SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
ARRANJO FÍSICO E FLUXO
Professor: Daniel Moura
Disciplina: Sistemas de Produção
Curso: Graduação em Engenharia de Produção
INTRODUÇÃO
 Preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de
transformação.
 é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas,
equipamentos, pessoal da produção.
 determina sua "forma" e aparência.
 É aquilo que a maioria de nós notaria em primeiro lugar
quando entrasse pela primeira vez em uma unidade
produtiva.
Layout e Fluxo
Layout e
fluxo
PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO
Há algumas razões práticas pelas quais as decisões de arranjo
físico são importantes na maioria dos tipos de produção:
• Mudança de arranjo físico é, frequentemente, uma atividade
difícil e de longa duração por causa das dimensões físicas
dos recursos de transformação movidos.
• O rearranjo físico de uma operação existente pode
interromper seu funcionamento, levando à insatisfação do
cliente ou a perdas na produção.
PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO
• O arranjo físico inadequado pode levar a:
 padrões de fluxo longos ou confusos;
 estoque de materiais;
 filas de clientes formando- se ao longo da operação;
 inconveniências para os clientes;
 tempos de processamento longos;
 operações inflexíveis;
 fluxos imprevisíveis e altos custos.
Arranjo físico – Destaca a distribuição das seis injetoras plásticas e estoque de material em processo.
Selecioneo tipodeprocesso
 O conceito do tipo de processo é, muitas vezes, confundido
com o arranjo físico.
 • Por Projeto
 • Por Jobbing
 • Em Lote ou Batelada
 • Em Massa
 • Contínuo
PROCESSOS DE MANUFATURA
PROJETO INTERMITENTE FLUXO EM LINHA
JOB SHOP EM LOTES LINHA DE MONTAGEM CONTÍNUO
Baixos
Volume de
Produtos
Altos
Tipos de Processos em Manufatura
Tipos básicosde Arranjo físico
 Posicional;
 Por processo;
 Por produto;
 Celular.
Arranjofísicoposicional
Arranjo físico posicional (também conhecido como arranjo
físico de posição fixa)
Os recursos transformados não se movem entre os recursos
transformadores.
Em vez de materiais, informações ou clientes fluírem por
uma operação, quem sofre o processamento fica
estacionário, enquanto equipamento, maquinário,
instalações e pessoas movem-se na medida do necessário.
Arranjofísicoposicional
exemplo:
• Construção de uma rodovia - produto é muito
grande para ser movido.
• Cirurgia de coração - pacientes estão em um estado
muito delicado para serem movidos.
• Manutenção de computador de grande porte -
produto muito grande e provavelmente também
muito delicado para ser movido e o cliente poderia
negar-se a trazê- Io para manutenção.
Arranjofísicoporprocesso
 Os processos similares (ou processos com necessidades
similares) são localizados juntos um do outro.
 A razão pode ser que seja conveniente para a operação
mantê-Ios juntos, ou que dessa forma a utilização dos
recursos transformadores seja beneficiada.
 Isso significa que, quando produtos, informações ou
clientes fluírem pela operação, eles percorrerão um roteiro
de processo a processo, de acordo com suas necessidades.
Arranjofísicoporprocesso
• Hospital - alguns processos (e.g.: aparelhos de raios-X e
laboratórios) são necessários a um grande número de
diferentes tipos de pacientes;
• Usinagem de peças utilizadas em motores de aviões - alguns
processos (e.g.: tratamento térmico) necessitam de
instalações especiais (para exaustão de fumaça, por
exemplo);
• Supermercado - alguns processos, como a área que dispõe de
enlatados, oferecem maior facilidade na reposição dos
produtos se mantidos agrupados.
Layout
Layout
Layout
Layout
Arranjofísicoporproduto
o arranjo físico por produto envolve localizar os
recursos produtivos transformadores inteiramente
segundo a melhor conveniência do recurso que
está sendo transformado.
• Montagem de automóveis
• Programa de vacinação em massa
• Restaurante self-service
Layout
Layout
Layout
Arranjofísicocelular
 É aquele em que os recursos transformados, entrando na
operação, são pré-selecionados
 Para movimentar-se para uma parte específica da operação
(ou célula)
 Na qual todos os recursos transformadores necessários a
atender a suas necessidades imediatas de processamento se
encontram.
EX.: Algumas empresas manufatureiras
Layout
Layout
Arranjos físicos mistos
 Muitas operações ou projetam arranjos físicos mistos
 Por exemplo, um hospital normalmente seria
arranjado conforme os princípios do arranjo físico por
processo
 O departamento de radiologia provavelmente é
arranjado por processo, as salas de cirurgia, segundo
um arranjo físico posicional, e o laboratório de
processamento de sangue, conforme um arranjo físico
por produto.
 Outro exemplo é um complexo de restaurantes é mostrado com três
tipos diferentes de restaurante e a cozinha que serve aos três.
 A cozinha é organizada conforme um arranjo físico por processo,
com os processos (armazenamento de ingredientes, preparação da
comida, processos de cozimento etc.) agrupados.
 Diferentes pratos percorrerão diferentes roteiros entre processos
dependendo de seus requisitos de processamento.
 O restaurante tradicional é organizado segundo um arranjo físico
posicional.
 O restaurante do tipo buffet é arranjado de forma celular.
Selecionandoum tipodearranjofísico
 A decisão de qual tipo de arranjo físico adotar
raramente, se tanto, envolve uma escolha entre os
quatro tipos básicos.
 A Tabela 7.2 mostra algumas das mais
significativas vantagens e desvantagens associadas
a cada tipo básico de arranjo físico.
Layout
Tipos básicos de
layout
Posicional
Por processo
Por produto
Celular
Projeto detalhado de
Layout
Que faz um bomarranjofísico?
 • Segurança inerente - todos os processos que podem
representar perigo, tanto para a mão-de-obra como para os
clientes, não devem ser acessíveis a pessoas não
autorizadas. Saídas de incêndio devem ser claramente
sinalizadas com acesso desimpedido.
 • Extensão do fluxo - o fluxo de materiais, informações ou
clientes deve ser canalizado pelo arranjo físico, de forma a
atender aos objetivos da operação. Em muitas operações,
isso significa minimizar as distâncias percorridas pelos
recursos transformados.
 • Clareza de fluxo - todo o fluxo de materiais e
clientes deve ser sinalizado de forma clara e
evidente para clientes e para mão-de-obra.
 • Conforto da mão-de-obra - a mão-de-obra deve
ser alocada para locais distantes de partes
barulhentas ou desagradáveis da operação. O
arranjo físico deve prover um ambiente de trabalho
bem ventilado, iluminado e, quando possível,
agradável.
 • Coordenação gerencial- supervisão e coordenação
devem ser facilitadas pela localização da mão-de-
obra e dispositivos de comunicação.
 • Acesso - todas as máquinas, equipamentos e
instalações devem estar acessíveis para permitir
adequada limpeza e manutenção.
 • Uso do espaço - todos os arranjos físicos devem
permitir uso adequado de espaço disponível da
operação.
 • Flexibilidade de longo prazo - os arranjos físicos
devem ser mudados periodicamente à medida que
as necessidades da operação mudam. Um bom
arranjo físico terá sido concebido com as
potenciais necessidades futuras da operação em
mente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de ProduçãoMauro Enrique
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producaoHélio Diniz
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in timetrainertek
 
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4   planejamento de depósitos e armazénsUnidade 4   planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazénsDaniel Moura
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layoutRaylson Rabelo
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoLuiza Mucida
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicasCorreios
 
Unidade iv.2 gestão de pedidos
Unidade iv.2   gestão de pedidosUnidade iv.2   gestão de pedidos
Unidade iv.2 gestão de pedidosDaniel Moura
 

Mais procurados (20)

Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
 
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4   planejamento de depósitos e armazénsUnidade 4   planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produção
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em OperaçõesArranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Unidade iv.2 gestão de pedidos
Unidade iv.2   gestão de pedidosUnidade iv.2   gestão de pedidos
Unidade iv.2 gestão de pedidos
 

Destaque

13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo FísicoPhilippe Elias
 
Aula engmet - parte 3
Aula   engmet - parte 3Aula   engmet - parte 3
Aula engmet - parte 3engmetodos
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layoutDaniel Moura
 
Unidade 1 níveis de instalações
Unidade 1   níveis de instalaçõesUnidade 1   níveis de instalações
Unidade 1 níveis de instalaçõesDaniel Moura
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaçosDaniel Moura
 
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2   planejamento estrat+®gico do layoutUnidade 2   planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layoutDaniel Moura
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábricaDaniel Moura
 
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoesAula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoesGrupo Tiradentes
 
Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)
Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)
Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)Giovanni Roldán Crespo
 
Elaboracion de productos carnicos - mortadela
  Elaboracion de productos carnicos - mortadela  Elaboracion de productos carnicos - mortadela
Elaboracion de productos carnicos - mortadelaJhonâs Abner Vega Viera
 
courier service strategy
 courier service strategy courier service strategy
courier service strategypratik dattani
 

Destaque (19)

13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
 
Planejamento inicial layout
Planejamento inicial layoutPlanejamento inicial layout
Planejamento inicial layout
 
Aula engmet - parte 3
Aula   engmet - parte 3Aula   engmet - parte 3
Aula engmet - parte 3
 
8862194 apostila-arranjo-fisico
8862194 apostila-arranjo-fisico8862194 apostila-arranjo-fisico
8862194 apostila-arranjo-fisico
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
 
Importância do Layout Interno
Importância do Layout InternoImportância do Layout Interno
Importância do Layout Interno
 
Unidade 1 níveis de instalações
Unidade 1   níveis de instalaçõesUnidade 1   níveis de instalações
Unidade 1 níveis de instalações
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
 
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2   planejamento estrat+®gico do layoutUnidade 2   planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
 
Design - Layout
Design - LayoutDesign - Layout
Design - Layout
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
 
Layout de Cozinha
Layout de CozinhaLayout de Cozinha
Layout de Cozinha
 
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoesAula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
 
Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)
Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)
Ley orgánica de libertad e igualdad religiosa(2)
 
Geometría analítica
Geometría analíticaGeometría analítica
Geometría analítica
 
Elaboracion de productos carnicos - mortadela
  Elaboracion de productos carnicos - mortadela  Elaboracion de productos carnicos - mortadela
Elaboracion de productos carnicos - mortadela
 
courier service strategy
 courier service strategy courier service strategy
courier service strategy
 
Pirámides de población de España
Pirámides de población de EspañaPirámides de población de España
Pirámides de población de España
 
Ley h y s
Ley h y sLey h y s
Ley h y s
 

Semelhante a Unidade 6 - Arranjo físico e fluxo

Gestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. DonizeteGestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. DonizeteDoniSantos
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logisticaElaine Costa
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoSara Dantas
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produçãomilton junior
 
Aula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdfAula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdfPedro Luis Moraes
 
Gestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logistica
Gestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logisticaGestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logistica
Gestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logisticamanuelfranc183
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controlemartoncampos
 
Aula 08 operaçoes
Aula 08   operaçoesAula 08   operaçoes
Aula 08 operaçoesKatia Gomide
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Marcos Abreu
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da ProduçãoRaniere Emin
 
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao TrabalhoErgonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao Trabalhoadrianobatista.bh
 

Semelhante a Unidade 6 - Arranjo físico e fluxo (20)

Gestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. DonizeteGestão da Produção - Prof. Donizete
Gestão da Produção - Prof. Donizete
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logistica
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produção
 
Doc.Igor_9
Doc.Igor_9Doc.Igor_9
Doc.Igor_9
 
Aula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdfAula 2 - Processos de Produção.pdf
Aula 2 - Processos de Produção.pdf
 
Layout de estoque
Layout de estoqueLayout de estoque
Layout de estoque
 
Gestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logistica
Gestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logisticaGestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logistica
Gestão_Log_Apr_.pptx Aprovisionamento e logistica
 
Estudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalhoEstudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalho
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle03 Planejamento E Controle
03 Planejamento E Controle
 
Aula 08 operaçoes
Aula 08   operaçoesAula 08   operaçoes
Aula 08 operaçoes
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Aula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de ProduçãoAula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de Produção
 
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao TrabalhoErgonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
 
Recursos Humanos
Recursos HumanosRecursos Humanos
Recursos Humanos
 
operacoes.pptx
operacoes.pptxoperacoes.pptx
operacoes.pptx
 

Mais de Daniel Moura

Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsaDaniel Moura
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPDaniel Moura
 
Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)Daniel Moura
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produçãoDaniel Moura
 
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
Capitulo 7   abc  custeio baseado em atividadesCapitulo 7   abc  custeio baseado em atividades
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividadesDaniel Moura
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custosDaniel Moura
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrãoDaniel Moura
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucroDaniel Moura
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custosDaniel Moura
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custosDaniel Moura
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa modernaDaniel Moura
 
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Capitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uepCapitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uep
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uepDaniel Moura
 
Plano de aula hst 2013.2
Plano de aula   hst 2013.2Plano de aula   hst 2013.2
Plano de aula hst 2013.2Daniel Moura
 
Ergonomia do produto
Ergonomia do produtoErgonomia do produto
Ergonomia do produtoDaniel Moura
 
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Unidade ii.3   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.3   estratégia de distribuição
Unidade ii.3 estratégia de distribuiçãoDaniel Moura
 
O problema energético global
O problema energético globalO problema energético global
O problema energético globalDaniel Moura
 
Matriz energética brasileira
Matriz energética brasileiraMatriz energética brasileira
Matriz energética brasileiraDaniel Moura
 
Intro à er e aspectos sócio ambientais
Intro à er e aspectos sócio ambientaisIntro à er e aspectos sócio ambientais
Intro à er e aspectos sócio ambientaisDaniel Moura
 

Mais de Daniel Moura (20)

Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
 
Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
 
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
Capitulo 7   abc  custeio baseado em atividadesCapitulo 7   abc  custeio baseado em atividades
Capitulo 7 abc custeio baseado em atividades
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
 
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Capitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uepCapitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uep
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
 
Plano de aula hst 2013.2
Plano de aula   hst 2013.2Plano de aula   hst 2013.2
Plano de aula hst 2013.2
 
Ergonomia do produto
Ergonomia do produtoErgonomia do produto
Ergonomia do produto
 
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Unidade ii.3   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.3   estratégia de distribuição
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 
O problema energético global
O problema energético globalO problema energético global
O problema energético global
 
Matriz energética brasileira
Matriz energética brasileiraMatriz energética brasileira
Matriz energética brasileira
 
Intro à er e aspectos sócio ambientais
Intro à er e aspectos sócio ambientaisIntro à er e aspectos sócio ambientais
Intro à er e aspectos sócio ambientais
 

Unidade 6 - Arranjo físico e fluxo

  • 1. ARRANJO FÍSICO E FLUXO Professor: Daniel Moura Disciplina: Sistemas de Produção Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. INTRODUÇÃO  Preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de transformação.  é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos, pessoal da produção.  determina sua "forma" e aparência.  É aquilo que a maioria de nós notaria em primeiro lugar quando entrasse pela primeira vez em uma unidade produtiva.
  • 4.
  • 5. PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO Há algumas razões práticas pelas quais as decisões de arranjo físico são importantes na maioria dos tipos de produção: • Mudança de arranjo físico é, frequentemente, uma atividade difícil e de longa duração por causa das dimensões físicas dos recursos de transformação movidos. • O rearranjo físico de uma operação existente pode interromper seu funcionamento, levando à insatisfação do cliente ou a perdas na produção.
  • 6. PROCEDIMENTO DE ARRANJO FÍSICO • O arranjo físico inadequado pode levar a:  padrões de fluxo longos ou confusos;  estoque de materiais;  filas de clientes formando- se ao longo da operação;  inconveniências para os clientes;  tempos de processamento longos;  operações inflexíveis;  fluxos imprevisíveis e altos custos.
  • 7. Arranjo físico – Destaca a distribuição das seis injetoras plásticas e estoque de material em processo.
  • 8. Selecioneo tipodeprocesso  O conceito do tipo de processo é, muitas vezes, confundido com o arranjo físico.  • Por Projeto  • Por Jobbing  • Em Lote ou Batelada  • Em Massa  • Contínuo
  • 9. PROCESSOS DE MANUFATURA PROJETO INTERMITENTE FLUXO EM LINHA JOB SHOP EM LOTES LINHA DE MONTAGEM CONTÍNUO Baixos Volume de Produtos Altos Tipos de Processos em Manufatura
  • 10. Tipos básicosde Arranjo físico  Posicional;  Por processo;  Por produto;  Celular.
  • 11. Arranjofísicoposicional Arranjo físico posicional (também conhecido como arranjo físico de posição fixa) Os recursos transformados não se movem entre os recursos transformadores. Em vez de materiais, informações ou clientes fluírem por uma operação, quem sofre o processamento fica estacionário, enquanto equipamento, maquinário, instalações e pessoas movem-se na medida do necessário.
  • 12. Arranjofísicoposicional exemplo: • Construção de uma rodovia - produto é muito grande para ser movido. • Cirurgia de coração - pacientes estão em um estado muito delicado para serem movidos. • Manutenção de computador de grande porte - produto muito grande e provavelmente também muito delicado para ser movido e o cliente poderia negar-se a trazê- Io para manutenção.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Arranjofísicoporprocesso  Os processos similares (ou processos com necessidades similares) são localizados juntos um do outro.  A razão pode ser que seja conveniente para a operação mantê-Ios juntos, ou que dessa forma a utilização dos recursos transformadores seja beneficiada.  Isso significa que, quando produtos, informações ou clientes fluírem pela operação, eles percorrerão um roteiro de processo a processo, de acordo com suas necessidades.
  • 16. Arranjofísicoporprocesso • Hospital - alguns processos (e.g.: aparelhos de raios-X e laboratórios) são necessários a um grande número de diferentes tipos de pacientes; • Usinagem de peças utilizadas em motores de aviões - alguns processos (e.g.: tratamento térmico) necessitam de instalações especiais (para exaustão de fumaça, por exemplo); • Supermercado - alguns processos, como a área que dispõe de enlatados, oferecem maior facilidade na reposição dos produtos se mantidos agrupados.
  • 19. Arranjofísicoporproduto o arranjo físico por produto envolve localizar os recursos produtivos transformadores inteiramente segundo a melhor conveniência do recurso que está sendo transformado. • Montagem de automóveis • Programa de vacinação em massa • Restaurante self-service
  • 21.
  • 22.
  • 24. Arranjofísicocelular  É aquele em que os recursos transformados, entrando na operação, são pré-selecionados  Para movimentar-se para uma parte específica da operação (ou célula)  Na qual todos os recursos transformadores necessários a atender a suas necessidades imediatas de processamento se encontram. EX.: Algumas empresas manufatureiras
  • 26.
  • 27.
  • 28. Arranjos físicos mistos  Muitas operações ou projetam arranjos físicos mistos  Por exemplo, um hospital normalmente seria arranjado conforme os princípios do arranjo físico por processo  O departamento de radiologia provavelmente é arranjado por processo, as salas de cirurgia, segundo um arranjo físico posicional, e o laboratório de processamento de sangue, conforme um arranjo físico por produto.
  • 29.  Outro exemplo é um complexo de restaurantes é mostrado com três tipos diferentes de restaurante e a cozinha que serve aos três.  A cozinha é organizada conforme um arranjo físico por processo, com os processos (armazenamento de ingredientes, preparação da comida, processos de cozimento etc.) agrupados.  Diferentes pratos percorrerão diferentes roteiros entre processos dependendo de seus requisitos de processamento.  O restaurante tradicional é organizado segundo um arranjo físico posicional.  O restaurante do tipo buffet é arranjado de forma celular.
  • 30. Selecionandoum tipodearranjofísico  A decisão de qual tipo de arranjo físico adotar raramente, se tanto, envolve uma escolha entre os quatro tipos básicos.  A Tabela 7.2 mostra algumas das mais significativas vantagens e desvantagens associadas a cada tipo básico de arranjo físico.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Layout Tipos básicos de layout Posicional Por processo Por produto Celular Projeto detalhado de Layout
  • 34. Que faz um bomarranjofísico?  • Segurança inerente - todos os processos que podem representar perigo, tanto para a mão-de-obra como para os clientes, não devem ser acessíveis a pessoas não autorizadas. Saídas de incêndio devem ser claramente sinalizadas com acesso desimpedido.  • Extensão do fluxo - o fluxo de materiais, informações ou clientes deve ser canalizado pelo arranjo físico, de forma a atender aos objetivos da operação. Em muitas operações, isso significa minimizar as distâncias percorridas pelos recursos transformados.
  • 35.  • Clareza de fluxo - todo o fluxo de materiais e clientes deve ser sinalizado de forma clara e evidente para clientes e para mão-de-obra.  • Conforto da mão-de-obra - a mão-de-obra deve ser alocada para locais distantes de partes barulhentas ou desagradáveis da operação. O arranjo físico deve prover um ambiente de trabalho bem ventilado, iluminado e, quando possível, agradável.
  • 36.  • Coordenação gerencial- supervisão e coordenação devem ser facilitadas pela localização da mão-de- obra e dispositivos de comunicação.  • Acesso - todas as máquinas, equipamentos e instalações devem estar acessíveis para permitir adequada limpeza e manutenção.
  • 37.  • Uso do espaço - todos os arranjos físicos devem permitir uso adequado de espaço disponível da operação.  • Flexibilidade de longo prazo - os arranjos físicos devem ser mudados periodicamente à medida que as necessidades da operação mudam. Um bom arranjo físico terá sido concebido com as potenciais necessidades futuras da operação em mente.