SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
QUALIDADE NO E-LEARNING



Rosário Cação
www.evolui.com
                          Lisboa, 29 de Abril 2009
                                   Seminário IEFP
Agenda
                                Agenda


1. Estudo de caso


2. Análise qualitativa


3. Análise quantitativa


4. Estudo confirmatório




                         !    Apresentação disponível em:
                             www.slideshare.net/rosariocacao
1. ESTUDO DE CASO
1. ESTUDO DE CASO
Estudo de Caso

   Que modelos de avaliação da qualidade se adequam ao
        e-learning dirigido ao mercado residencial?

• Caso de estudo do EVOLUI.COM (www.evolui.com)

• Utilização de metodologias mistas (qualitativa e quantitativa)
   – Estudo qualitativo utilizado para efeitos exploratórios
   – Estudo quantitativo utilizado para ultrapassar as limitações da
     análise qualitativa e confirmar conclusões qualitativas
   – Estudo quantitativo adicional para efeitos confirmatórios
2. ANÁLISE QUALITATIVA
2. ANÁLISE QUALITATIVA
Análise Qualitativa

• 45 edições entre Agosto de 2007 e Junho de 2008 de cursos
  de formação contínua de formadores
• 2400 mensagens analisadas – ponto de saturação teórica
  (Glaser & Strauss, 1967)
• Observação participada com entrevista e apontamentos de
  etnografia virtual
• Análise qualitativa com apoio do NVIVO


                          !             Análise qualitativa de dados com o NVIVO
                                            www.slideshare.net/rosariocacao


 Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (1967). The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research
 (2007 ed.). New York, NY: Aldine de Gruter.
2. ANÁLISE QUALITATIVA
Análise Qualitativa
2. ANÁLISE QUALITATIVA
Análise Qualitativa
                                               “Transferência” das aprendizagens

                                               Aumento do desempenho

                                               Retorno do investimento

                                               Alterações de comportamento

                                               Utilidade futura

                                               Usos práticos

                                               Utilidade profissional

                                               Motivação para aprendizagem
                                               futura

                                               Prazo de utilização

                                               Motivação
       Node para exploração: A utilidade
     Utilidade imediata vs. Utilidade futura
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
Análise Quantitativa

• Inquérito single-item online com escalas de Likert para 15
  variáveis

• 2741 respostas recolhidas entre Março de 2008 e Fevereiro
  de 2009 de 1085 clientes/formandos

• Procedimentos habituais de pré-teste, gestão de duplicados
  e de missing values

• Consistência interna (alpha de Cronbach) de 0.963

• 64% dos inquiridos são do sexo feminino
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
Análise Quantitativa

A qualidade tem assimetria negativa e curtose positiva:

                                                                                                  Peterson e
                                                                                                 Wilson (1992)
                                                                                                   explicam
                                                                                                     esta
                                                                                                  assimetria




Peterson, R. A., & Wilson, W. R. (1992). Measuring Customer Satisfaction: Fact and Artifact. Journal of the
Academy of Marketing Science, 20(Winter), 61-71.
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
Análise Quantitativa

• A utilidade é superior nos cursos que dão acesso a
  certificação*

• A utilidade futura é maior do que a imediata**

• As mulheres têm uma percepção de utilidade – imediata e
  futura – superior à dos homens*

• As mulheres têm percepções de qualidade superiores*

• As percepções de qualidade são diferentes conforme é o
  formando a pagar a inscrição ou a empresa para quem
  trabalha*
* Testes não paramétricos de Mann-Whitney para amostras independentes
** Testes não paramétricos de Wilcoxon para amostras emparelhadas
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
Análise Quantitativa

• Dimensões da Qualidade - Estimação
Y = .3 + .125 X1 + .169 X2 + .152 X3 + .133 X4 + .83 X5 + .122 X6 + .7 X7 + .057 X8
    - .045 X9 + .069 X10 + .044 X11
                                                   Y = Qualidade
                                                   X1 = Satisfação global
                                                   X2 = Utilidade futura
•   A satisfação, sozinha, explica quase 72% da    X3 = Conteúdos
    qualidade                                      X4 = Relação qualidade-preço
•   A utilidade imediata é a dimensão menos        X5 = Competência, simpatia e
    expressiva da qualidade                             prontidão da equipa de apoio
•   A qualidade é uma atitude de longo prazo       X6 = Cumprimento de expectativas
•                                                  X7 = Competência do formador
    A motivação final não influencia muito a
                                                   X8 = Plataforma e suas
    qualidade mas é a principal influência da
                                                        funcionalidades
    satisfação
                                                   X9 = Motivação inicial
•   O estudo da motivação permite determinar       X10 = Motivação final
    a duração óptima da formação                   X11 = Utilidade imediata
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
 Análise Quantitativa
 • Dimensões de Qualidade - A Análise Factorial Exploratória




Fonte: Adaptado de Coughlin, M. A. (1999). Applications of Intermediate/Advanced Statistics in Institutional
Research (2005 ed.). Tallahassee: Association for Institutional Research. pp. 182-183

  Número de factores: Eigenvalues superiores a 1 (regra de Kaiser-Guttman)
  Método de extracção: Principais componentes
  Método de rotação: Varimax (rotação ortogonal)
3. ANÁLISE QUANTITATIVA
Análise Quantitativa
• Dimensões de Qualidade - A Análise Factorial
4. ESTUDO CONFIRMATÓRIO
4. ESTUDO CONFIRMATÓRIO
Estudo Confirmatório

• Inquérito online no início da formação entre Junho de 2008
  e Março de 2009

• 1237 respostas relativas a 148 cursos diferentes

• 68% dos inquiridos são do sexo feminino
4. ESTUDO CONFIRMATÓRIO
Estudo Confirmatório

• Em 73% dos casos a motivação para a formação está relacionada com o
  desenvolvimento e melhoria futuros e não com a supressão de
  necessidades de formação de curto prazo

• Há alterações no perfil motivacional consoante quem teve a ideia de
  frequentar o curso e quem pagou a inscrição

• 26% não concorda com a decisão da sua empresa do formando
  frequentar aquela formação

• 35% da percepção de valor está relacionada com a utilidade e 26% com
  as oportunidades de trabalho

• A utilidade futura é um motivo de desconforto na ausência de formação

• A utilidade imediata é um motivo de conforto na presença de formação
CONCLUSÕES
CONCLUSÕES
Conclusões

• A combinação de metodologias qualitativas e quantitativas
  através de estudos sucessivos e encadeados garante mais
  robustez e confiabilidade aos estudos de caso

• A percepção de “utilidade” é uma importante variável
  explicativa da qualidade

• As diversas variáveis da qualidade podem ser agrupadas em 3
  factores:
   – Atitudes perante a formação
   – Processo de formação
   – Utilidade da formação


• A motivação deve ser integrada nos estudos de avaliação da
  qualidade na formação
QUALIDADE NO E-LEARNING



Rosário Cação
rosario@evolui.com
mrac@dei.uc.pt

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Qualidade no e-learning

Qualidade cochabamba
Qualidade cochabambaQualidade cochabamba
Qualidade cochabambaGeisa Duarte
 
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo GlobalizadoO Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo GlobalizadoEvandro Lorentz
 
Percepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUAL
Percepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUALPercepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUAL
Percepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUALKarla Alvarenga
 
Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta)
Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta) Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta)
Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta) Emanuel Ramos Borges
 
35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoriaAmanda Fraga
 
Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010LabCEO UFF
 
Overview of the evaluation field
Overview of the evaluation fieldOverview of the evaluation field
Overview of the evaluation fieldAndreia Durães
 
Abordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdf
Abordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdfAbordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdf
Abordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdfPedro Dique
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeSergio Canossa
 
Avaliação de aprendizagem 1
Avaliação de aprendizagem 1Avaliação de aprendizagem 1
Avaliação de aprendizagem 1ABEL73
 
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVOAnálise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVORosario Cação
 
Fundamentos da Qualidade
Fundamentos da QualidadeFundamentos da Qualidade
Fundamentos da Qualidadeblogcorreafabio
 

Semelhante a Qualidade no e-learning (20)

Qualidade cochabamba
Qualidade cochabambaQualidade cochabamba
Qualidade cochabamba
 
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo GlobalizadoO Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
 
Percepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUAL
Percepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUALPercepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUAL
Percepção da Qualidade na visão dos clientes com utilização da escala SERVQUAL
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 4 O.S.M (qualidade)
Aula 4 O.S.M (qualidade) Aula 4 O.S.M (qualidade)
Aula 4 O.S.M (qualidade)
 
Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta)
Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta) Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta)
Modelação estatística para risco de crédito (versão incompleta)
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria
 
Aulasqualidade
AulasqualidadeAulasqualidade
Aulasqualidade
 
Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010
 
Gestão Curricular, apresentação do trabalho
Gestão Curricular, apresentação do trabalhoGestão Curricular, apresentação do trabalho
Gestão Curricular, apresentação do trabalho
 
MASP - Metodologia de Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia de Análise e Solução de Problemas MASP - Metodologia de Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia de Análise e Solução de Problemas
 
Overview of the evaluation field
Overview of the evaluation fieldOverview of the evaluation field
Overview of the evaluation field
 
Abordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdf
Abordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdfAbordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdf
Abordagem Qualitativa e Quantitativa[812].pdf
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
 
Avaliação de aprendizagem 1
Avaliação de aprendizagem 1Avaliação de aprendizagem 1
Avaliação de aprendizagem 1
 
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVOAnálise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
 
Fundamentos da Qualidade
Fundamentos da QualidadeFundamentos da Qualidade
Fundamentos da Qualidade
 

Mais de Rosario Cação

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalRosario Cação
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesRosario Cação
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaRosario Cação
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierRosario Cação
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Rosario Cação
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleRosario Cação
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisRosario Cação
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsRosario Cação
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoRosario Cação
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosRosario Cação
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Rosario Cação
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Rosario Cação
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRosario Cação
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosRosario Cação
 

Mais de Rosario Cação (20)

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Qualidade no e-learning

  • 1. QUALIDADE NO E-LEARNING Rosário Cação www.evolui.com Lisboa, 29 de Abril 2009 Seminário IEFP
  • 2. Agenda Agenda 1. Estudo de caso 2. Análise qualitativa 3. Análise quantitativa 4. Estudo confirmatório ! Apresentação disponível em: www.slideshare.net/rosariocacao
  • 4. 1. ESTUDO DE CASO Estudo de Caso Que modelos de avaliação da qualidade se adequam ao e-learning dirigido ao mercado residencial? • Caso de estudo do EVOLUI.COM (www.evolui.com) • Utilização de metodologias mistas (qualitativa e quantitativa) – Estudo qualitativo utilizado para efeitos exploratórios – Estudo quantitativo utilizado para ultrapassar as limitações da análise qualitativa e confirmar conclusões qualitativas – Estudo quantitativo adicional para efeitos confirmatórios
  • 6. 2. ANÁLISE QUALITATIVA Análise Qualitativa • 45 edições entre Agosto de 2007 e Junho de 2008 de cursos de formação contínua de formadores • 2400 mensagens analisadas – ponto de saturação teórica (Glaser & Strauss, 1967) • Observação participada com entrevista e apontamentos de etnografia virtual • Análise qualitativa com apoio do NVIVO ! Análise qualitativa de dados com o NVIVO www.slideshare.net/rosariocacao Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (1967). The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research (2007 ed.). New York, NY: Aldine de Gruter.
  • 8. 2. ANÁLISE QUALITATIVA Análise Qualitativa “Transferência” das aprendizagens Aumento do desempenho Retorno do investimento Alterações de comportamento Utilidade futura Usos práticos Utilidade profissional Motivação para aprendizagem futura Prazo de utilização Motivação Node para exploração: A utilidade Utilidade imediata vs. Utilidade futura
  • 10. 3. ANÁLISE QUANTITATIVA Análise Quantitativa • Inquérito single-item online com escalas de Likert para 15 variáveis • 2741 respostas recolhidas entre Março de 2008 e Fevereiro de 2009 de 1085 clientes/formandos • Procedimentos habituais de pré-teste, gestão de duplicados e de missing values • Consistência interna (alpha de Cronbach) de 0.963 • 64% dos inquiridos são do sexo feminino
  • 11. 3. ANÁLISE QUANTITATIVA Análise Quantitativa A qualidade tem assimetria negativa e curtose positiva: Peterson e Wilson (1992) explicam esta assimetria Peterson, R. A., & Wilson, W. R. (1992). Measuring Customer Satisfaction: Fact and Artifact. Journal of the Academy of Marketing Science, 20(Winter), 61-71.
  • 12. 3. ANÁLISE QUANTITATIVA Análise Quantitativa • A utilidade é superior nos cursos que dão acesso a certificação* • A utilidade futura é maior do que a imediata** • As mulheres têm uma percepção de utilidade – imediata e futura – superior à dos homens* • As mulheres têm percepções de qualidade superiores* • As percepções de qualidade são diferentes conforme é o formando a pagar a inscrição ou a empresa para quem trabalha* * Testes não paramétricos de Mann-Whitney para amostras independentes ** Testes não paramétricos de Wilcoxon para amostras emparelhadas
  • 13. 3. ANÁLISE QUANTITATIVA Análise Quantitativa • Dimensões da Qualidade - Estimação Y = .3 + .125 X1 + .169 X2 + .152 X3 + .133 X4 + .83 X5 + .122 X6 + .7 X7 + .057 X8 - .045 X9 + .069 X10 + .044 X11 Y = Qualidade X1 = Satisfação global X2 = Utilidade futura • A satisfação, sozinha, explica quase 72% da X3 = Conteúdos qualidade X4 = Relação qualidade-preço • A utilidade imediata é a dimensão menos X5 = Competência, simpatia e expressiva da qualidade prontidão da equipa de apoio • A qualidade é uma atitude de longo prazo X6 = Cumprimento de expectativas • X7 = Competência do formador A motivação final não influencia muito a X8 = Plataforma e suas qualidade mas é a principal influência da funcionalidades satisfação X9 = Motivação inicial • O estudo da motivação permite determinar X10 = Motivação final a duração óptima da formação X11 = Utilidade imediata
  • 14. 3. ANÁLISE QUANTITATIVA Análise Quantitativa • Dimensões de Qualidade - A Análise Factorial Exploratória Fonte: Adaptado de Coughlin, M. A. (1999). Applications of Intermediate/Advanced Statistics in Institutional Research (2005 ed.). Tallahassee: Association for Institutional Research. pp. 182-183 Número de factores: Eigenvalues superiores a 1 (regra de Kaiser-Guttman) Método de extracção: Principais componentes Método de rotação: Varimax (rotação ortogonal)
  • 15. 3. ANÁLISE QUANTITATIVA Análise Quantitativa • Dimensões de Qualidade - A Análise Factorial
  • 17. 4. ESTUDO CONFIRMATÓRIO Estudo Confirmatório • Inquérito online no início da formação entre Junho de 2008 e Março de 2009 • 1237 respostas relativas a 148 cursos diferentes • 68% dos inquiridos são do sexo feminino
  • 18. 4. ESTUDO CONFIRMATÓRIO Estudo Confirmatório • Em 73% dos casos a motivação para a formação está relacionada com o desenvolvimento e melhoria futuros e não com a supressão de necessidades de formação de curto prazo • Há alterações no perfil motivacional consoante quem teve a ideia de frequentar o curso e quem pagou a inscrição • 26% não concorda com a decisão da sua empresa do formando frequentar aquela formação • 35% da percepção de valor está relacionada com a utilidade e 26% com as oportunidades de trabalho • A utilidade futura é um motivo de desconforto na ausência de formação • A utilidade imediata é um motivo de conforto na presença de formação
  • 20. CONCLUSÕES Conclusões • A combinação de metodologias qualitativas e quantitativas através de estudos sucessivos e encadeados garante mais robustez e confiabilidade aos estudos de caso • A percepção de “utilidade” é uma importante variável explicativa da qualidade • As diversas variáveis da qualidade podem ser agrupadas em 3 factores: – Atitudes perante a formação – Processo de formação – Utilidade da formação • A motivação deve ser integrada nos estudos de avaliação da qualidade na formação
  • 21. QUALIDADE NO E-LEARNING Rosário Cação rosario@evolui.com mrac@dei.uc.pt