SlideShare uma empresa Scribd logo
ENCONTRO ENTRE PAIS E EDUCADORES 1º ANO  - 2010
Na minha época, a alfabetização era tão diferente! Como o CIMAN trabalha a alfabetização? Quando meu(minha) filho(a) vai começar a ler e a escrever? Por que meu(minha) filho(a) traz tarefas para casa que envolvem a escrita se ele ainda não está totalmente alfabetizado? Eu vi, no mural da sala do meu filho, algumas produções de crianças com palavras escritas “erradas”. Por que isso não é corrigido? Meu filho, quando vai escrever do “seu jeito”, deixa de colocar algumas letras na palavra, por que isso acontece? Como devo orientar as tarefas de casa?
COMO  ENTENDEMOS  A  ALFABETIZAÇÃO    NO COLÉGIO CIMAN?
DURANTE ALGUM TEMPO, ERA IMPOSSÍVEL  FALAR  DE ALFABETIZAÇÃO SEM FALAR EM PERÍODO PREPARATÓRIO E EM TORNAR A  CRIANÇA  PRONTA PARA A APRENDIZAGEM (PRONTIDÃO). “PRÉ-ESCOLA”
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CONSTRUTIVISMO A DIFERENÇA FUNDAMENTAL JÁ NÃO SE SITUAVA ENTRE APRENDIZAGENS PRÉVIAS OU PRÉ-REQUISITOS QUE DARIAM LUGAR A APRENDIZAGENS POSTERIORES.
CONSTRUTIVISMO APRENDIZAGENS CONVENCIONAIS (NORMATIVAS) x APRENDIZAGENS  NÃO CONVENCIONAIS  ( NÃO NORMATIVAS)
“ SENDO CAPAZES DE ACEITAR COMO  APRENDIZAGENS  AS RESPOSTAS  NÃO NORMATIVAS DAS CRIANÇAS, ENTÃO PODÍAMOS VER  QUAIS OS ANTECEDENTES QUE FAZIAM PARTE DA  CONSTRUÇÃO  DO CONHECIMENTO.” Ana Teberosky
O TRABALHO PEDAGÓGICO DO  CIMAN , INCLUSIVE DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO,  TEM O FOCO NA   APRENDIZAGEM  DA  CRIANÇA .
A  APRENDIZAGEM  É ENTENDIDA COM UM  PROCESSO CONTÍNO  DE  DESENVOLVIMENTO .
“ ... POR TRÁS DA MÃO  QUE PEGA O LÁPIS, DOS OLHOS QUE OLHAM,  DOS OUVIDOS QUE ESCUTAM, HÁ UMA CRIANÇA QUE PENSA "  (EMÍLIA FERREIRO)
ALFABETIZAÇÃO =  MUITOS DESAFIOS  1- DESVENDAR O SISTEMA ALFABÉTICO DE ESCRITA,  OU SEJA, DESCOBRIR COMO É POSSÍVEL, COM UM NÚMERO LIMITADO DE LETRAS (O ALFABETO), REPRESENTAR UM NÚMERO INFINITO DE PALAVRAS.
ALFABETIZAÇÃO =  MUITOS DESAFIOS  2-  COMPREENDER A TRANSFORMAÇÃO DE MARCAS GRÁFICAS EM LINGUAGEM.  ( O ATO DE LER ENVOLVE A DECOFICAÇÃO E  A ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADO)
ALFABETIZAÇÃO =  MUITOS DESAFIOS    APODERAR-SE DE  UM SISTEMA DE GRAFIA  QUE ENVOLVE RECONHECER  E, PROGRESSIVAMENTE, ESTABELECER RELAÇÕES    GRÁFICAS, SONORAS E    ORTOGRÁFICAS .
AS CRIANÇAS  Têm muitos  conhecimentos adquiridos ao longo da vida, desde o momento que nascem;  Têm histórias de vida ( e de aprendizagens)  diferentes entre si. Pensam e, portanto, são  capazes de pensar sobre o que precisa ser feito, sobre o que fazem ou sobre o que queriam fazer;
AS CRIANÇAS  Aprendem quando são convidadas a pensar/repensar sobre suas ações /produções;   Desenvolvem “ lógicas próprias ” para pensar sobre a escrita.   São capazes de desenvolver, progressivamente e em momentos diferentes,  habilidades  para utilizar o sistema alfabético da escrita .
Apropriar-se da língua escrita envolve, dentre outras coisas, estabelecer relações entre dois processos:  ler e escrever .
Na aprendizagem desses processos, as crianças percorrem um longo caminho, passando por  diferentes momentos de elaboração.
A  criança constrói hipóteses, resolve problemas e elabora conceituações sobre o escrito – um processo que permite construções  não-convencionais (não normativas)
  Escrita Pré-Silábica Ausência de correspondência entre letras e sons. Elas escrevem uma série de letras e depois lêem-nas sem fazer nenhum tipo de análise.
A criança tenta nesse nível:  Diferenciar desenho e escrita   Utilizar no mínimo duas ou três letras para poder escrever palavras   Reproduzir os traços da escrita, de acordo com seu contato com as formas gráficas, escolhendo a que lhe é mais familiar para usar nas suas hipóteses de escrita  Muitas vezes, ela já percebe que é preciso variar os caracteres para obter palavras diferentes.
 
 
CRIANDO OUTRO FINAL PARA UMA HISTÓRIA
  Escrita Silábica A criança descobre que as partes do escrito (suas letras) podem ser controladas por meio das sílabas da palavra.  As letras que utiliza podem  ou não ser pertinentes sob o ponto de vista do valor sonoro; no entanto, sempre há uma correspondência entre quantidade de sílabas e quantidade de letras.
ELEFANTE SAPATO Uma  letra  para  representar  cada  sílaba...
P I R U L I T O C H I C L E T E C H O C O L A T E
 
Silábico-Alfabético    A criança começa a superar a hipótese silábica e avança para a hipótese alfabética, podendo “misturar” as duas hipóteses na mesma palavra.   A criança pode escolher as letras de forma ortográfica ou fonética .
Oscilando entre usar uma letra  para representar cada sílaba e  a representação da sílaba completa...
 
Escrita Alfabética Se caracteriza pela correspondência sistemática entre letras e fonemas, mesmo que, muitas vezes, a ortografia não seja convencional.
Representa alfabeticamente (nem sempre ortograficamente) cada fonema da palavra...
 
 
Incluindo  progressivamente  aspectos  ortográficos  em  sua  produção  escrita
Podemos entender o processo de aquisição da escrita pelas crianças sob diferentes pontos de vista
 O ponto de vista mais comum onde a escrita é imutável e deve se seguir o modelo "correto" do adulto.    APRENDIZAGENS CONVENCIONAIS (NORMATIVAS)
 O ponto de vista do trabalho da psicogênese da Língua escrita  (Emília Ferreiro – Ana Teberosky) onde escrita é um objeto de conhecimento, levando em conta as tentativas individuais infantis . O “erro” é construtivo – demonstra um processo de construção.   APRENDIZAGENS  NÃO CONVENCIONAIS (NÃO NORMATIVAS)
 O ponto de vista da interação, o aspecto social da língua escrita, onde a alfabetização é um processo discursivo.  (letramento)
Quando a criança  “erra”,  é interessante:   Perceber  e verbalizar o que ela “acertou” (ter em mente que ela está aprendendo).  Desafiá-la, por meio de questionamentos, a refletir sobre  o que fez e sobre  o que pretendia fazer.   Fornecer informações complementares.  Desafiá-la a revisar sua  produção e a tentar novamente.
Quando a criança  “erra”,  NÃO é interessante:   Criticá-la  ou demonstrar aborrecimento por que ela errou  (ter em mente que ela está aprendendo).  Compará-la com outras pessoas que “erram menos” (irmãos, colegas, primos,  com a mãe ou com o pai quando eram crianças).   “Desautorizar” a criança e  toda a sua  produção por causa dos “erros”. Sua produção se baseia em uma hipótese sobre a escrita  (nem tudo está “errado”).
Então, vamos deixar a criança fazer do seu jeito, escrever do seu jeito, não se preocupar com os erros, deixar que ela vá aprendendo sozinha,  no seu ritmo?
NÃO! Não é porque a criança participa de forma direta da construção do seu conhecimento que não seja preciso ensiná-la.
Nessa perspectiva, ensinar é  organizar atividades que favoreçam a reflexão da criança sobre a escrita, porque é pensando que ela aprende.
PARA  NÍVEIS DIFERENTES - OBJETIVOS DIFERENTES  PARA  OBJETIVOS DIFERENTES - INTERVENÇÕES  DIFERENTES E DIVERSIFICADAS.
 PRODUÇÕES EM DUPLAS    PRODUÇÕES EM GRUPO  INTERVENÇÕES DA PROFESSORA  ATIVIDADES DIVERSIFICADAS  NÍVEIS DIFERENCIADOS DE EXIGÊNCIA
Exemplo de uma possibilidade de  mediação pelo professor para intervir na hipótese da criança:     B_R__ _L_TA Escrita  inicial da criança para a palavra BORBOLETA. Hipótese silábico-alfabética. Jogo proposto pela professora  -  Cada tracinho que você está vendo  é uma letra que você terá que descobrir  (pensando) qual é, pois faz parte dessa palavra.  Escrita  final da criança. .
Em que aspectos a criança precisa pensar quando é convidada a escrever?
 O que quero escrever?  Como se escreve?   Quantas letras usar?   Quais letras usar?  Como se faz essas letras.  Na segmentação dos espaços em branco  Na relação fonema-grafema  Para quê/ para quem estou escrevendo  Quem ler o que escrevi vai entender?
  DESAFIOS A SEREM VENCIDOS  PELA CRIANÇA,    NO DECORRER DO 1o ANO  Refletir sobre o código escrito, avançar em suas hipóteses.    Reconhecer e empregar letras e fonemas adequados ao que quer escrever.  Transformar, progresivamente,  a escrita escrita “hipotética” em uma escrita “alfabética”.
DESAFIOS A SEREM VENCIDOS  PELA CRIANÇA,    NO DECORRER DO 1o ANO  Ter habilidade para se comunicar por escrito.  Ter habilidade para decodificar e interpretar textos escritos.  Ler e atribuir sentido ao que foi lido.  Associar, progressivamente, algumas características ortográficas à escrita das palavras.
 Produzir textos de autoria, com uma função social definida e com “leitores de verdade” (projetos).  Conhecer e utilizar alguns  elementos básicos de organização textual e pontuação.   Desenvolver habilidades para revisar o que escreveu.   Conhecer, identificar, traçar corretamente e utilizar a letra cursiva.
 
 
E NAS TAREFAS DE CASA, COMO AJUDAR?  DEFINA  E PREPARE UM LOCAL ADEQUADO.  ORGANIZE ROTINA (CRITÉRIOS) E HORÁRIOS.  A TAREFA É DA CRIANÇA – ENSINE-A A  RESPONSABILIZAR-SE POR ELA.  A TAREFA É REFERENTE A ALGO QUE ELA JÁ VIVENCIOU/APRENDEU NA ESCOLA.   DIFERENCIE “AJUDAR” DE “FAZER POR”.   OUÇA COM ATENÇÃO E, SEMPRE QUE POSSÍVEL, “DEVOLVA” AS PERGUNTAS DA CRIANÇA SOBRE A TAREFA AO INVÉS DE RESPONDÊ-LAS PRONTAMENTE.   VALORIZE AS PRODUÇÕES DA CRIANÇA.   SEJA CUIDADOSO AO FAZER COMENTÁRIOS.
É IMPORTANTE  QUE A CRIANÇA TENHA, EM DIFERENTES MOMENTOS, CONTATO COM DIVERSOS MODELOS DE LEITOR.  ( LEIA PARA ELA)
  O que é necessário para construir uma história de sucesso na alfabetização?
O(A)  protagonista  – um(a) pequeno(a) aprendiz inteligente, que realiza inferências, que estabelece relações, que procura explicações, que pensa sobre o que faz.
Cenários  (casa/escola)–  ambientes (alfabetizadores) ricos, estimulantes e organizados intencionalmente  para que a  aprendizagem  se estabeleça da melhor maneira possível .
Os (As) co-protagonistas  –  pais e professores que se interessam pelo(a) pequeno(a), a quem ensinam, que dele(a) se  ocupam  e  o(a) ajudam a  crescer .  Pessoas solícitas, atentas, intuitivas, instigantes, questionadoras, exigentes (não intransigentes) e apaixonadamente interessadas no que a criança faz, diz e pensa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartilha
CartilhaCartilha
Aprendendo sobre alfabetização e letramento
Aprendendo sobre alfabetização e letramentoAprendendo sobre alfabetização e letramento
Aprendendo sobre alfabetização e letramento
Maria Clara Catanho
 
Concepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacaoConcepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacao
angelafreire
 
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escritaOrganizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
assessoriapedagogica
 
Psicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferrero
Psicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferreroPsicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferrero
Psicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferrero
Elaine Dourado
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Alekson Morais
 
Palestra alfabetização
Palestra alfabetizaçãoPalestra alfabetização
Palestra alfabetização
GiseleDuraesPrudencio
 
Alfabetização com letramento
Alfabetização com letramentoAlfabetização com letramento
Alfabetização com letramento
Nice Lacerda
 
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃOCARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
Sandra Lourenco
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
Ana Paula Epifanio
 
Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita
ELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Oficina leitura e escrita
Oficina leitura e escritaOficina leitura e escrita
Oficina leitura e escrita
Luciana Sá
 
Intervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escritaIntervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escrita
Elaine Mesquita
 
A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve
Dinny Rubini
 
Processo e objetivos da alfabetização
Processo e objetivos da alfabetizaçãoProcesso e objetivos da alfabetização
Processo e objetivos da alfabetização
Jean Carvalho
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
Olívia Oliveira
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Edeil Reis do Espírito Santo
 
Psicogenese lingua escrita
Psicogenese lingua escritaPsicogenese lingua escrita
Psicogenese lingua escrita
Marcia Miranda
 
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaHipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Anne Cunha Silveira
 
Alfabetizao métodos
Alfabetizao   métodosAlfabetizao   métodos
Alfabetizao métodos
Dennyse Azevedo
 

Mais procurados (20)

Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Aprendendo sobre alfabetização e letramento
Aprendendo sobre alfabetização e letramentoAprendendo sobre alfabetização e letramento
Aprendendo sobre alfabetização e letramento
 
Concepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacaoConcepcao de alfabetizacao
Concepcao de alfabetizacao
 
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escritaOrganizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
Organizando o trabalho a partir dos níveis da escrita
 
Psicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferrero
Psicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferreroPsicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferrero
Psicogênese da língua escrita ana teberosky e emilia ferrero
 
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento   psicogênese da língua escritaApresentação planejamento   psicogênese da língua escrita
Apresentação planejamento psicogênese da língua escrita
 
Palestra alfabetização
Palestra alfabetizaçãoPalestra alfabetização
Palestra alfabetização
 
Alfabetização com letramento
Alfabetização com letramentoAlfabetização com letramento
Alfabetização com letramento
 
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃOCARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
CARTILHA : ALFABETIZAÇÃO
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita
 
Oficina leitura e escrita
Oficina leitura e escritaOficina leitura e escrita
Oficina leitura e escrita
 
Intervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escritaIntervenções no processo da aquisição da escrita
Intervenções no processo da aquisição da escrita
 
A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve
 
Processo e objetivos da alfabetização
Processo e objetivos da alfabetizaçãoProcesso e objetivos da alfabetização
Processo e objetivos da alfabetização
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
 
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
Discutindo diagnósticos de escrita (SLIDES 3ª Formação NUALFA)
 
Psicogenese lingua escrita
Psicogenese lingua escritaPsicogenese lingua escrita
Psicogenese lingua escrita
 
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua EscrítaHipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
Hipóteses da Psicogêse da Língua Escríta
 
Alfabetizao métodos
Alfabetizao   métodosAlfabetizao   métodos
Alfabetizao métodos
 

Semelhante a Processo E Objetivos Da Alfabetização

Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013
Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
J. C.
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
Fabiana Lopes
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
chagasl
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
chagasl
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 
Alfabetização letramento
Alfabetização  letramentoAlfabetização  letramento
Alfabetização letramento
Micheli Rader
 
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp022slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
Isabela Maggot
 
2º slide primeiro encontro encontro
2º slide primeiro encontro encontro2º slide primeiro encontro encontro
2º slide primeiro encontro encontro
orientacoesdidaticas
 
As particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábicoAs particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábico
Edna Silva Santos
 
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp022slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
Flávia Boni
 
hipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdf
hipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdfhipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdf
hipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdf
Renata479659
 
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITAPSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
Terapia online
 
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Bete Feliciano
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
Armazém Do Educador
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
Marisa Seara
 
Peb i hipóteses de escrita texto
Peb i hipóteses de  escrita  textoPeb i hipóteses de  escrita  texto
Peb i hipóteses de escrita texto
marcaocampos
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
Claudio Pessoa
 
Programa-de-Alfabetização-IAB.pdf
Programa-de-Alfabetização-IAB.pdfPrograma-de-Alfabetização-IAB.pdf
Programa-de-Alfabetização-IAB.pdf
AparecidadeArajoSilv
 
Resumo sea
Resumo seaResumo sea
Resumo sea
Gisele Silva
 
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroComo fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Carilusa Branchi
 

Semelhante a Processo E Objetivos Da Alfabetização (20)

Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013
Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Alfabetização letramento
Alfabetização  letramentoAlfabetização  letramento
Alfabetização letramento
 
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp022slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
 
2º slide primeiro encontro encontro
2º slide primeiro encontro encontro2º slide primeiro encontro encontro
2º slide primeiro encontro encontro
 
As particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábicoAs particularidades das escritas silábico
As particularidades das escritas silábico
 
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp022slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
2slideprimeiroencontroencontro 120628123600-phpapp02
 
hipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdf
hipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdfhipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdf
hipotesesdeescrita-120704121619-phpapp01.pdf
 
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITAPSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
 
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
 
Peb i hipóteses de escrita texto
Peb i hipóteses de  escrita  textoPeb i hipóteses de  escrita  texto
Peb i hipóteses de escrita texto
 
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA - SEA
 
Programa-de-Alfabetização-IAB.pdf
Programa-de-Alfabetização-IAB.pdfPrograma-de-Alfabetização-IAB.pdf
Programa-de-Alfabetização-IAB.pdf
 
Resumo sea
Resumo seaResumo sea
Resumo sea
 
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiroComo fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
Como fazer o teste das quatro palavras e uma frase de emilia ferreiro
 

Mais de J. C.

Uso de tecnologias
Uso de tecnologiasUso de tecnologias
Uso de tecnologias
J. C.
 
Tecnologias na educacao
Tecnologias na educacaoTecnologias na educacao
Tecnologias na educacao
J. C.
 
Pais maus
Pais mausPais maus
Pais maus
J. C.
 
A perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relaçãoA perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relação
J. C.
 
Quero
QueroQuero
Quero
J. C.
 
Pequeno prncipe
Pequeno prncipePequeno prncipe
Pequeno prncipe
J. C.
 
Ni
NiNi
Ni
J. C.
 
Meuanivers rio
Meuanivers rioMeuanivers rio
Meuanivers rio
J. C.
 
Sejascout
SejascoutSejascout
Sejascout
J. C.
 
Cartilha00
Cartilha00Cartilha00
Cartilha00
J. C.
 
Cartilha00
Cartilha00Cartilha00
Cartilha00
J. C.
 
Amor
AmorAmor
Amor
J. C.
 
Fotos gincana
Fotos gincanaFotos gincana
Fotos gincana
J. C.
 
Fotografías
FotografíasFotografías
Fotografías
J. C.
 
Fotografías
FotografíasFotografías
Fotografías
J. C.
 
A Alma Da Mulher
A Alma Da MulherA Alma Da Mulher
A Alma Da Mulher
J. C.
 
Colegas de trabalho
Colegas de trabalhoColegas de trabalho
Colegas de trabalho
J. C.
 
Bem Vindo Ao Escoteiro
Bem Vindo Ao EscoteiroBem Vindo Ao Escoteiro
Bem Vindo Ao Escoteiro
J. C.
 
Um Movimento De Jovens
Um Movimento De JovensUm Movimento De Jovens
Um Movimento De Jovens
J. C.
 
Palestra Informativa Ueb Df
Palestra Informativa Ueb DfPalestra Informativa Ueb Df
Palestra Informativa Ueb Df
J. C.
 

Mais de J. C. (20)

Uso de tecnologias
Uso de tecnologiasUso de tecnologias
Uso de tecnologias
 
Tecnologias na educacao
Tecnologias na educacaoTecnologias na educacao
Tecnologias na educacao
 
Pais maus
Pais mausPais maus
Pais maus
 
A perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relaçãoA perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relação
 
Quero
QueroQuero
Quero
 
Pequeno prncipe
Pequeno prncipePequeno prncipe
Pequeno prncipe
 
Ni
NiNi
Ni
 
Meuanivers rio
Meuanivers rioMeuanivers rio
Meuanivers rio
 
Sejascout
SejascoutSejascout
Sejascout
 
Cartilha00
Cartilha00Cartilha00
Cartilha00
 
Cartilha00
Cartilha00Cartilha00
Cartilha00
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Fotos gincana
Fotos gincanaFotos gincana
Fotos gincana
 
Fotografías
FotografíasFotografías
Fotografías
 
Fotografías
FotografíasFotografías
Fotografías
 
A Alma Da Mulher
A Alma Da MulherA Alma Da Mulher
A Alma Da Mulher
 
Colegas de trabalho
Colegas de trabalhoColegas de trabalho
Colegas de trabalho
 
Bem Vindo Ao Escoteiro
Bem Vindo Ao EscoteiroBem Vindo Ao Escoteiro
Bem Vindo Ao Escoteiro
 
Um Movimento De Jovens
Um Movimento De JovensUm Movimento De Jovens
Um Movimento De Jovens
 
Palestra Informativa Ueb Df
Palestra Informativa Ueb DfPalestra Informativa Ueb Df
Palestra Informativa Ueb Df
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

Processo E Objetivos Da Alfabetização

  • 1. ENCONTRO ENTRE PAIS E EDUCADORES 1º ANO - 2010
  • 2. Na minha época, a alfabetização era tão diferente! Como o CIMAN trabalha a alfabetização? Quando meu(minha) filho(a) vai começar a ler e a escrever? Por que meu(minha) filho(a) traz tarefas para casa que envolvem a escrita se ele ainda não está totalmente alfabetizado? Eu vi, no mural da sala do meu filho, algumas produções de crianças com palavras escritas “erradas”. Por que isso não é corrigido? Meu filho, quando vai escrever do “seu jeito”, deixa de colocar algumas letras na palavra, por que isso acontece? Como devo orientar as tarefas de casa?
  • 3. COMO ENTENDEMOS A ALFABETIZAÇÃO NO COLÉGIO CIMAN?
  • 4. DURANTE ALGUM TEMPO, ERA IMPOSSÍVEL FALAR DE ALFABETIZAÇÃO SEM FALAR EM PERÍODO PREPARATÓRIO E EM TORNAR A CRIANÇA PRONTA PARA A APRENDIZAGEM (PRONTIDÃO). “PRÉ-ESCOLA”
  • 5.
  • 6. CONSTRUTIVISMO A DIFERENÇA FUNDAMENTAL JÁ NÃO SE SITUAVA ENTRE APRENDIZAGENS PRÉVIAS OU PRÉ-REQUISITOS QUE DARIAM LUGAR A APRENDIZAGENS POSTERIORES.
  • 7. CONSTRUTIVISMO APRENDIZAGENS CONVENCIONAIS (NORMATIVAS) x APRENDIZAGENS NÃO CONVENCIONAIS ( NÃO NORMATIVAS)
  • 8. “ SENDO CAPAZES DE ACEITAR COMO APRENDIZAGENS AS RESPOSTAS NÃO NORMATIVAS DAS CRIANÇAS, ENTÃO PODÍAMOS VER QUAIS OS ANTECEDENTES QUE FAZIAM PARTE DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO.” Ana Teberosky
  • 9. O TRABALHO PEDAGÓGICO DO CIMAN , INCLUSIVE DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO, TEM O FOCO NA APRENDIZAGEM DA CRIANÇA .
  • 10. A APRENDIZAGEM É ENTENDIDA COM UM PROCESSO CONTÍNO DE DESENVOLVIMENTO .
  • 11. “ ... POR TRÁS DA MÃO QUE PEGA O LÁPIS, DOS OLHOS QUE OLHAM, DOS OUVIDOS QUE ESCUTAM, HÁ UMA CRIANÇA QUE PENSA " (EMÍLIA FERREIRO)
  • 12. ALFABETIZAÇÃO = MUITOS DESAFIOS 1- DESVENDAR O SISTEMA ALFABÉTICO DE ESCRITA, OU SEJA, DESCOBRIR COMO É POSSÍVEL, COM UM NÚMERO LIMITADO DE LETRAS (O ALFABETO), REPRESENTAR UM NÚMERO INFINITO DE PALAVRAS.
  • 13. ALFABETIZAÇÃO = MUITOS DESAFIOS 2- COMPREENDER A TRANSFORMAÇÃO DE MARCAS GRÁFICAS EM LINGUAGEM. ( O ATO DE LER ENVOLVE A DECOFICAÇÃO E A ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADO)
  • 14. ALFABETIZAÇÃO = MUITOS DESAFIOS APODERAR-SE DE UM SISTEMA DE GRAFIA QUE ENVOLVE RECONHECER E, PROGRESSIVAMENTE, ESTABELECER RELAÇÕES GRÁFICAS, SONORAS E ORTOGRÁFICAS .
  • 15. AS CRIANÇAS  Têm muitos conhecimentos adquiridos ao longo da vida, desde o momento que nascem;  Têm histórias de vida ( e de aprendizagens) diferentes entre si. Pensam e, portanto, são capazes de pensar sobre o que precisa ser feito, sobre o que fazem ou sobre o que queriam fazer;
  • 16. AS CRIANÇAS  Aprendem quando são convidadas a pensar/repensar sobre suas ações /produções;  Desenvolvem “ lógicas próprias ” para pensar sobre a escrita.  São capazes de desenvolver, progressivamente e em momentos diferentes, habilidades para utilizar o sistema alfabético da escrita .
  • 17. Apropriar-se da língua escrita envolve, dentre outras coisas, estabelecer relações entre dois processos: ler e escrever .
  • 18. Na aprendizagem desses processos, as crianças percorrem um longo caminho, passando por diferentes momentos de elaboração.
  • 19. A criança constrói hipóteses, resolve problemas e elabora conceituações sobre o escrito – um processo que permite construções não-convencionais (não normativas)
  • 20. Escrita Pré-Silábica Ausência de correspondência entre letras e sons. Elas escrevem uma série de letras e depois lêem-nas sem fazer nenhum tipo de análise.
  • 21. A criança tenta nesse nível:  Diferenciar desenho e escrita  Utilizar no mínimo duas ou três letras para poder escrever palavras  Reproduzir os traços da escrita, de acordo com seu contato com as formas gráficas, escolhendo a que lhe é mais familiar para usar nas suas hipóteses de escrita Muitas vezes, ela já percebe que é preciso variar os caracteres para obter palavras diferentes.
  • 22.  
  • 23.  
  • 24. CRIANDO OUTRO FINAL PARA UMA HISTÓRIA
  • 25. Escrita Silábica A criança descobre que as partes do escrito (suas letras) podem ser controladas por meio das sílabas da palavra. As letras que utiliza podem ou não ser pertinentes sob o ponto de vista do valor sonoro; no entanto, sempre há uma correspondência entre quantidade de sílabas e quantidade de letras.
  • 26. ELEFANTE SAPATO Uma letra para representar cada sílaba...
  • 27. P I R U L I T O C H I C L E T E C H O C O L A T E
  • 28.  
  • 29. Silábico-Alfabético  A criança começa a superar a hipótese silábica e avança para a hipótese alfabética, podendo “misturar” as duas hipóteses na mesma palavra.  A criança pode escolher as letras de forma ortográfica ou fonética .
  • 30. Oscilando entre usar uma letra para representar cada sílaba e a representação da sílaba completa...
  • 31.  
  • 32. Escrita Alfabética Se caracteriza pela correspondência sistemática entre letras e fonemas, mesmo que, muitas vezes, a ortografia não seja convencional.
  • 33. Representa alfabeticamente (nem sempre ortograficamente) cada fonema da palavra...
  • 34.  
  • 35.  
  • 36. Incluindo progressivamente aspectos ortográficos em sua produção escrita
  • 37. Podemos entender o processo de aquisição da escrita pelas crianças sob diferentes pontos de vista
  • 38.  O ponto de vista mais comum onde a escrita é imutável e deve se seguir o modelo "correto" do adulto. APRENDIZAGENS CONVENCIONAIS (NORMATIVAS)
  • 39.  O ponto de vista do trabalho da psicogênese da Língua escrita (Emília Ferreiro – Ana Teberosky) onde escrita é um objeto de conhecimento, levando em conta as tentativas individuais infantis . O “erro” é construtivo – demonstra um processo de construção. APRENDIZAGENS NÃO CONVENCIONAIS (NÃO NORMATIVAS)
  • 40.  O ponto de vista da interação, o aspecto social da língua escrita, onde a alfabetização é um processo discursivo. (letramento)
  • 41. Quando a criança “erra”, é interessante:  Perceber e verbalizar o que ela “acertou” (ter em mente que ela está aprendendo).  Desafiá-la, por meio de questionamentos, a refletir sobre o que fez e sobre o que pretendia fazer.  Fornecer informações complementares.  Desafiá-la a revisar sua produção e a tentar novamente.
  • 42. Quando a criança “erra”, NÃO é interessante:  Criticá-la ou demonstrar aborrecimento por que ela errou (ter em mente que ela está aprendendo).  Compará-la com outras pessoas que “erram menos” (irmãos, colegas, primos, com a mãe ou com o pai quando eram crianças).  “Desautorizar” a criança e toda a sua produção por causa dos “erros”. Sua produção se baseia em uma hipótese sobre a escrita (nem tudo está “errado”).
  • 43. Então, vamos deixar a criança fazer do seu jeito, escrever do seu jeito, não se preocupar com os erros, deixar que ela vá aprendendo sozinha, no seu ritmo?
  • 44. NÃO! Não é porque a criança participa de forma direta da construção do seu conhecimento que não seja preciso ensiná-la.
  • 45. Nessa perspectiva, ensinar é organizar atividades que favoreçam a reflexão da criança sobre a escrita, porque é pensando que ela aprende.
  • 46. PARA NÍVEIS DIFERENTES - OBJETIVOS DIFERENTES PARA OBJETIVOS DIFERENTES - INTERVENÇÕES DIFERENTES E DIVERSIFICADAS.
  • 47.  PRODUÇÕES EM DUPLAS  PRODUÇÕES EM GRUPO  INTERVENÇÕES DA PROFESSORA  ATIVIDADES DIVERSIFICADAS  NÍVEIS DIFERENCIADOS DE EXIGÊNCIA
  • 48. Exemplo de uma possibilidade de mediação pelo professor para intervir na hipótese da criança: B_R__ _L_TA Escrita inicial da criança para a palavra BORBOLETA. Hipótese silábico-alfabética. Jogo proposto pela professora - Cada tracinho que você está vendo é uma letra que você terá que descobrir (pensando) qual é, pois faz parte dessa palavra. Escrita final da criança. .
  • 49. Em que aspectos a criança precisa pensar quando é convidada a escrever?
  • 50.  O que quero escrever?  Como se escreve?  Quantas letras usar?  Quais letras usar?  Como se faz essas letras.  Na segmentação dos espaços em branco  Na relação fonema-grafema  Para quê/ para quem estou escrevendo  Quem ler o que escrevi vai entender?
  • 51. DESAFIOS A SEREM VENCIDOS PELA CRIANÇA, NO DECORRER DO 1o ANO  Refletir sobre o código escrito, avançar em suas hipóteses.  Reconhecer e empregar letras e fonemas adequados ao que quer escrever.  Transformar, progresivamente, a escrita escrita “hipotética” em uma escrita “alfabética”.
  • 52. DESAFIOS A SEREM VENCIDOS PELA CRIANÇA, NO DECORRER DO 1o ANO  Ter habilidade para se comunicar por escrito.  Ter habilidade para decodificar e interpretar textos escritos.  Ler e atribuir sentido ao que foi lido.  Associar, progressivamente, algumas características ortográficas à escrita das palavras.
  • 53.  Produzir textos de autoria, com uma função social definida e com “leitores de verdade” (projetos).  Conhecer e utilizar alguns elementos básicos de organização textual e pontuação.  Desenvolver habilidades para revisar o que escreveu.  Conhecer, identificar, traçar corretamente e utilizar a letra cursiva.
  • 54.  
  • 55.  
  • 56. E NAS TAREFAS DE CASA, COMO AJUDAR?  DEFINA E PREPARE UM LOCAL ADEQUADO.  ORGANIZE ROTINA (CRITÉRIOS) E HORÁRIOS.  A TAREFA É DA CRIANÇA – ENSINE-A A RESPONSABILIZAR-SE POR ELA.  A TAREFA É REFERENTE A ALGO QUE ELA JÁ VIVENCIOU/APRENDEU NA ESCOLA.  DIFERENCIE “AJUDAR” DE “FAZER POR”.  OUÇA COM ATENÇÃO E, SEMPRE QUE POSSÍVEL, “DEVOLVA” AS PERGUNTAS DA CRIANÇA SOBRE A TAREFA AO INVÉS DE RESPONDÊ-LAS PRONTAMENTE.  VALORIZE AS PRODUÇÕES DA CRIANÇA.  SEJA CUIDADOSO AO FAZER COMENTÁRIOS.
  • 57. É IMPORTANTE QUE A CRIANÇA TENHA, EM DIFERENTES MOMENTOS, CONTATO COM DIVERSOS MODELOS DE LEITOR. ( LEIA PARA ELA)
  • 58. O que é necessário para construir uma história de sucesso na alfabetização?
  • 59. O(A) protagonista – um(a) pequeno(a) aprendiz inteligente, que realiza inferências, que estabelece relações, que procura explicações, que pensa sobre o que faz.
  • 60. Cenários (casa/escola)– ambientes (alfabetizadores) ricos, estimulantes e organizados intencionalmente para que a aprendizagem se estabeleça da melhor maneira possível .
  • 61. Os (As) co-protagonistas – pais e professores que se interessam pelo(a) pequeno(a), a quem ensinam, que dele(a) se ocupam e o(a) ajudam a crescer . Pessoas solícitas, atentas, intuitivas, instigantes, questionadoras, exigentes (não intransigentes) e apaixonadamente interessadas no que a criança faz, diz e pensa.