Estudo de tempo - SENAI SP

2.074 visualizações

Publicada em

Apresentação utilizada no curso Técnico de Mecânica de Precisão da instituição de ensino SENAI-SP, unidade 1.15.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.074
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
129
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • O objetivo fundamental é gerar informação que permita o aumento da produtividade.
    Através de uma série metódica, o estudo de tempos pretende determinar o tempo-padrão para realização de uma tarefa específica.
  • Cronômetro geralmente de hora centesimal, o mais utilizado, porem podem ser usados outros tipos, até comuns.
    Filmadora (voltada a estudo de movimentos, ritmo de trabalho, coleta de dados para amostragem de trabalho)
    Prancheta para observações: para apoiar a folha de observações e o cronômetro
  • Raramente é satisfatória a cronometragem de uma operação inteira que tem único elemento.
  • Apostila pagina 48
  • Os gargalos ocorrem quando o tempo de um posto de trabalho é maior que o apresentado pelos demais. Pg 51 apostila
  • Objetivo: anular os gargalos de produção e proporcionar um máximo de produtividade e eficiência, alem de um menor tempo de giro
  • Estudo de tempo - SENAI SP

    1. 1. ESCOLA SENAI SUÍÇO-BRASILEIRA PAULO E. TOLLE ESTUDO DOS TEMPOS INTEGRANTES Renato da Silva Renato Rodrigues Rodrigo Barsoti Ronaldo Pereira Thiago Araújo William Mazotti Willian Dos Santos ORGANIZAÇÃO E NORMAS MEP-3 Professor Rui Soares Dias DATA 05 de Maio de 2014
    2. 2. ORIGEM O “Estudo de Tempos” teve sua origem na Oficina Mecânica de Midvale Steel Company em 1881, Frederick Winslow Taylor foi seu criador.
    3. 3. UTILIZAÇÃO  Planejar o trabalho;  Determinação de preço de venda de produtos;  Identificar o número de máquinas que uma pessoa pode operar e o número de pessoas necessárias para realização de um trabalho em grupo;
    4. 4. OBJETIVO Gerar informação quantificada que permita o aumento da produtividade. Através de uma série metódica que consiste em determinar o tempo padrão para realização de uma tarefa específica. TEMPO PADRÃO •O tempo gasto por uma pessoa qualificada e devidamente treinada, trabalhando em ritmo normal, para executar uma tarefa ou operação específica.
    5. 5. TEMPO PADRÃO Métodos para determinação de padrões de tempo Dados históricos ou tempos informais Método das cronometragens Método das observações instantâneas, também designado por método das amostragens
    6. 6. EQUIPAMENTO Os principais equipamentos para estudo dos tempos são: Cronômetro Filmadora Prancheta para observações Folha de observações
    7. 7. MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS Metodologia 1.Dividir a operação em elementos. 2.Registrar os tempos observados de cada elemento. 3.Determinar o número de ciclos a medir. 4.Determinar o tempo médio para cada elemento. 5.Determinar o tempo normal da operação. 6.Determinar tolerâncias. 7.Determinar o tempo padrão.
    8. 8. MÉTODO DAS CRONOMETRAGENS Tipos de medição de tempo No método contínuo nunca é feito o reset a zero, o analista regista o valor lido no fim de cada elemento e os tempos reais são depois calculados por diferença. No método repetitivo cada elemento começa com o tempo a zero e é registada a duração real, não sendo necessária a subtração posterior.
    9. 9. MÉTODO DAS OBSERVAÇÕES INSTANTÂNEAS Medição de tempos de trabalho e não-trabalho a fim de determinar margens de repouso e margens para necessidades pessoais. Metodologia Identificar e registar as condições iniciais. Estimativa do nível de ocupação na máquina e dos níveis de utilização de ferramentas. Estimativa de porcentagem de tempo destinada a cada atividade. Registro para cada observação aleatória do estado do operador.
    10. 10. TEMPO INTERMITENTE DE OPERAÇÕES O tempo despendido por eventos intermitentes de um ciclo pode ser rateado por unidades de produção. Esses eventos podem ser: troca de ferramentas e de recipientes de peças, inspeção de peças. Tempo de manutenção Interrupções e demoras Tempo individual
    11. 11. FADIGA A fadiga é reconhecida como fator de permissão e de influência em operações industriais. Os possíveis efeitos da fadiga são justificados a partir do estabelecimento de padrões que possam ser razoavelmente mantidos pelo operador durante seu turno.
    12. 12. UTILIZAÇÃO DO TEMPO PADRÃO Dimensionamento de pessoal Conhecendo o tempo padrão podemos determinar o número de pessoas necessárias para uma determinada produção. O dimensionamento permite analisar e resolver a questão dos gargalos.
    13. 13. UTILIZAÇÃO DO TEMPO PADRÃO Balanceamento de setores O balanceamento consiste em dar a mesma carga de trabalho as pessoas, ou máquinas. O balanceamento pode ser feito a partir do tempo padrão de cada operação.
    14. 14. DEFINIÇÕES Quando corretamente utilizado, o estudo dos tempos permite obter informação útil e necessária para fundamentar opções e decisões com vista ao aumento da produtividade e tornar mais eficaz o sistema de remunerações e de incentivos do trabalho.
    15. 15. DEFINIÇÕES Convém referir que, embora a definição de padrões de tempo permita determinar “quanto tempo demora”, não pode ser esquecida a necessidade de padrões de custo fiáveis que transformem o “quanto tempo demora” em “quanto custa” em unidades monetárias.
    16. 16. DÚVIDAS
    17. 17. OBRIGADO PELA ATENÇÃO
    18. 18. BIBLIOGRAFIA https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/3779571245991/Estudo http://www2.dem.inpe.br/mcr/UBC/EPM/T&M.pdf http://www.aedb.br/seget/artigos12/22316596.pdf

    ×