Níveis de escrita (1)pnaic

17.277 visualizações

Publicada em

1 comentário
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Obrigada pela explicação. Consegui sanar muitas duvidas que tinha quanto a hipótese alfabética.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
602
Comentários
1
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Níveis de escrita (1)pnaic

  1. 1. NÍVEIS DE ESCRITA Psicogênese da Língua Escrita
  2. 2. PRIMEIRO PERÍODO: DISTINÇÃO ENTRE MODOS DE REPRESENTAÇÃO ICÔNICO E NÃO ICÔNICO  Pré-silábico Icônico: Indiferenciação entre desenho e escrita: Representação icônica O grafismo reproduz a forma do objeto. Lista de animais. Emma 03 anos.
  3. 3. SEGUNDO PERÍODO: FORMAS DE DIFERENCIAÇÃO DAS ESCRITAS – NÍVEL PRÉ-SILÁBICO  Escrever não é a mesma coisa que desenhar – Grafismo não icônico. Marcas distintas representam desenho e escrita.
  4. 4.  Grafismos primitivos: Rabiscos e Pseudoletras
  5. 5.  Escritas sem controle de quantidade A criança pode ocupar todo espaço da página com os rabiscos, pseudoletras ou letras
  6. 6.  Uso de letras e números A criança percebe a existência de signos gráficos distintos: letras e números. Em algum momento pode utilizar ambos na escrita.
  7. 7.  Escritas Fixas Escreve todas as palavras utilizando o mesmo conjunto de caracteres e na mesma ordem.
  8. 8. Diferenciação da Escrita: Para “poder ler”, é preciso que haja diferença na escrita das palavras
  9. 9.  Quantidade mínima de letras Expressa-se a lógica de que para “pode ler” é necessário que a palavra tenha uma quantidade mínima de letras, geralmente três.
  10. 10.  Diferença segundo a característica do objeto Com relação a quantidade de objetos Com relação ao tamanho do objeto
  11. 11.  Diferenciação na ordem e variedade das letras. A criança escreve utilizando praticamente os mesmos caracteres e na mesma quantidade, mas diferencia a ordem dos mesmos para distinguir as palavras.
  12. 12. Nestas escritas as crianças diferenciam quanto a quantidade e quanto a variedade das letras.
  13. 13.  As hipóteses de escrita apresentadas pelas crianças no nível pré-silábico não são lineares, nem ocorre de igual maneira para todas. As crianças podem ainda apresentar, simultaneamente, diferentes representações. Por exemplo: Produzir escritas fixas, mas com quantidade mínima de letras Utilizar pseudoletras, mas diferenciar quanto a ordem das letras Não distinguir letras e números, mas diferenciar quanto a variedade e ordem de caracteres.
  14. 14. TERCEIRO PERÍODO: FONETIZAÇÃO DA ESCRITA – DA ESCRITA SILÁBICA À ESCRITA ALFABÉTICA  ESCRITAS SILÁBICAS “Este nível está caracterizado pela tentativa de dar um valor sonoro a cada uma das letras que compõem uma escrita. (...) cada letra vale por uma sílaba.” (FERREIRO E TEBEROSKY, 1999, p. 209).
  15. 15.  Silábico sem valor sonoro (quantitativo) “Sobre o eixo quantitativo, isto se exprime na descoberta de que a quantidade de letras com que se vai escrever uma palavra pode ter correspondência com a quantidade de partes que se reconhece na emissão oral.” (FERREIRO, 2010, p. 27) Pode ocorrer, excepcionalmente, grafias distintas das formas das letras. Mas cada grafia representa uma unidade sonora sem correspondência som/letra.
  16. 16. Cada sílaba é representada por uma letra sem correspondência som – grafia. LAPISEIRA CADERNO LÁPIS GIZ (...) a hipótese silábica cria suas próprias condições de contradição: contradição entre o controle silábico e a quantidade mínima de letras que uma escrita deve possuir para ser interpretável (...). (Ferreiro, 2010, p. 27).
  17. 17. A variedade de signos gráficos utilizados como referência pela criança depende do repertório de letras que ela já possui.
  18. 18.  Silábico com valor sonoro (qualitativo) “No mesmo período – embora não necessariamente ao mesmo tempo – as letras podem começar a adquirir valores sonoros (silábicos) relativamente estáveis, o que leva a se estabelecer correspondência com o eixo qualitativo: as partes sonoras semelhantes entre as palavras começam a se exprimir por letras semelhantes.” (FERREIRO, 2010, p. 29) É muito comum nessa fase a utilização das vogais como a unidade que representa a sílaba.
  19. 19. Mas o contrário também se pode observar, escritas predominantemente com consoantes.
  20. 20. Escrita silábica com vogais e consoantes
  21. 21. As crianças podem produzir textos ou reescrever textos que possuem de memória utilizando a hipótese silábica
  22. 22.  ESCRITAS SILÁBICO-ALFABÉTICAS “O período silábico-alfabético marca a transição entre os esquemas prévios em via de serem abandonados e os esquemas futuros em vias de serem construídos.” (FERREIRO, 2010, p. 29)
  23. 23. Percebe-se que a criança começa a considerar que a sílaba não é a menor unidade analisável. Passa então a alternar escritas silábicas com escritas parcialmente alfabéticas.
  24. 24. Nesta escrita se percebe uma análise bem mais criteriosa. Nesse momento a criança sabe que não basta uma letra por sílaba e que a identidade do som não corresponde diretamente à identidade da letra, essa desequilibração possibilita a progressão ao nível Alfabético.
  25. 25.  ESCRITA ALFABÉTICA “Neste nível, a escrita e a leitura operam sobre os princípios alfabéticos (...) os novos problemas que se apresentam são de índole ortográfica.” (FERREIRO E TEBEROSKY, 1999, p. 321)
  26. 26. Presença da análise fonêmica sem, no entanto, estar de acordo com padrões ortográficos. Representação arbitrária dos sons da fala.
  27. 27. Escrita de um adulto no nível alfabético
  28. 28. LEMBRANDO QUE...  Os conflitos de escrita não se esgotam quando a criança chega ao nível alfabético, como orienta o livro da unidade 03, ano 02. Três subcategorias desse nível merecem destaque:
  29. 29. REFERÊNCIAS CURTO, L. M.; MORILLO, M. M.; TEIXIDÓ, M. M. Como as crianças aprendem e como o professor pode ensiná-las a escrever e a ler. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 2010. FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

×