SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
ESTUDO
CASO-
CONTROLE
 AILDA OLIVEIRA
 CARLENE RAMOS
 EDJAN SILVA
 HIAGO LOPES
Expostos
Não
Expostos
Expostos
Não
Expostos
Doentes
Sadios
Estudo Retrospectivo
Os estudos tipo caso-controle
caracterizam-se, á semelhança
dos estudos de coorte por serem
observacionais, ou seja, não há
intervenção por parte do
Investigador.
Situações como as encontra-
das em surtos epidêmicos ou
diante de agravos desconhe-
cidos, em que é indispensável
a identificação urgente da etio-
logia da doença com o objeti-
vo de uma imediata ação de
controle.
Esse delineamento permite,
de forma rápida e pouco dis-
pendiosa, a investigação de
fatores de risco associados
a doenças raras e de longo
período de latência.
 Memória dos casos
e dos controles.
 Seleção de casos e
controles.
 Critério diagnostico;
 Aspectos variedades clínicas;
 Estadiamento da doença;
 Emprego de casos ocorridos num intervalo definido de
tempo (incidência) ou de casos prevalentes em
determinado momento;
 Fonte dos casos, que podem ser todos os atendidos
por um ou mais serviços médicos ou todos doentes
encontrados na população.
FÁCIL
EXECUÇÃO
SELEÇÃO DOS
CONTROLES
INFORMAÇÕES
INCORRETAS
BAIXO CUSTO
+
CURTA
DURAÇÃO
MEMÓRIA
CALCULO
DIRETO
 ESTUDO CASO-CONTROLE
 POPULAÇÃO DO ESTUDO
 SELEÇÃO DOS CASOS
 SELEÇÃO DOS CONTROLES
 COLETA DE DADOS
 ANÁLISE DOS DADOS
O cálculo amostral para o estudo foi realizado em conformidade com as orientações para
cálculo de amostras para Estudos Caso-Controle com múltiplos controles por caso
(Schlesselman, 1982). Fórmula de Cálculo: n= [Zα√(1+1/c).p’.q’ + Zβ√p1.q1+ p0.q0/c]2/(
p1-p0)2
Onde:
n= número de casos necessários; c= número de controles por caso; n.c= número de
controles necessários
α= nível de significância; β= erro (complementar ao poder (1- β) do estudo)
Zα e Zβ= valores da curva normal padrão correspondentes a α e β
p0= probabilidade estimada de exposição entre controles; q0= 1 - p0
R= Risco Relativo (Odds Ratio) mínimo que se deseja detectar no estudo
p1= p0. R/[1+ p0(R-1)]; q1= 1- p1
p’= (p1+c. p0)/(1+c); q’= 1-p’
• http://portalses.saude.sc.gov.br/arquivos/sala_de_leit
ura/saude_e_cidadania/ed_07/08_08.html. Acesso em
09/05/15 ás 18:14
• Wakimoto, Mayumi Duarte Fatores associados ao dengue
grave em crianças - estudo caso-controle em três hospitais
pediátricos no município do Rio de Janeiro. / Mayumi Duarte
Wakimoto. -- 2011. Acesso em 09 /05/2015 –as 18:56
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 ensaio clínico randomizado
Aula 4   ensaio clínico randomizadoAula 4   ensaio clínico randomizado
Aula 4 ensaio clínico randomizadoRicardo Alexandre
 
Epidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteEpidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteLuis Dantas
 
Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...
Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...
Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...Rosemeire Rocha Pinto
 
Aula1: Introdução á Bioestatística
Aula1: Introdução á BioestatísticaAula1: Introdução á Bioestatística
Aula1: Introdução á Bioestatísticaansansil
 
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfAULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfCASA
 
amostragem
amostragemamostragem
amostragemsocram01
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisMario Gandra
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaIvaristo Americo
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceralHIAGO SANTOS
 
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Wilson Guedes
 
Aula 1 - Bioestatística
Aula 1 - BioestatísticaAula 1 - Bioestatística
Aula 1 - BioestatísticaCaroline Godoy
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96Rose Manzioli
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaLaped Ufrn
 

Mais procurados (20)

Aula 4 ensaio clínico randomizado
Aula 4   ensaio clínico randomizadoAula 4   ensaio clínico randomizado
Aula 4 ensaio clínico randomizado
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Epidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteEpidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorte
 
Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...
Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...
Etapas do desenvolvimento da busca: análise da pergunta de pesquisa PICO/PICO...
 
Aula1: Introdução á Bioestatística
Aula1: Introdução á BioestatísticaAula1: Introdução á Bioestatística
Aula1: Introdução á Bioestatística
 
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfAULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
 
amostragem
amostragemamostragem
amostragem
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Estudos Descritivos
Estudos DescritivosEstudos Descritivos
Estudos Descritivos
 
Aula 4 estudos de coorte
Aula 4   estudos de coorteAula 4   estudos de coorte
Aula 4 estudos de coorte
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
Métodos empregados em epidemiologia 2013 20130302000453
 
Aula 1 - Bioestatística
Aula 1 - BioestatísticaAula 1 - Bioestatística
Aula 1 - Bioestatística
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 

Destaque

Estudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtosEstudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtosWanderson Oliveira
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosIngrid Travassos
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Principles of Scientific Writing for an International Audience
Principles of Scientific Writing for an International AudiencePrinciples of Scientific Writing for an International Audience
Principles of Scientific Writing for an International Audiencemanderschulte
 
Principles of management
Principles of managementPrinciples of management
Principles of managementkarunungan14
 
Estudos Observacionais (aula 7)
Estudos Observacionais (aula 7)Estudos Observacionais (aula 7)
Estudos Observacionais (aula 7)Sandra Lago Moraes
 
Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental”
Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental” Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental”
Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental” Cristhian ortiz casas
 
Research Methodology - Case control study
Research Methodology - Case control studyResearch Methodology - Case control study
Research Methodology - Case control studyRizwan S A
 
Teorías administrativas 2016
Teorías administrativas 2016Teorías administrativas 2016
Teorías administrativas 2016Alejandro Gomez
 
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
Aula 4   medidas de frequência de uma doençaAula 4   medidas de frequência de uma doença
Aula 4 medidas de frequência de uma doençaRicardo Alexandre
 
Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)
Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)
Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)sonibermora
 

Destaque (20)

Caso Controle
Caso ControleCaso Controle
Caso Controle
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Caso controle
Caso controleCaso controle
Caso controle
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Estudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtosEstudos epidemiológicos na investigação de surtos
Estudos epidemiológicos na investigação de surtos
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
 
Tipos De Estudo
Tipos De EstudoTipos De Estudo
Tipos De Estudo
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
 
Apostilha8
Apostilha8Apostilha8
Apostilha8
 
Principles of Scientific Writing for an International Audience
Principles of Scientific Writing for an International AudiencePrinciples of Scientific Writing for an International Audience
Principles of Scientific Writing for an International Audience
 
Principles of management
Principles of managementPrinciples of management
Principles of management
 
Teorias Administrativas
Teorias AdministrativasTeorias Administrativas
Teorias Administrativas
 
Estudos Observacionais (aula 7)
Estudos Observacionais (aula 7)Estudos Observacionais (aula 7)
Estudos Observacionais (aula 7)
 
Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental”
Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental” Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental”
Casos Prácticos - Administración y Marketing “Universidad Continental”
 
Research Methodology - Case control study
Research Methodology - Case control studyResearch Methodology - Case control study
Research Methodology - Case control study
 
Teorías administrativas 2016
Teorías administrativas 2016Teorías administrativas 2016
Teorías administrativas 2016
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
 
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
Aula 4   medidas de frequência de uma doençaAula 4   medidas de frequência de uma doença
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
 
Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)
Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)
Estructura organizacional (jerarquías y organigramas)
 

Semelhante a Estudo caso-controle: análise e aplicações

ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico Ricardo Portela
 
Aula aval testes diagnósticos
Aula aval testes diagnósticosAula aval testes diagnósticos
Aula aval testes diagnósticosDaniela Lima
 
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Vic Fernandes
 
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoRicardo Portela
 
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicosAp5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicosLABIMUNO UFBA
 
Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...
Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...
Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...REBRATSoficial
 
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde CONITEC
 
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã OC R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã OLABIMUNO UFBA
 
Imunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodotImunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodotThiago Rodrigues
 
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoRicardo Portela
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...Vic Fernandes
 
protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfAguiarneto3
 
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresDados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresGuilherme Barcellos
 

Semelhante a Estudo caso-controle: análise e aplicações (20)

ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
Epidemiologia básica 3
Epidemiologia básica 3Epidemiologia básica 3
Epidemiologia básica 3
 
Hep 141
Hep 141Hep 141
Hep 141
 
Aula aval testes diagnósticos
Aula aval testes diagnósticosAula aval testes diagnósticos
Aula aval testes diagnósticos
 
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
 
Testesdiagnóstcos22 05
Testesdiagnóstcos22 05Testesdiagnóstcos22 05
Testesdiagnóstcos22 05
 
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
 
aula_desenhosepid.ppt
aula_desenhosepid.pptaula_desenhosepid.ppt
aula_desenhosepid.ppt
 
Testes diagnósticos
Testes diagnósticosTestes diagnósticos
Testes diagnósticos
 
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicosAp5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
Ap5 - Critérios de validação dos testes sorológicos
 
Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...
Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...
Comparação da acurácia diagnóstica de testes diagnósticos comerciais imunocro...
 
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
 
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã OC R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
 
13991
1399113991
13991
 
Imunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodotImunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodot
 
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
 
protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdf
 
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresDados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
 

Mais de HIAGO SANTOS

Educação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógicaEducação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógicaHIAGO SANTOS
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoHIAGO SANTOS
 
Disturbios puerperais
Disturbios puerperaisDisturbios puerperais
Disturbios puerperaisHIAGO SANTOS
 

Mais de HIAGO SANTOS (8)

Educação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógicaEducação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógica
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Pnps
Pnps   Pnps
Pnps
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
Teorias
TeoriasTeorias
Teorias
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
Disturbios puerperais
Disturbios puerperaisDisturbios puerperais
Disturbios puerperais
 

Último

AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 

Último (14)

AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 

Estudo caso-controle: análise e aplicações

  • 2.  AILDA OLIVEIRA  CARLENE RAMOS  EDJAN SILVA  HIAGO LOPES
  • 3.
  • 4. Expostos Não Expostos Expostos Não Expostos Doentes Sadios Estudo Retrospectivo Os estudos tipo caso-controle caracterizam-se, á semelhança dos estudos de coorte por serem observacionais, ou seja, não há intervenção por parte do Investigador.
  • 5. Situações como as encontra- das em surtos epidêmicos ou diante de agravos desconhe- cidos, em que é indispensável a identificação urgente da etio- logia da doença com o objeti- vo de uma imediata ação de controle. Esse delineamento permite, de forma rápida e pouco dis- pendiosa, a investigação de fatores de risco associados a doenças raras e de longo período de latência.
  • 6.  Memória dos casos e dos controles.  Seleção de casos e controles.
  • 7.  Critério diagnostico;  Aspectos variedades clínicas;  Estadiamento da doença;  Emprego de casos ocorridos num intervalo definido de tempo (incidência) ou de casos prevalentes em determinado momento;  Fonte dos casos, que podem ser todos os atendidos por um ou mais serviços médicos ou todos doentes encontrados na população.
  • 9.
  • 10.  ESTUDO CASO-CONTROLE  POPULAÇÃO DO ESTUDO  SELEÇÃO DOS CASOS  SELEÇÃO DOS CONTROLES  COLETA DE DADOS  ANÁLISE DOS DADOS
  • 11. O cálculo amostral para o estudo foi realizado em conformidade com as orientações para cálculo de amostras para Estudos Caso-Controle com múltiplos controles por caso (Schlesselman, 1982). Fórmula de Cálculo: n= [Zα√(1+1/c).p’.q’ + Zβ√p1.q1+ p0.q0/c]2/( p1-p0)2 Onde: n= número de casos necessários; c= número de controles por caso; n.c= número de controles necessários α= nível de significância; β= erro (complementar ao poder (1- β) do estudo) Zα e Zβ= valores da curva normal padrão correspondentes a α e β p0= probabilidade estimada de exposição entre controles; q0= 1 - p0 R= Risco Relativo (Odds Ratio) mínimo que se deseja detectar no estudo p1= p0. R/[1+ p0(R-1)]; q1= 1- p1 p’= (p1+c. p0)/(1+c); q’= 1-p’
  • 12. • http://portalses.saude.sc.gov.br/arquivos/sala_de_leit ura/saude_e_cidadania/ed_07/08_08.html. Acesso em 09/05/15 ás 18:14 • Wakimoto, Mayumi Duarte Fatores associados ao dengue grave em crianças - estudo caso-controle em três hospitais pediátricos no município do Rio de Janeiro. / Mayumi Duarte Wakimoto. -- 2011. Acesso em 09 /05/2015 –as 18:56 REFERÊNCIAS