SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
DIARRÉIA AGUDA
INTERNOS: KEITE IVI E ELIAS FILHO

Preceptor: Dr. Carlos Aires
Introdução

                   • Perda excessiva de água e eletrólitos através das fezes,
    Diarréia         resultando em aumento do volume e frequência das
                     evacuações e diminuição na consistência das fezes


                   • Possui duração inferior a 14 dias. Na maioria das vezes tem
Diarréia aguda       origem infecciosa


   Diarréia        • Tem duração de 14 dias ou mais
  persistente
                   • Se estende por período superior a 30 dias, podendo ou não
Diarréia crônica     haver síndrome de má absorção associada



  Disenteria
Epidemiologia


 Principal    1 bilhão
 causa de        de
morbidade     crianças
     e          (4-5
mortalidade   milhões)



 NE x Sul       BR
Etiopatogenia
                                         absorção


                    secreção


  osmótica                   secretora                     invasiva
• Caracterizada     pela   • É caracterizada pelo       • Também chamada de
  retenção de líquidos       aumento da secreção          inflamatória;
  dentro    do    lúmen      intestinal de água e       • Ocorre lesão da cél
  intestinal devido a        eletrólitos, Cl- e HCO3;     epitelial do intestino,
  presença de solutos      • Maior volume fecal           impedindo a absorção
  osmoticamente ativos     • A desidratação ocorre        de nutrientes;
  não absorvidos             rapidamente                • Também pode ter um
                                                          mecanismo secretor
Etiologia
   O termo gastroenterite aguda denota uma causa infecciosa para a
    diarréia, que pode ser provocada por vírus, bactérias ou
    protozoários;
   Transmissão por via fecal-oral;
   Países desenvolvidos (vírus) x em desenvolvimento (rotavírus e
    bactérias)
Patogenia das enterites virais

                        vírus
         Invasão do enterócito maduro (intestino
                        delgado)


                Lesão do enterócito

Renovação do epitélio com células imaturas, levando à má
                        absorção
Rotavírus
   Agente viral mais frequente em crianças < 2 anos;
   Faixa etária: 6-24 meses;
   Período de incubação: 48-72 horas;
   Sazonalidade: períodos de inverno (países temperados) e todo o
    ano (países tropicais);
   Clínica: vômitos, febre seguida de diarréia líquida e volumosa;
   Duração: 2-8 dias
Patogenia das infecções
bacterianas
                                         Aderência


  Cél epitelial       Ruptura do bordo
                                             citotoxicidade                    Invasão mucosa
    intacta             em escova



  Produção de            Perda de                                       Penetração          Infecção
   enterotox          microvilosidades                                lâmina própria      generalizada



                                                                                            Salmonella typhi
 Ativa AMPc ou                                               Macrófago;
                       Lesão epitelial                                                        Salmonella
     GMPc                                                    inflamação
                                                                                               paratyphi


    Aumenta                                                          Salmonella E. coli
                               E. Coli
secreção no tubo                                                      enteroinvasiva
                          enteropatogênica
    digestivo                                                            Shiguella



     V. Cholerae E.                           C. difficile
     coli enterotox                           E. coli EH
E. coli enterotoxigênica
   Principal causa de diarréia bacteriana no BR;
   Faixa etária: todas as idades;
   Causa a diarréia do viajante;
   Transmissão: água e alimentos contaminados;
   Produz 2 toxinas: termolábil / termoestável;
   Clínica: evacuação abundante, aquosa e explosiva, sem muco ou
    leucócitos, com náuseas e dor abdominal. Não há febre;
   Duração: 3-5 dias
Shiguela
   É a principal causa de disenteria;
   Faixa etária: 1-4 anos;
   Transmissão: fecal-oral e interpessoal;
   Incubação: 1-4 dias;
   Clínica: diarréia aquosa leve que por volta do 2 dia evolui para
    disenteria com tenesmo e cólicas abdominais;
   Manifestações extraintestinais são comuns

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]mariacristinasn
 
Sindromes diarreicas 2019
Sindromes diarreicas 2019 Sindromes diarreicas 2019
Sindromes diarreicas 2019 pauloalambert
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceralHIAGO SANTOS
 
Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesProfessor Robson
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) cuidadoaoadulto
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoAdriana Matos
 
Desequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosDesequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosAroldo Gavioli
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário  Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário Cristine Maia
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Laped Ufrn
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônicaivanaferraz
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonProfessor Robson
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Davyson Sampaio
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoLetícia Gonzaga
 

Mais procurados (20)

Gastroenterite infantil
Gastroenterite infantilGastroenterite infantil
Gastroenterite infantil
 
Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Sindromes diarreicas 2019
Sindromes diarreicas 2019 Sindromes diarreicas 2019
Sindromes diarreicas 2019
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentação
 
Desequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosDesequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticos
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
Raiva.
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário  Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 

Destaque

estudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliestudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliRenato Abdoral
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaLorena de Assis
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Raimundo Tostes
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Raimundo Tostes
 

Destaque (7)

estudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliestudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coli
 
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
 
Diarreia em Potros
Diarreia em PotrosDiarreia em Potros
Diarreia em Potros
 
Chronic diarrhea
Chronic diarrheaChronic diarrhea
Chronic diarrhea
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
 

Semelhante a Diarréia aguda: principais causas e mecanismos

Semelhante a Diarréia aguda: principais causas e mecanismos (20)

Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Enterocolites Infecciosa
Enterocolites InfecciosaEnterocolites Infecciosa
Enterocolites Infecciosa
 
Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
 
Diarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaDiarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infância
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
Diarreias na criança - conduta
Diarreias na criança -  condutaDiarreias na criança -  conduta
Diarreias na criança - conduta
 
Diarreias
DiarreiasDiarreias
Diarreias
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianas
 
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
 
3 bacilos gram-
3 bacilos gram-3 bacilos gram-
3 bacilos gram-
 
Vibrio e Clostridium
Vibrio e ClostridiumVibrio e Clostridium
Vibrio e Clostridium
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
 
H Pilori
H PiloriH Pilori
H Pilori
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Aula parasito
Aula parasitoAula parasito
Aula parasito
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia   seminário - família enterobacteriaceaeMicrobiologia   seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
 

Diarréia aguda: principais causas e mecanismos

  • 1. DIARRÉIA AGUDA INTERNOS: KEITE IVI E ELIAS FILHO Preceptor: Dr. Carlos Aires
  • 2. Introdução • Perda excessiva de água e eletrólitos através das fezes, Diarréia resultando em aumento do volume e frequência das evacuações e diminuição na consistência das fezes • Possui duração inferior a 14 dias. Na maioria das vezes tem Diarréia aguda origem infecciosa Diarréia • Tem duração de 14 dias ou mais persistente • Se estende por período superior a 30 dias, podendo ou não Diarréia crônica haver síndrome de má absorção associada Disenteria
  • 3. Epidemiologia Principal 1 bilhão causa de de morbidade crianças e (4-5 mortalidade milhões) NE x Sul BR
  • 4. Etiopatogenia absorção secreção osmótica secretora invasiva • Caracterizada pela • É caracterizada pelo • Também chamada de retenção de líquidos aumento da secreção inflamatória; dentro do lúmen intestinal de água e • Ocorre lesão da cél intestinal devido a eletrólitos, Cl- e HCO3; epitelial do intestino, presença de solutos • Maior volume fecal impedindo a absorção osmoticamente ativos • A desidratação ocorre de nutrientes; não absorvidos rapidamente • Também pode ter um mecanismo secretor
  • 5. Etiologia  O termo gastroenterite aguda denota uma causa infecciosa para a diarréia, que pode ser provocada por vírus, bactérias ou protozoários;  Transmissão por via fecal-oral;  Países desenvolvidos (vírus) x em desenvolvimento (rotavírus e bactérias)
  • 6. Patogenia das enterites virais vírus Invasão do enterócito maduro (intestino delgado) Lesão do enterócito Renovação do epitélio com células imaturas, levando à má absorção
  • 7. Rotavírus  Agente viral mais frequente em crianças < 2 anos;  Faixa etária: 6-24 meses;  Período de incubação: 48-72 horas;  Sazonalidade: períodos de inverno (países temperados) e todo o ano (países tropicais);  Clínica: vômitos, febre seguida de diarréia líquida e volumosa;  Duração: 2-8 dias
  • 8. Patogenia das infecções bacterianas Aderência Cél epitelial Ruptura do bordo citotoxicidade Invasão mucosa intacta em escova Produção de Perda de Penetração Infecção enterotox microvilosidades lâmina própria generalizada Salmonella typhi Ativa AMPc ou Macrófago; Lesão epitelial Salmonella GMPc inflamação paratyphi Aumenta Salmonella E. coli E. Coli secreção no tubo enteroinvasiva enteropatogênica digestivo Shiguella V. Cholerae E. C. difficile coli enterotox E. coli EH
  • 9. E. coli enterotoxigênica  Principal causa de diarréia bacteriana no BR;  Faixa etária: todas as idades;  Causa a diarréia do viajante;  Transmissão: água e alimentos contaminados;  Produz 2 toxinas: termolábil / termoestável;  Clínica: evacuação abundante, aquosa e explosiva, sem muco ou leucócitos, com náuseas e dor abdominal. Não há febre;  Duração: 3-5 dias
  • 10. Shiguela  É a principal causa de disenteria;  Faixa etária: 1-4 anos;  Transmissão: fecal-oral e interpessoal;  Incubação: 1-4 dias;  Clínica: diarréia aquosa leve que por volta do 2 dia evolui para disenteria com tenesmo e cólicas abdominais;  Manifestações extraintestinais são comuns