SlideShare uma empresa Scribd logo
Serviços
Farmacêuticos
Direcionados ao
Paciente, Família e
Comunidade
Profª Dra. Thais Teles de Souza
Profª Dra. Walleri Reis
Módulo 6
Gerenciamento dos
medicamentos
Atividades
clínicas
Atividades técnico-
pedagógicas
Atividades
logísticas/gerenciais
Farmacêutico
Paciente
Medicamento Equipe & Comunidade
Serviços Farmacêuticos na Rede de Atenção à Saúde
(Brasil, 2014a,b)
(Correr, Otuki, 2013)
Compreensão do paciente
e adesão terapêutica
Efetividade e segurança da
terapêutica
Problemas
Gestão Clínica
do Medicamento
Problema de saúde não tratado
Falha no acesso ao medicamento
Medicação não necessária
Desvio de qualidadedo
medicamento
Baixa adesão ao tratamento
Interação medicamentosa
Duplicidade terapêutica
Discrepânciasna medicação
Falta de efetividade terapêutica
Reação adversaou toxicidade
Erro de medicação
Contra-indicações
Outros..
Resolução ReferênciaIndicação clínica e objetivo
terapêutico
Continuidade do cuidado
Avaliações periódicas
Paciente
Estado de Saúde
Avaliação
Diagnóstico
Nível assistencial
Antes do uso de medicamentos
Durante o uso de medicamentos
Seleção
Programação
Aquisição
Gestão
Logística do
Medicamento
Cadeia de abastecimento
farmacêutico
Armazenamento
Distribuição
Prescrição
Plano Terapêutico
Dispensação
Orientação
(Correr, Otuki, 2013)
Assistência farmacêutica
Morbimortalidade Relacionada a Medicamentos
Danos ocasionados
por medicamentos
Morbimortalidade
relacionada a
medicamentos
Hospitalizações
Óbitos
Urgência e
emergência
Custos
Reações adversas a
medicamentos
Overdoses
Erros de medicação
Interações medicamentosas
Medicamentos impróprios
Medicamentos desnecessários
Omissões terapêuticas
Reduções de dose
Não adesão
Falha terapêutica
(Souza, 2013; Souza et., 2014; Freitas, 2017)
10 PRINCIPAIS FATORES DE RISCO QUE CONDICIONAM O
SURGIMENTO DE MMRM
Fator de risco Número de estudos
> 4 medicamentos 51
Presença de comorbidades 24
Idade > 65 anos 23
Gênero feminino 19
Uso de medicamentos que atuam no SNC 10
Uso de anti-infecciosos 10
Uso de medicamentos cardiovasculares 7
Uso de analgésicos 7
Presença de doença renal 5
Uso de medicamentos inapropriados 4
(Souza, 2013)
Histórico sobre Cuidado Farmacêutico, Farmácia Clínica, Atenção Farmacêutica
1975
• (Mike
al et
al.)
1980
• (Brodi
e et
al.)
1990
• (Hepler &
Strand)
• Pharmac
eutical
care
1998
• (Stran,
Cipolle
e
Morley)
2001
• Atención
Farmacé
utica (ES)
2002
• Atençã
o
Farmac
êutica
(BR)
2013
• RDC
585,
586
(BR)
2014
• MS –
Cader
nos 1
a 4
2014
• Lei
130
21
2016
• CFF
–
Arc
abo
uço
(CFF, 2016)
Modelo lógico-conceitual dos serviços farmacêuticos
As atividades-fim referem-se àquelas relativas à
assistência direta ao paciente, à família e à comunidade
SEGURANÇA
- A farmacoterapia não produz novos problemas de saúde
- A farmacoterapia não agrava problemas de saúde pré-existentes
EFETIVIDADE
- O paciente apresenta a resposta esperada à medicação
- O regime posológico está adequado ao alcance das metas terapêuticas
ADESÃO TERAPÊUTICA
- O paciente compreende e é capaz de cumprir o regime posológico
- O paciente concorda e adere ao tratamento numa postura ativa
NECESSIDADE
- O paciente utiliza todos os medicamentos que necessita
- O paciente não utiliza nenhum medicamento desnecessário
Baseado nos estudos de Cipolle, Strand, Morley e Fernández-Llimós et al.
Farmacoterapia ideal
Aspectos legais
• RESOLUÇÃO 585/2013, CFF
• RESOLUÇÃO 586/2013, CFF
• LEI Nº 13.021/2014
• RDC 44 2009 - ANVISA
• RDC nº 98 de 01 de agosto de 2016
Design e Implantação dos
Serviços Farmacêuticos
diretamente destinados ao
paciente, família e comunidade
CFF, 2016
Serviços Farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, família e
comunidade - Modelo de Prática do Cuidado Farmacêutico
Educação em saúde
Rastreamento em
saúde
Dispensação
especializada de
medicamentos
Manejo de
problemas de
saúde
autolimitados
Revisão da
farmacoterapia
Monitorização
terapêutica
Gestão da condição
de saúde
Acompanhamento
farmacoterapêutico
Conciliação
terapêutica
Padronização e Qualificação dos Serviços
Grande variabilidade dos serviços prestados
Carência de padronização de procedimentos e de instrumentos
Ineficiência na detecção, prevenção e resolução dos problemas
Necessidade de qualificação profissional e avaliação da qualidade
(CHARROIS et al., 2012; ROTTA et al., 2015; DONABEDIAN, 2005)
Rede de atenção à saúde
Centros de
especialida
des
Unidades
Básicas de
Saúde
Unidades
de Pronto
Atendiment
o
Centros de
Atenção
psicossocial
Hospital
Farmácia
Popular do
Brasil
Farmácia
do CEAF
Rede de atenção à saúde
Centros de
especialida
des
Unidades
Básicas de
Saúde
Unidades
de Pronto
Atendiment
o
Centros de
Atenção
psicossocial
Hospital
Farmácia
Popular do
Brasil
Farmácia
do CEAF
Modelagem de Serviços
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos
serviços
MAPEAR
ENTENDER
CONCEITUAR
DESENHAR
REFINAR
IMPLANTAR
Modelagem dos serviços
1
2
3
4
5
6
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
MAPEAR
✓ O objetivo é reconhecer o contexto em que a
companhia está inserida.
▪ Revisão de literatura
▪ Visitas dos apoiadores
▪ Observação do processo de trabalho e estrutura
em cada ponto de atenção à saúde
▪ Entrevistas com os farmacêuticos e com os
usuários
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
ENTENDER
✓ O objetivo é entender os usuários, o contexto
onde está inserido, seu comportamento dentro do
contexto, seus desejos, necessidades e problemas
no dia a dia.
▪ Visitas dos apoiadores
▪ Entrevistas com os farmacêuticos e com os
usuários
▪ Análise do perfil dos pacientes
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
CONCEITUAR
✓ O objetivo é criar o conceito do serviço, sua
relação com o paciente, seus objetivos,
características, determinantes da qualidade,
jornada e pontos de contato.
▪ Revisão de literatura
▪ Modelos dos serviços
▪ Jornada do usuário – Fluxo do paciente
▪ Indicadores a serem monitorados
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
DESENHAR
✓ O objetivo é desenhar a lógica do serviço, os
atores, as competências técnicas e
comportamentos, os recursos de tecnologia, físicos
e de instalações.
▪ Revisão de literatura
▪ Roteiro de consulta
▪ Instrumentos a serem utilizados
▪ Capacitação dos profissionais
▪ Recursos de tecnologia, físicos e de instalações
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
REFINAR
✓ O objetivo é prototipar a lógica de operação do
serviço, detalhar a estrutura de processos de
operação de serviços, construir os processos de
gestão de serviços e identificar os recursos
disponíveis e necessários para a implantação do
serviço.
▪ Protótipo do serviço
▪ Simulações
▪ Fase piloto
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
IMPLANTAR
✓ O objetivo é criar a visão do modelo de serviços a
ser implantado no ponto de atenção à saúde,
definir sua estratégia de implantação, sua
estratégia de comunicação e realizar o rollout do
serviço.
▪ Pacientes
▪ Atividades
▪ Relacionamentos
• Parceiros
• Ofertas
• Recursos
(STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
• Definição do público alvo como sendo pacientes polimedicados com pelo menos
um fator de risco adicional para problemas da farmacoterapia.
• Definição do fluxo dos serviços e desenvolvimento de protocolos, instrumentos
e formulários para realização dos serviços e registro das atividades e definição os
desfechos clínicos, humanísticos e econômicos avaliados.
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Modelagem dos serviços
Organização
de Serviços
Farmacêuticos
Triagem dos pacientes
Marcação de Consultas
Análise pré-consulta (prontuários)
Primeira consulta
Coleta e organização dos dados
Identificação de problemas
Elaboração do plano de cuidados
Seguimento paciente
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Padronização de Serviços
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Qualificação e Formação dos
Profissionais de Saúde envolvidos
Padronização de Serviços Farmacêuticos
Programa de Qualificação
(Souza, 2017)
Capacitação
•Busca e análise de evidência / Saúde Baseada em evidências
•Raciocínio clínico
•Farmacoterapia e Fisiopatologia
Estudo dirigido
• Método Clínico / Habilidades, conhecimentos e atitudes
• Simulações de consultas e Exercícios de fixações
• Pré e pós teste
1ª Capacitação Teórica
• Implantação do serviço / Prática supervisionada
• Formação em serviço – acompanhamento dos apoiadores / Avaliação das
consultas / Feedback
Formação em serviço
• Identificação de problemas da farmacoterapia, Elaboração de plano de
cuidado e Acompanhamento do paciente
• Discussão e resolução de casos clínicos
• CURAME (Uso racional de medicamentos e Saúde baseada em evidências)
• Pré e pós teste
2ª Capacitação Teórica
• Discussão e Resolução dos problemas encontrados nos serviços
• Aulas sobres fisiopatologia e farmacoterapia das condições mais prevalentes
• Discussão e Resolução de casos clínicos dos pacientes atendidos
Reuniões, Seminários
e Oficinas
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Processo de Cuidado Farmacêutico ao Paciente
• Revisão da
Farmacoterapia
• Identificação dos
Problemas presentes e
potenciais
• Definir Metas
Terapêuticas
• Intervenções
• Agendamento de Retorno
e Seguimento
• Dados Específicos do
Paciente
• História clínica
• História
de Medicação
• Resultados e Progresso do
Paciente
• Alcance das Metas
Terapêuticas
• Novos
Problemas
Realizar o
seguimento
individual do
paciente
Coletar e
organizar dados
do paciente
Identificar
problemas
relacionados à
farmacoterapia
Elaborar um
plano de cuidado
em conjunto com
o paciente
1
23
4
(Correr, Otuki, 2013)
Roteiro da Consulta Farmacêutica
(Abdel-Tawab et al., 2011)
Certificação dos farmacêuticos
Teoria
Produtividade
Avaliação do apoiador
Interação com a equipe
Atividades técnico-pedagógicas
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Cuidado Farmacêutico nas Unidades Básicas de Saúde
Agendamento do
paciente para o serviço
Acolhimento do
paciente para a
consultaEncaminhamento para
outro(s) profissional(s) /
Compartilhamento da
Informação
Coleta e organização
da história completa de
medicação do paciente
Identificação de
Problemas Relacionados
à Farmacoterapia
Plano de cuidado
Orientação Terapêutica
Encaminhamentos
Seguimento individual do
paciente (retornos)
Processo de cuidado
farmacêutico ao paciente
Encaminhamento pela
equipe de saúde
Médico e equipe avalia
plano terapêutico
Pacientes de Contra-
Referência (Pós alta
hospitalar)
Busca Ativa +
Demanda Espontânea
8 horas/semana
APS
HOSPITAL
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Público-Alvo
Uso de ≥ 5
medicamentos
Problemas de
adesão ao
tratamento Dificuldades de
acesso
2 ou mais
farmácias para
pegar todos os
medicamentos
Internados nos
últimos 6 meses
Prescrições por 2 ou
mais médicos
diferentes2 ou mais doenças
crônicas
diagnosticadas
2 ou + fatores
adicionais
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Cuidado Farmacêutico nas
Farmácias do Componente
Especializado da Assistência
Farmacêutica (CEAF)
CEAF
- Coleta dos dados adicionais de perfil
do paciente, história clínica e
história de medicação
- Identificação dos problemas
relacionados à farmacoterapia
- Intervenções para resolução e
prevenção dos problemas
- Acompanhamento do paciente
Alta
Sem problemas relacionados à
farmacoterapia
Retorno
- Coleta dos dados de perfil do
paciente, história clínica e história de
medicação
- Identificação dos problemas
relacionados à farmacoterapia
- Intervenções para resolução e
prevenção dos problemas
- Agendamento das consultas de
acompanhamento
Seleção de pacientes no
momento da Dispensação
farmacêutica para pacientes
iniciando tratamento
Primeira consulta no
serviço de Clínica
Farmacêutica
Consultas de
acompanhamento no
serviço de Clínica
Farmacêutica
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Critérios de seleção dos pacientes – Farmácia do CEAF
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Cuidado Farmacêutico
nos Centros de Atenção
Psicossociais (CAPS)
Serviço de Cuidado Farmacêutico no CAPS
▪ Atendimento no acolhimento em conjunto com a equipe (Registro
SOAP para ser anexado ao prontuário do paciente e ao prontuário
do farmacêutico)
▪ Atendimento em consultório ou domicílio (Registro em prontuário
farmacêutico e no prontuário do paciente)
▪ Atendimento em leito (Registro em prontuário farmacêutico e no
prontuário do paciente)
▪ Consultas compartilhadas com a equipe (Registro SOAP para ser
anexado ao prontuário do paciente e ao prontuário do
farmacêutico)
▪ Reuniões para discussão de caso com a equipe
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Acolhimento -
Atendimento
compartilhado
por integrantes
da equipe
Paciente
não
continuará
no CAPS
• Coleta dos dados de história clínica
e história farmacoterapêutica
• Revisão dos medicamentos
• Identificação de problemas
relacionados a farmacoterapia
• Intervenções farmacêuticas
• Resumo clínico para a equipe
• Acompanhamento do paciente
Paciente
busca o
serviço ou é
encaminhado
para o CAPS
Paciente
continuará
no CAPS
Pacientes positivos
para critérios de
seleção
Transferência
de cuidado
Caso é
discutido e
acompanhado
em conjunto
Centro de Atenção Psicossocial - CAPS
• Incluir todos os
dados de perfil do
paciente, história
clínica e história
farmacoterapêutica
Consultas
farmacêuticas
(consultório,
domicílio ou
leito)
Paciente
usuário ativo
do CAPS
Consultas por
outros
profissionais
de saúde
Consultas por
outros
profissionais
de saúde
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Polimedicação (5 ou mais medicamentos)
Problemas de adesão
Problemas de efetividade e/ou segurança
ou
ou
Critério de exclusão: pacientes com limitações cognitivas que impossibilitem a
consulta e que não possuem cuidador
ou
Pacientes identificados pela equipe como de maior risco para
ocorrência de problemas relacionados a farmacoterapia
CAPS – Critérios de inclusão
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Pacientes com problemas da
farmacoterapia ou maior
risco para desenvolver
Primeira consulta
Consultas de
acompanhamento
CAPS – Atendimento em consultório ou em domicílio
- Coleta dos dados de perfil do paciente,
história clínica e história de medicação
- Identificação dos problemas
relacionados à farmacoterapia
- Intervenções farmacêuticas
- Agendamento da próxima consulta
- Avaliação dos resultados das
intervenções realizadas
- Coleta de dados adicionais
- Identificação de novos problemas
relacionados à farmacoterapia
- Intervenções para resolução e
prevenção dos problemas
- Acompanhamento da evolução do
pacienteAlta
Sem problemas relacionados à
farmacoterapia (necessidade,
adesão, efetividade, segurança)
Seleção e
agendamento
pelo
farmacêutico ou
pela equipe
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Consulta
presencial com
a farmacêutica
CAPS – Atendimento no internamento (em leito)
Retorno presencial
(se for paciente for
ficar no CAPS) ou por
telefone (se não for
ficar no CAPS)
Pacientes internados e
que apresentem
problemas relacionados
aos medicamentos ou
risco de apresentar
problemas relacionados
a medicamentos
•Revisão da farmacoterapia (revisão de
prescrição e revisão clínica)
•Reconciliação
•Aconselhamento de alta sobre os
tratamentos e condições de saúde
•Contrareferenciar para a UBS ou para
outro serviço
Seleção pelo
farmacêutico ou
por outro
profissional da
equipe
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Cuidado Farmacêutico nas Unidade
Pronto Atendimento (UPAS)
Unidades de Pronto Atendimento (UPA)
Seleção na classificação
de risco pela
enfermagem ou pelo
farmacêutico
Pacientes ambulatoriais Pacientes internados
Critérios de seleção para receber atendimento
clínico do farmacêutico
Seleção de pacientes em
leito pela enfermagem ou
pelo farmacêutico
Seleção na sala de
observação pela
enfermagem ou pelo
farmacêutico
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Atendimento
farmacêutico
em
consultório
Unidade de Pronto Atendimento (UPA)
Avaliação do
desfecho por
telefone ou
sistema
Paciente
busca
atendimento
Avaliação de
risco pela
Enfermagem
Atendimento
médico
Alta
Sala de
observação
Atendimento
farmacêutico
em leito
Pacientes positivos para
critérios de seleção
Contrarreferênciapara
Unidadebásicadesaúde
Internamento
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Foi atendido em uma UPA nos últimos 30 dias?
Tem alguma doença crônica e usa algum medicamento contínuo?
Parou ou começou alguma medicação nos últimos 30 dias?
ou
ou
SIM em 2 ou mais perguntas – Encaminhar ao farmacêutico
ou
Demonstra dúvidas ou problemas com o uso dos seus
medicamentos?
UPAs – Atendimento em consultório
(Seleção de pacientes na classificação de risco)
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Usa quatro ou mais medicamentos?
Foi atendido em uma UPA nos últimos 30 dias?
Demonstra dúvidas ou problemas com o uso dos seus
medicamentos?
ou
ou
SIM em 2 ou mais perguntas – Encaminhar ao farmacêutico
UPAs – Atendimento em consultório
(Seleção de pacientes na sala de observação)
ou
Possui idade igual ou superior a 65 anos?
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
O paciente utiliza 4 ou mais medicamentos em uso contínuo?
Foi internado em uma UPA ou hospital nos últimos 30 dias?
Foi internado por um possível problema relacionado a farmacoterapia?
ou
ou
SIM em 2 ou mais perguntas – Encaminhar ao farmacêutico
ou
Está utilizando medicamento(s) por meio de sonda?
UPAs – Atendimento em leito
(Seleção de pacientes no internamento)
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
•Revisão da farmacoterapia
•Orientação sobre o tratamento farmacológico e não-farmacológico
•Resumo clínico para o médico se identificado problema relacionado à farmacoterapia
•Contrarreferencia para a UBS
•Revisão da farmacoterapia
•Conciliação dos medicamentos
•Orientação sobre o tratamento / Aconselhamento de alta
•Resumo clínico para equipe se identificado problema relacionado à farmacoterapia
•Contrarreferencia para a UBS
Objetivos do Cuidado Farmacêutico nas UPAs – Atendimento em consultório
Objetivos do Cuidado Farmacêutico nas UPAs – Atendimento em leito
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Cuidado Farmacêutico nos
Centros de Especialidades
Recepção Consulta
médica
Farmácia
Atendimento de pacientes que
procuram o farmacêutico para
tirar dúvidas
Consulta farmacêutica p/
pacientes iniciando o tratamento
Consulta farmacêutica para
pacientes em tratamento
apresentando problemas de
adesão, efetividade e segurança
Dispensação de medicamentos
Centros de especialidades
PACIENTE
PORTADOR
DE
HIV/AIDS
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Critérios de Seleção
▪ PACIENTES COM DOENÇA OPORTUNISTA OU
▪ PACIENTE COM CD4 < 250 OU
▪ PACIENTE EM TRATAMENTO HÁ MAIS DE 6 MESES COM CARGA VIRAL DETECTÁVEL OU
▪ POLIMEDICADOS OU
▪ USUÁRIOS DE MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO OU
▪ PACIENTES COM ALGUM TIPO DE LIMITAÇÃO (FISÍCA, COGNITIVA, ANALFABETISMO,
FRAGILIDADE SOCIAL); OU
▪ PACIENTES IDOSOS (>65 ANOS), CRIANÇAS, ADOLESCENTES OU GESTANTES OU
▪ PACIENTES EM TRATAMENTO COM PROBLEMAS RELACIONADOS A FARMACOTERAPIA OU
▪ PACIENTES ENCAMINHADOS PELA EQUIPE DE SAÚDE
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Pacientes
iniciando
tratamento
antiretroviral
Pacientes em
tratamento
apresentando carga
viral elevada ou
reação adversa ou
problemas de
adesão
1ª consulta
Retornos mensais
Alta
Reavaliação semestral
pela base de dados
1ª consulta
Retornos mensais
Sem problemas de adesão, efetividade e segurança
Alta
Critérios de seleção
para receber
atendimento clínico do
farmacêutico
Centros de Especialidades
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Cuidado
Farmacêutico na
Maternidade
1ª Consulta
presencial com
a farmacêutica
MATERNIDADE
Retorno por
telefone pela
farmacêutica
Gestantes
internadas que
recebem alta com
tratamento oral
com antibióticos
Gestantes
ambulatoriais com ITU,
crise hipertensiva e/ou
em uso de
medicamentos
crônicos
Seleção pelo farmacêutico ou
pela equipe
•Revisão da farmacoterapia
•Aconselhamento sobre os
medicamentos e o
automonitoramento da condição
•Contrareferenciar para a UBS
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Cuidado Farmacêutico na
Farmácia Popular do Brasil
Critério de escolha de pacientes
▪ Pacientes polimedicados com fator de risco adicional.
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Por que devo consultar um
farmacêutico?
1. Conhecer para que serve cada um
dos medicamentos que você utiliza;
2. Verificar se está tomando
corretamente os medicamentos;
3. Descobrir se os medicamentos que
você utiliza estão fazendo o efeito
desejado;
4. Investigar se os medicamentos que
você utiliza estão trazendo algum
problema para a sua saúde.
Agende sua
consulta
Tel: 3324-7572
Rua: Cândido Lopes, 208
Curitiba - Centro
Serviço de
Clínica
Farmacêutica
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Serviço de Cuidado
Farmacêutico na
Farmácia Popular do
Brasil
Quando consultar com o
farmacêutico?
→ Quando tiver alguma dúvida sobre os
medicamentos que utiliza;
→ Sempre que achar que algum dos seus
medicamento não está fazendo efeito;
→ Quando perceber algum incômodo ou
efeito indesejado após utilizar algum
medicamento;
→ Se você estiver usando muitos
medicamentos;
→ Sempre que precisar de orientações
sobre seus medicamentos e sua saúde.
O que levar para a consulta
com o farmacêutico?
→ Todos os exames realizados;
→ Todas as receitas/prescrições médicas;
→ Todos os medicamentos que tem em
casa (tanto os medicamentos que os
médicos receitaram quanto aqueles que
usa de vez em quando);
→ Todos os chás que utiliza;
→ Todos os suplementos que utiliza;
→ Todos os documentos relativos à sua
saúde.
Como será a consulta com
o farmacêutico?
Queremos conhecer e avaliar todos os
seus problemas de saúde e tratamentos,
saber quais os problemas de saúde que
mais te preocupam e todos os
medicamentos que utiliza.
Faremos uma revisão para verificar
possíveis problemas no uso dos
medicamentos, nos efeitos do tratamento,
e nos resultados de saúde.
Realizaremos as intervenções necessárias
para resolução e prevenção dos
problemas identificados.
A consulta terá duração de
aproximadamente uma hora, por isso é
importante que tenha disponibilidade de
horários.
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Informações ao paciente no agendamento
SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA NA FARMÁCIA POPULAR DO BRASIL
Sua consulta com o farmacêutico da Farmácia Popular está agendada para o dia ___ / ___ / ___
às ____:____.
No dia da consulta, é importante que o(a) senhor(a) traga o seguinte:
- Todos os exames realizados
- Todas as receitas/prescrições médicas
- Todos os medicamentos que tem em casa (tanto os medicamentos que os médicos receitaram
quanto aqueles que usa de vez em quando)
- Todos os chás que utiliza
- Todos os suplementos que utiliza
- Todos os documentos relativos à sua saúde
__________________________________________
Farmacêutico(a) da Farmácia Popular do Brasil
Endereço: Rua Cândido Lopes, 208 – Centro
Telefone: (41) 3224-7572
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Pacientes
polimedicados com
fator de risco adicional
Primeira consulta
Consultas de
acompanhamento
1 hora
30 minutos
Fluxo do serviço - Farmácia Popular
- Coleta dos dados de perfil do paciente,
história clínica e história de medicação
- Identificação dos problemas
relacionados à farmacoterapia
- Intervenções farmacêuticas
- Agendamento da próxima consulta
- Avaliação dos resultados das
intervenções realizadas
- Coleta de dados adicionais
- Identificação dos problemas
relacionados à farmacoterapia
- Intervenções para resolução e
prevenção dos problemas
- Acompanhamento da evolução do
paciente
Alta
Sem problemas relacionados à
farmacoterapia
Seleção pelos
atendentes e
apresentação do
serviço e
agendamento
pelo
farmacêutico
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Organização de
Serviços
Farmacêuticos
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Serviços
Educação em saúde
Rastreamento em
saúde
Manejo de
problemas de
saúde
autolimitados
Dispensação de
medicamentos
Revisão da
farmacoterapia
Gestão da condição
de saúde
Acompanhamento
farmacoterapêutic
o
Conciliação de
medicamentos
Informe e Suporte
à equipe
Divulgação Científica
1
Levantar
indicadores de uso
de medicamentos
do próprio serviço
2
Preparar MEI
embasado por
evidências, com
informações sobre
URM
3
Visitar o médico /
enfermeira e
divulgar as
informações,
entregando MEI
4
Monitorar
mudanças nos
indicadores de uso
dos medicamentos
(impacto do
serviço)
MEI = Material Educativo Impresso
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
Avaliação dos Indicadores e
da Qualidade dos Serviços
Avaliação de Serviços
Estrutura
• Características
relativamente
estáveis, tais como
condições físicas,
organizacionais,
recursos e
instrumentos.
Processos
• Conjunto de
atividades
desenvolvidas na
relação entre
profissionais e
usuários.
Resultados
• Mudanças
verificadas no
estado de saúde
dos usuários que
possam ser
atribuídas a um
cuidado prévio.
(FARRIS, KIRKING, 1993; DONABEDIAN, 2005)
Avaliação de Desfechos
(KOZMA,1995)
Desfechos
humanísticos
Desfechos
econômicos
Desfechos
clínicos
Indicadores para monitoramento e avaliação
▪ Indicadores de Oferta
▪ Indicadores de Utilização
▪ Indicadores de Cobertura
▪ Indicadores de Impacto
Ex. Número de consultas/mês disponíveis
Ex. Melhoria da adesão ao tratamento
Ex. Problemas relacionados a Farmacoterapia resolvidos
Ex. % Problemas de Saúde classificados como controlados
Impacto clínico, humanístico e econômico
Ex. Número de pacientes elegíveis / pacientes atendidos
Ex. Numero Total de Consultas/Mês realizadas
(Brasil, 2014; Souza, 2017)
DEPICT
DEPICT
DEPICT
DEPICT
DEPICT
DEPICT
Cobrança pelos Serviços
farmacêuticos
Cobrança pelos Serviços Farmacêuticos
Experiências Exitosas
Cuidado Farmacêutico
Cuidado
Farmacêutico
na Rede de
Atenção à
Saúde de
Curitiba-PR
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Cuidado
Farmacêutico
UFPB
Cuidado Farmacêutico –
da teoria a prática
1. DESENVOLVIMENTO OU
DESCOBERTA
Avaliar:
- Estrutura organizacional
- Características do serviço
- Capacidade organizacional (recursos humanos estrutura)
- Características da minha população
UAUUU... acho que precisamos de serviços
farmacêuticos clínicos no nosso serviço!
2. EXPLORAÇÃO
Planejar:
- O que queremos?
- Quais serviços farmacêuticos clínicos vamos
implementar?
- Como estruturar uma consulta farmacêutica para
diabetes / hipertensão?
- Onde será a consulta?
- A gestão me apoia?
- Quem serão os farmacêuticos?
- Como adaptar o processo de trabalho?
3. PREPARAÇÃO
Colocar em prática em escala pequena:
- Adaptação e familiarização
- Ver se tudo funciona como o planejado
- Avaliar a demanda dos pacientes
4. PILOTO
Aumentar a escala:
- Modificação e adaptação de planos e processos
- Ampliar escala de serviços
- Avaliação e feedback com a equipe
- Treinamento continuado (capacitação em serviço)
- Estabelecimento de metas
- Monitoramento
- Adaptação
- Melhora contínua
5. OPERAÇÃO
6.SUSTENTABILIDADE
(Moullin e col., 2016)
Equipe Cuidado Farmacêutico UFPB
Consultas
Consultas
Consultas
Consultas
Trabalho Interprofissional
Teleconsultas
Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade
Serviços
Farmacêuticos
Direcionados ao
Paciente, Família e
Comunidade
thaisteles.ufpb@gmail.com
wallerictr@gmail.com
Módulo 6
CURSO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DIRETAMENTE
DESTINADOS AO PACIENTE, FAMÍLIA E COMUNIDADE
Coordenação Pedagógica: Profª. Dra. Thais Teles de Souza
thaisteles.ufpb@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
angelitamelo
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
angelitamelo
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
Cassyano Correr
 
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
angelitamelo
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Cassyano Correr
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Cassyano Correr
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
angelitamelo
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Cassyano Correr
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
angelitamelo
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Cassyano Correr
 
Metododader
MetododaderMetododader
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalNoções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
angelitamelo
 
Gestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufpr
Gestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufprGestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufpr
Gestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufpr
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
Jose Eduardo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
angelitamelo
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Cassyano Correr
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Cassyano Correr
 
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
angelitamelo
 

Mais procurados (20)

Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
 
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitadosSemiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
Semiologia farmacêutica para o manejo de problemas de saúde autolimitados
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
Aula 2 - AF
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
Metododader
MetododaderMetododader
Metododader
 
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalNoções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
 
Gestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufpr
Gestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufprGestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufpr
Gestao clinica de medicamentos na atenção primária a saude cassyano correr ufpr
 
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...13 30 Lorenzo Bandeira   Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
13 30 Lorenzo Bandeira Cuidado Farmac%E Autico A Pacientes Hipertensos E Di...
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
 
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
 

Semelhante a Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade

Qualidade em saúde
Qualidade em saúdeQualidade em saúde
Qualidade em saúde
UPA Fortaleza
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Isabela Jacyntho
 
Protocolos: da evidência à prática
Protocolos: da evidência à práticaProtocolos: da evidência à prática
Protocolos: da evidência à prática
Abilio Cardoso Teixeira
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
angelitamelo
 
Cuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdf
Cuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdfCuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdf
Cuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdf
AlannaMota2
 
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicasAf atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
Franciéllen de Barros
 
Assistencia Farmaceutica
Assistencia FarmaceuticaAssistencia Farmaceutica
Assistencia Farmaceutica
Aline Rodrigues
 
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
HorusQualifar
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Whevergton Santos
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
Naidilene Aguilar
 
Sae
SaeSae
Sae
SaeSae
Sistemas de apoio nas ras
Sistemas de apoio nas rasSistemas de apoio nas ras
Sistemas de apoio nas ras
Felipe Assan Remondi
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdf
Daiane Santos
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Aroldo Gavioli
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Arare Carvalho Júnior
 
ANS
ANSANS
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
Renata Antunes
 
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicasAssistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Rodrigo Xavier
 

Semelhante a Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade (20)

Qualidade em saúde
Qualidade em saúdeQualidade em saúde
Qualidade em saúde
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
 
Protocolos: da evidência à prática
Protocolos: da evidência à práticaProtocolos: da evidência à prática
Protocolos: da evidência à prática
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
 
Cuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdf
Cuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdfCuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdf
Cuidado_Farmaceutico_metodo_clinico_vol3.pdf
 
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicasAf atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
 
Assistencia Farmaceutica
Assistencia FarmaceuticaAssistencia Farmaceutica
Assistencia Farmaceutica
 
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sistemas de apoio nas ras
Sistemas de apoio nas rasSistemas de apoio nas ras
Sistemas de apoio nas ras
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdf
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
ANS
ANSANS
ANS
 
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
 
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicasAssistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
 

Mais de LAFARCLIN UFPB

Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2
LAFARCLIN UFPB
 
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_finalAtividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidadoManual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidado
LAFARCLIN UFPB
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascularManual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagicaManual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagica
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinasManual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterialManual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterial
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitusManual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitus
LAFARCLIN UFPB
 
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novoInstrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_pacienteManual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
LAFARCLIN UFPB
 
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_pesoManual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
LAFARCLIN UFPB
 
Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016
LAFARCLIN UFPB
 
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_natyLombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
LAFARCLIN UFPB
 

Mais de LAFARCLIN UFPB (14)

Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2Atividade semana 6_depict_versao_2
Atividade semana 6_depict_versao_2
 
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_finalAtividade semana 6_manual_depict_versao_final
Atividade semana 6_manual_depict_versao_final
 
Manual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidadoManual 6 -_autocuidado
Manual 6 -_autocuidado
 
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 05 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascularManual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
Manual 2 -_dislipidemias_e_risco_cardiovascular
 
Manual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagicaManual 7 -_cessacao_tabagica
Manual 7 -_cessacao_tabagica
 
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinasManual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
Manual 5 -_imunizacao_e_administracao_de_vacinas
 
Manual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterialManual 1 -_hipertensao_arterial
Manual 1 -_hipertensao_arterial
 
Manual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitusManual 3 -_diabetes_mellitus
Manual 3 -_diabetes_mellitus
 
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novoInstrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
Instrumento de avaliacao_da_consulta_farmaceutica_novo
 
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_pacienteManual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
Manual 4 -_revisao_da_farmacoterapia_e_acompanhamento_do_paciente
 
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_pesoManual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
Manual 8 -_obesidade_e_gestao_do_peso
 
Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016Servicos farm arcabouco_cff_2016
Servicos farm arcabouco_cff_2016
 
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_natyLombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
Lombardi 2016 dissertacao-mestrado_naty
 

Aula do módulo 06 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, família e comunidade

  • 1. Serviços Farmacêuticos Direcionados ao Paciente, Família e Comunidade Profª Dra. Thais Teles de Souza Profª Dra. Walleri Reis Módulo 6
  • 3. (Correr, Otuki, 2013) Compreensão do paciente e adesão terapêutica Efetividade e segurança da terapêutica Problemas Gestão Clínica do Medicamento Problema de saúde não tratado Falha no acesso ao medicamento Medicação não necessária Desvio de qualidadedo medicamento Baixa adesão ao tratamento Interação medicamentosa Duplicidade terapêutica Discrepânciasna medicação Falta de efetividade terapêutica Reação adversaou toxicidade Erro de medicação Contra-indicações Outros.. Resolução ReferênciaIndicação clínica e objetivo terapêutico Continuidade do cuidado Avaliações periódicas Paciente Estado de Saúde Avaliação Diagnóstico Nível assistencial Antes do uso de medicamentos Durante o uso de medicamentos Seleção Programação Aquisição Gestão Logística do Medicamento Cadeia de abastecimento farmacêutico Armazenamento Distribuição Prescrição Plano Terapêutico Dispensação Orientação (Correr, Otuki, 2013) Assistência farmacêutica
  • 4. Morbimortalidade Relacionada a Medicamentos Danos ocasionados por medicamentos Morbimortalidade relacionada a medicamentos Hospitalizações Óbitos Urgência e emergência Custos Reações adversas a medicamentos Overdoses Erros de medicação Interações medicamentosas Medicamentos impróprios Medicamentos desnecessários Omissões terapêuticas Reduções de dose Não adesão Falha terapêutica (Souza, 2013; Souza et., 2014; Freitas, 2017)
  • 5. 10 PRINCIPAIS FATORES DE RISCO QUE CONDICIONAM O SURGIMENTO DE MMRM Fator de risco Número de estudos > 4 medicamentos 51 Presença de comorbidades 24 Idade > 65 anos 23 Gênero feminino 19 Uso de medicamentos que atuam no SNC 10 Uso de anti-infecciosos 10 Uso de medicamentos cardiovasculares 7 Uso de analgésicos 7 Presença de doença renal 5 Uso de medicamentos inapropriados 4 (Souza, 2013)
  • 6. Histórico sobre Cuidado Farmacêutico, Farmácia Clínica, Atenção Farmacêutica 1975 • (Mike al et al.) 1980 • (Brodi e et al.) 1990 • (Hepler & Strand) • Pharmac eutical care 1998 • (Stran, Cipolle e Morley) 2001 • Atención Farmacé utica (ES) 2002 • Atençã o Farmac êutica (BR) 2013 • RDC 585, 586 (BR) 2014 • MS – Cader nos 1 a 4 2014 • Lei 130 21 2016 • CFF – Arc abo uço
  • 7. (CFF, 2016) Modelo lógico-conceitual dos serviços farmacêuticos As atividades-fim referem-se àquelas relativas à assistência direta ao paciente, à família e à comunidade
  • 8. SEGURANÇA - A farmacoterapia não produz novos problemas de saúde - A farmacoterapia não agrava problemas de saúde pré-existentes EFETIVIDADE - O paciente apresenta a resposta esperada à medicação - O regime posológico está adequado ao alcance das metas terapêuticas ADESÃO TERAPÊUTICA - O paciente compreende e é capaz de cumprir o regime posológico - O paciente concorda e adere ao tratamento numa postura ativa NECESSIDADE - O paciente utiliza todos os medicamentos que necessita - O paciente não utiliza nenhum medicamento desnecessário Baseado nos estudos de Cipolle, Strand, Morley e Fernández-Llimós et al. Farmacoterapia ideal
  • 9. Aspectos legais • RESOLUÇÃO 585/2013, CFF • RESOLUÇÃO 586/2013, CFF • LEI Nº 13.021/2014 • RDC 44 2009 - ANVISA • RDC nº 98 de 01 de agosto de 2016
  • 10. Design e Implantação dos Serviços Farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, família e comunidade
  • 11. CFF, 2016 Serviços Farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, família e comunidade - Modelo de Prática do Cuidado Farmacêutico Educação em saúde Rastreamento em saúde Dispensação especializada de medicamentos Manejo de problemas de saúde autolimitados Revisão da farmacoterapia Monitorização terapêutica Gestão da condição de saúde Acompanhamento farmacoterapêutico Conciliação terapêutica
  • 12. Padronização e Qualificação dos Serviços Grande variabilidade dos serviços prestados Carência de padronização de procedimentos e de instrumentos Ineficiência na detecção, prevenção e resolução dos problemas Necessidade de qualificação profissional e avaliação da qualidade (CHARROIS et al., 2012; ROTTA et al., 2015; DONABEDIAN, 2005)
  • 13. Rede de atenção à saúde Centros de especialida des Unidades Básicas de Saúde Unidades de Pronto Atendiment o Centros de Atenção psicossocial Hospital Farmácia Popular do Brasil Farmácia do CEAF
  • 14. Rede de atenção à saúde Centros de especialida des Unidades Básicas de Saúde Unidades de Pronto Atendiment o Centros de Atenção psicossocial Hospital Farmácia Popular do Brasil Farmácia do CEAF
  • 15. Modelagem de Serviços (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 16. Modelagem dos serviços MAPEAR ENTENDER CONCEITUAR DESENHAR REFINAR IMPLANTAR Modelagem dos serviços 1 2 3 4 5 6 (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 17. Modelagem dos serviços MAPEAR ✓ O objetivo é reconhecer o contexto em que a companhia está inserida. ▪ Revisão de literatura ▪ Visitas dos apoiadores ▪ Observação do processo de trabalho e estrutura em cada ponto de atenção à saúde ▪ Entrevistas com os farmacêuticos e com os usuários (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 18. Modelagem dos serviços ENTENDER ✓ O objetivo é entender os usuários, o contexto onde está inserido, seu comportamento dentro do contexto, seus desejos, necessidades e problemas no dia a dia. ▪ Visitas dos apoiadores ▪ Entrevistas com os farmacêuticos e com os usuários ▪ Análise do perfil dos pacientes (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 19. Modelagem dos serviços CONCEITUAR ✓ O objetivo é criar o conceito do serviço, sua relação com o paciente, seus objetivos, características, determinantes da qualidade, jornada e pontos de contato. ▪ Revisão de literatura ▪ Modelos dos serviços ▪ Jornada do usuário – Fluxo do paciente ▪ Indicadores a serem monitorados (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 20. Modelagem dos serviços DESENHAR ✓ O objetivo é desenhar a lógica do serviço, os atores, as competências técnicas e comportamentos, os recursos de tecnologia, físicos e de instalações. ▪ Revisão de literatura ▪ Roteiro de consulta ▪ Instrumentos a serem utilizados ▪ Capacitação dos profissionais ▪ Recursos de tecnologia, físicos e de instalações (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 21. Modelagem dos serviços REFINAR ✓ O objetivo é prototipar a lógica de operação do serviço, detalhar a estrutura de processos de operação de serviços, construir os processos de gestão de serviços e identificar os recursos disponíveis e necessários para a implantação do serviço. ▪ Protótipo do serviço ▪ Simulações ▪ Fase piloto (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 22. Modelagem dos serviços IMPLANTAR ✓ O objetivo é criar a visão do modelo de serviços a ser implantado no ponto de atenção à saúde, definir sua estratégia de implantação, sua estratégia de comunicação e realizar o rollout do serviço. ▪ Pacientes ▪ Atividades ▪ Relacionamentos • Parceiros • Ofertas • Recursos (STICKDORN, 2014; Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 23. • Definição do público alvo como sendo pacientes polimedicados com pelo menos um fator de risco adicional para problemas da farmacoterapia. • Definição do fluxo dos serviços e desenvolvimento de protocolos, instrumentos e formulários para realização dos serviços e registro das atividades e definição os desfechos clínicos, humanísticos e econômicos avaliados. (Brasil, 2014; Souza, 2017) Modelagem dos serviços
  • 24. Organização de Serviços Farmacêuticos Triagem dos pacientes Marcação de Consultas Análise pré-consulta (prontuários) Primeira consulta Coleta e organização dos dados Identificação de problemas Elaboração do plano de cuidados Seguimento paciente (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 26. Qualificação e Formação dos Profissionais de Saúde envolvidos
  • 27. Padronização de Serviços Farmacêuticos Programa de Qualificação (Souza, 2017)
  • 28. Capacitação •Busca e análise de evidência / Saúde Baseada em evidências •Raciocínio clínico •Farmacoterapia e Fisiopatologia Estudo dirigido • Método Clínico / Habilidades, conhecimentos e atitudes • Simulações de consultas e Exercícios de fixações • Pré e pós teste 1ª Capacitação Teórica • Implantação do serviço / Prática supervisionada • Formação em serviço – acompanhamento dos apoiadores / Avaliação das consultas / Feedback Formação em serviço • Identificação de problemas da farmacoterapia, Elaboração de plano de cuidado e Acompanhamento do paciente • Discussão e resolução de casos clínicos • CURAME (Uso racional de medicamentos e Saúde baseada em evidências) • Pré e pós teste 2ª Capacitação Teórica • Discussão e Resolução dos problemas encontrados nos serviços • Aulas sobres fisiopatologia e farmacoterapia das condições mais prevalentes • Discussão e Resolução de casos clínicos dos pacientes atendidos Reuniões, Seminários e Oficinas (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 29. Processo de Cuidado Farmacêutico ao Paciente • Revisão da Farmacoterapia • Identificação dos Problemas presentes e potenciais • Definir Metas Terapêuticas • Intervenções • Agendamento de Retorno e Seguimento • Dados Específicos do Paciente • História clínica • História de Medicação • Resultados e Progresso do Paciente • Alcance das Metas Terapêuticas • Novos Problemas Realizar o seguimento individual do paciente Coletar e organizar dados do paciente Identificar problemas relacionados à farmacoterapia Elaborar um plano de cuidado em conjunto com o paciente 1 23 4 (Correr, Otuki, 2013)
  • 30. Roteiro da Consulta Farmacêutica (Abdel-Tawab et al., 2011)
  • 31. Certificação dos farmacêuticos Teoria Produtividade Avaliação do apoiador Interação com a equipe Atividades técnico-pedagógicas (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 32. Cuidado Farmacêutico nas Unidades Básicas de Saúde
  • 33. Agendamento do paciente para o serviço Acolhimento do paciente para a consultaEncaminhamento para outro(s) profissional(s) / Compartilhamento da Informação Coleta e organização da história completa de medicação do paciente Identificação de Problemas Relacionados à Farmacoterapia Plano de cuidado Orientação Terapêutica Encaminhamentos Seguimento individual do paciente (retornos) Processo de cuidado farmacêutico ao paciente Encaminhamento pela equipe de saúde Médico e equipe avalia plano terapêutico Pacientes de Contra- Referência (Pós alta hospitalar) Busca Ativa + Demanda Espontânea 8 horas/semana APS HOSPITAL (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 34. Público-Alvo Uso de ≥ 5 medicamentos Problemas de adesão ao tratamento Dificuldades de acesso 2 ou mais farmácias para pegar todos os medicamentos Internados nos últimos 6 meses Prescrições por 2 ou mais médicos diferentes2 ou mais doenças crônicas diagnosticadas 2 ou + fatores adicionais (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 38. Cuidado Farmacêutico nas Farmácias do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF)
  • 39. CEAF - Coleta dos dados adicionais de perfil do paciente, história clínica e história de medicação - Identificação dos problemas relacionados à farmacoterapia - Intervenções para resolução e prevenção dos problemas - Acompanhamento do paciente Alta Sem problemas relacionados à farmacoterapia Retorno - Coleta dos dados de perfil do paciente, história clínica e história de medicação - Identificação dos problemas relacionados à farmacoterapia - Intervenções para resolução e prevenção dos problemas - Agendamento das consultas de acompanhamento Seleção de pacientes no momento da Dispensação farmacêutica para pacientes iniciando tratamento Primeira consulta no serviço de Clínica Farmacêutica Consultas de acompanhamento no serviço de Clínica Farmacêutica (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 40. Critérios de seleção dos pacientes – Farmácia do CEAF (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 42. Cuidado Farmacêutico nos Centros de Atenção Psicossociais (CAPS)
  • 43. Serviço de Cuidado Farmacêutico no CAPS ▪ Atendimento no acolhimento em conjunto com a equipe (Registro SOAP para ser anexado ao prontuário do paciente e ao prontuário do farmacêutico) ▪ Atendimento em consultório ou domicílio (Registro em prontuário farmacêutico e no prontuário do paciente) ▪ Atendimento em leito (Registro em prontuário farmacêutico e no prontuário do paciente) ▪ Consultas compartilhadas com a equipe (Registro SOAP para ser anexado ao prontuário do paciente e ao prontuário do farmacêutico) ▪ Reuniões para discussão de caso com a equipe (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 44. Acolhimento - Atendimento compartilhado por integrantes da equipe Paciente não continuará no CAPS • Coleta dos dados de história clínica e história farmacoterapêutica • Revisão dos medicamentos • Identificação de problemas relacionados a farmacoterapia • Intervenções farmacêuticas • Resumo clínico para a equipe • Acompanhamento do paciente Paciente busca o serviço ou é encaminhado para o CAPS Paciente continuará no CAPS Pacientes positivos para critérios de seleção Transferência de cuidado Caso é discutido e acompanhado em conjunto Centro de Atenção Psicossocial - CAPS • Incluir todos os dados de perfil do paciente, história clínica e história farmacoterapêutica Consultas farmacêuticas (consultório, domicílio ou leito) Paciente usuário ativo do CAPS Consultas por outros profissionais de saúde Consultas por outros profissionais de saúde (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 45. Polimedicação (5 ou mais medicamentos) Problemas de adesão Problemas de efetividade e/ou segurança ou ou Critério de exclusão: pacientes com limitações cognitivas que impossibilitem a consulta e que não possuem cuidador ou Pacientes identificados pela equipe como de maior risco para ocorrência de problemas relacionados a farmacoterapia CAPS – Critérios de inclusão (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 46. Pacientes com problemas da farmacoterapia ou maior risco para desenvolver Primeira consulta Consultas de acompanhamento CAPS – Atendimento em consultório ou em domicílio - Coleta dos dados de perfil do paciente, história clínica e história de medicação - Identificação dos problemas relacionados à farmacoterapia - Intervenções farmacêuticas - Agendamento da próxima consulta - Avaliação dos resultados das intervenções realizadas - Coleta de dados adicionais - Identificação de novos problemas relacionados à farmacoterapia - Intervenções para resolução e prevenção dos problemas - Acompanhamento da evolução do pacienteAlta Sem problemas relacionados à farmacoterapia (necessidade, adesão, efetividade, segurança) Seleção e agendamento pelo farmacêutico ou pela equipe (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 47. Consulta presencial com a farmacêutica CAPS – Atendimento no internamento (em leito) Retorno presencial (se for paciente for ficar no CAPS) ou por telefone (se não for ficar no CAPS) Pacientes internados e que apresentem problemas relacionados aos medicamentos ou risco de apresentar problemas relacionados a medicamentos •Revisão da farmacoterapia (revisão de prescrição e revisão clínica) •Reconciliação •Aconselhamento de alta sobre os tratamentos e condições de saúde •Contrareferenciar para a UBS ou para outro serviço Seleção pelo farmacêutico ou por outro profissional da equipe (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 48. Cuidado Farmacêutico nas Unidade Pronto Atendimento (UPAS)
  • 49. Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Seleção na classificação de risco pela enfermagem ou pelo farmacêutico Pacientes ambulatoriais Pacientes internados Critérios de seleção para receber atendimento clínico do farmacêutico Seleção de pacientes em leito pela enfermagem ou pelo farmacêutico Seleção na sala de observação pela enfermagem ou pelo farmacêutico (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 50. Atendimento farmacêutico em consultório Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Avaliação do desfecho por telefone ou sistema Paciente busca atendimento Avaliação de risco pela Enfermagem Atendimento médico Alta Sala de observação Atendimento farmacêutico em leito Pacientes positivos para critérios de seleção Contrarreferênciapara Unidadebásicadesaúde Internamento (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 51. Foi atendido em uma UPA nos últimos 30 dias? Tem alguma doença crônica e usa algum medicamento contínuo? Parou ou começou alguma medicação nos últimos 30 dias? ou ou SIM em 2 ou mais perguntas – Encaminhar ao farmacêutico ou Demonstra dúvidas ou problemas com o uso dos seus medicamentos? UPAs – Atendimento em consultório (Seleção de pacientes na classificação de risco) (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 52. Usa quatro ou mais medicamentos? Foi atendido em uma UPA nos últimos 30 dias? Demonstra dúvidas ou problemas com o uso dos seus medicamentos? ou ou SIM em 2 ou mais perguntas – Encaminhar ao farmacêutico UPAs – Atendimento em consultório (Seleção de pacientes na sala de observação) ou Possui idade igual ou superior a 65 anos? (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 53. O paciente utiliza 4 ou mais medicamentos em uso contínuo? Foi internado em uma UPA ou hospital nos últimos 30 dias? Foi internado por um possível problema relacionado a farmacoterapia? ou ou SIM em 2 ou mais perguntas – Encaminhar ao farmacêutico ou Está utilizando medicamento(s) por meio de sonda? UPAs – Atendimento em leito (Seleção de pacientes no internamento) (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 54. •Revisão da farmacoterapia •Orientação sobre o tratamento farmacológico e não-farmacológico •Resumo clínico para o médico se identificado problema relacionado à farmacoterapia •Contrarreferencia para a UBS •Revisão da farmacoterapia •Conciliação dos medicamentos •Orientação sobre o tratamento / Aconselhamento de alta •Resumo clínico para equipe se identificado problema relacionado à farmacoterapia •Contrarreferencia para a UBS Objetivos do Cuidado Farmacêutico nas UPAs – Atendimento em consultório Objetivos do Cuidado Farmacêutico nas UPAs – Atendimento em leito (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 56. Recepção Consulta médica Farmácia Atendimento de pacientes que procuram o farmacêutico para tirar dúvidas Consulta farmacêutica p/ pacientes iniciando o tratamento Consulta farmacêutica para pacientes em tratamento apresentando problemas de adesão, efetividade e segurança Dispensação de medicamentos Centros de especialidades PACIENTE PORTADOR DE HIV/AIDS (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 57. Critérios de Seleção ▪ PACIENTES COM DOENÇA OPORTUNISTA OU ▪ PACIENTE COM CD4 < 250 OU ▪ PACIENTE EM TRATAMENTO HÁ MAIS DE 6 MESES COM CARGA VIRAL DETECTÁVEL OU ▪ POLIMEDICADOS OU ▪ USUÁRIOS DE MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO OU ▪ PACIENTES COM ALGUM TIPO DE LIMITAÇÃO (FISÍCA, COGNITIVA, ANALFABETISMO, FRAGILIDADE SOCIAL); OU ▪ PACIENTES IDOSOS (>65 ANOS), CRIANÇAS, ADOLESCENTES OU GESTANTES OU ▪ PACIENTES EM TRATAMENTO COM PROBLEMAS RELACIONADOS A FARMACOTERAPIA OU ▪ PACIENTES ENCAMINHADOS PELA EQUIPE DE SAÚDE (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 58. Pacientes iniciando tratamento antiretroviral Pacientes em tratamento apresentando carga viral elevada ou reação adversa ou problemas de adesão 1ª consulta Retornos mensais Alta Reavaliação semestral pela base de dados 1ª consulta Retornos mensais Sem problemas de adesão, efetividade e segurança Alta Critérios de seleção para receber atendimento clínico do farmacêutico Centros de Especialidades (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 60. 1ª Consulta presencial com a farmacêutica MATERNIDADE Retorno por telefone pela farmacêutica Gestantes internadas que recebem alta com tratamento oral com antibióticos Gestantes ambulatoriais com ITU, crise hipertensiva e/ou em uso de medicamentos crônicos Seleção pelo farmacêutico ou pela equipe •Revisão da farmacoterapia •Aconselhamento sobre os medicamentos e o automonitoramento da condição •Contrareferenciar para a UBS (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 63. Critério de escolha de pacientes ▪ Pacientes polimedicados com fator de risco adicional. (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 64. Por que devo consultar um farmacêutico? 1. Conhecer para que serve cada um dos medicamentos que você utiliza; 2. Verificar se está tomando corretamente os medicamentos; 3. Descobrir se os medicamentos que você utiliza estão fazendo o efeito desejado; 4. Investigar se os medicamentos que você utiliza estão trazendo algum problema para a sua saúde. Agende sua consulta Tel: 3324-7572 Rua: Cândido Lopes, 208 Curitiba - Centro Serviço de Clínica Farmacêutica (Brasil, 2014; Souza, 2017) Serviço de Cuidado Farmacêutico na Farmácia Popular do Brasil
  • 65. Quando consultar com o farmacêutico? → Quando tiver alguma dúvida sobre os medicamentos que utiliza; → Sempre que achar que algum dos seus medicamento não está fazendo efeito; → Quando perceber algum incômodo ou efeito indesejado após utilizar algum medicamento; → Se você estiver usando muitos medicamentos; → Sempre que precisar de orientações sobre seus medicamentos e sua saúde. O que levar para a consulta com o farmacêutico? → Todos os exames realizados; → Todas as receitas/prescrições médicas; → Todos os medicamentos que tem em casa (tanto os medicamentos que os médicos receitaram quanto aqueles que usa de vez em quando); → Todos os chás que utiliza; → Todos os suplementos que utiliza; → Todos os documentos relativos à sua saúde. Como será a consulta com o farmacêutico? Queremos conhecer e avaliar todos os seus problemas de saúde e tratamentos, saber quais os problemas de saúde que mais te preocupam e todos os medicamentos que utiliza. Faremos uma revisão para verificar possíveis problemas no uso dos medicamentos, nos efeitos do tratamento, e nos resultados de saúde. Realizaremos as intervenções necessárias para resolução e prevenção dos problemas identificados. A consulta terá duração de aproximadamente uma hora, por isso é importante que tenha disponibilidade de horários. (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 66. Informações ao paciente no agendamento SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA NA FARMÁCIA POPULAR DO BRASIL Sua consulta com o farmacêutico da Farmácia Popular está agendada para o dia ___ / ___ / ___ às ____:____. No dia da consulta, é importante que o(a) senhor(a) traga o seguinte: - Todos os exames realizados - Todas as receitas/prescrições médicas - Todos os medicamentos que tem em casa (tanto os medicamentos que os médicos receitaram quanto aqueles que usa de vez em quando) - Todos os chás que utiliza - Todos os suplementos que utiliza - Todos os documentos relativos à sua saúde __________________________________________ Farmacêutico(a) da Farmácia Popular do Brasil Endereço: Rua Cândido Lopes, 208 – Centro Telefone: (41) 3224-7572 (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 67. Pacientes polimedicados com fator de risco adicional Primeira consulta Consultas de acompanhamento 1 hora 30 minutos Fluxo do serviço - Farmácia Popular - Coleta dos dados de perfil do paciente, história clínica e história de medicação - Identificação dos problemas relacionados à farmacoterapia - Intervenções farmacêuticas - Agendamento da próxima consulta - Avaliação dos resultados das intervenções realizadas - Coleta de dados adicionais - Identificação dos problemas relacionados à farmacoterapia - Intervenções para resolução e prevenção dos problemas - Acompanhamento da evolução do paciente Alta Sem problemas relacionados à farmacoterapia Seleção pelos atendentes e apresentação do serviço e agendamento pelo farmacêutico (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 70. Serviços Educação em saúde Rastreamento em saúde Manejo de problemas de saúde autolimitados Dispensação de medicamentos Revisão da farmacoterapia Gestão da condição de saúde Acompanhamento farmacoterapêutic o Conciliação de medicamentos Informe e Suporte à equipe
  • 71. Divulgação Científica 1 Levantar indicadores de uso de medicamentos do próprio serviço 2 Preparar MEI embasado por evidências, com informações sobre URM 3 Visitar o médico / enfermeira e divulgar as informações, entregando MEI 4 Monitorar mudanças nos indicadores de uso dos medicamentos (impacto do serviço) MEI = Material Educativo Impresso (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 72. Avaliação dos Indicadores e da Qualidade dos Serviços
  • 73. Avaliação de Serviços Estrutura • Características relativamente estáveis, tais como condições físicas, organizacionais, recursos e instrumentos. Processos • Conjunto de atividades desenvolvidas na relação entre profissionais e usuários. Resultados • Mudanças verificadas no estado de saúde dos usuários que possam ser atribuídas a um cuidado prévio. (FARRIS, KIRKING, 1993; DONABEDIAN, 2005)
  • 75. Indicadores para monitoramento e avaliação ▪ Indicadores de Oferta ▪ Indicadores de Utilização ▪ Indicadores de Cobertura ▪ Indicadores de Impacto Ex. Número de consultas/mês disponíveis Ex. Melhoria da adesão ao tratamento Ex. Problemas relacionados a Farmacoterapia resolvidos Ex. % Problemas de Saúde classificados como controlados Impacto clínico, humanístico e econômico Ex. Número de pacientes elegíveis / pacientes atendidos Ex. Numero Total de Consultas/Mês realizadas (Brasil, 2014; Souza, 2017)
  • 83. Cobrança pelos Serviços Farmacêuticos
  • 85. Cuidado Farmacêutico na Rede de Atenção à Saúde de Curitiba-PR
  • 88. Cuidado Farmacêutico – da teoria a prática 1. DESENVOLVIMENTO OU DESCOBERTA Avaliar: - Estrutura organizacional - Características do serviço - Capacidade organizacional (recursos humanos estrutura) - Características da minha população UAUUU... acho que precisamos de serviços farmacêuticos clínicos no nosso serviço! 2. EXPLORAÇÃO Planejar: - O que queremos? - Quais serviços farmacêuticos clínicos vamos implementar? - Como estruturar uma consulta farmacêutica para diabetes / hipertensão? - Onde será a consulta? - A gestão me apoia? - Quem serão os farmacêuticos? - Como adaptar o processo de trabalho? 3. PREPARAÇÃO Colocar em prática em escala pequena: - Adaptação e familiarização - Ver se tudo funciona como o planejado - Avaliar a demanda dos pacientes 4. PILOTO Aumentar a escala: - Modificação e adaptação de planos e processos - Ampliar escala de serviços - Avaliação e feedback com a equipe - Treinamento continuado (capacitação em serviço) - Estabelecimento de metas - Monitoramento - Adaptação - Melhora contínua 5. OPERAÇÃO 6.SUSTENTABILIDADE (Moullin e col., 2016)
  • 97. Serviços Farmacêuticos Direcionados ao Paciente, Família e Comunidade thaisteles.ufpb@gmail.com wallerictr@gmail.com Módulo 6
  • 98. CURSO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DIRETAMENTE DESTINADOS AO PACIENTE, FAMÍLIA E COMUNIDADE Coordenação Pedagógica: Profª. Dra. Thais Teles de Souza thaisteles.ufpb@gmail.com