SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Consciência
Fonológica

Orientadora de Estudo:
Ananda Lima
Denomina-se consciência fonológica a
consciência das características formais da
linguagem. Esta habilidade compreende dois
níveis:
1. A consciência de que a língua
falada pode ser segmentada em
unidades distintas, ou seja, a
frase pode ser segmentada em
palavras; as palavras, em sílabas
e as sílabas, em fonemas.

2. A consciência de que essas mesmas
unidades repetem-se em diferentes
palavras faladas.

(Byrne e Fielding-Barnsley, 1989)
Diferentes pesquisas têm apontado o papel do
desenvolvimento da consciência fonológica para a aquisição
da leitura e escrita.

[...] Crianças com dificuldades em consciência
fonológica geralmente apresentam atraso na
aquisição da leitura e escrita, e procedimentos
para desenvolver a consciência fonológica
podem ajudar as crianças com dificuldades na
escrita a superá-los (Capovilla e Capovilla, 2000).
O que é consciência
fonológica?
Conjunto de habilidades que nos permitem
refletir sobre as partes sonoras das palavras.
Além de usar as palavras para nos
comunicar, podemos assumir diante delas uma
atitude metacognitiva, refletindo sobre sua
dimensão sonora.
(cf. BRADLEY; BRYANT, 1987; CARDOSO-MARTINS, 1991; FREITAS, 2004; GOMBERT, 1992).
As habilidades de consciência
fonológica se diferenciam:
1. Quanto ao tipo de operação que o
sujeito realiza em sua mente
(separar, contar, comparar quanto ao
tamanho ou quanto à semelhança
sonora etc.)
2. Quanto ao tipo de segmento sonoro envolvido

(rimas, fonemas, sílabas, segmentos maiores que um
fonema e menores que uma sílaba, segmentos
compostos por mais de uma sílaba – como a
sequência final das palavras janela e panela).
3. Quanto à posição (início, meio, fim) em que aquelas
“partes sonoras” ocorrem no interior das palavras.
1º ano p. 19-25 e Educação do Campo p. 20-22
Assim, uma criança pequena pode, por
exemplo:
 observar que a palavra janela tem 3 “pedaços”
(sílabas), que a palavra casa tem 2 “pedaços” e
que, portanto, a primeira palavra é maior;
 identificar,
ao
lhe
mostrarmos
4
figuras
(gato, bode, galho e mola), que as palavras gato e galho
são as que “começam parecido”, porque começam com
/ga/;
 falar cavalo, quando lhe pedimos que diga uma palavra
começada com o mesmo pedaço que aparece no início
da palavra casa;
• Identificar que no interior das palavras serpente e
camaleão há outras palavras (pente, leão e cama);
• identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras
(chupeta, galinha, panela, varinha), que as
palavras galinha e varinha terminam parecido, isto
é, rimam;
falar
palavras
como
caminhão
ou
macarrão, quando lhe pedimos que diga uma
palavra que rime com feijão;
identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras
(vestido, martelo, vampiro, coruja), que as
palavras vestido e vampiro são as que começam
parecido, porque começam “com o mesmo
sonzinho”.
• A importância das
consciência fonológica.

habilidades

de

• Como ocorre o desenvolvimento
consciência fonológica.

da
POR QUE OUVIR É
TÃO IMPORTANTE?
 É ouvindo que uma criança aprende a falar.

 Por isso, antes de ter qualquer compreensão
do princípio alfabético, a criança precisa
entender que os sons associados às letras
são precisamente os mesmos sons da fala.
PRECISAMOS BUSCAR INFORMAÇÕES
CONCRETAS PARA ESSE EMPREENDIMENTO

Atividades envolvendo
rimas, ritmos e sons são
ideais para esse propósito.
A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA DESENVOLVE-SE NAS CRIANÇAS
A PARTIR DO CONTATO
COM DIFERENTES FORMAS
LINGUÍSTICAS NO DIA A DIA.

Músicas ou cantigas de roda

Poesias
Parlendas
QUE ATIVIDADES PODEM SER
DESENVOLVIDAS?
• Jogos de escuta: estimulam a habilidade das
crianças de prestarem atenção aos sons de
forma seletiva;
• Jogos com rimas: introduz os sons das palavras
às crianças;
• Consciência das palavras e frases: desenvolve
a consciência das crianças de que a fala é
constituída por uma sequência de palavras.
As sub-habilidades da
consciência fonológica são:
•
•
•
•

Rimas e aliterações;
Consciência de palavras;
Consciência silábica;
Consciência fonêmica.
Rimas e Aliterações
o A rima representa a correspondência fonética entre
duas palavras a partir da vogal da sílaba tônica.
o Por exemplo: Para rimar com a palavra SAPATO, a
palavra deve terminar em ATO, pois a palavra é
paroxítona, mas para rimar com CAFÉ, a palavra precisa
terminar somente em É, visto que a palavra é oxítona.
o A equidade (semelhança) deve ser sonora e não
necessariamente gráfica, ou seja, as palavras OSSO e
PESCOÇO rimam, pois o som em que terminam é
igual, independente da forma ortográfica.
Consciência de palavras
• Representa a capacidade de segmentar a frase em palavras
e, além disso, perceber a relação entre elas e organizá-las numa
sequência que dê sentido.
• Esta habilidade tem influência mais precisa na produção de
textos e não no processo inicial de aquisição de escrita.
•

Contar o número de palavras numa frase, referindo-o
verbalmente ou batendo uma palma para cada palavra, é uma
atividade de consciência de palavras.

• Exemplo: Quantas palavras há na frase: “ O cachorro correu atrás
do gato?”
• Ao responder corretamente esta questão ou
batendo
uma
palma
para
cada
palavra, enquanto repete a frase, a criança
demonstra sua habilidade de consciência
sintática.
• Ordenar corretamente uma oração ouvida com
as palavras desordenadas também é uma
capacidade que depende desta habilidade.
• Esta habilidade implica numa capacidade de
análise e síntese auditiva da frase.
Consciência silábica
• A criança só avança para a fase silábica de escrita
quando se torna atenta às características sonoras da
palavra, especialmente quando ela chega ao nível do
conhecimento da sílaba. Zorzi (2003)

• Atividades como contar o número de sílaba; dizer
qual é a sílaba inicial, medial ou final de uma
determinada palavra; subtrair uma sílaba das
palavras, formando novos vocábulos, são
dependentes desta sub habilidade da consciência
fonológica.
Consciência fonológica
• Consiste na capacidade de analisar os fonemas que compõe as
palavras.
•

Do ponto de vista sonoro é a análise de
textos, frases, palavras, sílabas, sons, letras. É a estrutura básica
do que falamos.

• Atividades como:
- Dizer quais ou quantos fonemas formam uma palavra;
- Descobrir qual a palavra está sendo dita por outra pessoa
unindo os fonemas por ela emitidos;
- Formar um novo vocábulo subtraindo o fonema inicial da
palavra (por exemplo, omitindo o fonema K da palavra
CASA, forma-se a palavra ASA), são exemplos em que se utiliza
a consciência fonêmica.
A consciência fonológica associada ao
conhecimento
das
regras
de
correspondência entre grafemas e fonemas
permite à criança uma aquisição da escrita
com maior facilidade, uma vez que
possibilita a generalização e memorização
destas relações (som-letra).
“Pesquisas apontam que grande parte das
dificuldades das crianças na leitura e escrita está
relacionada com problemas na consciência
fonológica. Tais estudos, sugerem que crianças e
jovens com dificuldades de aprendizagem de
leitura e escrita devem participar de atividades
para desenvolver a consciência fonológica.”
Guimarães, 2003.
Referências Bibliográficas
CAPOVILLA, A.G.S. Leitura, escrita e consciência fonológica:
desenvolvimento, intercorrelações e intervenções. Tese de
Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São
Paulo, 1999.
CAPOVILLA, A. G. S. e CAPOVILLA, F.C. Problemas de Leitura e escrita.
Como identificar, preveni e remediar numa abordagem fônica. São
Paulo, Memnon, 2000.
GUIMARÃES, S.R.K. Dificuldades no Desenvolvimento da Lectoescrita:
O papel das Habilidades Metalingüísticas. In Psicologia: Teoria e
Pesquisa. Jan-Abr 2003, vol 19 n. 1. Pp. 33 – 45.
ZORZI, J. L. Aprendizagem e distúrbios da linguagem escrita: Questões
clínicas e educacionais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaMARILENE RANGEL
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaJessica Nuvens
 
A consciência fonológica e a construção do princípio alfabético (2)
A  consciência  fonológica  e  a  construção  do  princípio  alfabético (2)A  consciência  fonológica  e  a  construção  do  princípio  alfabético (2)
A consciência fonológica e a construção do princípio alfabético (2)Vandilma Salvador Cabral
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoLianeMagnolia
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaBruna Braga
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Magda Marques
 
Sea sistema de escrita alfabética slide
Sea   sistema de escrita alfabética  slideSea   sistema de escrita alfabética  slide
Sea sistema de escrita alfabética slidetlfleite
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramentohenriqueocarvalho
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOEdlauva Santos
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro augustafranca7
 
Concepções de alfabetização copia
Concepções de alfabetização   copiaConcepções de alfabetização   copia
Concepções de alfabetização copiagєαทє ℓiмα
 
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroComo fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroCarilusa Branchi
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA Claudio Pessoa
 

Mais procurados (20)

Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
A consciência fonológica e a construção do princípio alfabético (2)
A  consciência  fonológica  e  a  construção  do  princípio  alfabético (2)A  consciência  fonológica  e  a  construção  do  princípio  alfabético (2)
A consciência fonológica e a construção do princípio alfabético (2)
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Apropriação do SEA
Apropriação do SEAApropriação do SEA
Apropriação do SEA
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Sea sistema de escrita alfabética slide
Sea   sistema de escrita alfabética  slideSea   sistema de escrita alfabética  slide
Sea sistema de escrita alfabética slide
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
 
Concepções de alfabetização copia
Concepções de alfabetização   copiaConcepções de alfabetização   copia
Concepções de alfabetização copia
 
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroComo fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
 

Semelhante a Consciência Fonológica: Habilidades e Atividades

Conciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento FonologicoConciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento Fonologicoestercotrim
 
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico ApresentacaoConciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacaokarla Brasil
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxAlcioneCosta12
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Marcia Prudencio
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológicaBete Feliciano
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Andreá Perez Leinat
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontrotlfleite
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontrotlfleite
 
4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt
4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt
4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.pptGiseleRibeirodaSilva3
 
Consciência fonêmica
Consciência fonêmicaConsciência fonêmica
Consciência fonêmicaangelafreire
 
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2Leitor Adiantado
 
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICACONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICAelisleal
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência FonológicaShirley Lauria
 
Profª Graça:Alfabetização e Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014
Profª Graça:Alfabetização  e  Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014Profª Graça:Alfabetização  e  Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014
Profª Graça:Alfabetização e Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014Graça Sousa
 
Ens fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apresEns fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apresRosi Whindson
 

Semelhante a Consciência Fonológica: Habilidades e Atividades (20)

Conciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento FonologicoConciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento Fonologico
 
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico ApresentacaoConciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptx
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
 
4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt
4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt
4-Consciencia-fonologica-atividades-praticas-ppt.ppt
 
Consciência fonêmica
Consciência fonêmicaConsciência fonêmica
Consciência fonêmica
 
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2Alfabetização  meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
Alfabetização meu filho já sabe o nome das letras e agora- parte 2
 
Metodo das-onomatopeias-1
Metodo das-onomatopeias-1Metodo das-onomatopeias-1
Metodo das-onomatopeias-1
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICACONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Profª Graça:Alfabetização e Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014
Profª Graça:Alfabetização  e  Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014Profª Graça:Alfabetização  e  Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014
Profª Graça:Alfabetização e Linguagem -3º Encontro-Pnaic 2014
 
Ens fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apresEns fund gabriela_apres
Ens fund gabriela_apres
 
Guia teórico do alfabetizador
Guia teórico do alfabetizadorGuia teórico do alfabetizador
Guia teórico do alfabetizador
 
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1
 

Mais de Ananda Lima

Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICOperações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICAnanda Lima
 
Cássia seminário
Cássia   seminárioCássia   seminário
Cássia seminárioAnanda Lima
 
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...Ananda Lima
 
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...Ananda Lima
 
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide CrisóstomoEeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide CrisóstomoAnanda Lima
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Alfabetização e letramento psicogenese
Alfabetização e letramento   psicogeneseAlfabetização e letramento   psicogenese
Alfabetização e letramento psicogeneseAnanda Lima
 
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem   Língua PortuguesaDireitos de aprendizagem   Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem Língua PortuguesaAnanda Lima
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnanda Lima
 
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
Direitos de aprendizagem   língua portuguesaDireitos de aprendizagem   língua portuguesa
Direitos de aprendizagem língua portuguesaAnanda Lima
 

Mais de Ananda Lima (13)

Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICOperações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
 
Sala de recurso
Sala de recursoSala de recurso
Sala de recurso
 
Cássia seminário
Cássia   seminárioCássia   seminário
Cássia seminário
 
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...Socialização das ações do PNAIC - 2º ano  OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
Socialização das ações do PNAIC - 2º ano OE: Helizangela Almeida - Riahcão d...
 
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
Socialização do trabalho realizado com o 3º ano do Ensino Fundamental. OE:Edn...
 
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide CrisóstomoEeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
Eeducação do Campo no PNAIC - OE: Edineide Crisóstomo
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Alfabetização e letramento psicogenese
Alfabetização e letramento   psicogeneseAlfabetização e letramento   psicogenese
Alfabetização e letramento psicogenese
 
Currículo
Currículo Currículo
Currículo
 
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem   Língua PortuguesaDireitos de aprendizagem   Língua Portuguesa
Direitos de aprendizagem Língua Portuguesa
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabética
 
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
Direitos de aprendizagem   língua portuguesaDireitos de aprendizagem   língua portuguesa
Direitos de aprendizagem língua portuguesa
 
Currículo i
Currículo iCurrículo i
Currículo i
 

Último

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 

Consciência Fonológica: Habilidades e Atividades

  • 2. Denomina-se consciência fonológica a consciência das características formais da linguagem. Esta habilidade compreende dois níveis: 1. A consciência de que a língua falada pode ser segmentada em unidades distintas, ou seja, a frase pode ser segmentada em palavras; as palavras, em sílabas e as sílabas, em fonemas. 2. A consciência de que essas mesmas unidades repetem-se em diferentes palavras faladas. (Byrne e Fielding-Barnsley, 1989)
  • 3. Diferentes pesquisas têm apontado o papel do desenvolvimento da consciência fonológica para a aquisição da leitura e escrita. [...] Crianças com dificuldades em consciência fonológica geralmente apresentam atraso na aquisição da leitura e escrita, e procedimentos para desenvolver a consciência fonológica podem ajudar as crianças com dificuldades na escrita a superá-los (Capovilla e Capovilla, 2000).
  • 4. O que é consciência fonológica? Conjunto de habilidades que nos permitem refletir sobre as partes sonoras das palavras. Além de usar as palavras para nos comunicar, podemos assumir diante delas uma atitude metacognitiva, refletindo sobre sua dimensão sonora. (cf. BRADLEY; BRYANT, 1987; CARDOSO-MARTINS, 1991; FREITAS, 2004; GOMBERT, 1992).
  • 5. As habilidades de consciência fonológica se diferenciam: 1. Quanto ao tipo de operação que o sujeito realiza em sua mente (separar, contar, comparar quanto ao tamanho ou quanto à semelhança sonora etc.)
  • 6. 2. Quanto ao tipo de segmento sonoro envolvido (rimas, fonemas, sílabas, segmentos maiores que um fonema e menores que uma sílaba, segmentos compostos por mais de uma sílaba – como a sequência final das palavras janela e panela). 3. Quanto à posição (início, meio, fim) em que aquelas “partes sonoras” ocorrem no interior das palavras. 1º ano p. 19-25 e Educação do Campo p. 20-22
  • 7. Assim, uma criança pequena pode, por exemplo:  observar que a palavra janela tem 3 “pedaços” (sílabas), que a palavra casa tem 2 “pedaços” e que, portanto, a primeira palavra é maior;  identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras (gato, bode, galho e mola), que as palavras gato e galho são as que “começam parecido”, porque começam com /ga/;  falar cavalo, quando lhe pedimos que diga uma palavra começada com o mesmo pedaço que aparece no início da palavra casa;
  • 8. • Identificar que no interior das palavras serpente e camaleão há outras palavras (pente, leão e cama); • identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras (chupeta, galinha, panela, varinha), que as palavras galinha e varinha terminam parecido, isto é, rimam;
  • 9. falar palavras como caminhão ou macarrão, quando lhe pedimos que diga uma palavra que rime com feijão; identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras (vestido, martelo, vampiro, coruja), que as palavras vestido e vampiro são as que começam parecido, porque começam “com o mesmo sonzinho”.
  • 10. • A importância das consciência fonológica. habilidades de • Como ocorre o desenvolvimento consciência fonológica. da
  • 11. POR QUE OUVIR É TÃO IMPORTANTE?  É ouvindo que uma criança aprende a falar.  Por isso, antes de ter qualquer compreensão do princípio alfabético, a criança precisa entender que os sons associados às letras são precisamente os mesmos sons da fala.
  • 12. PRECISAMOS BUSCAR INFORMAÇÕES CONCRETAS PARA ESSE EMPREENDIMENTO Atividades envolvendo rimas, ritmos e sons são ideais para esse propósito.
  • 13. A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA DESENVOLVE-SE NAS CRIANÇAS A PARTIR DO CONTATO COM DIFERENTES FORMAS LINGUÍSTICAS NO DIA A DIA. Músicas ou cantigas de roda Poesias Parlendas
  • 14. QUE ATIVIDADES PODEM SER DESENVOLVIDAS? • Jogos de escuta: estimulam a habilidade das crianças de prestarem atenção aos sons de forma seletiva; • Jogos com rimas: introduz os sons das palavras às crianças; • Consciência das palavras e frases: desenvolve a consciência das crianças de que a fala é constituída por uma sequência de palavras.
  • 15. As sub-habilidades da consciência fonológica são: • • • • Rimas e aliterações; Consciência de palavras; Consciência silábica; Consciência fonêmica.
  • 16. Rimas e Aliterações o A rima representa a correspondência fonética entre duas palavras a partir da vogal da sílaba tônica. o Por exemplo: Para rimar com a palavra SAPATO, a palavra deve terminar em ATO, pois a palavra é paroxítona, mas para rimar com CAFÉ, a palavra precisa terminar somente em É, visto que a palavra é oxítona. o A equidade (semelhança) deve ser sonora e não necessariamente gráfica, ou seja, as palavras OSSO e PESCOÇO rimam, pois o som em que terminam é igual, independente da forma ortográfica.
  • 17. Consciência de palavras • Representa a capacidade de segmentar a frase em palavras e, além disso, perceber a relação entre elas e organizá-las numa sequência que dê sentido. • Esta habilidade tem influência mais precisa na produção de textos e não no processo inicial de aquisição de escrita. • Contar o número de palavras numa frase, referindo-o verbalmente ou batendo uma palma para cada palavra, é uma atividade de consciência de palavras. • Exemplo: Quantas palavras há na frase: “ O cachorro correu atrás do gato?”
  • 18. • Ao responder corretamente esta questão ou batendo uma palma para cada palavra, enquanto repete a frase, a criança demonstra sua habilidade de consciência sintática. • Ordenar corretamente uma oração ouvida com as palavras desordenadas também é uma capacidade que depende desta habilidade. • Esta habilidade implica numa capacidade de análise e síntese auditiva da frase.
  • 19. Consciência silábica • A criança só avança para a fase silábica de escrita quando se torna atenta às características sonoras da palavra, especialmente quando ela chega ao nível do conhecimento da sílaba. Zorzi (2003) • Atividades como contar o número de sílaba; dizer qual é a sílaba inicial, medial ou final de uma determinada palavra; subtrair uma sílaba das palavras, formando novos vocábulos, são dependentes desta sub habilidade da consciência fonológica.
  • 20. Consciência fonológica • Consiste na capacidade de analisar os fonemas que compõe as palavras. • Do ponto de vista sonoro é a análise de textos, frases, palavras, sílabas, sons, letras. É a estrutura básica do que falamos. • Atividades como: - Dizer quais ou quantos fonemas formam uma palavra; - Descobrir qual a palavra está sendo dita por outra pessoa unindo os fonemas por ela emitidos; - Formar um novo vocábulo subtraindo o fonema inicial da palavra (por exemplo, omitindo o fonema K da palavra CASA, forma-se a palavra ASA), são exemplos em que se utiliza a consciência fonêmica.
  • 21. A consciência fonológica associada ao conhecimento das regras de correspondência entre grafemas e fonemas permite à criança uma aquisição da escrita com maior facilidade, uma vez que possibilita a generalização e memorização destas relações (som-letra).
  • 22. “Pesquisas apontam que grande parte das dificuldades das crianças na leitura e escrita está relacionada com problemas na consciência fonológica. Tais estudos, sugerem que crianças e jovens com dificuldades de aprendizagem de leitura e escrita devem participar de atividades para desenvolver a consciência fonológica.” Guimarães, 2003.
  • 23. Referências Bibliográficas CAPOVILLA, A.G.S. Leitura, escrita e consciência fonológica: desenvolvimento, intercorrelações e intervenções. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999. CAPOVILLA, A. G. S. e CAPOVILLA, F.C. Problemas de Leitura e escrita. Como identificar, preveni e remediar numa abordagem fônica. São Paulo, Memnon, 2000. GUIMARÃES, S.R.K. Dificuldades no Desenvolvimento da Lectoescrita: O papel das Habilidades Metalingüísticas. In Psicologia: Teoria e Pesquisa. Jan-Abr 2003, vol 19 n. 1. Pp. 33 – 45. ZORZI, J. L. Aprendizagem e distúrbios da linguagem escrita: Questões clínicas e educacionais. Porto Alegre: Artmed, 2003.