SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo de Tempos e Métodos




                       Paulino G. Francischini


                                                 1
PRO
Objetivo do Curso


l   Fornecer os conceitos fundamentais do Estudo de Tempos e e
    Projetos de Métodos
l   Fornecer noções teóricas e ferramentas de trabalho para a
    definição de análise de problemas de método de trabalho
l   Apresentar metodologia sistemática para a execução de Projetos
    de Métodos e Medida do Trabalho
l   Exercitar as técnicas fundamentais a serem apresentadas




                                                                     2
    PRO
Bibliografia
•   BANDEIRA, A. A. Indicadores de desempenho para gestão de uma usina hidrelétrica. São Paulo, 1997. Dissertação
                                                                    usina
     de mestrado - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

• BELASCO, K.S. Bank productivity. Iilinois, Bankers Publishing Company. 1990
                     productivity. Iilinois,                    Company.

• BROWN, Mark Graham Keeping Score : Using the Right Metrics to Drive World Class Performance

• CHRISTOPHER, W.F. Thor, C.G. Handbook of productivity measurement and improvement. Portland. Productivity.
                    Thor,                                               improvement. Portland. Productivity.
  1993

• FROST Bob; Measuring Performance “Mass Market”
                                   “Mass Market”

• GARVIN, D. - “Competing on the Eight Dimensions of Quality” - Harvard Business Review, pp 101-109, nov/dec 1987
                                                                                 Review,    101-

• GARVIN, D. - “What Does Product Quality Really Mean?”.- Sloan Management Review, pp 25-43, fall 1984
                                                 Mean?”.-                  Review,    25-

• GOLD, B. - “Foundations of Estrategic Planning for Productivity Improvement”
                                                                  Improvement”
  - Interfaces, 15:3 may/jun, pp 15-30, 1985
                     may/jun,    15-

• Harvard Business School Harvard Business Review on Measuring Corporate Performance (Harvard Business Review
                                                                         Performance
  Series)

• HAYES, R. H.; Wheelwright, S.C. Restoring our competitive edge. New York, John Wiley and Sons, 1984

• HRONEC Steven m. Vital Signs : Using Quality, time, and Cost Performance Measurements to Chart Your
                                                               Performance
  Company´s Future.
                                                                                                                    3
      PRO
Bibliografia
•   HODGETTS Richard M.; Measures of Quality and High Performance: Simple Tools and Lessons Learned from
     America´s Most Successful Corporations

• ISHIWARA, A. Uma visão do modelo japones da produtividade. Curitiba, Instituto Brasileiro da Qualidade e
  Produtividade no Paraná, 1996.

• JOHNSON, H. T. Performance measurement at company level: The japanese experience. Amsterdam, Elsevier,
                                                    level:              experience. Amsterdam, Elsevier,
  1991.

• KAPLAN Robert S., NORTON David P. The Balanced Scorecard : Translating Strategy into Action

• KAYDOS, W. Operational performance measurement: increasing total productivity. New York. St. Lucie Press. 1998
                                                                   productivity.           St.       Press.

• MIYAKE, D. I. Programas de melhoria de Produtividade e Qualidade: um estudo comparativo dos modelos “Just
                                                               Qualidade:                                    “Just
  in-Time” (JIT), “Total quality control” e “Total productive mainterance” (TPM). São Paulo, 1993. Dissertação de
  in-                            control”                     mainterance”
  Mestrado – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

• MOREIRA, D.A. Os benefícios da produtividade industrial. São Paulo, Pioneira, 1994.
                                                               Paulo,

• MUSCAT, A. R. N. Modelo para integração de decisões sobre sistemas de operações. São Paulo 1993. Tese
                                                               sistemas
  (Doutorado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

• MUSCAT, A. ; Fleury, A. - “Indicadores da Qualidade e Produtividade na Indústria Brasileira” - Revista Indicadores
                                                                                   Brasileira”
  da Qualidade e Produtividade, nº 02, pp82 a 107, 1993

                                                                                                                       4
         PRO
Bibliografia

•   JURAN, J; Gryna,F. - “Quality Planning and Analysis” - McGraw-Hill, USA, 1993.
              Gryna,F.                                     McGraw-Hill,

• KAPLAN Robert S., Norton David P. The Balanced Scorecard : Translating Strategy into Action

• KAYDOS, W. Operational performance measurement : increasing total productivity. New York. St. Lucie Press.
                                                                    productivity.           St.       Press.
   1998

• KUROSAWA, K. Productivity measurement and management at company level: The japanese experience. Amsterdam,
                                                                  level:              experience. Amsterdam,
  Elsevier, 1991
  Elsevier,

• SLACK, N. - “Vantagem Competitiva em Manufatura” - Atlas, São Paulo, 1993

• SLACK et alii - “Administração da Produção”- (Edição compacta) - Atlas, São Paulo, 1999
                                    Produção”-

• SINK, D.S. Tuttle, T.C.
  Planning and measurement and evaluation, control and improvement. New York, John Wiley, 1985.
                               evaluation,             improvement.                Wiley,

• SUMANTH, D.J. Productivity engineering and management. McGraw – Hill, 1984.

• MUSCAT, A. R, N. Produtividade e Gestão da Produção. São Paulo 1987. – Escola Politécnica, Universidade de São
  Paulo.



                                                                                                                   5
       PRO
Conceitos


 Estudo de Tempos e Métodos (ET&M) é o estudo sistemático
 dos sistemas de trabalho com os seguintes objetivos:
  ü Desenvolver o método mais adequado, geralmente aquele de
   menor custo
  ü Padronizar este método

  ü Determinar o tempo gasto por uma pessoa qualificada e
   devidamente treinada, trabalhando em um ritmo normal, para
   executar uma tarefa ou operação específica
  ü Orientar o treinamento no método especificado



                                                                6
 PRO
Partes do ET&M


l   Projeto de Métodos
    ü Encontrar o melhor método de se executar uma tarefa



l   Estudo de Tempos ou Medida do Trabalho
    ü Determinar o tempo-padrão para executá-lo




                                                            7
    PRO
Perguntas a serem respondidas ...


 Qual a melhor maneira de se executar uma determinada tarefa?

                    Método Padrão

  Qual deveria ser o tempo necessário para executar um ciclo do
                         Método Padrão?

                     Tempo Padrão



                                                                  8
 PRO
Aplicações do ET&M

l   Avaliação do desempenho atual ou passado
    ü Medida de produtividade

    ü Plano de incentivos

    ü Avaliação de métodos de trabalho alternativos

    ü Controle

l   Previsão do desempenho futuro
    ü Estimativa de custos (interno ou terceirizado)

    ü Seleção de recursos

    ü Organização das tarefas

    ü Arranjo físico das instalações
                                                       9
    PRO
O que é Tempo Produtivo?

l   Tempo Produtivo (Agregação de Valor)
    ü Operações



l   Tempo Improdutivo (Sem Agregação de Valor)
    ü Inspeções

    ü Esperas

    ü Armazenamento

    ü Transporte




                                                 10
    PRO
Eliminar o Tempo que NÃO Agrega
Valor


l   Solução Eficiente: fazer certo a coisa
    ü Desempenho: fez o que esperava que fizesse?



l   Solução Eficaz: fazer a coisa certa
    ü Abordagem crítica

          ØÉ necessária esta tarefa?
    ü Por quê fazemos o que fazemos

    ü Por quê fazemos desta maneira


                                                    11
    PRO
Metodologia de Solução de
Problemas
1. Definir o problema              1


2. Analisar o problema             2
                                           1
                                           2
3. Busca de possíveis soluções     3       3
                                           4
                                           5
4. Escolher uma solução            4
                                         Errado


5. Implantar a solução             5

                                 Certo
                                                  12
  PRO
Definir o Problema: O Problema
Existe?
l   São realmente problemas?
    ü Problemas sem solução

    ü Problemas com uma única solução

    ü Problema com várias soluções

l   Falsa dicotomia
    ü Nove mais quatro são catorze ou quatorze?

    ü Na política, se você não é de esquerda, é de direita

    ü Em um filme de faroeste, se não for mocinho é bandido




                                                              13
    PRO
Restrições de um problema


       Restrições                            Restrições pelo

         reais                               conhecimento




                    Restrições
                     fictícias



                                 Espaço de Solução do Problema   14
 PRO
Exemplo

 Encontrar uma linha poligonal constituída por 4 segmentos de
 reta que passe por todos os pontos da figura abaixo


                 x            x            x




                 x            x            x




                 x            x            x

                                                                15
 PRO
Exemplo

 Construir 4 triângulos equiláteros de lado l utilizando apenas 6
 segmentos de reta de tamanho l
       l



                               l         l
                  =     4x

                                    l




                                                                    16
 PRO
Histórico:

Taylorismo:
  Movimento de racionalização idealizado por Frederick Taylor,
  considerado o Pai da Administração Científica, autor de
  Princípios de Administração Científica, introduzido nos EUA no
  início do século XX.
  Características:
   ü Separação entre pensar e fazer

   ü Produtividade depende diretamente da remuneração

   ü O Homem é um mero instrumento de trabalho




                                                                   17
  PRO
Princípios de Administração
Científica
1. O desconhecimento por parte da Administração do processo
   produtivo é a raiz dos problemas de controle:


  Propostas:
   ü Estudo dos movimento elementares de cada operário,
     identificando os úteis e eliminando os inúteis para intensificar
     o trabalho
   ü Eliminar a iniciativa operária na escolha do melhor método

   ü Administração passa a definir e impor o melhor método de
     trabalho com o respectivo tempo padrão



                                                                        18
  PRO
Princípios de Administração
Científica
2. Se o trabalho for estudado, analisado e simplificado (dominado)
   pela Administração, o operário adequado pode ser escolhido
   mais facilmente


  Propostas
   ü Não há necessidade de homens excepcionais

   ü Cada tipo de trabalho requer um tipo específico de operário

   ü Fornecer treinamento adequado

   ü Habilidades pessoais específicas




                                                                     19
  PRO
Princípios de Administração
Científica
3. O Planejamento e Controle da Produção são funções da
   gerência e não mais do encarregado


Propostas:
   ü Gerência deve apoiar-se em especialistas

   ü Organização em departamentos específicos

   ü Elemento central da Programação e Controle da Produção
     são as Ordens de Serviço (O.S.’s)




                                                              20
  PRO
Novo Conceito de Solução de
Problemas


            P                            P


                                                  P

 A                  D          A             A         D

                                                  C



           C                             C
       Classe     Classe não
                                   Gerente       Operário
       pensante   pensante
                                                            21
 PRO
Método de análise
                                           % de
                                           Valor


l   Priorizar o processo a ser analisado

                                                                   % de Itens


                                            MP

l   Desenhar o processo
                                                                                          PA

                                            MP

l   Dividir o processo em atividades        ! Ativ. ! Ativ. ! Ativi. ! Ativ. ! Ativ. Ativ. ! Ati!
                                                                                          PA



                                                          Atividade
l   Dividir a atividade em elementos          ! Elemento ! Elemento ! Elemento !

                                                                                                    22
    PRO
Priorização de Processos
Curva ABC
l   Conceito:
    ü Ordenação e classificação dos itens pela importância relativa
      (priorização)
    ü Poucos vitais, muitos triviais



l   Aplicação:
    ü Quais os trabalhos mais importantes e concentrar-se neles
      (mais demorados, maior custo, mais freqüentes)




                                                                      23
    PRO
Curva ABC
Classificação
l   Agrupamento em 3 classes


    ü Classe A:     Poucos itens (< 20%)
                    Grande peso no efeito total (70 a 80%)


    ü Classe B:     Itens de importância intermediária


    ü Classe C:     Grande quantidade de itens (> 50%)
                    Pouco peso no efeito total (< 10%)


                                                             24
    PRO
Curva ABC
       % de
       Valor




               A   B   C

                           % de Itens

                                        25
 PRO
Curva ABC
Exemplo de Aplicação
              Atividades em uma Agência Bancária

       Nº                 Tarefa                   Min/dia      Acumulado   % Acum.

       1     Abertura de C.C.                          177         177       37.0
       2     Entrega de talões                          42         219       45.9
       3     Aplicações em CDB                          22         241       50.5
       4     Aplicações em Fundos                       15         256       53.8
       5     Consultas à mesa                           14         270       56.3
       6     Abert. de cheque esp.                      12         282       58.8
       ...   ...................................        .....     .......    ........
       78    Reclamação de saldo                          1        480       100.0

                                                                                        26
 PRO
Introdução às Técnicas de Registro
Analítico
l   1.    Gráfico do Fluxo do Processo
     ü 1.1       Fluxograma
     ü 1.2       Mapofluxograma
     ü 1.3      Diagrama de Freqüência de Percurso
l   2.    Gráficos de Atividade
     ü 2.1      Gráfico de Atividade simples
     ü 2.2      Gráfico de Atividade múltiplo
     ü 2.3      Diagrama homem-máquina




                                                     27
    PRO
Fluxograma

l   Natureza do gráfico
    ü Homem               x             Produto
    Analisa apenas                   Analisa apenas
    trabalho humano               o percurso do produto



    ü Rotina da fábrica   x     Rotina do escritório


    ü Fluxo principal     x   Incorpora sub-processo
          Fluxo único            Fluxo em ramos




                                                          28
    PRO
Recomendações para Fluxograma

 ü Determinar a atividade a ser estudada

 ü Definir o objeto a ser seguido

 ü Definir os pontos de início e fim

 ü Cabeçalho com dados

 ü Descrição do processo

       ØDistâncias
       ØTempo
       ØSumário com dados




                                           29
 PRO
Simbologia

 – Operação


 – Inspeção


 – Armazenamento


 – Transporte

 – Espera




                   30
PRO
Fluxograma




             31
 PRO
Fluxograma em ramos


l   Características:
    ü Permite uma visão geral e concisa do processo

    ü Representa   sub-processos indicando      a     entrada   de
       componentes/informações/documentos
    ü Deve obedecer a uma simbologia padronizada para facilitar a
       visualização




                                                                     32
    PRO
Fluxograma em ramos




                      33
 PRO
Mapofluxograma


l   Características:
    ü Fluxograma elaborado sobre a planta onde se realiza a
       atividade estudada
    ü Fornece uma visão geral do processo

    ü Favorece visualização de transportes muito longos

    ü Não fornece dados sobre a intensidade dos fluxos de
       movimentação
    ü Pode apresentar movimentos em múltiplos pavimentos




                                                              34
    PRO
Mapofluxograma




                 35
 PRO
Diagrama de Freqüência de
Percurso




                            36
 PRO
Sumário


                        Método   Método
                 Item   Atual    Proposto   Diferença


       Operações         10         8          2
       Transporte         9         5          4
       Inspeção           8         4          4
       Armazenamento      7         4          3
       Esperas            6         3          3
       Distância (m)     37        31          6



                                                        37
 PRO
Gráficos de Atividades


l   Características:
    ü Registro de sub-divisões do processo em função do tempo,
       fornecendo detalhes quanto ao aproveitamento do tempo
    ü Objetivo de estudo: homem(s), máquina(s), homem(s) e
       máquina(s)
    ü Permite a distinção de:

          ØTempo produtivo x tempo improdutivo
          ØSincronização de movimentos
          ØBalanceamento do trabalho

                                                                 38
    PRO
Convenções



l   Atividade Produtiva




l   Atividade Improdutiva




                            39
    PRO
Tipos de Gráficos de Atividades

                    Gráficos de Atividades




       Gráfico de                            Gráfico de
  Atividades Simples                 Atividades Múltiplas



            Somente                           Somente          Gráfico
            Homens                           Máquinas       Homem-Máquina




                                                                            40
 PRO
Gráfico de Atividade Simples

Min.
                    Antes                Min.
                                                           Depois
                                         0
0
        Pega malote na pré-triagem   1          Pega malote na pré-triagem   1
                                         1
1                                               Caminha até caminhão         1
                                         2
2                                               Pega malote na pré-triagem   1
                                         3
3                                               Caminha té pré-triagem       1
                                         4
4
5
       Caminha até caminhão          8
6
7
8
9
10     Coloca malote no caminhão     1
11
12
13
14
15
       Caminha até pré-triagem       8
16
17
18

                                                                                 41
       PRO
Gráfico de Atividades Múltiplas

Características:
    ü Considera   duas ou mais seqüências          simultâneas   de
      atividades numa mesma escala de tempo
    ü Inclui:

l   Atividade independente: quem (homem ou máquina) executa a
    ação detém o controle do tempo
l   Atividade   dependente:   necessidade     de   disponibilidade
    simultânea de tempo de quem participa da operação
l   Espera: Ociosidade ou atividade não definida




                                                                      42
    PRO
Gráfico de Atividades Múltiplas

       Seg.

        0
        2
              Conferência   Descarga     Transporte   Separação
        4
                  da           da           da           da
        6
        8       malaa        malaa         malaa       malaa
        10
        12
        14    Ociosidade
        16                  Ociosidade
        18
        20
                                                      Ociosidade
        22




                                                                   43
 PRO
Gráfico Homem-Máquina

l   Características:
    ü Caso particular do Gráfico de Atividades Múltiplas que
       registra o trabalho conjunto de operador(es) e máquina(s)
    ü Objetivo:  minimização      do  tempo    improdutivo (ou
       maximização da taxa        de utilização da capacidade)
       dependendo do enfoque:
          ØParada dos equipamentos
          ØOciosidade da mão-de-obra
          ØRedução do tempo de ciclo
l   Tempo de Ciclo: tempo decorrido durante uma seqüência
    repetitiva de eventos

                                                                   44
    PRO
Gráfico Homem-Máquina




                        45
 PRO
Estudo de Tempos:
Medida do Trabalho
l   Objetivo:
    ü Determinação do Tempo Padrão



l   Métodos:
    ü Medida direta do trabalho

          ØCronometragem
          ØAmostragem do Trabalho
    ü Medida indireta do trabalho

          ØTempos Sintéticos Pré-determinados (MTM)


                                                      46
    PRO
Cronometragem

l   Técnica de medida observando-se in loco o local de trabalho ou
    através de vídeos
    ü Exige preparação prévia

    ü Uso de equipamentos adequados

    ü Uso de técnicas para evitar alteração de ritmo ou hábitos do
      funcionário
    ü Tratamento adequado ao funcionário para diminuir ou evitar o
      stress durante a cronometragem




                                                                     47
    PRO
Recomendações para
Cronometragem
l   Verificar se a operação é repetitiva
l   Entrar em contato com os envolvidos
    ü Gerente, supervisor do setor e funcionário

l   Obter informações sobre a operação e o operador envolvido
    ü Experiência na função

    ü Idade


                Definir claramente o início e o fim
                     do ciclo a ser cronometrado



                                                                48
    PRO
Cronometragem




                49
 PRO
Cronometragem
Dividir o ciclo em elementos
l   Considerar:
    ü Elementos regulares x elementos menos freqüentes
       (colocar peças na caixa)                  (fechar a caixa)

    ü Elementos intrínsecos x elementos extrínsecos

              (separar cartas)            (esperar pelo malote)

    ü Trabalho humano             x     trabalho da máquina
      (operador monta palete)
                      palete)          (empilhadeira movimenta palete)
                                                               palete)

    ü Método Padrãp          x        Incidentes
      (operação normal)          (queda de ferramenta)




                                                                         50
    PRO
Recomendações


l   Dividir a operação em elementos
    ü Elementos curtos

    ü Permita anotação dos tempos cronometrados

    ü Início e fim definidos

    ü Critérios para separação de elementos

          ØPerda de contato
          ØGanho de contato
          ØRuído


                                                  51
    PRO
Divisão em Elementos



          Elemento 1              Elemento 2              Elemento 3           Elemento 4




   Dispara             Perda de                Ganho de                Ruído
 cronômetro            Contato                  Contato




                                                                                            52
 PRO
Recomendações

l   Coleta e registro de dados
    ü Uso de cronômetro/coletor de dados

    ü Técnicas de leitura

          ØContínua
          ØRepetitiva
l   Determinação do número de ciclos a serem cronometrados
l   Nivelamento dos tempos
l   Eliminar elementos extrínsecos. Ex: falhas ou acidentes no
    trabalho



                                                                 53
    PRO
Recomendações

l   Avaliação do ritmo do operador
    ü Comparação com médias históricas

    ü Avaliação pessoal do cronoanalista

    ü Habilidade do operador

    ü Esforço dispendido

    ü Condições de trabalho

    ü Consistência (sub/super avaliação)

l   Calcular as médias aritméticas dos tempos cronometrados
    ü Média Aritmética = Tempo Observado = TO


                                                              54
    PRO
Recomendações

l   Determinação do Tempo Normal
    ü TN=Tempo Observado x Fator de Rítmo

                  TN = TO x FR
          onde:
                  FR > 100% - Ritmo acima do normal
                  FR = 100% - Ritmo normal
                  FR < 100% - Ritmo abaixo do normal




                                                       55
    PRO
Cálculo do Tamanho da Amostra

l   N’ = número de elementos necessários
l   N = número de elementos cronometrados
l   X = Tempos cronometrados
l   Para erro relativo = 5% e confiança = 95%

                    40 N X 2 − ( X )
                                                     2
                                                 
                         ∑       ∑
                                             2
                                                
               N'=                              
                   
                   
                          ∑X                     
                                                 
l   Se N’ < N então a amostra é suficiente
l   Se N’ > N então é necessário mais cronometragens do elemento


                                                                   56
    PRO
Cálculos do Tamanho da Amostra


                          40 N X 2 − ( X )2
                                                   2
       N    X   X2                             
       1                 
                     N'= 
                               ∑       ∑       
                                               
       2
                         
                         
                                ∑X             
                                               
       3
       4
       5
       6
       7
       8
       9
       10
       ∑




                                                       57
 PRO
Determinação do Tempo Padrão

l   Determinação das tolerâncias (TOL%)
    ü Tolerância pessoal = geralmente 5%

    ü Tolerância devido à fadiga = geralmente 5%

    ü Tolerância para esperas fora de controle = estimativa



l   Cálculo do Tempo Padrão

                                 100
                   TP = TN .
                             100 − TOL%


                                                              58
    PRO
Exercício de Aplicação
Sem divisão em elementos




                           59
 PRO
Exercício de Aplicação
Com divisão em elementos




                           60
 PRO
Amostragem

l   Características
    ü Medição de aspectos gerais do trabalho

    ü Observação de vários operadores

    ü Não requer precisão rigorosa (e0)

    ü Anotação de observação instantânea (sim/não)

    ü Alterar constantemente o trajeto percorrido pelo observador
      (roteiro)
    ü Horário de observações aleatório




                                                                    61
    PRO
Vantagens da Amostragem

 ü Menor custo

 ü Estudo simultâneo de vários postos de trabalho

 ü Diminui possibilidade de variações ocasionais

 ü Evita constrangimento dos operadores

 ü Uso de analistas menos qualificados

 ü Menos monótonos e fatigantes

 ü Dispensam equipamentos sofisticados




                                                    62
 PRO
Desvantagens da Amostragem

 ü Necessita proximidade dos postos observados

 ü Não fornece informações detalhadas

 ü Não registra igualdade de métodos entre os operadores




                                                           63
 PRO
Exercício de Aplicação




                         64
 PRO
Medida indireta do trabalho

l   Procedimento que analisa qualquer operação manual ou método
    em movimentos básicos requeridos para sua execução,
    associando a cada movimento um tempo sintético determinado
    pela natureza do movimento e pelas condições sob as quais ele
    é executado
l   Tipos de sistema de tempos pré-determinados:
    ü Sistema Fator-Trabalho (REFA)

    ü Sistema BTM

    ü Sistema MTM




                                                                    65
    PRO
Methods-Time Measurement

l   Características:
    ü Desenvolvido a partir de filmagens de operações

    ü Não exige estimativas do observador

    ü Utiliza tempos normalizados (TN) disponíveis em tabelas

    ü Unidade de medida de tempo: TMU ( ou UMT)

          TMU   =      0,00001 H
                       0,0006 min
                       0,036   seg




                                                                66
    PRO
Exercício de Aplicação




                         67
 PRO
Projeto de Métodos

l   Método antigo   ===> Melhoria do Método
l   Método novo     ===> Projeto do Método


l   Conteúdo
    ü Ergonomia

    ü Velocidade de movimentos

    ü Princípios de Economia de Movimentos




                                              68
    PRO
Ergonomia

l   Conceito:
    ü Adaptação das tarefas e do ambiente de trabalho às
      características sensoriais, perceptivas e físicas do homem
l   Objetivo:
    ü Estudo do ser humano em relação às suas:

          ØHabilidades
          ØCapacidades
          ØLimitações




                                                                   69
    PRO
Tabela Antropométrica




                        70
 PRO
Velocidade de movimentos


l   Tarefa: Colocar clips dentro de orifícios

     Depósito das porcas     Item     Mão Direita   Mão Esquerda   Duas Mãos


         Caixa             T (min)    0,01730       0,01832        0,02459
                           Prod/min     57,8          54,6          81,3
       Moinho              T (min)    0,01351       0,01510        0,01778
                           Prod/min     74,0          66,2          112,5



                                                                               71
    PRO
Princípios de Economia de
Movimentos


  ü Quanto ao uso do corpo humano

  ü Quanto à disposição do local de trabalho

  ü Quanto ao projeto das ferramentas e dos equipamentos




                                                           72
 PRO
MASP (Ferramentas)

  Lista de                  Estratificação   Diagrama Ishikawa
 Verificação    Pareto




   Histograma            Gráficos                   CEP




                                                                 73
 PRO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
daniellopesfranco
 
Administração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdf
Administração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdfAdministração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdf
Administração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdf
Susana699254
 
Associação MTM Portugal
Associação MTM PortugalAssociação MTM Portugal
Associação MTM Portugal
Associação MTM Portugal
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 
Apostila CRONOANÁLISE
Apostila CRONOANÁLISEApostila CRONOANÁLISE
Apostila CRONOANÁLISE
Ujihara, Hélio M
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
douglas
 
Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2
daniellopesfranco
 
Sustentabilidade de Produtos e Processos
Sustentabilidade de Produtos e ProcessosSustentabilidade de Produtos e Processos
Sustentabilidade de Produtos e Processos
Carlos Fernando Jung
 
Planejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produçãoPlanejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produção
Adriana Marques
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
Gerisval Pessoa
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
Reginaldo Marcos Martins
 
Qualidade e Produtividade
Qualidade e ProdutividadeQualidade e Produtividade
Qualidade e Produtividade
Hyldon Herbert Dias Mendes
 
Kaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturingKaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturing
institutocarvalho
 
Diagrama de ishikawa
Diagrama de ishikawaDiagrama de ishikawa
Diagrama de ishikawa
AgnaldoBarbosa
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
Marcos Abreu
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
Miguel Oliveira
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
douglas
 
Lean manufacturing slides
Lean manufacturing slidesLean manufacturing slides
Lean manufacturing slides
Moises Ribeiro
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
Jean Leão
 

Mais procurados (20)

Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
 
Administração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdf
Administração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdfAdministração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdf
Administração de Produção e Operações(www.bibliotecadaengenharia.com).pdf
 
Associação MTM Portugal
Associação MTM PortugalAssociação MTM Portugal
Associação MTM Portugal
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Apostila CRONOANÁLISE
Apostila CRONOANÁLISEApostila CRONOANÁLISE
Apostila CRONOANÁLISE
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
 
Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2
 
Sustentabilidade de Produtos e Processos
Sustentabilidade de Produtos e ProcessosSustentabilidade de Produtos e Processos
Sustentabilidade de Produtos e Processos
 
Planejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produçãoPlanejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produção
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
 
Qualidade e Produtividade
Qualidade e ProdutividadeQualidade e Produtividade
Qualidade e Produtividade
 
Kaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturingKaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturing
 
Diagrama de ishikawa
Diagrama de ishikawaDiagrama de ishikawa
Diagrama de ishikawa
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
 
Lean manufacturing slides
Lean manufacturing slidesLean manufacturing slides
Lean manufacturing slides
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 

Destaque

Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
Alexandre Bonifacio Silva
 
Estudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SPEstudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SP
William Mazotti
 
Aulas 5, 6 e 7 - Engenharia de Métodos
Aulas 5, 6 e 7 - Engenharia de MétodosAulas 5, 6 e 7 - Engenharia de Métodos
Aulas 5, 6 e 7 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Livro de Gestão de Operações
Livro de Gestão de OperaçõesLivro de Gestão de Operações
Livro de Gestão de Operações
CLT Valuebased Services
 
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de MétodosAulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Estimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de TemposEstimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de Tempos
Philippe Elias
 
TCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows Phone
TCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows PhoneTCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows Phone
TCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows Phone
César Augusto Pereira
 
Sete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidadeSete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidade
Janilson Bezerra
 
Simbología de los therbligs
Simbología de los therbligsSimbología de los therbligs
Simbología de los therbligs
7423037
 
MTM2
MTM2MTM2
Lição 7 a vinha de nabote
Lição 7   a vinha de naboteLição 7   a vinha de nabote
Lição 7 a vinha de nabote
Gerson Silva
 
Aula engmet - parte 2
Aula   engmet - parte 2Aula   engmet - parte 2
Aula engmet - parte 2
engmetodos
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1
engmetodos
 
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Philippe Elias
 
GSD cords
GSD cordsGSD cords
Standardization & digitalization of sewing operations
Standardization & digitalization of sewing operationsStandardization & digitalization of sewing operations
Standardization & digitalization of sewing operations
Arpan Mahato
 
Aula engmet - parte 3
Aula   engmet - parte 3Aula   engmet - parte 3
Aula engmet - parte 3
engmetodos
 
Patologias da tireóide
Patologias da tireóidePatologias da tireóide
Patologias da tireóide
José Maria Abreu Junior
 
Características da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica AcrobáticaCaracterísticas da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica Acrobática
waldeck
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
franciscaf
 

Destaque (20)

Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
 
Estudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SPEstudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SP
 
Aulas 5, 6 e 7 - Engenharia de Métodos
Aulas 5, 6 e 7 - Engenharia de MétodosAulas 5, 6 e 7 - Engenharia de Métodos
Aulas 5, 6 e 7 - Engenharia de Métodos
 
Livro de Gestão de Operações
Livro de Gestão de OperaçõesLivro de Gestão de Operações
Livro de Gestão de Operações
 
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de MétodosAulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
 
Estimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de TemposEstimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de Tempos
 
TCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows Phone
TCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows PhoneTCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows Phone
TCC - Desenvolvimento de Aplicativo para Windows Phone
 
Sete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidadeSete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidade
 
Simbología de los therbligs
Simbología de los therbligsSimbología de los therbligs
Simbología de los therbligs
 
MTM2
MTM2MTM2
MTM2
 
Lição 7 a vinha de nabote
Lição 7   a vinha de naboteLição 7   a vinha de nabote
Lição 7 a vinha de nabote
 
Aula engmet - parte 2
Aula   engmet - parte 2Aula   engmet - parte 2
Aula engmet - parte 2
 
Aula engmet - parte 1
Aula   engmet - parte 1Aula   engmet - parte 1
Aula engmet - parte 1
 
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
 
GSD cords
GSD cordsGSD cords
GSD cords
 
Standardization & digitalization of sewing operations
Standardization & digitalization of sewing operationsStandardization & digitalization of sewing operations
Standardization & digitalization of sewing operations
 
Aula engmet - parte 3
Aula   engmet - parte 3Aula   engmet - parte 3
Aula engmet - parte 3
 
Patologias da tireóide
Patologias da tireóidePatologias da tireóide
Patologias da tireóide
 
Características da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica AcrobáticaCaracterísticas da Ginástica Acrobática
Características da Ginástica Acrobática
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
 

Semelhante a Apostila cronoanálise

Apostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdfApostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdf
EuroarTecnologiaAuto
 
Apostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdfApostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdf
EuroarTecnologiaAuto
 
A História do PDCA - Claudemir Oribe
A História do PDCA - Claudemir OribeA História do PDCA - Claudemir Oribe
A História do PDCA - Claudemir Oribe
Claudemir Oribe
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
Roberto Luna Mendes Monteiro Filho
 
Gurus-da-qualidade pptm
Gurus-da-qualidade  pptmGurus-da-qualidade  pptm
Gurus-da-qualidade pptm
Edvaldo Viana
 
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptxFERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
GiancarloFisichella1
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Laura Inafuko
 
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptxEAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
AnaPaulaRochaPCD
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
Gerente Consciente
 
Ucb quali definições
Ucb quali definiçõesUcb quali definições
Ucb quali definições
Fernando Flessati
 
Art atualizado em janeiro 2009
Art  atualizado em janeiro 2009Art  atualizado em janeiro 2009
Art atualizado em janeiro 2009
Maria Betanha
 
5167 melhoria-da-qualidade 2
5167 melhoria-da-qualidade 25167 melhoria-da-qualidade 2
5167 melhoria-da-qualidade 2
Camipf
 
Palestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MG
Palestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MGPalestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MG
Palestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MG
MktJr
 
2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...
2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...
2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...
Felipe Guedes Pinheiro
 
Apostila-GQ.ppsx
Apostila-GQ.ppsxApostila-GQ.ppsx
Apostila-GQ.ppsx
SandroGally
 
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
Carlos Sousa
 
Gestão de qualidade com ênfase no programa 5 ss
Gestão de qualidade com ênfase no programa 5 ssGestão de qualidade com ênfase no programa 5 ss
Gestão de qualidade com ênfase no programa 5 ss
Davidmulder Silva
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 

Semelhante a Apostila cronoanálise (20)

Apostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdfApostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdf
 
Apostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdfApostila Cronoanálise.pdf
Apostila Cronoanálise.pdf
 
A História do PDCA - Claudemir Oribe
A História do PDCA - Claudemir OribeA História do PDCA - Claudemir Oribe
A História do PDCA - Claudemir Oribe
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Gurus-da-qualidade pptm
Gurus-da-qualidade  pptmGurus-da-qualidade  pptm
Gurus-da-qualidade pptm
 
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptxFERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptxEAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
 
Ucb quali definições
Ucb quali definiçõesUcb quali definições
Ucb quali definições
 
Art atualizado em janeiro 2009
Art  atualizado em janeiro 2009Art  atualizado em janeiro 2009
Art atualizado em janeiro 2009
 
5167 melhoria-da-qualidade 2
5167 melhoria-da-qualidade 25167 melhoria-da-qualidade 2
5167 melhoria-da-qualidade 2
 
Palestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MG
Palestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MGPalestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MG
Palestra aplicando qualidade gestão do seu negócio - mateu melo - SEBRAE MG
 
2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...
2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...
2103 sebraemg-palestraaplicandoqualidadegestodoseunegcio-mateumelo-1012201909...
 
Apostila-GQ.ppsx
Apostila-GQ.ppsxApostila-GQ.ppsx
Apostila-GQ.ppsx
 
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
Uma análise sobre o ciclo pdca como um método para solução de problemas da qu...
 
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
 
Gestão de qualidade com ênfase no programa 5 ss
Gestão de qualidade com ênfase no programa 5 ssGestão de qualidade com ênfase no programa 5 ss
Gestão de qualidade com ênfase no programa 5 ss
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
 

Apostila cronoanálise

  • 1. Estudo de Tempos e Métodos Paulino G. Francischini 1 PRO
  • 2. Objetivo do Curso l Fornecer os conceitos fundamentais do Estudo de Tempos e e Projetos de Métodos l Fornecer noções teóricas e ferramentas de trabalho para a definição de análise de problemas de método de trabalho l Apresentar metodologia sistemática para a execução de Projetos de Métodos e Medida do Trabalho l Exercitar as técnicas fundamentais a serem apresentadas 2 PRO
  • 3. Bibliografia • BANDEIRA, A. A. Indicadores de desempenho para gestão de uma usina hidrelétrica. São Paulo, 1997. Dissertação usina de mestrado - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. • BELASCO, K.S. Bank productivity. Iilinois, Bankers Publishing Company. 1990 productivity. Iilinois, Company. • BROWN, Mark Graham Keeping Score : Using the Right Metrics to Drive World Class Performance • CHRISTOPHER, W.F. Thor, C.G. Handbook of productivity measurement and improvement. Portland. Productivity. Thor, improvement. Portland. Productivity. 1993 • FROST Bob; Measuring Performance “Mass Market” “Mass Market” • GARVIN, D. - “Competing on the Eight Dimensions of Quality” - Harvard Business Review, pp 101-109, nov/dec 1987 Review, 101- • GARVIN, D. - “What Does Product Quality Really Mean?”.- Sloan Management Review, pp 25-43, fall 1984 Mean?”.- Review, 25- • GOLD, B. - “Foundations of Estrategic Planning for Productivity Improvement” Improvement” - Interfaces, 15:3 may/jun, pp 15-30, 1985 may/jun, 15- • Harvard Business School Harvard Business Review on Measuring Corporate Performance (Harvard Business Review Performance Series) • HAYES, R. H.; Wheelwright, S.C. Restoring our competitive edge. New York, John Wiley and Sons, 1984 • HRONEC Steven m. Vital Signs : Using Quality, time, and Cost Performance Measurements to Chart Your Performance Company´s Future. 3 PRO
  • 4. Bibliografia • HODGETTS Richard M.; Measures of Quality and High Performance: Simple Tools and Lessons Learned from America´s Most Successful Corporations • ISHIWARA, A. Uma visão do modelo japones da produtividade. Curitiba, Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná, 1996. • JOHNSON, H. T. Performance measurement at company level: The japanese experience. Amsterdam, Elsevier, level: experience. Amsterdam, Elsevier, 1991. • KAPLAN Robert S., NORTON David P. The Balanced Scorecard : Translating Strategy into Action • KAYDOS, W. Operational performance measurement: increasing total productivity. New York. St. Lucie Press. 1998 productivity. St. Press. • MIYAKE, D. I. Programas de melhoria de Produtividade e Qualidade: um estudo comparativo dos modelos “Just Qualidade: “Just in-Time” (JIT), “Total quality control” e “Total productive mainterance” (TPM). São Paulo, 1993. Dissertação de in- control” mainterance” Mestrado – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. • MOREIRA, D.A. Os benefícios da produtividade industrial. São Paulo, Pioneira, 1994. Paulo, • MUSCAT, A. R. N. Modelo para integração de decisões sobre sistemas de operações. São Paulo 1993. Tese sistemas (Doutorado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. • MUSCAT, A. ; Fleury, A. - “Indicadores da Qualidade e Produtividade na Indústria Brasileira” - Revista Indicadores Brasileira” da Qualidade e Produtividade, nº 02, pp82 a 107, 1993 4 PRO
  • 5. Bibliografia • JURAN, J; Gryna,F. - “Quality Planning and Analysis” - McGraw-Hill, USA, 1993. Gryna,F. McGraw-Hill, • KAPLAN Robert S., Norton David P. The Balanced Scorecard : Translating Strategy into Action • KAYDOS, W. Operational performance measurement : increasing total productivity. New York. St. Lucie Press. productivity. St. Press. 1998 • KUROSAWA, K. Productivity measurement and management at company level: The japanese experience. Amsterdam, level: experience. Amsterdam, Elsevier, 1991 Elsevier, • SLACK, N. - “Vantagem Competitiva em Manufatura” - Atlas, São Paulo, 1993 • SLACK et alii - “Administração da Produção”- (Edição compacta) - Atlas, São Paulo, 1999 Produção”- • SINK, D.S. Tuttle, T.C. Planning and measurement and evaluation, control and improvement. New York, John Wiley, 1985. evaluation, improvement. Wiley, • SUMANTH, D.J. Productivity engineering and management. McGraw – Hill, 1984. • MUSCAT, A. R, N. Produtividade e Gestão da Produção. São Paulo 1987. – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. 5 PRO
  • 6. Conceitos Estudo de Tempos e Métodos (ET&M) é o estudo sistemático dos sistemas de trabalho com os seguintes objetivos: ü Desenvolver o método mais adequado, geralmente aquele de menor custo ü Padronizar este método ü Determinar o tempo gasto por uma pessoa qualificada e devidamente treinada, trabalhando em um ritmo normal, para executar uma tarefa ou operação específica ü Orientar o treinamento no método especificado 6 PRO
  • 7. Partes do ET&M l Projeto de Métodos ü Encontrar o melhor método de se executar uma tarefa l Estudo de Tempos ou Medida do Trabalho ü Determinar o tempo-padrão para executá-lo 7 PRO
  • 8. Perguntas a serem respondidas ... Qual a melhor maneira de se executar uma determinada tarefa? Método Padrão Qual deveria ser o tempo necessário para executar um ciclo do Método Padrão? Tempo Padrão 8 PRO
  • 9. Aplicações do ET&M l Avaliação do desempenho atual ou passado ü Medida de produtividade ü Plano de incentivos ü Avaliação de métodos de trabalho alternativos ü Controle l Previsão do desempenho futuro ü Estimativa de custos (interno ou terceirizado) ü Seleção de recursos ü Organização das tarefas ü Arranjo físico das instalações 9 PRO
  • 10. O que é Tempo Produtivo? l Tempo Produtivo (Agregação de Valor) ü Operações l Tempo Improdutivo (Sem Agregação de Valor) ü Inspeções ü Esperas ü Armazenamento ü Transporte 10 PRO
  • 11. Eliminar o Tempo que NÃO Agrega Valor l Solução Eficiente: fazer certo a coisa ü Desempenho: fez o que esperava que fizesse? l Solução Eficaz: fazer a coisa certa ü Abordagem crítica ØÉ necessária esta tarefa? ü Por quê fazemos o que fazemos ü Por quê fazemos desta maneira 11 PRO
  • 12. Metodologia de Solução de Problemas 1. Definir o problema 1 2. Analisar o problema 2 1 2 3. Busca de possíveis soluções 3 3 4 5 4. Escolher uma solução 4 Errado 5. Implantar a solução 5 Certo 12 PRO
  • 13. Definir o Problema: O Problema Existe? l São realmente problemas? ü Problemas sem solução ü Problemas com uma única solução ü Problema com várias soluções l Falsa dicotomia ü Nove mais quatro são catorze ou quatorze? ü Na política, se você não é de esquerda, é de direita ü Em um filme de faroeste, se não for mocinho é bandido 13 PRO
  • 14. Restrições de um problema Restrições Restrições pelo reais conhecimento Restrições fictícias Espaço de Solução do Problema 14 PRO
  • 15. Exemplo Encontrar uma linha poligonal constituída por 4 segmentos de reta que passe por todos os pontos da figura abaixo x x x x x x x x x 15 PRO
  • 16. Exemplo Construir 4 triângulos equiláteros de lado l utilizando apenas 6 segmentos de reta de tamanho l l l l = 4x l 16 PRO
  • 17. Histórico: Taylorismo: Movimento de racionalização idealizado por Frederick Taylor, considerado o Pai da Administração Científica, autor de Princípios de Administração Científica, introduzido nos EUA no início do século XX. Características: ü Separação entre pensar e fazer ü Produtividade depende diretamente da remuneração ü O Homem é um mero instrumento de trabalho 17 PRO
  • 18. Princípios de Administração Científica 1. O desconhecimento por parte da Administração do processo produtivo é a raiz dos problemas de controle: Propostas: ü Estudo dos movimento elementares de cada operário, identificando os úteis e eliminando os inúteis para intensificar o trabalho ü Eliminar a iniciativa operária na escolha do melhor método ü Administração passa a definir e impor o melhor método de trabalho com o respectivo tempo padrão 18 PRO
  • 19. Princípios de Administração Científica 2. Se o trabalho for estudado, analisado e simplificado (dominado) pela Administração, o operário adequado pode ser escolhido mais facilmente Propostas ü Não há necessidade de homens excepcionais ü Cada tipo de trabalho requer um tipo específico de operário ü Fornecer treinamento adequado ü Habilidades pessoais específicas 19 PRO
  • 20. Princípios de Administração Científica 3. O Planejamento e Controle da Produção são funções da gerência e não mais do encarregado Propostas: ü Gerência deve apoiar-se em especialistas ü Organização em departamentos específicos ü Elemento central da Programação e Controle da Produção são as Ordens de Serviço (O.S.’s) 20 PRO
  • 21. Novo Conceito de Solução de Problemas P P P A D A A D C C C Classe Classe não Gerente Operário pensante pensante 21 PRO
  • 22. Método de análise % de Valor l Priorizar o processo a ser analisado % de Itens MP l Desenhar o processo PA MP l Dividir o processo em atividades ! Ativ. ! Ativ. ! Ativi. ! Ativ. ! Ativ. Ativ. ! Ati! PA Atividade l Dividir a atividade em elementos ! Elemento ! Elemento ! Elemento ! 22 PRO
  • 23. Priorização de Processos Curva ABC l Conceito: ü Ordenação e classificação dos itens pela importância relativa (priorização) ü Poucos vitais, muitos triviais l Aplicação: ü Quais os trabalhos mais importantes e concentrar-se neles (mais demorados, maior custo, mais freqüentes) 23 PRO
  • 24. Curva ABC Classificação l Agrupamento em 3 classes ü Classe A: Poucos itens (< 20%) Grande peso no efeito total (70 a 80%) ü Classe B: Itens de importância intermediária ü Classe C: Grande quantidade de itens (> 50%) Pouco peso no efeito total (< 10%) 24 PRO
  • 25. Curva ABC % de Valor A B C % de Itens 25 PRO
  • 26. Curva ABC Exemplo de Aplicação Atividades em uma Agência Bancária Nº Tarefa Min/dia Acumulado % Acum. 1 Abertura de C.C. 177 177 37.0 2 Entrega de talões 42 219 45.9 3 Aplicações em CDB 22 241 50.5 4 Aplicações em Fundos 15 256 53.8 5 Consultas à mesa 14 270 56.3 6 Abert. de cheque esp. 12 282 58.8 ... ................................... ..... ....... ........ 78 Reclamação de saldo 1 480 100.0 26 PRO
  • 27. Introdução às Técnicas de Registro Analítico l 1. Gráfico do Fluxo do Processo ü 1.1 Fluxograma ü 1.2 Mapofluxograma ü 1.3 Diagrama de Freqüência de Percurso l 2. Gráficos de Atividade ü 2.1 Gráfico de Atividade simples ü 2.2 Gráfico de Atividade múltiplo ü 2.3 Diagrama homem-máquina 27 PRO
  • 28. Fluxograma l Natureza do gráfico ü Homem x Produto Analisa apenas Analisa apenas trabalho humano o percurso do produto ü Rotina da fábrica x Rotina do escritório ü Fluxo principal x Incorpora sub-processo Fluxo único Fluxo em ramos 28 PRO
  • 29. Recomendações para Fluxograma ü Determinar a atividade a ser estudada ü Definir o objeto a ser seguido ü Definir os pontos de início e fim ü Cabeçalho com dados ü Descrição do processo ØDistâncias ØTempo ØSumário com dados 29 PRO
  • 30. Simbologia – Operação – Inspeção – Armazenamento – Transporte – Espera 30 PRO
  • 31. Fluxograma 31 PRO
  • 32. Fluxograma em ramos l Características: ü Permite uma visão geral e concisa do processo ü Representa sub-processos indicando a entrada de componentes/informações/documentos ü Deve obedecer a uma simbologia padronizada para facilitar a visualização 32 PRO
  • 34. Mapofluxograma l Características: ü Fluxograma elaborado sobre a planta onde se realiza a atividade estudada ü Fornece uma visão geral do processo ü Favorece visualização de transportes muito longos ü Não fornece dados sobre a intensidade dos fluxos de movimentação ü Pode apresentar movimentos em múltiplos pavimentos 34 PRO
  • 35. Mapofluxograma 35 PRO
  • 36. Diagrama de Freqüência de Percurso 36 PRO
  • 37. Sumário Método Método Item Atual Proposto Diferença Operações 10 8 2 Transporte 9 5 4 Inspeção 8 4 4 Armazenamento 7 4 3 Esperas 6 3 3 Distância (m) 37 31 6 37 PRO
  • 38. Gráficos de Atividades l Características: ü Registro de sub-divisões do processo em função do tempo, fornecendo detalhes quanto ao aproveitamento do tempo ü Objetivo de estudo: homem(s), máquina(s), homem(s) e máquina(s) ü Permite a distinção de: ØTempo produtivo x tempo improdutivo ØSincronização de movimentos ØBalanceamento do trabalho 38 PRO
  • 39. Convenções l Atividade Produtiva l Atividade Improdutiva 39 PRO
  • 40. Tipos de Gráficos de Atividades Gráficos de Atividades Gráfico de Gráfico de Atividades Simples Atividades Múltiplas Somente Somente Gráfico Homens Máquinas Homem-Máquina 40 PRO
  • 41. Gráfico de Atividade Simples Min. Antes Min. Depois 0 0 Pega malote na pré-triagem 1 Pega malote na pré-triagem 1 1 1 Caminha até caminhão 1 2 2 Pega malote na pré-triagem 1 3 3 Caminha té pré-triagem 1 4 4 5 Caminha até caminhão 8 6 7 8 9 10 Coloca malote no caminhão 1 11 12 13 14 15 Caminha até pré-triagem 8 16 17 18 41 PRO
  • 42. Gráfico de Atividades Múltiplas Características: ü Considera duas ou mais seqüências simultâneas de atividades numa mesma escala de tempo ü Inclui: l Atividade independente: quem (homem ou máquina) executa a ação detém o controle do tempo l Atividade dependente: necessidade de disponibilidade simultânea de tempo de quem participa da operação l Espera: Ociosidade ou atividade não definida 42 PRO
  • 43. Gráfico de Atividades Múltiplas Seg. 0 2 Conferência Descarga Transporte Separação 4 da da da da 6 8 malaa malaa malaa malaa 10 12 14 Ociosidade 16 Ociosidade 18 20 Ociosidade 22 43 PRO
  • 44. Gráfico Homem-Máquina l Características: ü Caso particular do Gráfico de Atividades Múltiplas que registra o trabalho conjunto de operador(es) e máquina(s) ü Objetivo: minimização do tempo improdutivo (ou maximização da taxa de utilização da capacidade) dependendo do enfoque: ØParada dos equipamentos ØOciosidade da mão-de-obra ØRedução do tempo de ciclo l Tempo de Ciclo: tempo decorrido durante uma seqüência repetitiva de eventos 44 PRO
  • 46. Estudo de Tempos: Medida do Trabalho l Objetivo: ü Determinação do Tempo Padrão l Métodos: ü Medida direta do trabalho ØCronometragem ØAmostragem do Trabalho ü Medida indireta do trabalho ØTempos Sintéticos Pré-determinados (MTM) 46 PRO
  • 47. Cronometragem l Técnica de medida observando-se in loco o local de trabalho ou através de vídeos ü Exige preparação prévia ü Uso de equipamentos adequados ü Uso de técnicas para evitar alteração de ritmo ou hábitos do funcionário ü Tratamento adequado ao funcionário para diminuir ou evitar o stress durante a cronometragem 47 PRO
  • 48. Recomendações para Cronometragem l Verificar se a operação é repetitiva l Entrar em contato com os envolvidos ü Gerente, supervisor do setor e funcionário l Obter informações sobre a operação e o operador envolvido ü Experiência na função ü Idade Definir claramente o início e o fim do ciclo a ser cronometrado 48 PRO
  • 49. Cronometragem 49 PRO
  • 50. Cronometragem Dividir o ciclo em elementos l Considerar: ü Elementos regulares x elementos menos freqüentes (colocar peças na caixa) (fechar a caixa) ü Elementos intrínsecos x elementos extrínsecos (separar cartas) (esperar pelo malote) ü Trabalho humano x trabalho da máquina (operador monta palete) palete) (empilhadeira movimenta palete) palete) ü Método Padrãp x Incidentes (operação normal) (queda de ferramenta) 50 PRO
  • 51. Recomendações l Dividir a operação em elementos ü Elementos curtos ü Permita anotação dos tempos cronometrados ü Início e fim definidos ü Critérios para separação de elementos ØPerda de contato ØGanho de contato ØRuído 51 PRO
  • 52. Divisão em Elementos Elemento 1 Elemento 2 Elemento 3 Elemento 4 Dispara Perda de Ganho de Ruído cronômetro Contato Contato 52 PRO
  • 53. Recomendações l Coleta e registro de dados ü Uso de cronômetro/coletor de dados ü Técnicas de leitura ØContínua ØRepetitiva l Determinação do número de ciclos a serem cronometrados l Nivelamento dos tempos l Eliminar elementos extrínsecos. Ex: falhas ou acidentes no trabalho 53 PRO
  • 54. Recomendações l Avaliação do ritmo do operador ü Comparação com médias históricas ü Avaliação pessoal do cronoanalista ü Habilidade do operador ü Esforço dispendido ü Condições de trabalho ü Consistência (sub/super avaliação) l Calcular as médias aritméticas dos tempos cronometrados ü Média Aritmética = Tempo Observado = TO 54 PRO
  • 55. Recomendações l Determinação do Tempo Normal ü TN=Tempo Observado x Fator de Rítmo TN = TO x FR onde: FR > 100% - Ritmo acima do normal FR = 100% - Ritmo normal FR < 100% - Ritmo abaixo do normal 55 PRO
  • 56. Cálculo do Tamanho da Amostra l N’ = número de elementos necessários l N = número de elementos cronometrados l X = Tempos cronometrados l Para erro relativo = 5% e confiança = 95%  40 N X 2 − ( X ) 2  ∑ ∑ 2   N'=     ∑X   l Se N’ < N então a amostra é suficiente l Se N’ > N então é necessário mais cronometragens do elemento 56 PRO
  • 57. Cálculos do Tamanho da Amostra  40 N X 2 − ( X )2 2 N X X2  1  N'=  ∑ ∑   2   ∑X   3 4 5 6 7 8 9 10 ∑ 57 PRO
  • 58. Determinação do Tempo Padrão l Determinação das tolerâncias (TOL%) ü Tolerância pessoal = geralmente 5% ü Tolerância devido à fadiga = geralmente 5% ü Tolerância para esperas fora de controle = estimativa l Cálculo do Tempo Padrão 100 TP = TN . 100 − TOL% 58 PRO
  • 59. Exercício de Aplicação Sem divisão em elementos 59 PRO
  • 60. Exercício de Aplicação Com divisão em elementos 60 PRO
  • 61. Amostragem l Características ü Medição de aspectos gerais do trabalho ü Observação de vários operadores ü Não requer precisão rigorosa (e0) ü Anotação de observação instantânea (sim/não) ü Alterar constantemente o trajeto percorrido pelo observador (roteiro) ü Horário de observações aleatório 61 PRO
  • 62. Vantagens da Amostragem ü Menor custo ü Estudo simultâneo de vários postos de trabalho ü Diminui possibilidade de variações ocasionais ü Evita constrangimento dos operadores ü Uso de analistas menos qualificados ü Menos monótonos e fatigantes ü Dispensam equipamentos sofisticados 62 PRO
  • 63. Desvantagens da Amostragem ü Necessita proximidade dos postos observados ü Não fornece informações detalhadas ü Não registra igualdade de métodos entre os operadores 63 PRO
  • 65. Medida indireta do trabalho l Procedimento que analisa qualquer operação manual ou método em movimentos básicos requeridos para sua execução, associando a cada movimento um tempo sintético determinado pela natureza do movimento e pelas condições sob as quais ele é executado l Tipos de sistema de tempos pré-determinados: ü Sistema Fator-Trabalho (REFA) ü Sistema BTM ü Sistema MTM 65 PRO
  • 66. Methods-Time Measurement l Características: ü Desenvolvido a partir de filmagens de operações ü Não exige estimativas do observador ü Utiliza tempos normalizados (TN) disponíveis em tabelas ü Unidade de medida de tempo: TMU ( ou UMT) TMU = 0,00001 H 0,0006 min 0,036 seg 66 PRO
  • 68. Projeto de Métodos l Método antigo ===> Melhoria do Método l Método novo ===> Projeto do Método l Conteúdo ü Ergonomia ü Velocidade de movimentos ü Princípios de Economia de Movimentos 68 PRO
  • 69. Ergonomia l Conceito: ü Adaptação das tarefas e do ambiente de trabalho às características sensoriais, perceptivas e físicas do homem l Objetivo: ü Estudo do ser humano em relação às suas: ØHabilidades ØCapacidades ØLimitações 69 PRO
  • 71. Velocidade de movimentos l Tarefa: Colocar clips dentro de orifícios Depósito das porcas Item Mão Direita Mão Esquerda Duas Mãos Caixa T (min) 0,01730 0,01832 0,02459 Prod/min 57,8 54,6 81,3 Moinho T (min) 0,01351 0,01510 0,01778 Prod/min 74,0 66,2 112,5 71 PRO
  • 72. Princípios de Economia de Movimentos ü Quanto ao uso do corpo humano ü Quanto à disposição do local de trabalho ü Quanto ao projeto das ferramentas e dos equipamentos 72 PRO
  • 73. MASP (Ferramentas) Lista de Estratificação Diagrama Ishikawa Verificação Pareto Histograma Gráficos CEP 73 PRO