SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
ARRANJO FÍSICO E FLUXO
Professor: Daniel Moura
Disciplina: Sistemas de Produção
Curso: Graduação em Engenharia de Produção
INTRODUÇÃO
 Preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de
transformação.
 é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas,
equipamentos, pessoal da produção.
 determina sua "forma" e aparência.
 É aquilo que a maioria de nós notaria em primeiro lugar
quando entrasse pela primeira vez em uma unidade
produtiva.
Layout e Fluxo
Layout e
fluxo
PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO
Há algumas razões práticas pelas quais as decisões de arranjo
físico são importantes na maioria dos tipos de produção:
• Mudança de arranjo físico é, frequentemente, uma atividade
difícil e de longa duração por causa das dimensões físicas
dos recursos de transformação movidos.
• O rearranjo físico de uma operação existente pode
interromper seu funcionamento, levando à insatisfação do
cliente ou a perdas na produção.
PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO
• O arranjo físico inadequado pode levar a:
 padrões de fluxo longos ou confusos;
 estoque de materiais;
 filas de clientes formando- se ao longo da operação;
 inconveniências para os clientes;
 tempos de processamento longos;
 operações inflexíveis;
 fluxos imprevisíveis e altos custos.
Arranjo físico – Destaca a distribuição das seis injetoras plásticas e estoque de material em processo.
Selecioneo tipodeprocesso
 O conceito do tipo de processo é, muitas vezes, confundido
com o arranjo físico.
 • Por Projeto
 • Por Jobbing
 • Em Lote ou Batelada
 • Em Massa
 • Contínuo
PROCESSOS DE MANUFATURA
PROJETO INTERMITENTE FLUXO EM LINHA
JOB SHOP EM LOTES LINHA DE MONTAGEM CONTÍNUO
Baixos
Volume de
Produtos
Altos
Tipos de Processos em Manufatura
Tipos básicosde Arranjo físico
 Posicional;
 Por processo;
 Por produto;
 Celular.
Arranjofísicoposicional
Arranjo físico posicional (também conhecido como arranjo
físico de posição fixa)
Os recursos transformados não se movem entre os recursos
transformadores.
Em vez de materiais, informações ou clientes fluírem por
uma operação, quem sofre o processamento fica
estacionário, enquanto equipamento, maquinário,
instalações e pessoas movem-se na medida do necessário.
Arranjofísicoposicional
exemplo:
• Construção de uma rodovia - produto é muito
grande para ser movido.
• Cirurgia de coração - pacientes estão em um estado
muito delicado para serem movidos.
• Manutenção de computador de grande porte -
produto muito grande e provavelmente também
muito delicado para ser movido e o cliente poderia
negar-se a trazê- Io para manutenção.
Arranjofísicoporprocesso
 Os processos similares (ou processos com necessidades
similares) são localizados juntos um do outro.
 A razão pode ser que seja conveniente para a operação
mantê-Ios juntos, ou que dessa forma a utilização dos
recursos transformadores seja beneficiada.
 Isso significa que, quando produtos, informações ou
clientes fluírem pela operação, eles percorrerão um roteiro
de processo a processo, de acordo com suas necessidades.
Arranjofísicoporprocesso
• Hospital - alguns processos (e.g.: aparelhos de raios-X e
laboratórios) são necessários a um grande número de
diferentes tipos de pacientes;
• Usinagem de peças utilizadas em motores de aviões - alguns
processos (e.g.: tratamento térmico) necessitam de
instalações especiais (para exaustão de fumaça, por
exemplo);
• Supermercado - alguns processos, como a área que dispõe de
enlatados, oferecem maior facilidade na reposição dos
produtos se mantidos agrupados.
Layout
Layout
Layout
Layout
Arranjofísicoporproduto
o arranjo físico por produto envolve localizar os
recursos produtivos transformadores inteiramente
segundo a melhor conveniência do recurso que
está sendo transformado.
• Montagem de automóveis
• Programa de vacinação em massa
• Restaurante self-service
Layout
Layout
Layout
Arranjofísicocelular
 É aquele em que os recursos transformados, entrando na
operação, são pré-selecionados
 Para movimentar-se para uma parte específica da operação
(ou célula)
 Na qual todos os recursos transformadores necessários a
atender a suas necessidades imediatas de processamento se
encontram.
EX.: Algumas empresas manufatureiras
Layout
Layout
Arranjos físicos mistos
 Muitas operações ou projetam arranjos físicos mistos
 Por exemplo, um hospital normalmente seria
arranjado conforme os princípios do arranjo físico por
processo
 O departamento de radiologia provavelmente é
arranjado por processo, as salas de cirurgia, segundo
um arranjo físico posicional, e o laboratório de
processamento de sangue, conforme um arranjo físico
por produto.
 Outro exemplo é um complexo de restaurantes é mostrado com três
tipos diferentes de restaurante e a cozinha que serve aos três.
 A cozinha é organizada conforme um arranjo físico por processo,
com os processos (armazenamento de ingredientes, preparação da
comida, processos de cozimento etc.) agrupados.
 Diferentes pratos percorrerão diferentes roteiros entre processos
dependendo de seus requisitos de processamento.
 O restaurante tradicional é organizado segundo um arranjo físico
posicional.
 O restaurante do tipo buffet é arranjado de forma celular.
Selecionandoum tipodearranjofísico
 A decisão de qual tipo de arranjo físico adotar
raramente, se tanto, envolve uma escolha entre os
quatro tipos básicos.
 A Tabela 7.2 mostra algumas das mais
significativas vantagens e desvantagens associadas
a cada tipo básico de arranjo físico.
Layout
Tipos básicos de
layout
Posicional
Por processo
Por produto
Celular
Projeto detalhado de
Layout
Que faz um bomarranjofísico?
 • Segurança inerente - todos os processos que podem
representar perigo, tanto para a mão-de-obra como para os
clientes, não devem ser acessíveis a pessoas não
autorizadas. Saídas de incêndio devem ser claramente
sinalizadas com acesso desimpedido.
 • Extensão do fluxo - o fluxo de materiais, informações ou
clientes deve ser canalizado pelo arranjo físico, de forma a
atender aos objetivos da operação. Em muitas operações,
isso significa minimizar as distâncias percorridas pelos
recursos transformados.
 • Clareza de fluxo - todo o fluxo de materiais e
clientes deve ser sinalizado de forma clara e
evidente para clientes e para mão-de-obra.
 • Conforto da mão-de-obra - a mão-de-obra deve
ser alocada para locais distantes de partes
barulhentas ou desagradáveis da operação. O
arranjo físico deve prover um ambiente de trabalho
bem ventilado, iluminado e, quando possível,
agradável.
 • Coordenação gerencial- supervisão e coordenação
devem ser facilitadas pela localização da mão-de-
obra e dispositivos de comunicação.
 • Acesso - todas as máquinas, equipamentos e
instalações devem estar acessíveis para permitir
adequada limpeza e manutenção.
 • Uso do espaço - todos os arranjos físicos devem
permitir uso adequado de espaço disponível da
operação.
 • Flexibilidade de longo prazo - os arranjos físicos
devem ser mudados periodicamente à medida que
as necessidades da operação mudam. Um bom
arranjo físico terá sido concebido com as
potenciais necessidades futuras da operação em
mente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produçãomilton junior
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Maritta Barbosa
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Geovana Pires Lima
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layoutRaylson Rabelo
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02Sheila Moreira Bezerra
 
Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcMoises Ribeiro
 
Aula engmet - parte 3
Aula   engmet - parte 3Aula   engmet - parte 3
Aula engmet - parte 3engmetodos
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesMoises Ribeiro
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoquesdouglas
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestrevivianepga
 

Mais procurados (20)

Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produção
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
PCP
PCPPCP
PCP
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 
Sistema de Produção Puxada
Sistema de Produção PuxadaSistema de Produção Puxada
Sistema de Produção Puxada
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
 
Slides almoxarifado 1255637095
Slides almoxarifado 1255637095Slides almoxarifado 1255637095
Slides almoxarifado 1255637095
 
Layout de estoque
Layout de estoqueLayout de estoque
Layout de estoque
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
 
Aula engmet - parte 3
Aula   engmet - parte 3Aula   engmet - parte 3
Aula engmet - parte 3
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
Almoxarifado
AlmoxarifadoAlmoxarifado
Almoxarifado
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
 

Destaque

Roteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hstRoteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hstDaniel Moura
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produçãoDaniel Moura
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábricaDaniel Moura
 
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - SilmarInstalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - SilmarSilmar Silva
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPDaniel Moura
 
Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsaDaniel Moura
 
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo FísicoPhilippe Elias
 

Destaque (20)

Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 
Aula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de ProduçãoAula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de Produção
 
Aula 4 - Sistemas de Produção
Aula 4 - Sistemas de ProduçãoAula 4 - Sistemas de Produção
Aula 4 - Sistemas de Produção
 
Aula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de ProduçãoAula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de Produção
 
Roteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hstRoteiro do projeto de hst
Roteiro do projeto de hst
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
 
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - SilmarInstalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
Instalações Industriais: Aula 01 - Introdução e Luminotécico - Silmar
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
 
Aula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de ProduçãoAula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de Produção
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Sistemas de Produção
Aula 3 - Sistemas de ProduçãoAula 3 - Sistemas de Produção
Aula 3 - Sistemas de Produção
 
Gestão de projetos
Gestão de projetosGestão de projetos
Gestão de projetos
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
 
Aula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de ProduçãoAula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de Produção
 
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 

Semelhante a Layout e fluxo de produção

Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo FísicoAula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo FísicoWilian Gatti Jr
 
Gestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. DonizeteGestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. DonizeteDoniSantos
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logisticaElaine Costa
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoSara Dantas
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layoutDaniel Moura
 
Aula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdfAula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdfPedro Luis Moraes
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controlemartoncampos
 
Aula 08 operaçoes
Aula 08   operaçoesAula 08   operaçoes
Aula 08 operaçoesKatia Gomide
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Marcos Abreu
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da ProduçãoRaniere Emin
 
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao TrabalhoErgonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao Trabalhoadrianobatista.bh
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de OperaçõesUnidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de OperaçõesDaniel Moura
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 -  Gestão de OperaçõesUnidade 5 -  Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de OperaçõesDaniel Moura
 

Semelhante a Layout e fluxo de produção (20)

Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo FísicoAula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
Aula Gestão da Produção e Logística: Arranjo Físico
 
Gestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. DonizeteGestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. Donizete
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logistica
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
 
Doc.Igor_9
Doc.Igor_9Doc.Igor_9
Doc.Igor_9
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
 
Aula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdfAula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdf
 
Estudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalhoEstudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalho
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle
 
Aula 08 operaçoes
Aula 08   operaçoesAula 08   operaçoes
Aula 08 operaçoes
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao TrabalhoErgonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
 
Recursos Humanos
Recursos HumanosRecursos Humanos
Recursos Humanos
 
operacoes.pptx
operacoes.pptxoperacoes.pptx
operacoes.pptx
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de OperaçõesUnidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 -  Gestão de OperaçõesUnidade 5 -  Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
 
Produção
ProduçãoProdução
Produção
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (17)

Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5.1 - Ergonomia
Aula 5.1 - ErgonomiaAula 5.1 - Ergonomia
Aula 5.1 - Ergonomia
 
Aula 5 - Ergonomia
Aula 5 - ErgonomiaAula 5 - Ergonomia
Aula 5 - Ergonomia
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 

Layout e fluxo de produção

  • 1. ARRANJO FÍSICO E FLUXO Professor: Daniel Moura Disciplina: Sistemas de Produção Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. INTRODUÇÃO  Preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de transformação.  é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos, pessoal da produção.  determina sua "forma" e aparência.  É aquilo que a maioria de nós notaria em primeiro lugar quando entrasse pela primeira vez em uma unidade produtiva.
  • 4.
  • 5. PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO Há algumas razões práticas pelas quais as decisões de arranjo físico são importantes na maioria dos tipos de produção: • Mudança de arranjo físico é, frequentemente, uma atividade difícil e de longa duração por causa das dimensões físicas dos recursos de transformação movidos. • O rearranjo físico de uma operação existente pode interromper seu funcionamento, levando à insatisfação do cliente ou a perdas na produção.
  • 6. PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO • O arranjo físico inadequado pode levar a:  padrões de fluxo longos ou confusos;  estoque de materiais;  filas de clientes formando- se ao longo da operação;  inconveniências para os clientes;  tempos de processamento longos;  operações inflexíveis;  fluxos imprevisíveis e altos custos.
  • 7. Arranjo físico – Destaca a distribuição das seis injetoras plásticas e estoque de material em processo.
  • 8. Selecioneo tipodeprocesso  O conceito do tipo de processo é, muitas vezes, confundido com o arranjo físico.  • Por Projeto  • Por Jobbing  • Em Lote ou Batelada  • Em Massa  • Contínuo
  • 9. PROCESSOS DE MANUFATURA PROJETO INTERMITENTE FLUXO EM LINHA JOB SHOP EM LOTES LINHA DE MONTAGEM CONTÍNUO Baixos Volume de Produtos Altos Tipos de Processos em Manufatura
  • 10. Tipos básicosde Arranjo físico  Posicional;  Por processo;  Por produto;  Celular.
  • 11. Arranjofísicoposicional Arranjo físico posicional (também conhecido como arranjo físico de posição fixa) Os recursos transformados não se movem entre os recursos transformadores. Em vez de materiais, informações ou clientes fluírem por uma operação, quem sofre o processamento fica estacionário, enquanto equipamento, maquinário, instalações e pessoas movem-se na medida do necessário.
  • 12. Arranjofísicoposicional exemplo: • Construção de uma rodovia - produto é muito grande para ser movido. • Cirurgia de coração - pacientes estão em um estado muito delicado para serem movidos. • Manutenção de computador de grande porte - produto muito grande e provavelmente também muito delicado para ser movido e o cliente poderia negar-se a trazê- Io para manutenção.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Arranjofísicoporprocesso  Os processos similares (ou processos com necessidades similares) são localizados juntos um do outro.  A razão pode ser que seja conveniente para a operação mantê-Ios juntos, ou que dessa forma a utilização dos recursos transformadores seja beneficiada.  Isso significa que, quando produtos, informações ou clientes fluírem pela operação, eles percorrerão um roteiro de processo a processo, de acordo com suas necessidades.
  • 16. Arranjofísicoporprocesso • Hospital - alguns processos (e.g.: aparelhos de raios-X e laboratórios) são necessários a um grande número de diferentes tipos de pacientes; • Usinagem de peças utilizadas em motores de aviões - alguns processos (e.g.: tratamento térmico) necessitam de instalações especiais (para exaustão de fumaça, por exemplo); • Supermercado - alguns processos, como a área que dispõe de enlatados, oferecem maior facilidade na reposição dos produtos se mantidos agrupados.
  • 19. Arranjofísicoporproduto o arranjo físico por produto envolve localizar os recursos produtivos transformadores inteiramente segundo a melhor conveniência do recurso que está sendo transformado. • Montagem de automóveis • Programa de vacinação em massa • Restaurante self-service
  • 21.
  • 22.
  • 24. Arranjofísicocelular  É aquele em que os recursos transformados, entrando na operação, são pré-selecionados  Para movimentar-se para uma parte específica da operação (ou célula)  Na qual todos os recursos transformadores necessários a atender a suas necessidades imediatas de processamento se encontram. EX.: Algumas empresas manufatureiras
  • 26.
  • 27.
  • 28. Arranjos físicos mistos  Muitas operações ou projetam arranjos físicos mistos  Por exemplo, um hospital normalmente seria arranjado conforme os princípios do arranjo físico por processo  O departamento de radiologia provavelmente é arranjado por processo, as salas de cirurgia, segundo um arranjo físico posicional, e o laboratório de processamento de sangue, conforme um arranjo físico por produto.
  • 29.  Outro exemplo é um complexo de restaurantes é mostrado com três tipos diferentes de restaurante e a cozinha que serve aos três.  A cozinha é organizada conforme um arranjo físico por processo, com os processos (armazenamento de ingredientes, preparação da comida, processos de cozimento etc.) agrupados.  Diferentes pratos percorrerão diferentes roteiros entre processos dependendo de seus requisitos de processamento.  O restaurante tradicional é organizado segundo um arranjo físico posicional.  O restaurante do tipo buffet é arranjado de forma celular.
  • 30. Selecionandoum tipodearranjofísico  A decisão de qual tipo de arranjo físico adotar raramente, se tanto, envolve uma escolha entre os quatro tipos básicos.  A Tabela 7.2 mostra algumas das mais significativas vantagens e desvantagens associadas a cada tipo básico de arranjo físico.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Layout Tipos básicos de layout Posicional Por processo Por produto Celular Projeto detalhado de Layout
  • 34. Que faz um bomarranjofísico?  • Segurança inerente - todos os processos que podem representar perigo, tanto para a mão-de-obra como para os clientes, não devem ser acessíveis a pessoas não autorizadas. Saídas de incêndio devem ser claramente sinalizadas com acesso desimpedido.  • Extensão do fluxo - o fluxo de materiais, informações ou clientes deve ser canalizado pelo arranjo físico, de forma a atender aos objetivos da operação. Em muitas operações, isso significa minimizar as distâncias percorridas pelos recursos transformados.
  • 35.  • Clareza de fluxo - todo o fluxo de materiais e clientes deve ser sinalizado de forma clara e evidente para clientes e para mão-de-obra.  • Conforto da mão-de-obra - a mão-de-obra deve ser alocada para locais distantes de partes barulhentas ou desagradáveis da operação. O arranjo físico deve prover um ambiente de trabalho bem ventilado, iluminado e, quando possível, agradável.
  • 36.  • Coordenação gerencial- supervisão e coordenação devem ser facilitadas pela localização da mão-de- obra e dispositivos de comunicação.  • Acesso - todas as máquinas, equipamentos e instalações devem estar acessíveis para permitir adequada limpeza e manutenção.
  • 37.  • Uso do espaço - todos os arranjos físicos devem permitir uso adequado de espaço disponível da operação.  • Flexibilidade de longo prazo - os arranjos físicos devem ser mudados periodicamente à medida que as necessidades da operação mudam. Um bom arranjo físico terá sido concebido com as potenciais necessidades futuras da operação em mente.