SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES
DETERMINANTES NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO”
Exercício 3
Resumo do texto de Hugo C. Silvestre e Maria João C. Silvestre
Trabalho elaborado por:
Nome: Bárbara Morim
Nº de aluno: A83540
Email: a83540@alunos.uminho.pt
Data: 09/10/2017
1º ano - Relações Internacionais – Metodologia da Ciência Política
“A ciência nunca resolve um problema sem criar pelo menos outros dez.”
George Bernard Shaw,(1856-1950) [1]
“ O começo de todas as ciências é o espanto de as coisas serem o que são. ”
Aristóteles, (384 A.C.-322 A.C.)[2]
[1] George Bernard Shaw- (Dublin, 1856-1950) dramaturgo, romancista e jornalista irlandês. Cofundador da London School of Economics.
Inconformista a nível social, destacou-se no socialismo fabiano (movimento político-social britânico).
[2] Aristóteles – (Estagira, 384 A.C.– Atenas, 322 A.C.)Filósofo Grego, visto como um dos fundadores da filosofia ocidental.
ÍNDICE:
1.Introdução
A. Etapa inicial da pesquisa científica;
B. Papel do investigador na pesquisa;
2. Tipos de pesquisa
A. Diferentes tipos de pesquisa;
B. Pesquisa, natureza dos dados, modelos e
metodologias associadas
3. A origem e escolha do tema
A. Base de ideias para a pesquisa;
B. Revisão da literatura para a definição do tema;
4. Problema de pesquisa e
Pergunta de partida
A. Problema de partida;
B. Pergunta de Partida;
C. Objetivos da pesquisa;
5. Bibliografia
Conceitos-chave: pesquisa científica, área de pesquisa, tema de pesquisa, problema de pesquisa, pergunta de partida
1. INTRODUÇÃO
1. A. Etapa inicial da pesquisa científica
Pesquisa científica
• “ Processo composto por múltiplas etapas relacionadas entre si, que pode ou
não ocorrer de forma sequencial ou contínua”- (Sampieri, Collado e Lucio,
2006:xxiv);
• Processo que abrange a metodologia, método, modelo, teoria, hipóteses e
conceitos;[3]
[3] Relembrar Exercício 1 e 2
[4] Estado de arte: modelo mais atual reconhecido por uma comunidade científica
Requisitos indispensáveis da pesquisa segundo King, Keohane e Verba (1994):
→ abranja um aspeto relevante da realidade social, pelo que o resultado da
pesquisa deve enriquecer a compreensão desse mesmo mundo real;
→ a base da pesquisa seja o estado de arte [4] da temática em análise, pelo que
assim, poderá contribuir com novos conhecimentos importantes para a
comunidade científica.
1. INTRODUÇÃO
1. A. Etapa inicial da pesquisa científica (cont.)
❶ ❷ ❸ ❹ ❺ ❻ ❼
Área de pesquisa
Tema a analisar: engloba o
problema, a literatura da
temática e o contexto em
que se insere.
Questões de Pesquisa
Hipóteses que
comprovam a
teoria ou que
baseiam uma
nova teoria
Mapeamento
da investigação
Recolha e análise de dados
Teste das Hipóteses
Etapa inicial da pesquisa- fase pré-empírica Fase Empírica
Diagrama 1. Sequência da pesquisa empírica
Fonte: Silvestre, H e Silvestre, M. (2011),
Metodologia para a Investigação Social. Escolar
Editora, pp38, Gráfico 3.1. enfâse de Bárbara
Morim
1. INTRODUÇÃO
1. B. Papel do investigador na pesquisa:
Ação do investigador Opções que este
toma em cada fase
da pesquisa
Todo o processo de pesquisa,
desde da formulação do projeto
de pesquisa até à apresentação
do relatório final.
Condiciona
Etapas que todo o investigador deve percorrer pois são, segundo Ferrar- Myers (2001), os elementos básicos de uma
investigação:
→ a revisão de leitura ( ponto 2 do Diagrama 1.);
→ desenvolvimento da pesquisa ( ponto 3 e 4 do Diagrama 1);
→ análise dos dados ( ponto 6 do Diagrama 1);
Ainda, segundo Ferrar-Myers, embora as fases a percorrer numa investigação sejam similares, cada investigação é
única e singular, pois as áreas onde se insere a pesquisa são diferentes, mas principalmente porque os investigadores
são diferentes. Por isso, deve-se adequar o processo a cada tema e a cada individuo ( Hamada e Sitter, 2004).
2. TIPOS DE PESQUISA
2. A. Diferentes tipos de Pesquisa segundo Punch (2000)
Tipos de Pesquisa
Teórico-Empírica Teórica Conceptual- filosófica Histórica
Ou pesquisa de campo,
pressupõe
comprovação prática,
quer através da
observação ou
experimentação com a
finalidade de recolha
de dados. Está assente
na validação de uma
teoria ou hipóteses.
Baseia-se na compreensão e
proporciona um espaço para
discussão de um aspeto da
realidade(Tachizawa e
Mendes, 2006). Tem como
finalidade conhecer e
aprofundar conhecimentos e
discussões sobre a revisão da
literatura (ou fundamentação
teórica) (Barros e Lehfeld,
2000,p78)
Caracteriza-se na
investigação crítica,
onde o investigador
estabelece hipóteses,
examina os fatos
existentes e culmina
num modelo teórico
estabelecido. Muito
similar ao empirismo.
Investiga eventos
passados, usando métodos
descritivos e analíticos.
Contextualiza o estudo no
tempo e espaço, de forma
a obter respostas para
situações particulares.
Nas CSH, utiliza-se a pesquisa teórico-empírica, pois pretende-se que a questão de partida seja respondida
através de informações observáveis e recolhidas no campo de estudo, e não através da teorização ou discussão
dos princípios, (Punch, 2000)
Tabela 1. Síntese dos tipos de pesquisa
2. TIPOS DE PESQUISA
2. B. Pesquisa, natureza dos dados, modelos e metodologias associadas
Pesquisa
Quantitativa Qualitativa Misto ou Multimodal
Natureza dos
dados
Dados mensuráveis
que testam hipóteses
através de sistemas
estatísticos
Dados em forma de texto,
retirados em forma de
descrições e observações
Dados mensuráveis e/ou
dados em forma de texto
Modelos (relação
entre a teoria e a
pesquisa)
Hipotético-dedutivo: a
pesquisa assenta
numa teoria para a
construção de
hipóteses, e validação
da mesma.
Modelo indutivo (ex:
grounded theory), a pesquisa
abrange a exploração,
descrição, e compreensão de
um aspeto da realidade. “ A
Teoria é o resultado da
pesquisa” (Byrman, 2004)
Recorre a métodos dedutivos
e indutivos para o estudo e
validação do seu projeto.
Retirando vantagens dos dois
enfoques (quantitativo e
qualitativo)
Metodologia
associada
Positivismo Interpretativismo Integração metodológica
(junção da perspetiva
quantitativa com a
qualitativa)
Tabela 2. Relação entre os métodos utilizados nas pesquisas e a natureza dos dados recolhidos, modelos e metodologia associada
2. TIPOS DE PESQUISA
2. B. Pesquisa, natureza dos dados, modelos e metodologias associadas (Cont)
Elações a retirar das tabelas:
→ O problema em estudo determina o tipo de pesquisa e processos de investigação a ele associados;
→ O método indutivo e dedutivo complementam-se, uma vez que:
- Na fase final, de forma a validar e aplicar a teoria desenvolvida por indução, o investigador recorre
a métodos dedutivos;
- Na etapa final do método dedutivo, o investigador, de acordo com os resultados obtidos consegue
induzir a teoria que utilizou inicialmente;
→Atualmente, vários investigadores estão a seguir a perspetiva mista, complementando o enfoque qualitativo
com o enfoque quantitativo de forma a enriquecer e validar o seu projeto, retirando vantagens dos dois.
3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA
3. A. A base das ideias para a pesquisa.
A escolha do tema de pesquisa, segundo Ferrar-Myers (2001) deve partir do diálogo com vários
investigadores sobre esse tema:
→ Como nenhum investigador é igual, as suas pesquisas também não o são, pelo que permite
ao novo investigador ficar dotado de várias perspetivas e hipóteses sobre a área de estudo. O
diálogo permite também adquirir referências bibliográficas.
→ A escolha do supervisor da investigação, há que considerar o nome, reputação na
comunidade cientifica, área de investigação, personalidade e ética profissional.
O supervisor:
- esclarece todo o processo de investigação;
- fornece uma visão crítica acerca do tema;
- auxilia o novo investigador a desenvolver o pensamento crítico.
3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA
3. A. A base das ideias para a pesquisa. Cont.
Motivação:
Segundo Blaikie (2008), a escolha do tema depende também das preferências motivacionais do investigador.
Pessoais: Académicas Sociais
• Satisfação da curiosidade;
• Procura de credenciais, ou avanço
na carreira profissional;
• Tentativa de resolução de um
problema pessoal
• O tema ir ao encontro de interesses
pessoais e compromissos
Se o tema não suscitar nenhuma destas
motivações pessoais no investigador, o
projeto será abandonado, ou será um
sacrifício realizá-lo.
• Contribuição para o conhecimento
cientifico nessa área, pelo
desenvolvimento teórico;
• Procura de respostas às atuais
questões intelectuais;
• Participação em debates;
• Contributo para a resolução de um
problema social;
• Apoio de um grupo, comunidade, ou
organização para atingir as suas
metas;
• Auxílio no desenvolvimento das
políticas sociais;
• Contributo para a tomada de decisão
no sector público ou privado
O tema ou o tópico de pesquisa deve contribuir para a vida académica da respetiva área científica eou para a vida social.
3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA
3. B. A Revisão da literatura para a definição do tema
3.B.1.Fontes para a origem e definição do tema:
1. Supervisor e diálogo com outros investigadores: (ver ponto 3.A)
2. Revisão da literatura para a definição do tema.
• Processo denominado também por estado de arte ou enquadramento teórico;
• É parte integrante do processo de investigação (Punch (2000), ver Diagrama 1, ponto 2)
• Baseia-se em leituras exploratórias, onde o investigador faz o levantamento do que foi
feito, como foi feito.
• Permite:
→ a identificação da terminologia associada à área cientifica em estudo, que
constitui o jargão- componente da teoria social (Blaikie, 2008);
→ obtenção das conclusões de estudos anteriores e levantamento de referências
bibliográficas;
→ avaliação de possíveis problemáticas existentes no tema em análise;
→ evitar duplicações de estudos sobre o mesmo tema;
• Constituem a confrontação entre a ideologia do investigador e a realidade, avaliando assim
as motivações do investigador ( ponto 3.A. Diap.11)
3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA
3. B. A Revisão da literatura para a definição do tema (Cont.)
3.B.1.Fontes para a origem e definição do tema: (Cont).
2. Revisão da literatura para a definição do tema.(Cont.)
Fases da revisão da literatura:
1º Leitura de artigos científicos, pelo que se deve ler:
→os mais citados na comunidade científica- revelam importância;
→os mais recentes- contêm os últimos desenvolvimentos;
→os publicados em jornais e revistas científicos de referência- garantem a qualidade e
credibilidade do estudo;
2º Leitura de livros de referência, jornais da especialidade e relatórios técnicos;
3º Leitura de artigos apresentados em conferências nacionais e internacionais;
4º Identificação e seguimento dos investigadores em ativo, recolhendo as informações mais
recentes dos seus projetos;
5º Evitar nesta fase preliminar a leitura dos manuais, devido ao excesso de carga teórica que
contém, poderão confundir o investigador.
4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA
Delineação e definição do tema´:
1. Diálogo com vários investigadores
2. Escolha do supervisor
3. Análise da Motivação
4. Revisão da Literatura
Formulação do Problema-Puzzle;
Que direcionará a investigação na
procura da resolução do mesmo,
(Williams, Goodson e Howard,
(2006)
Delimitação da área
cientifica
Diagrama 2. Etapa inicial da pesquisa em CSH
Definição da Questão de Partida e
Objetivos da investigação
Na investigação em CSH, a existência de um problema e de uma pergunta de partida é essencial pois auxiliam o investigador a
focar-se no projeto e direcionam o estudo a todos os níveis.
4. A. Problema de pesquisa
4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA
• Critérios de um Problema de Pesquisa segundo Hamada e Sitter (2004):
- Ser passível de resolução;
- Motivar e divertir o investigador.
• Para a escolha do problema de pesquisa, o investigador socorre-se das fontes já
anteriormente referidas: o diálogo com outros investigadores; o supervisor e revisão
da literatura:
- O diálogo com outros investigadores e supervisor permite ao investigador
usufruir da experiência e conhecimento deles e emendar erros cometidos
pela limitação de conhecimento e compreensão do novo investigador;
- A revisão literária permite identificar problemas que são relevantes para a
comunidade científica, que não foram resolvidos e que levam à inovação e
descoberta de novos conhecimentos
• O problema não é imutável ( Hamada Sitter, 2004), o investigador pode alterá-lo e
modificá-lo ao longo da pesquisa, o que exige do mesmo capacidade crítica e mente
aberta.
• Problema de pesquisa = Pergunta de Partida + Objetivos da pesquisa (Blaikie, 2003)
4. B. Pergunta de Partida ( O quê…?; Porquê…?; Como…? )
4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA
• Propósitos da Pergunta de Partida segundo Sudman e Bradburn(1982):
- Fazer ligação do tema ao problema e aos objetivos do estudo;
- Encaminhar o projeto, ser o guia da pesquisa.
• Para a definição da pergunta de partida, o investigador socorre-se de uma revisão da
literatura breve, de modo a ter uma visão geral da teoria (White2005);
• Exigências acopladas à Pergunta de Partida:
- Abranja problemas do mundo real;
- Questione o que é reconhecido como inegável- permita inovação;
- Seja clara e precisa
- Se enquadre com os objetivos da pesquisa
- Contenha os principais conceitos a ela inerentes
• A pergunta pode ser reformulada , pois depende do decorrer da investigação,
nomeadamente de uma revisão de literatura mais profunda o que pode levar ao
investigador modificar a sua questão inicial.
• “ Um projeto de pesquisa é construído na fundação das suas questões de pesquisa” ( Blaikie,
2008)
4. B. Pergunta de Partida ( O quê…?; Porquê…?; Como…? ) Cont.
4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA
Para validar os
critérios da Pergunta
de Partida ( slide 16)
Um mapa representação
física da pesquisa
Ajudar a organizar as
ideias e determinar
em que fase está
Diagrama 3. Processo para a validação dos critérios de um Pergunta de Partida ( Hamada e Sitter, 2004)
Elabora-se Para
Local
Questão de Partida
Assunto Aspetos de esclarecimento
Diagrama 4. MapaRepresentação física da pesquisa segundo Williams, Goodson e Howard (2006)
Fonte: Silvestre, H e Silvestre, M. (2011), Metodologia para a Investigação Social. Escolar Editora, pp55, Gráfico 3.2
4. C. Objetivos da pesquisa
4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA
Questões de Partida
O quê…? –descrevem
características e
padrões, forte
componente teórica
Porquê…? – descrevem e
procuram causas, forte
componente teórica.
Como…? – procuram a mudança
e efeitos de uma intervenção,
tem forte componente prática
Pesquisa Básica ou académica
– gera conhecimentos
novos, úteis para o
avanço da ciência,
envolve interesses
universais
Básica ou académica –
gera conhecimentos
novos, úteis para o avanço
da ciência.
Prática ou aplicada – Gera
conhecimentos para aplicação
prática, dirigidos à solução de
problemas específicos, envolve
interesses particulares
Objetivos Explorar, Descrever,
Prever, Avaliar;
Avaliar Impactos.
Explicar; Entender;
Avaliar; Avaliar impactos
Intervir
Métodos Quantitativo Qualitativo Qualitativo
Metodologia Positivista Interpretativista Interpretativista Teoria Crítica
Tabela 3. Relação do tipo de Questão de Partida e pesquisa inerente; objetivos acoplados, métodos e metodologias associados
4. C. Objetivos da pesquisa
4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA
• Explorar: Tentativa de descrever ou entender os fenómenos sociais;
• Descrever: Enunciar as características sociais identificadas;
• Explicar: Determinar os fenómenos que são responsáveis por uma certa regularidade;
• Entender: enumeração e definição de motivos responsáveis pela ocorrência de
fenómenos sociais;
• Prever: Prognóstico de impactos, através de constatação de fenómenos, associados a
variáveis presentes em situações similares;
• Intervir: Intervenção social a partir da manipulação de aspetos identificados;
• Avaliar: determinar se os processos utilizados têm os resultados desejados;
• Avaliar os impactos sociais: procuram perceber ate que ponto as medidas tomadas
tiveram impacto nas estruturas sociaispessoais.
5. BIBLIOGRAFIA
Silvestre, H e Silvestre, M. (2011), Metodologia para a Investigação Social. Escolar Editora, pp 35-62
Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. 2009, Métodos de Pesquisa, 1º edição, © Autores, Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, pp31-35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna Over Lane
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística1721lab
 
Sociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialSociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialFábio Roque
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativajlpaesjr
 
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de SáModelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de SáRogerio Sena
 
Teoria das Cores Aplicada ao Vestuário
Teoria das Cores Aplicada ao VestuárioTeoria das Cores Aplicada ao Vestuário
Teoria das Cores Aplicada ao VestuárioDébora Cseri
 
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticosLinguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticosAna Carolina Simionato
 
Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa
Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa
Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa Rosane Domingues
 
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)Atividades Diversas Cláudia
 
Estatística Descritiva
Estatística DescritivaEstatística Descritiva
Estatística DescritivaAnderson Pinho
 
Do cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em Publicidade
Do cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em PublicidadeDo cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em Publicidade
Do cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em PublicidadeJulia Travaglini
 

Mais procurados (20)

Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna
 
Introdução à sociologia
Introdução à sociologiaIntrodução à sociologia
Introdução à sociologia
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
 
Sociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência SocialSociologia: Uma Ciência Social
Sociologia: Uma Ciência Social
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de SáModelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
Modelo trabalho Acadêmico Estácio de Sá
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
 
Teoria das Cores Aplicada ao Vestuário
Teoria das Cores Aplicada ao VestuárioTeoria das Cores Aplicada ao Vestuário
Teoria das Cores Aplicada ao Vestuário
 
Adam Smith
Adam SmithAdam Smith
Adam Smith
 
Identidade Visual - Aula 01
Identidade Visual - Aula 01Identidade Visual - Aula 01
Identidade Visual - Aula 01
 
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticosLinguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
Linguagem visual para a organização e representação de recursos imagéticos
 
Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa
Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa
Pesquisa - Quantitativa e Qualitativa
 
Costumes em Comum - Thompson - Resenha
Costumes em Comum - Thompson - ResenhaCostumes em Comum - Thompson - Resenha
Costumes em Comum - Thompson - Resenha
 
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
Estatística Descritiva
Estatística DescritivaEstatística Descritiva
Estatística Descritiva
 
Sociologia para jovens do século xxi 3ª edição
Sociologia para jovens do século xxi 3ª ediçãoSociologia para jovens do século xxi 3ª edição
Sociologia para jovens do século xxi 3ª edição
 
Do cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em Publicidade
Do cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em PublicidadeDo cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em Publicidade
Do cartaz da Bauhaus ao cartaz contemporâneo - Estética em Publicidade
 

Semelhante a “A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO”

PESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPaloma Thayná
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaSugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaLucinea Lima Lacerda
 
Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...
Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...
Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...Rosane Domingues
 
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teoricoMetodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teoricoFrancisco Augusto de Junito
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptLucovolan
 
Fontes De Informação Científica
Fontes De Informação CientíficaFontes De Informação Científica
Fontes De Informação Científicabsararangua
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ipUNICEP
 
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014Helio de Miranda
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Aula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaAula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaMarina Atzingen
 

Semelhante a “A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO” (20)

PESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIA
 
Mpp aula1
Mpp aula1Mpp aula1
Mpp aula1
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativaSugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
Sugestões para elaboração de projeto de pesquisa qualitativa
 
Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...
Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...
Métodos quantitativos e qualitativos um resgate teórico- curta a fan page - S...
 
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teoricoMetodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.ppt
 
Modalidades pesquisa
Modalidades pesquisaModalidades pesquisa
Modalidades pesquisa
 
Fontes De Informação Científica
Fontes De Informação CientíficaFontes De Informação Científica
Fontes De Informação Científica
 
113631 41331
113631 41331113631 41331
113631 41331
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
 
Classificacao das pesquisas
Classificacao das pesquisasClassificacao das pesquisas
Classificacao das pesquisas
 
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Pesquisa em educação
Pesquisa em educaçãoPesquisa em educação
Pesquisa em educação
 
Tcos a02
Tcos a02Tcos a02
Tcos a02
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Aula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científicaAula 1. metodologia científica
Aula 1. metodologia científica
 

Mais de Bárbara Morim

Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991
Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991
Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991Bárbara Morim
 
Teste Global sobre Logística
Teste Global sobre LogísticaTeste Global sobre Logística
Teste Global sobre LogísticaBárbara Morim
 
Essay sobre PEP e CPLP
Essay sobre PEP e CPLPEssay sobre PEP e CPLP
Essay sobre PEP e CPLPBárbara Morim
 
MEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. Camões
MEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. CamõesMEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. Camões
MEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. CamõesBárbara Morim
 
“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes
“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes
“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. MendesBárbara Morim
 
REVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIA
REVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIAREVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIA
REVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIABárbara Morim
 
OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...
OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...
OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...Bárbara Morim
 
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...Bárbara Morim
 
Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...
Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...
Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...Bárbara Morim
 
Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...
Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...
Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...Bárbara Morim
 
Segurança Energética – Caso Áustria
Segurança Energética – Caso ÁustriaSegurança Energética – Caso Áustria
Segurança Energética – Caso ÁustriaBárbara Morim
 
Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019
Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019
Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019Bárbara Morim
 

Mais de Bárbara Morim (12)

Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991
Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991
Influência cultural em Negociação - NAFTA 1991
 
Teste Global sobre Logística
Teste Global sobre LogísticaTeste Global sobre Logística
Teste Global sobre Logística
 
Essay sobre PEP e CPLP
Essay sobre PEP e CPLPEssay sobre PEP e CPLP
Essay sobre PEP e CPLP
 
MEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. Camões
MEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. CamõesMEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. Camões
MEDIÇÃO: PROPRIEDADE E PROBLEMAS” Silvia M. Mendes & Pedro J. Camões
 
“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes
“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes
“TEORIAS, HIPÓTESES E A REVISÃO DA LITERATURA” Silvia M. Mendes
 
REVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIA
REVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIAREVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIA
REVISÃO CRÍTICA DA BIBLIOGRAFIA
 
OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...
OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...
OS CONCEITOS COMO BLOCO SINTEGRANTES DAS TEORIAS E ELEMENTOS BÁSICOS DO MÉTOD...
 
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
 
Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...
Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...
Resumo de Narrativas Estratégicas e Identidade de Grande Potência de Laura Ro...
 
Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...
Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...
Resumo do Artigo de Aidan Hehir (2019) – “Soberania como responsabilidade: O ...
 
Segurança Energética – Caso Áustria
Segurança Energética – Caso ÁustriaSegurança Energética – Caso Áustria
Segurança Energética – Caso Áustria
 
Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019
Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019
Resumo dos 40º Colóquios das Relações Internacionais 2019
 

Último

Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 

Último (20)

Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 

“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO”

  • 1. “A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO” Exercício 3 Resumo do texto de Hugo C. Silvestre e Maria João C. Silvestre Trabalho elaborado por: Nome: Bárbara Morim Nº de aluno: A83540 Email: a83540@alunos.uminho.pt Data: 09/10/2017 1º ano - Relações Internacionais – Metodologia da Ciência Política
  • 2. “A ciência nunca resolve um problema sem criar pelo menos outros dez.” George Bernard Shaw,(1856-1950) [1] “ O começo de todas as ciências é o espanto de as coisas serem o que são. ” Aristóteles, (384 A.C.-322 A.C.)[2] [1] George Bernard Shaw- (Dublin, 1856-1950) dramaturgo, romancista e jornalista irlandês. Cofundador da London School of Economics. Inconformista a nível social, destacou-se no socialismo fabiano (movimento político-social britânico). [2] Aristóteles – (Estagira, 384 A.C.– Atenas, 322 A.C.)Filósofo Grego, visto como um dos fundadores da filosofia ocidental.
  • 3. ÍNDICE: 1.Introdução A. Etapa inicial da pesquisa científica; B. Papel do investigador na pesquisa; 2. Tipos de pesquisa A. Diferentes tipos de pesquisa; B. Pesquisa, natureza dos dados, modelos e metodologias associadas 3. A origem e escolha do tema A. Base de ideias para a pesquisa; B. Revisão da literatura para a definição do tema; 4. Problema de pesquisa e Pergunta de partida A. Problema de partida; B. Pergunta de Partida; C. Objetivos da pesquisa; 5. Bibliografia Conceitos-chave: pesquisa científica, área de pesquisa, tema de pesquisa, problema de pesquisa, pergunta de partida
  • 4. 1. INTRODUÇÃO 1. A. Etapa inicial da pesquisa científica Pesquisa científica • “ Processo composto por múltiplas etapas relacionadas entre si, que pode ou não ocorrer de forma sequencial ou contínua”- (Sampieri, Collado e Lucio, 2006:xxiv); • Processo que abrange a metodologia, método, modelo, teoria, hipóteses e conceitos;[3] [3] Relembrar Exercício 1 e 2 [4] Estado de arte: modelo mais atual reconhecido por uma comunidade científica Requisitos indispensáveis da pesquisa segundo King, Keohane e Verba (1994): → abranja um aspeto relevante da realidade social, pelo que o resultado da pesquisa deve enriquecer a compreensão desse mesmo mundo real; → a base da pesquisa seja o estado de arte [4] da temática em análise, pelo que assim, poderá contribuir com novos conhecimentos importantes para a comunidade científica.
  • 5. 1. INTRODUÇÃO 1. A. Etapa inicial da pesquisa científica (cont.) ❶ ❷ ❸ ❹ ❺ ❻ ❼ Área de pesquisa Tema a analisar: engloba o problema, a literatura da temática e o contexto em que se insere. Questões de Pesquisa Hipóteses que comprovam a teoria ou que baseiam uma nova teoria Mapeamento da investigação Recolha e análise de dados Teste das Hipóteses Etapa inicial da pesquisa- fase pré-empírica Fase Empírica Diagrama 1. Sequência da pesquisa empírica Fonte: Silvestre, H e Silvestre, M. (2011), Metodologia para a Investigação Social. Escolar Editora, pp38, Gráfico 3.1. enfâse de Bárbara Morim
  • 6. 1. INTRODUÇÃO 1. B. Papel do investigador na pesquisa: Ação do investigador Opções que este toma em cada fase da pesquisa Todo o processo de pesquisa, desde da formulação do projeto de pesquisa até à apresentação do relatório final. Condiciona Etapas que todo o investigador deve percorrer pois são, segundo Ferrar- Myers (2001), os elementos básicos de uma investigação: → a revisão de leitura ( ponto 2 do Diagrama 1.); → desenvolvimento da pesquisa ( ponto 3 e 4 do Diagrama 1); → análise dos dados ( ponto 6 do Diagrama 1); Ainda, segundo Ferrar-Myers, embora as fases a percorrer numa investigação sejam similares, cada investigação é única e singular, pois as áreas onde se insere a pesquisa são diferentes, mas principalmente porque os investigadores são diferentes. Por isso, deve-se adequar o processo a cada tema e a cada individuo ( Hamada e Sitter, 2004).
  • 7. 2. TIPOS DE PESQUISA 2. A. Diferentes tipos de Pesquisa segundo Punch (2000) Tipos de Pesquisa Teórico-Empírica Teórica Conceptual- filosófica Histórica Ou pesquisa de campo, pressupõe comprovação prática, quer através da observação ou experimentação com a finalidade de recolha de dados. Está assente na validação de uma teoria ou hipóteses. Baseia-se na compreensão e proporciona um espaço para discussão de um aspeto da realidade(Tachizawa e Mendes, 2006). Tem como finalidade conhecer e aprofundar conhecimentos e discussões sobre a revisão da literatura (ou fundamentação teórica) (Barros e Lehfeld, 2000,p78) Caracteriza-se na investigação crítica, onde o investigador estabelece hipóteses, examina os fatos existentes e culmina num modelo teórico estabelecido. Muito similar ao empirismo. Investiga eventos passados, usando métodos descritivos e analíticos. Contextualiza o estudo no tempo e espaço, de forma a obter respostas para situações particulares. Nas CSH, utiliza-se a pesquisa teórico-empírica, pois pretende-se que a questão de partida seja respondida através de informações observáveis e recolhidas no campo de estudo, e não através da teorização ou discussão dos princípios, (Punch, 2000) Tabela 1. Síntese dos tipos de pesquisa
  • 8. 2. TIPOS DE PESQUISA 2. B. Pesquisa, natureza dos dados, modelos e metodologias associadas Pesquisa Quantitativa Qualitativa Misto ou Multimodal Natureza dos dados Dados mensuráveis que testam hipóteses através de sistemas estatísticos Dados em forma de texto, retirados em forma de descrições e observações Dados mensuráveis e/ou dados em forma de texto Modelos (relação entre a teoria e a pesquisa) Hipotético-dedutivo: a pesquisa assenta numa teoria para a construção de hipóteses, e validação da mesma. Modelo indutivo (ex: grounded theory), a pesquisa abrange a exploração, descrição, e compreensão de um aspeto da realidade. “ A Teoria é o resultado da pesquisa” (Byrman, 2004) Recorre a métodos dedutivos e indutivos para o estudo e validação do seu projeto. Retirando vantagens dos dois enfoques (quantitativo e qualitativo) Metodologia associada Positivismo Interpretativismo Integração metodológica (junção da perspetiva quantitativa com a qualitativa) Tabela 2. Relação entre os métodos utilizados nas pesquisas e a natureza dos dados recolhidos, modelos e metodologia associada
  • 9. 2. TIPOS DE PESQUISA 2. B. Pesquisa, natureza dos dados, modelos e metodologias associadas (Cont) Elações a retirar das tabelas: → O problema em estudo determina o tipo de pesquisa e processos de investigação a ele associados; → O método indutivo e dedutivo complementam-se, uma vez que: - Na fase final, de forma a validar e aplicar a teoria desenvolvida por indução, o investigador recorre a métodos dedutivos; - Na etapa final do método dedutivo, o investigador, de acordo com os resultados obtidos consegue induzir a teoria que utilizou inicialmente; →Atualmente, vários investigadores estão a seguir a perspetiva mista, complementando o enfoque qualitativo com o enfoque quantitativo de forma a enriquecer e validar o seu projeto, retirando vantagens dos dois.
  • 10. 3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA 3. A. A base das ideias para a pesquisa. A escolha do tema de pesquisa, segundo Ferrar-Myers (2001) deve partir do diálogo com vários investigadores sobre esse tema: → Como nenhum investigador é igual, as suas pesquisas também não o são, pelo que permite ao novo investigador ficar dotado de várias perspetivas e hipóteses sobre a área de estudo. O diálogo permite também adquirir referências bibliográficas. → A escolha do supervisor da investigação, há que considerar o nome, reputação na comunidade cientifica, área de investigação, personalidade e ética profissional. O supervisor: - esclarece todo o processo de investigação; - fornece uma visão crítica acerca do tema; - auxilia o novo investigador a desenvolver o pensamento crítico.
  • 11. 3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA 3. A. A base das ideias para a pesquisa. Cont. Motivação: Segundo Blaikie (2008), a escolha do tema depende também das preferências motivacionais do investigador. Pessoais: Académicas Sociais • Satisfação da curiosidade; • Procura de credenciais, ou avanço na carreira profissional; • Tentativa de resolução de um problema pessoal • O tema ir ao encontro de interesses pessoais e compromissos Se o tema não suscitar nenhuma destas motivações pessoais no investigador, o projeto será abandonado, ou será um sacrifício realizá-lo. • Contribuição para o conhecimento cientifico nessa área, pelo desenvolvimento teórico; • Procura de respostas às atuais questões intelectuais; • Participação em debates; • Contributo para a resolução de um problema social; • Apoio de um grupo, comunidade, ou organização para atingir as suas metas; • Auxílio no desenvolvimento das políticas sociais; • Contributo para a tomada de decisão no sector público ou privado O tema ou o tópico de pesquisa deve contribuir para a vida académica da respetiva área científica eou para a vida social.
  • 12. 3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA 3. B. A Revisão da literatura para a definição do tema 3.B.1.Fontes para a origem e definição do tema: 1. Supervisor e diálogo com outros investigadores: (ver ponto 3.A) 2. Revisão da literatura para a definição do tema. • Processo denominado também por estado de arte ou enquadramento teórico; • É parte integrante do processo de investigação (Punch (2000), ver Diagrama 1, ponto 2) • Baseia-se em leituras exploratórias, onde o investigador faz o levantamento do que foi feito, como foi feito. • Permite: → a identificação da terminologia associada à área cientifica em estudo, que constitui o jargão- componente da teoria social (Blaikie, 2008); → obtenção das conclusões de estudos anteriores e levantamento de referências bibliográficas; → avaliação de possíveis problemáticas existentes no tema em análise; → evitar duplicações de estudos sobre o mesmo tema; • Constituem a confrontação entre a ideologia do investigador e a realidade, avaliando assim as motivações do investigador ( ponto 3.A. Diap.11)
  • 13. 3. A ORIGEM E ESCOLHA DO TEMA 3. B. A Revisão da literatura para a definição do tema (Cont.) 3.B.1.Fontes para a origem e definição do tema: (Cont). 2. Revisão da literatura para a definição do tema.(Cont.) Fases da revisão da literatura: 1º Leitura de artigos científicos, pelo que se deve ler: →os mais citados na comunidade científica- revelam importância; →os mais recentes- contêm os últimos desenvolvimentos; →os publicados em jornais e revistas científicos de referência- garantem a qualidade e credibilidade do estudo; 2º Leitura de livros de referência, jornais da especialidade e relatórios técnicos; 3º Leitura de artigos apresentados em conferências nacionais e internacionais; 4º Identificação e seguimento dos investigadores em ativo, recolhendo as informações mais recentes dos seus projetos; 5º Evitar nesta fase preliminar a leitura dos manuais, devido ao excesso de carga teórica que contém, poderão confundir o investigador.
  • 14. 4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA Delineação e definição do tema´: 1. Diálogo com vários investigadores 2. Escolha do supervisor 3. Análise da Motivação 4. Revisão da Literatura Formulação do Problema-Puzzle; Que direcionará a investigação na procura da resolução do mesmo, (Williams, Goodson e Howard, (2006) Delimitação da área cientifica Diagrama 2. Etapa inicial da pesquisa em CSH Definição da Questão de Partida e Objetivos da investigação Na investigação em CSH, a existência de um problema e de uma pergunta de partida é essencial pois auxiliam o investigador a focar-se no projeto e direcionam o estudo a todos os níveis.
  • 15. 4. A. Problema de pesquisa 4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA • Critérios de um Problema de Pesquisa segundo Hamada e Sitter (2004): - Ser passível de resolução; - Motivar e divertir o investigador. • Para a escolha do problema de pesquisa, o investigador socorre-se das fontes já anteriormente referidas: o diálogo com outros investigadores; o supervisor e revisão da literatura: - O diálogo com outros investigadores e supervisor permite ao investigador usufruir da experiência e conhecimento deles e emendar erros cometidos pela limitação de conhecimento e compreensão do novo investigador; - A revisão literária permite identificar problemas que são relevantes para a comunidade científica, que não foram resolvidos e que levam à inovação e descoberta de novos conhecimentos • O problema não é imutável ( Hamada Sitter, 2004), o investigador pode alterá-lo e modificá-lo ao longo da pesquisa, o que exige do mesmo capacidade crítica e mente aberta. • Problema de pesquisa = Pergunta de Partida + Objetivos da pesquisa (Blaikie, 2003)
  • 16. 4. B. Pergunta de Partida ( O quê…?; Porquê…?; Como…? ) 4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA • Propósitos da Pergunta de Partida segundo Sudman e Bradburn(1982): - Fazer ligação do tema ao problema e aos objetivos do estudo; - Encaminhar o projeto, ser o guia da pesquisa. • Para a definição da pergunta de partida, o investigador socorre-se de uma revisão da literatura breve, de modo a ter uma visão geral da teoria (White2005); • Exigências acopladas à Pergunta de Partida: - Abranja problemas do mundo real; - Questione o que é reconhecido como inegável- permita inovação; - Seja clara e precisa - Se enquadre com os objetivos da pesquisa - Contenha os principais conceitos a ela inerentes • A pergunta pode ser reformulada , pois depende do decorrer da investigação, nomeadamente de uma revisão de literatura mais profunda o que pode levar ao investigador modificar a sua questão inicial. • “ Um projeto de pesquisa é construído na fundação das suas questões de pesquisa” ( Blaikie, 2008)
  • 17. 4. B. Pergunta de Partida ( O quê…?; Porquê…?; Como…? ) Cont. 4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA Para validar os critérios da Pergunta de Partida ( slide 16) Um mapa representação física da pesquisa Ajudar a organizar as ideias e determinar em que fase está Diagrama 3. Processo para a validação dos critérios de um Pergunta de Partida ( Hamada e Sitter, 2004) Elabora-se Para Local Questão de Partida Assunto Aspetos de esclarecimento Diagrama 4. MapaRepresentação física da pesquisa segundo Williams, Goodson e Howard (2006) Fonte: Silvestre, H e Silvestre, M. (2011), Metodologia para a Investigação Social. Escolar Editora, pp55, Gráfico 3.2
  • 18. 4. C. Objetivos da pesquisa 4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA Questões de Partida O quê…? –descrevem características e padrões, forte componente teórica Porquê…? – descrevem e procuram causas, forte componente teórica. Como…? – procuram a mudança e efeitos de uma intervenção, tem forte componente prática Pesquisa Básica ou académica – gera conhecimentos novos, úteis para o avanço da ciência, envolve interesses universais Básica ou académica – gera conhecimentos novos, úteis para o avanço da ciência. Prática ou aplicada – Gera conhecimentos para aplicação prática, dirigidos à solução de problemas específicos, envolve interesses particulares Objetivos Explorar, Descrever, Prever, Avaliar; Avaliar Impactos. Explicar; Entender; Avaliar; Avaliar impactos Intervir Métodos Quantitativo Qualitativo Qualitativo Metodologia Positivista Interpretativista Interpretativista Teoria Crítica Tabela 3. Relação do tipo de Questão de Partida e pesquisa inerente; objetivos acoplados, métodos e metodologias associados
  • 19. 4. C. Objetivos da pesquisa 4. PROBLEMA DE PESQUISA E PERGUNTA DE PARTIDA • Explorar: Tentativa de descrever ou entender os fenómenos sociais; • Descrever: Enunciar as características sociais identificadas; • Explicar: Determinar os fenómenos que são responsáveis por uma certa regularidade; • Entender: enumeração e definição de motivos responsáveis pela ocorrência de fenómenos sociais; • Prever: Prognóstico de impactos, através de constatação de fenómenos, associados a variáveis presentes em situações similares; • Intervir: Intervenção social a partir da manipulação de aspetos identificados; • Avaliar: determinar se os processos utilizados têm os resultados desejados; • Avaliar os impactos sociais: procuram perceber ate que ponto as medidas tomadas tiveram impacto nas estruturas sociaispessoais.
  • 20. 5. BIBLIOGRAFIA Silvestre, H e Silvestre, M. (2011), Metodologia para a Investigação Social. Escolar Editora, pp 35-62 Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. 2009, Métodos de Pesquisa, 1º edição, © Autores, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pp31-35