SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Check-list
Planos de
formação
      Rosário Cação
Fundamentação
       Inclui uma fundamentação sobre a pertinência do curso



• Fundamenta o curso com base em critérios
  de mercado, de procura ou em estudos de
  diagnóstico de necessidades formativas

• No caso da formação interna ou de formação
  à medida contratada, especifica os meta-
  -objectivos esperados
Denominação do curso
         Define de forma clara e informativa o nome do curso



• Define um nome comercialmente apelativo
  mas também consistente com os objectivos
  do curso

• Opcionalmente, identifica o número interno
  do curso
Objectivo geral
                               Identifica o objectivo geral do curso



•   O objectivo geral (ao contrário dos específicos) não precisa
    de levar a frase "No final da formação, os formandos devem
    ser capazes de:"
•   Está colocado na voz do formando, com um verbo
    operacional no infinitivo
•   Evita dizer que o objectivo é "dotar os formandos de
    competências para..."
•   Não tem preocupações em incluir as condições de
    realização e critérios de êxito
•   É simples, directo e esclarecedor
Objectivos específicos
                Enuncia de forma completa os objectivos pedagógicos



•   Inclui a expressão "No final da formação, os formandos
    deverão ser capazes de:"
•   Lista os objectivos com travessões ou bullets
•   Inclui em cada objectivo um comportamento esperado,
    condições de realização e critérios de êxito
•   Pontua todos os objectivos com ponto e vírgula excepto o
    último no qual coloca ponto final
•   Organiza os objectivos por domínios do saber
•   Garante a consistência dos objectivos pedagógicos com os
    objectivos gerais
    Por exemplo, se um dos objectivos pedagógicos é "imobilizar uma vítima...", o objectivo
    geral não pode ser apenas "conhecer os procedimentos de primeiros socorros" pois, está
    a considerar que não só tem de conhecer esses procedimentos mas também tem de os
    saber aplicar. Desta forma, o objectivo geral tem de ser "aplicar procedimentos de
    primeiros socorros" e não apenas conhecê-los.
Destinatários
             Identifica os destinatários ou o mercado-alvo do curso



•   Define os destinatários de forma consistente com os objectivos
    pedagógicos do curso

•   Define os destinatários em termos sociais (adultos, jovens, mães
    solteiras, etc.), profissionais (desempregados, enfermeiros, etc.), de
    qualificações (licenciados, mestres, etc.) ou em termos de
    determinadas condições específicas (funcionários da empresa
    XPTO, técnicos de turismo especializados em golf, etc.)

•   Opcionalmente, define os destinatários em termos de perfil de
    entrada
Aplicações práticas
                                          Explicita a utilidade do curso



•   Formula as aplicações práticas em termos de comportamentos e
    atitudes (e não de conhecimentos adquiridos)

•   Responde à questão: "o que será o formando capaz de fazer na
    prática?”

•   Evita muletas verbais como dizer que as aplicações práticas são
    "dotar os formandos de competências para...". Por exemplo, num
    curso de primeiros socorros a aplicação prática não é "conhecer os
    procedimentos de primeiros socorros" mas sim "prestar os
    primeiros socorros às vítimas". Ou seja, exacerbando a questão, a
    aplicação prática não é saber "como se salvam vidas" mas sim
    "salvar vidas"
Pré-requisitos
                            Identifica as condições de acesso ao curso



•   Define pré-requisitos ser sociais, etários, de qualificação, de função
    ou outros

•   Garante que os pré-requisitos estão consistentes com os objectivos
    do curso. Por exemplo, se o curso é sobre "práticas de escrita" ou
    "primeiros socorros" existe pelo menos o pré-requisito do
    formando saber ler e escrever fluentemente no primeiro caso e, no
    segundo, ser adulto e não ser sensível, por exemplo, a ver sangue

•   Caso o curso não tenham pré-requisitos, menciona que não existem
    pré-requisitos para frequentar o curso

•   Indica equipamentos ou materiais que os formandos deverão
    garantir ter para frequentar a formação (por exemplo: "devem
    possuir um computador Mac com o software XPTO instalado" ou
    "devem ter o seu próprio kit de ferramentas automóvel"
Número de participantes
             Identifica o número mínimo e máximo de formandos



•   Define estes números para o curso, e eventualmente para
    as sessões

•   O curso pode ter um número mínimo e máximo geral e
    depois determinada sessão prática poder ter um número
    máximo inferior, obrigando assim à calendarização de várias
    sessões (presenciais ou síncronas) paralelas dessa sessão
    por forma a que todos os formandos frequentem essa
    sessão
Critérios de selecção
         Identifica os critérios para admitir os formandos à formação


•   Identifica os critérios de selecção dos formandos e que podem ser sociais,
    geográficos, de experiência profissional etc.

•   Deve ser fácil responder à seguinte questão: se só houver uma vaga e houver
    2 candidatos, qual deles fica com a vaga?

•   Indica a ordem de aplicação dos critérios de selecção.
    Por exemplo, se os critérios forem "anos de experiência profissional e ordem de inscrição", se existir apenas
    uma vaga e dois candidatos, sendo que um tem mais anos de experiência mas inscreveu-se depois do outro,
    quem fica com a vaga? No entanto, se disser que os anos de experiência profissional será o primeiro critério,
    e a ordem de inscrição for o segundo, então fica claro que o candidato com mais anos de experiência é que
    fica com a vaga e só no caso de dois candidatos terem os mesmos anos de experiência é que se aplica o
    segundo critério

•   Utiliza o critério "ordem de inscrição" com ponderação pois geralmente o
    que se quer considerar é a "ordem de pagamento” ou de autorização da
    chefia

•   Evita confusões entre os critérios de selecção e os pré-requisitos. Por
    exemplo, a "licenciatura em enfermagem" num curso de "desobstrução das
    vias aéreas" é um pré-requisito ou um critério de selecção?
Duração
      Identifica a duração pedagógica e o prazo de acesso ao curso



•   Define a duração pedagógica do curso em termos do total de horas
    de formação

•   No caso dos cursos online ou b-learning, define a carga online e a
    carga presencial e o número de horas em sessões síncronas e
    sessões assíncronas

•   Nos cursos presenciais ou com componente presencial, não
    identifica o número de horas de cada sessão pelo simples facto de
    um curso de 20 horas poder ter o mesmo plano de formação numa
    edição em que são feitas 4 sessões de 5 horas e noutra edição em
    que são feitas 5 sessões de 4 horas. Esta informação do número de
    sessões deve, por isso, constar apenas do plano de edição sendo o
    plano de formação um instrumento que é aplicado a várias edições

•   No caso dos cursos online, identifica a duração de acesso ao curso
    (exemplo: 30 dias)
Certificação e homologações
                                      Enquadra legalmente o curso



 •   Menciona se a entidade formadora está
     acreditada/certificada pela DGERT e se o curso está
     homologado, creditado ou autorizado por outra entidade

 •   Não confunde as atribuições da DGERT: A DGERT apenas
     certifica entidades formadoras (e não cursos de formação).
     Os cursos (e não as entidades) é que podem ser
     homologados

 •   Caso o curso fosse elegível para uma determinada
     homologação mas não está homologado, faz essa referência
Modalidade e forma de formação
   Classifica a modalidade e a forma de acordo com o enquadramento legal



        •   Identifica a modalidade, de acordo com a legislação em
            vigor

        •   Especifica a forma de formação (exemplo: a distância ou
            presencial)

        •   Quanto prevê a utilização a forma de formação a distância
            identifica a plataforma, o regime de tutoria e, caso haja
            sessões online, se elas serão síncronas ou assíncronas
Área de formação
               Identifica a área de educação e formação do curso



•   Identifica o código e o nome da área de formação de acordo
    com a Classificação Nacional de Áreas de Educação e
    Formação

•   Opcionalmente, menciona se a entidade tem certificação da
    DGERT para essa área específica
Metodologia
                     Descreve os métodos e técnicas pedagógicas



•   Identifica os métodos pedagógicos utilizados

•   Detalha em que contexto é que cada técnica pedagógica vai
    ser aplicada

•   Opcionalmente, define as actividades a desenvolver

•   No caso dos cursos online, define o regime e os suportes de
    tutoria
Metodologia de avaliação
    Explicita de que forma a avaliação das aprendizagens será feita



•   Explícita a fórmula de cálculo da classificação final e se avaliação é
    feita apenas pelo formador ou inclui uma componente de avaliação
    pelos pares
•   Menciona os momentos, as técnicas e os instrumentos de
    avaliação
•   Refere a escala (exemplo: numa escala de "muito insuficiente" a
    "muito bom" ou numa escala de 1 a 10)
•   Menciona a partir de que item da escala é que os formandos têm
    aproveitamento (exemplo, são aprovados os formandos com
    classificação final igual ou superior 5 valores)
•   Não inclui critérios como a assiduidade e a pontualidade pois eles
    não avaliam as aprendizagens, apenas a presença mas que podem
    ser critérios necessários (embora não suficientes) para aprovação
•   Se recorrer à avaliação qualitativa, indica quais os indicadores ou
    rúbricas que vão ser usados para avaliar as aprendizagens
•   Menciona a forma como as avaliações são comunicadas aos
    formandos e respectivo prazo (ao contrário do plano de edição, aqui, este prazo
    é indicado em número de dias após o fim do curso, ao passo que no plano de edição é
    indicada a data concreta)
Regras de assiduidade
                                  Define o limite máximo de faltas



•   Indica a assiduidade mínima necessária para avaliação final
    positiva em percentagem da carga total do curso e em
    número de horas

•   Evita as tolerâncias de entrada
Certificação
     Explicita o tipo de certificação que será feita no final do curso


•   Indica se é emitido um certificado de formação profissional e qual o diploma
    legal ao abrigo do qual o certificado é emitido

•   Evita expressões vagas do género "em caso de sucesso, é emitido um
    certificado", já que o conceito de "sucesso" deve ser clarificado como sendo
    "no caso de ter avaliação final positiva"

•   Se for o caso, identifica o "perfil de saída" e a qualificação atribuída (por
    exemplo, a qualificação escolar nos curso de dupla certificação)

•   Mesmo que a entidade não seja certificada/acreditada, desde que proceda à
    avaliação das aprendizagens, deve emitir certificado de formação profissional
    em vez de apenas emitir certificado de frequência

•   Os certificados de frequência devem apenas ser emitidos caso o formando
    não tenha tido aproveitamento mas tenha cumprido assiduidade mínima e,
    por motivos éticos, devem mencionar que o formando não teve
    aproveitamento. Estes certificados são mais adequados em seminários,
    workshops, palestras e eventos que, apesar de terem preocupações
    pedagógicas, não avaliam as aprendizagens
Equipamentos
Inventaria os equipamentos da responsabilidade de entidade e do formando



         •   Inclui equipamentos como computador, videoprojector, tela de
             projecção, televisão, câmara, tripé, etc.
         •   Inclui ainda equipamentos específicos como, por exemplo, 15
             candeeiros individuais com lâmpadas de 40 W e 15 computadores
             com a versão x do software XPTO instalada
         •   Especifica condições físicas específicas exigidas. Por exemplo, "sala
             com ar condicionado com luz natural e 2,5 metros quadrados por
             formando e disposição em U"
         •   Opcionalmente, pode incluir extras a serem fornecidos como
             "águas, blocos de formação e drops"
         •   Inclui nos equipamentos apenas recursos de formação e não
             menciona recursos didácticos (apresentações Power Point,
             enunciados, maquetes, etc.)
         •   Se for o caso, especifica os equipamentos da responsabilidade do
             formando trazer. Neste caso, estes equipamentos devem constar
             igualmente dos pré-requisitos do curso
Coordenação pedagógica
Identifica claramente de quem é a responsabilidade da coordenação



 •   Indica o nome do coordenador do curso

 •   Fornece uma breve nota biográfica do coordenador

 •   Indica o tipo de vínculo do coordenador à entidade, caso se
     justifique
Programa
                           Detalha os temas que serão abordados



•   Numera os temas
•   Caso o curso esteja organizado em módulos, faz essa
    menção e define a carga horária por módulo
•   Não estrutura em módulos cursos de duração reduzida ou
    cujas temáticas não sejam suficientemente estanques
•   Opta por organizar o programa em módulos caso estes
    sejam autónomos, sejam avaliados individualmente e
    tenham uma carga horária elevada
•   Não inclui no programa items como a ''apresentação'', a
    "avaliação" ou o "esclarecimento de dúvidas" limitando-se a
    listar os temas que serão abordados (e não as etapas da
    formação);
•   Evita chamar ao programa "conteúdos programáticos" que é
    uma expressão redundante, optando por "conteúdos”,
    “temas” ou simplesmente "programa"
Referências bibliográficas e recursos
                                 Identifica as fontes e os recursos usados



      •   Identifica as referências bibliográficas do curso, dividindo-
          as entre essenciais e leituras recomendadas

      •   Identifica os recursos didácticos que serão disponibilizados
          aos formandos
Medidas de remediação
                    Define as “segundas oportunidades” previstas



•   Define as medidas de remediação, ou seja, as segundas
    oportunidades que podem ser dadas aos formandos caso
    eles reprovem

•   Indica em que circunstâncias é que os formandos são
    elegíveis para aproveitarem as medidas de remediação

•   Indica o prazo de aplicação das medidas de remediação, os
    custos envolvidos e a metodologia segundo a qual o
    formando vai ser avaliado novamente
Preço e condições de pagamento
                          Especifica o preço e condições de pagamento



     •   Indica o preço, que será indicativo pois pode variar de
         edição para edição

     •   Menciona se o preço inclui IVA ou está isento (art.º 9º CIVA)

     •   Especifica condições de pagamento (exemplo: a pronto,
         com a inscrição, em x prestações) e datas limite de
         pagamento e os meios de pagamento aceites

     •   Menciona a elegibilidade de promoções ou condições
         especiais (como, por exemplo, se o formando pode aplicar o
         desconto de cartão jovem)

     •   Se o curso for financiado, indica o programa de apoio
         respectivos logótipos e as bolsas atribuídas
Posicionamento
       Define o posicionamento em termos de produto educativo



•   Indica a forma como o curso deve ser posicionado no
    mercado, em termos de marketing de produtos educativos
    e formativos e face aos destinatários definidos
Outras preocupações

Escreve o plano em português correcto:
• Escreve sem erros ortográficos ou gralhas e garante que
    passa o corrector ortográfico no ficheiro
• Escreve em português de Portugal segundo as regras do
    novo acordo ortográfico ou com base no anterior, mas
    garantindo que não mistura regras dos dois acordos
• Escreve frases curtas e claras, sem "muletas" verbais,
    adjectivos e advérbios desnecessários
• Escreve textos claros e gramaticalmente bem escritos
• Coloca os estrangeirismos em itálico
• Utiliza o negrito para destacar, e não o sublinhado
    (interpretado, nos dias actuais, como um link e não como
    um destaque)
Outras preocupações

Formata o documento adequadamente:
• Garante a identificação da entidade formadora caso não
   utilize papel timbrado da entidade
• Destaca o título dos campos dos plano de formação
• Garante que não tem campos a quebrar de página (por
   exemplo, com o título no final de uma página e o detalhe no
   início da página seguinte, optando por passar o título para a
   página seguinte)
• Ajusta a orientação da folha à necessidade de espaço e
   dimensão dos campos
• Utiliza fontes, cores e demais formatações clássicas
• Faz uma boa gestão da mancha do plano
• Numera as páginas
Check-list
Planos de
formação
      Rosário Cação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Cátia Elias
 
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano LageProposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano LageCristiano Esperto Lage
 
Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Isabel Grazina
 
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - FlyerFormação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - FlyerDianova
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemElisa Dias
 
Plano de Intervenção Pedagógica alt.pdf
Plano de Intervenção Pedagógica alt.pdfPlano de Intervenção Pedagógica alt.pdf
Plano de Intervenção Pedagógica alt.pdfSandrinaCoelho
 
Plano de Sessão da PIP
Plano de Sessão da PIPPlano de Sessão da PIP
Plano de Sessão da PIPDebora_Marques
 
Plano de Sessão Autoscopia Final
Plano de Sessão Autoscopia FinalPlano de Sessão Autoscopia Final
Plano de Sessão Autoscopia FinalDebora_Marques
 
Guia funcionamento FPIF 2012
Guia funcionamento FPIF 2012Guia funcionamento FPIF 2012
Guia funcionamento FPIF 2012EDUCATE
 
Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica Thacia Carpenter
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosVeronica Gur Be
 
Ficha de trabalho nº10 exercicios atendimento - imagem
Ficha de trabalho nº10   exercicios atendimento - imagemFicha de trabalho nº10   exercicios atendimento - imagem
Ficha de trabalho nº10 exercicios atendimento - imagemLeonor Alves
 
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)carlospimentacom
 
Recursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimediaRecursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimediaAna Martins
 
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]J P
 

Mais procurados (20)

O Plano de Sessão
O Plano de SessãoO Plano de Sessão
O Plano de Sessão
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
 
Plano de sessão
Plano de sessãoPlano de sessão
Plano de sessão
 
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano LageProposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
 
Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)
 
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - FlyerFormação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
 
Slides módulo 4
Slides módulo 4Slides módulo 4
Slides módulo 4
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
 
Plano de Intervenção Pedagógica alt.pdf
Plano de Intervenção Pedagógica alt.pdfPlano de Intervenção Pedagógica alt.pdf
Plano de Intervenção Pedagógica alt.pdf
 
Plano de Sessão da PIP
Plano de Sessão da PIPPlano de Sessão da PIP
Plano de Sessão da PIP
 
P.i.p
P.i.pP.i.p
P.i.p
 
Plano de Sessão Autoscopia Final
Plano de Sessão Autoscopia FinalPlano de Sessão Autoscopia Final
Plano de Sessão Autoscopia Final
 
Guia funcionamento FPIF 2012
Guia funcionamento FPIF 2012Guia funcionamento FPIF 2012
Guia funcionamento FPIF 2012
 
Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicos
 
Ficha de trabalho nº10 exercicios atendimento - imagem
Ficha de trabalho nº10   exercicios atendimento - imagemFicha de trabalho nº10   exercicios atendimento - imagem
Ficha de trabalho nº10 exercicios atendimento - imagem
 
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
Papel do E-Formador (Curso E-Formadores)
 
Recursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimediaRecursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimedia
 
Organização de um projeto para certificação DGERT.
Organização de um projeto para certificação DGERT.Organização de um projeto para certificação DGERT.
Organização de um projeto para certificação DGERT.
 
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
 

Semelhante a Formação planeamento checklist

Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptxApresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptxildo punguane
 
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.pptFORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.pptPedroAlmeida86143
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoJoão Lima
 
Manual do concurseiro da educação básica
Manual do concurseiro da educação básicaManual do concurseiro da educação básica
Manual do concurseiro da educação básicaLucineideDosSantos2
 
Plano de Aula Assistente administrativo Senac
Plano de Aula Assistente administrativo SenacPlano de Aula Assistente administrativo Senac
Plano de Aula Assistente administrativo SenacFabio Campos
 
Portifolio Tsope CBT2022.pdf
Portifolio Tsope CBT2022.pdfPortifolio Tsope CBT2022.pdf
Portifolio Tsope CBT2022.pdfSergioTsope
 
Plano Formacao Complementar
Plano Formacao ComplementarPlano Formacao Complementar
Plano Formacao ComplementarJoão Lima
 
Guia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCs
Guia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCsGuia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCs
Guia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCselviomoreira
 
Orientações para Formadores EFA
Orientações para Formadores EFAOrientações para Formadores EFA
Orientações para Formadores EFAJoão Lima
 
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdfFormacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdfFelizardoBonifcioJoo1
 
1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicosTarcisio Baptista
 

Semelhante a Formação planeamento checklist (20)

referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formaçãoreferencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
 
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCPreferencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
 
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptxApresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
 
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.pptFORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da Formação
 
Aula 3 – tipos e métodos de treinamento
Aula 3 – tipos e métodos de treinamentoAula 3 – tipos e métodos de treinamento
Aula 3 – tipos e métodos de treinamento
 
Manual do concurseiro da educação básica
Manual do concurseiro da educação básicaManual do concurseiro da educação básica
Manual do concurseiro da educação básica
 
Plano de Aula Assistente administrativo Senac
Plano de Aula Assistente administrativo SenacPlano de Aula Assistente administrativo Senac
Plano de Aula Assistente administrativo Senac
 
Submodulo 8.2
Submodulo 8.2Submodulo 8.2
Submodulo 8.2
 
Folha rubricas
Folha rubricasFolha rubricas
Folha rubricas
 
Portifolio Tsope CBT2022.pdf
Portifolio Tsope CBT2022.pdfPortifolio Tsope CBT2022.pdf
Portifolio Tsope CBT2022.pdf
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
 
O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador...
O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador...O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador...
O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador...
 
Plano Formacao Complementar
Plano Formacao ComplementarPlano Formacao Complementar
Plano Formacao Complementar
 
Guia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCs
Guia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCsGuia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCs
Guia Didatico para Estudantes de Cursos MOOCs
 
Orientações para Formadores EFA
Orientações para Formadores EFAOrientações para Formadores EFA
Orientações para Formadores EFA
 
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdfFormacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
 
1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos
 
Submodulo 8.1
Submodulo 8.1Submodulo 8.1
Submodulo 8.1
 
Didática.ppt
Didática.pptDidática.ppt
Didática.ppt
 

Mais de Rosario Cação

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalRosario Cação
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesRosario Cação
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaRosario Cação
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierRosario Cação
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Rosario Cação
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleRosario Cação
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisRosario Cação
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Rosario Cação
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsRosario Cação
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoRosario Cação
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningRosario Cação
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosRosario Cação
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Rosario Cação
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Rosario Cação
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRosario Cação
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosRosario Cação
 

Mais de Rosario Cação (20)

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-Learning
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 

Último

8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 

Último (20)

8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 

Formação planeamento checklist

  • 2. Fundamentação Inclui uma fundamentação sobre a pertinência do curso • Fundamenta o curso com base em critérios de mercado, de procura ou em estudos de diagnóstico de necessidades formativas • No caso da formação interna ou de formação à medida contratada, especifica os meta- -objectivos esperados
  • 3. Denominação do curso Define de forma clara e informativa o nome do curso • Define um nome comercialmente apelativo mas também consistente com os objectivos do curso • Opcionalmente, identifica o número interno do curso
  • 4. Objectivo geral Identifica o objectivo geral do curso • O objectivo geral (ao contrário dos específicos) não precisa de levar a frase "No final da formação, os formandos devem ser capazes de:" • Está colocado na voz do formando, com um verbo operacional no infinitivo • Evita dizer que o objectivo é "dotar os formandos de competências para..." • Não tem preocupações em incluir as condições de realização e critérios de êxito • É simples, directo e esclarecedor
  • 5. Objectivos específicos Enuncia de forma completa os objectivos pedagógicos • Inclui a expressão "No final da formação, os formandos deverão ser capazes de:" • Lista os objectivos com travessões ou bullets • Inclui em cada objectivo um comportamento esperado, condições de realização e critérios de êxito • Pontua todos os objectivos com ponto e vírgula excepto o último no qual coloca ponto final • Organiza os objectivos por domínios do saber • Garante a consistência dos objectivos pedagógicos com os objectivos gerais Por exemplo, se um dos objectivos pedagógicos é "imobilizar uma vítima...", o objectivo geral não pode ser apenas "conhecer os procedimentos de primeiros socorros" pois, está a considerar que não só tem de conhecer esses procedimentos mas também tem de os saber aplicar. Desta forma, o objectivo geral tem de ser "aplicar procedimentos de primeiros socorros" e não apenas conhecê-los.
  • 6. Destinatários Identifica os destinatários ou o mercado-alvo do curso • Define os destinatários de forma consistente com os objectivos pedagógicos do curso • Define os destinatários em termos sociais (adultos, jovens, mães solteiras, etc.), profissionais (desempregados, enfermeiros, etc.), de qualificações (licenciados, mestres, etc.) ou em termos de determinadas condições específicas (funcionários da empresa XPTO, técnicos de turismo especializados em golf, etc.) • Opcionalmente, define os destinatários em termos de perfil de entrada
  • 7. Aplicações práticas Explicita a utilidade do curso • Formula as aplicações práticas em termos de comportamentos e atitudes (e não de conhecimentos adquiridos) • Responde à questão: "o que será o formando capaz de fazer na prática?” • Evita muletas verbais como dizer que as aplicações práticas são "dotar os formandos de competências para...". Por exemplo, num curso de primeiros socorros a aplicação prática não é "conhecer os procedimentos de primeiros socorros" mas sim "prestar os primeiros socorros às vítimas". Ou seja, exacerbando a questão, a aplicação prática não é saber "como se salvam vidas" mas sim "salvar vidas"
  • 8. Pré-requisitos Identifica as condições de acesso ao curso • Define pré-requisitos ser sociais, etários, de qualificação, de função ou outros • Garante que os pré-requisitos estão consistentes com os objectivos do curso. Por exemplo, se o curso é sobre "práticas de escrita" ou "primeiros socorros" existe pelo menos o pré-requisito do formando saber ler e escrever fluentemente no primeiro caso e, no segundo, ser adulto e não ser sensível, por exemplo, a ver sangue • Caso o curso não tenham pré-requisitos, menciona que não existem pré-requisitos para frequentar o curso • Indica equipamentos ou materiais que os formandos deverão garantir ter para frequentar a formação (por exemplo: "devem possuir um computador Mac com o software XPTO instalado" ou "devem ter o seu próprio kit de ferramentas automóvel"
  • 9. Número de participantes Identifica o número mínimo e máximo de formandos • Define estes números para o curso, e eventualmente para as sessões • O curso pode ter um número mínimo e máximo geral e depois determinada sessão prática poder ter um número máximo inferior, obrigando assim à calendarização de várias sessões (presenciais ou síncronas) paralelas dessa sessão por forma a que todos os formandos frequentem essa sessão
  • 10. Critérios de selecção Identifica os critérios para admitir os formandos à formação • Identifica os critérios de selecção dos formandos e que podem ser sociais, geográficos, de experiência profissional etc. • Deve ser fácil responder à seguinte questão: se só houver uma vaga e houver 2 candidatos, qual deles fica com a vaga? • Indica a ordem de aplicação dos critérios de selecção. Por exemplo, se os critérios forem "anos de experiência profissional e ordem de inscrição", se existir apenas uma vaga e dois candidatos, sendo que um tem mais anos de experiência mas inscreveu-se depois do outro, quem fica com a vaga? No entanto, se disser que os anos de experiência profissional será o primeiro critério, e a ordem de inscrição for o segundo, então fica claro que o candidato com mais anos de experiência é que fica com a vaga e só no caso de dois candidatos terem os mesmos anos de experiência é que se aplica o segundo critério • Utiliza o critério "ordem de inscrição" com ponderação pois geralmente o que se quer considerar é a "ordem de pagamento” ou de autorização da chefia • Evita confusões entre os critérios de selecção e os pré-requisitos. Por exemplo, a "licenciatura em enfermagem" num curso de "desobstrução das vias aéreas" é um pré-requisito ou um critério de selecção?
  • 11. Duração Identifica a duração pedagógica e o prazo de acesso ao curso • Define a duração pedagógica do curso em termos do total de horas de formação • No caso dos cursos online ou b-learning, define a carga online e a carga presencial e o número de horas em sessões síncronas e sessões assíncronas • Nos cursos presenciais ou com componente presencial, não identifica o número de horas de cada sessão pelo simples facto de um curso de 20 horas poder ter o mesmo plano de formação numa edição em que são feitas 4 sessões de 5 horas e noutra edição em que são feitas 5 sessões de 4 horas. Esta informação do número de sessões deve, por isso, constar apenas do plano de edição sendo o plano de formação um instrumento que é aplicado a várias edições • No caso dos cursos online, identifica a duração de acesso ao curso (exemplo: 30 dias)
  • 12. Certificação e homologações Enquadra legalmente o curso • Menciona se a entidade formadora está acreditada/certificada pela DGERT e se o curso está homologado, creditado ou autorizado por outra entidade • Não confunde as atribuições da DGERT: A DGERT apenas certifica entidades formadoras (e não cursos de formação). Os cursos (e não as entidades) é que podem ser homologados • Caso o curso fosse elegível para uma determinada homologação mas não está homologado, faz essa referência
  • 13. Modalidade e forma de formação Classifica a modalidade e a forma de acordo com o enquadramento legal • Identifica a modalidade, de acordo com a legislação em vigor • Especifica a forma de formação (exemplo: a distância ou presencial) • Quanto prevê a utilização a forma de formação a distância identifica a plataforma, o regime de tutoria e, caso haja sessões online, se elas serão síncronas ou assíncronas
  • 14. Área de formação Identifica a área de educação e formação do curso • Identifica o código e o nome da área de formação de acordo com a Classificação Nacional de Áreas de Educação e Formação • Opcionalmente, menciona se a entidade tem certificação da DGERT para essa área específica
  • 15. Metodologia Descreve os métodos e técnicas pedagógicas • Identifica os métodos pedagógicos utilizados • Detalha em que contexto é que cada técnica pedagógica vai ser aplicada • Opcionalmente, define as actividades a desenvolver • No caso dos cursos online, define o regime e os suportes de tutoria
  • 16. Metodologia de avaliação Explicita de que forma a avaliação das aprendizagens será feita • Explícita a fórmula de cálculo da classificação final e se avaliação é feita apenas pelo formador ou inclui uma componente de avaliação pelos pares • Menciona os momentos, as técnicas e os instrumentos de avaliação • Refere a escala (exemplo: numa escala de "muito insuficiente" a "muito bom" ou numa escala de 1 a 10) • Menciona a partir de que item da escala é que os formandos têm aproveitamento (exemplo, são aprovados os formandos com classificação final igual ou superior 5 valores) • Não inclui critérios como a assiduidade e a pontualidade pois eles não avaliam as aprendizagens, apenas a presença mas que podem ser critérios necessários (embora não suficientes) para aprovação • Se recorrer à avaliação qualitativa, indica quais os indicadores ou rúbricas que vão ser usados para avaliar as aprendizagens • Menciona a forma como as avaliações são comunicadas aos formandos e respectivo prazo (ao contrário do plano de edição, aqui, este prazo é indicado em número de dias após o fim do curso, ao passo que no plano de edição é indicada a data concreta)
  • 17. Regras de assiduidade Define o limite máximo de faltas • Indica a assiduidade mínima necessária para avaliação final positiva em percentagem da carga total do curso e em número de horas • Evita as tolerâncias de entrada
  • 18. Certificação Explicita o tipo de certificação que será feita no final do curso • Indica se é emitido um certificado de formação profissional e qual o diploma legal ao abrigo do qual o certificado é emitido • Evita expressões vagas do género "em caso de sucesso, é emitido um certificado", já que o conceito de "sucesso" deve ser clarificado como sendo "no caso de ter avaliação final positiva" • Se for o caso, identifica o "perfil de saída" e a qualificação atribuída (por exemplo, a qualificação escolar nos curso de dupla certificação) • Mesmo que a entidade não seja certificada/acreditada, desde que proceda à avaliação das aprendizagens, deve emitir certificado de formação profissional em vez de apenas emitir certificado de frequência • Os certificados de frequência devem apenas ser emitidos caso o formando não tenha tido aproveitamento mas tenha cumprido assiduidade mínima e, por motivos éticos, devem mencionar que o formando não teve aproveitamento. Estes certificados são mais adequados em seminários, workshops, palestras e eventos que, apesar de terem preocupações pedagógicas, não avaliam as aprendizagens
  • 19. Equipamentos Inventaria os equipamentos da responsabilidade de entidade e do formando • Inclui equipamentos como computador, videoprojector, tela de projecção, televisão, câmara, tripé, etc. • Inclui ainda equipamentos específicos como, por exemplo, 15 candeeiros individuais com lâmpadas de 40 W e 15 computadores com a versão x do software XPTO instalada • Especifica condições físicas específicas exigidas. Por exemplo, "sala com ar condicionado com luz natural e 2,5 metros quadrados por formando e disposição em U" • Opcionalmente, pode incluir extras a serem fornecidos como "águas, blocos de formação e drops" • Inclui nos equipamentos apenas recursos de formação e não menciona recursos didácticos (apresentações Power Point, enunciados, maquetes, etc.) • Se for o caso, especifica os equipamentos da responsabilidade do formando trazer. Neste caso, estes equipamentos devem constar igualmente dos pré-requisitos do curso
  • 20. Coordenação pedagógica Identifica claramente de quem é a responsabilidade da coordenação • Indica o nome do coordenador do curso • Fornece uma breve nota biográfica do coordenador • Indica o tipo de vínculo do coordenador à entidade, caso se justifique
  • 21. Programa Detalha os temas que serão abordados • Numera os temas • Caso o curso esteja organizado em módulos, faz essa menção e define a carga horária por módulo • Não estrutura em módulos cursos de duração reduzida ou cujas temáticas não sejam suficientemente estanques • Opta por organizar o programa em módulos caso estes sejam autónomos, sejam avaliados individualmente e tenham uma carga horária elevada • Não inclui no programa items como a ''apresentação'', a "avaliação" ou o "esclarecimento de dúvidas" limitando-se a listar os temas que serão abordados (e não as etapas da formação); • Evita chamar ao programa "conteúdos programáticos" que é uma expressão redundante, optando por "conteúdos”, “temas” ou simplesmente "programa"
  • 22. Referências bibliográficas e recursos Identifica as fontes e os recursos usados • Identifica as referências bibliográficas do curso, dividindo- as entre essenciais e leituras recomendadas • Identifica os recursos didácticos que serão disponibilizados aos formandos
  • 23. Medidas de remediação Define as “segundas oportunidades” previstas • Define as medidas de remediação, ou seja, as segundas oportunidades que podem ser dadas aos formandos caso eles reprovem • Indica em que circunstâncias é que os formandos são elegíveis para aproveitarem as medidas de remediação • Indica o prazo de aplicação das medidas de remediação, os custos envolvidos e a metodologia segundo a qual o formando vai ser avaliado novamente
  • 24. Preço e condições de pagamento Especifica o preço e condições de pagamento • Indica o preço, que será indicativo pois pode variar de edição para edição • Menciona se o preço inclui IVA ou está isento (art.º 9º CIVA) • Especifica condições de pagamento (exemplo: a pronto, com a inscrição, em x prestações) e datas limite de pagamento e os meios de pagamento aceites • Menciona a elegibilidade de promoções ou condições especiais (como, por exemplo, se o formando pode aplicar o desconto de cartão jovem) • Se o curso for financiado, indica o programa de apoio respectivos logótipos e as bolsas atribuídas
  • 25. Posicionamento Define o posicionamento em termos de produto educativo • Indica a forma como o curso deve ser posicionado no mercado, em termos de marketing de produtos educativos e formativos e face aos destinatários definidos
  • 26. Outras preocupações Escreve o plano em português correcto: • Escreve sem erros ortográficos ou gralhas e garante que passa o corrector ortográfico no ficheiro • Escreve em português de Portugal segundo as regras do novo acordo ortográfico ou com base no anterior, mas garantindo que não mistura regras dos dois acordos • Escreve frases curtas e claras, sem "muletas" verbais, adjectivos e advérbios desnecessários • Escreve textos claros e gramaticalmente bem escritos • Coloca os estrangeirismos em itálico • Utiliza o negrito para destacar, e não o sublinhado (interpretado, nos dias actuais, como um link e não como um destaque)
  • 27. Outras preocupações Formata o documento adequadamente: • Garante a identificação da entidade formadora caso não utilize papel timbrado da entidade • Destaca o título dos campos dos plano de formação • Garante que não tem campos a quebrar de página (por exemplo, com o título no final de uma página e o detalhe no início da página seguinte, optando por passar o título para a página seguinte) • Ajusta a orientação da folha à necessidade de espaço e dimensão dos campos • Utiliza fontes, cores e demais formatações clássicas • Faz uma boa gestão da mancha do plano • Numera as páginas