SlideShare uma empresa Scribd logo
1. A lanchonete Max Burger fez um estudo de produtividade e anotou os tempos necessários para o preparo de um sanduíche. As tolerân-
cias são de 15% (FT = 1,15). Determinar o tempo normal e o tempo padrão. Se a estimativa de demanda é de 50 sanduíches entre as 12 horas
e as 13 horas, quantos "chapeiros" serão necessários?
Obs: Tempos em minutos.
Tempo Tempo
básico padrão do
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 médio elemento
1. Colocar hambúrguer na chapa Tempo observado 0,40 0,42 0,38
Eficiência (%) 90 90 90
Tempo básico 0,36 0,378 0,342 0,36 1,15 0,414
2. Fritar um lado Tempo observado 0,75 0,82 0,85
Eficiência (%) 100 100 100
Tempo básico 0,75 0,82 0,85 0,807 1,15 0,928
3. Virar e fritar outro lado Tempo observado 0,70 0,80 0,75
Eficiência (%) 105 105 105
Tempo básico 0,735 0,84 0,788 0,788 1,15 0,906
4. Montar o sanduíche Tempo observado 0,35 0,38 0,36
Eficiência (%) 95 95 95
Tempo básico 0,3325 0,361 0,342 0,345 1,15 0,397
Tempo padrão 2,645
Produção/hora 21,61
Tolerâncias pessoais 5% 0,132
Demanda 50 sanduíches
Tempo padrão para a tarefa 2,777
Quantidade de chapeiros 2,31
RESPOSTAS EXERCÍCIOS TEMPOS E MÉTODOS
Quantidade de Observações
Elemento Tolerância
2. Em uma fábrica de parafusos e porcas são produzidos conjuntos constituídos por um parafuso e uma porca que são embalados em caixas com 100 unidades.
Para verificar se a caixa contém 100 parafusos, a caixa vazia é colocada sobre uma balança, e os conjuntos porca-parafuso são colocados na caixa até completar
o peso determinado, após o que a caixa é colocada em um palete com 12 caixas. Determinar os tempos básicos (2 casas decimais), o tempo básico médio (2 casas decimais),
o tempo padrão por elemento (3 casas decimais), o tempo padrão (3 casas decimais), o tempo de tolerâncias pessoais (3 casas decimais), o tempo padrão para a tarefa
(3 casas decimais), a quantidade de pessoas por operação (balanceamento) com (2 casas decimais). Fazer o estudo para uma caixa por dia com os dados obtidos por
cronometragem fornecidos a seguir. Os tempos do estudo estão em minutos.
Atribuir um coeficiente de permissões de 20% para o trabalho como um todo. (FT = 1,20). Considerar 8h efetivamente trabalhadas por dia.
Tempo Tempo
básico padrão do
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 médio elemento
1. Fabricar uma porca Tempo observado 10,00 12,00 11,00 13,00 11,00
Eficiência (%) 110 110 110 110 110
Tempo básico 11,00 13,20 12,10 14,30 12,10 12,54 20% 15,048
2. Fabricar um parafuso Tempo observado 25,00 27,00 25,00 28,00 24,00
Eficiência (%) 95 95 95 95 95
Tempo básico 23,75 25,65 23,75 26,60 22,80 24,51 20% 29,412
3. Montar a porca no parafuso Tempo observado 5,00 7,00 6,00 8,00 7,00
Eficiência (%) 100 100 100 100 100
Tempo básico 5,00 7,00 6,00 8,00 7,00 6,60 20% 7,920
4. Pesar os conjuntos e encher Tempo observado 20,00 22,00 25,00 26,00 28,00
a caixa com 100 parafusos e co- Eficiência (%) 110 110 110 110 110
locar a caixa ao lado. Tempo básico 22,00 24,20 27,50 28,60 30,80 26,62 20% 31,944
5. Montar palete com 12 caixas. Tempo observado 9,00 10,00 11,00 9,00 10,00
Eficiência (%) 100 100 100 100 100
Tempo básico 9,00 10,00 11,00 9,00 10,00 9,80 20% 11,760
Qtde Tempo padrão 5270,924
Pess.
Minutos Disponíveis.dia 480 Tolerâncias pessoais 5% 263,546
Tempo por caixa em min. 5534,470
1. Fabricar uma porca 1580,040 3,29 Tempo padrão para a tarefa 5534,470
Elemento
Quantidade de Observações
Tolerância
Tempos em min.Dados
2. Fabricar um parafuso 3088,260 6,43
3. Montar a porca no parafuso 831,600 1,73
4. Pesar os conjuntos e encher 33,541 0,07
a caixa com 100 parafusos e co-
locar a caixa ao lado.
5. Montar palete com 12 caixas. 1,029 0,00
TOTAL 5534,470 11,53
Em geral a eficiência de sistemas físicos é menor do que 1 (um), já a eficiência em sistemas econômicos deve ser maior do que 1.
A eficiência é dada por:
e =
Exercício 1 - Determinar a eficiência de um transformador elétrico que no processo de transformação recebe 850kWh e envia 830kWh:
RESPOSTA: Input = 850 KWh e= = 0,9765 ou 97,65%
Output = 830 KWh
Exercício 2 - Determinar a eficiência de uma empresa que incorrem em custos de R$ 150.000, gerando uma receita de R$ 176.000:
RESPOSTA: Input = 150000 KWh e= = 1,1733 ou 117,33%
Output = 176000 KWh
A produtividade pode ter diversos significados, dependendo do ponto de vista do observador e do objeto que está sendo analisado. Em operações é importante destacar
dois termos centrais. O primeiro é a produtividade parcial, a qual pode ser entendida como: a relação entre o produzido (output) mensurado de alguma forma, com o que
foi utilizado de recursos (input), conforme abaixo:
Produtividade =
Exercício 3 - Determinar a produtividade parcial de uma empresa que faturou R$ 70 milhões em um determinado ano, no qual 350 funcionários trabalharam em média 170 horas/mês.
Output
Input
Output
830
850
176000
150000
Input
RESPOSTA: Produtividade = = = R$ 1.176,47 /funcionário/hora/mês
Exercício 4 - Tendo em vista que a empresa do exemplo anterior produziu 1.400.000 toneladas do seu produto, qual a produtividade parcial da mão de obra?
RESPOSTA: Produtividade = = = 23,53 ton./funcionário/hora/mês
O segundo termo é a produtividade total, o qual é a relação entre o output total e a relação de todos os inputs utilizados, representando a relação total entre output
e input do sistema.
Exercício 5 - Seguindo com a mesma empresa, determinar a produtividade total, sabendo que essa empresa incorre em custos totais de R$ 66 milhões referentes a
todos os inputs utilizados.
RESPOSTA: Produtividade = = = 1,0606 ou 106,06%
Exercício 6 - Determinar a produtividade total de uma empresa em que 35.000 peças foram vendidas a um preço de R$ 12,00/unidade, incorrendo em custos totais
de R$ 357.000,00
RESPOSTA: Produtividade = = = 1,1765 ou 117,65%
Em qualquer área da administração, assim como da gestão de operações, deve-se analisar indicadores para que se estabeleçam planos
e ações de melhoria para a organização.
66000000 66000000
70000000 70000000
70000000
350 * 170
70000000
59500
35000 * 12 420000
357000 357000
1400000 1400000
350 * 170 59500

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
Geovana Pires Lima
 
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornadaAula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Renan Kaltenegger
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
Mauro Enrique
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
Amanda Ponciano Pereira
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Anderson Pontes
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
José Gomes
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 
Estudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SPEstudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SP
William Mazotti
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Estudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoEstudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalho
Mauro Enrique
 
Calculo giro de estoque
Calculo giro de estoqueCalculo giro de estoque
Calculo giro de estoque
Marcelo Lieuthier
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
Marcelo Vianello
 
06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban
Homero Alves de Lima
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
Engenharia Produção
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Sergio Dias
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produção
milton junior
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
Kris Podovec
 
Apresentação 5 s
Apresentação 5 sApresentação 5 s
Apresentação 5 s
Aildo de Lima
 

Mais procurados (20)

Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornadaAula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Estudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SPEstudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SP
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Estudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoEstudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalho
 
Calculo giro de estoque
Calculo giro de estoqueCalculo giro de estoque
Calculo giro de estoque
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produção
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
 
Apresentação 5 s
Apresentação 5 sApresentação 5 s
Apresentação 5 s
 

Semelhante a Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos

Ecr regional recife eficiencia cd e custo logistico
Ecr regional recife eficiencia cd e custo logisticoEcr regional recife eficiencia cd e custo logistico
Ecr regional recife eficiencia cd e custo logistico
Giovanni Materzanini
 
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.pptCapitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
VanessaGomes644650
 
Productivity is not profitability!
Productivity is not profitability!Productivity is not profitability!
Productivity is not profitability!
Alexandre Linhares
 
oee – overall equipment effectiveness.pptx
oee – overall equipment effectiveness.pptxoee – overall equipment effectiveness.pptx
oee – overall equipment effectiveness.pptx
DIGIPRESTSERVICE
 
Cálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble Sort
Cálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble SortCálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble Sort
Cálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble Sort
Johnnatan Messias
 
Ec2ad_a05
Ec2ad_a05Ec2ad_a05
Ec2ad_a05
Angelo Yasui
 
Relatorio de quimica
Relatorio de quimicaRelatorio de quimica
Relatorio de quimica
Joyce Luiza
 
Minicurso OEE
Minicurso OEEMinicurso OEE
Minicurso OEE
IFMG
 
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdfAULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
BiancaOliveira126839
 
Controle de produção.pdf
Controle de produção.pdfControle de produção.pdf
Controle de produção.pdf
Concee
 
Introdução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacionalIntrodução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacional
Emerson Aguiar
 
Análise empírica de algoritmos de ordenação
Análise empírica de algoritmos de ordenaçãoAnálise empírica de algoritmos de ordenação
Análise empírica de algoritmos de ordenação
Orlando Junior
 
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustradoGuia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Sidonio Guerreiro
 
OEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de EquipamentoOEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de Equipamento
jboli2010
 
Planejamento do processo produtivo
Planejamento do processo produtivoPlanejamento do processo produtivo
Planejamento do processo produtivo
Laise Cardoso
 
Análise de Disco, I/O e Processamento
Análise de Disco, I/O e ProcessamentoAnálise de Disco, I/O e Processamento
Análise de Disco, I/O e Processamento
Johnnatan Messias
 
Layout Industrial Administração da Produção
Layout Industrial Administração da ProduçãoLayout Industrial Administração da Produção
Layout Industrial Administração da Produção
Fabio Maia
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
Caio Roberto de Souza Filho
 
Opp online módulo i 1-apostila de matemática
Opp online módulo i 1-apostila de matemáticaOpp online módulo i 1-apostila de matemática
Opp online módulo i 1-apostila de matemática
KESLEY G. N. G. DE MELO
 
Aula plano de produção
Aula   plano de produçãoAula   plano de produção
Aula plano de produção
dayanacarlademacedo
 

Semelhante a Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos (20)

Ecr regional recife eficiencia cd e custo logistico
Ecr regional recife eficiencia cd e custo logisticoEcr regional recife eficiencia cd e custo logistico
Ecr regional recife eficiencia cd e custo logistico
 
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.pptCapitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
 
Productivity is not profitability!
Productivity is not profitability!Productivity is not profitability!
Productivity is not profitability!
 
oee – overall equipment effectiveness.pptx
oee – overall equipment effectiveness.pptxoee – overall equipment effectiveness.pptx
oee – overall equipment effectiveness.pptx
 
Cálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble Sort
Cálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble SortCálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble Sort
Cálculo Numérico: Integração Numérica com Bubble Sort
 
Ec2ad_a05
Ec2ad_a05Ec2ad_a05
Ec2ad_a05
 
Relatorio de quimica
Relatorio de quimicaRelatorio de quimica
Relatorio de quimica
 
Minicurso OEE
Minicurso OEEMinicurso OEE
Minicurso OEE
 
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdfAULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
AULA5-ProdutividadeeCapacidadea524167.pdf
 
Controle de produção.pdf
Controle de produção.pdfControle de produção.pdf
Controle de produção.pdf
 
Introdução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacionalIntrodução a Pesquisa operacional
Introdução a Pesquisa operacional
 
Análise empírica de algoritmos de ordenação
Análise empírica de algoritmos de ordenaçãoAnálise empírica de algoritmos de ordenação
Análise empírica de algoritmos de ordenação
 
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustradoGuia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
 
OEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de EquipamentoOEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de Equipamento
 
Planejamento do processo produtivo
Planejamento do processo produtivoPlanejamento do processo produtivo
Planejamento do processo produtivo
 
Análise de Disco, I/O e Processamento
Análise de Disco, I/O e ProcessamentoAnálise de Disco, I/O e Processamento
Análise de Disco, I/O e Processamento
 
Layout Industrial Administração da Produção
Layout Industrial Administração da ProduçãoLayout Industrial Administração da Produção
Layout Industrial Administração da Produção
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
 
Opp online módulo i 1-apostila de matemática
Opp online módulo i 1-apostila de matemáticaOpp online módulo i 1-apostila de matemática
Opp online módulo i 1-apostila de matemática
 
Aula plano de produção
Aula   plano de produçãoAula   plano de produção
Aula plano de produção
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 

Último (6)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 

Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos

  • 1. 1. A lanchonete Max Burger fez um estudo de produtividade e anotou os tempos necessários para o preparo de um sanduíche. As tolerân- cias são de 15% (FT = 1,15). Determinar o tempo normal e o tempo padrão. Se a estimativa de demanda é de 50 sanduíches entre as 12 horas e as 13 horas, quantos "chapeiros" serão necessários? Obs: Tempos em minutos. Tempo Tempo básico padrão do 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 médio elemento 1. Colocar hambúrguer na chapa Tempo observado 0,40 0,42 0,38 Eficiência (%) 90 90 90 Tempo básico 0,36 0,378 0,342 0,36 1,15 0,414 2. Fritar um lado Tempo observado 0,75 0,82 0,85 Eficiência (%) 100 100 100 Tempo básico 0,75 0,82 0,85 0,807 1,15 0,928 3. Virar e fritar outro lado Tempo observado 0,70 0,80 0,75 Eficiência (%) 105 105 105 Tempo básico 0,735 0,84 0,788 0,788 1,15 0,906 4. Montar o sanduíche Tempo observado 0,35 0,38 0,36 Eficiência (%) 95 95 95 Tempo básico 0,3325 0,361 0,342 0,345 1,15 0,397 Tempo padrão 2,645 Produção/hora 21,61 Tolerâncias pessoais 5% 0,132 Demanda 50 sanduíches Tempo padrão para a tarefa 2,777 Quantidade de chapeiros 2,31 RESPOSTAS EXERCÍCIOS TEMPOS E MÉTODOS Quantidade de Observações Elemento Tolerância
  • 2. 2. Em uma fábrica de parafusos e porcas são produzidos conjuntos constituídos por um parafuso e uma porca que são embalados em caixas com 100 unidades. Para verificar se a caixa contém 100 parafusos, a caixa vazia é colocada sobre uma balança, e os conjuntos porca-parafuso são colocados na caixa até completar o peso determinado, após o que a caixa é colocada em um palete com 12 caixas. Determinar os tempos básicos (2 casas decimais), o tempo básico médio (2 casas decimais), o tempo padrão por elemento (3 casas decimais), o tempo padrão (3 casas decimais), o tempo de tolerâncias pessoais (3 casas decimais), o tempo padrão para a tarefa (3 casas decimais), a quantidade de pessoas por operação (balanceamento) com (2 casas decimais). Fazer o estudo para uma caixa por dia com os dados obtidos por cronometragem fornecidos a seguir. Os tempos do estudo estão em minutos. Atribuir um coeficiente de permissões de 20% para o trabalho como um todo. (FT = 1,20). Considerar 8h efetivamente trabalhadas por dia. Tempo Tempo básico padrão do 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 médio elemento 1. Fabricar uma porca Tempo observado 10,00 12,00 11,00 13,00 11,00 Eficiência (%) 110 110 110 110 110 Tempo básico 11,00 13,20 12,10 14,30 12,10 12,54 20% 15,048 2. Fabricar um parafuso Tempo observado 25,00 27,00 25,00 28,00 24,00 Eficiência (%) 95 95 95 95 95 Tempo básico 23,75 25,65 23,75 26,60 22,80 24,51 20% 29,412 3. Montar a porca no parafuso Tempo observado 5,00 7,00 6,00 8,00 7,00 Eficiência (%) 100 100 100 100 100 Tempo básico 5,00 7,00 6,00 8,00 7,00 6,60 20% 7,920 4. Pesar os conjuntos e encher Tempo observado 20,00 22,00 25,00 26,00 28,00 a caixa com 100 parafusos e co- Eficiência (%) 110 110 110 110 110 locar a caixa ao lado. Tempo básico 22,00 24,20 27,50 28,60 30,80 26,62 20% 31,944 5. Montar palete com 12 caixas. Tempo observado 9,00 10,00 11,00 9,00 10,00 Eficiência (%) 100 100 100 100 100 Tempo básico 9,00 10,00 11,00 9,00 10,00 9,80 20% 11,760 Qtde Tempo padrão 5270,924 Pess. Minutos Disponíveis.dia 480 Tolerâncias pessoais 5% 263,546 Tempo por caixa em min. 5534,470 1. Fabricar uma porca 1580,040 3,29 Tempo padrão para a tarefa 5534,470 Elemento Quantidade de Observações Tolerância Tempos em min.Dados
  • 3. 2. Fabricar um parafuso 3088,260 6,43 3. Montar a porca no parafuso 831,600 1,73 4. Pesar os conjuntos e encher 33,541 0,07 a caixa com 100 parafusos e co- locar a caixa ao lado. 5. Montar palete com 12 caixas. 1,029 0,00 TOTAL 5534,470 11,53 Em geral a eficiência de sistemas físicos é menor do que 1 (um), já a eficiência em sistemas econômicos deve ser maior do que 1. A eficiência é dada por: e = Exercício 1 - Determinar a eficiência de um transformador elétrico que no processo de transformação recebe 850kWh e envia 830kWh: RESPOSTA: Input = 850 KWh e= = 0,9765 ou 97,65% Output = 830 KWh Exercício 2 - Determinar a eficiência de uma empresa que incorrem em custos de R$ 150.000, gerando uma receita de R$ 176.000: RESPOSTA: Input = 150000 KWh e= = 1,1733 ou 117,33% Output = 176000 KWh A produtividade pode ter diversos significados, dependendo do ponto de vista do observador e do objeto que está sendo analisado. Em operações é importante destacar dois termos centrais. O primeiro é a produtividade parcial, a qual pode ser entendida como: a relação entre o produzido (output) mensurado de alguma forma, com o que foi utilizado de recursos (input), conforme abaixo: Produtividade = Exercício 3 - Determinar a produtividade parcial de uma empresa que faturou R$ 70 milhões em um determinado ano, no qual 350 funcionários trabalharam em média 170 horas/mês. Output Input Output 830 850 176000 150000 Input
  • 4. RESPOSTA: Produtividade = = = R$ 1.176,47 /funcionário/hora/mês Exercício 4 - Tendo em vista que a empresa do exemplo anterior produziu 1.400.000 toneladas do seu produto, qual a produtividade parcial da mão de obra? RESPOSTA: Produtividade = = = 23,53 ton./funcionário/hora/mês O segundo termo é a produtividade total, o qual é a relação entre o output total e a relação de todos os inputs utilizados, representando a relação total entre output e input do sistema. Exercício 5 - Seguindo com a mesma empresa, determinar a produtividade total, sabendo que essa empresa incorre em custos totais de R$ 66 milhões referentes a todos os inputs utilizados. RESPOSTA: Produtividade = = = 1,0606 ou 106,06% Exercício 6 - Determinar a produtividade total de uma empresa em que 35.000 peças foram vendidas a um preço de R$ 12,00/unidade, incorrendo em custos totais de R$ 357.000,00 RESPOSTA: Produtividade = = = 1,1765 ou 117,65% Em qualquer área da administração, assim como da gestão de operações, deve-se analisar indicadores para que se estabeleçam planos e ações de melhoria para a organização. 66000000 66000000 70000000 70000000 70000000 350 * 170 70000000 59500 35000 * 12 420000 357000 357000 1400000 1400000 350 * 170 59500