SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
HIPOTERMIA
HIP ERTERMIA
E
HIPOTERMIA
A Hipotermia é caracterizada pela queda da temperatura normal do
organismo, que é 37ºC, para valores abaixo de 35ºC. Essa sensação faz com
que o indivíduo entre em processo de tremor devido às contrações dos vasos
sanguíneos, que tentam diminuir a perda de calor pelo corpo, mantendo
assim o organismo a uma temperatura normal.
Quando o organismo não possui energias suficientes para controlar o
processo de hipotermia, pode levar o indivíduo a morte.
COMO PREVENIR?
1. Antes de sair para alguma atividade externa, avalie as condições do clima.
2. Proteja bem as áreas sensíveis do corpo.
3. Escolha roupas que sejam absorventes, que ofereçam isolamento térmico
e sejam impermeáveis
4. Mantenha-se o mais seco possível.
5. Abrigue-se do vento.
HIPOTERMIA EM CRIANÇAS
Os mais propensos a sofrer deste problema são os bebês, pois a capacidade
do seu organismo para regular a temperatura ainda não está totalmente
desenvolvida.
Em algumas ocasiões, são os próprios pais ou mães que lhes provocam a
hipotermia. Muitos são os que, de forma errónea, quando o pequeno tem
febre tratam de baixar-lhes a temperatura expondo as crianças a focos de ar
intensos ou dando-lhes um banho de água fria. Nestes casos, a criança pode
chegar a sofrer um choque pela alteração brusca de temperatura.
COMO PREVENIR?
Devemos abrigar bem a criança, com várias capas finas de roupa não
demasiado justa, já que pode impedir a circulação. É muito importante cobrir
a cabeça do bebé – cerca de 20% da temperatura corporal pode perder-se
por esta parte do corpo.
Também devemos lembrar-nos de que as crianças comem e bebem
regularmente, já que a ingestão de alimentos e líquidos lhes proporcionará
energia mantendo-os quentes.
TRATAMENTO
- Cubra imediatamente a vítima com cobertores e abrace-a para transmitir o
calor do seu corpo para o dela.
- Se houver congelamento dos pés ou das mãos, redobre o cuidado, pois
existe o risco de a área infeccionar depois de descongelar.
- Deite-a e esquente as partes congeladas passando água quente
diretamente no corpo ou panos molhados com água quente, realizando
massagens para ativar a circulação nas áreas próximas às partes
congeladas.
- Peça que ela, aos poucos, movimente pés e mãos.
- Dê a ela bebidas aquecidas e não alcoólicas.
- Se a vítima estiver em um estágio avançado de hipotermia, realize a
reanimação cardiorrespiratória.
UTILIZAÇÃO BENÉFICA
A hipotermia terapêutica (HT) é uma redução controlada da temperatura
central dos pacientes com objetivos terapêuticos pré-definidos. Este
tratamento vem sendo usado há mais de 50 anos em cirurgias cardíacas e,
mais recentemente, em cirurgias neurológicas. Nos últimos seis anos o tema
voltou a ter grande impulso e tornou-se terapêutica bem estabelecida no
tratamento pós-parada cardiorrespiratória (PCR) em adultos.
HIPERTERMIA
A Hipertermia é caracterizada pelo aumento da
temperatura normal corporal, superior a 40ºC.
A evaporação de suor é um sistema de resfriamento importante que pode
dissipar calor de modo eficiente. No entanto, se os exercícios são praticados
em ambientes quentes e úmidos, o suor não evapora. Isto reduz a eficiência
deste sistema e a pessoa fica suscetível à hipertermia
O QUE CAUSA HIPERTERMIA?
SINTOMAS
A hipertermia é uma condição crítica. Alguns sintomas: a temperatura
corpórea central aumenta para mais de 40° C; a transpiração cessa; a
frequência cardíaca aumenta; a respiração se intensifica; ocorre confusão
mental, tontura, náusea e dor de cabeça. A hipertermia pode fazer com que a
pessoa sofra um colapso, perca a consciência e até morra.
TRATAMENTO
O atendimento médico de emergência se dá em duas etapas: redução da
temperatura corporal (tirando as roupas, usando umidificadores, aplicando
gelo, mergulhando a pessoa em água gelada) e reposição de líquidos, se
possível.
PREVENÇÃO
Você pode evitar a hipertermia usando shorts e outras roupas leves, bebendo
muita água ou bebidas isotônicas, e se exercitando em temperaturas amenas
(abaixo de 28° C). A hipertermia é muito comum em climas secos. No Brasil,
ela é mais rara por causa da umidade.
Hipertermia maligna é uma síndrome de origem genética, onde os indivíduos
susceptíveis, quando expostos a determinados anestésicos (especialmente
inalatórios) desenvolvem um quadro hipermetabólico, que caso não seja
tratado imediatamente pode evoluir para óbito.
HIPERTERMIA MALIGNA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosRocha Neto
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoAmanda Thomé
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasMarci Oliveira
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemuniversitária
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosOberlania Alves
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasSUELLEN SILVA
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇASPRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇASIvanilson Gomes
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSJulio Jayme
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 

Mais procurados (20)

SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇASPRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Aph
AphAph
Aph
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 

Semelhante a Hipotermia e hipertermia

Slide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas ExtremasSlide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas ExtremasMayke Antonucci
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorrosThais Regina
 
Riscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmicoRiscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmicoisabelourenco
 
2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitaisJuanito Florentino
 
Vagas de frio
Vagas de frioVagas de frio
Vagas de frionenhuma
 
Apostila primeiros socorros
Apostila primeiros socorrosApostila primeiros socorros
Apostila primeiros socorrosMarcio Andre
 
Apresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterialApresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterialANDREA FALLEIRO
 
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptxAula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptxAnaCarolinaAlves84
 
Aprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) Ss
Aprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) SsAprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) Ss
Aprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) Ssguest8ce8d0
 
Vagas de frio e calor
Vagas de frio e calorVagas de frio e calor
Vagas de frio e calorMayjö .
 
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...claudineilenz1
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença I.Braz Slideshares
 
trabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdf
trabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdftrabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdf
trabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdfAndreLuis202744
 
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.pptTrabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.pptCláudio Almeida
 

Semelhante a Hipotermia e hipertermia (20)

Slide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas ExtremasSlide Temperaturas Extremas
Slide Temperaturas Extremas
 
Dr1folheto saude
Dr1folheto saudeDr1folheto saude
Dr1folheto saude
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Riscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmicoRiscos associados ao ambiente térmico
Riscos associados ao ambiente térmico
 
2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais
 
Vagas de frio
Vagas de frioVagas de frio
Vagas de frio
 
Apostila primeiros socorros
Apostila primeiros socorrosApostila primeiros socorros
Apostila primeiros socorros
 
04122014 cuidadoscomofrio
04122014 cuidadoscomofrio04122014 cuidadoscomofrio
04122014 cuidadoscomofrio
 
Hegiene ocupacional calor e frio
Hegiene ocupacional calor e frioHegiene ocupacional calor e frio
Hegiene ocupacional calor e frio
 
Apresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterialApresentacao hipotensao arterial
Apresentacao hipotensao arterial
 
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptxAula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
 
Idosos poster - frio
Idosos   poster - frioIdosos   poster - frio
Idosos poster - frio
 
Aprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) Ss
Aprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) SsAprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) Ss
Aprende A Ajudar! 2 P (Ppt03) Ss
 
Vagas de frio e calor
Vagas de frio e calorVagas de frio e calor
Vagas de frio e calor
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
 
termorregulação_2018.pdf
termorregulação_2018.pdftermorregulação_2018.pdf
termorregulação_2018.pdf
 
trabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdf
trabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdftrabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdf
trabalhoemambientesfriosemidosnaindstriaalimentcia-220330235232.pdf
 
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.pptTrabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
 

Mais de Ian Costansi

Mais de Ian Costansi (14)

Matrizes
MatrizesMatrizes
Matrizes
 
Raio x
Raio xRaio x
Raio x
 
Luneta
LunetaLuneta
Luneta
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Simón Bolívar
Simón BolívarSimón Bolívar
Simón Bolívar
 
LIVROS E SUAS FRASES
LIVROS E SUAS FRASESLIVROS E SUAS FRASES
LIVROS E SUAS FRASES
 
História da escrita - Timeline
História da escrita - TimelineHistória da escrita - Timeline
História da escrita - Timeline
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Blocos econômicos (para imprimir)
Blocos econômicos (para imprimir)Blocos econômicos (para imprimir)
Blocos econômicos (para imprimir)
 
Get lucky - Daft Punk
Get lucky - Daft PunkGet lucky - Daft Punk
Get lucky - Daft Punk
 
Asa delta
Asa deltaAsa delta
Asa delta
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
 
Campos Sulinos
Campos SulinosCampos Sulinos
Campos Sulinos
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 

Hipotermia e hipertermia

  • 2. HIPOTERMIA A Hipotermia é caracterizada pela queda da temperatura normal do organismo, que é 37ºC, para valores abaixo de 35ºC. Essa sensação faz com que o indivíduo entre em processo de tremor devido às contrações dos vasos sanguíneos, que tentam diminuir a perda de calor pelo corpo, mantendo assim o organismo a uma temperatura normal. Quando o organismo não possui energias suficientes para controlar o processo de hipotermia, pode levar o indivíduo a morte.
  • 3. COMO PREVENIR? 1. Antes de sair para alguma atividade externa, avalie as condições do clima. 2. Proteja bem as áreas sensíveis do corpo. 3. Escolha roupas que sejam absorventes, que ofereçam isolamento térmico e sejam impermeáveis 4. Mantenha-se o mais seco possível. 5. Abrigue-se do vento.
  • 4. HIPOTERMIA EM CRIANÇAS Os mais propensos a sofrer deste problema são os bebês, pois a capacidade do seu organismo para regular a temperatura ainda não está totalmente desenvolvida. Em algumas ocasiões, são os próprios pais ou mães que lhes provocam a hipotermia. Muitos são os que, de forma errónea, quando o pequeno tem febre tratam de baixar-lhes a temperatura expondo as crianças a focos de ar intensos ou dando-lhes um banho de água fria. Nestes casos, a criança pode chegar a sofrer um choque pela alteração brusca de temperatura.
  • 5. COMO PREVENIR? Devemos abrigar bem a criança, com várias capas finas de roupa não demasiado justa, já que pode impedir a circulação. É muito importante cobrir a cabeça do bebé – cerca de 20% da temperatura corporal pode perder-se por esta parte do corpo. Também devemos lembrar-nos de que as crianças comem e bebem regularmente, já que a ingestão de alimentos e líquidos lhes proporcionará energia mantendo-os quentes.
  • 6. TRATAMENTO - Cubra imediatamente a vítima com cobertores e abrace-a para transmitir o calor do seu corpo para o dela. - Se houver congelamento dos pés ou das mãos, redobre o cuidado, pois existe o risco de a área infeccionar depois de descongelar. - Deite-a e esquente as partes congeladas passando água quente diretamente no corpo ou panos molhados com água quente, realizando massagens para ativar a circulação nas áreas próximas às partes congeladas. - Peça que ela, aos poucos, movimente pés e mãos. - Dê a ela bebidas aquecidas e não alcoólicas. - Se a vítima estiver em um estágio avançado de hipotermia, realize a reanimação cardiorrespiratória.
  • 7. UTILIZAÇÃO BENÉFICA A hipotermia terapêutica (HT) é uma redução controlada da temperatura central dos pacientes com objetivos terapêuticos pré-definidos. Este tratamento vem sendo usado há mais de 50 anos em cirurgias cardíacas e, mais recentemente, em cirurgias neurológicas. Nos últimos seis anos o tema voltou a ter grande impulso e tornou-se terapêutica bem estabelecida no tratamento pós-parada cardiorrespiratória (PCR) em adultos.
  • 8. HIPERTERMIA A Hipertermia é caracterizada pelo aumento da temperatura normal corporal, superior a 40ºC.
  • 9. A evaporação de suor é um sistema de resfriamento importante que pode dissipar calor de modo eficiente. No entanto, se os exercícios são praticados em ambientes quentes e úmidos, o suor não evapora. Isto reduz a eficiência deste sistema e a pessoa fica suscetível à hipertermia O QUE CAUSA HIPERTERMIA?
  • 10. SINTOMAS A hipertermia é uma condição crítica. Alguns sintomas: a temperatura corpórea central aumenta para mais de 40° C; a transpiração cessa; a frequência cardíaca aumenta; a respiração se intensifica; ocorre confusão mental, tontura, náusea e dor de cabeça. A hipertermia pode fazer com que a pessoa sofra um colapso, perca a consciência e até morra.
  • 11. TRATAMENTO O atendimento médico de emergência se dá em duas etapas: redução da temperatura corporal (tirando as roupas, usando umidificadores, aplicando gelo, mergulhando a pessoa em água gelada) e reposição de líquidos, se possível.
  • 12. PREVENÇÃO Você pode evitar a hipertermia usando shorts e outras roupas leves, bebendo muita água ou bebidas isotônicas, e se exercitando em temperaturas amenas (abaixo de 28° C). A hipertermia é muito comum em climas secos. No Brasil, ela é mais rara por causa da umidade.
  • 13. Hipertermia maligna é uma síndrome de origem genética, onde os indivíduos susceptíveis, quando expostos a determinados anestésicos (especialmente inalatórios) desenvolvem um quadro hipermetabólico, que caso não seja tratado imediatamente pode evoluir para óbito. HIPERTERMIA MALIGNA