Medição do trabalho

10.461 visualizações

Publicada em

Medição do trabalho: método das cronometragens, tempos predeterminados e método da amostragem do trabalho.

Publicada em: Engenharia

Medição do trabalho

  1. 1. MEDIÇÃO DO TRABALHO Prof. Dr. Mauro Enrique Carozzo Todaro 1
  2. 2. Aplicação de técnicas projetadas para estabelecer o tempo de um trabalhador qualificado realizar um trabalho especificado em um nível definido de desempenho. PROJETO DO TRABALHO 2
  3. 3. Finalidade: •Estabelecer padrões para os programas de produção, para planejar a fabricação e para avaliar o desempenho; •Fornecer dados para a determinação de custos; •Fornecer dados para o planejamento da capacidade e o balanceamento da produção. MEDIÇÃO DO TRABALHO 3
  4. 4. MEDIÇÃO DO TRABALHO MÉTODOS CRONOMETRAGENS Mais detalhado / operações repetitivas TEMPOS PREDETERMINADOS Trabalhos ainda não implantados / verificação AMOSTRAGEM DO TRABALHO Operações de ciclo longo / mais barato / menos intrusivo 4
  5. 5. Etapas para determinação de tempo padrão de uma operação 1.Comunicar o tipo de trabalho que será executado; 2.Dividir a operação em elementos; 3.Determinar número de ciclos a serem cronometrados; 4.Avaliar a velocidade do operador; 5.Determinar as tolerâncias; 6.Determinar o tempo padrão. MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 5
  6. 6. Dividir a operação em elementos • Elementos com início e fim bem individualizado; • Elementos com duração que permita a sua medição; • Elementos repetitivos separados dos elementos, embora repetitivos, de periodicidade diferente; • Elementos que formem naturalmente um todo distintamente reconhecível devem ser considerados um único elemento; • Elementos homem e elementos máquina devem ser distintos. MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 6
  7. 7. Determinar número de ciclos a serem cronometrados n: número de ciclos a serem cronometrados z: coeficiente da distribuição normal para uma probabilidade determinada * R: amplitude da amostra Er: erro relativo d2: coeficiente em função do número preliminar de cronometragens realizadas* x : média da amostra * Estes coeficientes se obtêm das tabelas correspondentes (ver Martins e Laugeni, 2006, p 88) n = z . R Er . d2 . x 2 MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 7
  8. 8. Exemplo Uma operação foi inicialmente cronometrada sete vezes, obtendo-se um tempo médio de 1m e 34s e uma amplitude de 20s. Determinar o número de cronometragens para uma confiança de 95% e um erro relativo máximo de 5%. n = 1,96 x 20 0,05 x 2,704 x 94 2 = 9,5 MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 8
  9. 9. Avaliar velocidade do operador: • Velocidade (V) é determinada de forma subjetiva • Velocidade normal = 100 (100%) •Treinamento e re-treinamento da equipe de cronometragem MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 9
  10. 10. Determinar as tolerâncias: • Atendimento às necessidades pessoais: - 5% (10 a 25 min) por dia (8h) • Alívio da fadiga: - 10 % (trabalho leve em bom ambiente) - 50% (trabalho pesado em ambiente inadequado) MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 10
  11. 11. Determinar Fator de Tolerância (FT) • FT pode ser calculado como FT = 1/(1-p) p: porcentagem de tempo concedida (necessidade pessoais + alívio à fadiga). • Na prática FT = 1,05 para trabalhos de escritório e 1,20 para trabalhos em indústrias com boas condições. MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 11
  12. 12. Determinar tempo padrão •Tempo cronometrado (TC) = média das n cronometragens •Tempo normal (TN) = TC x V •Tempo padrão (TP) = TN x FT MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 12
  13. 13. Exemplo Uma operação de furar uma chapa foi cronometrada 10 vezes, obtendo- se o tempo médio por ciclo de 4,5s. O cronometrista avaliou a velocidade média do operador em 95% e foi atribuído ao trabalho um fator de tolerância total (pessoais e fadiga) de 18%. Calcular o tempo padrão da operação. Solução: TN = TC x V = 4,5 x 0,95 = 4,28s TP = TN x FT = 4,28 x (1 + 0,18) = 5,05s MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 13
  14. 14. EQUIPAMENTO NECESSÁRIO: •Cronômetro de hora centesimal ou comum •Filmadora •Folha de observações •Prancheta para observações MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS 14
  15. 15. FOLHA DE OBSERVAÇÕES 15
  16. 16. •Possibilidade de calcular o tempo padrão para um trabalho ainda não concluído; •Verificação dos tempos padrão obtidos por cronometragem; •Sistema MTM, métodos e medidas de tempo; •Se identificam os micromovimentos; •O TP é a soma dos tempos dos micromovimentos (estes tempos encontram-se tabelados) MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 16
  17. 17. Etapas: 1. Definição da operação que será realizada 2. Desenvolvimento de um local de trabalho piloto 3. Treinamento do operador 4. Filmagem da operação, para identificar micromovimentos 5. Medição das distâncias 6. Obtenção dos respectivos tempos das tabelas 7. Cálculo do tempo padrão MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 17
  18. 18. •Classificação dos micromovimentos: •Alcançar •Movimentar •Girar •Agarrar •Posicionar •Soltar •Desmontar •Tempo para os olhos MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 18
  19. 19. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 19
  20. 20. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 20
  21. 21. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 21
  22. 22. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 22
  23. 23. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 23
  24. 24. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 24
  25. 25. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 25
  26. 26. •Exemplo: •Uma caneta se encontra sobre a mesa. Desejamos tampá-la e guardá-la no bolso. Determinar o tempo padrão da operação utilizando o sistema de tempos predeterminados MTM. MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS 26
  27. 27. Solução: MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS Mão Esquerda Mão direita 1. Em direção à caneta na mesa (30cm) Em direção à tampa na mesa (30cm) 2. Agarrar a caneta Agarrar a tampa 3. Em direção à tampa (10cm) Em direção à caneta (10cm) 4. Posicionar a caneta na tampa Posicionar a tampa na caneta 5. Parada Em direção ao bolso (40 cm) 6. Parada Colocar no bolso 27
  28. 28. Solução: A partir das tabelas de tempos MÉTODO DOS TEMPOS PREDETERMINADOS Movimento Micromovimento tabelado 1. Em direção à caneta na mesa (30cm) Alcançar: 12 polegadas; A – 9,6 TMU 2. Agarrar a caneta Agarrar: A1 – 2,0 TMU 3. Em direção à tampa (10cm) Alcançar: 4 polegadas; A – 6,1 TMU 4. Posicionar a caneta na tampa Posicionar: 5,6 TMU 5. Em direção ao bolso (40 cm) Alcançar: 16 polegadas; A – 11,4 TMU 6. Colocar no bolso Posicionar: 5,6 TMU T= 9,6 + 2,0 + 6,1 + 5,6 + 11,4 + 5,6 = 40,3 TMU ou 40,3 x 0,0006m x 60s = 1,45s 28
  29. 29. Definição: Técnica que consiste em realizar observações diretas, intermitentes, instantâneas e espaçadas aleatoriamente, de uma atividade para inferir tempos destinados a cada elemento da atividade MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO 29
  30. 30. Utilizado para: • Medição de tempos de trabalho e de não trabalho para determinar margens de repouso e de necessidades pessoais; • Estimativa do nível de ocupação de máquinas e dos níveis de utilização de ferramentas; • Medição do tempo dedicado a uma operação e determinação do tempo padrão. MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO 30
  31. 31. Cálculo do tamanho da amostra: n: número de observações Z: coeficiente da distribuição normal para uma probabilidade determinada Er: erro relativo Pi: Estimativa da porcentagem da atividade MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO n = Z Er 1 - Pi Pi 2 x 31
  32. 32. Exemplo: Considerando a probabilidade de 90%, o valor de Z será = 1,65. Se desejamos avaliar se uma porcentagem de 85% do tempo trabalhado é verdadeira, com um erro relativo máximo de 10%, o número de observações será: MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO n = 1,65 0,1 1 – 0,85 0,85 2 x = 48 32
  33. 33. Etapas: a)Estimar valores preliminares de trabalho, atraso e tempo pessoal; b)estabelecer erro relativo e nível de confiança; c)calcular número de observações; d)programar as leituras; e)tomar dados e verificar a consistência MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO 33
  34. 34. Se conhecemos : a)Quantidade de peças fabricadas no período; b)Ritmo de trabalho médio. Podemos calcular TN, TN = (T) x (% trabalho em decimais) x (ritmo em decimais) / (número de peças produzidas) T: Tempo total do estudo em minutos TP = TN x FT MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO 34
  35. 35. Vantagens •Operações de ciclo longo •Custo de cronometrista é alto •Observações longas minimiza variações ocasionais •Operador não se sente observado de perto Desvantagens •Operações repetitivas de ciclo restrito •Menos detalhada MÉTODO DE AMOSTRAGEM DO TRABALHO 35
  36. 36. • As idéias em que se baseia o tempo-padrão são impossíveis de ser definidas com precisão. Especialmente o nível de desempenho. CRÍTICAS AO ESTUDO DE TEMPOS • A definição do trabalho é excessivamente rígida. A maioria dos trabalhos modernos exige algum grau de flexibilidade. • O uso de cronômetros para medir seres humanos é tanto degradante quanto contraprodutivo. É uma medida intrusiva. • É fácil de manipular. Tanto por parte dos empregadores como dos funcionários experientes. 36
  37. 37. Referências Bibliográficas MARTINS, P. G. e LAUGENI, F. P. Capítulo 4: Estudo de tempos e métodos. In: Administração da produção. Petrônio Garcia Martins e Fernando P. Laugeni. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2006. MOREIRA, D. A. Capítulo 10: Projeto e medida do trabalho. In: Administração da produção e operações. MOREIRA, Daniel Augusto. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. SLACK, N; CHAMBERS, S e JOHNSTON, R. Capítulo 9: Projeto e organização do trabalho. In: Administração da produção. SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuar; JOHNSTON, Robert. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2008. 37

×