SlideShare uma empresa Scribd logo
PSICOGÊNESE DA
LÍNGUA ESCRITA
Emília Ferreiro e Ana Teberosky
AS INFLUÊNCIAS DA CONCEPÇÃO PIAGETIANA
  NA COMPREENSÃO DOS PROCESSOS DE
    AQUISIÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA.
6- Conflito
  Cognitivo: permite
 que a criança avance
     na produção e
 elaboração de novos
    conhecimentos.

                                     1- Objeto do
                                 Conhecimento: o sistema
                                          de escrita.
 5- Erro Construtivo:
 indica-nos o quê e como
a criança está elaborando              2- Sujeito da
      suas hipóteses .             Aprendizagem – sujeito
                                   cognoscente: a criança –
                                  produtor do conhecimento .

   4- Conhecimento:
  aparece como aquisição    3- Aprendizagem: resultado
   não-linear e não como      da própria ação do sujeito
    um dado inicial a ser         sobre o objeto do
       conquistado .               conhecimento.
CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA
               REALIZADA

1. Defendiam que a aprendizagem da leitura e da escrita não poderia se
   reduzir a um conjunto de técnicas percepto-motoras, nem à vontade ou
   à motivação, mas que deveria se tratar de uma aquisição conceitual.


2. Aquisição conceitual: aquisição de conhecimentos baseada na
   atividade do sujeito em interação com o objeto do conhecimento     -
   estudo da criança confrontada com esse objeto cultural que
   constitui a escrita.
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA PESQUISA
                   REALIZADA


1. Não identificar a leitura como decifrado;
2. Não identificar escrita como cópia de um modelo
   externo;
3. Não identificar progressos na conceitualização com
   avanços no decifrado ou na exatidão da cópia gráfica.
Níveis de
conceitualização da
leitura e da escrita.
A TRAJETÓRIA NA
                      CONSTRUÇÃO DE UM
                      SISTEMA DE ESCRITA

1- A distinção entre os modos
      de representação-
Níveis Icônico e Não-icônico
                                      2- A construção
                                das formas de diferenciação
                                         da escrita -
                                     Nível Pré-silábico.


                                                3- A fonetização da
                                                      escrita -
                                                      do Nível
                                                Silábico até o Nível
                                                    Alfabético.
DIFERENCIAÇÃO
NOS MODOS DE
REPRESENTAÇÃO

 NÍVEIS ICÔNICOS E NÃO-
        ICÔNICOS.
CARACTERÍSTICAS DAS
                          ESCRITAS
1- HIPÓTESE CENTRAL: busca nas diferenciações entre desenhar e
escrever.

A- Icônica: escrever é a mesma coisa que desenhar – as formas do grafismo
devem reproduzir as formas dos objetos.

B- Não-icônica: escrever é reproduzir os traços típicos da escrita, identificados
pela criança como a forma básica da escrita.

2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA:

A- Icônica:

• escritas formadas por grafias não convencionais: garatujas e/ou pseudoletras;

• uma só grafia para cada nome.
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA:

B – Não- Icônica: diferenciação do desenho da escrita.

• presença de escritas convencionais, mas sem o controle de quantidade;

• não-diferenciação de letras e números;

•Formas básicas utilizadas:

 grafismos separados (linhas curvas e retas)- letra imprensa maiúscula,

Grafismos ligados entre si com uma linha ondulada – letra cursiva;

•Surgimento da linearidade da escrita - esquerda para a direita.
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
CARACTERÍSTICAS DAS
                       ESCRITAS

3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

A –Icônica: desenhar é a mesma coisa que escrever.

• as formas dos grafismos importam porque reproduzem as formas dos
objetos.

• Há a intenção subjetiva quanto ao significado atribuído à escrita.

• Escrita do nome próprio: é impossível.
CARACTERÍSTICAS DAS
                         ESCRITAS

3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

B- Não-Icônica: escrever é produzir um traçado que se diferencia do
desenho por possuir traços típicos da escrita.

• Há a intenção subjetiva quanto ao significado atribuído à escrita.

• Escrita do nome próprio: se realiza segundo as características das outras
escritas, com um número indefinido ou variável de grafismos.

• As diferenças dos significados não são demonstradas objetivamente na
produção gráfica – escritas iguais para palavras diferentes, significados
diferentes.

•Tentativa de correspondência da escrita e do tamanho do objeto.
Psicogênese da Língua Escrita
CARACTERÍSTICAS DAS
                          ESCRITAS

3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

A - Icônica e Não-Icônica: leitura global – idéia.

• Não há a correspondência grafo-fonêmica.

• Cada um pode interpretar sua própria escrita mas não a dos outros: a
escrita é individual e instável.

• Leitura de Palavras: não há diferenças entre texto e desenhos (ICÔNICO).

• O texto é considerado uma etiqueta do desenho (NÃO-ICÔNICO).
                     A MENINA ESTÁ FELIZ.                       MENINA
A CONSTRUÇÃO
NAS FORMAS DE
DIFERENCIAÇÃO.

 NÍVEL PRÉ-SILÁBICO.
CARACTERÍSTICAS DAS
                           ESCRITAS
1- HIPÓTESE CENTRAL: coisas diferentes, isto é, atribuir significados
diferentes, deve haver uma diferença objetiva nas escritas.

• Importante : elaboração de hipóteses de que faz falta uma certa quantidade mínima
de grafismos para escrever algo, bem como a hipótese da variedade nos grafismos.



2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA:

• A forma dos grafismos é mais definida, mais próxima das letras.

• Predomínio da escrita de imprensa em maiúscula (influência dos estímulos do meio).

• Possibilidade de memorização de escritas de palavras - reprodução de formas fixas,
na ausência do modelo.

•Diferenciação das formas gráficas: letras e números.
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
CARACTERÍSTICAS DAS
                       ESCRITAS

3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

A- ASPECTO QUANTITATIVO:

• uma letra para representar o nome de JOÃOZINHO: M;

•muitas letras para representar o nome do ZEZÉ: MCLUDIALSTURIA;

•Muitas letras, nunca menos de três para representar nomes;

•As palavras se diferenciam de acordo com o tamanho e quantidades de
objetos a serem representados.
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
CARACTERÍSTICAS DAS
                         ESCRITAS
3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

B- ASPECTO QUALITATIVO:

• Ao escreverem coisas diferentes, ora as crianças variam o repertório de
letras, ora variam a posição das letras.

• Também é comum aumentar o número de letras conforme as crianças
representam através da escrita coisas diferentes.

• O nome próprio geralmente é o ponto de partida (primeira forma estável
dotada de significação) para o uso de letras na escrita.
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• Não há a correspondência grafo-fonêmica.

• A correspondência entre a escrita e o nome é ainda global e não-
analisável: à totalidade da escrita corresponde o nome.

• As propriedades do texto fornecem indicadores que permitem sustentar a
antecipação feita a partir da imagem.
P. O que está dito?
            C. MENINA.
            P. Poderá estar dito “A MENINA SEGURA A CAIXA?
            C. Não, porque é muito pequenininho e não alcança.
CAIXA




              P. O que está dito?
              C. URSINHO.
              P. Estão aí as letras de URSINHO?
              C. Não, acho que não.
BRINQUEDO
A FONETIZAÇÃO DA
    ESCRITA.


   NÍVEL SILÁBICO
CARACTERÍSTICAS DAS
                          ESCRITAS

1- HIPÓTESE CENTRAL: tentativa de dar um valor sonoro a cada uma
das letras que compõem a escrita.



2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA:

• Podem aparecer grafias distantes das formas das letras e também grafias
bem diferenciadas.

• Escrita de letras com ou sem valor sonoro convencional.

• Uso da primeira letra da palavra, cujo valor sonoro é importante.

• A quantidade de estoque gráfico pode variar de acordo com a imersão da
criança no contexto social.
1- BRIGADEIRO
2- ROCAMBOLE
3-TORTA
4- PIRULITO
5- MEL
6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
1- BRIGADEIRO
2- ROCAMBOLE
3-TORTA
4- PIRULITO
5- MEL
6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS
3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• Tentativa de fonetização da escrita, com valores silábicos;

•Antecipação progressiva e regular da quantidade de grafias: procura
escrever uma letra para representar cada bloco de som da palavra;

•Ainda há a influência da questão quantitativa para a escrita das palavras
dissílabas e monossílabas: não se pode ler e escrever com menos de 3
letras, por isso a criança aumenta o número de letras – SAPO/ A P E I;

• O conflito cognitivo da variedade interna de letras e a quantidade a ser
utilizada, obriga a criança a abandonar progressivamente a hipótese silábica
em favor de uma análise fonêmica mais exaustiva da palavra.
1- BRIGADEIRO
2- ROCAMBOLE
3-TORTA
4- PIRULITO
5- MEL
6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
1- SOL
2- OVO
3-COELHO
4- CHOCOLATE
5- O OVO DE PÁSCOA É GOSTOSO.
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• Na leitura, há a passagem da correspondência global para a
correspondência termos a termo.

• Leitura de palavras monossílabas e dissílabas nos quais sobram letras –
atribuição de significados complementares à interpretação da palavra ou à
sua omissão na leitura .

• Início da compreensão de que a escrita representa os sons da fala.
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• Aparecimento de conflitos com relação à leitura de formas fixas aprendidas
no meio, quando a criança propõe lê-las na forma silábica: SOL – S O L.

• Leitura de palavras monossílabas e dissílabas nos quais sobram letras –
atribuição de significados complementares à interpretação da palavra ou à
sua omissão na leitura .
1- SOL
2- OVO
3-COELHO
4- CHOCOLATE
5- O OVO DE PÁSCOA É GOSTOSO.
1- SOL
2- OVO
3-COELHO
4- CHOCOLATE
5- O OVO DE PÁSCOA É GOSTOSO.
A FONETIZAÇÃO DA
    ESCRITA.


NÍVEL SILÁBICO-ALFABÉTICO
CARACTERÍSTICAS DAS
                          ESCRITAS
1- HIPÓTESE CENTRAL: coexistência de duas formas de corresponder
sons e grafias: fonemas para algumas partes das palavras e sílabas para
as outras.

2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA:

• Escritas diferenciadas com valor sonoro inicial semelhantes.

• Quantidade e repertório de gráfico variáveis.

• Escrita na qual algumas grafias representam uma sílaba e outras, um
fonema- inclusão de letras na composição de uma sílaba na palavra: S PA T.

• A construção total da palavra não está determinada por uma intenção de
correspondência sonora: percepção fonêmica mais apurada que o estágio
anterior.
1- MÃE
2- AMOR
3- CARINHO
4- SIMPÁTICA
5- MINHA MAMÃE É UM TESOURO.
CARACTERÍSTICAS DAS
                          ESCRITAS

3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• Abandono da hipótese silábica: surge o conflito entre a hipótese silábica e
a exigência de quantidade mínima de grafias.

• Passagem da hipótese silábica para a hipótese alfabética;

•As escritas aparecem com características de omissões de letras pela
coexistência das hipóteses alfabética e silábica.

• Surgimento de perguntas sobre qual letra ou sílaba usar.
1- MÃE
2- AMOR
3- CARINHO
4- SIMPÁTICA
5- MINHA MAMÃE É UM TESOURO.
1- BRIGADEIRO
2- ROCAMBOLE
3-TORTA
4- PIRULITO
5- MEL
6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• São feitas seguidas análises sonoras das palavras.

• É típica a mistura, na leitura do nome, da hipótese silábica e de um começo
da hipótese alfabética.
1- PA
2- BOLA
3- BALANÇO
4- PATINETE
5- AS CRIANÇAS BRINCAM NO BALANÇO.
A FONETIZAÇÃO DA
    ESCRITA.


   NÍVEL ALFABÉTICO
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

1- HIPÓTESE CENTRAL:
• Compreensão de que cada som (fonema) corresponde a uma letra;
• As letras combinam-se para formar sílabas e palavras.

2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA:
• Escrita alfabética com valor sonoro convencionado.
CARACTERÍSTICAS DAS
                         ESCRITAS
3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• Compreensão dos caracteres da escrita na correspondência grafo-
fonêmica: antecipação quantitativa na representação escrita das palavras.

• Presença de uma análise fonêmica na representação das palavras, sem
contudo estar conforme os padrões ortográficos de escrita.

•Compreensão da natureza alfabética do sistema de escrita: representação
arbitrária dos sons da fala na escrita.

• Presença de conflitos nas relações entre grafemas e fonemas, conforme o
padrão ortográfico vigente.
CARACTERÍSTICAS DAS
                        ESCRITAS

3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO

• A criança já lê alfabeticamente, com ou sem fluência.
Psicogênese da Língua Escrita

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
Dayane Hofmann
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
augustafranca7
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Naysa Taboada
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
chagasl
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
Rosemary Batista
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
LianeMagnolia
 
Metodos
MetodosMetodos
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
silvinha331
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
Claudio Pessoa
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Alekson Morais
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
Ananda Lima
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Julhinha Camara
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaHipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Anne Cunha Silveira
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabética
Ananda Lima
 
Oficina leitura e escrita
Oficina leitura e escritaOficina leitura e escrita
Oficina leitura e escrita
Luciana Sá
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
GERALDOGOMESDEBARROS
 

Mais procurados (20)

Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
O processo de alfabetização
O processo de alfabetizaçãoO processo de alfabetização
O processo de alfabetização
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Metodos
MetodosMetodos
Metodos
 
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Emilia ferreiro
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaHipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabética
 
Oficina leitura e escrita
Oficina leitura e escritaOficina leitura e escrita
Oficina leitura e escrita
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
 

Semelhante a Psicogênese da Língua Escrita

Planejamento anual 1
Planejamento anual 1Planejamento anual 1
Planejamento anual 1
Atividades Diversas Cláudia
 
Slides 8 de junho 2013
Slides 8 de junho 2013Slides 8 de junho 2013
Slides 8 de junho 2013
Fabiana Esteves
 
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Bete Feliciano
 
Alfabetização e letramento psicogenese
Alfabetização e letramento   psicogeneseAlfabetização e letramento   psicogenese
Alfabetização e letramento psicogenese
Ananda Lima
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
Ana Paula Epifanio
 
Nivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escritaNivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escrita
Edinei Messias
 
Apresentação marice
Apresentação marice Apresentação marice
Apresentação marice
Rosimeire Souto
 
Intervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escritaIntervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escrita
Elaine Mesquita
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
pedagogia para licenciados
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
pedagogia para licenciados
 
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
ArislaneOliveira2
 
Concepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacaoConcepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacao
angelafreire
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
chagasl
 
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escritaOrganizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
assessoriapedagogica
 
Apresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptx
Apresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptxApresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptx
Apresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptx
AndersonCaleffi1
 
Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
Lais Renata
 
Processo e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacaoProcesso e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacao
Jean Carvalho
 
Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01
Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01
Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01
Kreusa Martins
 
Apresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola Ladybug
Apresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola LadybugApresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola Ladybug
Apresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola Ladybug
Creche Escola Ladybug
 
Como trabalhar com a hipótese da escrita pré silábica
Como trabalhar com a hipótese da escrita pré silábicaComo trabalhar com a hipótese da escrita pré silábica
Como trabalhar com a hipótese da escrita pré silábica
Edinei Messias
 

Semelhante a Psicogênese da Língua Escrita (20)

Planejamento anual 1
Planejamento anual 1Planejamento anual 1
Planejamento anual 1
 
Slides 8 de junho 2013
Slides 8 de junho 2013Slides 8 de junho 2013
Slides 8 de junho 2013
 
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
 
Alfabetização e letramento psicogenese
Alfabetização e letramento   psicogeneseAlfabetização e letramento   psicogenese
Alfabetização e letramento psicogenese
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Nivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escritaNivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escrita
 
Apresentação marice
Apresentação marice Apresentação marice
Apresentação marice
 
Intervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escritaIntervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escrita
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
2. Apostila da Oficina da Psicogênese em 2021.pdf
 
Concepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacaoConcepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacao
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escritaOrganizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
 
Apresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptx
Apresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptxApresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptx
Apresentação de Hipóteses da ESCRITA.pptx
 
Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
 
Processo e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacaoProcesso e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacao
 
Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01
Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01
Atividadesparanvelpr silbico-130601023708-phpapp01
 
Apresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola Ladybug
Apresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola LadybugApresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola Ladybug
Apresentação Atividades realizadas Turma Pré I Creche Escola Ladybug
 
Como trabalhar com a hipótese da escrita pré silábica
Como trabalhar com a hipótese da escrita pré silábicaComo trabalhar com a hipótese da escrita pré silábica
Como trabalhar com a hipótese da escrita pré silábica
 

Último

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Psicogênese da Língua Escrita

  • 1. PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA Emília Ferreiro e Ana Teberosky
  • 2. AS INFLUÊNCIAS DA CONCEPÇÃO PIAGETIANA NA COMPREENSÃO DOS PROCESSOS DE AQUISIÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA.
  • 3. 6- Conflito Cognitivo: permite que a criança avance na produção e elaboração de novos conhecimentos. 1- Objeto do Conhecimento: o sistema de escrita. 5- Erro Construtivo: indica-nos o quê e como a criança está elaborando 2- Sujeito da suas hipóteses . Aprendizagem – sujeito cognoscente: a criança – produtor do conhecimento . 4- Conhecimento: aparece como aquisição 3- Aprendizagem: resultado não-linear e não como da própria ação do sujeito um dado inicial a ser sobre o objeto do conquistado . conhecimento.
  • 4. CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA REALIZADA 1. Defendiam que a aprendizagem da leitura e da escrita não poderia se reduzir a um conjunto de técnicas percepto-motoras, nem à vontade ou à motivação, mas que deveria se tratar de uma aquisição conceitual. 2. Aquisição conceitual: aquisição de conhecimentos baseada na atividade do sujeito em interação com o objeto do conhecimento - estudo da criança confrontada com esse objeto cultural que constitui a escrita.
  • 5. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA PESQUISA REALIZADA 1. Não identificar a leitura como decifrado; 2. Não identificar escrita como cópia de um modelo externo; 3. Não identificar progressos na conceitualização com avanços no decifrado ou na exatidão da cópia gráfica.
  • 7. A TRAJETÓRIA NA CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE ESCRITA 1- A distinção entre os modos de representação- Níveis Icônico e Não-icônico 2- A construção das formas de diferenciação da escrita - Nível Pré-silábico. 3- A fonetização da escrita - do Nível Silábico até o Nível Alfabético.
  • 8. DIFERENCIAÇÃO NOS MODOS DE REPRESENTAÇÃO NÍVEIS ICÔNICOS E NÃO- ICÔNICOS.
  • 9. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 1- HIPÓTESE CENTRAL: busca nas diferenciações entre desenhar e escrever. A- Icônica: escrever é a mesma coisa que desenhar – as formas do grafismo devem reproduzir as formas dos objetos. B- Não-icônica: escrever é reproduzir os traços típicos da escrita, identificados pela criança como a forma básica da escrita. 2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA: A- Icônica: • escritas formadas por grafias não convencionais: garatujas e/ou pseudoletras; • uma só grafia para cada nome.
  • 12. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA: B – Não- Icônica: diferenciação do desenho da escrita. • presença de escritas convencionais, mas sem o controle de quantidade; • não-diferenciação de letras e números; •Formas básicas utilizadas:  grafismos separados (linhas curvas e retas)- letra imprensa maiúscula, Grafismos ligados entre si com uma linha ondulada – letra cursiva; •Surgimento da linearidade da escrita - esquerda para a direita.
  • 15. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO A –Icônica: desenhar é a mesma coisa que escrever. • as formas dos grafismos importam porque reproduzem as formas dos objetos. • Há a intenção subjetiva quanto ao significado atribuído à escrita. • Escrita do nome próprio: é impossível.
  • 16. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO B- Não-Icônica: escrever é produzir um traçado que se diferencia do desenho por possuir traços típicos da escrita. • Há a intenção subjetiva quanto ao significado atribuído à escrita. • Escrita do nome próprio: se realiza segundo as características das outras escritas, com um número indefinido ou variável de grafismos. • As diferenças dos significados não são demonstradas objetivamente na produção gráfica – escritas iguais para palavras diferentes, significados diferentes. •Tentativa de correspondência da escrita e do tamanho do objeto.
  • 18. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO A - Icônica e Não-Icônica: leitura global – idéia. • Não há a correspondência grafo-fonêmica. • Cada um pode interpretar sua própria escrita mas não a dos outros: a escrita é individual e instável. • Leitura de Palavras: não há diferenças entre texto e desenhos (ICÔNICO). • O texto é considerado uma etiqueta do desenho (NÃO-ICÔNICO). A MENINA ESTÁ FELIZ. MENINA
  • 19. A CONSTRUÇÃO NAS FORMAS DE DIFERENCIAÇÃO. NÍVEL PRÉ-SILÁBICO.
  • 20. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 1- HIPÓTESE CENTRAL: coisas diferentes, isto é, atribuir significados diferentes, deve haver uma diferença objetiva nas escritas. • Importante : elaboração de hipóteses de que faz falta uma certa quantidade mínima de grafismos para escrever algo, bem como a hipótese da variedade nos grafismos. 2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA: • A forma dos grafismos é mais definida, mais próxima das letras. • Predomínio da escrita de imprensa em maiúscula (influência dos estímulos do meio). • Possibilidade de memorização de escritas de palavras - reprodução de formas fixas, na ausência do modelo. •Diferenciação das formas gráficas: letras e números.
  • 23. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO A- ASPECTO QUANTITATIVO: • uma letra para representar o nome de JOÃOZINHO: M; •muitas letras para representar o nome do ZEZÉ: MCLUDIALSTURIA; •Muitas letras, nunca menos de três para representar nomes; •As palavras se diferenciam de acordo com o tamanho e quantidades de objetos a serem representados.
  • 27. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO B- ASPECTO QUALITATIVO: • Ao escreverem coisas diferentes, ora as crianças variam o repertório de letras, ora variam a posição das letras. • Também é comum aumentar o número de letras conforme as crianças representam através da escrita coisas diferentes. • O nome próprio geralmente é o ponto de partida (primeira forma estável dotada de significação) para o uso de letras na escrita.
  • 30. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • Não há a correspondência grafo-fonêmica. • A correspondência entre a escrita e o nome é ainda global e não- analisável: à totalidade da escrita corresponde o nome. • As propriedades do texto fornecem indicadores que permitem sustentar a antecipação feita a partir da imagem.
  • 31. P. O que está dito? C. MENINA. P. Poderá estar dito “A MENINA SEGURA A CAIXA? C. Não, porque é muito pequenininho e não alcança. CAIXA P. O que está dito? C. URSINHO. P. Estão aí as letras de URSINHO? C. Não, acho que não. BRINQUEDO
  • 32. A FONETIZAÇÃO DA ESCRITA. NÍVEL SILÁBICO
  • 33. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 1- HIPÓTESE CENTRAL: tentativa de dar um valor sonoro a cada uma das letras que compõem a escrita. 2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA: • Podem aparecer grafias distantes das formas das letras e também grafias bem diferenciadas. • Escrita de letras com ou sem valor sonoro convencional. • Uso da primeira letra da palavra, cujo valor sonoro é importante. • A quantidade de estoque gráfico pode variar de acordo com a imersão da criança no contexto social.
  • 34. 1- BRIGADEIRO 2- ROCAMBOLE 3-TORTA 4- PIRULITO 5- MEL 6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
  • 35. 1- BRIGADEIRO 2- ROCAMBOLE 3-TORTA 4- PIRULITO 5- MEL 6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
  • 36. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • Tentativa de fonetização da escrita, com valores silábicos; •Antecipação progressiva e regular da quantidade de grafias: procura escrever uma letra para representar cada bloco de som da palavra; •Ainda há a influência da questão quantitativa para a escrita das palavras dissílabas e monossílabas: não se pode ler e escrever com menos de 3 letras, por isso a criança aumenta o número de letras – SAPO/ A P E I; • O conflito cognitivo da variedade interna de letras e a quantidade a ser utilizada, obriga a criança a abandonar progressivamente a hipótese silábica em favor de uma análise fonêmica mais exaustiva da palavra.
  • 37. 1- BRIGADEIRO 2- ROCAMBOLE 3-TORTA 4- PIRULITO 5- MEL 6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
  • 38. 1- SOL 2- OVO 3-COELHO 4- CHOCOLATE 5- O OVO DE PÁSCOA É GOSTOSO.
  • 39. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • Na leitura, há a passagem da correspondência global para a correspondência termos a termo. • Leitura de palavras monossílabas e dissílabas nos quais sobram letras – atribuição de significados complementares à interpretação da palavra ou à sua omissão na leitura . • Início da compreensão de que a escrita representa os sons da fala.
  • 40. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • Aparecimento de conflitos com relação à leitura de formas fixas aprendidas no meio, quando a criança propõe lê-las na forma silábica: SOL – S O L. • Leitura de palavras monossílabas e dissílabas nos quais sobram letras – atribuição de significados complementares à interpretação da palavra ou à sua omissão na leitura .
  • 41. 1- SOL 2- OVO 3-COELHO 4- CHOCOLATE 5- O OVO DE PÁSCOA É GOSTOSO.
  • 42. 1- SOL 2- OVO 3-COELHO 4- CHOCOLATE 5- O OVO DE PÁSCOA É GOSTOSO.
  • 43. A FONETIZAÇÃO DA ESCRITA. NÍVEL SILÁBICO-ALFABÉTICO
  • 44. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 1- HIPÓTESE CENTRAL: coexistência de duas formas de corresponder sons e grafias: fonemas para algumas partes das palavras e sílabas para as outras. 2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA: • Escritas diferenciadas com valor sonoro inicial semelhantes. • Quantidade e repertório de gráfico variáveis. • Escrita na qual algumas grafias representam uma sílaba e outras, um fonema- inclusão de letras na composição de uma sílaba na palavra: S PA T. • A construção total da palavra não está determinada por uma intenção de correspondência sonora: percepção fonêmica mais apurada que o estágio anterior.
  • 45. 1- MÃE 2- AMOR 3- CARINHO 4- SIMPÁTICA 5- MINHA MAMÃE É UM TESOURO.
  • 46. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • Abandono da hipótese silábica: surge o conflito entre a hipótese silábica e a exigência de quantidade mínima de grafias. • Passagem da hipótese silábica para a hipótese alfabética; •As escritas aparecem com características de omissões de letras pela coexistência das hipóteses alfabética e silábica. • Surgimento de perguntas sobre qual letra ou sílaba usar.
  • 47. 1- MÃE 2- AMOR 3- CARINHO 4- SIMPÁTICA 5- MINHA MAMÃE É UM TESOURO.
  • 48. 1- BRIGADEIRO 2- ROCAMBOLE 3-TORTA 4- PIRULITO 5- MEL 6- QUERO MUITOS DOCES NA MINHA FESTA DE ANIVERSÁRIO.
  • 49. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • São feitas seguidas análises sonoras das palavras. • É típica a mistura, na leitura do nome, da hipótese silábica e de um começo da hipótese alfabética.
  • 50. 1- PA 2- BOLA 3- BALANÇO 4- PATINETE 5- AS CRIANÇAS BRINCAM NO BALANÇO.
  • 51. A FONETIZAÇÃO DA ESCRITA. NÍVEL ALFABÉTICO
  • 52. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 1- HIPÓTESE CENTRAL: • Compreensão de que cada som (fonema) corresponde a uma letra; • As letras combinam-se para formar sílabas e palavras. 2- CONSTRUÇÃO GRÁFICA: • Escrita alfabética com valor sonoro convencionado.
  • 53. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- ESCRITA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • Compreensão dos caracteres da escrita na correspondência grafo- fonêmica: antecipação quantitativa na representação escrita das palavras. • Presença de uma análise fonêmica na representação das palavras, sem contudo estar conforme os padrões ortográficos de escrita. •Compreensão da natureza alfabética do sistema de escrita: representação arbitrária dos sons da fala na escrita. • Presença de conflitos nas relações entre grafemas e fonemas, conforme o padrão ortográfico vigente.
  • 54. CARACTERÍSTICAS DAS ESCRITAS 3- LEITURA - NÍVEIS DE CONCEITUALIZAÇÃO • A criança já lê alfabeticamente, com ou sem fluência.