SlideShare uma empresa Scribd logo
ANÁLISE DA ESCRITA INFANTIL
COM BASE NA PSICOGÊNESE

Orientadora de estudo: Ananda Lima
Sistema de Escrita Alfabética:
sistema notacional ou código?
INICIANDO A CONVERSA...
Dispomos, atualmente, de uma série de teorias e
pesquisas demonstrando que o alfabeto é um sistema

notacional, com propriedades que o aprendiz precisa
compreender, reconstruindo-as em sua mente.
Em função de tais evidências precisamos garantir um
ensino sistemático através de atividades reflexivas que
desafiem o aprendiz a compreender como a escrita
alfabética

funciona,

convenções letra-som.

para

poder

dominar

suas
 A criança precisa perceber que a escrita nota os sons da
fala e os nomes dos objetos. É assim que o processo da
construção do conhecimentos acontece de acordo com a
psicogênese.
Escreve-se
com
letras,
que
não
podem
ser
inventadas, que têm
um repertório finito e
que são diferentes de
números e de outros
símbolos.

A ordem das letras
no
interior
da
palavra não pode ser
mudada.

As letras têm formatos
fixos
e
pequenas
variações
produzem
mudanças
na
identidade
das
mesmas (p, q, b, d),
embora uma letras
assuma
formatos
variados (P, p, P, p).
Uma letra pode se repetir no
interior de uma palavra e em
diferentes palavras, ao mesmo
tempo
em
que
distintas
palavras
compartilham
as
mesmas letras.

Nem todas as
letras
podem
ocupar
certas
posições
no
interior
das
palavras e nem
todas as letras
podem vir juntas
de
quaisquer
outras.
As
letras
notam
ou
substituem a pauta sonora
das
palavras
que
pronunciamos e nunca levam
em conta as características
físicas ou funcionais dos
referentes que substituem.

As letras têm valores
sonoros fixos, apesar
de muitas terem mais
de um valor sonoro e
certos sons poderem
ser notados com mais
de uma letra.

As letras notam
segmentos
sonoros
menores
que
as sílabas orais
que
pronunciamos.
Além de letras, na escrita
de
palavras,
usamse, também, algumas
marcas (acentos) que
podem
modificar
a
tonicidade ou o som das
letras ou sílabas onde
aparecem.
As sílabas podem variar
quanto às combinações
entre
consoantes
e
vogais (CV, CCV, CVV,
CVC,
V,
VC,
VCC,
CCVCC...),
mas
a
estrutura predominante
no português é a sílaba
CV (consoante – vogal), e
todas as sílabas do
português contêm, ao
menos, uma vogal.
Segundo a teoria da Psicogênese, toda criança
passa por algumas etapas de desenvolvimento da
escrita no seu processo evolutivo. Por isso, a
importância dos professores compreenderem cada
uma dessas etapas.
UMA BREVE
ABORDAGEM SOBRE AS
ETAPAS DE
DESENVOLVIMENTO DA
ESCRITA
PERÍODO PRÉ-SILÁBICO


A criança ainda não entende que a escrita registra a
sequência de “pedaços sonoros” das palavras;



Num

momento

inicial,

começa

a

produzir

rabiscos, bolinhas e garatujas para distinguir desenho de
escrita;



À medida que tem contato com palavras e seu próprio
nome, ela começa a usar letras, mas sem estabelecer

nenhuma relação;


Sem que o adulto lhe ensine, a criança cria 2 hipóteses
originais: Hipótese de quantidade mínima (escrevendo
2 ou 3 letras para que algo possa ser lido) e Hipótese de
variedade (varia a quantidade e a ordem das letra que
escreve para apresentar outras palavras);



Apresenta o que alguns estudiosos chamam de realismo
nominal: pensando que coisas grandes se escrevem com
muitas letras e vice versa.
PERÍODO SILÁBICO


A criança descobre que seus registros no papel tem a ver
com o que fala;



Não deixa sobrar letras no que escreve, buscando coincidir
as sílabas orais que pronuncia com as letras que colocou no
papel;



Sofre uma série de conflitos necessários
amadurecimento de sua aprendizagem;



No início, para cada palavra só registra as vogais. Ex.: sopa
ela escreve AO.



Começam a perceber que os pedacinhos das palavras
podem ter um número variado de letras.

para

o
PERÍODO SILÁBICO-ALFABÉTICO



A criança começa a perceber que seus registros precisam
ser de acordo com os pedaços sonoros das palavras, mas
que é preciso “observar os sonzinhos no interior das
sílabas”;



Ao notar uma palavra, ora a criança coloca duas ou mais
letras para escrever determinada sílaba, ora volta a
pensar conforme a hipótese silábica e põe apenas uma
letra para uma sílaba inteira;



Alguns estudiosos consideram que tal etapa de transição
não constitui em si um novo nível ou nova hipótese, mas
uma clara fase “de transição”.
PERÍODO ALFABÉTICO



Nesse período a criança escreve com muitos erros
ortográficos, mas já seguindo o princípio de que a escrita
nota a pauta sonora das palavras, colocando letras para
cada um dos “sonzinhos” que aparecem em cada sílaba;



A criança já acredita que a escrita é a transição exata da
fala;



Mas ter alcançado a hipótese alfabética não é sinônimo de
estar alfabetizado. É necessário a consolidação da
alfabetização no segundo e terceiro ano, para que a
criança domine as convenções da nossa língua.
Vídeo: construção da escrita – parte II
Analisando
algumas escritas
LEMBRETE IMPORTANTE:


Reconhecer os conhecimentos que os alunos já
construíram ou não sobre a escrita alfabética é mais
relevante que apenas classificar as escritas infantis
em um dos níveis da teoria psicogenética.



No início do ano 3, as crianças podem apresentar
notações distintas, apesar de estar na hipótese
alfabética.
FERREIRO E TEBEROSKY
(1984) APONTAM TRÊS
SUBDIVISÕES PARA A
HIPÓTESE ALFABÉTICA
• Escritas alfabéticas sem predomínio de valor sonoro
convencional: a criança usa, na maioria das vezes, grafemas não
pertinentes para representar os fonemas.
• Escritas alfabéticas com algumas falhas na utilização do valor
sonoro convencional: a criança usa predominantemente grafemas
com valor sonoro convencional, ainda que, às vezes, recorra a
letras não pertinentes por desconhecimento do grafema
convencional que nota determinado fonema.
• Escritas alfabéticas com valor sonoro convencional: além de
escrever de acordo com as regras do nosso sistema de
escrita, ainda que com ortografia não totalmente convencional, a
criança aprendeu o valor sonoro convencional da maioria dos
grafemas da língua.
Escrita de Ester – Hipótese Alfabética com algumas
falhas na utilização do valor sonoro convencional.
Ver caderno 3, unid. 3, pág. 22
Escrita de Rita de Paula - Hipótese Alfabética com
valor sonoro convencional
Ver caderno 3, unid. 3, pág. 23
Escrita de Ana Lúcia - Hipótese Alfabética
com valor sonoro convencional
Ver caderno 3, unid. 3, pág.23
Turma Cecília Meireles

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroComo fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Carilusa Branchi
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
MARILENE RANGEL
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Edeil Reis do Espírito Santo
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
Rosemary Batista
 
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da  escritaFicha de monitoramento dos níveis da  escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
Andreá Perez Leinat
 
Relatorio Sondagem-Escrita
Relatorio Sondagem-EscritaRelatorio Sondagem-Escrita
Relatorio Sondagem-Escrita
Graça Sousa
 
Quadro rotina 3º ano
Quadro rotina 3º anoQuadro rotina 3º ano
Quadro rotina 3º ano
Jozi Mares
 
Oficina leitura e escrita
Oficina leitura e escritaOficina leitura e escrita
Oficina leitura e escrita
Luciana Sá
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Alekson Morais
 
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Fernando Faustino
 
ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
Salomé Rocha
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
Professora Cida
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
profeannecunha
 
Projeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu contoProjeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu conto
Leidi Laura Breguedo
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
PNAIC UFSCar
 
Apostila de-matemática_adaptada
Apostila de-matemática_adaptadaApostila de-matemática_adaptada
Apostila de-matemática_adaptada
Isa ...
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
Maristela Couto
 

Mais procurados (20)

Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroComo fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
 
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da  escritaFicha de monitoramento dos níveis da  escrita
Ficha de monitoramento dos níveis da escrita
 
Relatorio Sondagem-Escrita
Relatorio Sondagem-EscritaRelatorio Sondagem-Escrita
Relatorio Sondagem-Escrita
 
Quadro rotina 3º ano
Quadro rotina 3º anoQuadro rotina 3º ano
Quadro rotina 3º ano
 
Oficina leitura e escrita
Oficina leitura e escritaOficina leitura e escrita
Oficina leitura e escrita
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
 
ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
 
Projeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu contoProjeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu conto
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
Apostila de-matemática_adaptada
Apostila de-matemática_adaptadaApostila de-matemática_adaptada
Apostila de-matemática_adaptada
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
 

Destaque

Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Elaine Cruz
 
Matemática 1º ano
Matemática    1º anoMatemática    1º ano
Matemática 1º ano
Alini E Jair Bonetti
 
Natureza e Sociedade
Natureza e SociedadeNatureza e Sociedade
Natureza e Sociedade
Construindo Futuros
 
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroPsicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
RoseParre
 
Slide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendesSlide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendes
Sylvia Regina Camassutti
 
Jogos pedagógicos slides
Jogos pedagógicos slidesJogos pedagógicos slides
Jogos pedagógicos slides
selmabezerradesouza
 
PNAIC - Unidade III texto 1
PNAIC - Unidade III   texto 1PNAIC - Unidade III   texto 1
PNAIC - Unidade III texto 1
ElieneDias
 
Projeto evaine slide
Projeto evaine slideProjeto evaine slide
Projeto evaine slide
evainevieira
 
PACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICA
PACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICAPACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICA
PACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICA
Bruna Braga
 
Slide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendesSlide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendes
Sylvia Regina Camassutti
 
Recriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincarRecriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincar
Claudia Tedesco da Rocha
 
Pnaic ludicidade
Pnaic ludicidadePnaic ludicidade
Pnaic ludicidade
Claudio Pessoa
 
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTILA IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
cefaprodematupa
 
PNAIC - Ano 1 unidade 3
PNAIC - Ano 1   unidade 3PNAIC - Ano 1   unidade 3
PNAIC - Ano 1 unidade 3
ElieneDias
 
Jogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoJogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetização
Denise Oliveira
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
Dyone Andrade
 
situações problema
situações problemasituações problema
situações problema
Raquel Caparroz
 
119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade
119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade
119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade
crisold
 
Slides caderno 5 atual
Slides   caderno 5 atualSlides   caderno 5 atual
Slides caderno 5 atual
weleslima
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 

Destaque (20)

Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
 
Matemática 1º ano
Matemática    1º anoMatemática    1º ano
Matemática 1º ano
 
Natureza e Sociedade
Natureza e SociedadeNatureza e Sociedade
Natureza e Sociedade
 
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroPsicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
 
Slide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendesSlide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendes
 
Jogos pedagógicos slides
Jogos pedagógicos slidesJogos pedagógicos slides
Jogos pedagógicos slides
 
PNAIC - Unidade III texto 1
PNAIC - Unidade III   texto 1PNAIC - Unidade III   texto 1
PNAIC - Unidade III texto 1
 
Projeto evaine slide
Projeto evaine slideProjeto evaine slide
Projeto evaine slide
 
PACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICA
PACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICAPACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICA
PACTO 2012 - PROPOSTA DIDATICA
 
Slide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendesSlide projeto edna mendes
Slide projeto edna mendes
 
Recriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincarRecriando o recreio de brincar
Recriando o recreio de brincar
 
Pnaic ludicidade
Pnaic ludicidadePnaic ludicidade
Pnaic ludicidade
 
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTILA IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
PNAIC - Ano 1 unidade 3
PNAIC - Ano 1   unidade 3PNAIC - Ano 1   unidade 3
PNAIC - Ano 1 unidade 3
 
Jogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoJogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetização
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
 
situações problema
situações problemasituações problema
situações problema
 
119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade
119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade
119 atividades-envolvendo-temas-relacionados-a-natureza-e-sociedade
 
Slides caderno 5 atual
Slides   caderno 5 atualSlides   caderno 5 atual
Slides caderno 5 atual
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 

Semelhante a Análise da escrita alfabética

Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Bete Feliciano
 
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Andreá Perez Leinat
 
Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
Lais Renata
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Mara Magalhaes
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
Ana Paula Epifanio
 
Apropriação do SEA
Apropriação do SEAApropriação do SEA
Apropriação do SEA
Shirley Lauria
 
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITAPSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
Terapia online
 
Nivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escritaNivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escrita
Edinei Messias
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
pedagogia para licenciados
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
pedagogia para licenciados
 
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
ArislaneOliveira2
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
chagasl
 
Processo e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacaoProcesso e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacao
Jean Carvalho
 
COMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdf
COMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO  CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdfCOMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO  CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdf
COMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdf
marcos oliveira
 
Processo E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da AlfabetizaçãoProcesso E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da Alfabetização
J. C.
 
4. psicogenese da_lingua_escrita
4. psicogenese da_lingua_escrita4. psicogenese da_lingua_escrita
4. psicogenese da_lingua_escrita
Pactoufba
 
Níveis de escrita.pptx
Níveis de escrita.pptxNíveis de escrita.pptx
Níveis de escrita.pptx
FERNANDABRAVIN3
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
Olívia Oliveira
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua Escrita
Rayane Paula
 
Peb i hipóteses de escrita texto
Peb i hipóteses de  escrita  textoPeb i hipóteses de  escrita  texto
Peb i hipóteses de escrita texto
marcaocampos
 

Semelhante a Análise da escrita alfabética (20)

Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
 
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1
 
Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Apropriação do SEA
Apropriação do SEAApropriação do SEA
Apropriação do SEA
 
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITAPSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
 
Nivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escritaNivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escrita
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
Processo e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacaoProcesso e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacao
 
COMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdf
COMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO  CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdfCOMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO  CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdf
COMO IDENTIFICAR SINAIS DE ATRASO CRIANÇAS COM DIFICULDADE NA ESCRITA .pdf
 
Processo E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da AlfabetizaçãoProcesso E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da Alfabetização
 
4. psicogenese da_lingua_escrita
4. psicogenese da_lingua_escrita4. psicogenese da_lingua_escrita
4. psicogenese da_lingua_escrita
 
Níveis de escrita.pptx
Níveis de escrita.pptxNíveis de escrita.pptx
Níveis de escrita.pptx
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua Escrita
 
Peb i hipóteses de escrita texto
Peb i hipóteses de  escrita  textoPeb i hipóteses de  escrita  texto
Peb i hipóteses de escrita texto
 

Mais de Ananda Lima

Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICOperações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Ananda Lima
 
Sala de recurso
Sala de recursoSala de recurso
Sala de recurso
Ananda Lima
 
Cássia seminário
Cássia   seminárioCássia   seminário
Cássia seminário
Ananda Lima
 
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Ananda Lima
 
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Ananda Lima
 
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide CrisóstomoEeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Ananda Lima
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
Ananda Lima
 
Alfabetização e letramento psicogenese
Alfabetização e letramento   psicogeneseAlfabetização e letramento   psicogenese
Alfabetização e letramento psicogenese
Ananda Lima
 
Currículo
Currículo Currículo
Currículo
Ananda Lima
 
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem   Língua PortuguesaDireitos de aprendizagem   Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
Ananda Lima
 
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
Direitos de aprendizagem   língua portuguesaDireitos de aprendizagem   língua portuguesa
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
Ananda Lima
 
Currículo i
Currículo iCurrículo i
Currículo i
Ananda Lima
 

Mais de Ananda Lima (13)

Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICOperações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
 
Sala de recurso
Sala de recursoSala de recurso
Sala de recurso
 
Cássia seminário
Cássia   seminárioCássia   seminário
Cássia seminário
 
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
 
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
 
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide CrisóstomoEeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Alfabetização e letramento psicogenese
Alfabetização e letramento   psicogeneseAlfabetização e letramento   psicogenese
Alfabetização e letramento psicogenese
 
Currículo
Currículo Currículo
Currículo
 
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem   Língua PortuguesaDireitos de aprendizagem   Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
 
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
Direitos de aprendizagem   língua portuguesaDireitos de aprendizagem   língua portuguesa
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
 
Currículo i
Currículo iCurrículo i
Currículo i
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Análise da escrita alfabética

  • 1. ANÁLISE DA ESCRITA INFANTIL COM BASE NA PSICOGÊNESE Orientadora de estudo: Ananda Lima
  • 2. Sistema de Escrita Alfabética: sistema notacional ou código?
  • 3. INICIANDO A CONVERSA... Dispomos, atualmente, de uma série de teorias e pesquisas demonstrando que o alfabeto é um sistema notacional, com propriedades que o aprendiz precisa compreender, reconstruindo-as em sua mente.
  • 4. Em função de tais evidências precisamos garantir um ensino sistemático através de atividades reflexivas que desafiem o aprendiz a compreender como a escrita alfabética funciona, convenções letra-som. para poder dominar suas
  • 5.  A criança precisa perceber que a escrita nota os sons da fala e os nomes dos objetos. É assim que o processo da construção do conhecimentos acontece de acordo com a psicogênese.
  • 6. Escreve-se com letras, que não podem ser inventadas, que têm um repertório finito e que são diferentes de números e de outros símbolos. A ordem das letras no interior da palavra não pode ser mudada. As letras têm formatos fixos e pequenas variações produzem mudanças na identidade das mesmas (p, q, b, d), embora uma letras assuma formatos variados (P, p, P, p).
  • 7. Uma letra pode se repetir no interior de uma palavra e em diferentes palavras, ao mesmo tempo em que distintas palavras compartilham as mesmas letras. Nem todas as letras podem ocupar certas posições no interior das palavras e nem todas as letras podem vir juntas de quaisquer outras.
  • 8. As letras notam ou substituem a pauta sonora das palavras que pronunciamos e nunca levam em conta as características físicas ou funcionais dos referentes que substituem. As letras têm valores sonoros fixos, apesar de muitas terem mais de um valor sonoro e certos sons poderem ser notados com mais de uma letra. As letras notam segmentos sonoros menores que as sílabas orais que pronunciamos.
  • 9. Além de letras, na escrita de palavras, usamse, também, algumas marcas (acentos) que podem modificar a tonicidade ou o som das letras ou sílabas onde aparecem. As sílabas podem variar quanto às combinações entre consoantes e vogais (CV, CCV, CVV, CVC, V, VC, VCC, CCVCC...), mas a estrutura predominante no português é a sílaba CV (consoante – vogal), e todas as sílabas do português contêm, ao menos, uma vogal.
  • 10. Segundo a teoria da Psicogênese, toda criança passa por algumas etapas de desenvolvimento da escrita no seu processo evolutivo. Por isso, a importância dos professores compreenderem cada uma dessas etapas.
  • 11. UMA BREVE ABORDAGEM SOBRE AS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
  • 12. PERÍODO PRÉ-SILÁBICO  A criança ainda não entende que a escrita registra a sequência de “pedaços sonoros” das palavras;  Num momento inicial, começa a produzir rabiscos, bolinhas e garatujas para distinguir desenho de escrita;  À medida que tem contato com palavras e seu próprio nome, ela começa a usar letras, mas sem estabelecer nenhuma relação;
  • 13.  Sem que o adulto lhe ensine, a criança cria 2 hipóteses originais: Hipótese de quantidade mínima (escrevendo 2 ou 3 letras para que algo possa ser lido) e Hipótese de variedade (varia a quantidade e a ordem das letra que escreve para apresentar outras palavras);  Apresenta o que alguns estudiosos chamam de realismo nominal: pensando que coisas grandes se escrevem com muitas letras e vice versa.
  • 14. PERÍODO SILÁBICO  A criança descobre que seus registros no papel tem a ver com o que fala;  Não deixa sobrar letras no que escreve, buscando coincidir as sílabas orais que pronuncia com as letras que colocou no papel;  Sofre uma série de conflitos necessários amadurecimento de sua aprendizagem;  No início, para cada palavra só registra as vogais. Ex.: sopa ela escreve AO.  Começam a perceber que os pedacinhos das palavras podem ter um número variado de letras. para o
  • 15. PERÍODO SILÁBICO-ALFABÉTICO  A criança começa a perceber que seus registros precisam ser de acordo com os pedaços sonoros das palavras, mas que é preciso “observar os sonzinhos no interior das sílabas”;  Ao notar uma palavra, ora a criança coloca duas ou mais letras para escrever determinada sílaba, ora volta a pensar conforme a hipótese silábica e põe apenas uma letra para uma sílaba inteira;  Alguns estudiosos consideram que tal etapa de transição não constitui em si um novo nível ou nova hipótese, mas uma clara fase “de transição”.
  • 16. PERÍODO ALFABÉTICO  Nesse período a criança escreve com muitos erros ortográficos, mas já seguindo o princípio de que a escrita nota a pauta sonora das palavras, colocando letras para cada um dos “sonzinhos” que aparecem em cada sílaba;  A criança já acredita que a escrita é a transição exata da fala;  Mas ter alcançado a hipótese alfabética não é sinônimo de estar alfabetizado. É necessário a consolidação da alfabetização no segundo e terceiro ano, para que a criança domine as convenções da nossa língua.
  • 17. Vídeo: construção da escrita – parte II
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. LEMBRETE IMPORTANTE:  Reconhecer os conhecimentos que os alunos já construíram ou não sobre a escrita alfabética é mais relevante que apenas classificar as escritas infantis em um dos níveis da teoria psicogenética.  No início do ano 3, as crianças podem apresentar notações distintas, apesar de estar na hipótese alfabética.
  • 26. FERREIRO E TEBEROSKY (1984) APONTAM TRÊS SUBDIVISÕES PARA A HIPÓTESE ALFABÉTICA
  • 27. • Escritas alfabéticas sem predomínio de valor sonoro convencional: a criança usa, na maioria das vezes, grafemas não pertinentes para representar os fonemas. • Escritas alfabéticas com algumas falhas na utilização do valor sonoro convencional: a criança usa predominantemente grafemas com valor sonoro convencional, ainda que, às vezes, recorra a letras não pertinentes por desconhecimento do grafema convencional que nota determinado fonema. • Escritas alfabéticas com valor sonoro convencional: além de escrever de acordo com as regras do nosso sistema de escrita, ainda que com ortografia não totalmente convencional, a criança aprendeu o valor sonoro convencional da maioria dos grafemas da língua.
  • 28. Escrita de Ester – Hipótese Alfabética com algumas falhas na utilização do valor sonoro convencional. Ver caderno 3, unid. 3, pág. 22
  • 29. Escrita de Rita de Paula - Hipótese Alfabética com valor sonoro convencional Ver caderno 3, unid. 3, pág. 23
  • 30. Escrita de Ana Lúcia - Hipótese Alfabética com valor sonoro convencional Ver caderno 3, unid. 3, pág.23