SlideShare uma empresa Scribd logo
PREFEITURA MUNICIPAL DE JACAREÍSECRETARIA
MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
Gerência de Ensino Fundamental
PNAIC – Programa Nacional de Alfabetização na
Idade Certa
Língua Portuguesa
Unidade 3
&
Unidade 3
Objetivos do Caderno
• Compreender que a aprendizagem da escrita alfabética
constitui um processo de apropriação de um sistema
de notação e não a aquisição de um código;
• Refletir sobre a concepção de alfabetização, na
perspectiva do letramento, aprofundando o exame das
contribuições da psicogênese da escrita, de obras
pedagógicas do PNBE do Professor e de outro
publicados pelo MEC;
• Refletir sobre as relações entre consciência fonológica
e alfabetização, analisando e planejando atividades de
refleão fonológica e gráfica, utilizando materiais
distribuidos pelo MEC.
1. Apropriação do Sistema de
Escrita Alfabética pelas crianças
Que caminhos
percorrem?
Como
aprendem
Como podemos
auxiliá-las em sua
trajetória de
aprendizagem?
Ensino e
Intervenção
Artur Gomes de Morais
Tânia Maria S.B. Rios Leite
Carolina Figueiredo de Sá
Ana Cláudia R. Gonçalves Pessoa
1.1
Alfabetização, letramento
e princípios da educação
Segundo Brasil, 2012, p. 10:
Se dê de forma
estreitamente articulada
às comunidades
[...], ampliando e
valorizando os
conhecimentos e
vínculos das crianças
com a realidade em que
vivem.
“Para que o processo
de alfabetização das
crianças contribua
com o fortalecimento
das identidades
coletivas e diversos
saberes dos povos do
campo [e da área
urbana] é preciso que:
Neste
sentido, não
podemos
dissociar: O desenvolvimento dos processos
cognitivos dos formativos;
A alfabetização das práticas sociais e
culturais de escrita e leitura;
O ensino das disciplinas escolares
com os contextos
econômicos, políticos e ambientais
em que as crianças [...] estão
inseridas”.
1.2 Alguns princípios do
Sistema de Escrita
Alfabética
SEA
Mero Código
Mero Código
Como ensinar a
Língua Escrita
Métodos e
Processos
Sistema
Notacional
Trabalho Cognitivo e
Conceitual
O que as
letras notam?
As crianças formulam
ideias variadas sobre
o SEA
Como as letras
notam?
As crianças formulam
ideias variadas sobre o
SEA
Como as crianças
aprendem o SEA
“[...] a escrita é um sistema notacional
(FERREIRO, 1985, MORAIS, 2005), ou seja, é
constituído de regras próprias e princípios
abstratos e seu aprendizado implica um
processo cognitivo complexo e conceitual por
parte do aprendiz” (BRASIL, 2012, p. 10).
Método
Tradicional
Segundo Moraes, pg. 46 – 2013:
“Pressupõe que o aluno aprende repetindo e
memorizando e decorando a equivalência entre
as formas gráficas(letras) e os sons que elas
substituem(fonemas), os aprendizes viriam a ser
capazes de ‘decodificar’, ‘codificar’ palavras”.
Quando ocorre na
escrita da criança
Transcrição:
Intencionais
Falta: Não
conhece a
letra
Erro: Não
conhece as
regras
Propriedades
do SEA:
“O que o aprendiz precisa reconstruir para se tornar
alfabetizado”.
MORAIS, 2012 apud BRASIL, 2012, p. 11
1. Escreve-se com letras, que não podem ser
inventadas, que têm um repertório finito e que
são diferentes de números e de outros símbolos.
– Exemplo: A escrita da palavra bola não pode ser inventada
ou escrita com números e outros símbolos
BOLA  % Ѯ Ѫ 5 = BOLA?
– Sugestão de atividades:
Leve para a sala de aula palavras escritas com
outros símbolos ou números e peçam as crianças para ler.
Ou então, peça que escrevam palavras usando outros
símbolos, troquem entre si, e tentem ler.
Tente ler:
2. As letras têm formatos fixos e pequenas variações
produzem mudanças na identidade das mesmas
(p, q, b, d), embora uma letra assuma formatos variados
(P, p, P, p).
– A letra P será sempre “P”, e se mudar o sentido e a direção
de sua grafia não será mais a letra “P”
– Sugestão de atividades:
Peça aos alunos que troquem as letras d, q, b e
p, em palavras para ver o que acontece:
bola pola, dola, qola
documento  pocumento, bocumento, qocumento
Essas palavras existem no SEA?
3. A ordem das letras no interior da palavra não
pode ser mudada.
4. Uma letra pode se repetir no interior de uma palavra
e em diferentes palavras, ao mesmo tempo em que
distintas palavras compartilham as mesmas letras.
– Ex. GATO AGTO ATOG GAOT
É possível de ser lido? Há sentido dentro do SEA?
Existem dentro do SEA?
– Ex.: ELEFANTE ELEGANTE BELEZA
5. Nem todas as letras podem ocupar certas posições no
interior das palavras e nem todas as letras podem vir
juntas de quaisquer outras.
6. As letras notam ou substituem a pauta sonora das
palavras que pronunciamos e nunca levam em conta
as características físicas ou funcionais dos referentes
que substituem.
• O signo carro é composto;
• Significado:
Veículo de Transporte
• Significante:
Fônico: [KaRu]
Gráfico: CARRO
7. As letras notam
segmentos sonoros
menores que as
sílabas orais que
pronunciamos.
Ex.:
– Apto (a – pi - to )
– Técnica (te – ki – ni - ca)
– Afta (a – fi – ta)
8. As letras têm
valores sonoros
fixos, apesar de
muitas terem mais de
um valor sonoro e
certos sons poderem
ser notados com mais
de uma letra.
Ex.:
– Março – Marsso
– Faço – Fasso
9. As sílabas podem variar quanto às
combinações entre consoantes e vogais
(CV, CCV, CVV, CVC, V, VC, VCC, CCVCC...),
mas a estrutura predominante no
português é a sílaba CV (consoante-
vogal), e todas as sílabas do português
contêm, ao menos, uma vogal.
Ex.:
– CV FOCA
– CCV  CLARO
– CVV  CÃO
1.3 O percurso das
crianças para
compreenderem o SEA e
possíveis intervenções
didáticas dos professores
As crianças
elaboram
hipóteses
originais e
coerentes
sobre o
sistema de
escrita no
decorrer de
sua
alfabetização
Escrita
espontânea

Similaridades
“Períodos da
Construção
do SEA pelas
crianças”
(FERREIRO;
THEBEROSKY,
1986)
Etapas do
Processo Alfabético
Silábico -
alfabético
Silábico
Pré-silábico
Pré-silábico
• A criança ainda não entende que a
escrita registra a sequência de
“pedaços sonoros” das palavras;
• Num momento muito inicial, a
criança, ao distinguir desenho de
escrita, começa a produzir
rabiscos, bolinhas e garatujas que
ainda não são letras;
Características
Pré-silábico
• De acordo com a observação das palavras ao
seu redor (e aprendendo a reproduzir seu
nome próprio ou outras palavras), ela passa
a usar letras, mas sem estabelecer relação
entre elas e as partes orais da palavra que
quer escrever. Ou seja, ainda não
compreende que o que a escrita representa
(nota) são os sons da fala e não os próprios
objetos com suas características.
Características
• Pode, inclusive, apresentar o que alguns
estudiosos chamaram de realismo nominal, que
a leva a pensar que coisas grandes
(casa, carro, boi) seriam escritas com muitas
letras, ao passo que coisas pequenas
(formiguinha, por exemplo) seriam escritas com
poucas letras.
A criança cria duas hipóteses absolutamente
originais:
• A hipótese de quantidade
mínima, segundo a qual é preciso ter no
mínimo 3 (ou 2) letras para que algo possa
ser lido;
• A hipótese de variedade, ao descobrir
que, para escrever palavras diferentes, é
preciso variar a quantidade e a ordem das
letras que usa, assim como o próprio
repertório de letras que coloca no papel.
Pré-silábico
A criança cria duas hipóteses absolutamente
originais:
• A hipótese de quantidade
mínima, segundo a qual é preciso ter no
mínimo 3 (ou 2) letras para que algo possa
ser lido;
• A hipótese de variedade, ao descobrir
que, para escrever palavras diferentes, é
preciso variar a quantidade e a ordem das
letras que usa, assim como o próprio
repertório de letras que coloca no papel.
Características
Silábico
Silábico
• “A criança descobre que o que coloca
no papel tem a ver com as partes
orais que pronuncia, ao falar as
palavras. Ingressa, assim, no período
denominado por Ferreiro de
‘fonetização’ da escrita”.
(FERREIRO, 1985).
Características
• Num momento de transição inicial, a criança
ainda não planeja, cuidadosamente, quantas
e quais letras vai colocar para cada
palavra, mas demonstra que está começando
a compreender que a escrita nota a pauta
sonora das palavras, porque, ao ler o que
acabou de escrever, busca fazer coincidir as
sílabas orais que pronuncia com as letras que
colocou no papel, de modo a não deixar que
sobrem letras (no que escreveu).
Silábico
As escritas silábicas estritas seguem uma regra
exigente: uma letra para cada sílaba pronunciada.
Tais escritas podem ser de dois tipos:
1. Silábicas quantitativas ou “sem valor
sonoro”, nas quais a criança tende a
colocar, de forma rigorosa, uma letra
para cada sílaba pronunciada, mas, na
maior parte das vezes, usa letras que
não correspondem a segmentos das
sílabas orais da palavra escrita.
Características
2. Silábicas qualitativas ou “com valor
sonoro”, nas quais a criança se preocupa
não só em colocar uma letra para cada
sílaba da palavra que está escrevendo, mas
coloca letras que correspondem a sons
contidos nas sílabas orais daquela palavra.
Silábico -alfabético
Silábico -alfabético
• Um novo e enorme salto qualitativo
ocorre e a criança começa a entender
que o que a escrita nota ou registra no
papel tem a ver com os pedaços
sonoros das palavras, mas que é
preciso “observar os sonzinhos no
interior das sílabas”.
• Começa, assim, a compreender, da mesma
forme que os indivíduos já alfabetizados, o
como a escrita nota a fala, percebendo que
as letras representam sons menores que as
sílabas, embora ainda oscile entre registrá-
las com apenas uma letra (hipótese silábica)
e registrá-las observando as relações entre
grafemas-fonemas (hipótese alfabética).
Características
Alfabético
AlfabéticoAlfabético
• As crianças escrevem com muitos
erros ortográficos, mas já seguindo o
princípio de que a escrita nota, de
modo exaustivo, a pauta sonora das
palavras, colocando letras para cada
um dos “sonzinhos” que aparecem
em cada sílaba, pois acreditam que a
escrita é a transcrição exata da fala.
• É apenas nesta fase que as crianças
devem começar a refletir de forma
sistemática sobre as convenções
ortográficas, assim como só a partir
daí é que se recomenda a escrita
frequente em letra cursiva.
Características
“Devemos estar alertas, no entanto, para o fato de que
ter alcançado uma hipótese alfabética não é sinônimo
de estar alfabetizado. Se já compreendeu como o SEA
funciona, a criança tem agora que dominar as
convenções som-grafia de nossa língua. A consolidação
da alfabetização, direito de aprendizagem a ser
assegurado nos segundo e terceiro anos do primeiro
ciclo, é o que vai permitir que nossas crianças leiam e
produzam pequenos textos, com autonomia [...]”
(BRASIL, 2012, p. 19, grifos nossos)
1.4 Consciência
Fonológica:
O que é?
Qual sua importância para a
alfabetização?
A consciência fonológica consiste
na capacidade de refletir
conscientemente sobre as
unidades sonoras das palavras e
de manipulá-las de modo
intencional (GOMBERT,
1990; FREITAS, 2004;
MORAIS,2006).
Segundo FREITAS, 2004; MORAIS e LEITE, 2005
apud BRASIL, 2012, p. 20, grifo nosso:
“A consciência fonológica é um vasto
conjunto de habilidades que nos
permitem refletir sobre as partes
sonoras das palavras e manipulá-las
intencionalmente”.
Exemplos de Habilidades
Observar que a
palavra “janela”
tem 3 “pedaços”
(sílabas), que a
palavra “casa”
tem 2 “pedaços”
e que, portanto, a
primeira palavra é
maior;
Identificar, ao lhe
mostrarmos 4
figuras
(gato, bode, galho e
mola), que as
palavras gato e
galho são as que
“começam
parecido”, porque
começam com /ga/;
Falar
cavalo, quando
lhe pedimos que
diga uma palavra
começada com o
mesmo pedaço
que aparece no
início da palavra
casa;
Exemplos de Habilidades
Identificar que no
interior das palavras
serpente e camaleão há
outras palavras (pente,
leão, cama);
Identificar, ao lhe
mostrarmos 4 figuras
(chupeta, galinha, panela,
varinha), que as palavras
galinha e varinha
terminam parecido, isto
é, rimam;
Exemplos de Habilidades
Falar palavras como
caminhão ou
macarrão, quando
lhe pedimos que diga
uma palavra que
rime com feijão;
Identificar, ao lhe
mostrarmos 4 figuras
(vestido, martelo, vampiro,
coruja), que as palavras
vestido e vampiro são as
que começam
parecido, porque
começam “com o mesmo
sonzinho”.
São os casos da
norma ortográfica
que não têm
regras.
São os casos da
norma ortográfica
que têm regras.
Alfabetização
Exemplo:
Uso de H inicial
ou de X e CH.
Exemplo:
Uso de r ou rr.
Quando usar:
Exemplo:
r equivale a /R/
No início de palavras:
roda, rico;
Exemplo:
r equivale a /R/
Depois de consoante:
honra;
Exemplo:
Equivale a /r/
Entre vogais:
ferida, moral;
Exemplo:
rr equivale a /R/
Entre vogais:
Ferro, morrer.
“[...] não devemos nunca reduzir consciência
fonológica a consciência sobre os fonemas das
palavras. Na realidade, diferentes pesquisas
(MORAIS, 2004; AZEVEDO; MORAIS, 2011) têm
demonstrado que mesmo crianças já alfabetizadas
(inclusive por métodos fônicos) são praticamente
incapazes de segmentar palavras dizendo um a um
seus fonemas ou, inversamente, recompor uma
palavra sintetizando seus fonemas escutados
sequencialmente um a um”. (BRASIL, 2012, p. 21)
Sempre acreditando que os
alunos não têm que descobrir
tudo sozinhos, entendemos
que nós, professores,
podemos ajudá-los mais se
temos clareza sobre quais são
as propriedades do sistema de
escrita alfabética que eles
precisam reconstruir.
TAREFA DE CASA...
1. Retomar o quadro de “Acompanhamento da
aprendizagem” (Perfil da sala ?????) de sua turma
em relação apropriação do Sistema de Escrita
Alfabética e analisá-lo com base nas seguintes
questões:
2. Planejar uma aula inspirada na experiência relatada
na seção “Compartilhando”, utilizando o livro
didático.
– O que os alunos já sabem sobre a escrita?
– O que eles ainda precisam aprender sobre a escrita?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
Maristela Couto
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
LianeMagnolia
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Alekson Morais
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciais
Alex Silva
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
Edeil Reis do Espírito Santo
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Suelen Ramos
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
profeannecunha
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
augustafranca7
 
Hipoteses de escrita
Hipoteses de escritaHipoteses de escrita
Hipoteses de escrita
orientacoesdidaticas
 
Planejamento Educação Infantil
Planejamento Educação InfantilPlanejamento Educação Infantil
Planejamento Educação Infantil
artemiselima
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramento
Vivi Veloso
 
Apropriação do SEA
Apropriação do SEAApropriação do SEA
Apropriação do SEA
Shirley Lauria
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
Jessica Nuvens
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Julhinha Camara
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
Claudio Pessoa
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
Ananda Lima
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
Bruna Braga
 

Mais procurados (20)

Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciais
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
 
Hipoteses de escrita
Hipoteses de escritaHipoteses de escrita
Hipoteses de escrita
 
Planejamento Educação Infantil
Planejamento Educação InfantilPlanejamento Educação Infantil
Planejamento Educação Infantil
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramento
 
Apropriação do SEA
Apropriação do SEAApropriação do SEA
Apropriação do SEA
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 

Destaque

Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Bete Feliciano
 
Unidade 4 parte 1, 2 e 3
Unidade 4   parte 1, 2 e 3Unidade 4   parte 1, 2 e 3
Unidade 4 parte 1, 2 e 3
Bete Feliciano
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
Bete Feliciano
 
Currículo no ciclo de alfabetização
 Currículo no ciclo de alfabetização Currículo no ciclo de alfabetização
Currículo no ciclo de alfabetização
Bete Feliciano
 
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Bete Feliciano
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Bete Feliciano
 
2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliação
Bete Feliciano
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
Bete Feliciano
 
Slides Unidade 8
Slides Unidade 8Slides Unidade 8
Slides Unidade 8
Bete Feliciano
 
Unidade 7
Unidade 7Unidade 7
Unidade 7
Bete Feliciano
 
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - PlanejamentoUnidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
Bete Feliciano
 
Slides
SlidesSlides
Pnaic atualizado
Pnaic atualizadoPnaic atualizado
Pnaic atualizado
♥Marcinhatinelli♥
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2
ElieneDias
 
Multiplicação e divisão de inteiros
Multiplicação e divisão de inteirosMultiplicação e divisão de inteiros
Multiplicação e divisão de inteirosProfessora Andréia
 
[Livro] matematica ensino fundamental - fase ii - caderno ii
[Livro] matematica   ensino fundamental - fase ii - caderno ii[Livro] matematica   ensino fundamental - fase ii - caderno ii
[Livro] matematica ensino fundamental - fase ii - caderno ii
perpetor
 
Regras de sinais
 Regras de sinais Regras de sinais
Regras de sinais
cs_lucindo
 
PNAIC - Unidade 5 geral
PNAIC - Unidade 5   geralPNAIC - Unidade 5   geral
PNAIC - Unidade 5 geral
ElieneDias
 
Alfabetizacao
AlfabetizacaoAlfabetizacao
Alfabetizacao
Magno Oliveira
 
Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2
Bete Feliciano
 

Destaque (20)

Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
 
Unidade 4 parte 1, 2 e 3
Unidade 4   parte 1, 2 e 3Unidade 4   parte 1, 2 e 3
Unidade 4 parte 1, 2 e 3
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
Currículo no ciclo de alfabetização
 Currículo no ciclo de alfabetização Currículo no ciclo de alfabetização
Currículo no ciclo de alfabetização
 
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
 
2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliação
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Slides Unidade 8
Slides Unidade 8Slides Unidade 8
Slides Unidade 8
 
Unidade 7
Unidade 7Unidade 7
Unidade 7
 
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - PlanejamentoUnidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Pnaic atualizado
Pnaic atualizadoPnaic atualizado
Pnaic atualizado
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2
 
Multiplicação e divisão de inteiros
Multiplicação e divisão de inteirosMultiplicação e divisão de inteiros
Multiplicação e divisão de inteiros
 
[Livro] matematica ensino fundamental - fase ii - caderno ii
[Livro] matematica   ensino fundamental - fase ii - caderno ii[Livro] matematica   ensino fundamental - fase ii - caderno ii
[Livro] matematica ensino fundamental - fase ii - caderno ii
 
Regras de sinais
 Regras de sinais Regras de sinais
Regras de sinais
 
PNAIC - Unidade 5 geral
PNAIC - Unidade 5   geralPNAIC - Unidade 5   geral
PNAIC - Unidade 5 geral
 
Alfabetizacao
AlfabetizacaoAlfabetizacao
Alfabetizacao
 
Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2
 

Semelhante a Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidação da alfabetização

Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
Lais Renata
 
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
EtienePedrosa
 
PNAIC - Ano 1 unidade 3
PNAIC - Ano 1   unidade 3PNAIC - Ano 1   unidade 3
PNAIC - Ano 1 unidade 3
ElieneDias
 
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Andreá Perez Leinat
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabética
Ananda Lima
 
A consolidação das correspondências letra – som no (1)
A consolidação das correspondências letra – som no (1)A consolidação das correspondências letra – som no (1)
A consolidação das correspondências letra – som no (1)
miesbella
 
Nivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escritaNivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escrita
Edinei Messias
 
alfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdfalfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdf
israelf3
 
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
Solange Goulart
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
Heloiza Moura
 
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
Solange Goulart
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
Heloiza Moura
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
Marisa Seara
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Mara Magalhaes
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
Olívia Oliveira
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
Bete Feliciano
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Marcia Prudencio
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Carmem Ângela Do Carmo
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Andreá Perez Leinat
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
Bonfim Queiroz Lima
 

Semelhante a Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidação da alfabetização (20)

Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
 
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
 
PNAIC - Ano 1 unidade 3
PNAIC - Ano 1   unidade 3PNAIC - Ano 1   unidade 3
PNAIC - Ano 1 unidade 3
 
Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1Pacto nacional unidade 3 ano 1
Pacto nacional unidade 3 ano 1
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabética
 
A consolidação das correspondências letra – som no (1)
A consolidação das correspondências letra – som no (1)A consolidação das correspondências letra – som no (1)
A consolidação das correspondências letra – som no (1)
 
Nivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escritaNivel de desenvolvimento da escrita
Nivel de desenvolvimento da escrita
 
alfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdfalfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdf
 
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
 
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
 

Mais de Bete Feliciano

Leitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O TempoLeitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O Tempo
Bete Feliciano
 
Pauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1noPauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1no
Bete Feliciano
 
JOGO DO NIM
JOGO DO NIMJOGO DO NIM
JOGO DO NIM
Bete Feliciano
 
Leitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começaLeitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começa
Bete Feliciano
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Bete Feliciano
 
Calendário 2014
Calendário 2014Calendário 2014
Calendário 2014
Bete Feliciano
 
Cinderela
CinderelaCinderela
Cinderela
Bete Feliciano
 
Branca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete AnõesBranca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete Anões
Bete Feliciano
 
Pauta Unidade 8
Pauta Unidade 8Pauta Unidade 8
Pauta Unidade 8
Bete Feliciano
 
Quadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadasQuadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadas
Bete Feliciano
 
Folha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os gruposFolha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os grupos
Bete Feliciano
 
Diversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana BelinkyDiversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana Belinky
Bete Feliciano
 
Pauta Unidade 7
Pauta Unidade 7Pauta Unidade 7
Pauta Unidade 7
Bete Feliciano
 
Portifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - OrientaçõesPortifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - Orientações
Bete Feliciano
 
Amigo chocolate
Amigo chocolateAmigo chocolate
Amigo chocolate
Bete Feliciano
 
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijamaSequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
Bete Feliciano
 
Pauta Unidade 6
Pauta Unidade 6Pauta Unidade 6
Pauta Unidade 6
Bete Feliciano
 
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléObjetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Bete Feliciano
 
Unidade 5 10º e 11º encontro
Unidade 5   10º e 11º encontroUnidade 5   10º e 11º encontro
Unidade 5 10º e 11º encontro
Bete Feliciano
 
Asa de Papel
Asa de PapelAsa de Papel
Asa de Papel
Bete Feliciano
 

Mais de Bete Feliciano (20)

Leitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O TempoLeitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O Tempo
 
Pauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1noPauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1no
 
JOGO DO NIM
JOGO DO NIMJOGO DO NIM
JOGO DO NIM
 
Leitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começaLeitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começa
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
 
Calendário 2014
Calendário 2014Calendário 2014
Calendário 2014
 
Cinderela
CinderelaCinderela
Cinderela
 
Branca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete AnõesBranca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete Anões
 
Pauta Unidade 8
Pauta Unidade 8Pauta Unidade 8
Pauta Unidade 8
 
Quadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadasQuadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadas
 
Folha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os gruposFolha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os grupos
 
Diversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana BelinkyDiversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana Belinky
 
Pauta Unidade 7
Pauta Unidade 7Pauta Unidade 7
Pauta Unidade 7
 
Portifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - OrientaçõesPortifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - Orientações
 
Amigo chocolate
Amigo chocolateAmigo chocolate
Amigo chocolate
 
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijamaSequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
 
Pauta Unidade 6
Pauta Unidade 6Pauta Unidade 6
Pauta Unidade 6
 
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléObjetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
 
Unidade 5 10º e 11º encontro
Unidade 5   10º e 11º encontroUnidade 5   10º e 11º encontro
Unidade 5 10º e 11º encontro
 
Asa de Papel
Asa de PapelAsa de Papel
Asa de Papel
 

Último

Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidação da alfabetização

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE JACAREÍSECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Gerência de Ensino Fundamental PNAIC – Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa Língua Portuguesa Unidade 3
  • 3. Objetivos do Caderno • Compreender que a aprendizagem da escrita alfabética constitui um processo de apropriação de um sistema de notação e não a aquisição de um código; • Refletir sobre a concepção de alfabetização, na perspectiva do letramento, aprofundando o exame das contribuições da psicogênese da escrita, de obras pedagógicas do PNBE do Professor e de outro publicados pelo MEC; • Refletir sobre as relações entre consciência fonológica e alfabetização, analisando e planejando atividades de refleão fonológica e gráfica, utilizando materiais distribuidos pelo MEC.
  • 4. 1. Apropriação do Sistema de Escrita Alfabética pelas crianças Que caminhos percorrem? Como aprendem Como podemos auxiliá-las em sua trajetória de aprendizagem? Ensino e Intervenção Artur Gomes de Morais Tânia Maria S.B. Rios Leite Carolina Figueiredo de Sá Ana Cláudia R. Gonçalves Pessoa
  • 5. 1.1 Alfabetização, letramento e princípios da educação Segundo Brasil, 2012, p. 10:
  • 6. Se dê de forma estreitamente articulada às comunidades [...], ampliando e valorizando os conhecimentos e vínculos das crianças com a realidade em que vivem. “Para que o processo de alfabetização das crianças contribua com o fortalecimento das identidades coletivas e diversos saberes dos povos do campo [e da área urbana] é preciso que: Neste sentido, não podemos dissociar: O desenvolvimento dos processos cognitivos dos formativos; A alfabetização das práticas sociais e culturais de escrita e leitura; O ensino das disciplinas escolares com os contextos econômicos, políticos e ambientais em que as crianças [...] estão inseridas”.
  • 7. 1.2 Alguns princípios do Sistema de Escrita Alfabética SEA Mero Código Mero Código Como ensinar a Língua Escrita Métodos e Processos Sistema Notacional Trabalho Cognitivo e Conceitual O que as letras notam? As crianças formulam ideias variadas sobre o SEA Como as letras notam? As crianças formulam ideias variadas sobre o SEA Como as crianças aprendem o SEA
  • 8. “[...] a escrita é um sistema notacional (FERREIRO, 1985, MORAIS, 2005), ou seja, é constituído de regras próprias e princípios abstratos e seu aprendizado implica um processo cognitivo complexo e conceitual por parte do aprendiz” (BRASIL, 2012, p. 10).
  • 9.
  • 10. Método Tradicional Segundo Moraes, pg. 46 – 2013: “Pressupõe que o aluno aprende repetindo e memorizando e decorando a equivalência entre as formas gráficas(letras) e os sons que elas substituem(fonemas), os aprendizes viriam a ser capazes de ‘decodificar’, ‘codificar’ palavras”.
  • 11. Quando ocorre na escrita da criança Transcrição: Intencionais Falta: Não conhece a letra Erro: Não conhece as regras
  • 12. Propriedades do SEA: “O que o aprendiz precisa reconstruir para se tornar alfabetizado”. MORAIS, 2012 apud BRASIL, 2012, p. 11
  • 13. 1. Escreve-se com letras, que não podem ser inventadas, que têm um repertório finito e que são diferentes de números e de outros símbolos. – Exemplo: A escrita da palavra bola não pode ser inventada ou escrita com números e outros símbolos BOLA  % Ѯ Ѫ 5 = BOLA? – Sugestão de atividades: Leve para a sala de aula palavras escritas com outros símbolos ou números e peçam as crianças para ler. Ou então, peça que escrevam palavras usando outros símbolos, troquem entre si, e tentem ler. Tente ler:
  • 14. 2. As letras têm formatos fixos e pequenas variações produzem mudanças na identidade das mesmas (p, q, b, d), embora uma letra assuma formatos variados (P, p, P, p). – A letra P será sempre “P”, e se mudar o sentido e a direção de sua grafia não será mais a letra “P” – Sugestão de atividades: Peça aos alunos que troquem as letras d, q, b e p, em palavras para ver o que acontece: bola pola, dola, qola documento  pocumento, bocumento, qocumento Essas palavras existem no SEA?
  • 15. 3. A ordem das letras no interior da palavra não pode ser mudada. 4. Uma letra pode se repetir no interior de uma palavra e em diferentes palavras, ao mesmo tempo em que distintas palavras compartilham as mesmas letras. – Ex. GATO AGTO ATOG GAOT É possível de ser lido? Há sentido dentro do SEA? Existem dentro do SEA? – Ex.: ELEFANTE ELEGANTE BELEZA 5. Nem todas as letras podem ocupar certas posições no interior das palavras e nem todas as letras podem vir juntas de quaisquer outras.
  • 16. 6. As letras notam ou substituem a pauta sonora das palavras que pronunciamos e nunca levam em conta as características físicas ou funcionais dos referentes que substituem. • O signo carro é composto; • Significado: Veículo de Transporte • Significante: Fônico: [KaRu] Gráfico: CARRO
  • 17. 7. As letras notam segmentos sonoros menores que as sílabas orais que pronunciamos. Ex.: – Apto (a – pi - to ) – Técnica (te – ki – ni - ca) – Afta (a – fi – ta) 8. As letras têm valores sonoros fixos, apesar de muitas terem mais de um valor sonoro e certos sons poderem ser notados com mais de uma letra. Ex.: – Março – Marsso – Faço – Fasso
  • 18. 9. As sílabas podem variar quanto às combinações entre consoantes e vogais (CV, CCV, CVV, CVC, V, VC, VCC, CCVCC...), mas a estrutura predominante no português é a sílaba CV (consoante- vogal), e todas as sílabas do português contêm, ao menos, uma vogal. Ex.: – CV FOCA – CCV  CLARO – CVV  CÃO
  • 19. 1.3 O percurso das crianças para compreenderem o SEA e possíveis intervenções didáticas dos professores As crianças elaboram hipóteses originais e coerentes sobre o sistema de escrita no decorrer de sua alfabetização Escrita espontânea  Similaridades “Períodos da Construção do SEA pelas crianças” (FERREIRO; THEBEROSKY, 1986)
  • 20. Etapas do Processo Alfabético Silábico - alfabético Silábico Pré-silábico
  • 21. Pré-silábico • A criança ainda não entende que a escrita registra a sequência de “pedaços sonoros” das palavras; • Num momento muito inicial, a criança, ao distinguir desenho de escrita, começa a produzir rabiscos, bolinhas e garatujas que ainda não são letras; Características
  • 22. Pré-silábico • De acordo com a observação das palavras ao seu redor (e aprendendo a reproduzir seu nome próprio ou outras palavras), ela passa a usar letras, mas sem estabelecer relação entre elas e as partes orais da palavra que quer escrever. Ou seja, ainda não compreende que o que a escrita representa (nota) são os sons da fala e não os próprios objetos com suas características. Características • Pode, inclusive, apresentar o que alguns estudiosos chamaram de realismo nominal, que a leva a pensar que coisas grandes (casa, carro, boi) seriam escritas com muitas letras, ao passo que coisas pequenas (formiguinha, por exemplo) seriam escritas com poucas letras. A criança cria duas hipóteses absolutamente originais: • A hipótese de quantidade mínima, segundo a qual é preciso ter no mínimo 3 (ou 2) letras para que algo possa ser lido; • A hipótese de variedade, ao descobrir que, para escrever palavras diferentes, é preciso variar a quantidade e a ordem das letras que usa, assim como o próprio repertório de letras que coloca no papel.
  • 23. Pré-silábico A criança cria duas hipóteses absolutamente originais: • A hipótese de quantidade mínima, segundo a qual é preciso ter no mínimo 3 (ou 2) letras para que algo possa ser lido; • A hipótese de variedade, ao descobrir que, para escrever palavras diferentes, é preciso variar a quantidade e a ordem das letras que usa, assim como o próprio repertório de letras que coloca no papel. Características
  • 25. Silábico • “A criança descobre que o que coloca no papel tem a ver com as partes orais que pronuncia, ao falar as palavras. Ingressa, assim, no período denominado por Ferreiro de ‘fonetização’ da escrita”. (FERREIRO, 1985). Características • Num momento de transição inicial, a criança ainda não planeja, cuidadosamente, quantas e quais letras vai colocar para cada palavra, mas demonstra que está começando a compreender que a escrita nota a pauta sonora das palavras, porque, ao ler o que acabou de escrever, busca fazer coincidir as sílabas orais que pronuncia com as letras que colocou no papel, de modo a não deixar que sobrem letras (no que escreveu).
  • 26. Silábico As escritas silábicas estritas seguem uma regra exigente: uma letra para cada sílaba pronunciada. Tais escritas podem ser de dois tipos: 1. Silábicas quantitativas ou “sem valor sonoro”, nas quais a criança tende a colocar, de forma rigorosa, uma letra para cada sílaba pronunciada, mas, na maior parte das vezes, usa letras que não correspondem a segmentos das sílabas orais da palavra escrita. Características 2. Silábicas qualitativas ou “com valor sonoro”, nas quais a criança se preocupa não só em colocar uma letra para cada sílaba da palavra que está escrevendo, mas coloca letras que correspondem a sons contidos nas sílabas orais daquela palavra.
  • 28. Silábico -alfabético • Um novo e enorme salto qualitativo ocorre e a criança começa a entender que o que a escrita nota ou registra no papel tem a ver com os pedaços sonoros das palavras, mas que é preciso “observar os sonzinhos no interior das sílabas”. • Começa, assim, a compreender, da mesma forme que os indivíduos já alfabetizados, o como a escrita nota a fala, percebendo que as letras representam sons menores que as sílabas, embora ainda oscile entre registrá- las com apenas uma letra (hipótese silábica) e registrá-las observando as relações entre grafemas-fonemas (hipótese alfabética). Características
  • 30. AlfabéticoAlfabético • As crianças escrevem com muitos erros ortográficos, mas já seguindo o princípio de que a escrita nota, de modo exaustivo, a pauta sonora das palavras, colocando letras para cada um dos “sonzinhos” que aparecem em cada sílaba, pois acreditam que a escrita é a transcrição exata da fala. • É apenas nesta fase que as crianças devem começar a refletir de forma sistemática sobre as convenções ortográficas, assim como só a partir daí é que se recomenda a escrita frequente em letra cursiva. Características “Devemos estar alertas, no entanto, para o fato de que ter alcançado uma hipótese alfabética não é sinônimo de estar alfabetizado. Se já compreendeu como o SEA funciona, a criança tem agora que dominar as convenções som-grafia de nossa língua. A consolidação da alfabetização, direito de aprendizagem a ser assegurado nos segundo e terceiro anos do primeiro ciclo, é o que vai permitir que nossas crianças leiam e produzam pequenos textos, com autonomia [...]” (BRASIL, 2012, p. 19, grifos nossos)
  • 31.
  • 32. 1.4 Consciência Fonológica: O que é? Qual sua importância para a alfabetização?
  • 33. A consciência fonológica consiste na capacidade de refletir conscientemente sobre as unidades sonoras das palavras e de manipulá-las de modo intencional (GOMBERT, 1990; FREITAS, 2004; MORAIS,2006).
  • 34. Segundo FREITAS, 2004; MORAIS e LEITE, 2005 apud BRASIL, 2012, p. 20, grifo nosso: “A consciência fonológica é um vasto conjunto de habilidades que nos permitem refletir sobre as partes sonoras das palavras e manipulá-las intencionalmente”.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Exemplos de Habilidades Observar que a palavra “janela” tem 3 “pedaços” (sílabas), que a palavra “casa” tem 2 “pedaços” e que, portanto, a primeira palavra é maior; Identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras (gato, bode, galho e mola), que as palavras gato e galho são as que “começam parecido”, porque começam com /ga/; Falar cavalo, quando lhe pedimos que diga uma palavra começada com o mesmo pedaço que aparece no início da palavra casa;
  • 41. Exemplos de Habilidades Identificar que no interior das palavras serpente e camaleão há outras palavras (pente, leão, cama); Identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras (chupeta, galinha, panela, varinha), que as palavras galinha e varinha terminam parecido, isto é, rimam;
  • 42. Exemplos de Habilidades Falar palavras como caminhão ou macarrão, quando lhe pedimos que diga uma palavra que rime com feijão; Identificar, ao lhe mostrarmos 4 figuras (vestido, martelo, vampiro, coruja), que as palavras vestido e vampiro são as que começam parecido, porque começam “com o mesmo sonzinho”.
  • 43. São os casos da norma ortográfica que não têm regras. São os casos da norma ortográfica que têm regras. Alfabetização Exemplo: Uso de H inicial ou de X e CH. Exemplo: Uso de r ou rr. Quando usar: Exemplo: r equivale a /R/ No início de palavras: roda, rico; Exemplo: r equivale a /R/ Depois de consoante: honra; Exemplo: Equivale a /r/ Entre vogais: ferida, moral; Exemplo: rr equivale a /R/ Entre vogais: Ferro, morrer.
  • 44. “[...] não devemos nunca reduzir consciência fonológica a consciência sobre os fonemas das palavras. Na realidade, diferentes pesquisas (MORAIS, 2004; AZEVEDO; MORAIS, 2011) têm demonstrado que mesmo crianças já alfabetizadas (inclusive por métodos fônicos) são praticamente incapazes de segmentar palavras dizendo um a um seus fonemas ou, inversamente, recompor uma palavra sintetizando seus fonemas escutados sequencialmente um a um”. (BRASIL, 2012, p. 21) Sempre acreditando que os alunos não têm que descobrir tudo sozinhos, entendemos que nós, professores, podemos ajudá-los mais se temos clareza sobre quais são as propriedades do sistema de escrita alfabética que eles precisam reconstruir.
  • 45.
  • 46. TAREFA DE CASA... 1. Retomar o quadro de “Acompanhamento da aprendizagem” (Perfil da sala ?????) de sua turma em relação apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e analisá-lo com base nas seguintes questões: 2. Planejar uma aula inspirada na experiência relatada na seção “Compartilhando”, utilizando o livro didático. – O que os alunos já sabem sobre a escrita? – O que eles ainda precisam aprender sobre a escrita?