SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Crise febril e crise febril plus 
Marcus Petindá 
Estagiário 
Neurologia Infantil 
HBDF
Crise febril - Conceito 
• Uma crise epiléptica que ocorre após 
um mês de idade, associada à doença 
febril, não causada por uma infecção 
do SNC, sendo excluídas as crianças 
que apresentaram crises neonatais ou, 
crises não provocadas ou, que se 
encaixam nos critérios de outra crise 
sintomática aguda.
Crise febril - Conceito 
• Crise epiléptica com idade >1 mês(3 
meses a 5 anos) 
• Associada com doença febril(não do 
SNC) 
• Exclusão: crianças com crises neonatais, 
crises não provocadas ou que se 
encaixem em outras crises sintomáticas 
agudas
Crise febril – quadro clínico 
• 1ª crise – entre 18 e 22 meses 
• De uma a 24 horas após o início da 
febre 
• Crise – PICO x velocidade de ascensão 
• Temperatura > ou = a 38ºC
Crise febril – quadro clínico 
*tipos de crises* 
• Simples 
– 80% dos casos 
– Tônico-clônica generalizada 
– Duração < 15 minutos (média 5 minutos) 
– Isoladas; não recorrem no período de 24 
horas 
– Anormalidades pós-ictais ausentes
Crise febril – quadro clínico 
*tipos de crises* 
• Complexa 
– 20% 
– Crise focal e/ou, 
– Duração > 15 minutos e/ou, 
– Recorrente no período de 24 horas. 
– Anormalidades pós-ictais presentes(Paresia de 
Todd) 
Obs.: independência entre os tipos.
Etiopatogenia 
• Febre – fator desencadeante 
• Fatores predisponentes 
– Baixo limiar do córtex em desenvolvimento 
– Suscetibilidade da criança a infecções 
• Tipo de infecção 
– Propensão a ter febre alta 
– Componente genético
Etiopatogenia 
• Baixo limiar convulsígeno 
– Excitação aumentada 
– Inibição diminuída 
– Diferenças maturacionais nos circuitos 
subcorticais
Etiopatogenia 
• Genética 
– História familiar – 7,3 a 31% 
– Familiares não diretos – 16% 
– Irmãos mais jovens – chance: 10 a 20%
Etiopatogenia 
• Genética 
– 4 loci em famílias com CF 
• FEB1 – cromossomo 8q13-q21 
• FEB2- cromossomo 19p13 
• FEB3 – cromossomo 2q23-q24 
• FEB4 – cromossomo 5q14-15
Epilepsia generalizada com crises febris 
plus(EGCF+) 
• Descrita em 1997 
• Síndrome com fenótipos heterogêneos 
• Mutações 
– CF a epilepsias de variável gravidade 
• TCG, ausência, atônicas, mioclônicas e 
mioclônicas-astáticas 
• Após os 6 anos de idade
Epidemiologia 
• Incidência – 4%(único estudo na 
América do Sul – Chile) 
• Faixa etária – 6 meses e 3 anos; pico 
aos 18 meses 
• Após a 1ª crise 
– 2/3 não terão mais 
– 13% - > 2 episódios até 7 anos
Epidemiologia 
• Risco para a 1ª crise 
– História familiar de CF e epilepsia 
– Internação hospitalar no período neonatal 
– Atraso no DNPM 
– Idade entre 3 meses e 3 anos 
– Consumo materno de álcool e fumo 
durante a gravidez
Epidemiologia 
• Risco de recorrência 
– 30% - 2ª crise 
– 15% - 3ª crise 
– 7 a 9% - 3 ou + crises 
– Idade mais precoce 
– Grau de temperatura – 
inversamente 
proporcional 
– Duração do período 
febril – diretamente 
proporcional 
• Não considerado risco 
– Anormalidades do 
DNPM 
– CF complexa 
– Sexo ou etnia
Epidemiologia 
• Epilepsia 
– Anormalidade do 
DNPM 
– CF complexa 
– CF recorrente 
– História familiar de 
epilepsia 
– < duração do 
período febril 
• Não considerado 
risco 
– História familiar de 
CF 
– Grau de elevação da 
temperatura 
– Idade da 1ª CF 
– Sexo ou etnia
Esclerose mesial temporal e CF 
• 3 possibilidades 
– Pacientes nascem com cérebros normais e 
as CFs causam esclerose hipocampal 
– Pacientes nascem com EMT e por isso 
mais suscetíveis a crises 
– Pacientes nascem com anormalidades 
hipocampais que são agravadas pelas CF 
prolongadas
Diagnóstico 
• Clínico 
– Investigar 
• Trauma 
• Intoxicação 
• História familiar de convulsões 
• Focos infecciosos
Diagnóstico diferencial 
• Perda de fôlego 
• Crise reflexa 
• Síncope 
• Crise anóxica 
• Desidratação hipernatrêmica 
• Infecção bacteriana ou viral 
• Afecções do SNC 
– Meningoencefalite bacteriana ou viral 
– Empiema sub ou epidural 
– Embolização séptica 
– Tromboflebite cortical
Diagnóstico 
• Exames deverão ser solicitados 
conforme quadro clínico e não somente 
pela CF 
– PL – suspeita de meningite 
• < 6 meses sempre puncionar 
– Neuroimagem – suspeita de trauma 
– EEG – não têm valor prognóstico 
• Alterações em 88% nas primeiras 24h - ondas 
lentas nas regiões posteriores bilaterais 
• Persistem por até 1 semana
Tratamento – fase aguda 
• Vias aéreas livres 
• Oxigenação 
• Acesso venoso 
• Anticonvulsivante 
– Diazepam 0,2 a 0,3 mg/kg IV, pode ser repetido 
até 5mg 
– Diazepam 0,5 mg/kg via retal 
– Midazolam 0,2 a 0,7 mg/kg IV ou IM ou retal 
• Antitérmico
Orientação familiar 
• Recorrência 
– Calma 
– Criança colocada em decúbito lateral 
– Não colocar anda entre os dentes 
– Observar a crise 
– Levar ao pronto socorro
Profilaxia Indicação Dose Duração Efeitos colaterais 
Uso internitente 
Convulsões 
0,5 a 1 
Até 24 h após o 
Diazepam 
febris 
mg/kg/dia 
último pico febril 
VO cp (5 e 10 mg) 
recorrentes 
12/12 h 
Supositório retal 
infantil (5 e 10 mg) 
mamnipulação 
Agitação, 
sonolência, ataxia 
Clobazam 
VO cp (10 e 20 mg) 
5 a 20 mg/dia Vômitos, 
sonolência, 
hiperatividade 
Midazolam cp 
(7,5 e 15 mg) VO 
0,2 
mg/kg/dose 
Uso contínuo 
Fenobarbital VO 1 
gota/1mg 
3 a 5 
mg/kg/dia 
24/24 h 
12 meses Hiperatividade, 
irritabilidade, 
agressividade, 
distúrbio do sono, 
Eritema cutâneo, 
alteração cognitiva 
Valproato de sódio 
Depakene 
VO(5ml/250 mg) 
Valpakine (1 ml/200 
mg) 
20 mg/kg/dia 
12/12 h 
12 meses Sintomas GI, 
sedação, ataxia, 
eritema cutâneo, 
hepatite fulminante
Crise febril e crise febril plus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de CondutaCassia Dias
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopLeonardo Savassi
 
Diarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infânciablogped1
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseNathy Oliveira
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiRenan Matos
 
Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017pauloalambert
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoITPAC PORTO
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineCamila
 
Você sabe o que é hanseníase
Você sabe o que é hanseníaseVocê sabe o que é hanseníase
Você sabe o que é hanseníaseHeloísa Ximenes
 
Doenças+exantemática
Doenças+exantemáticaDoenças+exantemática
Doenças+exantemáticablogped1
 

Mais procurados (20)

Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufop
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
 
Diarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infância
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Slides Herpesvirús
Slides HerpesvirúsSlides Herpesvirús
Slides Herpesvirús
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Criptococose pulmonar
Criptococose pulmonarCriptococose pulmonar
Criptococose pulmonar
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017
 
Demências diagnótico & tratamento
Demências diagnótico & tratamentoDemências diagnótico & tratamento
Demências diagnótico & tratamento
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Você sabe o que é hanseníase
Você sabe o que é hanseníaseVocê sabe o que é hanseníase
Você sabe o que é hanseníase
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Doenças+exantemática
Doenças+exantemáticaDoenças+exantemática
Doenças+exantemática
 

Destaque

Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]
Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]
Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]Javier Rodriguez-Vera
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Brenda Lahlou
 
Faringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaFaringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaMônica Firmida
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaLorena de Assis
 
Hipotermia e hipertermia
Hipotermia e hipertermiaHipotermia e hipertermia
Hipotermia e hipertermiaIan Costansi
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoAdriana Matos
 
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Jonathan Sampaio
 
Convulsiones febriles
Convulsiones febrilesConvulsiones febriles
Convulsiones febrilesROdo Madrid
 
Convulsiones febriles – actualización 2013
Convulsiones febriles – actualización 2013Convulsiones febriles – actualización 2013
Convulsiones febriles – actualización 2013Eduardo Vergara
 
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de AlfabetizaçãoApostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de AlfabetizaçãoIolanda Sá
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...SlideShare
 

Destaque (18)

Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
 
Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]
Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]
Doença granulomatosa cronica.ppt [recuperado]
 
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Uno cc febril
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril
 
Faringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaFaringite estreptocócica
Faringite estreptocócica
 
Diarréia aguda
Diarréia agudaDiarréia aguda
Diarréia aguda
 
Convulsion febril
Convulsion febrilConvulsion febril
Convulsion febril
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
 
Seminario febre
Seminario febreSeminario febre
Seminario febre
 
Hipotermia e hipertermia
Hipotermia e hipertermiaHipotermia e hipertermia
Hipotermia e hipertermia
 
Hipotermia
HipotermiaHipotermia
Hipotermia
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentação
 
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
 
Convulsiones febriles
Convulsiones febrilesConvulsiones febriles
Convulsiones febriles
 
Convulsiones febriles – actualización 2013
Convulsiones febriles – actualización 2013Convulsiones febriles – actualización 2013
Convulsiones febriles – actualización 2013
 
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de AlfabetizaçãoApostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 

Semelhante a Crise febril e crise febril plus

Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas
Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicasSíndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas
Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicasAnnie Oliveira
 
Convulsões febris
Convulsões febrisConvulsões febris
Convulsões febrissalgadokk
 
Febre de Origem Desconhecida
Febre de Origem DesconhecidaFebre de Origem Desconhecida
Febre de Origem DesconhecidaMarcelino Cabral
 
Manejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdf
Manejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdfManejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdf
Manejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdfssuserdfbb0d
 
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisDiagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisFrancisco Vilaça Lopes
 
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoSaúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoIsmael Costa
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya Claupaiva
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya Claupaiva
 
O doente com EM na urgencia de neurologia
O doente com EM na urgencia de neurologiaO doente com EM na urgencia de neurologia
O doente com EM na urgencia de neurologiaJoão Cerqueira
 
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptxUFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptxNome Sobrenome
 
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoA epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoIrisnara Nunes Silva
 
SLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdfSLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdfBLACKNET4
 
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmáticaDistúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmáticaLaped Ufrn
 

Semelhante a Crise febril e crise febril plus (20)

Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas
Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicasSíndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas
Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas
 
Convulsões febris
Convulsões febrisConvulsões febris
Convulsões febris
 
Febre chikungunya
Febre chikungunya Febre chikungunya
Febre chikungunya
 
Febre de Origem Desconhecida
Febre de Origem DesconhecidaFebre de Origem Desconhecida
Febre de Origem Desconhecida
 
Hipertensão na gestação
Hipertensão na gestaçãoHipertensão na gestação
Hipertensão na gestação
 
Manejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdf
Manejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdfManejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdf
Manejo DengueChikungunya Espirito Santo.pdf
 
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICIDMeningite - Liga de Pediatria UNICID
Meningite - Liga de Pediatria UNICID
 
EMULTIPLA2.pdf
EMULTIPLA2.pdfEMULTIPLA2.pdf
EMULTIPLA2.pdf
 
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisDiagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
 
2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.
 
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoSaúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
O doente com EM na urgencia de neurologia
O doente com EM na urgencia de neurologiaO doente com EM na urgencia de neurologia
O doente com EM na urgencia de neurologia
 
Apresentação eclampsia
Apresentação eclampsiaApresentação eclampsia
Apresentação eclampsia
 
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptxUFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
 
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino AmericanoA epidemia de dengue no continente Latino Americano
A epidemia de dengue no continente Latino Americano
 
SLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdfSLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdf
 
Eclâmpsia
EclâmpsiaEclâmpsia
Eclâmpsia
 
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmáticaDistúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
Distúrbios respiratórios agudos no P.S. infantil: laringite x crise asmática
 

Mais de Marcus César Petindá Fonseca

Mais de Marcus César Petindá Fonseca (20)

Nervos cranianos paralisias associadas
Nervos cranianos  paralisias associadasNervos cranianos  paralisias associadas
Nervos cranianos paralisias associadas
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
Receptores musculares
Receptores muscularesReceptores musculares
Receptores musculares
 
Receptores musculares
Receptores muscularesReceptores musculares
Receptores musculares
 
Retardo mental
Retardo mentalRetardo mental
Retardo mental
 
Semiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centraisSemiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centrais
 
Síndrome de dandy walker
Síndrome de dandy walkerSíndrome de dandy walker
Síndrome de dandy walker
 
Síndrome de doose
Síndrome de dooseSíndrome de doose
Síndrome de doose
 
Síndrome de dravet
Síndrome de dravetSíndrome de dravet
Síndrome de dravet
 
Síndrome de lennox gastaut
Síndrome de lennox gastautSíndrome de lennox gastaut
Síndrome de lennox gastaut
 
Síndrome de west
Síndrome de westSíndrome de west
Síndrome de west
 
Síndromes medulares
Síndromes medularesSíndromes medulares
Síndromes medulares
 
Síndromes neurocutâneas fabio
Síndromes neurocutâneas fabioSíndromes neurocutâneas fabio
Síndromes neurocutâneas fabio
 
Síndromes neurovegetativas
Síndromes neurovegetativasSíndromes neurovegetativas
Síndromes neurovegetativas
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
 
Tumores espinhais
Tumores espinhaisTumores espinhais
Tumores espinhais
 
Tumores intracranianos
Tumores intracranianosTumores intracranianos
Tumores intracranianos
 
Veia galeno
Veia galenoVeia galeno
Veia galeno
 
Meninges
MeningesMeninges
Meninges
 
Líquor
LíquorLíquor
Líquor
 

Crise febril e crise febril plus

  • 1. Crise febril e crise febril plus Marcus Petindá Estagiário Neurologia Infantil HBDF
  • 2. Crise febril - Conceito • Uma crise epiléptica que ocorre após um mês de idade, associada à doença febril, não causada por uma infecção do SNC, sendo excluídas as crianças que apresentaram crises neonatais ou, crises não provocadas ou, que se encaixam nos critérios de outra crise sintomática aguda.
  • 3. Crise febril - Conceito • Crise epiléptica com idade >1 mês(3 meses a 5 anos) • Associada com doença febril(não do SNC) • Exclusão: crianças com crises neonatais, crises não provocadas ou que se encaixem em outras crises sintomáticas agudas
  • 4. Crise febril – quadro clínico • 1ª crise – entre 18 e 22 meses • De uma a 24 horas após o início da febre • Crise – PICO x velocidade de ascensão • Temperatura > ou = a 38ºC
  • 5. Crise febril – quadro clínico *tipos de crises* • Simples – 80% dos casos – Tônico-clônica generalizada – Duração < 15 minutos (média 5 minutos) – Isoladas; não recorrem no período de 24 horas – Anormalidades pós-ictais ausentes
  • 6. Crise febril – quadro clínico *tipos de crises* • Complexa – 20% – Crise focal e/ou, – Duração > 15 minutos e/ou, – Recorrente no período de 24 horas. – Anormalidades pós-ictais presentes(Paresia de Todd) Obs.: independência entre os tipos.
  • 7. Etiopatogenia • Febre – fator desencadeante • Fatores predisponentes – Baixo limiar do córtex em desenvolvimento – Suscetibilidade da criança a infecções • Tipo de infecção – Propensão a ter febre alta – Componente genético
  • 8. Etiopatogenia • Baixo limiar convulsígeno – Excitação aumentada – Inibição diminuída – Diferenças maturacionais nos circuitos subcorticais
  • 9. Etiopatogenia • Genética – História familiar – 7,3 a 31% – Familiares não diretos – 16% – Irmãos mais jovens – chance: 10 a 20%
  • 10. Etiopatogenia • Genética – 4 loci em famílias com CF • FEB1 – cromossomo 8q13-q21 • FEB2- cromossomo 19p13 • FEB3 – cromossomo 2q23-q24 • FEB4 – cromossomo 5q14-15
  • 11. Epilepsia generalizada com crises febris plus(EGCF+) • Descrita em 1997 • Síndrome com fenótipos heterogêneos • Mutações – CF a epilepsias de variável gravidade • TCG, ausência, atônicas, mioclônicas e mioclônicas-astáticas • Após os 6 anos de idade
  • 12. Epidemiologia • Incidência – 4%(único estudo na América do Sul – Chile) • Faixa etária – 6 meses e 3 anos; pico aos 18 meses • Após a 1ª crise – 2/3 não terão mais – 13% - > 2 episódios até 7 anos
  • 13. Epidemiologia • Risco para a 1ª crise – História familiar de CF e epilepsia – Internação hospitalar no período neonatal – Atraso no DNPM – Idade entre 3 meses e 3 anos – Consumo materno de álcool e fumo durante a gravidez
  • 14. Epidemiologia • Risco de recorrência – 30% - 2ª crise – 15% - 3ª crise – 7 a 9% - 3 ou + crises – Idade mais precoce – Grau de temperatura – inversamente proporcional – Duração do período febril – diretamente proporcional • Não considerado risco – Anormalidades do DNPM – CF complexa – Sexo ou etnia
  • 15. Epidemiologia • Epilepsia – Anormalidade do DNPM – CF complexa – CF recorrente – História familiar de epilepsia – < duração do período febril • Não considerado risco – História familiar de CF – Grau de elevação da temperatura – Idade da 1ª CF – Sexo ou etnia
  • 16. Esclerose mesial temporal e CF • 3 possibilidades – Pacientes nascem com cérebros normais e as CFs causam esclerose hipocampal – Pacientes nascem com EMT e por isso mais suscetíveis a crises – Pacientes nascem com anormalidades hipocampais que são agravadas pelas CF prolongadas
  • 17. Diagnóstico • Clínico – Investigar • Trauma • Intoxicação • História familiar de convulsões • Focos infecciosos
  • 18. Diagnóstico diferencial • Perda de fôlego • Crise reflexa • Síncope • Crise anóxica • Desidratação hipernatrêmica • Infecção bacteriana ou viral • Afecções do SNC – Meningoencefalite bacteriana ou viral – Empiema sub ou epidural – Embolização séptica – Tromboflebite cortical
  • 19. Diagnóstico • Exames deverão ser solicitados conforme quadro clínico e não somente pela CF – PL – suspeita de meningite • < 6 meses sempre puncionar – Neuroimagem – suspeita de trauma – EEG – não têm valor prognóstico • Alterações em 88% nas primeiras 24h - ondas lentas nas regiões posteriores bilaterais • Persistem por até 1 semana
  • 20. Tratamento – fase aguda • Vias aéreas livres • Oxigenação • Acesso venoso • Anticonvulsivante – Diazepam 0,2 a 0,3 mg/kg IV, pode ser repetido até 5mg – Diazepam 0,5 mg/kg via retal – Midazolam 0,2 a 0,7 mg/kg IV ou IM ou retal • Antitérmico
  • 21. Orientação familiar • Recorrência – Calma – Criança colocada em decúbito lateral – Não colocar anda entre os dentes – Observar a crise – Levar ao pronto socorro
  • 22. Profilaxia Indicação Dose Duração Efeitos colaterais Uso internitente Convulsões 0,5 a 1 Até 24 h após o Diazepam febris mg/kg/dia último pico febril VO cp (5 e 10 mg) recorrentes 12/12 h Supositório retal infantil (5 e 10 mg) mamnipulação Agitação, sonolência, ataxia Clobazam VO cp (10 e 20 mg) 5 a 20 mg/dia Vômitos, sonolência, hiperatividade Midazolam cp (7,5 e 15 mg) VO 0,2 mg/kg/dose Uso contínuo Fenobarbital VO 1 gota/1mg 3 a 5 mg/kg/dia 24/24 h 12 meses Hiperatividade, irritabilidade, agressividade, distúrbio do sono, Eritema cutâneo, alteração cognitiva Valproato de sódio Depakene VO(5ml/250 mg) Valpakine (1 ml/200 mg) 20 mg/kg/dia 12/12 h 12 meses Sintomas GI, sedação, ataxia, eritema cutâneo, hepatite fulminante