SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS – Parte I 



Rosário Cação 
INDICE 
1. Porque é importante? 


2. Formatos e esFlos de referenciação 


3. Como referenciar? 


4. SoOware de apoio 
1. PORQUE É IMPORTANTE? 
1. PORQUE É IMPORTANTE? 
Porque é importante? 

 Ao preparar manuais, reflexões, dissertações, projectos
 ou artigos, para além das ideias originais do autor, são
 incluidas ideias, informações ou dados de outros
 autores.

 •  Por um lado, o respeito dos direitos desses autores
    tem de ser respeitado, sob pena de cometer plágio;

 •  Por outro, é necessário estruturar a forma como esses
    créditos de terceiros são apresentados.
1. PORQUE É IMPORTANTE? 
O que é o plágio? 

    Plágio é uma usurpação de créditos sobre um
               determinado trabalho.

 Existe plágio sempre que:
 •  Apresentar trabalho ou ideias de outra pessoa como
    sendo seus;
 •  Apresentar esses trabalhos ou ideias sem citar a fonte
    original;
 •  Dizer por outras palavras as ideias de outro autor,
    fazendo alterações e sem citar a fonte original;
 •  Citar fontes que não se usou.
1. PORQUE É IMPORTANTE? 
Plágios mais comuns 

 São frequentes as seguintes situações de plágio:

 •  Apresentar as ideias de outros como sendo suas,
    apenas fazendo umas pequenas alterações de
    cosmética gramatical;

 •  Retirar informações da Internet e não referenciar o
    nome do site, o endereço (URL) e a data da consulta;

 •  Citar a fonte (ao longo do trabalho) mas não a incluir
    na lista de referências (no final do trabalho);

 •  Incluir a fonte na lista de referências mas não a citar
    no parágrafo/frase em que foi usada.
1. PORQUE É IMPORTANTE? 
Como evitar o plágio? 


 Existem duas formas de não cometer plágio:

 •  Usar, exclusivamente, ideias, dados e palavras
    próprios;
 •  Citar as fontes ao longo do trabalho e criar, no fim do
    trabalho, uma lista de referências que foram citadas ao
    longo do trabalho.
            Caso particular:

            Conhecimentos gerais (por exemplo: “o primeiro rei de 
            Portugal foi D. Afonso Henriques”) não precisam de ser citados 
            pois são genericamente conhecidos por todas as pessoas e pelo 
                       autor, antes da realiação do seu trabalho. 
2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO 
2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO 
Formatos de referenciação 

 Existem dois formatos de referenciação:

 •  O primeiro, é o formato autor/data:
      Os estilos deste formato enfatizam o nome do(s) autor(es) e o
      ano de publicação e cujo detalhe se encontra na lista de
      referências no final do trabalho, ordenados por ordem
      alfabética.
      Este formato é genericamente designado por estilo Harvard.

 •  O segundo, é o formato numérico:
      São utilizados números para referenciar as fontes que são
      depois detalhadas na lista de referências no final do trabalho,
      ordenados geralmente pela ordem que foram citados.
      Este formato é genericamente designado por estilo
      Vancouver.
2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO 
Que es@lo deve ser usado? 
  Excepto nos casos em que o estilo é imposto, pode-se usar qualquer estilo.
  Entre os estilos mais utilizados destacam-se:
Es@lo    Área               Endereço 
APA      Psicologia         hap://www.apastyle.org/ 
ACS      Química            hap://pubs.acs.org/page/books/styleguide/
                            index.html?cookieSet=1 
Chicago  Artes/             hap://www.chicagomanualofstyle.org/ 
         humanidades 
CSE      Ciências           hap://www.councilscienceeditors.org/publicaFons/
                            style.cfm 
ACM      InformáFca         hap://www.acm.org/publicaFons/latex_style/ 
MHRA     Humanidades        hap://www.mhra.org.uk/PublicaFons/Books/
                            StyleGuide/index.html 
OSCOLA  Direito             hap://denning.law.ox.ac.uk/published/
                            endnote.shtml 
IEEE     Electrónica        hap://standards.ieee.org/guides/style/ 
MLA      Línguas            hap://www.mla.org/style 
2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO 
Que es@lo deve ser usado? 

 Em Portugal:

Es@lo    Área                    Endereço 
NP405    Portugal                hap://www.ipq.pt 



                     Norma       Edição           Descrição 
                     NP 405‐1    1994 (edição 1)  Documentos impressos 
                     NP 405‐2    1998 (edição 1)  Materiais não livro 
                     NP 405‐3    2000 (edição 1)  Documentos não publicados 
                     NP 405‐4    2002 (edição 1)  Documentos electrónicos 
3. COMO REFERENCIAR? 
3. COMO REFERENCIAR? 
Como referenciar? 

Referenciar envolve duas etapas:

1.  Indicar no corpo do texto que aquela parte não é original e
    fornecer uma identificação curta da fonte (in-text citation)

2.  Numa secção à parte, colocada no final do texto, colocar o
    detalhe dessa fonte (list of references)
3. COMO REFERENCIAR? 
Como referenciar? 
No sistema Harvard:

A citação ao longo do texto:
      A curta identificação da fonte é composta pelo(s) apelido(s) ou
      nome da organização e a data. Pode ainda conter o número de
      página de onde consta o pedaço transcrito ou, no caso da obra
      ser longa.

            Exemplo:
            Dewey (1939, p.49) defende que…
            Alguns autores (Guba & Wilson, 1999) defendem que…

A lista de referências:
      É organizada por ordem alfabética do apelido do primeiro autor.
3. COMO REFERENCIAR? 
Como referenciar? 

Exemplo (estilo APA)

O texto:
      Alguns autores (Taylor & Bodgan, 1949) consideram a observação
      participada como um método de pesquisa qualitativa.
      O livro de Field (2000) é um bom ponto de partida para a análise com
      o SPSS mas, em questões concretas como na análise factorial,.não
      tem o detalhe de outros autores (como, por exemplo, Kline, 1994)


A lista de referências:
      Field, A. (2000). Discovering statistics using SPSS (2005 ed.).
      Thousand Oaks: Sage.
      Kline, P. (1994). An easy guide to factor analysis. New York:
      Routledge.
      Taylor, S. J., & Bodgan, R. (1949). Introduction to Qualitative
      Research Methods (second ed.). New York: John Wiley & Sons.
3. COMO REFERENCIAR? 
Como referenciar? 
Regras básicas:

•  Não pode haver nenhuma citação (ao longo do texto) que não
   esteja na lista de referências

•  Não pode existir nenhuma obra na lista de referências que não
   esteja citada ao longo do texto.



            A lista de referências é diferente da bibliografia sugerida ou consultada:  
              ‐  A lista de referências tem apenas as obras citadas ao longo do texto 
                ‐  A bibliografia inclui obras consultadas para preparação do autor e 
                                 sugestões de consulta complementar 
3. COMO REFERENCIAR? 
Como referenciar? 

Organização da lista de referências de acordo com o estilo Harvard:

•  É organizada por ordem alfabética de autores citados
•  Se existem várias obras do mesmo autor, primeiro é inserida a
   obra mais antiga
•  Se as várias obras do mesmo autor forem do mesmo ano, elas
   são referenciadas ao longo do texto com uma letra para além do
   apelido, ano e letra [exemplo: (Dewey, 1919a)] e na lista de
   referências são organizados pela ordem que foram citados
•  Cada referência aparece numa linha, não identada e sem ser
   numerada
4. SOFTWARE DE APOIO 
4. SOFTWARE DE APOIO 
SoKware de apoio 

A utilização de softwares para gestão de referências bibliográficas
tem inúmeras vantagens:

•  Concentração e organização de todas as fontes que o utilizador
   tem (‘fichas’ de fonte, link da ficha com o documento, listas
   inteligentes por palavras-chave ou tema, etc.)
•  Permite ‘chamar’ a fonte ao escrever o texto (e faz logo a
   formatação da citação de acordo com o estilo que está a ser
   usado)
•  Imediatamente ao chamar a fonte, organiza a lista de referências
   no final do documento com base no estilo específico que se
   escolheu
•  Reformula as citações e a formatação da lista de referências se
   for necessário utilizar outro estilo
•  Evita que se conheça em detalhe as regras de formatação de
   cada estilo
4. SOFTWARE DE APOIO 
SoKware de apoio 




                         http://www.endnote.com/


   •    Permite usar mais de 3000 estilos de formatação de referências
   •    Procura automaticamente online uma referência com base na ficha
        que foi criada
   •    Cria grupos inteligentes de referências por temas
   •    Disponibiliza uma versão online para efeitos colaborativos
CONCLUSÕES 
CONCLUSÃO 
Principais ideias a reter 

•    Para evitar plagiar, devem ser indicadas as fontes dos dados ou ideias
     que são utilizadas
•    Isso exige que junto do texto seja dada, de forma simples, indicações
     sobre o autor e que no final do documento essa referência seja
     discriminada
•    Tudo que for citado ao longo do texto deve ser incluído na lista de
     referências
•    Na lista de referências apenas devem ser incluídas as obras que são
     citadas ao longo do texto
•    Existem dois tipos de formatação de referências: o estilo Harvard e o
     estilo Vancouver
•    Dentro de cada tipo de formatação, existem vários estilos disponíveis
•    Excepto nos casos em que é exigido que o trabalho seja formatado de
     acordo com um determinado estilo, pode ser usado o estilo que se
     considere mais adequado aos destinatários e ao tema em questão
•    Existem vários programas que formatam referências, como é o caso do
     End Note
SUGESTÕES 
Sugestões 


                Tutorial para formatar cada Fpo de referência:  
  Tutorial      hap://referencing.port.ac.uk/  




                hap://gseweb.harvard.edu/library/services/research_instrucFon/
 EsFlo APA 
                apa_tutorial_slide_handout.pdf 
                hap://www.port.ac.uk/departments/studentsupport/library/advice/
                resourcehelp/referencing/filetodownload,68727,en.pdf 




              hap://www.library.uq.edu.au/training/citaFon/vancouv.pdf 
  Formato     hap://www.library.uwa.edu.au/help/guides/vancouver_citaFon_style 
 Vancouver 
GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS – Parte I 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)
Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)
Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)Biblioteca FEAUSP
 
Tutorial Mendeley 2015 - ABNT e APA
Tutorial Mendeley 2015 - ABNT e APATutorial Mendeley 2015 - ABNT e APA
Tutorial Mendeley 2015 - ABNT e APABiblioteca FEAUSP
 
Módulo 4 referências bibliográficas
Módulo 4 referências bibliográficasMódulo 4 referências bibliográficas
Módulo 4 referências bibliográficasBeam GPnti
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)Biblioteca FEAUSP
 
Microsoft word roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word   roteiro do relatório final do estágioMicrosoft word   roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word roteiro do relatório final do estágioKasalcaruaru Elaele
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Biblioteca FEAUSP
 
Metodologia da pesquisa científica e normas da ABNT
Metodologia da pesquisa científica e normas da ABNTMetodologia da pesquisa científica e normas da ABNT
Metodologia da pesquisa científica e normas da ABNTbibliotecaclorindoburnier
 
Como númerar páginas no word -Andreucci
Como númerar páginas no word -AndreucciComo númerar páginas no word -Andreucci
Como númerar páginas no word -AndreucciRonilson de Souza Luiz
 
Normalização Doumentária
Normalização DoumentáriaNormalização Doumentária
Normalização DoumentáriaPaulo Freitas
 
Uniformizacao artigos
Uniformizacao artigosUniformizacao artigos
Uniformizacao artigosalucardkxxx
 
Modulo4 estruturadotrabalho (1)
Modulo4 estruturadotrabalho (1)Modulo4 estruturadotrabalho (1)
Modulo4 estruturadotrabalho (1)Catedral Curso
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...Biblioteca FEAUSP
 
UNIP - Manual de normalizacao_abnt
UNIP - Manual de normalizacao_abntUNIP - Manual de normalizacao_abnt
UNIP - Manual de normalizacao_abntRogerio Sena
 
Abnt norma 14724
Abnt norma 14724Abnt norma 14724
Abnt norma 14724Biblio 2010
 

Mais procurados (19)

Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)
Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)
Estrutura e normalização de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2016)
 
Tutorial Mendeley 2015 - ABNT e APA
Tutorial Mendeley 2015 - ABNT e APATutorial Mendeley 2015 - ABNT e APA
Tutorial Mendeley 2015 - ABNT e APA
 
Módulo 4 referências bibliográficas
Módulo 4 referências bibliográficasMódulo 4 referências bibliográficas
Módulo 4 referências bibliográficas
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos ABNT NBR 14724-2011 (atualizado 2015)
 
Normas de vancouver
Normas de vancouverNormas de vancouver
Normas de vancouver
 
Microsoft word roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word   roteiro do relatório final do estágioMicrosoft word   roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word roteiro do relatório final do estágio
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
 
Metodologia da pesquisa científica e normas da ABNT
Metodologia da pesquisa científica e normas da ABNTMetodologia da pesquisa científica e normas da ABNT
Metodologia da pesquisa científica e normas da ABNT
 
Como númerar páginas no word -Andreucci
Como númerar páginas no word -AndreucciComo númerar páginas no word -Andreucci
Como númerar páginas no word -Andreucci
 
Normalização Doumentária
Normalização DoumentáriaNormalização Doumentária
Normalização Doumentária
 
Uniformizacao artigos
Uniformizacao artigosUniformizacao artigos
Uniformizacao artigos
 
Modulo4 estruturadotrabalho (1)
Modulo4 estruturadotrabalho (1)Modulo4 estruturadotrabalho (1)
Modulo4 estruturadotrabalho (1)
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
Elaboração de trabalhos acadêmicos: APA 6ª edição (2013) - VERSÃO DESATUALIZA...
 
Oficina citação referência_atualizada
Oficina citação referência_atualizadaOficina citação referência_atualizada
Oficina citação referência_atualizada
 
Relatoro -dicas
Relatoro -dicasRelatoro -dicas
Relatoro -dicas
 
Curso NBR 6023
Curso NBR 6023Curso NBR 6023
Curso NBR 6023
 
UNIP - Manual de normalizacao_abnt
UNIP - Manual de normalizacao_abntUNIP - Manual de normalizacao_abnt
UNIP - Manual de normalizacao_abnt
 
Abnt norma 14724
Abnt norma 14724Abnt norma 14724
Abnt norma 14724
 
Guia de normalização unip
Guia de normalização unipGuia de normalização unip
Guia de normalização unip
 

Destaque

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalRosario Cação
 
Referencia bibliografica
Referencia bibliograficaReferencia bibliografica
Referencia bibliograficaEduardo Cumbane
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsRosario Cação
 
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Rosario Cação
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Rosario Cação
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Rosario Cação
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Rosario Cação
 
Referências Bibliográficas
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Referências BibliográficasCarlos Pinheiro
 
Gestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e Mendeley
Gestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e MendeleyGestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e Mendeley
Gestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e MendeleyEmilia Pacheco
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosRosario Cação
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRosario Cação
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Rosario Cação
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresRosario Cação
 
Gestão de Produtos e Serviços
Gestão de Produtos e ServiçosGestão de Produtos e Serviços
Gestão de Produtos e ServiçosIsabel Campos
 
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃOCONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃOFrancisco Pereira
 

Destaque (20)

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
 
Gestores ref bib
Gestores ref bibGestores ref bib
Gestores ref bib
 
Referencia bibliografica
Referencia bibliograficaReferencia bibliografica
Referencia bibliografica
 
Gestores bibliográficos
Gestores bibliográficosGestores bibliográficos
Gestores bibliográficos
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
 
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
 
Referências Bibliográficas
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Referências Bibliográficas
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Gestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e Mendeley
Gestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e MendeleyGestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e Mendeley
Gestores de referências bibliográficas: EndNote Web, Zotero e Mendeley
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadores
 
Gestão de Produtos e Serviços
Gestão de Produtos e ServiçosGestão de Produtos e Serviços
Gestão de Produtos e Serviços
 
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃOCONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
 

Semelhante a Gestao de Referencias Bibliograficas

Elaborar um trabalho de pesquisa
Elaborar um trabalho de pesquisaElaborar um trabalho de pesquisa
Elaborar um trabalho de pesquisapopi97
 
Como elaborar um trabalho de pesquisa
Como elaborar um trabalho de pesquisaComo elaborar um trabalho de pesquisa
Como elaborar um trabalho de pesquisaBibJoseRegio
 
Como fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escritoComo fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escritoLuis Ribeiro
 
Como fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escritoComo fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escritoCarlos Pinheiro
 
Como elaborar trabalho pesquisa
Como elaborar trabalho pesquisaComo elaborar trabalho pesquisa
Como elaborar trabalho pesquisaBibJoseRegio
 
Normas Artigo Design
Normas Artigo DesignNormas Artigo Design
Normas Artigo Designmartha
 
Guião para a construção de trabalhos
Guião para a construção de trabalhosGuião para a construção de trabalhos
Guião para a construção de trabalhosSusana Jesus
 
Referência bibliográfica
Referência bibliográficaReferência bibliográfica
Referência bibliográficaRaquel Silva
 
07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicosJoao Balbi
 
Como fazer as referências bibliográficas
Como fazer as referências bibliográficasComo fazer as referências bibliográficas
Como fazer as referências bibliográficasLucília Lopes
 
Guião referências bibliográficas
Guião referências bibliográficasGuião referências bibliográficas
Guião referências bibliográficasAnaigreja
 
Processo editorial de periódicos: revisão e normalização
Processo editorial de periódicos: revisão e normalizaçãoProcesso editorial de periódicos: revisão e normalização
Processo editorial de periódicos: revisão e normalizaçãoPortal de Periódicos UFMG
 
Contruindo monografia
Contruindo monografiaContruindo monografia
Contruindo monografiaHEIDYJEAN
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCCAlan
 

Semelhante a Gestao de Referencias Bibliograficas (20)

Elaborar um trabalho de pesquisa
Elaborar um trabalho de pesquisaElaborar um trabalho de pesquisa
Elaborar um trabalho de pesquisa
 
Normas da abnt
Normas da abntNormas da abnt
Normas da abnt
 
Como elaborar um trabalho de pesquisa
Como elaborar um trabalho de pesquisaComo elaborar um trabalho de pesquisa
Como elaborar um trabalho de pesquisa
 
Como fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escritoComo fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escrito
 
Como fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escritoComo fazer um trabalho escrito
Como fazer um trabalho escrito
 
Como elaborar trabalho pesquisa
Como elaborar trabalho pesquisaComo elaborar trabalho pesquisa
Como elaborar trabalho pesquisa
 
Como fazer um trabalho?
Como fazer um trabalho?Como fazer um trabalho?
Como fazer um trabalho?
 
Normas Artigo Design
Normas Artigo DesignNormas Artigo Design
Normas Artigo Design
 
Guião para a construção de trabalhos
Guião para a construção de trabalhosGuião para a construção de trabalhos
Guião para a construção de trabalhos
 
Como realizar um trabalho
Como realizar um trabalhoComo realizar um trabalho
Como realizar um trabalho
 
Apa2002 manual novembro_2002
Apa2002 manual novembro_2002Apa2002 manual novembro_2002
Apa2002 manual novembro_2002
 
Referência bibliográfica
Referência bibliográficaReferência bibliográfica
Referência bibliográfica
 
07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos
 
Como fazer as referências bibliográficas
Como fazer as referências bibliográficasComo fazer as referências bibliográficas
Como fazer as referências bibliográficas
 
Guião referências bibliográficas
Guião referências bibliográficasGuião referências bibliográficas
Guião referências bibliográficas
 
Processo editorial de periódicos: revisão e normalização
Processo editorial de periódicos: revisão e normalizaçãoProcesso editorial de periódicos: revisão e normalização
Processo editorial de periódicos: revisão e normalização
 
Contruindo monografia
Contruindo monografiaContruindo monografia
Contruindo monografia
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
 
Artigos cientificos
Artigos cientificosArtigos cientificos
Artigos cientificos
 
Aula01 metodologia
Aula01 metodologiaAula01 metodologia
Aula01 metodologia
 

Mais de Rosario Cação

Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesRosario Cação
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaRosario Cação
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierRosario Cação
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleRosario Cação
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisRosario Cação
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoRosario Cação
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningRosario Cação
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosRosario Cação
 
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVOAnálise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVORosario Cação
 

Mais de Rosario Cação (13)

Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-Learning
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 
Qualidade no e-learning
Qualidade no e-learningQualidade no e-learning
Qualidade no e-learning
 
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVOAnálise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Gestao de Referencias Bibliograficas

  • 4. 1. PORQUE É IMPORTANTE?  Porque é importante?  Ao preparar manuais, reflexões, dissertações, projectos ou artigos, para além das ideias originais do autor, são incluidas ideias, informações ou dados de outros autores. •  Por um lado, o respeito dos direitos desses autores tem de ser respeitado, sob pena de cometer plágio; •  Por outro, é necessário estruturar a forma como esses créditos de terceiros são apresentados.
  • 5. 1. PORQUE É IMPORTANTE?  O que é o plágio?  Plágio é uma usurpação de créditos sobre um determinado trabalho. Existe plágio sempre que: •  Apresentar trabalho ou ideias de outra pessoa como sendo seus; •  Apresentar esses trabalhos ou ideias sem citar a fonte original; •  Dizer por outras palavras as ideias de outro autor, fazendo alterações e sem citar a fonte original; •  Citar fontes que não se usou.
  • 6. 1. PORQUE É IMPORTANTE?  Plágios mais comuns  São frequentes as seguintes situações de plágio: •  Apresentar as ideias de outros como sendo suas, apenas fazendo umas pequenas alterações de cosmética gramatical; •  Retirar informações da Internet e não referenciar o nome do site, o endereço (URL) e a data da consulta; •  Citar a fonte (ao longo do trabalho) mas não a incluir na lista de referências (no final do trabalho); •  Incluir a fonte na lista de referências mas não a citar no parágrafo/frase em que foi usada.
  • 7. 1. PORQUE É IMPORTANTE?  Como evitar o plágio?  Existem duas formas de não cometer plágio: •  Usar, exclusivamente, ideias, dados e palavras próprios; •  Citar as fontes ao longo do trabalho e criar, no fim do trabalho, uma lista de referências que foram citadas ao longo do trabalho. Caso particular: Conhecimentos gerais (por exemplo: “o primeiro rei de  Portugal foi D. Afonso Henriques”) não precisam de ser citados  pois são genericamente conhecidos por todas as pessoas e pelo  autor, antes da realiação do seu trabalho. 
  • 9. 2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO  Formatos de referenciação  Existem dois formatos de referenciação: •  O primeiro, é o formato autor/data: Os estilos deste formato enfatizam o nome do(s) autor(es) e o ano de publicação e cujo detalhe se encontra na lista de referências no final do trabalho, ordenados por ordem alfabética. Este formato é genericamente designado por estilo Harvard. •  O segundo, é o formato numérico: São utilizados números para referenciar as fontes que são depois detalhadas na lista de referências no final do trabalho, ordenados geralmente pela ordem que foram citados. Este formato é genericamente designado por estilo Vancouver.
  • 10. 2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO  Que es@lo deve ser usado?  Excepto nos casos em que o estilo é imposto, pode-se usar qualquer estilo. Entre os estilos mais utilizados destacam-se: Es@lo  Área  Endereço  APA  Psicologia  hap://www.apastyle.org/  ACS  Química  hap://pubs.acs.org/page/books/styleguide/ index.html?cookieSet=1  Chicago  Artes/ hap://www.chicagomanualofstyle.org/  humanidades  CSE  Ciências  hap://www.councilscienceeditors.org/publicaFons/ style.cfm  ACM  InformáFca  hap://www.acm.org/publicaFons/latex_style/  MHRA  Humanidades  hap://www.mhra.org.uk/PublicaFons/Books/ StyleGuide/index.html  OSCOLA  Direito  hap://denning.law.ox.ac.uk/published/ endnote.shtml  IEEE  Electrónica  hap://standards.ieee.org/guides/style/  MLA  Línguas  hap://www.mla.org/style 
  • 11. 2. FORMATOS E ESTILOS DE REFERENCIAÇÃO  Que es@lo deve ser usado?  Em Portugal: Es@lo  Área  Endereço  NP405  Portugal  hap://www.ipq.pt  Norma  Edição  Descrição  NP 405‐1  1994 (edição 1)  Documentos impressos  NP 405‐2  1998 (edição 1)  Materiais não livro  NP 405‐3  2000 (edição 1)  Documentos não publicados  NP 405‐4  2002 (edição 1)  Documentos electrónicos 
  • 13. 3. COMO REFERENCIAR?  Como referenciar?  Referenciar envolve duas etapas: 1.  Indicar no corpo do texto que aquela parte não é original e fornecer uma identificação curta da fonte (in-text citation) 2.  Numa secção à parte, colocada no final do texto, colocar o detalhe dessa fonte (list of references)
  • 14. 3. COMO REFERENCIAR?  Como referenciar?  No sistema Harvard: A citação ao longo do texto: A curta identificação da fonte é composta pelo(s) apelido(s) ou nome da organização e a data. Pode ainda conter o número de página de onde consta o pedaço transcrito ou, no caso da obra ser longa. Exemplo: Dewey (1939, p.49) defende que… Alguns autores (Guba & Wilson, 1999) defendem que… A lista de referências: É organizada por ordem alfabética do apelido do primeiro autor.
  • 15. 3. COMO REFERENCIAR?  Como referenciar?  Exemplo (estilo APA) O texto: Alguns autores (Taylor & Bodgan, 1949) consideram a observação participada como um método de pesquisa qualitativa. O livro de Field (2000) é um bom ponto de partida para a análise com o SPSS mas, em questões concretas como na análise factorial,.não tem o detalhe de outros autores (como, por exemplo, Kline, 1994) A lista de referências: Field, A. (2000). Discovering statistics using SPSS (2005 ed.). Thousand Oaks: Sage. Kline, P. (1994). An easy guide to factor analysis. New York: Routledge. Taylor, S. J., & Bodgan, R. (1949). Introduction to Qualitative Research Methods (second ed.). New York: John Wiley & Sons.
  • 16. 3. COMO REFERENCIAR?  Como referenciar?  Regras básicas: •  Não pode haver nenhuma citação (ao longo do texto) que não esteja na lista de referências •  Não pode existir nenhuma obra na lista de referências que não esteja citada ao longo do texto. A lista de referências é diferente da bibliografia sugerida ou consultada:   ‐  A lista de referências tem apenas as obras citadas ao longo do texto  ‐  A bibliografia inclui obras consultadas para preparação do autor e  sugestões de consulta complementar 
  • 17. 3. COMO REFERENCIAR?  Como referenciar?  Organização da lista de referências de acordo com o estilo Harvard: •  É organizada por ordem alfabética de autores citados •  Se existem várias obras do mesmo autor, primeiro é inserida a obra mais antiga •  Se as várias obras do mesmo autor forem do mesmo ano, elas são referenciadas ao longo do texto com uma letra para além do apelido, ano e letra [exemplo: (Dewey, 1919a)] e na lista de referências são organizados pela ordem que foram citados •  Cada referência aparece numa linha, não identada e sem ser numerada
  • 19. 4. SOFTWARE DE APOIO  SoKware de apoio  A utilização de softwares para gestão de referências bibliográficas tem inúmeras vantagens: •  Concentração e organização de todas as fontes que o utilizador tem (‘fichas’ de fonte, link da ficha com o documento, listas inteligentes por palavras-chave ou tema, etc.) •  Permite ‘chamar’ a fonte ao escrever o texto (e faz logo a formatação da citação de acordo com o estilo que está a ser usado) •  Imediatamente ao chamar a fonte, organiza a lista de referências no final do documento com base no estilo específico que se escolheu •  Reformula as citações e a formatação da lista de referências se for necessário utilizar outro estilo •  Evita que se conheça em detalhe as regras de formatação de cada estilo
  • 20. 4. SOFTWARE DE APOIO  SoKware de apoio  http://www.endnote.com/ •  Permite usar mais de 3000 estilos de formatação de referências •  Procura automaticamente online uma referência com base na ficha que foi criada •  Cria grupos inteligentes de referências por temas •  Disponibiliza uma versão online para efeitos colaborativos
  • 22. CONCLUSÃO  Principais ideias a reter  •  Para evitar plagiar, devem ser indicadas as fontes dos dados ou ideias que são utilizadas •  Isso exige que junto do texto seja dada, de forma simples, indicações sobre o autor e que no final do documento essa referência seja discriminada •  Tudo que for citado ao longo do texto deve ser incluído na lista de referências •  Na lista de referências apenas devem ser incluídas as obras que são citadas ao longo do texto •  Existem dois tipos de formatação de referências: o estilo Harvard e o estilo Vancouver •  Dentro de cada tipo de formatação, existem vários estilos disponíveis •  Excepto nos casos em que é exigido que o trabalho seja formatado de acordo com um determinado estilo, pode ser usado o estilo que se considere mais adequado aos destinatários e ao tema em questão •  Existem vários programas que formatam referências, como é o caso do End Note
  • 23. SUGESTÕES  Sugestões  Tutorial para formatar cada Fpo de referência:   Tutorial  hap://referencing.port.ac.uk/   hap://gseweb.harvard.edu/library/services/research_instrucFon/ EsFlo APA  apa_tutorial_slide_handout.pdf  hap://www.port.ac.uk/departments/studentsupport/library/advice/ resourcehelp/referencing/filetodownload,68727,en.pdf  hap://www.library.uq.edu.au/training/citaFon/vancouv.pdf  Formato  hap://www.library.uwa.edu.au/help/guides/vancouver_citaFon_style  Vancouver