O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas

6.617 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
  • Você pode obter ajuda de ⇒ www.boaaluna.club ⇐ Sucesso e cumprimentos!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Obrigada Celia!!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Muitíssimo relevante este artigo.
    Parabéns! Sucesso!!!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Síndrome pfapa e outras síndromes febris periódicas

  1. 1. Síndrome PFAPA e outras Síndromes Febris Periódicas Annie Mafra Oliveira Estagiária do Serviço de Alergia e Imunologia Pediátrica do HBDF Dezembro/2013
  2. 2. PFAPA • Síndrome de Marshall (1987) • Síndrome da febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenopatia. • Crianças de 4-5 anos de idade, cujos sintomas podem começar nos primeiros meses de vida e durar até os 12 anos. • Síndromes de febres recorrentes - episódios reincidentes de inflamação generalizada aos quais nenhum agente infeccioso ou causa imunológica podem ser associados.
  3. 3. PFAPA • Não hereditária? • Etiologia desconhecida doença infecciosa ou disfunção imunológica? • Distúrbio da resposta imune, com ativação contínua de citocinas pró-inflamatórias e resposta antiinflamatória reduzida tanto durante como no intervalo dos episódios febris. • Exames complementares - leucocitose moderada, imunoglobulina D aumentada (em 66% dos pacientes).
  4. 4. PFAPA • Para o diagnóstico da síndrome, 2 características são consideradas fundamentais: 1 - Periodicidade dos episódios, com intervalos de 3-4 semanas, com febre alta, aparecimento súbito e persistência de 4-6 dias. 2 - Boa saúde da criança entre os episódios.
  5. 5. PFAPA Critérios definidos por Marshall et al: a) Apresentar febres recorrentes que começaram antes dos 5 anos de idade; b) Ter pelo menos um dos seguintes sinais: estomatite aftosa, linfoadenopatia cervical, faringite; c) Exclusão dos diagnósticos de neutropenia cíclica e síndrome da hiperimunoglobulinemia D (HIDS); d) Ausência de sintomas entre os episódios; e) Desenvolvimento normal.
  6. 6. PFAPA Diagnóstico diferencial • • • • • • • • Doença de Crohn; Artrite Reumatóide Juvenil; Deficiência de imunoglobulinas totais ou de IgG; Disfunção ou deficiência de linfócitos T; Neutropenia cíclica; Infecção pelo HIV; Febre Familiar do Mediterrâneo; Síndrome de Hiperimunoglobulinemia D, etc.
  7. 7. PFAPA Tratamento: • A administração de antibióticos não tem efeito benéfico; • A maioria dos pacientes que recebe 1 ou 2 doses de corticosteróides apresenta resolução significativa da febre; • A maioria das crises é interrompida na fase inicial com dose única de prednisona oral de 2 mg/kg; • Cimetidina; • Amigdalectomia.
  8. 8. PFAPA Tratamento: • A resposta acentuada à corticoterapia é única na síndrome PFAPA e pode ser usada como um critério diagnóstico; • A síndrome PFAPA não está associada a sequelas a longo prazo. • Se forem persistentes, os sintomas poderão requerer terapia imunossupressora de longo prazo.
  9. 9. Outras Síndromes Febris Periódicas
  10. 10. Febre Familiar do Mediterrâneo • O primeiro paciente foi descrito em 1908, por Janeway e Mosenthal, e a primeira série de casos foi relatada em 1945, por Siegal; • Autossômica recessiva; • Prevalente entre árabes, turcos, armênios e judeus sefárdicos; • Predominância no sexo masculino; • Mutações no gene MEFV (M694V, M680I e V726A), localizado no braço curto do cromossoma 16 (16p13.3); • M694V - curso da doença mais grave e amiloidose; • Inicio dos sintomas após 5 anos.
  11. 11. Febre Familiar do Mediterrâneo • Febre alta recorrente com duração de 1–3 dias, que desaparece espontaneamente. • Dor abdominal (95%), rigidez dos músculos abdominais, prisão de ventre e diarreia; simula abdome agudo. • Comprometimento pleural, dor torácica, dispneia. • Mialgia, artrite e/ou artralgia. • Amiloidose renal é a complicação mais significativa. • Ausência de faringite e aftas orais. • Causas: estresse, ciclo menstrual, exercício e infecções subclínicas.
  12. 12. Febre Familiar do Mediterrâneo Tratamento: • AINES. • Colchicina: ▫ Adultos: 1 mg/dia. ▫ Crianças < 5 anos: ≤ 0,5 mg/dia ▫ Crianças de 5 -10 anos: 1 mg/dia ▫ Crianças > 10 anos: 1,5 mg/dia ▫ Dose máxima: 2 mg/dia. • Sintomas não melhoram com dose única de corticóide.
  13. 13. Neutropenia Cíclica • Doença autossômica dominante; • Mutação no gene ELA2, 19p13.3; • Febres regulares de 3-5 dias, ocorrendo em intervalos de 21 dias, durante ou logo após o episódio de neutropenia. • Úlceras orais profundas e dolorosas, gengivite, doença periodontal, adenopatia cervical, diarreia. • Tratamento - fator estimulante de colônias de granulócitos - pacientes com complicações infecciosas significativas.
  14. 14. Síndrome da Hiperimunoglobulinemia D (HIDS) • Descrita pela primeira vez em 1984 em 6 pacientes com história de febre recorrente e elevação de IgD no soro. • Doença autossômica recessiva; • Mutação gene MVK, no cromossoma 12q.24; • Codifica a mevalonato quinase (MVK) expressa em peroxissomos, convertendo o ácido mevalônico em ácido 5-fosfomevalônico (precursor essencial de esteróis colesterol, vitamina D, sais biliares e isoprenóides); • Caucasianos Europa ocidental (60% dos casos em Holandeses ou Franceses)
  15. 15. Síndrome da Hiperimunoglobulinemia D (HIDS) • Crises agudas podem durar de 4-6 dias e retornar após 3 a 6 semanas; intervalos variáveis - 1x/semana a 2x/ano; • Causas – estresse, infecção, trauma e vacinação; • Febre associada a linfadenopatia dolorosa, dor abdominal, vômitos (56%) e diarreia aquosa ou sanguinolenta (82%). • Faringite ou úlceras aftosas não encontram-se associados às febres; • Hepatoesplenomegalia, exantema maculopapular(82%), artralgias (80%) e artrite não erosiva de grandes articulações podem estar presentes.
  16. 16. Síndrome da Hiperimunoglobulinemia D (HIDS) • IgD elevada (>100 U/mL); • Níveis elevados de IgA no soro e de ácido mevalônico urinário podem ser encontrados durante a febre. • Reagentes de fase aguda são elevados durante os episódios febris, e leucocitose com predominância de neutrófilos imaturos é vista; • Tratamento – corticóide dose única (1 mg/kg) • Drogas biológicas – Etanercept (inibidor de TNF-α) e Anakinra (inibidor de IL-1).
  17. 17. TRAPS (TNF-receptor-associated periodic syndrome) Doença multissistêmica autoinflamatória; Autossômica dominante; Mutações no gene TNFr1A, cromossoma 12p; Diminuição do receptor solúvel de TNF aumento da atividade de TNF; • 80 variantes de TNFr1A, 64 identificadas; • Mutações mais comuns - R92Q e P46L; • • • •
  18. 18. TRAPS (TNF-receptor-associated periodic syndrome) • Febre - sem periodicidade regular, 21 dias, em média; • Episódio típico dores musculares em uma extremidade associada a febre de 38-41ºC; • Exantema sobrepõe a área de mialgia; • Edema periorbital doloroso e conjuntivite; • Dor abdominal grave, sintomas articulares, serosite; • Amiloidose renal; • Biópsias de músculos - fasceíte monocítica; • Biópsias de pele - infiltrado intersticial de monócitos e linfócitos, sem vasculite.
  19. 19. TRAPS (TNF-receptor-associated periodic syndrome) • Os níveis do receptor solúvel de TNF são baixos, tanto durante como entre os episódios; • Aumento de reagentes de fase aguda, neutrofilia e anemia hipocrômica; • Sintomas não melhoram com dose única de corticóde; • Ideal: corticóide 7-10 dias; • Drogas imunosupressoras – ineficazes; • Etanercept - eficaz na redução dos sintomas, anormalidades laboratoriais e na melhora da síndrome nefrótica secundária à amiloidose renal.
  20. 20. Criopirinopatias • Doenças caracterizadas por inflamação recorrente, episódios de febre, artralgias, erupções cutâneas, além de complicações como amiloidose renal, perda de visão, surdez e danos articulares; • Criopirinas - complexo de proteínas responsável pela ativação das caspases 1 e a secreção de IL-1β; • Três síndromes - mutação no gene CIAS1: ▫ Síndrome autoinflamatória familiar ao frio (FCAS); ▫ Síndrome de Muckle-Wells (MWS), 1962; ▫ Doença Inflamatória Multissistêmica de Início Neonatal (NOMID) ou Síndrome neurológica , cutânea e articular crônica infantil (CINCA),1981.
  21. 21. Síndrome autoinflamatória familiar ao frio • Rara - 20 famílias afetadas relatados desde quando foi descrita, em 1940; • Qualquer idade - picos de febre de curta duração (inferior a 24 horas) associados à urticária, calafrios e artralgia/artrite desencadeados pelo frio. • Início - 30 minutos a 6 horas após a exposição ao frio; • Duração - 12 horas. • Amiloidose - nefropatia. • Tratamento - clima quente, corticosteróides, colchicina, medicamentos anti-inflamatórios não-esteróides e anakinra (antagonista de IL-1).
  22. 22. Síndrome de Muckle-Wells • Início - infância; • Episódios recorrentes de febre baixa (38ºC), com resolução espontânea entre 12 e 36 horas, associados à urticária, artrite, mialgias, dor abdominal, úlceras aftosas, e/ou conjuntivite. • Estes episódios não estão associados à exposição ao frio. • Complicações - perda auditiva neurossensorial e amiloidose.
  23. 23. CINCA / NOMID • Rara (100 casos), fenótipo mais grave; • Período neonatal ou primeira infância; • Febre e exantema urticariforme persistente (ao nascimento em 75% dos casos); • “Facies“ típica - proeminência frontal, nariz em sela e hipoplasia facial;
  24. 24. CINCA / NOMID • Deformidades dos joelhos, tornozelos, pulsos e cotovelos (50%); • Meningite asséptica crônica, perda progressiva da audição, dores de cabeça crônicas, retardo mental, epilepsia. • Uveíte anterior, papilite e atrofia do nervo óptico. • Não há remissão espontânea; • Resposta aos corticosteróides e outros medicamentos anti-inflamatórios é minima;
  25. 25. CINCA / NOMID • Boa resposta à injeções diárias de Anakinra (1 mg/kg /dia, SC) em pacientes com e sem mutações em ​CIAS1 identificáveis; • Rilonacept e Canakinumabe – inibidores de IL-1 de longa ação, aprovados pelo FDA recentemente; • Os inibidores de caspase-1 estão sendo estudados como agentes terapêuticos potenciais para a CIAS1.
  26. 26. Síndrome de Blau • Doença autoinflamatória autossômica dominante, familial ou esporádica (1985); • Mutação no domínio NACHT de CARD15 (NOD2), cromossomo 16 q12.1-13; • Início nos primeiros anos de vida; • Lesões granulomatosas não caseosoas que afetam as articulações (poliartrite simétrica), pele e olhos; • 50% - uveíte catarata e glaucoma secundário; • Tratamento - esteróides orais e imunossupressores (metotrexato ou ciclosporina A). • Anti-TNF (infliximabe) e anti-IL1.
  27. 27. Síndrome PAPA • Síndrome de artrite piogênica asséptica, pioderma gangrenoso e acne. • Mutações no gene CD2BP1 ou PSTPIP1,15q22-24. • Início na primeira infância; • Artrite destrutiva - articulações não-axiais; • Acne cística e lesões cutâneas ulcerativas. • Culturas de pele e articulações estéreis com um infiltrado neutrofílico; • Boa resposta aos glicocorticóides orais e produtos biológicos, em pacientes esteróide-resistentes.
  28. 28. Síndrome de Majeed • Osteomiletite Recorrente Crônica Multifocal; • Mutações no gene LPIN2, cromossomo 18 p11.31; • Febre, lesões ósseas, dores, anemia congênita e manifestações dermatológicas (psoríase, pustulose, acne, palmoplantar). • Diagnóstico baseado nos seguintes critérios: ▫ 1. ≥ 2 lesões ósseas típicas (osteólise com esclerose circundante em radiografias convencionais); ▫ 2. duração ≥ 6 meses; ▫ 3. histológico típico na biópsia óssea; ▫ 4. idade <18 anos no momento do diagnóstico.
  29. 29. Síndrome de Majeed Tratamento ▫ AINEs e esteróides orais - controle dos sintomas; ▫ Esplenectomia e transfusões de sangue - eficazes no controle de manifestações hematológicas.
  30. 30. Resumindo
  31. 31. Obrigada!

×