SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
DENGUE
Dr. André Meyer Duchatsch
Médico pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Médico residente de pediatria pela Santa Casa de Jaú
INTRODUÇÃO
• CASO CLÍNICO;
• INTRODUÇÃO;
• ETIOPATOGENIA;
• EPIDEMIOLOGIA;
• QUADRO CLÍNICO;
• CLASSIFICAÇÃO E TRATAMENTO;
• PREVENÇÃO.
CASO CLÍNICO
QP: Febre alta
HDA: A.B.C., feminino, 7 meses dá entrada no PSI acompanhada pela mãe, que relata
episódios de febre (38,7 – 39,5°C) há 2 dias, associados a menor aceitação de alimentos e 2-3
episódios de diarreia pastosa por dia, sem sangue ou muco. Refere aparecimento de exantema
maculopapular hoje, apresenta TAX 39°C no momento da consulta, lactente bastante chorosa
e irritada.
HPP: Nega comorbidades, em uso de vitamina D e sulfato ferroso diariamente, mãe nega
alergias medicamentosas.
CASO CLÍNICO
EXAME FÍSICO:
BEG, a'va e rea'va, irritada, corada, desidratada 2+/4+, acianó'ca, anictérica, febril
(39°C)
ACV: bnf2t, sem sopros, tec < 2s, FC 157 bpm
AP: MVUA, sem RA, sem sinais de esforço respiratório, eupneica
Abdome: RHA+, flácido, inocente, sem vcm
Oroscopia e otoscopia: sem alterações
Pele: exantema maculopapular em MMII
Solicitado hemograma, com as seguintes alterações: leucopenia (2.100) e plaquetopenia (98.000).
CASO CLÍNICO
EXAME FÍSICO:
BEG, ativa e reativa, irritada, corada, desidratada 2+/4+, acianótica, anictérica, febril
(39°C)
ACV: bnf2t, sem sopros, tec < 2s, FC 157 bpm
AP: MVUA, sem RA, sem sinais de esforço respiratório, eupneica
Abdome: RHA+, flácido, inocente, sem vcm
Oroscopia e otoscopia: sem alterações
Pele: exantema maculopapular em MMII
Solicitado hemograma, com as seguintes alterações: leucopenia (2.100) e
plaquetopenia (98.000).
CASO CLÍNICO
É um caso de dengue?
Se sim, em que fase esse paciente se encontra?
Há presença de sinais de alarme?
Qual o estado hemodinâmico do paciente?
Existem condições preexistentes que indiquem maior risco de gravidade?
Em qual grupo de estadiamento o paciente se encontra: A, B, C ou D?
O paciente requer internação? Em leito de observação ou leito de UTI?
INTRODUÇÃO
• Doença endêmica, com padrão sazonal (quentes e chuvosos).
• É uma doença febril aguda, sistêmica e dinâmica, que pode apresentar um amplo
espectro clínico, podendo levar à forma grave a ao óbito.
• Organizar os serviços de saúde e classificar os grupos de tratamento é uma
estratégia importante para evitar os óbitos pela doença.
ETIOPATOGÊNESE
• É uma virose, causada por um RNA vírus do gênero Flaviviridae
• São conhecidos 4 sorotipos: DENV-1, -2, -3, -4.
• A infecção por 1 tipo de DENV por causar uma imunidade de curta duração (meses)
contra os outros sorotipos.
• Os DENV-2 E -3 estão associados a maior gravidade.
• Infecção secundária heterotípica como fator de risco para a ocorrência das formas
graves?
ETIOPATOGÊNESE
ANTÍGENO
+
ANTICORPO
MULTIPLICAÇÃO
DE CÉLULAS
INFECTADAS
INFECÇÃO
EXACERBADA
ATIVAÇAO DE
LINFÓCITOS T
+
LIBERAÇÃO E
CITOCINAS
AUMENTO DA
PERMEABILIDADE
VASCULAR
EXTRAVASAMENTO
PLASMÁTICO
DESTRUIÇÃO
PLAQUETÁRIA
HEMORRAGIA
MEDIADORES VASOATIVOS: IL-2,
TNF-α, INF-γ, FAP
ETIOPATOGÊNESE
GENÉTICA
IDADE
(CRIANÇAS)
SEXO
FEMININO
RAÇA
BRANCA
DOENÇAS CRÔNICAS:
ASMA, DIABETES,
HEMOGLOBINOPATIAS
EPIDEMIOLOGIA
Transmissão:
• Aedes aegypti, Aedes albopictus e
Aedes polynesiensis.
(fêmeas, diurno)
• Transplantes de órgãos, transfusão de
sangue e transmissão vertical.
QUADRO CLÍNICO
ASSINTOMÁTICA SINTOMÁTICA
DOENÇA
SISTÊMICA E
DINAMICA
FORMA
OLIGOASSINTÁTICA A
QUADROS GRAVES
TRÊS FASES
CLÍNICAS
FEBRIL
CRÍTICA
RECUPERAÇÃO
QUADRO CLÍNICO
FASE FEBRIL:
- FEBRE (2-7 dias) alta (39-40ºC), abrupta + cefaleia, adinamia, mialgias, artralgias e
dor retrorbitária.
- Podem ocorrer: anorexia, náusea, vômitos e diarreia.
- 50% dos casos cursam com exantema, que é predominantemente maculopapular
com ou sem prurido.
- A grande parte dos pacientes se recuperam progressivamente.
QUADRO CLÍNICO
FASE CRÍTICA:
- Ocorre em alguns pacientes. Tem início com a defervecencia da febre, em 3-7 dias
do início da doença.
DENGUE COM
SINAIS DE ALARME
DENGUE GRAVE
QUADRO CLÍNICO
FASE DE RECUPERAÇÃO:
• Nos pacientes que passaram pela fase crí'ca, haverá reabsorção gradual do
conteúdo extravasado, com progressiva melhora clínica.
• Débito urinário normaliza-se ou aumenta.
• Alguns podem apresentar rash (exantema) cutâneo, acompanhado ou não de
prurido generalizado.
• Infecções bacterianas, que podem ter um caráter grave, contribuindo para o
óbito.
QUADRO CLÍNICO
ESTADIAMENTO E CONDUTA
ESTADIAMENTO E CONDUTA
NA CRIANÇA:
Pode cursar com sintomas inespecíficos, como adinamia, sonolência, recusa da
alimentação e de líquidos, vômitos, diarreia ou fezes amolecidas.
Em menores de 2 anos de idade, os sinais e sintomas de dor podem se manifestar por
choro persistente, adinamia e irritabilidade, sendo capazes de serem confundidos com
outros quadros infecciosos febris, próprios da faixa etária.
O início da doença pode passar despercebido e o quadro grave pode ser iden'ficado
como a primeira manifestação clínica. No geral, o agravamento é súbito, diferentemente
do que ocorre no adulto, em que os sinais de alarme são mais facilmente detectados.
ESTADIAMENTO E CONDUTA
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO A
• Hidratação oral – 1/3 de SRO + 2/3 de água/chás/sucos
• Adulto: 60ml/kg/dia
• Criança: até 10kg (130ml/kg/dia), 10-20kg (100ml/kg/dia), >20kg (80ml/kg)
Entregar cartão de acompanhamento da dengue
Orientar sinais de Alarme e retorno imediato s/n
Agendar retorno para reavaliação no dia da melhora da febre
• Se manUver a febre, retornar no 5º dia de doença.
• Orientar medidas de eliminação do criadouro e uso de repelentes.
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO B
• Coletar hemograma (obrigatório) (2-4h).
• Hidratação oral – Iniciar na unidade de atendimento.
• Hematócrito normal: alta com orientações de hidratação do grupo A e
reavaliação diária (até 48h após remissão da febre). Retorno imediato se
sinais de alarme.
• Hemoconcentração: conduzir ao grupo C
• Preencher cartão de dengue e no'ficação.
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO C
• Internação até estabilização (mínimo 48h)
• Exames laboratoriais obrigatórios: hemograma, albumina sérica e
transaminases
• Exames laboratoriais de acordo com necessidade: glicemia, ureia,
creatinina, eletrólitos, gasometria, Tpae e ecocardiograma.
• Exames de imagem: rx de tórax e usg de abdômen.
• Hidratação EV 10ml/kg/h e reavaliação em 1h (diurese). Seguir
10ml/kg por mais 1 hora (reavaliação clínica e laboratorial)
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO C
• Se o hemograma 2h após apresentar queda do hematócrito, diurese
normal e estabilidade clínica, seguir para segunda fase expansão
(manutenção em SF).
• Primeira fase: 25ml/kg em 6h. Se Houver melhora, seguir:
• Segunda fase: 25ml/kg em 8 horas
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO C
• Alta:
• Estabilização hemodinâmica durante 48h.
• Ausência de febre por 24h
• Melhora visível do quadro clínico.
• Hematócrito normal e estável por 24h
• Plaquetas em elevação
• Alta com orientações do grupo B.
• No'ficação e entregar cartão de dengue
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO C
• Alta:
• Estabilização hemodinâmica durante 48h.
• Ausência de febre por 24h
• Melhora visível do quadro clínico.
• Hematócrito normal e estável por 24h
• Plaquetas em elevação
• Alta com orientações do grupo B.
• Notificação e entregar cartão de dengue
EXAME CONFIRMATÓRIO É OBRIGATÓRIO
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO C
• Sem melhora do hematócrito ou dos sinais hemodinâmicos:
• RepeUr fase de expansão em até 3x.
• SSVV + diurese em 1h, hematócrito em 2h.
• Sem melhora, conduzir ao grupo D.
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO D – DENGUE GRAVE
• Sinais de choque: taquicardia, extremidades distais frias, pulso
fraco filiforme, enchimento capilar lento (>2s), PA convergente
(<20mmHg), taquipneia, oligúria (<1,5ml/kg/h), hipotensão
arterial e cianose
• Sangramento grave
• Disfunção grave de órgãos.
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO D – DENGUE GRAVE
• Coletar hemograma e exames do grupo C;
• Reposição volêmica
• Fase de expansão rápida: 20ml/kg em 20min.
• Reavaliação clínica a cada 15-30min e hematócrito a cada 2h.
• Repetir fase de expansão até 3x.
• Melhora clínica: seguir grupo C (em leito de UTI mínimo de 48h).
• Exame confirmatório de dengue é obrigatório!
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO D – DENGUE GRAVE
Sem melhora clínica:
• HEMATÓCRITO EM ASCENSÃO: expansores plasmáUcos (albumina 0,5 g/kg a 1
g/kg); preparar solução de albumina a 5% (para cada 100 mL dessa solução,
usar 25 mL de albumina a 20% e 75 mL de soro fisiológico a 0,9%).
• Na falta dela, uUlizar coloides sintéUcos (10 mL/kg/hora);
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO D – DENGUE GRAVE
Sem melhora clínica:
• HEMATÓCRITO EM QUEDA: invesVgar hemorragias e avaliar
coagulação.
• Hemorragia? Concentrado de hemácias (10 a 15ml/kg/dia)
• CoagulopaUa? Plasma fresco, vitamina K EV e criopreciptado
• Transfusão de plaquetas: sangramento persistente não controlado após
correção dos fatores de coagulação e do choque, trombocitopenia e
INR>1,5x normal
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO D – DENGUE GRAVE
• Sem melhora clínica:
• Avaliar desconforto respiratório, sinais de insuficiência cardíaca e investigar
hiper-hidratação
• Reduzir líquidos quando:
• Normalização da PA, pulso e perfusão, diminuição do hematócrito na
ausência de sangramento, diurese normalizada, resolução dos sintomas
abdominais
• Se normalização, seguir grupo C.
• Alta como grupo B
ESTADIAMENTO E CONDUTA
GRUPO D – DENGUE GRAVE
• Sem melhora clínica:
• Avaliar desconforto respiratório, sinais de insuficiência cardíaca e invesUgar
hiper-hidratação
• Reduzir líquidos quando:
• Normalização da PA, pulso e perfusão, diminuição do hematócrito na
ausência de sangramento, diurese normalizada, resolução dos sintomas
abdominais
• Se normalização, seguir grupo C.
• Alta como grupo B
EXAME CONFIRMATÓRIO É OBRIGATÓRIO
PREVENÇÃO
CONTROLE DO VETOR
Métodos Ysicos, biológicos e químicos.
• InseVcidas: organofosforados e piretróides. Causam
resistência!
• Larvicidas: somente nos recipientes que não podem ser
removidos.
• UVB (inseVcidas de baixo volume): uso em
surtos/epidemias, semanalmente, para interromper a
transmissão.
.
PREVENÇÃO
• A SBP recomenda a vacinação contra a dengue para todas as crianças e adolescentes a parPr de 4 anos de idade,
independente da doença já ter ocorrido;
• A SBP sugere o uso preferencial da vacina QDENGA©, pelo esquema posológico mais conveniente (menor número de
doses e término do esquema vacinal em menor tempo) e pela não necessidade de comprovação de infecção prévia
pela dengue para sua administração;
• Após uma infecção pelo vírus da dengue, recomenda-se um intervalo de 6 meses para iniciar a vacinação;
• A vacina está contraindicada para crianças, adolescentes e adultos imunocompromeHdos, gestantes e lactantes;
CASO CLÍNICO
QP: Febre alta // HDA: A.B.C., feminino, 7 MESES dá entrada no PSI acompanhada pela mãe, que relata episódios de FEBRE
(38,7 – 39,5°C) há 2 dias, associados a menor aceitação de alimentos e 2-3 episódios de diarreia pastosa por dia, sem sangue
ou muco. Refere aparecimento de EXANTEMA MACULOPAPULAR hoje, apresenta TAX 39°C no momento da consulta,
lactente bastante chorosa e irritada // HPP: Nega comorbidades, em uso de vitamina D e sulfato ferroso diariamente, mãe
nega alergias medicamentosas.
EXAME FÍSICO:
BEG, aWva e reaWva, irritada, corada, desidratada 2+/4+, acianóWca, anictérica, febril (39°C) ACV: bnf2t, sem sopros, tec < 2s,
FC 157 bpm AP: MVUA, sem RA, sem sinais de esforço respiratório, eupneica Abdome: RHA+, flácido, inocente, sem vcm
Oroscopia e otoscopia: sem alterações Pele: exantema maculopapular em MMII. Peso 8kg, estatura 68cm.
Solicitado hemograma, com as seguintes alterações: leucopenia (2.100) e plaquetopenia (98.000).
REFERÊNCIAS
BRASIL, Ministério da Saúde. DENGUE: diagnósUco e manejo clínico adulto e criança. 6ª ed, Brasília:
Ministério da Saúde 2024.
SBP, SOCIDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Dengue: guia práUco de atualização. Set, 2019.
SBP. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Nova Vacina Dengue: Recomendações da Sociedade
Brasileira de Pediatria. nº 89, 2023.
Tratado de pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria / organizadores Dioclécio Campos Júnior,
Dennis Alexander Rabelo Burns. -3. ed. -Barueri, SP: Manole, 2014.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A epidemia de dengue no continente Latino Americano

capacitação em serviço dengue
capacitação em serviço denguecapacitação em serviço dengue
capacitação em serviço dengueAnestesiador
 
Apresentação dengue- enf° alidemberg
Apresentação   dengue-  enf° alidembergApresentação   dengue-  enf° alidemberg
Apresentação dengue- enf° alidembergAlidemberg Loiola
 
Chikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitos
Chikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitosChikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitos
Chikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitosJosé Ripardo
 
Manejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfCelsoSoares25
 
Manejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaManejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaGenilson Silva
 
Trabalho Professora B.A.E.pptx
Trabalho Professora B.A.E.pptxTrabalho Professora B.A.E.pptx
Trabalho Professora B.A.E.pptxFabioGuedesMoreira
 
Classificação e tratamento da Dengue
Classificação e tratamento da DengueClassificação e tratamento da Dengue
Classificação e tratamento da DengueSteban Freire
 
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoSaúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoIsmael Costa
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaIsmael Costa
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfMariaRuthBacelar1
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonProfessor Robson
 
Caso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.ppt
Caso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.pptCaso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.ppt
Caso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.pptNome Sobrenome
 
Apresentação Dengue - Mais Médicos.pdf
Apresentação Dengue - Mais Médicos.pdfApresentação Dengue - Mais Médicos.pdf
Apresentação Dengue - Mais Médicos.pdfRoneCarlos3
 
sindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdf
sindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdfsindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdf
sindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdfNataliaSaezDuarte
 

Semelhante a A epidemia de dengue no continente Latino Americano (20)

capacitação em serviço dengue
capacitação em serviço denguecapacitação em serviço dengue
capacitação em serviço dengue
 
Dengue gravidez
Dengue   gravidezDengue   gravidez
Dengue gravidez
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 
Apresentação dengue- enf° alidemberg
Apresentação   dengue-  enf° alidembergApresentação   dengue-  enf° alidemberg
Apresentação dengue- enf° alidemberg
 
Chikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitos
Chikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitosChikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitos
Chikungunya classificação de risco e manejo de casos suspeitos
 
Patologia obstetricia 2016
Patologia obstetricia  2016Patologia obstetricia  2016
Patologia obstetricia 2016
 
Dengue na Infância
Dengue na InfânciaDengue na Infância
Dengue na Infância
 
Manejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdf
 
Manejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaManejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreia
 
Trabalho Professora B.A.E.pptx
Trabalho Professora B.A.E.pptxTrabalho Professora B.A.E.pptx
Trabalho Professora B.A.E.pptx
 
Classificação e tratamento da Dengue
Classificação e tratamento da DengueClassificação e tratamento da Dengue
Classificação e tratamento da Dengue
 
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo EstadoSaúde da família e Dengue - Intensivo Estado
Saúde da família e Dengue - Intensivo Estado
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael Costa
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
 
Hepatite B
Hepatite BHepatite B
Hepatite B
 
Caso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.pptCaso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.ppt
 
Caso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.ppt
Caso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.pptCaso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.ppt
Caso_Clinico_Asma CURSO ENFERMAGEM -.ppt
 
Apresentação Dengue - Mais Médicos.pdf
Apresentação Dengue - Mais Médicos.pdfApresentação Dengue - Mais Médicos.pdf
Apresentação Dengue - Mais Médicos.pdf
 
sindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdf
sindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdfsindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdf
sindrome_gripal_classificacao_risco_manejo.pdf
 

Mais de Irisnara Nunes Silva

Mais de Irisnara Nunes Silva (12)

PPT (1).pptx
PPT (1).pptxPPT (1).pptx
PPT (1).pptx
 
Unidad 5 (1).pptx
Unidad 5 (1).pptxUnidad 5 (1).pptx
Unidad 5 (1).pptx
 
placenta previa.ppt
placenta previa.pptplacenta previa.ppt
placenta previa.ppt
 
PPT 1.pptx
PPT 1.pptxPPT 1.pptx
PPT 1.pptx
 
4. GLÚCIDOS - GLICOSAMINOGLICANOS.pptx
4. GLÚCIDOS - GLICOSAMINOGLICANOS.pptx4. GLÚCIDOS - GLICOSAMINOGLICANOS.pptx
4. GLÚCIDOS - GLICOSAMINOGLICANOS.pptx
 
sem 03b_liquido_amniotico.ppt
sem 03b_liquido_amniotico.pptsem 03b_liquido_amniotico.ppt
sem 03b_liquido_amniotico.ppt
 
sem 02b_Retinopatia Hipertensiva12....ppt
sem 02b_Retinopatia Hipertensiva12....pptsem 02b_Retinopatia Hipertensiva12....ppt
sem 02b_Retinopatia Hipertensiva12....ppt
 
sem 01c_COMO MEDIMOS LA VISION clase 1.pptx
sem 01c_COMO MEDIMOS LA VISION clase 1.pptxsem 01c_COMO MEDIMOS LA VISION clase 1.pptx
sem 01c_COMO MEDIMOS LA VISION clase 1.pptx
 
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
 
Menopausia 2021.ppt
Menopausia 2021.pptMenopausia 2021.ppt
Menopausia 2021.ppt
 
sem 06a_Asma.pptx
sem 06a_Asma.pptxsem 06a_Asma.pptx
sem 06a_Asma.pptx
 
sem 05_Insuf resp y Asma.pptx
sem 05_Insuf resp y Asma.pptxsem 05_Insuf resp y Asma.pptx
sem 05_Insuf resp y Asma.pptx
 

Último

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...TaniaN8
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 

Último (10)

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 

A epidemia de dengue no continente Latino Americano

  • 1. DENGUE Dr. André Meyer Duchatsch Médico pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Médico residente de pediatria pela Santa Casa de Jaú
  • 2. INTRODUÇÃO • CASO CLÍNICO; • INTRODUÇÃO; • ETIOPATOGENIA; • EPIDEMIOLOGIA; • QUADRO CLÍNICO; • CLASSIFICAÇÃO E TRATAMENTO; • PREVENÇÃO.
  • 3. CASO CLÍNICO QP: Febre alta HDA: A.B.C., feminino, 7 meses dá entrada no PSI acompanhada pela mãe, que relata episódios de febre (38,7 – 39,5°C) há 2 dias, associados a menor aceitação de alimentos e 2-3 episódios de diarreia pastosa por dia, sem sangue ou muco. Refere aparecimento de exantema maculopapular hoje, apresenta TAX 39°C no momento da consulta, lactente bastante chorosa e irritada. HPP: Nega comorbidades, em uso de vitamina D e sulfato ferroso diariamente, mãe nega alergias medicamentosas.
  • 4. CASO CLÍNICO EXAME FÍSICO: BEG, a'va e rea'va, irritada, corada, desidratada 2+/4+, acianó'ca, anictérica, febril (39°C) ACV: bnf2t, sem sopros, tec < 2s, FC 157 bpm AP: MVUA, sem RA, sem sinais de esforço respiratório, eupneica Abdome: RHA+, flácido, inocente, sem vcm Oroscopia e otoscopia: sem alterações Pele: exantema maculopapular em MMII Solicitado hemograma, com as seguintes alterações: leucopenia (2.100) e plaquetopenia (98.000).
  • 5. CASO CLÍNICO EXAME FÍSICO: BEG, ativa e reativa, irritada, corada, desidratada 2+/4+, acianótica, anictérica, febril (39°C) ACV: bnf2t, sem sopros, tec < 2s, FC 157 bpm AP: MVUA, sem RA, sem sinais de esforço respiratório, eupneica Abdome: RHA+, flácido, inocente, sem vcm Oroscopia e otoscopia: sem alterações Pele: exantema maculopapular em MMII Solicitado hemograma, com as seguintes alterações: leucopenia (2.100) e plaquetopenia (98.000).
  • 6. CASO CLÍNICO É um caso de dengue? Se sim, em que fase esse paciente se encontra? Há presença de sinais de alarme? Qual o estado hemodinâmico do paciente? Existem condições preexistentes que indiquem maior risco de gravidade? Em qual grupo de estadiamento o paciente se encontra: A, B, C ou D? O paciente requer internação? Em leito de observação ou leito de UTI?
  • 7. INTRODUÇÃO • Doença endêmica, com padrão sazonal (quentes e chuvosos). • É uma doença febril aguda, sistêmica e dinâmica, que pode apresentar um amplo espectro clínico, podendo levar à forma grave a ao óbito. • Organizar os serviços de saúde e classificar os grupos de tratamento é uma estratégia importante para evitar os óbitos pela doença.
  • 8. ETIOPATOGÊNESE • É uma virose, causada por um RNA vírus do gênero Flaviviridae • São conhecidos 4 sorotipos: DENV-1, -2, -3, -4. • A infecção por 1 tipo de DENV por causar uma imunidade de curta duração (meses) contra os outros sorotipos. • Os DENV-2 E -3 estão associados a maior gravidade. • Infecção secundária heterotípica como fator de risco para a ocorrência das formas graves?
  • 9. ETIOPATOGÊNESE ANTÍGENO + ANTICORPO MULTIPLICAÇÃO DE CÉLULAS INFECTADAS INFECÇÃO EXACERBADA ATIVAÇAO DE LINFÓCITOS T + LIBERAÇÃO E CITOCINAS AUMENTO DA PERMEABILIDADE VASCULAR EXTRAVASAMENTO PLASMÁTICO DESTRUIÇÃO PLAQUETÁRIA HEMORRAGIA MEDIADORES VASOATIVOS: IL-2, TNF-α, INF-γ, FAP
  • 11. EPIDEMIOLOGIA Transmissão: • Aedes aegypti, Aedes albopictus e Aedes polynesiensis. (fêmeas, diurno) • Transplantes de órgãos, transfusão de sangue e transmissão vertical.
  • 12. QUADRO CLÍNICO ASSINTOMÁTICA SINTOMÁTICA DOENÇA SISTÊMICA E DINAMICA FORMA OLIGOASSINTÁTICA A QUADROS GRAVES TRÊS FASES CLÍNICAS FEBRIL CRÍTICA RECUPERAÇÃO
  • 13. QUADRO CLÍNICO FASE FEBRIL: - FEBRE (2-7 dias) alta (39-40ºC), abrupta + cefaleia, adinamia, mialgias, artralgias e dor retrorbitária. - Podem ocorrer: anorexia, náusea, vômitos e diarreia. - 50% dos casos cursam com exantema, que é predominantemente maculopapular com ou sem prurido. - A grande parte dos pacientes se recuperam progressivamente.
  • 14. QUADRO CLÍNICO FASE CRÍTICA: - Ocorre em alguns pacientes. Tem início com a defervecencia da febre, em 3-7 dias do início da doença. DENGUE COM SINAIS DE ALARME DENGUE GRAVE
  • 15. QUADRO CLÍNICO FASE DE RECUPERAÇÃO: • Nos pacientes que passaram pela fase crí'ca, haverá reabsorção gradual do conteúdo extravasado, com progressiva melhora clínica. • Débito urinário normaliza-se ou aumenta. • Alguns podem apresentar rash (exantema) cutâneo, acompanhado ou não de prurido generalizado. • Infecções bacterianas, que podem ter um caráter grave, contribuindo para o óbito.
  • 18. ESTADIAMENTO E CONDUTA NA CRIANÇA: Pode cursar com sintomas inespecíficos, como adinamia, sonolência, recusa da alimentação e de líquidos, vômitos, diarreia ou fezes amolecidas. Em menores de 2 anos de idade, os sinais e sintomas de dor podem se manifestar por choro persistente, adinamia e irritabilidade, sendo capazes de serem confundidos com outros quadros infecciosos febris, próprios da faixa etária. O início da doença pode passar despercebido e o quadro grave pode ser iden'ficado como a primeira manifestação clínica. No geral, o agravamento é súbito, diferentemente do que ocorre no adulto, em que os sinais de alarme são mais facilmente detectados.
  • 20. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO A • Hidratação oral – 1/3 de SRO + 2/3 de água/chás/sucos • Adulto: 60ml/kg/dia • Criança: até 10kg (130ml/kg/dia), 10-20kg (100ml/kg/dia), >20kg (80ml/kg) Entregar cartão de acompanhamento da dengue Orientar sinais de Alarme e retorno imediato s/n Agendar retorno para reavaliação no dia da melhora da febre • Se manUver a febre, retornar no 5º dia de doença. • Orientar medidas de eliminação do criadouro e uso de repelentes.
  • 21. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO B • Coletar hemograma (obrigatório) (2-4h). • Hidratação oral – Iniciar na unidade de atendimento. • Hematócrito normal: alta com orientações de hidratação do grupo A e reavaliação diária (até 48h após remissão da febre). Retorno imediato se sinais de alarme. • Hemoconcentração: conduzir ao grupo C • Preencher cartão de dengue e no'ficação.
  • 22. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO C • Internação até estabilização (mínimo 48h) • Exames laboratoriais obrigatórios: hemograma, albumina sérica e transaminases • Exames laboratoriais de acordo com necessidade: glicemia, ureia, creatinina, eletrólitos, gasometria, Tpae e ecocardiograma. • Exames de imagem: rx de tórax e usg de abdômen. • Hidratação EV 10ml/kg/h e reavaliação em 1h (diurese). Seguir 10ml/kg por mais 1 hora (reavaliação clínica e laboratorial)
  • 23. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO C • Se o hemograma 2h após apresentar queda do hematócrito, diurese normal e estabilidade clínica, seguir para segunda fase expansão (manutenção em SF). • Primeira fase: 25ml/kg em 6h. Se Houver melhora, seguir: • Segunda fase: 25ml/kg em 8 horas
  • 24. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO C • Alta: • Estabilização hemodinâmica durante 48h. • Ausência de febre por 24h • Melhora visível do quadro clínico. • Hematócrito normal e estável por 24h • Plaquetas em elevação • Alta com orientações do grupo B. • No'ficação e entregar cartão de dengue
  • 25. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO C • Alta: • Estabilização hemodinâmica durante 48h. • Ausência de febre por 24h • Melhora visível do quadro clínico. • Hematócrito normal e estável por 24h • Plaquetas em elevação • Alta com orientações do grupo B. • Notificação e entregar cartão de dengue EXAME CONFIRMATÓRIO É OBRIGATÓRIO
  • 26. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO C • Sem melhora do hematócrito ou dos sinais hemodinâmicos: • RepeUr fase de expansão em até 3x. • SSVV + diurese em 1h, hematócrito em 2h. • Sem melhora, conduzir ao grupo D.
  • 27. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO D – DENGUE GRAVE • Sinais de choque: taquicardia, extremidades distais frias, pulso fraco filiforme, enchimento capilar lento (>2s), PA convergente (<20mmHg), taquipneia, oligúria (<1,5ml/kg/h), hipotensão arterial e cianose • Sangramento grave • Disfunção grave de órgãos.
  • 28. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO D – DENGUE GRAVE • Coletar hemograma e exames do grupo C; • Reposição volêmica • Fase de expansão rápida: 20ml/kg em 20min. • Reavaliação clínica a cada 15-30min e hematócrito a cada 2h. • Repetir fase de expansão até 3x. • Melhora clínica: seguir grupo C (em leito de UTI mínimo de 48h). • Exame confirmatório de dengue é obrigatório!
  • 29. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO D – DENGUE GRAVE Sem melhora clínica: • HEMATÓCRITO EM ASCENSÃO: expansores plasmáUcos (albumina 0,5 g/kg a 1 g/kg); preparar solução de albumina a 5% (para cada 100 mL dessa solução, usar 25 mL de albumina a 20% e 75 mL de soro fisiológico a 0,9%). • Na falta dela, uUlizar coloides sintéUcos (10 mL/kg/hora);
  • 30. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO D – DENGUE GRAVE Sem melhora clínica: • HEMATÓCRITO EM QUEDA: invesVgar hemorragias e avaliar coagulação. • Hemorragia? Concentrado de hemácias (10 a 15ml/kg/dia) • CoagulopaUa? Plasma fresco, vitamina K EV e criopreciptado • Transfusão de plaquetas: sangramento persistente não controlado após correção dos fatores de coagulação e do choque, trombocitopenia e INR>1,5x normal
  • 31. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO D – DENGUE GRAVE • Sem melhora clínica: • Avaliar desconforto respiratório, sinais de insuficiência cardíaca e investigar hiper-hidratação • Reduzir líquidos quando: • Normalização da PA, pulso e perfusão, diminuição do hematócrito na ausência de sangramento, diurese normalizada, resolução dos sintomas abdominais • Se normalização, seguir grupo C. • Alta como grupo B
  • 32. ESTADIAMENTO E CONDUTA GRUPO D – DENGUE GRAVE • Sem melhora clínica: • Avaliar desconforto respiratório, sinais de insuficiência cardíaca e invesUgar hiper-hidratação • Reduzir líquidos quando: • Normalização da PA, pulso e perfusão, diminuição do hematócrito na ausência de sangramento, diurese normalizada, resolução dos sintomas abdominais • Se normalização, seguir grupo C. • Alta como grupo B EXAME CONFIRMATÓRIO É OBRIGATÓRIO
  • 33. PREVENÇÃO CONTROLE DO VETOR Métodos Ysicos, biológicos e químicos. • InseVcidas: organofosforados e piretróides. Causam resistência! • Larvicidas: somente nos recipientes que não podem ser removidos. • UVB (inseVcidas de baixo volume): uso em surtos/epidemias, semanalmente, para interromper a transmissão.
  • 34. .
  • 35. PREVENÇÃO • A SBP recomenda a vacinação contra a dengue para todas as crianças e adolescentes a parPr de 4 anos de idade, independente da doença já ter ocorrido; • A SBP sugere o uso preferencial da vacina QDENGA©, pelo esquema posológico mais conveniente (menor número de doses e término do esquema vacinal em menor tempo) e pela não necessidade de comprovação de infecção prévia pela dengue para sua administração; • Após uma infecção pelo vírus da dengue, recomenda-se um intervalo de 6 meses para iniciar a vacinação; • A vacina está contraindicada para crianças, adolescentes e adultos imunocompromeHdos, gestantes e lactantes;
  • 36. CASO CLÍNICO QP: Febre alta // HDA: A.B.C., feminino, 7 MESES dá entrada no PSI acompanhada pela mãe, que relata episódios de FEBRE (38,7 – 39,5°C) há 2 dias, associados a menor aceitação de alimentos e 2-3 episódios de diarreia pastosa por dia, sem sangue ou muco. Refere aparecimento de EXANTEMA MACULOPAPULAR hoje, apresenta TAX 39°C no momento da consulta, lactente bastante chorosa e irritada // HPP: Nega comorbidades, em uso de vitamina D e sulfato ferroso diariamente, mãe nega alergias medicamentosas. EXAME FÍSICO: BEG, aWva e reaWva, irritada, corada, desidratada 2+/4+, acianóWca, anictérica, febril (39°C) ACV: bnf2t, sem sopros, tec < 2s, FC 157 bpm AP: MVUA, sem RA, sem sinais de esforço respiratório, eupneica Abdome: RHA+, flácido, inocente, sem vcm Oroscopia e otoscopia: sem alterações Pele: exantema maculopapular em MMII. Peso 8kg, estatura 68cm. Solicitado hemograma, com as seguintes alterações: leucopenia (2.100) e plaquetopenia (98.000).
  • 37. REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. DENGUE: diagnósUco e manejo clínico adulto e criança. 6ª ed, Brasília: Ministério da Saúde 2024. SBP, SOCIDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Dengue: guia práUco de atualização. Set, 2019. SBP. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Nova Vacina Dengue: Recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria. nº 89, 2023. Tratado de pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria / organizadores Dioclécio Campos Júnior, Dennis Alexander Rabelo Burns. -3. ed. -Barueri, SP: Manole, 2014.