SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
 A centralização dos cuidados de saúde nos
Hospitais levou a uma transição da morte, que
outrora ocorria em casa, para dentro do Hospital
 Levou igualmente a que os profissionais de saúde
substituíssem progressivamente a família, no acto
de cuidar na morte.
 O estilo de vida do séc. XX tornou irreversível este
processo.
 Os profissionais de saúde nos hospitais,
transformaram-se nos maiores responsáveis pelo
curso da vida e da morte.
 As pessoas deixaram de pensar como aceitáveis
outras formas de morrer que não no Hospital
 As sociedades deixaram de lidar globalmente com
a morte, porque esta foi transferida para
“profissionais qualificados para lidar com a
mesma”
 A família passou a ser menos presente no processo
de morrer.
 A formação essencial dos profissionais de saúde
diz-lhes que vão diagnosticar, tratar, curar ou
estabilizar sintomas e doenças mais ou menos
graves.
 O profissional de saúde vê-se no final da sua
formação como um “ Conserta tudo” em busca da
solução que tudo fará regressar a um estado de
normalidade.
 O que o contacto com pacientes que morrem diz
aos profissionais de saúde é que não é possível
fazê-lo sempre.
 Todas as culturas ancestrais e todas as religiões do
Mundo se ocupam intensa e ritualmente dos seus
moribundos e dos seus mortos
 Todas formam e orientam as pessoas no sentido
de encontrar conforto e resposta para as mais
antigas questões humanas perante a morte
 No paradigma humanista cientifico das sociedades
do Ocidente a vida apenas termina e os poucos
rituais são delegados em estranhos.
 Tem sido demonstrado que o contacto com a morte é o
aspecto que mais contribui para o desgaste emocional dos
profissionais de saúde e que o contacto prolongado com a
morte se caracteriza nestes por sintomas muito
semelhantes aos do luto por pessoas próximas.
 A formação é o factor que mais se associa a uma melhor
adaptação psicológica ao contacto prolongado com a morte,
em todos os grupos de profissionais.
 No que se refere ao contacto com a morte vários estudos
indicam que ao nível da formação pré-graduada a oferta
formativa nesta área ainda apresenta um vazio importante
a preencher.
 Ferrel et al (1999): Analisaram os 50
manuais de formação pré-graduada
mais utilizados em enfermagem e
constataram deficiências graves na
área dos cuidados em final de vida,
morte e luto.
 Rabow et al (2001): Analisaram
conteúdos dos 50 principais manuais
de formação médica pré-graduada, e
verificaram que 47 dos mesmos não
se referiam de todo à questão da
morte ou luto e que os restantes
apenas referiam o tema
superficialmente relacionando-o com
a geriatria.
 Trush et al (1979): Através de inquéritos passados
em 226 escolas de Enfermagem dos EUA,
constataram que apenas 5%, apresentavam
unidades curriculares obrigatórias nas quais se
abordava o tema da morte e do luto
 Dickinson et al (1991): Através de inquéritos a
todas as escolas de Medicina e Enfermagem nos
EUA, constatou que 50% das mesmas abordavam
o tema da morte apenas em aulas pontuais mas
não em unidades curriculares específicas para tal.
 Doyle (1991). Através de inquéritos realizados em
todas as faculdades de Medicina do Reino Unido
concluiu que no final dos cinco anos formativos, todos
os alunos teriam recebido em média seis horas de
formação obrigatória sobre o tema da morte e do luto
 Buss et al (1998) num inquérito a 426 alunos finalistas
de Medicina em Inglaterra, 98% dos alunos reportava
ter tido insuficiente preparação e contacto para lidar
com pacientes em fase final de vida.
 Sullivan et al (2003), através de um inquérito a 1445
estudantes finalistas e professores de 62 faculdades de
medicina dos EUA, constataram que apenas 18% dos
envolvidos reportavam ter recebido algum treino formal
na área do contacto com a morte, 39% afirmava não
estar preparado para interagir com pacientes em fase
final de vida e 50% disse não saber lidar com os seus
próprios sentimentos face à morte.
Formações pioneiras
 Integrados num Manual direccionado para a
formação avançada na área da Morte e do Luto,
Quint Benoliel (1982) reuniu várias propostas
formativas de grande interesse.
 As propostas variam no tempo, no público alvo, no
regime de frequência e na fase de formação à qual
se destinam.
 Swain e Coles (1982)
 Disciplina semestral optativa
num curso de enfermagem no
Wisconsin com 30 horas de
duração e com vários
objectivos integrados de
aprendizagem
 Crenças e atitudes perante a
morte
 Processo de luto e suas tarefas
 Mecanismos de coping com a
perda
 Luto e fases de desenvolvimento
 Aspectos legais e éticos da morte
 Diferenças socioculturais na
morte
 Comunicação dos enfermeiros
com o paciente em fase final de
vida
 Sintomas de desgaste no
enfermeiro
 Degner et al (1982)
 Unidade curricular
obrigatória para estudantes
do terceiro ano de
enfermagem com a duração
de um semestre na
Universidade de Manitoba
 Para além das aulas teóricas
incluia contacto
supervisionado em
unidades de cuidados
paliativos, serviços de
oncologia e domícilios de
pacientes em fase final de
vida
 História dos cuidados
Paliativos
 Enquadramento ético-legal
dos cuidados em final de vida
 Alívio de sintomas em fase
final de vida
 Comunicação com paciente e
família
 Impacto do cuidado no
profissional de saúde
 Goodell et al (1982):
 Proposta formativa de 3 seminários de 4 horas, para
alunos do segundo ano de Medicina ( 1-Atitudes face à
Morte, 2- Papel do Médico junto do paciente em fase
final de vida e sua família, 3- Papel do Hospital, da
Família e da Comunidade face ao paciente em fase
final de vida).
 Como metodologia utilizava a visualização e discussão
de filmes relevantes e entrevistas a pacientes em fase
final de vida.
 Bertman et al (1982) . Curso
livre de seis seminários de
90 minutos em seis
semanas consecutivas para
licenciados em diversas
áreas da saúde em
Massachussets
 Complementado com
contacto com pacientes no
final do curso
 Consciência face à doença e à
Morte, Informação e
Comunicação
 Atitudes e Crenças face à Morte
 Gestão de Comunicações
difíceis e Conflitos
 Avaliação de sintomas de mal
estar psicológico no paciente
 Dilemas éticos para o
profissional de saúde face à
morte
 Enquadramento histórico da
morte, rituais funerários e
crenças de vida para além da
morte
 McCorkle (1982)
 Desenvolveu uma pós-graduação de 1 ano para
enfermeiros de cuidados domiciliários com o objectivo
de preparar a intervenção em vários cenários em fase
final de vida.
 2 horas semanais divididas em três fases especificas :
Período que antecede a Morte, Período em que ocorre
a Morte e período depois da Morte
 Estágios e supervisão de casos acompanhados.
 A partir de 1995 a maioria das Associações Americanas
de saúde salientou a importância de formação
especializada para profissionais que lidam com a
morte dos seus pacientes.
 Desde 1996 a American Academy of Hospice and
Paliative Medicine desenvolve programas pós-
graduados para médicos e enfermeiros
 Desde 1998, a American Medical Association
apresenta formação presencial e à distância para
médicos denominada de “ Education for the
Physicians on End-of-Life Care”
 Desde 2000, a American Association of Colleges of
Nursing tem um programa pós- graduado : “ End of Life
Nursing Education Curriculum” com nove módulos
intensivos de formação no apoio em final de vida.
 Desde 2003, o Cancer and pain Symptom Managment
Nursing research group, desenvolveu um programa pré-
graduado em formato multimédia : “ Toolkit for
nurturing excelence in end of life transitions”, com seis
módulos destinados a ser ministrados como apoio em
aulas de enfermagem.
 Outras Formações têm surgido na área um pouco por
todo o mundo em Unidades de Cuidados Paliativos como
o seguindo o exemplo do St Christophers Hospice
 A formação em cuidados paliativos mostra desde 1999
algum desenvolvimento.
 Formações em Luto em Cuidados Paliativos estenderam-
se da Faculdade de Medicina de Lisboa para a
Universidade Católica (Porto e Lisboa) e mais
recentemente, decorrem mestrados equivalentes, em
várias escolas superiores de Saúde.
 Ao nível pré-graduado uma análise curricular mais
profunda mostra que apenas em alguns currículos o
tema é pontualmente abordado ou aparece com carácter
opcional.
 Praticamente toda a formação que analisamos não
é parte obrigatória na formação de profissionais de
saúde que vão lidar de perto com a morte.
 Os conteúdos são tão variáveis na forma e na
duração que nem sequer são comparáveis em
termos de impacto
 A avaliação de mudanças atitudinais ou
comportamentais nos profissionais de saúde é
raramente feita de forma adequada.
 Após avaliação de todos os conteúdos ministrados
na área da Educação para a morte em
Profissionais de Saúde foi elaborado e proposto ao
CTC um programa de UC obrigatória na formação
base de profissionais de saúde na Escola Superior
de Saúde Egas Moniz.
 Após aprovação do mesmo foi aprovado para ser
ministrado desde 2007/2008.
 1) O contacto com a morte e seu impacto ao longo
da História da Humanidade
 2) A morte e os profissionais de saúde ao longo da
História
 3) Diferentes perspectivas religiosas e rituais
perante a morte. A questão da vida depois da
Morte
 4) A Morte ao longo do ciclo de vida e seu impacto
 5) O Processo de Luto : fases, tipos e
Intervenção
 6) Comunicações difíceis em torno da morte e
do luto envolvendo crianças ou adolescentes
 7) Consequências da exposição à morte e a
outros aspectos stressantes nas profissões de
saúde
 8) Impacto das atitudes perante a morte no
comportamento dos profissionais de saúde
 9) Avaliação do stress ocupacional em profissões de
saúde em contacto com a morte
 10)Estratégias de coping e métodos de intervenção
no stress ocupacional

 Com o objectivo de avaliar o impacto da UC e da
metodologia pedagógica foram passados
questionários para avaliar as Atitudes Perante a
Morte e o bem estar psicológico no inicio e no final
da UC.
 Uma análise estatística inicial revelou que os
resultados dos alunos que receberam a formação
têm relativamente ao inicio da formação mostram
que a atitude consideradas negativas de
evitamento e de medo da morte diminuem
significativamente e se mantêm estáveis ao longo
de um ano lectivo. Os níveis de bem estar
psicológico são significativamente superiores aos
dos alunos que não receberam formação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminalRodrigo Abreu
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarWashington Costa
 
O profissional da saúde diante da morte
O profissional da  saúde diante da morteO profissional da  saúde diante da morte
O profissional da saúde diante da morteMarian de Souza
 
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosTerapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosLuciana Mateus
 
Inicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da Enfermagem
Inicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da EnfermagemInicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da Enfermagem
Inicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da EnfermagemAna Luzia
 
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosMariana Valle Gusmão
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasiljudicleia silva
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do IdosoMaria Dias
 
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Tezin Maciel
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfCASA
 
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaAula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaProqualis
 

Mais procurados (20)

Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto HospitalarMorte E Luto No Contexto Hospitalar
Morte E Luto No Contexto Hospitalar
 
O profissional da saúde diante da morte
O profissional da  saúde diante da morteO profissional da  saúde diante da morte
O profissional da saúde diante da morte
 
Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012Cuidados paliativos 2012
Cuidados paliativos 2012
 
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosTerapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Inicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da Enfermagem
Inicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da EnfermagemInicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da Enfermagem
Inicio dos cuidados Paliativos no Brasil e a importância da Enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
 
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
Humanização na Unidade de terapia intensiva (UTI)
 
Assistência de enfermagem por ciclos de vida
Assistência de enfermagem por ciclos de vidaAssistência de enfermagem por ciclos de vida
Assistência de enfermagem por ciclos de vida
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaAula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 

Semelhante a Preparar para a morte

Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2
Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2
Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2Mateus Neves
 
Psicologia hospitalar-tidir
Psicologia hospitalar-tidirPsicologia hospitalar-tidir
Psicologia hospitalar-tidirMateus Neves
 
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdfDomingosMagnoMeloCma
 
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Elisa Brietzke
 
Antropologia da saúde 2
Antropologia da saúde 2Antropologia da saúde 2
Antropologia da saúde 2Hotanilde Lima
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeuticoMarcelo Oliveira Borges
 
O estudo da morte e dos cuidados paliativos uma experiencia didatica no curs...
O estudo da morte e dos cuidados paliativos  uma experiencia didatica no curs...O estudo da morte e dos cuidados paliativos  uma experiencia didatica no curs...
O estudo da morte e dos cuidados paliativos uma experiencia didatica no curs...Gizelly
 
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agente
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agenteCapacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agente
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agentemanoelramosdeoliveir1
 
Eduardo juan troster mesa redonda 13
Eduardo juan troster   mesa redonda 13Eduardo juan troster   mesa redonda 13
Eduardo juan troster mesa redonda 13xanamachado
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]Teresa Andrade
 
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
 Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informaçãoISCSP
 
Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015Elisa Brietzke
 
2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf
2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf
2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdfcristinafafia
 

Semelhante a Preparar para a morte (20)

Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2
Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2
Psicologia Hospitalar - Pacientes Terminais 2
 
Psicologia hospitalar-tidir
Psicologia hospitalar-tidirPsicologia hospitalar-tidir
Psicologia hospitalar-tidir
 
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
 
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
 
Antropologia da saúde 2
Antropologia da saúde 2Antropologia da saúde 2
Antropologia da saúde 2
 
19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
11 a relacao_doente_sem_possibilidade_manejo_terapeutico
 
European definition in portuguese 2002
European definition in portuguese 2002European definition in portuguese 2002
European definition in portuguese 2002
 
O estudo da morte e dos cuidados paliativos uma experiencia didatica no curs...
O estudo da morte e dos cuidados paliativos  uma experiencia didatica no curs...O estudo da morte e dos cuidados paliativos  uma experiencia didatica no curs...
O estudo da morte e dos cuidados paliativos uma experiencia didatica no curs...
 
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agente
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agenteCapacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agente
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao agente
 
Apresentação sensai
Apresentação sensai Apresentação sensai
Apresentação sensai
 
Eduardo juan troster mesa redonda 13
Eduardo juan troster   mesa redonda 13Eduardo juan troster   mesa redonda 13
Eduardo juan troster mesa redonda 13
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
 
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
 Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
 
Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015Psicologia médica i 2015
Psicologia médica i 2015
 
2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf
2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf
2020 Enfermagem_em_ginecologia_e_obstetrcia_1._ed._-_www.meulivro.biz (1).pdf
 

Último

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...wilkaccb
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxLanaMonteiro8
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfJorge Filho
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 

Último (12)

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 

Preparar para a morte

  • 1.
  • 2.
  • 3.  A centralização dos cuidados de saúde nos Hospitais levou a uma transição da morte, que outrora ocorria em casa, para dentro do Hospital  Levou igualmente a que os profissionais de saúde substituíssem progressivamente a família, no acto de cuidar na morte.  O estilo de vida do séc. XX tornou irreversível este processo.
  • 4.  Os profissionais de saúde nos hospitais, transformaram-se nos maiores responsáveis pelo curso da vida e da morte.  As pessoas deixaram de pensar como aceitáveis outras formas de morrer que não no Hospital  As sociedades deixaram de lidar globalmente com a morte, porque esta foi transferida para “profissionais qualificados para lidar com a mesma”  A família passou a ser menos presente no processo de morrer.
  • 5.  A formação essencial dos profissionais de saúde diz-lhes que vão diagnosticar, tratar, curar ou estabilizar sintomas e doenças mais ou menos graves.  O profissional de saúde vê-se no final da sua formação como um “ Conserta tudo” em busca da solução que tudo fará regressar a um estado de normalidade.  O que o contacto com pacientes que morrem diz aos profissionais de saúde é que não é possível fazê-lo sempre.
  • 6.
  • 7.  Todas as culturas ancestrais e todas as religiões do Mundo se ocupam intensa e ritualmente dos seus moribundos e dos seus mortos  Todas formam e orientam as pessoas no sentido de encontrar conforto e resposta para as mais antigas questões humanas perante a morte  No paradigma humanista cientifico das sociedades do Ocidente a vida apenas termina e os poucos rituais são delegados em estranhos.
  • 8.  Tem sido demonstrado que o contacto com a morte é o aspecto que mais contribui para o desgaste emocional dos profissionais de saúde e que o contacto prolongado com a morte se caracteriza nestes por sintomas muito semelhantes aos do luto por pessoas próximas.  A formação é o factor que mais se associa a uma melhor adaptação psicológica ao contacto prolongado com a morte, em todos os grupos de profissionais.  No que se refere ao contacto com a morte vários estudos indicam que ao nível da formação pré-graduada a oferta formativa nesta área ainda apresenta um vazio importante a preencher.
  • 9.  Ferrel et al (1999): Analisaram os 50 manuais de formação pré-graduada mais utilizados em enfermagem e constataram deficiências graves na área dos cuidados em final de vida, morte e luto.  Rabow et al (2001): Analisaram conteúdos dos 50 principais manuais de formação médica pré-graduada, e verificaram que 47 dos mesmos não se referiam de todo à questão da morte ou luto e que os restantes apenas referiam o tema superficialmente relacionando-o com a geriatria.
  • 10.  Trush et al (1979): Através de inquéritos passados em 226 escolas de Enfermagem dos EUA, constataram que apenas 5%, apresentavam unidades curriculares obrigatórias nas quais se abordava o tema da morte e do luto  Dickinson et al (1991): Através de inquéritos a todas as escolas de Medicina e Enfermagem nos EUA, constatou que 50% das mesmas abordavam o tema da morte apenas em aulas pontuais mas não em unidades curriculares específicas para tal.
  • 11.  Doyle (1991). Através de inquéritos realizados em todas as faculdades de Medicina do Reino Unido concluiu que no final dos cinco anos formativos, todos os alunos teriam recebido em média seis horas de formação obrigatória sobre o tema da morte e do luto  Buss et al (1998) num inquérito a 426 alunos finalistas de Medicina em Inglaterra, 98% dos alunos reportava ter tido insuficiente preparação e contacto para lidar com pacientes em fase final de vida.
  • 12.  Sullivan et al (2003), através de um inquérito a 1445 estudantes finalistas e professores de 62 faculdades de medicina dos EUA, constataram que apenas 18% dos envolvidos reportavam ter recebido algum treino formal na área do contacto com a morte, 39% afirmava não estar preparado para interagir com pacientes em fase final de vida e 50% disse não saber lidar com os seus próprios sentimentos face à morte.
  • 13. Formações pioneiras  Integrados num Manual direccionado para a formação avançada na área da Morte e do Luto, Quint Benoliel (1982) reuniu várias propostas formativas de grande interesse.  As propostas variam no tempo, no público alvo, no regime de frequência e na fase de formação à qual se destinam.
  • 14.  Swain e Coles (1982)  Disciplina semestral optativa num curso de enfermagem no Wisconsin com 30 horas de duração e com vários objectivos integrados de aprendizagem  Crenças e atitudes perante a morte  Processo de luto e suas tarefas  Mecanismos de coping com a perda  Luto e fases de desenvolvimento  Aspectos legais e éticos da morte  Diferenças socioculturais na morte  Comunicação dos enfermeiros com o paciente em fase final de vida  Sintomas de desgaste no enfermeiro
  • 15.  Degner et al (1982)  Unidade curricular obrigatória para estudantes do terceiro ano de enfermagem com a duração de um semestre na Universidade de Manitoba  Para além das aulas teóricas incluia contacto supervisionado em unidades de cuidados paliativos, serviços de oncologia e domícilios de pacientes em fase final de vida  História dos cuidados Paliativos  Enquadramento ético-legal dos cuidados em final de vida  Alívio de sintomas em fase final de vida  Comunicação com paciente e família  Impacto do cuidado no profissional de saúde
  • 16.  Goodell et al (1982):  Proposta formativa de 3 seminários de 4 horas, para alunos do segundo ano de Medicina ( 1-Atitudes face à Morte, 2- Papel do Médico junto do paciente em fase final de vida e sua família, 3- Papel do Hospital, da Família e da Comunidade face ao paciente em fase final de vida).  Como metodologia utilizava a visualização e discussão de filmes relevantes e entrevistas a pacientes em fase final de vida.
  • 17.  Bertman et al (1982) . Curso livre de seis seminários de 90 minutos em seis semanas consecutivas para licenciados em diversas áreas da saúde em Massachussets  Complementado com contacto com pacientes no final do curso  Consciência face à doença e à Morte, Informação e Comunicação  Atitudes e Crenças face à Morte  Gestão de Comunicações difíceis e Conflitos  Avaliação de sintomas de mal estar psicológico no paciente  Dilemas éticos para o profissional de saúde face à morte  Enquadramento histórico da morte, rituais funerários e crenças de vida para além da morte
  • 18.  McCorkle (1982)  Desenvolveu uma pós-graduação de 1 ano para enfermeiros de cuidados domiciliários com o objectivo de preparar a intervenção em vários cenários em fase final de vida.  2 horas semanais divididas em três fases especificas : Período que antecede a Morte, Período em que ocorre a Morte e período depois da Morte  Estágios e supervisão de casos acompanhados.
  • 19.  A partir de 1995 a maioria das Associações Americanas de saúde salientou a importância de formação especializada para profissionais que lidam com a morte dos seus pacientes.  Desde 1996 a American Academy of Hospice and Paliative Medicine desenvolve programas pós- graduados para médicos e enfermeiros  Desde 1998, a American Medical Association apresenta formação presencial e à distância para médicos denominada de “ Education for the Physicians on End-of-Life Care”
  • 20.  Desde 2000, a American Association of Colleges of Nursing tem um programa pós- graduado : “ End of Life Nursing Education Curriculum” com nove módulos intensivos de formação no apoio em final de vida.  Desde 2003, o Cancer and pain Symptom Managment Nursing research group, desenvolveu um programa pré- graduado em formato multimédia : “ Toolkit for nurturing excelence in end of life transitions”, com seis módulos destinados a ser ministrados como apoio em aulas de enfermagem.  Outras Formações têm surgido na área um pouco por todo o mundo em Unidades de Cuidados Paliativos como o seguindo o exemplo do St Christophers Hospice
  • 21.  A formação em cuidados paliativos mostra desde 1999 algum desenvolvimento.  Formações em Luto em Cuidados Paliativos estenderam- se da Faculdade de Medicina de Lisboa para a Universidade Católica (Porto e Lisboa) e mais recentemente, decorrem mestrados equivalentes, em várias escolas superiores de Saúde.  Ao nível pré-graduado uma análise curricular mais profunda mostra que apenas em alguns currículos o tema é pontualmente abordado ou aparece com carácter opcional.
  • 22.  Praticamente toda a formação que analisamos não é parte obrigatória na formação de profissionais de saúde que vão lidar de perto com a morte.  Os conteúdos são tão variáveis na forma e na duração que nem sequer são comparáveis em termos de impacto  A avaliação de mudanças atitudinais ou comportamentais nos profissionais de saúde é raramente feita de forma adequada.
  • 23.  Após avaliação de todos os conteúdos ministrados na área da Educação para a morte em Profissionais de Saúde foi elaborado e proposto ao CTC um programa de UC obrigatória na formação base de profissionais de saúde na Escola Superior de Saúde Egas Moniz.  Após aprovação do mesmo foi aprovado para ser ministrado desde 2007/2008.
  • 24.  1) O contacto com a morte e seu impacto ao longo da História da Humanidade  2) A morte e os profissionais de saúde ao longo da História  3) Diferentes perspectivas religiosas e rituais perante a morte. A questão da vida depois da Morte  4) A Morte ao longo do ciclo de vida e seu impacto
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.  5) O Processo de Luto : fases, tipos e Intervenção  6) Comunicações difíceis em torno da morte e do luto envolvendo crianças ou adolescentes  7) Consequências da exposição à morte e a outros aspectos stressantes nas profissões de saúde
  • 29.  8) Impacto das atitudes perante a morte no comportamento dos profissionais de saúde  9) Avaliação do stress ocupacional em profissões de saúde em contacto com a morte  10)Estratégias de coping e métodos de intervenção no stress ocupacional 
  • 30.  Com o objectivo de avaliar o impacto da UC e da metodologia pedagógica foram passados questionários para avaliar as Atitudes Perante a Morte e o bem estar psicológico no inicio e no final da UC.
  • 31.  Uma análise estatística inicial revelou que os resultados dos alunos que receberam a formação têm relativamente ao inicio da formação mostram que a atitude consideradas negativas de evitamento e de medo da morte diminuem significativamente e se mantêm estáveis ao longo de um ano lectivo. Os níveis de bem estar psicológico são significativamente superiores aos dos alunos que não receberam formação.