SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
GESTÃO DE
OPERAÇÕES
Professor: Daniel Moura
Disciplina: Sistemas de Produção
Curso: Graduação em Engenharia de Produção
INTRODUÇÃO
A gestão de operações preocupa-se com as
atividades de projeto, planejamento e controle
dos sistemas de manufatura, transporte,
suprimento e serviço;
Input
Recursos
a serem
transformados
Materiais
informações
Consumidores
Estratégia
de produção
Objetivos
estratégicos
da produção
Papel e posição
competitiva da
Produção``
Ambiente
INPUT
Instalações
Pessoal
Input
Recursos de
transformação
Planejamento
e controle
MelhoriaProjeto
OUTPUT Bens e
Serviços
Ambiente
NATUREZA DO
PLANEJAMENTO E CONTROLE
OBJETIVO: garantir que os processos ocorram
de acordo com padrões esperados de forma a
suprir os clientes de produtos e serviços
previstos , ou , garantir o suprimento de serviços
e produtos de acordo com a demandae produtos de acordo com a demanda
PLANEJAMENTO: plano elaborado
envolvendo a previsão dos diferentes recursos
de entrada, sua conversão ou transformação e os
resultados esperados.
CONTROLE: processo necessário no sentido
de verificar eventuais alterações na realização
dos planos.
Independentemente de se tratar de um sistema
de manufatura, transporte, suprimento, ou
serviço, as áreas da gestão de operações de
sistemas de produção podem ser categorizadas
em três “principais”: a programação, o estoque eem três “principais”: a programação, o estoque e
a capacidade.
PROGRAMAÇÃO
A programação origina-se na previsão de vendas,
ou nelas próprias, dependendo de como trabalhe
o sistema, com o objetivo de que se estabeleça a
ordem de prioridades e a seqüência de
operações.operações.
De acordo Monks (1987), o propósito da previsão
é usar a melhor informação disponível para dirigir
atividades futuras em direção às metas da
empresa. As boas previsões permitem aos
gerentes planejar níveis adequados de recursos,
como pessoas, matéria-prima, capital, estoque e
inúmeras outras variáveis.
Previsão econômica: este método diz respeito a
estimativas de vendas pelos membros da equipe
de marketing que estão em contato com as
condições presentes e futuras no mercado;
Previsão estatística: a partir de dados históricos,
técnicas estatísticas são empregadas para projetartécnicas estatísticas são empregadas para projetar
dados do passado no futuro.
Como definições importantes da área de
programação têm-se os prazos de entrega para
os itens fabricados e comprados e a seqüência
das operações a serem realizadas, através das
seguintes etapas:seguintes etapas:
Roteiro: seqüência do processo produtivo;
Aprazamento: estabelecimento de datas de início e
fim de cada atividade;
Emissão de ordens: implementação do plano de
produção, emitindo a documentação necessária
para o início das operações (compra, fabricação e
montagem) e liberando-as quando os recursos
estiverem disponíveis (Tubino, 1997).
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RELACIONADOS À ÁREA DE
PROGRAMAÇÃO
Ocorrência de filas;
Perda de mercado;
Estocagem de saídas.Estocagem de saídas.
GESTÃO DE ESTOQUES
O que é Estoque?
É a acumulação armazenada de recursos materiais
em um sistema de transformação;
Todas operações mantêm estoque...
Hotel;Hotel;
Hospital;
Cozinha industrial;
Loja de varejo;
Distribuidor de autopeças;
Manufatura de linha branca;
Fabricante de jóias.
GESTÃO DE ESTOQUES
A finalidade do estoque em qualquer sistema de
produção é de “alimentar o fluxo produção-
venda, de forma contínua e uniforme, evitando as
interrupções” (Machline, 1990).
Por que existe Estoque?
TIPOS DE ESTOQUE
Estoques de entrada (matérias-primas, insumos
etc.): proteger de flutuações de suprimento a
função de produção. As maneiras e facilidades
com que isto poderá ser alcançado serão
influenciadas pela estrutura do restante doinfluenciadas pela estrutura do restante do
sistema;
Estoques intermediários (materiais e produtos
em processo): garantir as flutuações no âmbito
do processo. Corresponde aos estoques de
componentes de montagens de cada produto
acabado. A origem deste tipo de estoque estáacabado. A origem deste tipo de estoque está
relacionada com a existência de um período de
permanência dos componentes no sistema,
enquanto ocorre a sua montagem. Os esforços
no sentido de reduzir este tipo de estoque
deverão focalizar principalmente o tempo de
produção (“lead time” de produção);
Estoques de saída (produto acabado): garantir as
flutuações relativamente ao produto acabado.
Esses estoques facilitam a relação da empresa
com o seu mercado porquanto mantém em nível
adequado a disponibilidade de bens,adequado a disponibilidade de bens,
proporcionando a indispensável obediência aos
prazos estabelecidos para a entrega.
“Vantagens” na formação de
estoques
Atender aos clientes com demandas variáveis
(imediatas ou sazonais);
Proteger contra erros de suprimento, faltas e
estoque esgotado;
Facilitar a produção de bens diferentes nasFacilitar a produção de bens diferentes nas
mesmas instalações;
Fornecer um meio de obter e manusear materiais
em lotes econômicos e ganhar descontos por
quantidades;
Fornecer um meio de proteção contra as
incertezas de entregas e preços futuros, tais
como greves, aumento de preço e inflação.
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RELACIONADOS À ÁREA DE
ESTOQUES
Custos;
Programação;
Controle.
CAPACIDADE DE UMA
OPERAÇÃO
Nível máximo e potencial de uma operação
(quantidade de trabalho) na unidade de tempo;
Estabelecida para um período de tempo futuro;
Objetivo: manter a produção balanceada
(equilibrada)
Combinação de
recursos
Demanda
Capacidade
disponível
da
organização
Medidas de capacidade: insumos ou
produtividade
Medidas de Capacidade
Usando medidas de produção
Instituição Medida de capacidade
Siderúrgica Toneladas de aço/mês
Refinaria de petróleo Litros de gasolina/diaRefinaria de petróleo Litros de gasolina/dia
Montadora de automóveis Número de carros/mês
Companhia de papel Toneladas de papel/semana
Companhia de eletricidade Megawatts/hora
Fazenda Toneladas de grãos/ano
Medidas de Capacidade
Usando medidas de insumos
Companhia aérea Número de assentos/vôo
Restaurante Números de refeições/dia
Teatro (ou cinema) Número de assentosTeatro (ou cinema) Número de assentos
Hotel Número de quartos (hóspedes)
Hospital Número de leitos
Escola Números de vagas
DECISÕES SOBRE CAPACIDADE
Avaliação da capacidade existente
Previsões de futuras necessidades de
capacidade
Formas de alteração da capacidadeFormas de alteração da capacidade
Formas de alteração da demanda
Capacidade x desempenho
Como incrementar capacidade
Como obter capacidade adicional
UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE
Exemplo:
Capacidade de projeto = 24 h/dia x 7 dias /sem. =
168 h / sem.
Perdas de tempo = planejadas e não planejadas
No exemplo = 59 h/sem + 58 h/sem. = 117 h/sem.No exemplo = 59 h/sem + 58 h/sem. = 117 h/sem.
Capacidade efetiva = 168 – 59 = 109 h/sem.
Capacidade real = 168 – 117 = 51 h/sem.
Utilização = 51 / 168 = 0,304 ou 30,4% da
capacidade de projeto.
Eficiência = 51 / 109 = 0, 468 ou 46,8 % da
capacidade efetiva ou possível de ser usada
CAPACIDADE E PROGRAMAÇÃO
Uma capacidade em excesso,
inevitavelmente origina baixa produtividade
dos recursos, enquanto uma capacidade
inadequada compromete a qualidade do
produto e do prazo.produto e do prazo.
Como a capacidade do sistema é um reflexo
da natureza e quantidade de recursos
disponíveis no sistema, ajustes em curto
prazo são geralmente difíceis.
Relação Capacidade x Programação
Acomodação de longo prazo
CAPACIDADE E ESTOQUES
Decisões com respeito à capacidade do
sistema irão afetar a gestão de estoques,
tanto através de sua influência na escolha ou
na conveniência do uso de estoques, como
também na maneira da forma de utilidadetambém na maneira da forma de utilidade
desses estoques.
A relação da capacidade com os estoques se
opera numa perspectiva de curto prazo, na
medida em que estes buscam regular
eventuais desbalanceamentos.
Importa observar que as acomodações
(programação e estoque) se dão de maneira
a buscar a menor conseqüência possível
para a estrutura.
RECURSOS VARIÁVEIS DE
AJUSTE PARA A CAPACIDADE
Tempo de uso das instalações: horários de trabalho
Horas extras e tempo ocioso
Tamanho da força de trabalho ou quantidade de m.O.
Contratação e demissão de pessoal
Horas extras e tempo parcialHoras extras e tempo parcial
Trabalho de M.O. temporária
Obs: restrições legais; sindicais; éticas; fadiga;
aprendizagem
Estoques quando possível
Subcontratação à outras empresas
Obs: disponibilidade no mercado; conflitos
mercadológicos; conflitos técnicos e de qualidade.
POLÍTICA DE ALTERAÇÃO OU
COMPENSAÇÃO DA DEMANDA
Trata-se de encontrar alternativas que variem a
demanda ou que utilizem os recursos de
capacidade de forma a minimizar os custos
operacionais no período de planejamento
agregado.
Promoção de preços diferenciadosPromoção de preços diferenciados
Propaganda dirigida
Promoção na baixa da sazonalidade
Produtos complementares sazonais
Sorvetes x chocolates
Panetone x colomba
Ofertas de outros atrativos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPMauro Enrique
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestãoDaniel Moura
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layoutDaniel Moura
 
Atividade colaborativa planejamento e controle de produção
Atividade colaborativa   planejamento e controle de produçãoAtividade colaborativa   planejamento e controle de produção
Atividade colaborativa planejamento e controle de produçãoCisco Kunsagi
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteLuiz Felipe Cherem
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Cristiano Ferreira Cesarino
 
Interação entre PCP e Previsão de Demanda
Interação entre PCP e Previsão de DemandaInteração entre PCP e Previsão de Demanda
Interação entre PCP e Previsão de DemandaJordanaVolante
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeDenis Carlos Sodré
 
Estratégia de produção e operações
Estratégia de produção e operaçõesEstratégia de produção e operações
Estratégia de produção e operaçõesdedefs
 

Mais procurados (19)

Papel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da ProduçãoPapel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
 
Atividade colaborativa planejamento e controle de produção
Atividade colaborativa   planejamento e controle de produçãoAtividade colaborativa   planejamento e controle de produção
Atividade colaborativa planejamento e controle de produção
 
Aula2 producao i
Aula2 producao iAula2 producao i
Aula2 producao i
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
 
Planejamento e Controle
Planejamento e ControlePlanejamento e Controle
Planejamento e Controle
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
Interação entre PCP e Previsão de Demanda
Interação entre PCP e Previsão de DemandaInteração entre PCP e Previsão de Demanda
Interação entre PCP e Previsão de Demanda
 
Gestão de Operações
Gestão de OperaçõesGestão de Operações
Gestão de Operações
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Estratégia de produção e operações
Estratégia de produção e operaçõesEstratégia de produção e operações
Estratégia de produção e operações
 
Produção
ProduçãoProdução
Produção
 

Destaque

Roteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hstRoteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hstDaniel Moura
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produçãoDaniel Moura
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábricaDaniel Moura
 
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - SilmarInstalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - SilmarSilmar Silva
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPDaniel Moura
 
Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsaDaniel Moura
 

Destaque (20)

Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 
Aula 4 - Sistemas de Produção
Aula 4 - Sistemas de ProduçãoAula 4 - Sistemas de Produção
Aula 4 - Sistemas de Produção
 
Aula 7 - Sistemas de Produção
Aula 7 - Sistemas de ProduçãoAula 7 - Sistemas de Produção
Aula 7 - Sistemas de Produção
 
Aula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de ProduçãoAula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de Produção
 
Roteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hstRoteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hst
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
 
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - SilmarInstalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
 
Aula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de ProduçãoAula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de Produção
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Sistemas de Produção
Aula 3 - Sistemas de ProduçãoAula 3 - Sistemas de Produção
Aula 3 - Sistemas de Produção
 
Gestão de projetos
Gestão de projetosGestão de projetos
Gestão de projetos
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
 
Aula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de ProduçãoAula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de Produção
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 

Semelhante a Gestão de Operações Planejamento Controle Capacidade

102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producaoEnock Viana
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoSara Dantas
 
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidosLuiz Fabiano Bonetti
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da ProduçãoRaniere Emin
 
Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10Jonas Marques
 
5c0fb45d42658444630ae031c0c49842
5c0fb45d42658444630ae031c0c498425c0fb45d42658444630ae031c0c49842
5c0fb45d42658444630ae031c0c49842Ana Beatriz Corrêa
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logisticaElaine Costa
 
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Lucas Braga
 
A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...
A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...
A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...IFMG e COLTEC
 
Artigo gestao_de_estoques
Artigo gestao_de_estoquesArtigo gestao_de_estoques
Artigo gestao_de_estoquesAntonio Branco
 
Gestão Demanda: Previsao Vendas
Gestão Demanda: Previsao VendasGestão Demanda: Previsao Vendas
Gestão Demanda: Previsao VendasUnipinhal
 
03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controlemartoncampos
 
U1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdf
U1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdfU1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdf
U1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdfCelsoCiamponi1
 
Aula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de MateriaisAula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de Materiaispcm1nd
 

Semelhante a Gestão de Operações Planejamento Controle Capacidade (20)

102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
 
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10
 
5c0fb45d42658444630ae031c0c49842
5c0fb45d42658444630ae031c0c498425c0fb45d42658444630ae031c0c49842
5c0fb45d42658444630ae031c0c49842
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logistica
 
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
 
Recursos Humanos
Recursos HumanosRecursos Humanos
Recursos Humanos
 
A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...
A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...
A importância da administração de produção como ferramenta impulsionadora da ...
 
Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
 
Artigo gestao_de_estoques
Artigo gestao_de_estoquesArtigo gestao_de_estoques
Artigo gestao_de_estoques
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
 
Gestão Demanda: Previsao Vendas
Gestão Demanda: Previsao VendasGestão Demanda: Previsao Vendas
Gestão Demanda: Previsao Vendas
 
Planejamento e controle
Planejamento e controlePlanejamento e controle
Planejamento e controle
 
P10 estoque custos
P10 estoque custosP10 estoque custos
P10 estoque custos
 
03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle
 
U1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdf
U1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdfU1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdf
U1S2 - PPCP e sistemas de produção.pdf
 
Doc.Igor_9
Doc.Igor_9Doc.Igor_9
Doc.Igor_9
 
Aula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de MateriaisAula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de Materiais
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (15)

Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5.1 - Ergonomia
Aula 5.1 - ErgonomiaAula 5.1 - Ergonomia
Aula 5.1 - Ergonomia
 
Aula 5 - Ergonomia
Aula 5 - ErgonomiaAula 5 - Ergonomia
Aula 5 - Ergonomia
 

Último

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Gestão de Operações Planejamento Controle Capacidade

  • 1. GESTÃO DE OPERAÇÕES Professor: Daniel Moura Disciplina: Sistemas de Produção Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. INTRODUÇÃO A gestão de operações preocupa-se com as atividades de projeto, planejamento e controle dos sistemas de manufatura, transporte, suprimento e serviço;
  • 3. Input Recursos a serem transformados Materiais informações Consumidores Estratégia de produção Objetivos estratégicos da produção Papel e posição competitiva da Produção`` Ambiente INPUT Instalações Pessoal Input Recursos de transformação Planejamento e controle MelhoriaProjeto OUTPUT Bens e Serviços Ambiente
  • 4. NATUREZA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE OBJETIVO: garantir que os processos ocorram de acordo com padrões esperados de forma a suprir os clientes de produtos e serviços previstos , ou , garantir o suprimento de serviços e produtos de acordo com a demandae produtos de acordo com a demanda PLANEJAMENTO: plano elaborado envolvendo a previsão dos diferentes recursos de entrada, sua conversão ou transformação e os resultados esperados. CONTROLE: processo necessário no sentido de verificar eventuais alterações na realização dos planos.
  • 5. Independentemente de se tratar de um sistema de manufatura, transporte, suprimento, ou serviço, as áreas da gestão de operações de sistemas de produção podem ser categorizadas em três “principais”: a programação, o estoque eem três “principais”: a programação, o estoque e a capacidade.
  • 6. PROGRAMAÇÃO A programação origina-se na previsão de vendas, ou nelas próprias, dependendo de como trabalhe o sistema, com o objetivo de que se estabeleça a ordem de prioridades e a seqüência de operações.operações. De acordo Monks (1987), o propósito da previsão é usar a melhor informação disponível para dirigir atividades futuras em direção às metas da empresa. As boas previsões permitem aos gerentes planejar níveis adequados de recursos, como pessoas, matéria-prima, capital, estoque e inúmeras outras variáveis.
  • 7. Previsão econômica: este método diz respeito a estimativas de vendas pelos membros da equipe de marketing que estão em contato com as condições presentes e futuras no mercado; Previsão estatística: a partir de dados históricos, técnicas estatísticas são empregadas para projetartécnicas estatísticas são empregadas para projetar dados do passado no futuro.
  • 8. Como definições importantes da área de programação têm-se os prazos de entrega para os itens fabricados e comprados e a seqüência das operações a serem realizadas, através das seguintes etapas:seguintes etapas: Roteiro: seqüência do processo produtivo; Aprazamento: estabelecimento de datas de início e fim de cada atividade; Emissão de ordens: implementação do plano de produção, emitindo a documentação necessária para o início das operações (compra, fabricação e montagem) e liberando-as quando os recursos estiverem disponíveis (Tubino, 1997).
  • 9. PRINCIPAIS PROBLEMAS RELACIONADOS À ÁREA DE PROGRAMAÇÃO Ocorrência de filas; Perda de mercado; Estocagem de saídas.Estocagem de saídas.
  • 10. GESTÃO DE ESTOQUES O que é Estoque? É a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação; Todas operações mantêm estoque... Hotel;Hotel; Hospital; Cozinha industrial; Loja de varejo; Distribuidor de autopeças; Manufatura de linha branca; Fabricante de jóias.
  • 11. GESTÃO DE ESTOQUES A finalidade do estoque em qualquer sistema de produção é de “alimentar o fluxo produção- venda, de forma contínua e uniforme, evitando as interrupções” (Machline, 1990).
  • 12. Por que existe Estoque?
  • 13. TIPOS DE ESTOQUE Estoques de entrada (matérias-primas, insumos etc.): proteger de flutuações de suprimento a função de produção. As maneiras e facilidades com que isto poderá ser alcançado serão influenciadas pela estrutura do restante doinfluenciadas pela estrutura do restante do sistema;
  • 14. Estoques intermediários (materiais e produtos em processo): garantir as flutuações no âmbito do processo. Corresponde aos estoques de componentes de montagens de cada produto acabado. A origem deste tipo de estoque estáacabado. A origem deste tipo de estoque está relacionada com a existência de um período de permanência dos componentes no sistema, enquanto ocorre a sua montagem. Os esforços no sentido de reduzir este tipo de estoque deverão focalizar principalmente o tempo de produção (“lead time” de produção);
  • 15. Estoques de saída (produto acabado): garantir as flutuações relativamente ao produto acabado. Esses estoques facilitam a relação da empresa com o seu mercado porquanto mantém em nível adequado a disponibilidade de bens,adequado a disponibilidade de bens, proporcionando a indispensável obediência aos prazos estabelecidos para a entrega.
  • 16. “Vantagens” na formação de estoques Atender aos clientes com demandas variáveis (imediatas ou sazonais); Proteger contra erros de suprimento, faltas e estoque esgotado; Facilitar a produção de bens diferentes nasFacilitar a produção de bens diferentes nas mesmas instalações; Fornecer um meio de obter e manusear materiais em lotes econômicos e ganhar descontos por quantidades; Fornecer um meio de proteção contra as incertezas de entregas e preços futuros, tais como greves, aumento de preço e inflação.
  • 17. PRINCIPAIS PROBLEMAS RELACIONADOS À ÁREA DE ESTOQUES Custos; Programação; Controle.
  • 18. CAPACIDADE DE UMA OPERAÇÃO Nível máximo e potencial de uma operação (quantidade de trabalho) na unidade de tempo; Estabelecida para um período de tempo futuro; Objetivo: manter a produção balanceada (equilibrada) Combinação de recursos Demanda Capacidade disponível da organização
  • 19. Medidas de capacidade: insumos ou produtividade
  • 20. Medidas de Capacidade Usando medidas de produção Instituição Medida de capacidade Siderúrgica Toneladas de aço/mês Refinaria de petróleo Litros de gasolina/diaRefinaria de petróleo Litros de gasolina/dia Montadora de automóveis Número de carros/mês Companhia de papel Toneladas de papel/semana Companhia de eletricidade Megawatts/hora Fazenda Toneladas de grãos/ano
  • 21. Medidas de Capacidade Usando medidas de insumos Companhia aérea Número de assentos/vôo Restaurante Números de refeições/dia Teatro (ou cinema) Número de assentosTeatro (ou cinema) Número de assentos Hotel Número de quartos (hóspedes) Hospital Número de leitos Escola Números de vagas
  • 22. DECISÕES SOBRE CAPACIDADE Avaliação da capacidade existente Previsões de futuras necessidades de capacidade Formas de alteração da capacidadeFormas de alteração da capacidade Formas de alteração da demanda Capacidade x desempenho Como incrementar capacidade Como obter capacidade adicional
  • 23. UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE Exemplo: Capacidade de projeto = 24 h/dia x 7 dias /sem. = 168 h / sem. Perdas de tempo = planejadas e não planejadas No exemplo = 59 h/sem + 58 h/sem. = 117 h/sem.No exemplo = 59 h/sem + 58 h/sem. = 117 h/sem. Capacidade efetiva = 168 – 59 = 109 h/sem. Capacidade real = 168 – 117 = 51 h/sem. Utilização = 51 / 168 = 0,304 ou 30,4% da capacidade de projeto. Eficiência = 51 / 109 = 0, 468 ou 46,8 % da capacidade efetiva ou possível de ser usada
  • 24. CAPACIDADE E PROGRAMAÇÃO Uma capacidade em excesso, inevitavelmente origina baixa produtividade dos recursos, enquanto uma capacidade inadequada compromete a qualidade do produto e do prazo.produto e do prazo. Como a capacidade do sistema é um reflexo da natureza e quantidade de recursos disponíveis no sistema, ajustes em curto prazo são geralmente difíceis.
  • 25. Relação Capacidade x Programação Acomodação de longo prazo
  • 26. CAPACIDADE E ESTOQUES Decisões com respeito à capacidade do sistema irão afetar a gestão de estoques, tanto através de sua influência na escolha ou na conveniência do uso de estoques, como também na maneira da forma de utilidadetambém na maneira da forma de utilidade desses estoques.
  • 27. A relação da capacidade com os estoques se opera numa perspectiva de curto prazo, na medida em que estes buscam regular eventuais desbalanceamentos. Importa observar que as acomodações (programação e estoque) se dão de maneira a buscar a menor conseqüência possível para a estrutura.
  • 28. RECURSOS VARIÁVEIS DE AJUSTE PARA A CAPACIDADE Tempo de uso das instalações: horários de trabalho Horas extras e tempo ocioso Tamanho da força de trabalho ou quantidade de m.O. Contratação e demissão de pessoal Horas extras e tempo parcialHoras extras e tempo parcial Trabalho de M.O. temporária Obs: restrições legais; sindicais; éticas; fadiga; aprendizagem Estoques quando possível Subcontratação à outras empresas Obs: disponibilidade no mercado; conflitos mercadológicos; conflitos técnicos e de qualidade.
  • 29. POLÍTICA DE ALTERAÇÃO OU COMPENSAÇÃO DA DEMANDA Trata-se de encontrar alternativas que variem a demanda ou que utilizem os recursos de capacidade de forma a minimizar os custos operacionais no período de planejamento agregado. Promoção de preços diferenciadosPromoção de preços diferenciados Propaganda dirigida Promoção na baixa da sazonalidade Produtos complementares sazonais Sorvetes x chocolates Panetone x colomba Ofertas de outros atrativos