SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
Qualidade no Ambiente Hospitalar
Profª. Es. Rúbia Soraya Rabello
INDICADORES
HOSPITALARES
INDICADORES
2
INDICADOR - DEFINIÇÃO
MEDIDAS
Descrever uma situação
Fazer comparações
Verificar mudanças
Tendências
INDICADORES
3
INDICADOR - DEFINIÇÃO
Dados Informação Indicador
INDICADORES
4
INDICADOR - DEFINIÇÃO
Eficiência: relação entre resultados e recursos empregados de forma
racional
Eficácia: alcance das metas programadas para um determinado
período de tempo
Efetividade: Eficiência + Eficácia
Relação entre os resultados alcançados e os objetivos esperados
INDICADORES
5
INDICADORES COMPULSÓRIOS
Portaria 2616 de 1998 – Vigilância Epidemiológica das
IRAS
Incidência e Prevalência
Taxa de Infecção Hospitalar
Taxa de Pacientes com Infecção Hospitalar
Distribuição Percentual das Infecções Hospitalares
Taxa de Infecções Hospitalares por Procedimento
Taxa de pneumonia após uso de respirador.
das taxas de infecção do sítio cirúrgico, por cirurgião e por
especialidade.
Frequência das Infecções Hospitalares por Microrganismos ou por
etiologias
Coeficiente de Sensibilidade aos Antimicrobianos
Percentual de pacientes que usaram antimicrobianos
Frequência com que cada antimicrobiano é empregado em relação aos
demais
Taxa de letalidade associada a infecção hospitalar
INDICADORES
6
INDICADORES COMPULSÓRIOS
RDC ANVISA 07 de 2010
Art. 48 Devem ser monitorados e mantidos registros de
avaliações do desempenho e do padrão de funcionamento
global da UTI, assim como de eventos que possam indicar
necessidade de melhoria da qualidade da assistência, com
o objetivo de estabelecer medidas de controle ou redução
dos mesmos.
1º Deve ser calculado o Índice de Gravidade / Índice
Prognóstico dos pacientes internados na UTI por meio de um
Sistema de Classificação de Severidade de Doença
recomendado por literatura científica especializada.
2º O Responsável Técnico da UTI deve correlacionar a
mortalidade geral de sua unidade com a mortalidade geral
esperada, de acordo com o Índice de gravidade utilizado.
INDICADORES
7
INDICADORES COMPULSÓRIOS
© Accreditation Canada International
Resolução COFEN nº 293/2004 sobre
dimensionamento de pessoal de enfermagem
Resolução CFM nº 1802/2006 que fala do ato
anestésico – número de cirurgias com número de
anestesistas – proibição de um anestesista fazer ao
mesmo tempo duas salas cirúrgicas
INDICADORES
8
CONSTRUÇÃO DE INDICADORES
INDICADORES
9
CONSTRUÇÃO DE INDICADORES
Validade Mede o que se propõe a medir; é baseado em evidências
Precisão Define com clareza o que deve ser medido
Reprodutibilidade
Se duas pessoas fizerem a medida baseado na definição do indicador
chegarão ao mesmo resultado
Oportunidade O indicador é coletado em tempo para tomar medidas de correção
Comparabilidade Permite comparações entre serviços, entre regiões ou países
Sensibilidade/
especificidade
Viés de seleção e de informação
Facilidade Coleta e cálculo de fácil execução
Consistência Coerência dos dados e cálculos
Interpretabilidade Capacidade do indicador discriminar e agregar valor na análise
Custo Levar em conta o custo inerente a coleta
INDICADORES
10
CONSTRUÇÃO DE INDICADORES
• Nome do indicador ( O QUE?)
• Fórmula – maneira de cálculo (COMO?)
• Tipo – taxa, coeficiente, índice, n° absoluto, etc
• Responsável – quem fará (QUEM?)
• Fonte – local de onde será colhida a informação (ONDE?)
• Amostra - ?
• Frequência – n° de vezes que será medido (QUANTAS
VEZES?)
• Objetivo – motivo, melhoria (POR QUE?)
INDICADORES
11
FICHA TÉCNICA
INDICADORES
12
FICHA TÉCNICA
INDICADORES
13
FICHA TÉCNICA
INDICADORES
14
NÚMEROS ABSOLUTOS
Números absolutos: provenientes de contagens
INDICADORES
15
NÚMEROS RELATIVOS
Números relativos: são valores absolutos expressos em relação a outros
valores absolutos. Podem ser índices, proporções, coeficientes e razões.
INDICADORES
16
ÍNDICES
• Medidas que integram múltiplas dimensões ou elementos de
diversas naturezas.
• Numerador e denominador expressam dimensões distintas.
INDICADORES
17
PROPORÇÕES
© Accreditation Canada International
Proporção
É a relação entre frequências atribuídas de determinado evento;
no numerador, registra-se a frequência absoluta do evento, que
constitui subconjunto da frequência contida no
denominador.
Por exemplo:
número de óbitos por doenças cardiovasculares em relação
ao número de óbitos em geral.
INDICADORES
18
PROPORÇÕES
© Accreditation Canada International
• Todas as unidades do numerador estão contidas em um
denominador mais amplo.
• Os resultados podem ser expressos em forma de fração ou
multiplicados por 100.
INDICADORES
19
COEFICIENTE OU TAXA
© Accreditation Canada International
Coeficiente ou taxa
É a relação entre o número de eventos reais e os que
poderiam acontecer, sendo a única medida que informa
quanto ao “risco” de ocorrência de um evento.
Por exemplo: número de óbitos por Leptospirose em São
Paulo, em relação às pessoas que residem ou residiam
nessa cidade, no ano ou período considerado.
INDICADORES
20
COEFICIENTE OU TAXA
© Accreditation Canada International
INDICADORES
21
COEFICIENTE DE PREVALÊNCIA
© Accreditation Canada International
Proporção, em um determinado momento, dos portadores do evento de
interesse em relação ao total.
O numerador é a contagem de portadores do evento e o denominador é o
número total de investigados.
Ex: Coeficiente de prevalência de hipertensão arterial
N° de pessoas com hipertensão
N° total de pessoas examinadas
INDICADORES
22
COEFICIENTE DE PREVALÊNCIA
© Accreditation Canada International
INDICADORES
23
COEFICIENTE DE INCIDÊNCIA
© Accreditation Canada International
Representa a proporção de indivíduos que, no começo do
acompanhamento, não tinham desenvolvido o evento de interesse e
que, ao longo dele, mudaram de status ao desenvolvê-lo.
O numerador são os casos novos e o denominador o total de pessoas
expostas (população de risco).
INDICADORES
24
COEFICIENTE DE INCIDÊNCIA
© Accreditation Canada International
INDICADORES
25
RAZÃO
© Accreditation Canada International
Razão
É a medida de frequência de um grupo de eventos relativa
à frequência de outro grupo de eventos.
É um tipo de fração em que o numerador não é um
subconjunto do denominador.
Relação entre duas magnitudes de mesma dimensão e
natureza.
Por exemplo: razão entre o número de casos de AIDS no
sexo masculino e o número de casos de AIDS no sexo
feminino.
INDICADORES
26
CLASSES
© Accreditation Canada International
• Indicadores Sentinela
• Indicadores de Resultado
• Indicadores de Processos
• Indicadores de Gestão
• Indicadores de Estrutura
INDICADORES
27
SENTINELA
© Accreditation Canada International
• Mede a ocorrência de eventos indesejados.
Exemplos:
- Queda do leito
- Fuga do paciente
- Cirurgia em paciente errado
- Erros de dosagem
- Acidentes com material cortante
- Incêndio
INDICADORES
28
RESULTADO
© Accreditation Canada International
Mede o que acontece (ou não) ao paciente
depois que algo é feito.
Refere-se à efetividade da assistência
hospitalar.
INDICADORES
29
RESULTADO
© Accreditation Canada International
De produção:
- N° atendimentos
- Capacidade ociosa
- Taxa de ocupação hospitalar
De produtividade:
- Média de permanência
- Funcionários / leito
- Índice de rotatividade
INDICADORES
30
RESULTADO
© Accreditation Canada International
De material:
- Giro de Estoque
- Taxa de retorno de materiais
- Índice de atendimento de pedido
De qualidade:
- Taxa de infecção
- Taxa de mortalidade geral
- Taxa de mortalidade operatória
INDICADORES
31
PROCESSO
© Accreditation Canada International
Mede a atividade de cuidados relativa ao
paciente, frequentemente ligada a um
resultado.
- Taxa de mortalidade em UTI
- Dispensação de medicamentos
- Marcadores de protocolos (Ex. Tempo Porta
Eletro)
INDICADORES
32
GESTÃO
Relacionado à administração e alocação dos
recursos disponíveis.
- Pessoal segundo áreas do hospital
- Porcentagem de procedimentos pagos pelo
SUS
- Implementação do Planejamento Estratégico
- Taxa de absenteísmo
- Anos de escolaridade dos funcionários
INDICADORES
33
ESTRUTURA
© Accreditation Canada International
- Alvará sanitário expedido Vigilância Sanitária
- Leitos de hospital-dia
- Taxa de Ocupação
- Certificação como hospital de ensino
- Ambulância com UTI
INDICADORES
34
TAXA DE OCUPAÇÃO
© Accreditation Canada International
Relação percentual entre o número de
pacientes-dia em determinado mês e o
número de leitos-dia no mesmo período.
To = N° de pacientes/dia no mês x
100
N° de leitos/dia no mesmo período
INDICADORES
35
TAXA DE MORTALIDADE
© Accreditation Canada International
Relação percentual entre o n° de óbitos
ocorridos no hospital em determinado mês
e o n° de saídas no mesmo período.
Txmo = n° óbitos no hospital no mês
x100
n° de saídas no mesmo período
INDICADORES
36
MÉDIA DE PERMANÊNCIA
© Accreditation Canada International
É a relação entre o total de pacientes-dia
em um determinado período, e o total de
saídas neste mesmo período.
Tmp = n° de pacientes-dia
n° de saídas no mesmo período
INDICADORES
37
ACESSO
© Accreditation Canada International
• Tempo de espera para cirurgia eletiva
• Desempenho assistencial
• Taxa de ocupação (operacional)
• Tempo médio de permanência
• Intervalo de substituição
• Índice de rotatividade
• Resultado/Efetividade
• Taxa de mortalidade institucional
• Taxa de mortalidade operatória em
cirurgias eletivas
• Taxa de reinternação em 30 dias
INDICADORES
38
INTEGRAÇÃO DE INDICADORES
© Accreditation Canada International
INDICADORES
39
DIVULGAÇÃO E DISSEMINAÇÃO
INDICADORES
40
ANÁLISE CRÍTICA
© Accreditation Canada International
INDICADORES
41
EXEMPLO ESTRATÉGIA
© Accreditation Canada International
INDICADORES
42
EXEMPLO ESTRATÉGIA
© Accreditation Canada International
INDICADORES
43
PROGRAMAS
© Accreditation Canada International
International Quality
Indicator Project
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
 

Destaque

indicadores hospitalares
indicadores hospitalaresindicadores hospitalares
indicadores hospitalares
InformaGroup
 
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
Maria Stella
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
Monica Mamedes
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
Denise Selegato
 
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2009
ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2009ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2009
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2009
williansfiori
 

Destaque (20)

Aula Acreditação
Aula AcreditaçãoAula Acreditação
Aula Acreditação
 
Indicadores Hospitalares
Indicadores HospitalaresIndicadores Hospitalares
Indicadores Hospitalares
 
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
 
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma HospitalFerramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
Ferramentas Qualidade e Lean Six Sigma Hospital
 
indicadores hospitalares
indicadores hospitalaresindicadores hospitalares
indicadores hospitalares
 
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
Gestão Visual Lean Six Sigma - Hospital
 
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
 
Indicadores de Desempenho Hospitalar
Indicadores de Desempenho HospitalarIndicadores de Desempenho Hospitalar
Indicadores de Desempenho Hospitalar
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
História da Qualidade
História da QualidadeHistória da Qualidade
História da Qualidade
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeConceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2009
ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2009ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2009
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2009
 

Semelhante a Aula Indicadores

Ivany Aparecida Nunes
Ivany Aparecida NunesIvany Aparecida Nunes
Ivany Aparecida Nunes
ABESE
 
AULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.ppt
AULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.pptAULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.ppt
AULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.ppt
CintiaGiselle
 
Taxa de parto cesáreo
Taxa de parto cesáreoTaxa de parto cesáreo
Taxa de parto cesáreo
adrianomedico
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
guest8d08d6
 

Semelhante a Aula Indicadores (20)

Ivany Aparecida Nunes
Ivany Aparecida NunesIvany Aparecida Nunes
Ivany Aparecida Nunes
 
AULA POWER POINT.ppt
AULA POWER POINT.pptAULA POWER POINT.ppt
AULA POWER POINT.ppt
 
AULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.ppt
AULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.pptAULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.ppt
AULA POWER ASDFGTHYTGRFEDWSQWDEFRGTPOINT.ppt
 
indicadoresemsaudemorbidadeemortalidadeemsaude.ppt
indicadoresemsaudemorbidadeemortalidadeemsaude.pptindicadoresemsaudemorbidadeemortalidadeemsaude.ppt
indicadoresemsaudemorbidadeemortalidadeemsaude.ppt
 
Aula 2 - Indicadores, taxas e coeficientes.pdf
Aula 2 - Indicadores, taxas e coeficientes.pdfAula 2 - Indicadores, taxas e coeficientes.pdf
Aula 2 - Indicadores, taxas e coeficientes.pdf
 
Aula 3 - Indicadores de Saúde.ppt
Aula 3 - Indicadores de Saúde.pptAula 3 - Indicadores de Saúde.ppt
Aula 3 - Indicadores de Saúde.ppt
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia segura
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
 
Taxa de parto cesáreo
Taxa de parto cesáreoTaxa de parto cesáreo
Taxa de parto cesáreo
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Cultura de la Seguridad del Paciente
Cultura de la Seguridad del PacienteCultura de la Seguridad del Paciente
Cultura de la Seguridad del Paciente
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
 
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
Criterios nacionais isc
Criterios nacionais iscCriterios nacionais isc
Criterios nacionais isc
 
Mobile Care - Gerenciamento de Pacientes Crônicos
Mobile Care - Gerenciamento de  Pacientes CrônicosMobile Care - Gerenciamento de  Pacientes Crônicos
Mobile Care - Gerenciamento de Pacientes Crônicos
 
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
 
Como engajar hospitais no movimento de seguranca do paciente: a experiência d...
Como engajar hospitais no movimento de seguranca do paciente: a experiência d...Como engajar hospitais no movimento de seguranca do paciente: a experiência d...
Como engajar hospitais no movimento de seguranca do paciente: a experiência d...
 
Indicadores Perú 2014
Indicadores Perú 2014  Indicadores Perú 2014
Indicadores Perú 2014
 

Mais de Rubia Soraya Rabello (9)

Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Aula Lean
 
Acreditações Hospitalares
Acreditações HospitalaresAcreditações Hospitalares
Acreditações Hospitalares
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
 
Qualidade Estudo De Meta
Qualidade Estudo De MetaQualidade Estudo De Meta
Qualidade Estudo De Meta
 
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X FornecedorApresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
Apresentação Cadeia Cliente X Fornecedor
 
Treinamento 5 S
Treinamento 5 STreinamento 5 S
Treinamento 5 S
 
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean HospitalMapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
Mapeamento De Fluxo De Valor Lean Hospital
 
Lean Six Sigma Hospital
Lean Six Sigma Hospital Lean Six Sigma Hospital
Lean Six Sigma Hospital
 

Aula Indicadores

  • 1. Qualidade no Ambiente Hospitalar Profª. Es. Rúbia Soraya Rabello INDICADORES HOSPITALARES
  • 2. INDICADORES 2 INDICADOR - DEFINIÇÃO MEDIDAS Descrever uma situação Fazer comparações Verificar mudanças Tendências
  • 4. INDICADORES 4 INDICADOR - DEFINIÇÃO Eficiência: relação entre resultados e recursos empregados de forma racional Eficácia: alcance das metas programadas para um determinado período de tempo Efetividade: Eficiência + Eficácia Relação entre os resultados alcançados e os objetivos esperados
  • 5. INDICADORES 5 INDICADORES COMPULSÓRIOS Portaria 2616 de 1998 – Vigilância Epidemiológica das IRAS Incidência e Prevalência Taxa de Infecção Hospitalar Taxa de Pacientes com Infecção Hospitalar Distribuição Percentual das Infecções Hospitalares Taxa de Infecções Hospitalares por Procedimento Taxa de pneumonia após uso de respirador. das taxas de infecção do sítio cirúrgico, por cirurgião e por especialidade. Frequência das Infecções Hospitalares por Microrganismos ou por etiologias Coeficiente de Sensibilidade aos Antimicrobianos Percentual de pacientes que usaram antimicrobianos Frequência com que cada antimicrobiano é empregado em relação aos demais Taxa de letalidade associada a infecção hospitalar
  • 6. INDICADORES 6 INDICADORES COMPULSÓRIOS RDC ANVISA 07 de 2010 Art. 48 Devem ser monitorados e mantidos registros de avaliações do desempenho e do padrão de funcionamento global da UTI, assim como de eventos que possam indicar necessidade de melhoria da qualidade da assistência, com o objetivo de estabelecer medidas de controle ou redução dos mesmos. 1º Deve ser calculado o Índice de Gravidade / Índice Prognóstico dos pacientes internados na UTI por meio de um Sistema de Classificação de Severidade de Doença recomendado por literatura científica especializada. 2º O Responsável Técnico da UTI deve correlacionar a mortalidade geral de sua unidade com a mortalidade geral esperada, de acordo com o Índice de gravidade utilizado.
  • 7. INDICADORES 7 INDICADORES COMPULSÓRIOS © Accreditation Canada International Resolução COFEN nº 293/2004 sobre dimensionamento de pessoal de enfermagem Resolução CFM nº 1802/2006 que fala do ato anestésico – número de cirurgias com número de anestesistas – proibição de um anestesista fazer ao mesmo tempo duas salas cirúrgicas
  • 9. INDICADORES 9 CONSTRUÇÃO DE INDICADORES Validade Mede o que se propõe a medir; é baseado em evidências Precisão Define com clareza o que deve ser medido Reprodutibilidade Se duas pessoas fizerem a medida baseado na definição do indicador chegarão ao mesmo resultado Oportunidade O indicador é coletado em tempo para tomar medidas de correção Comparabilidade Permite comparações entre serviços, entre regiões ou países Sensibilidade/ especificidade Viés de seleção e de informação Facilidade Coleta e cálculo de fácil execução Consistência Coerência dos dados e cálculos Interpretabilidade Capacidade do indicador discriminar e agregar valor na análise Custo Levar em conta o custo inerente a coleta
  • 10. INDICADORES 10 CONSTRUÇÃO DE INDICADORES • Nome do indicador ( O QUE?) • Fórmula – maneira de cálculo (COMO?) • Tipo – taxa, coeficiente, índice, n° absoluto, etc • Responsável – quem fará (QUEM?) • Fonte – local de onde será colhida a informação (ONDE?) • Amostra - ? • Frequência – n° de vezes que será medido (QUANTAS VEZES?) • Objetivo – motivo, melhoria (POR QUE?)
  • 15. INDICADORES 15 NÚMEROS RELATIVOS Números relativos: são valores absolutos expressos em relação a outros valores absolutos. Podem ser índices, proporções, coeficientes e razões.
  • 16. INDICADORES 16 ÍNDICES • Medidas que integram múltiplas dimensões ou elementos de diversas naturezas. • Numerador e denominador expressam dimensões distintas.
  • 17. INDICADORES 17 PROPORÇÕES © Accreditation Canada International Proporção É a relação entre frequências atribuídas de determinado evento; no numerador, registra-se a frequência absoluta do evento, que constitui subconjunto da frequência contida no denominador. Por exemplo: número de óbitos por doenças cardiovasculares em relação ao número de óbitos em geral.
  • 18. INDICADORES 18 PROPORÇÕES © Accreditation Canada International • Todas as unidades do numerador estão contidas em um denominador mais amplo. • Os resultados podem ser expressos em forma de fração ou multiplicados por 100.
  • 19. INDICADORES 19 COEFICIENTE OU TAXA © Accreditation Canada International Coeficiente ou taxa É a relação entre o número de eventos reais e os que poderiam acontecer, sendo a única medida que informa quanto ao “risco” de ocorrência de um evento. Por exemplo: número de óbitos por Leptospirose em São Paulo, em relação às pessoas que residem ou residiam nessa cidade, no ano ou período considerado.
  • 20. INDICADORES 20 COEFICIENTE OU TAXA © Accreditation Canada International
  • 21. INDICADORES 21 COEFICIENTE DE PREVALÊNCIA © Accreditation Canada International Proporção, em um determinado momento, dos portadores do evento de interesse em relação ao total. O numerador é a contagem de portadores do evento e o denominador é o número total de investigados. Ex: Coeficiente de prevalência de hipertensão arterial N° de pessoas com hipertensão N° total de pessoas examinadas
  • 22. INDICADORES 22 COEFICIENTE DE PREVALÊNCIA © Accreditation Canada International
  • 23. INDICADORES 23 COEFICIENTE DE INCIDÊNCIA © Accreditation Canada International Representa a proporção de indivíduos que, no começo do acompanhamento, não tinham desenvolvido o evento de interesse e que, ao longo dele, mudaram de status ao desenvolvê-lo. O numerador são os casos novos e o denominador o total de pessoas expostas (população de risco).
  • 24. INDICADORES 24 COEFICIENTE DE INCIDÊNCIA © Accreditation Canada International
  • 25. INDICADORES 25 RAZÃO © Accreditation Canada International Razão É a medida de frequência de um grupo de eventos relativa à frequência de outro grupo de eventos. É um tipo de fração em que o numerador não é um subconjunto do denominador. Relação entre duas magnitudes de mesma dimensão e natureza. Por exemplo: razão entre o número de casos de AIDS no sexo masculino e o número de casos de AIDS no sexo feminino.
  • 26. INDICADORES 26 CLASSES © Accreditation Canada International • Indicadores Sentinela • Indicadores de Resultado • Indicadores de Processos • Indicadores de Gestão • Indicadores de Estrutura
  • 27. INDICADORES 27 SENTINELA © Accreditation Canada International • Mede a ocorrência de eventos indesejados. Exemplos: - Queda do leito - Fuga do paciente - Cirurgia em paciente errado - Erros de dosagem - Acidentes com material cortante - Incêndio
  • 28. INDICADORES 28 RESULTADO © Accreditation Canada International Mede o que acontece (ou não) ao paciente depois que algo é feito. Refere-se à efetividade da assistência hospitalar.
  • 29. INDICADORES 29 RESULTADO © Accreditation Canada International De produção: - N° atendimentos - Capacidade ociosa - Taxa de ocupação hospitalar De produtividade: - Média de permanência - Funcionários / leito - Índice de rotatividade
  • 30. INDICADORES 30 RESULTADO © Accreditation Canada International De material: - Giro de Estoque - Taxa de retorno de materiais - Índice de atendimento de pedido De qualidade: - Taxa de infecção - Taxa de mortalidade geral - Taxa de mortalidade operatória
  • 31. INDICADORES 31 PROCESSO © Accreditation Canada International Mede a atividade de cuidados relativa ao paciente, frequentemente ligada a um resultado. - Taxa de mortalidade em UTI - Dispensação de medicamentos - Marcadores de protocolos (Ex. Tempo Porta Eletro)
  • 32. INDICADORES 32 GESTÃO Relacionado à administração e alocação dos recursos disponíveis. - Pessoal segundo áreas do hospital - Porcentagem de procedimentos pagos pelo SUS - Implementação do Planejamento Estratégico - Taxa de absenteísmo - Anos de escolaridade dos funcionários
  • 33. INDICADORES 33 ESTRUTURA © Accreditation Canada International - Alvará sanitário expedido Vigilância Sanitária - Leitos de hospital-dia - Taxa de Ocupação - Certificação como hospital de ensino - Ambulância com UTI
  • 34. INDICADORES 34 TAXA DE OCUPAÇÃO © Accreditation Canada International Relação percentual entre o número de pacientes-dia em determinado mês e o número de leitos-dia no mesmo período. To = N° de pacientes/dia no mês x 100 N° de leitos/dia no mesmo período
  • 35. INDICADORES 35 TAXA DE MORTALIDADE © Accreditation Canada International Relação percentual entre o n° de óbitos ocorridos no hospital em determinado mês e o n° de saídas no mesmo período. Txmo = n° óbitos no hospital no mês x100 n° de saídas no mesmo período
  • 36. INDICADORES 36 MÉDIA DE PERMANÊNCIA © Accreditation Canada International É a relação entre o total de pacientes-dia em um determinado período, e o total de saídas neste mesmo período. Tmp = n° de pacientes-dia n° de saídas no mesmo período
  • 37. INDICADORES 37 ACESSO © Accreditation Canada International • Tempo de espera para cirurgia eletiva • Desempenho assistencial • Taxa de ocupação (operacional) • Tempo médio de permanência • Intervalo de substituição • Índice de rotatividade • Resultado/Efetividade • Taxa de mortalidade institucional • Taxa de mortalidade operatória em cirurgias eletivas • Taxa de reinternação em 30 dias
  • 38. INDICADORES 38 INTEGRAÇÃO DE INDICADORES © Accreditation Canada International
  • 43. INDICADORES 43 PROGRAMAS © Accreditation Canada International International Quality Indicator Project