SlideShare uma empresa Scribd logo
Elaborado por:

Enfª Elsa Carvalho
         Setembro de 2012
Em 2003 é criada a Rede Nacional
de Cuidados Continuados, pelo DL
nº 281 de Novembro de 2003.
Pelo Decreto-Lei nº 101/2006, de 6 de Junho, é
criada a Rede Nacional de Cuidados Continuados
Integrados.
Conjunto de intervenções sequenciais de saúde e
/ou de apoio social, decorrente de avaliação
conjunta, centrado na recuperação global entendida
como o processo terapêutico e de apoio social,
ativo e contínuo, que visa promover a autonomia
melhorando a funcionalidade da pessoa em
situação de dependência, através da sua
reabilitação, readaptação e reinserção familiar e
social.
Tipologia
Unidades de internamento:
-U. de convalescença
-U. média duração e reabilitação
-U. longa duração e manutenção
-U. cuidados paliativos.


Unidades de ambulatório:
-U. de dia e de promoção da autonomia.
Em 2004 foi publicado pelo Ministério da
Saúde o Programa Nacional de
Cuidados Paliativos, documento que
reconhece os cuidados paliativos como um
elemento fundamental dos cuidados de
saúde gerais em Portugal.
Unidades de Cuidados Paliativos
Finalidade: Acompanhamento,        tratamento       e
   supervisão clínica do doente em situação clínica
   complexa e de sofrimento, decorrentes de doença
   severa e ou avançada, incurável e progressiva.


Duração do internamento:
     Não existe previsão.
Cuidados paliativos...uma missão
Paliativo – Palllium(capa)

O problema de base não é resolvido,
mas sim minimizado, pela melhoria
da qualidade de vida do doente e da
família.
A prestação de Cuidados Paliativos centra-se
no alívio do sofrimento das pessoas, na
provisão de conforto e qualidade de vida e no
apoio às famílias, segundo os níveis de
diferenciação consignados no Programa
Nacional de Cuidados Paliativos, do Plano
Nacional de Saúde.
Cuidados paliativos...uma missão
Programa de Cuidados Paliativos:


1. Define objetivos de cuidados imediatos e a longo prazo e
     promove o planeamento e implementação das ações
     necessárias.
2.   Otimiza o estado funcional.
3.   Promove a melhor qualidade de vida possível para o doente
     e família.
4.   Educa o doente e a família para a compreensão da doença
     presente e suas consequências.
5.   Cria condições ambientais propiciadoras do bem-estar.
6.   Planeia a alta para o recurso adequado, em tempo útil.
7.   Apoia ativamente o doente moribundo e sua família,
     preparando-a para a perda e o luto.
Cuidados Paliativos

“São cuidados ativos e totais aos doentes,
familiares ou pessoas significativas,
realizados por uma equipa multidisciplinar
no momento em que a doença já não
responde aos cuidados curativos ou que
prolongam a vida.”
 Os seus princípios aplicam-se, de forma geral, aos
 doentes com qualquer tipo de doença progressiva
 que constitua risco de vida.

 Como forma de prevenção e alívio do sofrimento,
 atravessam áreas clínicas e do cuidar. Têm como
 finalidade primária ou exclusiva promover o conforto
 do doente.
Estatística:
Em Portugal morrem aproximadamente 100.000 pessoas por ano, com:
o   AVC
o   Tumores malignos
o   Problemas respiratórios/digestivos/génito-urinários
o   Causas mal definidas
o   HIV
o   Tuberculose
o   outras…


107839 – total
(valores discutidos em 2011)




    Na UCP no IPO no Porto há 97% de doentes
         com cancro e existem 20 vagas.
Cuidados a serem prestados por todos nós… enfermeiros,
assistente social, nutricionista, psicóloga, médicos,
assistentes operacionais, assistentes técnicos….a utentes e
seus cuidadores…quer pertençamos a uma Unidade de
Paliativos ou não.
…o alívio do desconforto…
        …o alívio da dor…
um simples sorriso…um toque…
para quem nada tem…significa tudo….
Cuidados paliativos têm um amplo
     espetro de intervenção:


     Dimensão psíquica
     Dimensão física e social
     Dimensão espiritual
A solidão e a perda necessitam de ser trabalhadas…
Doente e família são alvo do cuidar…
“Às vezes a tarefa do artista é descobrir quanta música ainda pode tocar com
                                                       aquilo que lhe resta…”

                                                                Itzhak Perlman, 1995
Carta escrita por uma estudante de enfermagem espanhola, aos seus colegas…
Hoje em dia vive-se na sociedade atual a
morte invertida.
As pessoas morrem em instituições ao
inverso do passado, onde todos estavam
em casa.
“O Paralítico”




O mais belo exemplo de medicina paliativa representada na arte pode ser
   apreciado em O Paralítico, do pintor francês Jean-Baptiste Greuze
                              (1725-1805)
Morrer e não sofrer…
1. Mais ao doente do que à doença;
2. Aceitam a morte, melhorando o que resta da vida;
3. Constituem uma aliança entre o doente e os
   prestadores de cuidados;
4. Preocupam-se mais com a “reconciliação” do que
   com a cura.
Morrer Reconciliado
             Entrar na vida com a morte


Significa poder dizer:
             “Gosto muito de ti,
            Perdoa-me,
            Perdoo-te,
            Obrigado,
                       Adeus.”
“Quando adequadamente preparada e
acompanhada por profissionais
competentes, a morte é aceite com
resignação, o que de fato, nem sempre
sucede.”
                João Lobo Antunes, in A Nova Medicina
Como preparar/acompanhar?

Tratamento adequado dos doentes com
 doenças      crónicas avançadas  e
 progressivas.

   Por excesso: obstinação terapêutica

   Por defeito: não há nada a fazer
A nossa atuação deve focar:

 Sintomas físicos:
 dor,
 sintomas alimentares (anorexia),
 sintomas respiratórios (dispneia),
 sintomas urinários (disúria),
 outros sintomas (astenia),…
A nossa atuação deve focar…

Sintomas psicológicos:
 perturbações mentais secundárias como
  ansiedade, delírio, alterações do sono,…
Alterações da integridade pessoal
 imagem corporal,
 funções do corpo,
 função intelectual,
 função social e profissional,…
A nossa atuação deve focar…

Preocupações existenciais
 por retrospeção,
 em relação ao futuro,
 questões religiosas,…


Problemas induzidos pelos serviços de saúde
 comunicação,…
Então…
 Há controlo de sintomas.
 Promovem o conforto e a qualidade de vida dos
  doentes, pela abordagem multidimensional e
  multidisciplinar.
Para não permitir que o doente sofra mais que o
 inevitável.
Bibliografia
Dicionário Enciclopédico da Língua Portuguesa

Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem
• OE, 2002

Pós-Graduação em Cuidados Continuados e Paliativos 3ª edição, Gandra – Paredes,
  Março a Novembro de 2009;

Twycross, Robert, Cuidados Paliativos, 2ª edição, Lisboa: Climepsi Editores, Novembro
  de 2003.

Antunes, João Lobo, A Nova Medicina, Relógio D Agua Editores, Janeiro de 2012.

Página Web:

http://www.rncci.min-saude.pt
“O rio atinge os seus objetivos porque aprende a
                        contornar os obstáculos.”
                                           Lao Tsé
Grata pela atenção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Patricia Nunes
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
MrKokamus
 
O profissional da saúde diante da morte
O profissional da  saúde diante da morteO profissional da  saúde diante da morte
O profissional da saúde diante da morte
Marian de Souza
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Washington Costa
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
Oncoguia
 
Preparar para a morte
Preparar para a mortePreparar para a morte
Preparar para a morte
Teresa Andrade
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
apostila-clnicamedica-.pdf
apostila-clnicamedica-.pdfapostila-clnicamedica-.pdf
apostila-clnicamedica-.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 
Cuidado Paliativo no século XXI: conceitos, evidências e desafios
Cuidado Paliativo no século XXI:conceitos, evidências e desafiosCuidado Paliativo no século XXI:conceitos, evidências e desafios
Cuidado Paliativo no século XXI: conceitos, evidências e desafios
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
Rodrigo Abreu
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
Almeida Almeida
 
Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2
Futuros Medicos
 

Mais procurados (20)

Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
O profissional da saúde diante da morte
O profissional da  saúde diante da morteO profissional da  saúde diante da morte
O profissional da saúde diante da morte
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Preparar para a morte
Preparar para a mortePreparar para a morte
Preparar para a morte
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
apostila-clnicamedica-.pdf
apostila-clnicamedica-.pdfapostila-clnicamedica-.pdf
apostila-clnicamedica-.pdf
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Cuidado Paliativo no século XXI: conceitos, evidências e desafios
Cuidado Paliativo no século XXI:conceitos, evidências e desafiosCuidado Paliativo no século XXI:conceitos, evidências e desafios
Cuidado Paliativo no século XXI: conceitos, evidências e desafios
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativos
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
 
Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2Aula 11 a morte e o luto2
Aula 11 a morte e o luto2
 

Semelhante a Cuidados paliativos...uma missão

0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
laiscarlini
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
Márcio Borges
 
Enfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e lutoEnfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e luto
Rodrigo Bastos
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
AndressaMolina3
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
AndressaMolina3
 
1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf
1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf
1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf
vinisbarros1
 
Eduardo juan troster mesa redonda 13
Eduardo juan troster   mesa redonda 13Eduardo juan troster   mesa redonda 13
Eduardo juan troster mesa redonda 13
xanamachado
 
Cartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fimCartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fim
Tarlla
 
Cartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fimCartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fim
Tarlla
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
BrendoArruda
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
CarlaMarcelaFaedda
 
A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...
A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...
A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...
Cristina Pressutto
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
MrKokamus
 
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
biacastro
 
Cartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados PaliativosCartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados Paliativos
PmelaMeloCavalcanti
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
IsadoraPereira32
 
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Arte Despertar
 
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxCuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
ZecaXavier1
 
apresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptxapresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptx
JooMurta3
 
Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...
Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...
Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...
Jeferson Espindola
 

Semelhante a Cuidados paliativos...uma missão (20)

0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
 
Enfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e lutoEnfermeiro na atenção à dor e luto
Enfermeiro na atenção à dor e luto
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf
1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf
1 - Aula introdutória Cuidados paliativos.pdf
 
Eduardo juan troster mesa redonda 13
Eduardo juan troster   mesa redonda 13Eduardo juan troster   mesa redonda 13
Eduardo juan troster mesa redonda 13
 
Cartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fimCartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fim
 
Cartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fimCartilha cuidando bem até o fim
Cartilha cuidando bem até o fim
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
 
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdfAula cuidados paliativos pdf.pdf
Aula cuidados paliativos pdf.pdf
 
A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...
A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...
A experiência do adoecimento é muito difícil não só para o paciente, mas tamb...
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
 
Cartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados PaliativosCartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados Paliativos
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
 
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
 
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxCuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
 
apresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptxapresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptx
 
Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...
Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...
Prevenção ao Suicídio - Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Prim...
 

Cuidados paliativos...uma missão

  • 1. Elaborado por: Enfª Elsa Carvalho Setembro de 2012
  • 2. Em 2003 é criada a Rede Nacional de Cuidados Continuados, pelo DL nº 281 de Novembro de 2003.
  • 3. Pelo Decreto-Lei nº 101/2006, de 6 de Junho, é criada a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados.
  • 4. Conjunto de intervenções sequenciais de saúde e /ou de apoio social, decorrente de avaliação conjunta, centrado na recuperação global entendida como o processo terapêutico e de apoio social, ativo e contínuo, que visa promover a autonomia melhorando a funcionalidade da pessoa em situação de dependência, através da sua reabilitação, readaptação e reinserção familiar e social.
  • 5. Tipologia Unidades de internamento: -U. de convalescença -U. média duração e reabilitação -U. longa duração e manutenção -U. cuidados paliativos. Unidades de ambulatório: -U. de dia e de promoção da autonomia.
  • 6. Em 2004 foi publicado pelo Ministério da Saúde o Programa Nacional de Cuidados Paliativos, documento que reconhece os cuidados paliativos como um elemento fundamental dos cuidados de saúde gerais em Portugal.
  • 7. Unidades de Cuidados Paliativos Finalidade: Acompanhamento, tratamento e supervisão clínica do doente em situação clínica complexa e de sofrimento, decorrentes de doença severa e ou avançada, incurável e progressiva. Duração do internamento: Não existe previsão.
  • 9. Paliativo – Palllium(capa) O problema de base não é resolvido, mas sim minimizado, pela melhoria da qualidade de vida do doente e da família.
  • 10. A prestação de Cuidados Paliativos centra-se no alívio do sofrimento das pessoas, na provisão de conforto e qualidade de vida e no apoio às famílias, segundo os níveis de diferenciação consignados no Programa Nacional de Cuidados Paliativos, do Plano Nacional de Saúde.
  • 12. Programa de Cuidados Paliativos: 1. Define objetivos de cuidados imediatos e a longo prazo e promove o planeamento e implementação das ações necessárias. 2. Otimiza o estado funcional. 3. Promove a melhor qualidade de vida possível para o doente e família. 4. Educa o doente e a família para a compreensão da doença presente e suas consequências. 5. Cria condições ambientais propiciadoras do bem-estar. 6. Planeia a alta para o recurso adequado, em tempo útil. 7. Apoia ativamente o doente moribundo e sua família, preparando-a para a perda e o luto.
  • 13. Cuidados Paliativos “São cuidados ativos e totais aos doentes, familiares ou pessoas significativas, realizados por uma equipa multidisciplinar no momento em que a doença já não responde aos cuidados curativos ou que prolongam a vida.”
  • 14.  Os seus princípios aplicam-se, de forma geral, aos doentes com qualquer tipo de doença progressiva que constitua risco de vida.  Como forma de prevenção e alívio do sofrimento, atravessam áreas clínicas e do cuidar. Têm como finalidade primária ou exclusiva promover o conforto do doente.
  • 15. Estatística: Em Portugal morrem aproximadamente 100.000 pessoas por ano, com: o AVC o Tumores malignos o Problemas respiratórios/digestivos/génito-urinários o Causas mal definidas o HIV o Tuberculose o outras… 107839 – total (valores discutidos em 2011) Na UCP no IPO no Porto há 97% de doentes com cancro e existem 20 vagas.
  • 16. Cuidados a serem prestados por todos nós… enfermeiros, assistente social, nutricionista, psicóloga, médicos, assistentes operacionais, assistentes técnicos….a utentes e seus cuidadores…quer pertençamos a uma Unidade de Paliativos ou não.
  • 17. …o alívio do desconforto… …o alívio da dor…
  • 18. um simples sorriso…um toque… para quem nada tem…significa tudo….
  • 19. Cuidados paliativos têm um amplo espetro de intervenção:  Dimensão psíquica  Dimensão física e social  Dimensão espiritual
  • 20. A solidão e a perda necessitam de ser trabalhadas…
  • 21. Doente e família são alvo do cuidar…
  • 22. “Às vezes a tarefa do artista é descobrir quanta música ainda pode tocar com aquilo que lhe resta…” Itzhak Perlman, 1995
  • 23. Carta escrita por uma estudante de enfermagem espanhola, aos seus colegas…
  • 24. Hoje em dia vive-se na sociedade atual a morte invertida. As pessoas morrem em instituições ao inverso do passado, onde todos estavam em casa.
  • 25. “O Paralítico” O mais belo exemplo de medicina paliativa representada na arte pode ser apreciado em O Paralítico, do pintor francês Jean-Baptiste Greuze (1725-1805)
  • 26. Morrer e não sofrer… 1. Mais ao doente do que à doença; 2. Aceitam a morte, melhorando o que resta da vida; 3. Constituem uma aliança entre o doente e os prestadores de cuidados; 4. Preocupam-se mais com a “reconciliação” do que com a cura.
  • 27. Morrer Reconciliado Entrar na vida com a morte Significa poder dizer: “Gosto muito de ti, Perdoa-me, Perdoo-te, Obrigado, Adeus.”
  • 28. “Quando adequadamente preparada e acompanhada por profissionais competentes, a morte é aceite com resignação, o que de fato, nem sempre sucede.” João Lobo Antunes, in A Nova Medicina
  • 29. Como preparar/acompanhar? Tratamento adequado dos doentes com doenças crónicas avançadas e progressivas. Por excesso: obstinação terapêutica Por defeito: não há nada a fazer
  • 30. A nossa atuação deve focar: Sintomas físicos:  dor,  sintomas alimentares (anorexia),  sintomas respiratórios (dispneia),  sintomas urinários (disúria),  outros sintomas (astenia),…
  • 31. A nossa atuação deve focar… Sintomas psicológicos:  perturbações mentais secundárias como ansiedade, delírio, alterações do sono,… Alterações da integridade pessoal  imagem corporal,  funções do corpo,  função intelectual,  função social e profissional,…
  • 32. A nossa atuação deve focar… Preocupações existenciais  por retrospeção,  em relação ao futuro,  questões religiosas,… Problemas induzidos pelos serviços de saúde  comunicação,…
  • 33. Então…  Há controlo de sintomas.  Promovem o conforto e a qualidade de vida dos doentes, pela abordagem multidimensional e multidisciplinar. Para não permitir que o doente sofra mais que o inevitável.
  • 34. Bibliografia Dicionário Enciclopédico da Língua Portuguesa Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem • OE, 2002 Pós-Graduação em Cuidados Continuados e Paliativos 3ª edição, Gandra – Paredes, Março a Novembro de 2009; Twycross, Robert, Cuidados Paliativos, 2ª edição, Lisboa: Climepsi Editores, Novembro de 2003. Antunes, João Lobo, A Nova Medicina, Relógio D Agua Editores, Janeiro de 2012. Página Web: http://www.rncci.min-saude.pt
  • 35. “O rio atinge os seus objetivos porque aprende a contornar os obstáculos.” Lao Tsé