CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO - UNIJORGE
Bacharelado em Enfermagem
7º Semestre Noturno
Saúde Mental
Docente: Bruno Guim...
A Doença de Alzheimer (DA) é um transtorno
neurodegenerativo progressivo e fatal do sistema nervoso
central irreversível, ...
NEURÔNIOS
Cérebro adulto contém cerca de 100 bilhões de células
nervosas, ou neurônios, com ramificações que se conectam e...
ALTERAÇÕES
PLACAS DE SENIL
• As placas de senil são formada por proteína beta-amilóide;
• Encontrada: na membrana da célula axônio, e...
AMARANHADOS
NEUROFIBRILARES
• Amaranhados neurofibrilares: devido a proteína tau
• Encontrada: a proteína tau ela é intrac...
ACETILCOLINA
ÁREAS AFETADAS
Atualmente estima-se haver
cerca de 35,5 milhões de pessoas
com demência no mundo.
No Brasil, o estudo de Herrera
(2002) e...
A causa do Alzheimer é desconhecida, mas seus efeitos
deixam marcas fortes no paciente. Normalmente, atinge a
população de...
Para isso, o processo da DA é
dividido em três fases:
• INICIAL (ESTÁGIO L OU LEVE)
Este é o período em que surgem os prim...
• MODERADA (ESTÁGIO LL OU INTERMEDIÁRIO)
Neste estágio, há perda significativa de memória.
Caracteriza-se pelo (a):
- Agra...
• GRAVE( ESTAGIO III )
Nesta fase, a pessoa:
- Geralmente fica acamada, necessitando de assistência para tudo;
- Praticame...
• Idade
• Sexo
• Escolaridade
• Incidência Familiar
Outros fatores de Risco
• Outros possíveis fatores de risco têm sido estudados, porém
com pouco resultado prático, como: e...
Outros fatores de Risco
• O uso de hormônio estrogênio, o tabagismo e o uso de anti-
inflamatórios por longo período de te...
• Ainda não existe nenhum método que isoladamente permita o
diagnóstico da doença com absoluta precisão;
• Identificação d...
NÍVEIS DE DIAGNÓSTICO PARA A DOENÇA DE ALZHEIMER (DA)
• DA possível: Quadros que iniciam com sintomas que não são
caracter...
• Existem duas formas de tratar a DA: tratamento farmacológico
e não farmacológico. Muitos estudos sugerem que a associaçã...
TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO:
• Terapias ocupacionais
• Psicoterapia
• Arte Terapia
• Musicoterapia
• Fisioterapia
• DR. CÉREBRO/ AS CLASSIFICAÇÕES/ALTERAÇÕES DO ALZHEIMER. Disponível em
http://www.doutorcerebro.com.br/portal/o-cerebro/1...
Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada

372 visualizações

Publicada em

A Doença de Alzheimer (DA) é um transtorno neurodegenerativo progressivo e fatal do sistema nervoso central irreversível, incurável mas que possui tratamento. Caracterizada pelo comprometimento de duas ou mais funções cognitivas como: memória, atenção, orientação e linguagem. Os cientistas não sabem ao certo o que causa a morte de células e a perda de tecido em um cérebro com Alzheimer, mas as placas senil, emaranhados e são os principais suspeitos.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alzheimer - Uma Abordagem Humanizada

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO - UNIJORGE Bacharelado em Enfermagem 7º Semestre Noturno Saúde Mental Docente: Bruno Guimarães de Almeida Discente: Genivaldo Icaro Araújo Maio 2016 Salvador/BA
  2. 2. A Doença de Alzheimer (DA) é um transtorno neurodegenerativo progressivo e fatal do sistema nervoso central irreversível, incurável mas que possui tratamento. Caracterizada pelo comprometimento de duas ou mais funções cognitivas como: memória, atenção, orientação e linguagem. Os cientistas não sabem ao certo o que causa a morte de células e a perda de tecido em um cérebro com Alzheimer, mas as placas senil, emaranhados e são os principais suspeitos. Foi descrita pela primeira vez em 1906 pelo psiquiatra e neuropatologista alemão, ALOIS ALZHEIMER de quem recebeu o nome.
  3. 3. NEURÔNIOS Cérebro adulto contém cerca de 100 bilhões de células nervosas, ou neurônios, com ramificações que se conectam em mais de 100 trilhões de pontos. Os cientistas chamam esta rede densa e ramificada de "floresta de neurônios". Os sinais que formam as memórias e os pensamentos se movimentam por meio de uma célula nervosa por uma minúscula carga elétrica.
  4. 4. ALTERAÇÕES
  5. 5. PLACAS DE SENIL • As placas de senil são formada por proteína beta-amilóide; • Encontrada: na membrana da célula axônio, extracelular; • FUnções beta-amilóide:os cientista não sabe a funções dessa proteína no neurônio.
  6. 6. AMARANHADOS NEUROFIBRILARES • Amaranhados neurofibrilares: devido a proteína tau • Encontrada: a proteína tau ela é intracelular ( dentro do neurônio). • A função dele normal: o sistema de transporte é organizado em filamentos paralelos ordenados como os trilhos dos trens.
  7. 7. ACETILCOLINA
  8. 8. ÁREAS AFETADAS
  9. 9. Atualmente estima-se haver cerca de 35,5 milhões de pessoas com demência no mundo. No Brasil, o estudo de Herrera (2002) e seus colaboradores, encontrou que 55,1% destas demências são decorrentes de DA e 14,1% são decorrentes de DA associada à doença cerebrovascular (DA + Demência Vascular). Neste estudo os pesquisadores encontraram que a prevalência foi maior entre as mulheres e em pessoas analfabetas (12,1%) do que em indivíduos com escolaridade de 8 anos ou mais (2%).
  10. 10. A causa do Alzheimer é desconhecida, mas seus efeitos deixam marcas fortes no paciente. Normalmente, atinge a população de idade mais avançada, embora se registrem casos em gente jovem. Embora a causa da Doença de Alzheimer não tenha sido estabelecida, há fortes suspeitas de uma base genética.
  11. 11. Para isso, o processo da DA é dividido em três fases: • INICIAL (ESTÁGIO L OU LEVE) Este é o período em que surgem os primeiros sinais e sintomas da DA. • Nesta fase inicial da doença, a pessoa: - Apresenta lapsos de memória para acontecimentos recentes. - Esquece rapidamente o que ouviu e repete várias vezes a mesma coisa; - Ainda vive de maneira mais ou menos independente, pois já tem comprometimento nas atividades mais complexas da vida diária;
  12. 12. • MODERADA (ESTÁGIO LL OU INTERMEDIÁRIO) Neste estágio, há perda significativa de memória. Caracteriza-se pelo (a): - Agravamento dos sintomas da fase anterior; - Incapacidade em realizar suas atividades da vida diária de maneira independente; - Perda da capacidade para nomear objetos, nomes, compreender a linguagem escrita e oral. - Desorientação no tempo e no espaço conhecido. Esquece seu nome e quem é. - Incapacidade de reconhecer pessoas próximas e objetos pessoais. Preserva somente informações bem consolidadas.
  13. 13. • GRAVE( ESTAGIO III ) Nesta fase, a pessoa: - Geralmente fica acamada, necessitando de assistência para tudo; - Praticamente tem perda total de memória, inclusive daquela de acontecimentos mais antigos (memória remota); - Pode apresentar dificuldades de deglutição (para engolir); - Quase não fala; - Perde totalmente o controle urinário e fecal; - Pode ter atrofia de membros. - Fica muito mais vulnerável a ter complicações como: lesões de pele, infecção de rins e pulmões, desnutrição, desidratação.
  14. 14. • Idade • Sexo • Escolaridade • Incidência Familiar
  15. 15. Outros fatores de Risco • Outros possíveis fatores de risco têm sido estudados, porém com pouco resultado prático, como: exposição ou ingestão de substâncias tóxicas como álcool, presença de alumínio no organismo, chumbo e solventes orgânicos, medicamentos diversos, trauma craniano, exposição à radiação, estilo de vida, estresse, infecções, doenças imunológicas e Câncer. • Altos níveis de colesterol e de homocisteína (relacionada com o estresse oxidativo), a obesidade e o diabetes estão sendo estudados como eventuais fatores de risco.
  16. 16. Outros fatores de Risco • O uso de hormônio estrogênio, o tabagismo e o uso de anti- inflamatórios por longo período de tempo aparecem, em alguns estudos, e estão sendo objeto de investigação em vários centros de pesquisa. • Em suma, do ponto de vista científico, pode-se afirmar que a incidência da doença de Alzheimer aumenta exponencialmente com a idade e que existem fortes indícios de que as formas precoces relacionam-se a uma maior incidência familiar.
  17. 17. • Ainda não existe nenhum método que isoladamente permita o diagnóstico da doença com absoluta precisão; • Identificação de quadro clínico característico e pela exclusão de outras condições clínicas que causam prejuízo cognitivo, por meio dos exames complementares (laboratoriais e de imagem). • O diagnóstico de certeza só será possível com o exame histopatológico do tecido cerebral, obtido por biópsia ou após a morte por necropsia. • Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família.
  18. 18. NÍVEIS DE DIAGNÓSTICO PARA A DOENÇA DE ALZHEIMER (DA) • DA possível: Quadros que iniciam com sintomas que não são característicos da DA. • DA provável: São quadros com sintomas característicos da DA. • DA definitiva: Após a morte, quando é feito exame do tecido cerebral por necropsia.
  19. 19. • Existem duas formas de tratar a DA: tratamento farmacológico e não farmacológico. Muitos estudos sugerem que a associação das duas formas de tratamento podem produzir melhores resultados ao portador, cuidador e à família do que qualquer uma das formas isoladas. • As drogas atualmente aprovadas para o tratamento sintomático da DA são os inibidores das colinesterases: Donepezil, Rivastigmina, Galantamina, geralmente utilizadas na fase inicial à moderada e a Memantina, na fase moderada à grave da doença.
  20. 20. TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO: • Terapias ocupacionais • Psicoterapia • Arte Terapia • Musicoterapia • Fisioterapia
  21. 21. • DR. CÉREBRO/ AS CLASSIFICAÇÕES/ALTERAÇÕES DO ALZHEIMER. Disponível em http://www.doutorcerebro.com.br/portal/o-cerebro/11-alzheimer/28- estagiosalzheimer > Acesso em: 02 de Abril de 2016. • Relatório 2012: Demência - uma prioridade de saúde pública. http://www.alz.co.uk/WHO-dementia-report • Herrera, EJ; Caramelli, P; Silveira, AAS; Nitrini, R. Epidemiologic survey of dementia in a community-dwelling Brazilian population. Alzheimer Dis Assoc Disord, v.16, n.2, p. 103-8, 2002. • Nitrini, R. Diagnóstico de demência: avaliação clínica, neuropsicológica e através da tomografia computadorizada por emissão de fóton único. Tese (livre-docência). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 1993. • Jack, CR; Albert, MS; Knopman, DS, et al. Introduction to the recommendations from the National Institute on Aging and the Alzheimer's Association workgroup on diagnostic guidelines for Alzheimer's disease. Alzheimer's & Dementia In press (2011).

×