SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
PSICOGÊNESE DA
LÍNGUA ESCRITA
Emilia Ferreiro nasceu na Argentina em 1936. Doutorou-se na
Universidade de Genebra, sob orientação do biólogo Jean Piaget, cujo
trabalho de epistemologia genética (uma teoria do conhecimento centrada
no desenvolvimento natural da criança) ela continuou, estudando um
campo que o mestre não havia explorado: a escrita. A partir de 1974,
Emilia desenvolveu na Universidade de Buenos Aires uma série de
experimentos com crianças que deu origem às conclusões apresentadas
em Psicogênese da Língua Escrita, assinado em parceria com a
pedagoga espanhola Ana Teberosky e publicado em 1979.
Nenhum nome teve mais influência sobre a educação brasileira nos
últimos 20 anos do que o da psicolinguista argentina Emilia Ferreiro. A
divulgação de seus livros no Brasil, a partir de meados dos anos 1980,
causou um grande impacto sobre a concepção que se tinha do processo
de alfabetização. A obra de Emilia – Psicogênese da Língua Escrita é a
mais importante – não apresenta nenhum método pedagógico, mas
revela os processos de aprendizado das crianças, levando a conclusões
que puseram em questão os métodos tradicionais de ensino da leitura e
da escrita.
Segundo Emilia, a construção do conhecimento da leitura e da escrita
tem uma lógica individual, embora aberta à interação social, na escola ou
fora dela. No processo, a criança passa por etapas, com avanços e recuos,
até se apossar do Sistema de Escrita Alfabético e dominá-lo. O tempo
necessário para o aluno transpor cada uma das etapas é muito variável.
De acordo com a teoria exposta em Psicogênese da Língua Escrita, toda
criança passa por fases até que esteja alfabetizada:
PRÉ-SILÁBICA
SILÁBICA
SILÁBICO-ALFABÉTICA
ALFABÉTICA
NÍVEL 1 – PRÉ-SILÁBICO
 As partes da escrita não
correspondem, necessariamente, ao que se
pretende escrever.
 Por vezes, recorre as letras do nome.
 Escrevem letras, bolinhas e números, como
se soubessem escrever, sem uma
preocupação com as propriedades sonoras da
escrita.
 A criança explora tanto critérios qualitativos
(varia o repertório das letras ou a posição das
mesmas, sem alterar a quantidade) ou
critérios quantitativos (varia a quantidade de
letras de uma escrita para outra, sem
preocupação com as propriedades sonoras).
A leitura e a escrita só são possíveis se
houver muitas letras (mais de 3 ou 4), e letras
diferentes e variadas.
NÍVEL 2 - SILÁBICO
 A criança conta os pedaços das palavras de acordo com a
correspondência sonora, ou seja, para cada sílaba ela coloca no
papel uma letra correspondente. Ela tem a noção de que cada
sílaba corresponde a uma letra, que pode acontecer com ou sem
valor sonoro convencional.
 Acredita que resolveu o problema da escrita, mas percebe que
os alfabetizados ainda não conseguem ler o que ela escreveu.
SILÁBICA SEM VALOR
SONORO CONVENCIONAL
cada letra ou símbolo
corresponde a uma sílaba falada,
mas o que se escreve ainda não
tem correspondência com o som
convencional daquela sílaba.
SILÁBICA COM VALOR
SONORO CONVENCIONAL
cada letra corresponde a uma
sílaba falada e o que se escreve
tem correspondência com o som
convencional daquela sílaba, em
geral representada pela vogal,
mas não exclusivamente.
CARACTERÍSTICAS DESSA ETAPA
 Aceitação das palavras com uma ou duas letras, mas ainda
apresentando uma certa hesitação. Algumas vezes, depois de
escrever a palavra, a criança coloca mais letras para tentar
compensar a falta de alguma delas, segundo suas hipóteses.
 Possibilidade de convivência com a hipótese de quantidade mínima
de letras.
 Falta de definição das categorias linguísticas (artigo, substantivo,
adjetivo, etc.)
 Sonorização da escrita, o que não aparecia nos níveis anteriores.
NÍVEL 3 : SILÁBICO-ALFABÉTICO
O nível silábico-alfabético é mais um momento de conflito.
A criança percebe que nenhuma das suas hipóteses de escrita
pode ser lida facilmente pelo adulto ou outra criança
alfabetizada.
Este nível marca a transição do aluno da hipótese silábica para a
hipótese alfabética. Ora ela escreve atribuindo a cada sílaba uma
letra, ora representando as unidades sonoras menores, os
fonemas.
NÍVEL 4 - ALFABÉTICO
Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de
escrita, entendendo que cada um dos caracteres da
palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a
sílaba. Agora, falta-lhe dominar as convenções
ortográficas.
 Compreensão da lógica da base alfabética da escrita.
 Conhecimento da correspondência grafofonêmica.
 Reconhecimento do fonema como unidade mínima.
CARACTERÍSTICAS DESSA ETAPA
SONDAGEM 1
 Escolher 4 palavras na ordem:
1 polissílaba, 1 trissílaba, 1 dissílaba
e 1 monossílaba.
 Devem ser do mesmo campo semântico.
Ex. RINOCERONTE
CACHORRO
TIGRE
RÃ
 Palavras significativas, porém que não tenham sido
muito trabalhadas, porque podem ter memorizado.
 Palavras contextualizadas (história, passeio,
guloseimas, sala de aula...)
 Criar uma frase com uma das palavras
pertencentes ao rol para observar se há
estabilidade na escrita.
Ex.:
O CACHORRO ESTÁ LATINDO.
SONDAGEM 2
Ler uma história que desperte o interesse do
grupo. Após a leitura, pedir que, em uma folha
branca, ilustrem e recontem a história, usando a
escrita espontânea (palavras, frases ou textos).
Durante esse processo, chamar um a um e
fazer a sondagem (explicada a seguir).
Para concluir, peça que faça leitura de
algumas frases de trechos do livro escolhido.
É importante pedir para que o
aluno leia apontando as letras ou
sílabas e sinais correspondentes à
fala logo após o ditado das palavras e
da frase. Essa marcação é essencial
para perceber em qual hipótese
alfabética o aluno se enquadra.
VÍDEO
“O ALUNO
RICARDO”
PARA LEMBRAR...
A identificação do nível de pensamento da
criança deve permitir ao professor a criação de
atividades que ofereçam a possibilidade do
surgimento de conflitos cognitivos. A função dos
conflitos consiste na desestabilização das
hipóteses formuladas pela criança para prosseguir
na construção de seu processo de aprendizagem
da escrita.
A interação entre as crianças é fundamental no
processo de aprendizagem, porque um
desequilibra a hipótese do outro.
ALFABETIZAÇÃO
CÓDIGO OU SISTEMA?
LETRA X
. Som de s (sexto, texto...)
. Som de ch (xarope, enxofre...)
. Som de ss (auxílio, máximo...)
. Som de z (exagero, exemplo...)
. Som de cs ( sexo, látex...)
 A alfabetização é um processo
de construção de hipóteses
sobre o funcionamento do
sistema alfabético de escrita.
Para aprender a ler e a
escrever, o aluno precisa
participar de situações que o
desafiem, que coloquem a
necessidade da reflexão sobre
a língua, que o leve enfim a
transformar informações em
conhecimento próprio.
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
 PRÉ-SILÁBICO:
Letras móveis
Contagem oral das sílabas das palavras
Textos coletivos
Trabalho com o nome
Trabalho com textos conhecidos (parlendas,
poemas, músicas, rótulos...)
Letra inicial e final
Número de letras
Rimas
Comparação de palavras quanto ao tamanho
Outras
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
 SILÁBICO:
Cruzadinha
Completar letras das palavras
Forca
Caça palavras
Rimas
Alfabeto móvel
Listas
Contar palavras nas frases
Outras.
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
 SILÁBICO-ALFABÉTICO
Listas
Cruzadinhas
Bingo
Adivinhas
Rimas
Textos coletivos
Escrita espontânea
Consciência fonológica (comparação de
palavras com sílabas semelhantes /em comum)
Outras
“Temos uma imagem empobrecida da língua escrita: é preciso
reintroduzir, quando consideramos a alfabetização, a escrita
como sistema de representação da linguagem. Temos uma
imagem empobrecida da criança que aprende: a reduzimos a
um par de olhos, um par de ouvidos, uma mão que pega um
instrumento para marcar e um aparelho fonador que emite
sons. Atrás disso há um sujeito cognoscente, alguém que
pensa, que constrói interpretações, que age sobre o real para
fazê-lo seu. Um novo método não resolve os problemas. É
preciso reanalisar as práticas de introdução da língua escrita,
tratando de ver os pressupostos subjacentes a elas, e até que
ponto funcionam como filtros de transformação seletiva e
deformante de qualquer proposta inovadora”.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 ARAÚJO, Mairce da Silva, Alfabetização :
Conteúdo e Forma 1 – volume 2 (CEDERJ)
 FERREIRO, Emília. Alfabetização em processo,
São Paulo, Cortez, 1998
 TEBEROSKY, Ana – Psicogênese da Língua
Escrita, Porto Alegre, Artes Médicas, 1985
 http://revistaescola.abril.com.br/avulsas/teste-
hipoteses-de-escrita-dos-alunos.shtml

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA

Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
pedagogia para licenciados
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
Marisa Seara
 
Processo e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacaoProcesso e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacao
Jean Carvalho
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
Ana Paula Epifanio
 
Processo E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da AlfabetizaçãoProcesso E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da Alfabetização
J. C.
 
As particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábicoAs particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábico
Edna Silva Santos
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
tlfleite
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
tlfleite
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
Maristela Couto
 
Como trabalhar com a hipótese de escrita silábica
Como trabalhar com a hipótese de escrita silábicaComo trabalhar com a hipótese de escrita silábica
Como trabalhar com a hipótese de escrita silábica
Edinei Messias
 
Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01
Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01
Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01
Isabela Maggot
 

Semelhante a PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA (20)

Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
Apresentaopsicognesedalnguaescrita 110616193411-phpapp01
 
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
 
Processo e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacaoProcesso e objetivos da alfabetizacao
Processo e objetivos da alfabetizacao
 
Hipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua EscritaHipóteses da Língua Escrita
Hipóteses da Língua Escrita
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptx
 
Níveis de escrita.pptx
Níveis de escrita.pptxNíveis de escrita.pptx
Níveis de escrita.pptx
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Processo E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da AlfabetizaçãoProcesso E Objetivos Da Alfabetização
Processo E Objetivos Da Alfabetização
 
As particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábicoAs particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábico
 
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacaoDitado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
 
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
Pnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontroPnaic unidade 3   sea - sistema de escrita alfabetica  1º encontro
Pnaic unidade 3 sea - sistema de escrita alfabetica 1º encontro
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
 
Como trabalhar com a hipótese de escrita silábica
Como trabalhar com a hipótese de escrita silábicaComo trabalhar com a hipótese de escrita silábica
Como trabalhar com a hipótese de escrita silábica
 
alfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdfalfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdf
 
Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01
Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01
Infantiliv hiptesesdeescrita-120704121743-phpapp01
 

Último

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA

  • 1. ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
  • 2. Emilia Ferreiro nasceu na Argentina em 1936. Doutorou-se na Universidade de Genebra, sob orientação do biólogo Jean Piaget, cujo trabalho de epistemologia genética (uma teoria do conhecimento centrada no desenvolvimento natural da criança) ela continuou, estudando um campo que o mestre não havia explorado: a escrita. A partir de 1974, Emilia desenvolveu na Universidade de Buenos Aires uma série de experimentos com crianças que deu origem às conclusões apresentadas em Psicogênese da Língua Escrita, assinado em parceria com a pedagoga espanhola Ana Teberosky e publicado em 1979. Nenhum nome teve mais influência sobre a educação brasileira nos últimos 20 anos do que o da psicolinguista argentina Emilia Ferreiro. A divulgação de seus livros no Brasil, a partir de meados dos anos 1980, causou um grande impacto sobre a concepção que se tinha do processo de alfabetização. A obra de Emilia – Psicogênese da Língua Escrita é a mais importante – não apresenta nenhum método pedagógico, mas revela os processos de aprendizado das crianças, levando a conclusões que puseram em questão os métodos tradicionais de ensino da leitura e da escrita.
  • 3. Segundo Emilia, a construção do conhecimento da leitura e da escrita tem uma lógica individual, embora aberta à interação social, na escola ou fora dela. No processo, a criança passa por etapas, com avanços e recuos, até se apossar do Sistema de Escrita Alfabético e dominá-lo. O tempo necessário para o aluno transpor cada uma das etapas é muito variável. De acordo com a teoria exposta em Psicogênese da Língua Escrita, toda criança passa por fases até que esteja alfabetizada: PRÉ-SILÁBICA SILÁBICA SILÁBICO-ALFABÉTICA ALFABÉTICA
  • 4. NÍVEL 1 – PRÉ-SILÁBICO  As partes da escrita não correspondem, necessariamente, ao que se pretende escrever.  Por vezes, recorre as letras do nome.  Escrevem letras, bolinhas e números, como se soubessem escrever, sem uma preocupação com as propriedades sonoras da escrita.  A criança explora tanto critérios qualitativos (varia o repertório das letras ou a posição das mesmas, sem alterar a quantidade) ou critérios quantitativos (varia a quantidade de letras de uma escrita para outra, sem preocupação com as propriedades sonoras). A leitura e a escrita só são possíveis se houver muitas letras (mais de 3 ou 4), e letras diferentes e variadas.
  • 5. NÍVEL 2 - SILÁBICO  A criança conta os pedaços das palavras de acordo com a correspondência sonora, ou seja, para cada sílaba ela coloca no papel uma letra correspondente. Ela tem a noção de que cada sílaba corresponde a uma letra, que pode acontecer com ou sem valor sonoro convencional.  Acredita que resolveu o problema da escrita, mas percebe que os alfabetizados ainda não conseguem ler o que ela escreveu.
  • 6. SILÁBICA SEM VALOR SONORO CONVENCIONAL cada letra ou símbolo corresponde a uma sílaba falada, mas o que se escreve ainda não tem correspondência com o som convencional daquela sílaba. SILÁBICA COM VALOR SONORO CONVENCIONAL cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, em geral representada pela vogal, mas não exclusivamente.
  • 7. CARACTERÍSTICAS DESSA ETAPA  Aceitação das palavras com uma ou duas letras, mas ainda apresentando uma certa hesitação. Algumas vezes, depois de escrever a palavra, a criança coloca mais letras para tentar compensar a falta de alguma delas, segundo suas hipóteses.  Possibilidade de convivência com a hipótese de quantidade mínima de letras.  Falta de definição das categorias linguísticas (artigo, substantivo, adjetivo, etc.)  Sonorização da escrita, o que não aparecia nos níveis anteriores.
  • 8. NÍVEL 3 : SILÁBICO-ALFABÉTICO O nível silábico-alfabético é mais um momento de conflito. A criança percebe que nenhuma das suas hipóteses de escrita pode ser lida facilmente pelo adulto ou outra criança alfabetizada. Este nível marca a transição do aluno da hipótese silábica para a hipótese alfabética. Ora ela escreve atribuindo a cada sílaba uma letra, ora representando as unidades sonoras menores, os fonemas.
  • 9.
  • 10. NÍVEL 4 - ALFABÉTICO Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de escrita, entendendo que cada um dos caracteres da palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a sílaba. Agora, falta-lhe dominar as convenções ortográficas.
  • 11.
  • 12.  Compreensão da lógica da base alfabética da escrita.  Conhecimento da correspondência grafofonêmica.  Reconhecimento do fonema como unidade mínima. CARACTERÍSTICAS DESSA ETAPA
  • 13. SONDAGEM 1  Escolher 4 palavras na ordem: 1 polissílaba, 1 trissílaba, 1 dissílaba e 1 monossílaba.  Devem ser do mesmo campo semântico. Ex. RINOCERONTE CACHORRO TIGRE RÃ
  • 14.  Palavras significativas, porém que não tenham sido muito trabalhadas, porque podem ter memorizado.  Palavras contextualizadas (história, passeio, guloseimas, sala de aula...)  Criar uma frase com uma das palavras pertencentes ao rol para observar se há estabilidade na escrita. Ex.: O CACHORRO ESTÁ LATINDO.
  • 15.
  • 16. SONDAGEM 2 Ler uma história que desperte o interesse do grupo. Após a leitura, pedir que, em uma folha branca, ilustrem e recontem a história, usando a escrita espontânea (palavras, frases ou textos). Durante esse processo, chamar um a um e fazer a sondagem (explicada a seguir). Para concluir, peça que faça leitura de algumas frases de trechos do livro escolhido.
  • 17.
  • 18. É importante pedir para que o aluno leia apontando as letras ou sílabas e sinais correspondentes à fala logo após o ditado das palavras e da frase. Essa marcação é essencial para perceber em qual hipótese alfabética o aluno se enquadra.
  • 20. PARA LEMBRAR... A identificação do nível de pensamento da criança deve permitir ao professor a criação de atividades que ofereçam a possibilidade do surgimento de conflitos cognitivos. A função dos conflitos consiste na desestabilização das hipóteses formuladas pela criança para prosseguir na construção de seu processo de aprendizagem da escrita. A interação entre as crianças é fundamental no processo de aprendizagem, porque um desequilibra a hipótese do outro.
  • 21. ALFABETIZAÇÃO CÓDIGO OU SISTEMA? LETRA X . Som de s (sexto, texto...) . Som de ch (xarope, enxofre...) . Som de ss (auxílio, máximo...) . Som de z (exagero, exemplo...) . Som de cs ( sexo, látex...)
  • 22.  A alfabetização é um processo de construção de hipóteses sobre o funcionamento do sistema alfabético de escrita. Para aprender a ler e a escrever, o aluno precisa participar de situações que o desafiem, que coloquem a necessidade da reflexão sobre a língua, que o leve enfim a transformar informações em conhecimento próprio.
  • 23. SUGESTÕES DE ATIVIDADES  PRÉ-SILÁBICO: Letras móveis Contagem oral das sílabas das palavras Textos coletivos Trabalho com o nome Trabalho com textos conhecidos (parlendas, poemas, músicas, rótulos...) Letra inicial e final Número de letras Rimas Comparação de palavras quanto ao tamanho Outras
  • 24. SUGESTÕES DE ATIVIDADES  SILÁBICO: Cruzadinha Completar letras das palavras Forca Caça palavras Rimas Alfabeto móvel Listas Contar palavras nas frases Outras.
  • 25. SUGESTÕES DE ATIVIDADES  SILÁBICO-ALFABÉTICO Listas Cruzadinhas Bingo Adivinhas Rimas Textos coletivos Escrita espontânea Consciência fonológica (comparação de palavras com sílabas semelhantes /em comum) Outras
  • 26. “Temos uma imagem empobrecida da língua escrita: é preciso reintroduzir, quando consideramos a alfabetização, a escrita como sistema de representação da linguagem. Temos uma imagem empobrecida da criança que aprende: a reduzimos a um par de olhos, um par de ouvidos, uma mão que pega um instrumento para marcar e um aparelho fonador que emite sons. Atrás disso há um sujeito cognoscente, alguém que pensa, que constrói interpretações, que age sobre o real para fazê-lo seu. Um novo método não resolve os problemas. É preciso reanalisar as práticas de introdução da língua escrita, tratando de ver os pressupostos subjacentes a elas, e até que ponto funcionam como filtros de transformação seletiva e deformante de qualquer proposta inovadora”.
  • 27. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  ARAÚJO, Mairce da Silva, Alfabetização : Conteúdo e Forma 1 – volume 2 (CEDERJ)  FERREIRO, Emília. Alfabetização em processo, São Paulo, Cortez, 1998  TEBEROSKY, Ana – Psicogênese da Língua Escrita, Porto Alegre, Artes Médicas, 1985  http://revistaescola.abril.com.br/avulsas/teste- hipoteses-de-escrita-dos-alunos.shtml