultas e
Relatórios Ad-hoc
Consultas e
Relatórios
Exportação para
Excel
Usuários
Data Warehouse
Cubos
1
2
4
Dashboards
Alertas
Cubos
OLAP
3
Solução: Design da Solução
Analista de Negócio em colaboração com os especialistas de BI, construíram uma proposta de solução
para atender a necessidade de negócio.
Análise de Negócio Enxuta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 73
Análise de Negócio Enxuta
Mudanças: Planejar a Mudança
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
Requisitos
do Negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Requisitos
das partes
interessadas
Identificar o valor que
solução deve entregarRequisitos
do Negócio
Mapear os
contextos
Design de Soluções
Requisitos
da solução
Requisitos
de transição
Planejar
da Mudança
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 74
Visão Geral do Modelo de Classificação do Nível de Mudança. A mudança pode será classificada
em níveis avaliando a Mudança x Impacto, veja os exemplos:
Impacto
Mudança
Red field
Yellow field
Green field
white
field
Podemos classificar a mudança em 4 níveis:
Red Field (5 ) - Causa grande impacto as pessoas, processos, sistemas e estrutura organizacional,
exemplo:Implementação de ERP, implementação Centro de Serviço Compartilhado etc
Yellow Field (3) - Causa médio impacto as pessoas, processos, sistemas e estrutura organizacional.
Exemplo: Implementação de Política de Horas Extras, de Política de Conduta.
Green Field (1) – Causa baixo impacto ou não causa impacto para as pessoas, nem para processos e
nem para estrutura organizacional. Exemplo: Troca do pacote de automação de escritório, MS Office.
White Field (0) – Não causa impacto para as pessoas, nem para processos e nem para estrutura
organizacional.
Análise de Negócio Enxuta
Mudanças: Planejar a Mudança
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 75
Impacto Opções Descrição
Dimensão da
mudança
( ) Organizacional
( X ) Departamental
( ) Setorial
( ) Equipe
( ) Pessoal
Maior impacto da mudança está na Secretária da
Educação
Nível de
Complexidade
( ) Alta
( X ) Média
( ) Baixa
Afeta ( ) Cultura Organizacional
( X ) Estratégia
( ) Processos
( X ) Pessoas
( X ) Sistemas
- Alinhamento com estratégica: reduzir a evasão escolar
- Requer treinamento para o pessoal da Secretária de
Educação
- Exige interfaces com o sistemas: Gestão de Educação
e Gestão de Saúde. Possíveis problemas de integração
e com qualidade de dados dos sistemas fontes.
Ambos os pontos apontados já fazem parte da
Solução
Partes Interessadas
(Classificação do
Nível de
Engajamento)
( X ) Apoiadores
( ) Opositores
( X ) Resistentes
( ) Neutros
- Possível resistência dos pais dos alunos
- Possível resistência dos diretores da escolas
Após avaliação o Analista chegou a conclusão que o nível de mudança é Yellow Field
Check List para Análise de Impacto de Mudança:
Análise de Negócio Enxuta
Mudanças: Planejar a Mudança
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 76
Impacto
Mudança
Red field
Yellow field
Green field
white
field
Impacto Orientação Responsável
Red Field (5) Plano de Ação Obrigatório Especialista
Yellow Field
(3)
Plano de Ação Recomendável Pessoa com
conhecimento
em Gestão de
Mudança
Green Field
(1)
Plano de ação é desejável
White Field
(0)
Não é necessário
S
Impacto Orientação Responsável Descrição
Yellow
Field
Plano de
Ação
Recomendá
vel
Analista de
Negócio será
responsável
pela gestão de
mudança
- Possível resistência dos pais dos alunos
- Possível resistência dos diretores de escolas
Identificação dos riscos atrelados a mudança
Mudanças: Planejar a Mudança
Análise de Negócio Enxuta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 77
Definição da Gestão de Risco:
Gestão de Risco é um processo sistemático que tem como objetivo identificação, avaliação / analise,
resposta (ação), comunicação e monitoramento de riscos.
Estabelecimento do contexto
Identificação de riscos
Avaliação dos riscos
Resposta ao riscos
Comunicação
MonitoramentoeAnáliseCritica
Análise dos riscos
Modelo de Gestão de Risco da ISO 31000
Fase Ação
Planejar Estabelecer Contexto
Identificar de riscos
Análise/Avaliação
Plano de Resposta ao
Risco
Executar Implementação do Plano de
Resposta ao Risco
Verificar Monitoramento e Análise
Critica
Comunicar o risco
Agir Manter o melhorar o
processo de Gestão de
Risco
Ferramenta: PDCA
Mudanças: Planejar a Mudança
Análise de Negócio Enxuta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 78
Mudanças: Análise de Risco - Score de Risco
5 15 25
3 9 15
1 3 5
Transferir,
controlar
Transferir,
controlar
Aceitar
Mitigar e
controlar
Alto
Médio
Baixo
Probabilidade x Impacto
legenda
Risco Probabilidade
(P)
Impacto
(I)
Severidade
(PxI)
Ação Plano de Ação
Resistência dos pais dos
alunos
A(1) A(5) 5 Transferir,
controlar
PA#1 Promover ação para
conscientização dos pais
Resistência dos diretores de
escolas
A(1) A(5) 5 Transferir,
controlar
PA#2 Criar um programa de
conscientização para os
diretores de escola.
Nivel Probabilidade Impacto
Alto 5 5
Médio 3 3
Baixo 1 1
Mitigar,
controlar e
evitar
Mitigar e
controlar
Transferir,
controlar
Aceitar
Aceitar
Análise de Negócio Enxuta
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 79
Entrega de Valor
Entrega de Valor
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 80
Análise de Negócio Enxuta
Começamos por
aqui: entendendo a
necessidade de
negócio
Requisitos
do Negócio
Identificar e
classificar as
partes interessadas
Requisitos
das partes
interessadas
Identificar o valor que
solução deve entregarRequisitos
do Negócio
Mapear os
contextos
Design de Soluções
Requisitos
da solução
Requisitos
de transição
Planejar
da Mudança
Voltamos nos Valores para demonstrar como é feita a entrega de valor para as partes interessadas
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Análise de Negócio Enxuta
Eficácia e Eficiência
Efetividade
EquipedeTI
Desenvolvimento
daSolução
A Entrega de Valor, também chamada de ROI da Solução, acontece quando o requisito de negócio
é alcançado:
AnáliseeNegócio
Entrega
de
Valor
Entrega
de
Valor
ROI = Entrega da Solução
ROI = “Reduzir a evasão escolar
para 5% em um ano”
Valores: Entrega de Valor
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 82
Análise de Negócio Enxuta
Documento Design
da Solução
Analista de Negócio
Especialistas
Necessidade
de Negócio
Colaboração
Planejamento e Monitoramento
da Análise de Negócio
Gerenciamento do
Ciclo de Vida de
Requisitos
Análise da
Estratégia
Análise de
Requisitos e
Definição de
Design
Avaliação da Solução
Elicitação e
Colaboração
Após elaboração do Documento Design da Solução no Ciclo de Análise e ele será encaminhado para
equipe Ágil, para que seja desenvolvida a solução O trabalho do Analista ainda não terminou, pois, ele
é responsável pelo ROI da solução.
Competências Fundamentais
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 83
Análise de
Negócio
Projeto de Desenvolvimento
da Solução
Período de Avaliação de
Desempenho da Solução
Analista
de Negócio Equipe de TI
Analista de Negócio
Entrega
de Valor
Entrega da
Solução
Tempo
Documento
Design da
Solução
MarcosPapéisAtividades
Necessidade
de Negócio
ROI = “Reduzir a
evasão escolar para
5% em um ano”
Ciclo de Vida da Solução
ImplantaçãoEntrega do produto
no prazo, com
qualidade certa e
dentro do orçamento
Baseline
Baseline
Análise de Negócio Enxuta
Ciclo de
Desenvolvimento
da Solução
Ciclo de
Entrega de
Valor
Ciclo de
Análise
Ciclos
Valores: Entrega de Valor
O gráfico abaixo demonstra o Ciclo de Vida da Solução e suas entregas de valor
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 84
- Pense em projeto. A solução deverá ser desenvolvimento com conceito de um projeto.
- Utilize a abordagem iterativa e incremental para desenvolvimento da solução. Divida
para conquistar. Faça entregas das funcionalidades com maior nível de prioridade
primeiro e depois os demais níveis até o produto final.
- Teste antes da entrega da solução.
- Trabalhe em equipe e em colaboração no desenvolvimento da solução.
- Não reinvente a roda. Use técnicas e boas práticas, padrões, normas e especificação
que consagradas pelo mercado.
- Foco da solução deverá ser entrega do Requisito de Negócio (ROI da Solução).
- Não deixe a solução órfã. Faça acompanhamento do desempenho da solução ao longo
do tempo.
- Analista de Negócio não é super-herói, sempre que necessário peça ajuda, consulte os
especialistas.
Boas Práticas no Desenvolvimento de Soluções de Negócio:
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 85
Referências:
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Contato:
Rildo Santos (@rildosan)
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildosan@rildosan.com
www.etecnologia.com.br
skype: rildo.f.santos
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Análise de Negócio:
Treinamento
Consultoria
Mentoria
Formação de Analista de Negócio 3.0
Agora que você sabe como o Analista de Negócio entrega valor para as empresas de
software, venha aprender como entregar valor para sua empresa faça o curso de
Formação de Analista de Negócio 3.0, a eTecnologia é pioneira em treinamento e
consultoria de Análise de Negócio, já formamos mais de 1300 pessoas de diversas
empresas e já ajudamos várias empresas a implementar a Análise de Negócio.
87
Análise de Negócio
Para maiores informações ou esclarecimento de dúvida entre em contato,
www.etecnologia.com.br/an
rildo.santos@etecnologi.com.br
etecnologia@etecnologia.com.br
treinamento@etecnologia.com.br
Workshop Demonstrando ROI das Entregas de Valor com Business Case
Este workshop é altamente recomendado para Analistas de Negócio e demais profissionais
que necessitam demonstrar ROI (retorno sobre investimentos) de soluções, projetos,
produtos e serviços.
Ele promove uma imersão em Business Case e demonstração de ROI através de um
conjunto de estudos de casos que permitem aplicada das principais técnicas, ferramenta e
práticas para desenvolvimento do Business Case.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Comunidade eTecnologia
Venha para comunidade eTecnologia
Os membros da comunidade podem participar dos eventos, treinamentos e cursos gratuitos.
Comunidade: http://etecnologia.ning.com/
Para participar da comunidade basta se cadastrar: http://etecnologia.ning.com
A missão da comunidade é compartilhar conhecimento, trocar experiências e prover
aprendizado.
88
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
Licença:
Você tem o direito de:
Compartilhar — copiar e redistribuir o material em qualquer suporte ou formato
Adaptar — remixar, transformar, e criar a partir do material O licenciante não pode revogar estes
direitos desde que você respeite os termos da licença.
De acordo com os termos seguintes:
Atribuição — Você deve atribuir o devido crédito, fornecer um link para a licença, e indicar se
foram feitas alterações. Você pode fazê-lo de qualquer forma razoável, mas não de uma forma
que sugira que o licenciante o apoia ou aprova o seu uso.
Não Comercial — Você não pode usar o material para fins comerciais.
Compartilhamento — Se você remixar, transformar, ou criar a partir do material, tem de distribuir
as suas contribuições sob a mesma licença que o original.
Sem restrições adicionais — Você não pode aplicar termos jurídicos ou medidas de caráter
tecnológico que restrinjam legalmente outros de fazerem algo que a licença permita.
Avisos:
Você não tem de cumprir com os termos da licença relativamente a elementos do material que
estejam no domínio público ou cuja utilização seja permitida por uma exceção ou limitação que
seja aplicável.
Não são dadas quaisquer garantias. A licença pode não lhe dar todas as autorizações
necessárias para o uso pretendido. Por exemplo, outros direitos, tais como direitos de imagem,
de privacidade ou direitos morais, podem limitar o uso do material.
AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI
set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br
FAN
Análise de
Negócio na
Perspectiva
de BI
Rildo Santos (@rildosan)
@rildosan | Versão: 14 | Set 2016 | #faneweb
www.etecnologia.com.br
Treinamento | Consultoria | Mentoria
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildosan@rildosan.com
Pessoas
Inovação
Tecnologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Indicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel Controle
Indicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel ControleIndicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel Controle
Indicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel Controle
CompanyWeb
 

Mais procurados (20)

Gestão por Processo
Gestão por ProcessoGestão por Processo
Gestão por Processo
 
Resumo do Guia BABOK® 3
Resumo do Guia BABOK®  3 Resumo do Guia BABOK®  3
Resumo do Guia BABOK® 3
 
ITIL 4
ITIL 4ITIL 4
ITIL 4
 
Analista de Negócio 2.0
Analista de Negócio 2.0Analista de Negócio 2.0
Analista de Negócio 2.0
 
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
Guia de Orientação para Carreira de Analista de Negócio
 
Guia BABOK v3 Principais mudanças
Guia BABOK v3 Principais mudançasGuia BABOK v3 Principais mudanças
Guia BABOK v3 Principais mudanças
 
Minicurso Gestão Ágil de Projetos com Abordagem Híbrida
Minicurso Gestão Ágil de Projetos com Abordagem HíbridaMinicurso Gestão Ágil de Projetos com Abordagem Híbrida
Minicurso Gestão Ágil de Projetos com Abordagem Híbrida
 
Catálogo de serviços ITIL template
Catálogo de serviços ITIL templateCatálogo de serviços ITIL template
Catálogo de serviços ITIL template
 
Process Design Thinking
Process Design ThinkingProcess Design Thinking
Process Design Thinking
 
BABok 2.0 - O Guia de Análise de Negócio
BABok 2.0 - O Guia de Análise de NegócioBABok 2.0 - O Guia de Análise de Negócio
BABok 2.0 - O Guia de Análise de Negócio
 
Projeto em Seguranca da Informação
Projeto em Seguranca da InformaçãoProjeto em Seguranca da Informação
Projeto em Seguranca da Informação
 
Gestão de Serviços de TI com a ITIL. Uma introdução
Gestão de Serviços de TI com a ITIL. Uma introduçãoGestão de Serviços de TI com a ITIL. Uma introdução
Gestão de Serviços de TI com a ITIL. Uma introdução
 
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMNMapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
 
Guia BPM CBOK(R)
Guia BPM CBOK(R)Guia BPM CBOK(R)
Guia BPM CBOK(R)
 
Gestão de Projetos Ágeis
Gestão de Projetos ÁgeisGestão de Projetos Ágeis
Gestão de Projetos Ágeis
 
Indicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel Controle
Indicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel ControleIndicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel Controle
Indicadores de Desempenho para a TI - Modulo 4 - Criação Painel Controle
 
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
 
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de NegócioTécnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
 
Arquitetura de negócio uma abordagem prática
Arquitetura de negócio uma abordagem práticaArquitetura de negócio uma abordagem prática
Arquitetura de negócio uma abordagem prática
 
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e MentoriaPortfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
Portfólio de Análise de Negócio: Consultoria, Treinamento e Mentoria
 

Destaque

Criatividade e inovação
Criatividade e inovaçãoCriatividade e inovação
Criatividade e inovação
Luis Rasquilha
 

Destaque (10)

Criatividade e inovação
Criatividade e inovaçãoCriatividade e inovação
Criatividade e inovação
 
Portfólio BPM
Portfólio BPMPortfólio BPM
Portfólio BPM
 
O analista de negócios e o gerente de projetos
O analista de negócios e o gerente de projetosO analista de negócios e o gerente de projetos
O analista de negócios e o gerente de projetos
 
Análise de negocios - Para onde estamos indo?
Análise de negocios - Para onde estamos indo?Análise de negocios - Para onde estamos indo?
Análise de negocios - Para onde estamos indo?
 
Avaliando o potencial de um negócio
Avaliando o potencial de um negócioAvaliando o potencial de um negócio
Avaliando o potencial de um negócio
 
Threats & Opportunities – The Future Of Social Media For Business
Threats & Opportunities – The Future Of Social Media For BusinessThreats & Opportunities – The Future Of Social Media For Business
Threats & Opportunities – The Future Of Social Media For Business
 
Análise do potencial de negócio – caso de estudo de Benfica
Análise do potencial de negócio – caso de estudo de BenficaAnálise do potencial de negócio – caso de estudo de Benfica
Análise do potencial de negócio – caso de estudo de Benfica
 
Crystal Dynamic Business Canvas
Crystal Dynamic Business CanvasCrystal Dynamic Business Canvas
Crystal Dynamic Business Canvas
 
Cosnumer trend canvas prezentation
Cosnumer trend canvas prezentationCosnumer trend canvas prezentation
Cosnumer trend canvas prezentation
 
(D) Business Potential Analysis, full
(D) Business Potential Analysis, full(D) Business Potential Analysis, full
(D) Business Potential Analysis, full
 

Semelhante a Análise de Negócio na Perspectiva de BI

Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de NegociosPrograma semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Grupo Treinar
 
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
Grupo Treinar
 
Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...
Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...
Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...
REVIE Inteligencia Empresarial
 
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
Ernani Marques, MBA, PRINCE2, PgMP/PMP, CBAP
 

Semelhante a Análise de Negócio na Perspectiva de BI (20)

Business Design Thinking
Business Design ThinkingBusiness Design Thinking
Business Design Thinking
 
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
Análise de Negócio para Equipe Ágeis v8
 
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
Business Analysis Canvas [Canvas para Análise de Negócio]
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Análise de Negócios How we figured out we had a ...
 
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
Como o Analista de Negócio entrega valor para empresas de software?
 
Palestra Analista de Negócio 3.0
Palestra Analista de Negócio 3.0 Palestra Analista de Negócio 3.0
Palestra Analista de Negócio 3.0
 
A Análise de Negócios como Modelo de Competências para o HR Business Partner
A Análise de Negócios como Modelo deCompetências para o HR Business PartnerA Análise de Negócios como Modelo deCompetências para o HR Business Partner
A Análise de Negócios como Modelo de Competências para o HR Business Partner
 
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de NegociosPrograma semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
Programa semi-presencial de formacao fundamental em Analise de Negocios
 
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
WorkShop Analise de Negocios - Visao Executiva
 
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design ThinkingTDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
TDC2018FLN | Trilha DT - Process Design Thinking
 
Desdobramento da Estratégia - FEA USP
Desdobramento da Estratégia - FEA USPDesdobramento da Estratégia - FEA USP
Desdobramento da Estratégia - FEA USP
 
A Profissão de Análise de Negócios
A Profissão de Análise de NegóciosA Profissão de Análise de Negócios
A Profissão de Análise de Negócios
 
SOP Brasil Institucional
SOP Brasil InstitucionalSOP Brasil Institucional
SOP Brasil Institucional
 
Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...
Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...
Artigo: O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futur...
 
Novidades da Sétima Edição do Guia PMBOK
Novidades da Sétima Edição do Guia PMBOKNovidades da Sétima Edição do Guia PMBOK
Novidades da Sétima Edição do Guia PMBOK
 
PETI - Planejamento Estratégico de TI
PETI - Planejamento Estratégico de TI PETI - Planejamento Estratégico de TI
PETI - Planejamento Estratégico de TI
 
Kick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
Kick Off IIBA - Capítulo Porto AlegreKick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
Kick Off IIBA - Capítulo Porto Alegre
 
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
1o Congresso da America Latina sobre Análise Negócios E Gestão De Projetos - ...
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (23/04/2014)
 
Documentação de Processos de Negócio
Documentação de Processos de NegócioDocumentação de Processos de Negócio
Documentação de Processos de Negócio
 

Mais de Rildo (@rildosan) Santos

Mais de Rildo (@rildosan) Santos (17)

Feedback. Arte de dar e receber feedback
Feedback. Arte de dar e receber feedbackFeedback. Arte de dar e receber feedback
Feedback. Arte de dar e receber feedback
 
Minicurso Meça o que importa com OKR
Minicurso Meça o que importa com OKRMinicurso Meça o que importa com OKR
Minicurso Meça o que importa com OKR
 
Meça o que importa com OKR
Meça o que importa com OKRMeça o que importa com OKR
Meça o que importa com OKR
 
Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)
Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)
Digital Business Design (Design de Negócios Digitais)
 
Jornada de Aprendizado Lean BPM
Jornada de Aprendizado Lean BPM Jornada de Aprendizado Lean BPM
Jornada de Aprendizado Lean BPM
 
Mapa Mental Scrum
Mapa Mental ScrumMapa Mental Scrum
Mapa Mental Scrum
 
Tutorial Scrum Experience
Tutorial Scrum Experience Tutorial Scrum Experience
Tutorial Scrum Experience
 
Gestão Ágil de Projetos
Gestão Ágil de ProjetosGestão Ágil de Projetos
Gestão Ágil de Projetos
 
Scrum Master em ação
Scrum Master em açãoScrum Master em ação
Scrum Master em ação
 
Transformação Ágil
Transformação ÁgilTransformação Ágil
Transformação Ágil
 
Service Design Thinking
Service Design Thinking Service Design Thinking
Service Design Thinking
 
Scrum, o tutorial definitivo
Scrum, o tutorial definitivo Scrum, o tutorial definitivo
Scrum, o tutorial definitivo
 
Feedback Canvas
Feedback CanvasFeedback Canvas
Feedback Canvas
 
Project Agile Canvas
Project Agile CanvasProject Agile Canvas
Project Agile Canvas
 
Service Design Thinking
Service Design ThinkingService Design Thinking
Service Design Thinking
 
Produtividade em Desenvolvimento de Software
Produtividade em Desenvolvimento de SoftwareProdutividade em Desenvolvimento de Software
Produtividade em Desenvolvimento de Software
 
Mentoria
Mentoria Mentoria
Mentoria
 

Último

CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
Renandantas16
 

Último (6)

CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 

Análise de Negócio na Perspectiva de BI

  • 1. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br FAN Análise de Negócio na Perspectiva de BI Rildo Santos (@rildosan) @rildosan | Versão: 14 | Set 2016 | #faneweb www.etecnologia.com.br Treinamento | Consultoria | Mentoria rildo.santos@etecnologia.com.br rildosan@rildosan.com Pessoas Inovação Tecnologia
  • 2. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Evento: 2
  • 3. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Palestrante: Rildo Santos (@rildosan) Sou consultor, estrategista, mentor, coach, facilitador, palestrante, instrutor, escritor e empreendedor. Sou presidente do BCI (Business Case Institute) capítulo Brazil. www.businesscaseinstitute.org Atua com Pessoas, Inovação, Planejamento Estratégico, Processos, Gestão, Análise de Negócio, Liderança, Empreendedorismo, Tecnologia da Informação e Métodos Ágeis. Sou Administrador de Empresas, Especialista em Didática do Ensino Superior e Mestrando em Engenharia da Software pelo Mackenzie. Tenho as certificações ITIL, instrutor Oficial certificados em Cobit e Cobit Game, CSM, CSPO e instrutor Java. Minha experiência em BI, vem de uma vivência em fábrica de inteligência de negócio de uma grande operada do telecom. Trabalhos realizados em pré-venda de serviços de DW/BI. E por fim de atuação em treinamento de Banco de Dados e Certificação de BI da Linha Microsoft. 3
  • 4. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Mentoria Serviços da eTecnologia Treinamento Consultoria Desenvolver e capacitar pessoas Desenvolver habilidades Pessoas capacitadas Necessidades e Expectativas eTecnologia oferece um conjunto de serviços com objetivo de transformar e gerar valor para as organizações: Resultados e Valores Ganhos: Eficiência e Eficácia Ganho: Efetividade 4 Transformação de resultados Melhoria de Desempenho da Empresa Pessoas habilitadas
  • 5. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Compartilhamento de Conhecimento: 5 Acesse: www.slideshare.net/ridlo/presentations Compartilhamento de conhecimento é parte da missão da eTecnologia: Contribuímos para que as pessoas possam alcançar seus sonhos pessoais e profissionais. . Publicamos nosso conteúdo, apresentações no slideshare, faça uma visita. * Já alcançamos a marca de mais de 1.000.000 de views
  • 6. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br A cada dia as organizações se tornam mais complexas, por conta de novas exigências dos clientes, por conta de consolidação, aquisição, fusão, da necessidade de reduzir custos, da competição global ou pela implementação de novas leis e regulamentações. Saber somente tecnologia já não é o suficiente, é preciso conhecer o negócio, entender suas reais necessidades, oportunidades, problemas, requisitos e partes interessadas. Você está preparado para desenvolver soluções que entregam valor para as partes interessadas? 6 Introdução:
  • 7. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 7 Introdução: Fraldas e Cerveja O que cerveja tem a ver com fraldas? Uma das maiores redes de varejo dos Estados Unidos descobriu, em seu gigantesco Data Warehouse, que a venda de fraldas descartáveis estava associada à de cerveja. Em geral, os compradores eram homens, que saíam à noite para comprar fraldas e aproveitavam para levar algumas cervejas para casa. Os produtos foram postos lado a lado. Resultado: a venda de fraldas e cervejas disparou. Uma boa solução de BI precisa gerar valor para as partes interessadas, é neste ponto que o Analista de Negócio entra e pode fazer a diferença.
  • 8. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Conteúdo: 1 Parte 1: Visão Geral dos Fundamentos da Análise de Negócio Parte 2: Análise de Negócio e Perspectiva de BI 2 Parte 3: Estudo de Caso 3 8
  • 9. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 9 Visão Geral dos Fundamentos da Análise de Negócio 1
  • 10. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 10 Guia BABOK 3.0: Advertência: O Guia BABok® não deve ser interpretado como uma imposição de que todas as práticas descritas na publicação devam ser seguidas em todas as circunstancias. Ele não deve ser seguido no estilo “by the book”. Qualquer conjunto de práticas pode ser adaptado para condições especificas para melhor atender as necessidades de negócio de uma organização. Guia BABOK® 3 Guia BABOK® 3 é o Corpo de Conhecimento de Análise de Negócio. Ele é mantido IIBA (Instituto Internacional de Análise) e considerado um padrão internacional de práticas para análise de negócios. Ele incorpora o conhecimento coletivo e a experiência de especialistas na área de todo o mundo. O objetivo principal do Guia BABOK® é definir a profissão de Analista de Negócio e fornecer um conjunto de práticas comumente aceitas. Ele ajuda os profissionais a definir as competências necessárias para desempenhar com efetividade o trabalho de análise de negócio. O Guia BABOK® 3 é uma referência para as práticas de Análise de Negócio. O Guia BABOK 3.0
  • 11. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Definição de Análise de Negócio segundo o Guia BABOK 3.0: "A prática de viabilizar mudanças em organizações através da definição de necessidades e recomendação de soluções que entregam valor para às partes interessadas.“ Análise de Negócio permite que uma empresa possa articular as necessidades e as razões para a mudança, e para “projetar” e descrever as soluções que podem entregar valor. Análise de negócios é realizado em uma variedade de iniciativas dentro de uma empresa. As iniciativas podem ser estratégicas, táticas ou operacionais. Análise pode ser realizada em um projeto ou ao longo da evolução da empresa em ciclo de melhoria contínua. Ela pode ser utilizada para compreender o cenário atual, a definir o cenário futuro, e para determinar as atividades necessárias para alcançar o cenário futuro. Definição de Análise de Negócio 11
  • 12. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br TI Solução: - TI 12 Função Trabalha 100% do tempo com Análise de Negócio e afins Papel Trabalha de forma pontual ou parcial com Análise de Negócio e afins Negócio Soluções: - TI - Processos - Pessoas - Organização PerfilAtuação O Perfil do Analista de Negócio: Cargo ou Papel Definição de Analista de Negócio segundo BABOK 3: “Um analista de negócios é qualquer pessoa que executa as tarefas de análise de negócios descrita no Guia BABOK®, não importa o seu cargo ou função organizacional. “
  • 13. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 13 Ciclo de Análise de Negócio Produto resultante da Análise de Negócio Analista de Negócio Especialistas Necessidade de Negócio Colaboração Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos Análise da Estratégia Análise de Requisitos e Definição de Design Avaliação da Solução Elicitação e Colaboração Áreas representam conhecimento que a análise do negócio necessita para entregar valor as partes interessadas. Existem seis áreas de conhecimento: Competências Fundamentais
  • 14. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 14 Técnicas de Análise de Negócio Técnicas facilitam a execução das tarefas de análise de negócio. São 50 técnicas, veja a lista abaixo: Critério de Aceite e Avaliação Gerenciamento de Backlog Balanced Scorecard (BSC) Benchmarking e Análise de Mercado Brainstorming Análise de Capacidade de Negócio Caso de Negócio (Business Cases) Business Model Canvas (BMC) Análise de Regras de Negócio Jogos Colaborativos Modelagem Conceitual Dicionários de Dados Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Mineração de Dados (Data Mining) Modelagem de Dados Análise de Decisão Modelagem de Decisão (Decision Modelling) Análise de Documentos Estimativa Análise Financeira Grupos de Focais Decomposição Funcional Glossário Análise de Interface Entrevistas Item Tracking (Controle de Item) Lições Aprendidas Métricas e Indicadores de Desempenho (KPIs) Mapa Mental Análise de Requisitos não funcionais Observação Modelagem Organizacional Priorização Análise de Processos Modelagem de Processos Prototipagem Revisão Gerenciamento e Análise de Risco Matriz de Papéis e Responsabilidade (RACI) Análise de Causa Raiz Modelagem de Escopo Diagrama de Sequência Lista de Parte Interessadas , Mapa ou Personas Modelagem de estado Questionário ou Pesquisa (survey) Análise SWOT Caso de Uso e Cenários Histórias do Usuário (User Stories) Avaliação de Fornecedores Workshops
  • 15. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Requisitos das Partes Interessadas 15 Requisitos Definição de requisitos: "Um requisito é uma representação útil de uma necessidade. Requisitos focam em compreender que tipo de valor pôde ser entregue se um requisito é satisfeito. A natureza da representação pode ser um documento (ou conjunto de documentos), mas pode variar muito, dependendo das circunstâncias". Esquema de classificação de requisitos: - Requisitos de Negócio - Requisitos das Partes Interessadas - Requisitos da Solução: - Requisitos Funcionais e Requisitos Não Funcionais ou Requisitos de Qualidade de Serviço - Requisitos de Transição Requisitos de Negócio Requisitos da Solução Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Requisitos de Transição Objetivo e/ou meta de negócio Necessidades, Expectativas, Preocupações e Desejos Capacidades e e recursos Para colocar uma solução em operação Funcionalidades, qualidades e restrições... Analista deve conhecer e entender o negócio Analista deve entender e atender as pessoas Analista deve conhecer e entender a operação Analista deve saber como construir soluções de negócio Requisitos O quê?Conhecimento
  • 16. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 16 Requisitos e Design Requisitos de Negócio Requisitos das Partes Interessadas Requisitos da Solução Requisitos da Transição Quais são as condições para colocar a solução em operação? Quais são as expectativas, necessidades, preocupações e desejos? Quais são as funcionalidades? Quais são critérios de qualidade? Quais são as metas e objetivos de negócio? Ciclo contínuo enquanto houver requisitos Ciclo de Requisitos e Design: “Design somente acaba quando todos os requisitos foram trabalhados”
  • 17. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 17 BACCM (Modelo de Conceitos Centrais da Análise de Negócios) O BACCM (Business Analysis Core Concept Model - Modelo de Conceitos Centrais da Análise de Negócios) é um framework conceitual que facilita a aplicação das práticas de análise de negócio. O BACCM facilita a aplicação das práticas de análise de negócio
  • 18. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 18 Perspectivas Perspectivas descrevem disciplinas especializadas dentro da prática de análise de negócio. Uma perspectiva é conjunto de comportamentos, terminologia e atitudes. Elas são usadas pelo Analista de Negócio dentro suas atividades de análise de negócio. Perspectivas* Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP) Inteligência de Negócio (BI) Tecnologia da Informação (TI) Arquitetura de Negócio Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) *Lista não exaustiva.
  • 19. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 19 Missão do Analista de Negócio Analista de Negócio tem diversas responsabilidades, mas aquela mais significante, a missão é entregar o ROI da soluções, ou seja, gerar valor para as partes interessadas. ROI da Solução = Entrega de Valor
  • 20. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 20 Modelo para Análise de Negócio Área de Conhecimento Documentos de Saída ou Produtos resultantes da Análise de Negócio Documentos de Entrada (Demanda de Negócio) Técnicas Tarefas de Análise de Negócio
  • 21. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 21 Análise de Negócio e Perspectiva de BI 2
  • 22. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 22 Introdução: Por que as organização precisam do Business Intelligence (BI) ? As organizações tem necessidade que vão além dos sistemas transacionais, elas carecem de informações em visões diferentes e compiladas de diversas formas para tomada de decisão, para fazer integração entre áreas e para consolidar resultados. Olhar para diversos sistemas transacionais e arquivos para obter informações além de levar muito tempo e pode ser não confiável. Na maioria das vezes, as informações existem, mas são difíceis de se obter tanto por não residirem em seus sistemas transacionais como por estarem fragmentadas em diversos sistemas e arquivos. Embora as funções de uma organização como vendas, finanças, contabilidade, custos, logística, gestão de pessoas e etc, estejam interligadas, os dados que produzem e armazenam não estão. Para que uma organização possa cumprir sua missão com desempenho ideal e efetividade, as informações devem fluir através de limites funcionais ou departamentais. Soluções de BI tem o propósito de coletar, tratar, armazenar, consolidar e disponibilizar as informações para facilitar os gestores na tomada de decisão.
  • 23. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 23 Introdução: Por que as organização precisam do Business Intelligence (BI) ? Peso das decisões: Nenhum fator tem tanto impacto no desempenho de uma organização quanto a capacidade de seus gestores de decidir em meio aos cenários de incertezas.
  • 24. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 24 Introdução: Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) O objetivo de inteligência de negócio é a transformação de dados em informações de valor agregado para apoiar a tomada de decisão de negócios nos níveis estratégico, tático e operacional. Nível executivo: Apoia decisões estratégicas Nível de gestão: Suporta decisões táticas Nível de processo: Suporta decisões operacionaisNível Operacional Nível Tático Nível Estratégico
  • 25. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 25 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Demandas de Negócio por Soluções de BI: Existem pelo menos duas forma de tratar a demanda de negócio, a primeira quando as partes interessadas sabem que elas querem, e solicitam uma solução de BI e a segunda quando as partes interessadas tem uma necessidade mas não sabem o que querem. Quando os clientes e/ou usuários sabem exatamente o que querem Quando os clientes e usuários não sabem exatamente o que querem
  • 26. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 26 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Ser o Construtor da Ponte entre Cliente/usuários e Equipe de BI Quando os clientes e/ou usuários não sabem exatamente o que querem GAP Equipe de BIClientes e usuários Analista de Negócio Neste cenário o Analista de Negócio deve atuar como orquestrador entre o cliente e equipe de BI, como objetivo de facilitar o entendimento da necessidade e definir o que deve ser feito... Entendimento da Necessidade do Cliente
  • 27. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 27 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Framework Conceitual de Solução de BI Entradas Processamento Saídas Visão Macro Visão do Usuário Visão Detalhada Visão dos técnicos
  • 28. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 28 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Descritiva Diagnóstica Preditiva Prescritiva O que aconteceu? Por que aconteceu? O que é provável de acontecer? O que devo fazer? Metodologia: - BABOK não define metodologias para solução de BI. Entretanto o guia apresenta conceitos e abordagens. No âmbito de inteligência de negócios, BABOK, discute alguns conceitos e recomenda algumas abordagens. Conceito de Tipos de Análise: Existem quatro tipos de análise de dados que representam soluções incrementais, com níveis de complexidade crescente dos sistemas, custo e valor. Coleta condições ambiente e operação Exemplo: Google Analytics Examina as causas Detecta padrões e comportamentos Identifica medidas para melhorar os resultados ou para corrigir problemas Tipos de Análise
  • 29. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 29 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Abordagem: Supply and Demand Driven (Orientada pela Oferta e Orientada pela Demanda) Supply-driven (Orientado pela Oferta): Esta abordagem mapeia dados dos sistemas existentes (fontes de dados) para definir quais dados estão disponíveis. Assume ponto de vista "para um determinado custo, qual o valor que podemos entregar? ". Demand-driven (Orientado pela demanda): Esta abordagem começa com a identificação das informações que são necessárias para apoiar decisões de negócios e em seguida mapeia como encontrar essas informações nas fontes de dados para determinar a viabilidade e custo. x
  • 30. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 30 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Supply and Demand Driven (Orientada pela Oferta e Demanda) Os objetivos e prioridades de uma iniciativa de BI pode ser baseada em metas técnicas de melhoria dos sistemas de distribuição de informação existentes (orientada pela oferta) ou sobre os objetivos de negócio de fornecer a informação apropriada para melhorar os processos de tomada de decisão (orientada pela demanda): Supply-driven (Orientado pela Oferta): Assume o ponto de vista "para um determinado custo, qual o valor que podemos entregar? ". Esta abordagem mapeia dados dos sistemas existentes para definir quais dados estão disponíveis A estratégia de implementação comum seria: 1 - fase a inclusão de bancos de dados existentes para solução de arquitetura da inteligência de negócios da solução, 2 - Progressivamente substituir ou reparar saídas existentes e 3 - Explorar novos “insights” que pode ser adquirida a partir do consolidado dados. Demand-driven (Orientado pela demanda): Assume o ponto de vista "para um dado valor, qual custo nós incorremos? ". Esta abordagem começa com a identificação das informações que são necessárias para apoiar decisões de negócios e em seguida mapeia como encontrar essas informações nas fontes de dados subjacentes para determinar a viabilidade e custo. Isto prevê estratégias de implementação incrementais que não são determinados por existir estruturas de banco de dados, e permite o uso exploratório inicial de inteligência de negócios para além dos requisitos de comunicação existentes.
  • 31. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 31 Perspectiva de Inteligência de Negócio (BI) Dados Estruturados, Semi-estruturados e Desestruturados: Existem três tipos de dados que as abordagens de BI que devemos considerar:
  • 32. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 33 Estudo de Caso 3 Práticas de Análise de Negócio e Perspectiva de BI
  • 33. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 34 Objetivo da Análise de Negócio Para entregar valor o Analista de Negócio deve ser responder algumas questões chaves: - Quais são as necessidades de negócio? - Quem são as partes interessadas? - O que é o valor para as partes interessadas? - Qual solução satisfaz as necessidades de negócio? - Como entregar valor para as partes interessadas? - Que tipo de mudança é necessária para garantir entrega de valor?
  • 34. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 35 Introdução da Análise de Negócio na Perspectiva de BI O objetivo principal do Analista de Negócio é definir “por que” e “o que fazer”. Objetivo 1: Por que? Qual é o propósito da demanda de negócio? Propósito Objetivo 2: O que? Definir o que fazer O que fazer
  • 35. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 36 Introdução da Análise de Negócio na Perspectiva de BI Definir o “o que fazer” Para definir o que fazer é importante para saber Quais são as necessidades reais do negócio e da parte interessadas? O Analista deve trabalhar para entender as necessidades reais de negócio e das partes interessadas. Parece simples, mas não é, pois nem sempre as partes interessadas tem plena certeza do que elas precisam para fazer suas atividades. Adaptado de Brooks: “A parte mais difícil na construção de uma solução consiste exatamente em identificar o que construir. Nenhuma outra parte do trabalho do Analista de Negócio compromete tanto o resultado do trabalho se elaborado de forma incorreta. Nenhuma outra parte oferece tanta dificuldade para efetuar correções posteriores. " Não importa quão bem é uma solução é feita, se as necessidades e expectativas não foram entendidas por completo, não haverá entrega de valor para o clientes. (@rildosan) O objetivo principal do Analista de Negócio é definir “por que” e “o que fazer”.
  • 36. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 37 Equipe de Projeto Soluções de BI Partes Interessadas Analista de Negócio Analista de Negócio Atuando na Gestão Demanda de Negócio Necessidades de Soluções de BI Gestão de Demanda de Negócio Projeto Estratégia Internas Externas Oportunidade Design da Solução Entendimentos dos Requisitos Entendimento da Demanda Técnicas Especialistas Problema Resultado: Solução de BI Melhorias Novos negóciosConformidade Transformar as necessidades em soluções Ser o facilitador da comunicação entre as partes interessadas Ser mentor para a equipe de projeto Representar as partes interessadas (clientes) Entregar valor para as partes interessadas Gerenciar o Ciclo de Vida da Soluções Calcular o “ROI” da solução
  • 37. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 38 Análise de Negócio Enxuta Adoramos o simples, desta forma praticamos a Análise de Negócio Enxuta focamos no BACCM: Entender a necessidade de negócio Identificar e classificar as partes interessadas Mapear os contextos Design da Solução Planejar Mudança Identificar o valor que solução deve entregarRequisitos do Negócio Requisitos das partes interessadas Requisitos da solução Requisitos de transição
  • 38. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 39 Técnicas Lista de técnicas que podem ser usadas para desenvolvimento de Soluções de BI Critério de Aceite e Avaliação Estimativa Entrevistas Lições Aprendidas Métricas e Indicadores de Desempenho (KPIs) Mapa Mental Análise de Requisitos não funcionais Observação Modelagem Organizacional Priorização Gerenciamento e Análise de Risco Matriz de Papéis e Responsabilidade (RACI) Análise de Causa Raiz Modelagem de Escopo Lista de Parte Interessadas
  • 39. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 40 Análise de Negócio Enxuta Necessidade: Entender a necessidade de negócio Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio
  • 40. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 41 Necessidade: Combater a Evasão Escolar Análise de Negócio Enxuta O objetivo do secretário de educação é reduzir para 5% a evasão escolar em um ano. O objetivo pode ser traduzido como um Requisito de Negócio ou Objetivo de Negócio: Em outras palavras para entregar valor para o “Dono do Negócio” (Business Owner) a solução proposta deverá ajudar na tomada de decisão e no planejamento das ações para redução da evasão escolar. 5% 10% Em dado município foi identificado uma crescente onda de evasão escolar no ensino fundamental, em 2014, a evasão era de 5%, mas em 2015, de repente ela chegou a 10%. Em reunião com o secretário de educação, ele chamou atenção para problema e fez uma solicitação de criação de uma solução que tenha informações suficientes para ajudar na elaboração de ações que reduzam a evasão escolar. 2014 2015
  • 41. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 42 Necessidade: Combater a Evasão Escolar Existem muitos motivos que levam o aluno abandonar a escola: - Necessidade de entrar no mercado de trabalho - Falta de interesse pela escola - Falta ou deficiências no transporte escolar - Doenças crônicas - Falta de incentivo dos pais - Problemas familiares - Mudanças de endereço - Outros. Para serem minimizados, esses problemas dependem de ações efetivas. Entretanto, é necessário ter informações para tomar decisão, planejar e executar as ações Análise de Negócio Enxuta Secretária da Saúde Informações sobre desempenho e frequência dos alunos Informações sobre saúde dos alunos Secretária da Educação
  • 42. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 43 Necessidade: Combater a Evasão Escolar Fatos apontados pelo secretário: O município tem mais 12.000 alunos matriculados em escola municipais, a taxa de evasão cresceu 100% no último ano, foi de 5% para 10%, isso significa que 1 em cada 10 alunos que iniciam o ensino fundamental abandona a escola antes de completar a última série. Do ponto de vista da gestão, o gestor público é responsável pela educação deve abraçar a causa e disponibilizar recursos para combater a evasão escolar, envolver outras secretárias para que ações sejam efetivas, a secretaria da saúde e de educação deve atuar integradas para identificar e erradicar as causas da evasão. Análise de Negócio Enxuta Secretária da Saúde Informações sobre saúde dos alunos Secretária da Educação Informações sobre desempenho e frequência dos alunos
  • 43. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 44 As secretarias têm sistemas independentes, não integrados e com diferentes tecnologias, principais fontes de dados: Análise de Negócio Enxuta Planilhas Sistema de Educação Sistema de Saúde Sistema de Gestão de Saúde, contém informações de saúde do município Algumas informações da secretária de saúde estão em planilhas. Sistema de Gestão de Educação, contém informações de educação do município. Este é principal sistema, ele tem maior partes dos dados para construção da solução. O Analista selecionou abordagem Supply-driven (Orientado pela Oferta): - Esta abordagem mapeia as fontes de dados existentes para definir quais dados estão disponíveis A Analista classificou as fontes de dados como: - Dados Estruturados: Banco de Dados dos Sistemas - Semi-estruturados: Planilhas Necessidade: Combater a Evasão Escolar
  • 44. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 45 Análise de Negócio Enxuta Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio Identificar e classificar as partes interessadas Requisitos das partes interessadas
  • 45. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 46 Análise de Negócio Enxuta Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas O secretário da Educação (dono do negócio) apontou as principais partes interessadas na solução. - Secretário da Saúde - Pais e Alunos - Diretores de Escola, Coordenadores Pedagógicos e Professores O prefeito é principal patrocinador, logo ele também é uma parte interessada. Quem Papel Nível de Influência Descrição Prefeito Patrocinador Altíssima influência É gestor responsável pelo município Secretário de Educação Dono do Negócio (Business Owner) Alta influência É gestor responsável pela pasta educação do município. É o dono do negócio é autor da demanda de negócio. Diretores, Coordenadores e Professores Interessados Média influência Serão impactados pela mudança causada pela solução Pais e alunos Interessados Baixa influência Serão impactados pela mudança causada pela solução Alunos Interessados Baixa influência Serão impactados pela mudança causada pela solução
  • 46. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 47 Análise de Negócio Enxuta Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas Objetivos, Necessidades, Expectativas, Preocupação, Premissa e Nível Prioridade: Requisitos das das Partes Interessadas Descrição Objetivo Reduzir a evasão escolar Necessidades Devido o aumento significativo da evasão escolar, tornou necessário ter informações suficientes para tomada de decisão e para facilitar o planejamento de ações para combater a evasão escolar. A solução tem que integrar os sistemas de gestão de educação e gestão de saúde para gerar informações que são necessárias para o planejamento das ações de combate a evasão escolar. Expectativas - A solução deve ficar pronta em 2 meses - Os principais atores devem ser capacitados para usar e operar a solução. Preocupação Aumento da evasão escolar no município Premissa A solução deverá ser construída com softwares livres Nível de Prioridade Alta
  • 47. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 48 Análise de Negócio Enxuta Partes Interessadas: Elicitar Requisitos das Partes Interessadas Requisitos das Partes Interessadas Lista de Requisitos Requisitos funcionais - Questão chave: Quais funcionalidades a solução de BI deve possuir? Requisitos Não Funcionais: - Questão chave: Quais qualidades de serviço (QoS) a solução de BI deve ter? Requisitos de Transição - Questão chave: Quais capacidades e recurso são necessários para implantar e operacionalizar a solução? Respostas: - Fazer consultas - Gerar relatórios predefinidos - Exportar dados para excel - Exibir painéis de indicadores - Consulta Ad-hoc - Relatório Ad-hoc - Gerar alertas por relatórios, e-mail e sms Respostas: - Importar dados dos sistemas de educação, saúde e escolar - Deve estar disponível durante o período comercial (8hx5d) - Deve ser intuitivo e fácil de usar - Deve ser rápido, as consultas devem demorar no máximo 3 minutos - Exatidão dos dados - Os dados devem ser íntegros - Acesso a Solução deve controlada por senha - Design Responsivo Resposta: - As pessoas da secretária da educação devem estar capacitadas para usar e operar a solução
  • 48. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 49 R – Responsável: Quem é responsável pela execução (a execução pode ser delegada) A C I R I - Informado, quem é informado (Exemplo: antes ou depois da execução de uma atividade) A – Accountable, (Responsabilizado) quem presta conta (ou é cobrado) do resultado da solução C – Consultado, quem é consultado (Exemplo: antes da execução de uma atividade) Papel Principal Atividade RACI Analista de Negócio Elaborar a Solução de Negócio R Acompanhar o ciclo de vida da solução para validação do ROI R Dono do Negócio Validar e aprovar a solução de negócio A/C Patrocinador Patrocinar o desenvolvimento da solução I Secretários de Saúde e Educação Dar apoio na construção da solução C Equipe de TI Implementar a solução R/C Partes Interessadas: Identificar e Classificar as Partes Interessadas Análise de Negócio Enxuta Técnica: Matriz RACI Objetivo: Identificar e atribuir responsabilidades e papeis para as partes interessadas.
  • 49. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 50 Análise de Negócio Enxuta Valores: Identificar o valor que solução deve entregar Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio Requisitos do Negócio Identificar e classificar as partes interessadas Requisitos das partes interessadas Identificar o valor que solução deve entregarRequisitos do Negócio
  • 50. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 51 Valores Não basta desenvolver boas soluções para as necessidades de negócio. As soluções devem entregar valor para as partes interessadas. O valor pode ser visto como potenciais retornos realizados, vantagens, benefícios, os ganhos e melhorias. Em alguns casos é possível ter uma redução no valor sob a forma de perdas, riscos e aumento de custos. É possível mensurar o valor através da avaliação de desempenho das soluções. O Analista de Negócio quando responsável pelo desempenho de uma solução, deverá fazer a avaliação através de indicadores de desempenho. O valor pode ser tangível ou intangível: - Valor tangível é diretamente mensurável. Valor tangível muitas vezes tem uma componente monetário significativo, como aumento de receita. - Valor intangível é mensurado de forma indireta. Valor intangível, muitas vezes tem um componente significativo, como aumento da reputação ou elevação da motivação dos funcionários de uma empresa. No BACCM, o valor é definido como: “O valor, importância ou utilidade de algo para as partes interessadas em um contexto” Ressaltando: O objetivo principal da Análise de Negócio é entregar valor para as partes interessadas "O valor é uma medida de quão bem uma organização, projeto, produto ou serviço, satisfaz os objetivos das partes interessadas. O conceito de valor é baseado na relação entre as necessidades e expectativas satisfatórias e os recursos necessários para alcançá-los que podem mudar tanto com o contexto e tempo. "
  • 51. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Valores: Definir valor que será entregue as partes interessaas Requisito de Negócio Diretriz de Negócio: Reduzir a evasão escolar Requisito de negócio é aquilo que deve ser entregue para gerar valor. Planejamento Estratégico do Município Demanda é estratégica ? Sim 52 Análise de Negócio Enxuta Necessidades Negócio Diretriz de Negócio Requisito de Negócio: “Reduzir a evasão escolar para 5% em um ano” Avaliação de Desempenho Medição: Indicador de desempenho Taxa de Evasão: % Evasão Escolar Exemplo de Resultado: Taxa de Evasão: 10% Entrega de Valor AnálisedaEstratégiaCiclodeVida daSolução Definido na área de conhecimento Avaliação da Solução: Requisitos das Partes Interessadas Partes interessadas
  • 52. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 53 Contexto Segundo BABOK, contextos são circunstâncias, situações que influenciam, são influenciadas por, e fornecer uma compreensão da mudança. Elementos Descrição Estratégia (diretriz) Reduzir a evasão escolar Tempo Prazo de entrega da solução: 2 meses Organização/Área Demais áreas impactadas pela solução: - Área que será a principal beneficiada pela implantação da solução: Secretária de Educação Demais áreas impactadas pela solução: - A área que também será influenciada pela implantação da solução: Secretária de Saúde Principal parte Interessada Secretário de Educação Comportamento Resistência dos pais dos alunos Sistema Sistemas que fazem interface direta coma a solução: - Gestão de Escolar - Gestão de Saúde Tecnologia Uso de tecnologia livre (open-source)
  • 53. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 54 Análise de Negócio Enxuta Contextos: Mapear os contextos Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio Requisitos do Negócio Identificar e classificar as partes interessadas Requisitos das partes interessadas Identificar o valor que solução deve entregarRequisitos do Negócio Mapear os contextos
  • 54. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 55 Contextos Segundo BABOK, contextos são circunstâncias, situações que influenciam, são influenciadas por, e fornecer uma compreensão da mudança. As mudanças ocorrem dentro de um contexto. O contexto é tudo relevante para a mudança que está dentro do meio ambiente. Contexto podem incluir: - Partes interessadas, - Atitudes, - Comportamentos, - Crenças - Concorrentes, - Cultura, - Demografia, - Metas, - Infraestrutura - Processos, - Produtos e ferramentas - Projetos, - Tecnologia - Tempo E qualquer outro elemento que correspondem à definição Questão chave: Para identificar quais elementos podem influenciar o contexto da solução, podemos fazer a seguinte questão: Quais são os elementos doa contextos que podem influenciar e são influenciadas pela solução?
  • 55. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 56 Análise de Negócio Enxuta Soluções: Design de Soluções Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio Requisitos do Negócio Identificar e classificar as partes interessadas Requisitos das partes interessadas Identificar o valor que solução deve entregarRequisitos do Negócio Mapear os contextos Design de Soluções Requisitos da solução Requisitos de transição
  • 56. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Desenvolvimento de Solução de Negócio: 57 Foco da Análise de Negócio deve ser na solução e não no problema. O Analista de Negócio deve trabalhar para desenvolver as melhores soluções para os problemas de negócio.
  • 57. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 58 Análise de Negócio Enxuta A solução está associada com a perspectiva de Inteligência de Negócio (BI), pois ela tem as seguintes características: - Integração de dados diversos sistemas fontes - Informação analítica para tomada de decisão - Necessidade de indicadores de gestão Perspectivas* Ágil (Método Ágil. Exemplos: Scrum e XP) Inteligência de Negócio (BI) Tecnologia da Informação (TI) Arquitetura de Negócio Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) *Lista não exaustiva. Solução: Design da Solução
  • 58. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 59 Análise de Negócio Enxuta A solução será composta pelos seguintes artefatos: *Lista não exaustiva. Solução: Design da Solução Documento de Design da Solução - Descrição da Solução - Escopo da Solução - Premissas - Restrição - Requisitos da Solução - Dependências - Capacidades - Soluções - Critérios de aceitação - ROI da Solução (Entrega de Valor) Arquitetura da Solução - Visão da Arquitetura da Solução
  • 59. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Desenvolvimento do Documento de Design da Solução Premissas e Restrições Requisitos da Solução* Capacidades Requeridas Dependências 60 Desenvolvimento da Solução Escopo da Solução Solução Ótima Boa Viável Critérios de Aceitação Entrega de Valor (ROI da Solução) Análise de Negócio Enxuta
  • 60. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 62 Solução: Design da Solução Design da Solução Escopo da Solução Dentro do escopo: - A Solução de BI deve integrar os dados dos sistemas de educação e saúde para gerar informações de forma tempestiva e estrutura para tomada de decisão e planejamento de ações com objetivo de combater a evasão escolar no município. Fora do escopo: - Atenderá somente a educação municipal. Descrição da Solução A solução deverá fazer a integração e cruzamentos dos dados dos sistemas de educação e saúde para gerar informações de forma tempestiva e estruturada para o gestor de educação, fazer tomada de decisão e planejar as ações que são necessárias para redução da evasão escolar do município. A solução deverá permitir a emissão de relatórios, consultas Ad-hoc (OLAP)- interativas, consultas e relatórios predefinidos. Ela também deverá prover relatórios sobre a evasão por escola e alertas por e-mail para escolas que possuem os maiores índices de evasão e SMS para os pais dos alunos. Para facilitar a gestão da evasão a solução terá painéis de indicadores (dashboards) com os dados e gráficos de evasão de todas as escolas do município. Atualização da solução deverá diária. A Solução também disponibilizará os dados de evasão para os diretores das escolas através da web. Os diretores terão visões de evasão por turma, série e por período. Essas informações também serão compartilhadas com os pais dos alunos através do Portal de Educação. Análise de Negócio Enxuta
  • 61. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 63 Restrições, Premissas, Dependências e Capacidades Requeridas Solução: Design da Solução Análise de Negócio Enxuta A solução deve ficar pronta em 2 meses (tempo) A solução deverá ser construída com softwares livres Dependências Restrições Premissas Sistemas de Educação Sistemas de Saúde Capacidades Requeridas Sistema Gerenciador de Banco de Dados (PostGreSQL) Ferramenta de BI (Pentaho versão comunitária) Planilhas Excel Servidores Rede/Internet Conhecimento de BI Infraestrutura (hardware e software) - disponível
  • 62. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 64 Análise de Negócio Enxuta Solução: Design da Solução Requisitos da Solução e de Transição Mapa de Requisitos da Solução Requisitos funcionais Requisitos Não Funcionais Requisitos de Transição Gerar relatórios Exportar para excel Consultas Ad-hoc Integridade dos dados Segurança Disponibilidade Usabilidade Desempenho Gerars Alertas Design Responsivo Treinar as pessoas da Secretária de Educação Relatório Ad-hoc Exibir Painéis de indicadores Fazer Consultas Acurácia dos dados
  • 63. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Exemplo de Check List para Priorização de Requisitos: 1 - Definir critério: Priorizar os requisitos com base no valor para o negócio e para partes interessadas. 2 – Abrangência: Defina a abrangência da priorização. Exemplo: Priorizar somente os requisitos funcionais. 3 - Nível de Priorização: Determinar os níveis de priorização, por exemplo: 5-Alto , 3-Médio e 1-Baixo. 4 – Escolher a técnica ou método para priorização: Quando a solução será um software, existem diversos que podem ser utilizados como MoSCoW, Kano Theme Screening, Theme Scoring, Portfólio de Produtos, Curva ABC de Cliente e etc. Nós utilizaremos o MoSCoW (must have, should have, could have, won’t have). 5 – Aplicar o modelo: Priorizar os requisitos. Faça uma oficina de trabalho ou uma reunião, convide todas partes interessadas, explique o modelo de priorização e peça para eles fazerem a priorização. O Analista deve atuar como um facilitador e às vezes como questionador do valor dos requisitos com intuito de melhorar o nível de priorização. 6 – Publique um documento com os requisitos priorizados. Não basta identificar e escrever todos os requisitos eles precisam ser priorizados. A priorização serve para definir claramente em qual ordem os requisitos serão entregues e /ou implementados. A priorização é um processo de tomada de decisão usado para determinar a importância relativa dos requisitos. A importância dos requisitos pode ser baseada em critérios como: valor agregado, no risco, na complexidade de implementação, no custo, no tempo (duração) ou em qualquer outro critério. Priorização de Requisitos 65
  • 64. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Priorização de Requisitos: MoSCoW MoSCoW é um método para priorização. Ele foi desenvolvido por Dai Clegg e foi usado no DSDM (Método de Desenvolvimento de Sistemas Dinâmicos) que é um método ágil para desenvolvimento de software. MoSCoW é acrônimo, ou seja, veja equivalência na tabela: Nível Nome do Nível de Prioridade Descrição do Nível de Prioridade 5 – Alto Must have (Deve ter) Descreve um requisito que deve fazer parte da solução. Ele é vital e, portanto, deve ser obrigatório. Requisitos com alto valor agregado para o negócio. 3 – Médio Should have (Deveria ter) Representa um requisito que deveria fazer parte da solução, caso possível, ele é importante, mas não vital. Requisitos com médio valor agregado para o negócio. 1 – Baixo Could have (Poderia ter) Descreve um requisito que é considerado desejável, mas não importante, e que será incluído na solução caso o tempo e os recursos permitam. Requisitos com baixo valor agregado para o negócio. 0 – Nulo Won´t have (Não terá) Representa requisitos que não devem fazer parte da solução. Requisitos sem valor agregado para o negócio. Boa Prática: MoSCoW (Deve ter, deveria ter, poderia ter, não terá) é usado principalmente para priorizar os requisitos, embora a técnica também é útil em muitas outras áreas. Recomendamos que nenhum esforço mais de 60% de must haves para uma solução, com 40% Shoulds e Coulds. Qualquer coisa acima de 60% representa um risco para o sucesso e previsibilidade da entrega da solução. 66
  • 65. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 67 Must have (Deve ter) Should have (Deveria ter) Could have (Poderia ter) Won´t have (Não terá) Alto Médio NuloBaixo Requisitos da Solução e de Transição priorizados utilizando a técnica MoSCoW Fazer Consultas Gerar relatórios Integridade dos dados SegurançaDisponibilidade Usabilidade Desempenho Análise de Negócio Enxuta Solução: Design da Solução Treinar as pessoas da Secretária de Educação Exportar para excel Consultas Ad-hoc Exibir Painéis de indicadores Gerar Alertas Relatório Ad-hoc Design Responsivo Acurácia dos dados
  • 66. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Dependências (Técnica: Análise de Interfaces) Análise de Interfaces: Objetivo: Identificar interfaces entre soluções e/ou componentes da solução, estabelecer grau de dependência e definir requisitos que descrevem como elas irão interagir. Descrição: A analise de interface auxilia a clarear as fronteiras entre os aplicativos. Ela distingue qual aplicativo fornece funcionalidades especificas junto das necessidades de entrada e saída de dados. Fazendo uma separação clara e cuidadosa dos requisitos para cada aplicativo durante a definição dos requisitos compartilhados de interface, uma base para a interoperabilidade bem sucedida e estabelecida. Identificando quais interfaces são necessárias para apoiar um aplicativo define o terreno para elicitar uma grande variedade de requisitos. Quando usar : - Identificar pontos de conexões da solução com outros sistemas internos/externos - Integrar a solução com sistema legado - Solução baseada em componentes de terceiros Definir as principais dependências de negocio e técnicas que irão impor restrições ao esforço de entrega da solução, incluindo dependências que possam existir entre os componentes da solução. Pequeno Check list: - A solução tem dependências externas (outras soluções, processos e/ou sistemas) - Como estabelecida ou qual tecnologia é utilizada para construção das interfaces - Verifique o grau das dependências: ele poderá ser forte (quando a solução tem alta dependência da interface com outra solução para funcionar) ou fraco (quando a solução em baixa dependência da interface com outras solução para funcionar). 68
  • 67. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Análise de Capacidades Requeridas: É uma descrição detalhada das capacidades são requeridas para atender a necessidade do negocio e serve como base para o escopo da solução. Atividade: Levantar as capacidades atuais e identificar os gaps (lacunas) que a impedem de atender as necessidades do negocio e alcançar os resultados esperados. Análise: Analisar e definir se é possível desenvolver a solução utilizando a estrutura, pessoas, processos e tecnologia atuais. Caso seja possível o desenvolvimento da solução as suas capacidades existentes, o esforço da mudança resultante tende a ser relativamente pequena. Mesmo neste cenário se houve uma única capacidade ela deverá ser descrita. Caso não seja possível, será necessário descrever com detalhes quais são as capacidades requeridas e quais impacto para na entrega da solução, se elas não forem adquiridas. Exemplos de capacidades requeridas: - Conhecimento de novas tecnologias. Exemplo: Conhecer uma nova linguagem de programação. - Conhecimento de novos modelos de negócio. - Conhecimento de novas ambientes ou plataformas tecnológicas. - Conhecimento de novas formas de implementação da solução. Exemplo: Implementar uma solução para iPhone (Apple). - Softwares ou licenças de software. - Infraestutura de tecnologia 69 Pequeno Check list: - Quais capacidades a solução requer ? - Qual é impacto na entrega da solução se as capacidades requeridas não estiverem disponíveis ? - Existem alternativas viáveis para as capacidades requeridas ?
  • 68. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 70 Critérios de Aceitação para Solução # Critérios Descrição 1 Fazer consultas Fazer consultas de frequência de alunos, desempenho e de evasão. 2 Gerar relatórios Geração de relatórios predefinidos: - Relatório de Evasão por Região/Escola - Relatório de Tendência de Evasão 3 Exportar dados para Excel Possibilidade de selecionar e exportar dados para Excel 4 Consulta Ad-hoc Fazer consultas de forma interativa 5 Relatório Ad-hoc Elaborar relatórios de forma interativa 6 Exibir Painéis de Indicadores Ter painéis com informações sobre evasão escolar 6 Gerar Alertas Geração alertas por: relatório, envio de e-mail e sms 7 Segurança A solução deverá ser protegida por senha de acesso 8 Disponibilidade Solução deve estar disponível no horário comercial (8hx5d) 9 Acurácia dos dados Exatidão dos dados. Análise de Negócio Enxuta Solução: Design da Solução
  • 69. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 72 Data Warehouse Saúde Data Mart Educação Data Mart Fontes de dados Planilhas Sistema de Educação E T L Sistema de Saúde ODS Consultas e Relatórios Ad-hoc Consultas e Relatórios Exportação para Excel Usuários Data Warehouse Cubos 1 2 4 Dashboards Alertas Cubos OLAP 3 Solução: Design da Solução Analista de Negócio em colaboração com os especialistas de BI, construíram uma proposta de solução para atender a necessidade de negócio. Análise de Negócio Enxuta
  • 70. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 73 Análise de Negócio Enxuta Mudanças: Planejar a Mudança Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio Requisitos do Negócio Identificar e classificar as partes interessadas Requisitos das partes interessadas Identificar o valor que solução deve entregarRequisitos do Negócio Mapear os contextos Design de Soluções Requisitos da solução Requisitos de transição Planejar da Mudança
  • 71. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 74 Visão Geral do Modelo de Classificação do Nível de Mudança. A mudança pode será classificada em níveis avaliando a Mudança x Impacto, veja os exemplos: Impacto Mudança Red field Yellow field Green field white field Podemos classificar a mudança em 4 níveis: Red Field (5 ) - Causa grande impacto as pessoas, processos, sistemas e estrutura organizacional, exemplo:Implementação de ERP, implementação Centro de Serviço Compartilhado etc Yellow Field (3) - Causa médio impacto as pessoas, processos, sistemas e estrutura organizacional. Exemplo: Implementação de Política de Horas Extras, de Política de Conduta. Green Field (1) – Causa baixo impacto ou não causa impacto para as pessoas, nem para processos e nem para estrutura organizacional. Exemplo: Troca do pacote de automação de escritório, MS Office. White Field (0) – Não causa impacto para as pessoas, nem para processos e nem para estrutura organizacional. Análise de Negócio Enxuta Mudanças: Planejar a Mudança
  • 72. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 75 Impacto Opções Descrição Dimensão da mudança ( ) Organizacional ( X ) Departamental ( ) Setorial ( ) Equipe ( ) Pessoal Maior impacto da mudança está na Secretária da Educação Nível de Complexidade ( ) Alta ( X ) Média ( ) Baixa Afeta ( ) Cultura Organizacional ( X ) Estratégia ( ) Processos ( X ) Pessoas ( X ) Sistemas - Alinhamento com estratégica: reduzir a evasão escolar - Requer treinamento para o pessoal da Secretária de Educação - Exige interfaces com o sistemas: Gestão de Educação e Gestão de Saúde. Possíveis problemas de integração e com qualidade de dados dos sistemas fontes. Ambos os pontos apontados já fazem parte da Solução Partes Interessadas (Classificação do Nível de Engajamento) ( X ) Apoiadores ( ) Opositores ( X ) Resistentes ( ) Neutros - Possível resistência dos pais dos alunos - Possível resistência dos diretores da escolas Após avaliação o Analista chegou a conclusão que o nível de mudança é Yellow Field Check List para Análise de Impacto de Mudança: Análise de Negócio Enxuta Mudanças: Planejar a Mudança
  • 73. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 76 Impacto Mudança Red field Yellow field Green field white field Impacto Orientação Responsável Red Field (5) Plano de Ação Obrigatório Especialista Yellow Field (3) Plano de Ação Recomendável Pessoa com conhecimento em Gestão de Mudança Green Field (1) Plano de ação é desejável White Field (0) Não é necessário S Impacto Orientação Responsável Descrição Yellow Field Plano de Ação Recomendá vel Analista de Negócio será responsável pela gestão de mudança - Possível resistência dos pais dos alunos - Possível resistência dos diretores de escolas Identificação dos riscos atrelados a mudança Mudanças: Planejar a Mudança Análise de Negócio Enxuta
  • 74. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 77 Definição da Gestão de Risco: Gestão de Risco é um processo sistemático que tem como objetivo identificação, avaliação / analise, resposta (ação), comunicação e monitoramento de riscos. Estabelecimento do contexto Identificação de riscos Avaliação dos riscos Resposta ao riscos Comunicação MonitoramentoeAnáliseCritica Análise dos riscos Modelo de Gestão de Risco da ISO 31000 Fase Ação Planejar Estabelecer Contexto Identificar de riscos Análise/Avaliação Plano de Resposta ao Risco Executar Implementação do Plano de Resposta ao Risco Verificar Monitoramento e Análise Critica Comunicar o risco Agir Manter o melhorar o processo de Gestão de Risco Ferramenta: PDCA Mudanças: Planejar a Mudança Análise de Negócio Enxuta
  • 75. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 78 Mudanças: Análise de Risco - Score de Risco 5 15 25 3 9 15 1 3 5 Transferir, controlar Transferir, controlar Aceitar Mitigar e controlar Alto Médio Baixo Probabilidade x Impacto legenda Risco Probabilidade (P) Impacto (I) Severidade (PxI) Ação Plano de Ação Resistência dos pais dos alunos A(1) A(5) 5 Transferir, controlar PA#1 Promover ação para conscientização dos pais Resistência dos diretores de escolas A(1) A(5) 5 Transferir, controlar PA#2 Criar um programa de conscientização para os diretores de escola. Nivel Probabilidade Impacto Alto 5 5 Médio 3 3 Baixo 1 1 Mitigar, controlar e evitar Mitigar e controlar Transferir, controlar Aceitar Aceitar Análise de Negócio Enxuta
  • 76. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 79 Entrega de Valor Entrega de Valor
  • 77. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 80 Análise de Negócio Enxuta Começamos por aqui: entendendo a necessidade de negócio Requisitos do Negócio Identificar e classificar as partes interessadas Requisitos das partes interessadas Identificar o valor que solução deve entregarRequisitos do Negócio Mapear os contextos Design de Soluções Requisitos da solução Requisitos de transição Planejar da Mudança Voltamos nos Valores para demonstrar como é feita a entrega de valor para as partes interessadas
  • 78. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Análise de Negócio Enxuta Eficácia e Eficiência Efetividade EquipedeTI Desenvolvimento daSolução A Entrega de Valor, também chamada de ROI da Solução, acontece quando o requisito de negócio é alcançado: AnáliseeNegócio Entrega de Valor Entrega de Valor ROI = Entrega da Solução ROI = “Reduzir a evasão escolar para 5% em um ano” Valores: Entrega de Valor
  • 79. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 82 Análise de Negócio Enxuta Documento Design da Solução Analista de Negócio Especialistas Necessidade de Negócio Colaboração Planejamento e Monitoramento da Análise de Negócio Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos Análise da Estratégia Análise de Requisitos e Definição de Design Avaliação da Solução Elicitação e Colaboração Após elaboração do Documento Design da Solução no Ciclo de Análise e ele será encaminhado para equipe Ágil, para que seja desenvolvida a solução O trabalho do Analista ainda não terminou, pois, ele é responsável pelo ROI da solução. Competências Fundamentais
  • 80. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 83 Análise de Negócio Projeto de Desenvolvimento da Solução Período de Avaliação de Desempenho da Solução Analista de Negócio Equipe de TI Analista de Negócio Entrega de Valor Entrega da Solução Tempo Documento Design da Solução MarcosPapéisAtividades Necessidade de Negócio ROI = “Reduzir a evasão escolar para 5% em um ano” Ciclo de Vida da Solução ImplantaçãoEntrega do produto no prazo, com qualidade certa e dentro do orçamento Baseline Baseline Análise de Negócio Enxuta Ciclo de Desenvolvimento da Solução Ciclo de Entrega de Valor Ciclo de Análise Ciclos Valores: Entrega de Valor O gráfico abaixo demonstra o Ciclo de Vida da Solução e suas entregas de valor
  • 81. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 84 - Pense em projeto. A solução deverá ser desenvolvimento com conceito de um projeto. - Utilize a abordagem iterativa e incremental para desenvolvimento da solução. Divida para conquistar. Faça entregas das funcionalidades com maior nível de prioridade primeiro e depois os demais níveis até o produto final. - Teste antes da entrega da solução. - Trabalhe em equipe e em colaboração no desenvolvimento da solução. - Não reinvente a roda. Use técnicas e boas práticas, padrões, normas e especificação que consagradas pelo mercado. - Foco da solução deverá ser entrega do Requisito de Negócio (ROI da Solução). - Não deixe a solução órfã. Faça acompanhamento do desempenho da solução ao longo do tempo. - Analista de Negócio não é super-herói, sempre que necessário peça ajuda, consulte os especialistas. Boas Práticas no Desenvolvimento de Soluções de Negócio:
  • 82. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br 85 Referências:
  • 83. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Contato: Rildo Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br rildosan@rildosan.com www.etecnologia.com.br skype: rildo.f.santos
  • 84. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Análise de Negócio: Treinamento Consultoria Mentoria Formação de Analista de Negócio 3.0 Agora que você sabe como o Analista de Negócio entrega valor para as empresas de software, venha aprender como entregar valor para sua empresa faça o curso de Formação de Analista de Negócio 3.0, a eTecnologia é pioneira em treinamento e consultoria de Análise de Negócio, já formamos mais de 1300 pessoas de diversas empresas e já ajudamos várias empresas a implementar a Análise de Negócio. 87 Análise de Negócio Para maiores informações ou esclarecimento de dúvida entre em contato, www.etecnologia.com.br/an rildo.santos@etecnologi.com.br etecnologia@etecnologia.com.br treinamento@etecnologia.com.br Workshop Demonstrando ROI das Entregas de Valor com Business Case Este workshop é altamente recomendado para Analistas de Negócio e demais profissionais que necessitam demonstrar ROI (retorno sobre investimentos) de soluções, projetos, produtos e serviços. Ele promove uma imersão em Business Case e demonstração de ROI através de um conjunto de estudos de casos que permitem aplicada das principais técnicas, ferramenta e práticas para desenvolvimento do Business Case.
  • 85. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Comunidade eTecnologia Venha para comunidade eTecnologia Os membros da comunidade podem participar dos eventos, treinamentos e cursos gratuitos. Comunidade: http://etecnologia.ning.com/ Para participar da comunidade basta se cadastrar: http://etecnologia.ning.com A missão da comunidade é compartilhar conhecimento, trocar experiências e prover aprendizado. 88
  • 86. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br Licença: Você tem o direito de: Compartilhar — copiar e redistribuir o material em qualquer suporte ou formato Adaptar — remixar, transformar, e criar a partir do material O licenciante não pode revogar estes direitos desde que você respeite os termos da licença. De acordo com os termos seguintes: Atribuição — Você deve atribuir o devido crédito, fornecer um link para a licença, e indicar se foram feitas alterações. Você pode fazê-lo de qualquer forma razoável, mas não de uma forma que sugira que o licenciante o apoia ou aprova o seu uso. Não Comercial — Você não pode usar o material para fins comerciais. Compartilhamento — Se você remixar, transformar, ou criar a partir do material, tem de distribuir as suas contribuições sob a mesma licença que o original. Sem restrições adicionais — Você não pode aplicar termos jurídicos ou medidas de caráter tecnológico que restrinjam legalmente outros de fazerem algo que a licença permita. Avisos: Você não tem de cumprir com os termos da licença relativamente a elementos do material que estejam no domínio público ou cuja utilização seja permitida por uma exceção ou limitação que seja aplicável. Não são dadas quaisquer garantias. A licença pode não lhe dar todas as autorizações necessárias para o uso pretendido. Por exemplo, outros direitos, tais como direitos de imagem, de privacidade ou direitos morais, podem limitar o uso do material.
  • 87. AnálisedeNegócionaPerspectivadeBI set 2016 versão 14 Rildo Santos | (@rildosan) | rildo.santos@etecnologia.com.br | www.etecnologia.com.br FAN Análise de Negócio na Perspectiva de BI Rildo Santos (@rildosan) @rildosan | Versão: 14 | Set 2016 | #faneweb www.etecnologia.com.br Treinamento | Consultoria | Mentoria rildo.santos@etecnologia.com.br rildosan@rildosan.com Pessoas Inovação Tecnologia