SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
SEMIOLOGIA
  NEUROLÓGICA:
  SINTOMATOLOGIA
Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz
        rilva@ccm.ufpb.br
SEMIOLOGIA DO
SISTEMA NERVOSO
  - Sintomas de
      doença
    neurológica
  - Exame físico
neurológico: próxima
        aula
SINTOMAS E SINAIS DE
DOENÇA NEUROLÓGICA
         •Cefaléia
        •Convulsões
         •Tremores
         •Vertigem
       •Alterações da
         consciência
1- CEFALÉIA
             • Dor de cabeça: sintoma
              neurológico mais comum;
            • Mecanismos básicos de
               produção de cefaléia:
•Distensão, tração e dilatação de artérias intra e
 extracranianas;
•Espasmo muscular (cabeça, nuca);
•Compressão de nervos cranianos ou nervos
 periféricos (C1, C2, C3);
•Alteração na pressão do líquor;
•Aumento da pressão venosa intracraniana;
•Dor referida (reflexa): sinusal, ocular, dentária.
TIPOS DE CEFALÉIA
•Primária: não se
    demonstra
 nenhum tipo de
  fator orgânico
  determinante;
  •Secundária:
 sintomáticas de
  uma causa de
      base.
•MIGRÂNEA (ENXAQUECA)
•Pródromos (aura)
    + cefaléia + fase
       de declínio
•   Características da
           dor
      • Sintomas
       associados
 •   História familial
Liberação do           Ativação
neurotransmissor         Arterial




                   Dor
Cefaléia
Histamínica
(em salvas,
ou cefaléia
de Horton)


Cefaléia da
sinusite
CEFALEIA TENSIONAL: ÁREAS
          DE DOR
CEFALÉIAS
 Sinusite:    Cefaléia    Cefaléia Migrânea:
dor frontal histamínica: tensional: unilateral,
 e malar,    unilateral em faixa,    vômitos e
                                     alterações
 bilateral periorbitária aperto        visuais
CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA
           •Início: súbito ou gradual;
     •Localização: bilateral ou unilateral; se
        unilateral, alternante ou não; parte
                afetada da cabeça);
    • Frequência: intermitente ou em salva;
    • Duração: segundos, minutos, horas ou
                         dias;
    • Intensidade: leve, moderada, intensa,
                    incapacitante;
•   Caráter: em peso, pulsátil, em pressão, em
                pontada, explosiva;
     • Presença de aura: distúrbios visuais,
        parestésicos, da fala, do equilíbrio;
CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA
•Sintomas associados: náuseas, vômitos,
  anorexia, fotofonofobia, lacrimejamento,
congestão nasal; rinorréia, sudorese facial ou
                   cefálica;
 •Relação com mudança de postura e
              atividade física;
      • Fatores associados com o
   desencadeamento da crise: esforço,
  estresse, tosse, ciclo menstrual alimentos
              específicos, etanol;
• Antecedentes familiares de cefaléia.
FATORES SUGESTIVOS DE CEFALÉIA
         SECUNDÁRIA
     •História prévia de cefaléia;
          •Idade de início;
  •Intensidade, forma de instalação e
             padrão da dor;
  •Febre e outros sintomas e sinais de
            doença sistêmica;
    •Sinais e sintomas de disfunção
               neurológica;
 •Relação com esforço físico, mudança
     de posição da cabeça e trauma
               craniano.
O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE
         COM CEFALEIA?
  - Durante quanto tempo tem sofrido de
               dor de cabeça?
- Qual a parte da cabeça que dói? Fronte,
   ao redor dos olhos, parte posterior da
 cabeça, atrás do globo ocular? Ou afeta
               toda a cabeça?
        - Qual a intensidade da dor?
    - A dor afeta só um lado da cabeça?
            - Há algum “aviso”?
 - “Descreva a dor de cabeça” Qual o tipo
da dor? Pulsátil, latejante, peso, sensação
                 de pressão?
O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE
        COM CEFALÉIA?
   - A dor de cabeça o desperta durante o
   sono? Piora durante o dia e melhora à
                    noite?
- Ocorreram outros sintomas pouco depois
               do início da dor?
             - A dor é repetitiva?
 - A dor alcança a intensidade máxima em
  quanto tempo depois do início da crise?
     - O que piora a dor? A dor de cabeça
    agrava-se ao se deitar ou se reclinar?
  -Tem relação com o período menstrual?
  - Tem relação com estresse emocional?
O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE
       COM CEFALÉIA?
- Quanto dura cada episódio de dor?
- Quando ocorre?
- É um tipo novo de dor de cabeça?
- Houve alguma alteração na intensidade
ou no padrão da dor?
- Que tratamentos tem utilizado? Até que
ponto foram efetivos?
  Início súbito, intenso e recente
   sugere maior gravidade que a
    cefaléia crônica recorrente
2- CONVULSÕES
      •Manifestação clínica de uma
 sincronização anormal e excessiva de um
       grupo de neurônios corticais;
•Movimentos musculares incoordenados e
                 bruscos;
  •Tônicos, clônicos ou tônico-clônicos;
•Convulsões generalizadas e convulsões
                 parciais.
NOVA TERMINOLOGIA
   “CONVULSÃO” / “CRISE EPILÉPTICA

      Revisão Terminológica e Conceitual da Liga
    Internacional contra a Epilepsia (International
            League Against Epilepsy, ILAE)
          Proposta do Grupo de discussão para
 Classificação e Terminologia da ILAE (2005-2009)
foi publicado em 2011: J Epilepsy Clin Neurophysiol
                 2011;17(3):100-105
          Resultados definitivos da revisão
 terminológica só serão publicados no ano de
                        2013.
CONVULSÕES
      • Convulsão
      generalizada:
      lesão irritativa
       cerebral com
       descarga nas
         estruturas
        subcorticais
    (conexões corticais
         bilaterais)
1- Fase tônica


                             2- Fase
                             clônica



 Convulsão tônico-
clônico generalizada
  (tipo grande mal)     3- Fase pós-
                         convulsiva
Pequeno mal: crise de
     ausência
CONVULSÕES
 • Convulsão
 parcial: lesão
    irritativa
   cerebral do
 córtex motor,
  com súbita e
  desordenada
  descarga de
    neurônios
(descarga focal)
Convulsão parcial simples
3- Distúrbios do
         movimento: TREMORES
  •Movimentos involuntários, oscilantes e
 rítmicos, que comprometem uma ou mais
    partes do corpo (membros, cabeça),
 produzidos pelas contrações alternantes e
      irregulares de grupos musculares
                antagonistas;
           • Finos ou grosseiros;
     •
    De repouso ou cinético (de intenção);
 •Semiologia: ritmo; distribuição; efeito do
movimento, do repouso ou da manutenção de
     uma postura particular; frequência.
TREMORES
      •Fisiológicos: frio intenso
 •Patológicos: Doença de Parkinson,
  coréias (coréias de Sydenhan; coréia de
  Huntington), tremor essencial, distonia,
   induzidos por medicamentos (cafeína,
anfetaminas, agonistas beta-adrenérgicos,
 ISRS), tiques, hipertireoidismo, síndrome
   de abstinência, insuficiência hepática,
      psicogênico (ansiedade extrema,
                somatização)
4- Tontura
     •Termo genérico que representa
         todas as manifestações de
                desequilíbrio;
 •    Vertigem: percepção ilusória de
         movimento do corpo ou do
      ambiente, quase sempre descrita
          como sensação giratória;
 •   Vertigem central (lesão cerebelar
     ou do tronco cerebral) ou periférica
              (ouvido interno).
        • Causa mais comum de
        vertigem: vertigem postural
                  benigna
Tontura: termo inespecífico
•Hipotensão postural: efeito adverso
           de medicamentos
•Sensação inespecífica: ansiedade?
•Percepção de sensação rotatória:
    vertigem - hemisférica, tronco,
 cerebelo, medula, VIII nervo, sistema
           nervoso periférico
    •
    Falta de equilíbrio: cerebelar;
 colunas posteriores, sistema nervoso
               periférico
Tontura de natureza
                psicogênica
•Hipocondria e conversões;
•Ansiedade e síndrome do pânico;
•Depressão;
•Vertigem postural fóbica:
 elevadores, pontes, veículos, direção;
 evolui para agorafobia;
•Síndrome de hiperventilação.
Tontura, vertigem e síncope
•Tontura                          •Síncope
 oVertigem
 o Pré-síncope (lipotímia)    Desmaio. Afastar
 o Sensação de                     causas
   desfalecimento;            cardiovasculares.
   sensação de desmaio
   iminente.

•Vertigem
  o Tipo particular de tontura: sensação de rotação
  o O paciente sente-se girando no ambiente ou
    o ambiente gira a sua volta.
Causas Neurológicas
                  de Vertigem
           •Origem vascular
•Artéria cerebelar ântero-inferior e póstero-
       inferior, infarto lateral do bulbo
•Doença de Binswanger, embolias e infartos
 cerebrais, síndrome de roubo da subclávia
•Síndrome lacunar de hemiparesia – ataxia
      •Trombose de seio transverso
   •Aterosclerose de sistema vertebrobasilar e
           insuficiência vertebrobasilar
Caracterização da Vertigem
      •Perguntar se o início do quadro
        foi insidioso ou abrupto, se é a
         primeira crise ou se são crises
          recorrentes; intensidade do
           sintoma, se é constante ou
              intermitente, duração,
                frequência, fatores
          desencadeantes, agravantes
       (ansiedade, esforço) ou de alívio
          (alguma posição específica),
       presença de náuseas e vômitos,
             hipoacusia ou zumbido.
ALTERAÇÕES
DA CONSCIÊNCIA

     • Serão abordadas
       na aula sobre
       exame físico

     Exame Neurológico
“Os homens pensam que a
   epilepsia é divina meramente
porque não a compreendem. Se
                 •
      eles denominassem divina
         qualquer coisa que não
 compreendem, não haveria fim
        para as coisas divinas.”
                     (Hipócrates)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª edInglid Fontoura
 
Exame fisico geral 2020
Exame fisico geral 2020Exame fisico geral 2020
Exame fisico geral 2020pauloalambert
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motorapauloalambert
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Cleanto Santos Vieira
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxBrenda Lahlou
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologicoresenfe2013
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratóriaresenfe2013
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tóraxpauloalambert
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialMaycon Silva
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominaisdapab
 

Mais procurados (20)

Síndromes neurológicas
Síndromes neurológicasSíndromes neurológicas
Síndromes neurológicas
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Síndromes medulares
Síndromes medularesSíndromes medulares
Síndromes medulares
 
Exame fisico geral 2020
Exame fisico geral 2020Exame fisico geral 2020
Exame fisico geral 2020
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESMEDor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
 
Síndrome piramidal
Síndrome piramidalSíndrome piramidal
Síndrome piramidal
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
 

Semelhante a Semiótica neurológica: sintomas e exame físico

Semelhante a Semiótica neurológica: sintomas e exame físico (20)

Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
 
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptxCefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
 
Cefaleias Primárias
Cefaleias PrimáriasCefaleias Primárias
Cefaleias Primárias
 
Convulsao
ConvulsaoConvulsao
Convulsao
 
Cefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatriaCefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatria
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
Perturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrioPerturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrio
 
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptxcepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
 
Tirando dúvidas sobre a dor de cabeça
Tirando dúvidas sobre a dor de cabeçaTirando dúvidas sobre a dor de cabeça
Tirando dúvidas sobre a dor de cabeça
 
08 aula_ Convulsões e Choque
08 aula_ Convulsões e Choque08 aula_ Convulsões e Choque
08 aula_ Convulsões e Choque
 
Convulsoes na infancia ufop
Convulsoes na infancia ufopConvulsoes na infancia ufop
Convulsoes na infancia ufop
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufop
 
Epilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quintaEpilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quinta
 
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
 
Atryo epilepsia
Atryo epilepsiaAtryo epilepsia
Atryo epilepsia
 
Distúrbios do movimento
Distúrbios do movimentoDistúrbios do movimento
Distúrbios do movimento
 
Crises convulsivas na infancia
Crises convulsivas na infanciaCrises convulsivas na infancia
Crises convulsivas na infancia
 
Mielopatia cervical
Mielopatia cervicalMielopatia cervical
Mielopatia cervical
 
emergencia-clinica editado.ppt
emergencia-clinica editado.pptemergencia-clinica editado.ppt
emergencia-clinica editado.ppt
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICARilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOSA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE ATRAVÉS DOS TEMPOS
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
História do Ensino Médico
História do Ensino MédicoHistória do Ensino Médico
História do Ensino Médico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 

Semiótica neurológica: sintomas e exame físico

  • 1. SEMIOLOGIA NEUROLÓGICA: SINTOMATOLOGIA Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. SEMIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO - Sintomas de doença neurológica - Exame físico neurológico: próxima aula
  • 3. SINTOMAS E SINAIS DE DOENÇA NEUROLÓGICA •Cefaléia •Convulsões •Tremores •Vertigem •Alterações da consciência
  • 4. 1- CEFALÉIA • Dor de cabeça: sintoma neurológico mais comum; • Mecanismos básicos de produção de cefaléia: •Distensão, tração e dilatação de artérias intra e extracranianas; •Espasmo muscular (cabeça, nuca); •Compressão de nervos cranianos ou nervos periféricos (C1, C2, C3); •Alteração na pressão do líquor; •Aumento da pressão venosa intracraniana; •Dor referida (reflexa): sinusal, ocular, dentária.
  • 5.
  • 6. TIPOS DE CEFALÉIA •Primária: não se demonstra nenhum tipo de fator orgânico determinante; •Secundária: sintomáticas de uma causa de base.
  • 7.
  • 8. •MIGRÂNEA (ENXAQUECA) •Pródromos (aura) + cefaléia + fase de declínio • Características da dor • Sintomas associados • História familial
  • 9.
  • 10.
  • 11. Liberação do Ativação neurotransmissor Arterial Dor
  • 12. Cefaléia Histamínica (em salvas, ou cefaléia de Horton) Cefaléia da sinusite
  • 14.
  • 15. CEFALÉIAS Sinusite: Cefaléia Cefaléia Migrânea: dor frontal histamínica: tensional: unilateral, e malar, unilateral em faixa, vômitos e alterações bilateral periorbitária aperto visuais
  • 16.
  • 17. CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA •Início: súbito ou gradual; •Localização: bilateral ou unilateral; se unilateral, alternante ou não; parte afetada da cabeça); • Frequência: intermitente ou em salva; • Duração: segundos, minutos, horas ou dias; • Intensidade: leve, moderada, intensa, incapacitante; • Caráter: em peso, pulsátil, em pressão, em pontada, explosiva; • Presença de aura: distúrbios visuais, parestésicos, da fala, do equilíbrio;
  • 18. CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA •Sintomas associados: náuseas, vômitos, anorexia, fotofonofobia, lacrimejamento, congestão nasal; rinorréia, sudorese facial ou cefálica; •Relação com mudança de postura e atividade física; • Fatores associados com o desencadeamento da crise: esforço, estresse, tosse, ciclo menstrual alimentos específicos, etanol; • Antecedentes familiares de cefaléia.
  • 19. FATORES SUGESTIVOS DE CEFALÉIA SECUNDÁRIA •História prévia de cefaléia; •Idade de início; •Intensidade, forma de instalação e padrão da dor; •Febre e outros sintomas e sinais de doença sistêmica; •Sinais e sintomas de disfunção neurológica; •Relação com esforço físico, mudança de posição da cabeça e trauma craniano.
  • 20. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALEIA? - Durante quanto tempo tem sofrido de dor de cabeça? - Qual a parte da cabeça que dói? Fronte, ao redor dos olhos, parte posterior da cabeça, atrás do globo ocular? Ou afeta toda a cabeça? - Qual a intensidade da dor? - A dor afeta só um lado da cabeça? - Há algum “aviso”? - “Descreva a dor de cabeça” Qual o tipo da dor? Pulsátil, latejante, peso, sensação de pressão?
  • 21. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALÉIA? - A dor de cabeça o desperta durante o sono? Piora durante o dia e melhora à noite? - Ocorreram outros sintomas pouco depois do início da dor? - A dor é repetitiva? - A dor alcança a intensidade máxima em quanto tempo depois do início da crise? - O que piora a dor? A dor de cabeça agrava-se ao se deitar ou se reclinar? -Tem relação com o período menstrual? - Tem relação com estresse emocional?
  • 22. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALÉIA? - Quanto dura cada episódio de dor? - Quando ocorre? - É um tipo novo de dor de cabeça? - Houve alguma alteração na intensidade ou no padrão da dor? - Que tratamentos tem utilizado? Até que ponto foram efetivos? Início súbito, intenso e recente sugere maior gravidade que a cefaléia crônica recorrente
  • 23. 2- CONVULSÕES •Manifestação clínica de uma sincronização anormal e excessiva de um grupo de neurônios corticais; •Movimentos musculares incoordenados e bruscos; •Tônicos, clônicos ou tônico-clônicos; •Convulsões generalizadas e convulsões parciais.
  • 24. NOVA TERMINOLOGIA “CONVULSÃO” / “CRISE EPILÉPTICA Revisão Terminológica e Conceitual da Liga Internacional contra a Epilepsia (International League Against Epilepsy, ILAE) Proposta do Grupo de discussão para Classificação e Terminologia da ILAE (2005-2009) foi publicado em 2011: J Epilepsy Clin Neurophysiol 2011;17(3):100-105 Resultados definitivos da revisão terminológica só serão publicados no ano de 2013.
  • 25. CONVULSÕES • Convulsão generalizada: lesão irritativa cerebral com descarga nas estruturas subcorticais (conexões corticais bilaterais)
  • 26. 1- Fase tônica 2- Fase clônica Convulsão tônico- clônico generalizada (tipo grande mal) 3- Fase pós- convulsiva
  • 27. Pequeno mal: crise de ausência
  • 28. CONVULSÕES • Convulsão parcial: lesão irritativa cerebral do córtex motor, com súbita e desordenada descarga de neurônios (descarga focal)
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. 3- Distúrbios do movimento: TREMORES •Movimentos involuntários, oscilantes e rítmicos, que comprometem uma ou mais partes do corpo (membros, cabeça), produzidos pelas contrações alternantes e irregulares de grupos musculares antagonistas; • Finos ou grosseiros; • De repouso ou cinético (de intenção); •Semiologia: ritmo; distribuição; efeito do movimento, do repouso ou da manutenção de uma postura particular; frequência.
  • 35. TREMORES •Fisiológicos: frio intenso •Patológicos: Doença de Parkinson, coréias (coréias de Sydenhan; coréia de Huntington), tremor essencial, distonia, induzidos por medicamentos (cafeína, anfetaminas, agonistas beta-adrenérgicos, ISRS), tiques, hipertireoidismo, síndrome de abstinência, insuficiência hepática, psicogênico (ansiedade extrema, somatização)
  • 36. 4- Tontura •Termo genérico que representa todas as manifestações de desequilíbrio; • Vertigem: percepção ilusória de movimento do corpo ou do ambiente, quase sempre descrita como sensação giratória; • Vertigem central (lesão cerebelar ou do tronco cerebral) ou periférica (ouvido interno). • Causa mais comum de vertigem: vertigem postural benigna
  • 37. Tontura: termo inespecífico •Hipotensão postural: efeito adverso de medicamentos •Sensação inespecífica: ansiedade? •Percepção de sensação rotatória: vertigem - hemisférica, tronco, cerebelo, medula, VIII nervo, sistema nervoso periférico • Falta de equilíbrio: cerebelar; colunas posteriores, sistema nervoso periférico
  • 38. Tontura de natureza psicogênica •Hipocondria e conversões; •Ansiedade e síndrome do pânico; •Depressão; •Vertigem postural fóbica: elevadores, pontes, veículos, direção; evolui para agorafobia; •Síndrome de hiperventilação.
  • 39. Tontura, vertigem e síncope •Tontura •Síncope oVertigem o Pré-síncope (lipotímia) Desmaio. Afastar o Sensação de causas desfalecimento; cardiovasculares. sensação de desmaio iminente. •Vertigem o Tipo particular de tontura: sensação de rotação o O paciente sente-se girando no ambiente ou o ambiente gira a sua volta.
  • 40. Causas Neurológicas de Vertigem •Origem vascular •Artéria cerebelar ântero-inferior e póstero- inferior, infarto lateral do bulbo •Doença de Binswanger, embolias e infartos cerebrais, síndrome de roubo da subclávia •Síndrome lacunar de hemiparesia – ataxia •Trombose de seio transverso •Aterosclerose de sistema vertebrobasilar e insuficiência vertebrobasilar
  • 41. Caracterização da Vertigem •Perguntar se o início do quadro foi insidioso ou abrupto, se é a primeira crise ou se são crises recorrentes; intensidade do sintoma, se é constante ou intermitente, duração, frequência, fatores desencadeantes, agravantes (ansiedade, esforço) ou de alívio (alguma posição específica), presença de náuseas e vômitos, hipoacusia ou zumbido.
  • 42. ALTERAÇÕES DA CONSCIÊNCIA • Serão abordadas na aula sobre exame físico Exame Neurológico
  • 43. “Os homens pensam que a epilepsia é divina meramente porque não a compreendem. Se • eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.” (Hipócrates)