SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS: UM RESGATE TEÓRICO
Michael Samir Dalfovo1
Rogério Adilson Lana2
Amélia Silveira3
RESUMO
A realização de estudos sobre tipos e métodos de pesquisa sempre provocaram
divergências e discussões, principalmente no meio acadêmico. Percebe-se a importância
dessa discussão para o meio acadêmico, pois os alunos geralmente possuem problemas
em definir qual o método estão utilizando, como também pesquisadores para a
construção do conhecimento. Neste sentido, este artigo se propôs a realizar um resgate
sobre alguns conceitos e definições de autores consagrados. Ao final, volta-se o foco
para estudos sociais principalmente os ligados a administração. Contudo, espera-se com
esse artigo contribuir para uma melhor definição dos processos de pesquisa.
Palavras-chave: Conhecimento. Pesquisa. Método.
1 CONHECIMENTO
Desde a história mais remota do homem primitivo, sabe-se da ânsia de
conhecimento, a busca insana pela sabedoria, fazendo com que o homem começasse a
pensar com base nas suas observações evoluindo seus conhecimentos desde as
concepções astrológicas evoluindo até registros em papiros a fim de realmente tornar o
conhecimento explícito. Pode-se dizer científicamente, que o conhecimento sofreu
várias fases, na qual se fundou em vários tipos. (FACHIN, 20035; RAMOS; RAMOS;
BUSNELLO, 2005).
De acordo com Fachin (2003, p. 5 – 10), os tipos de conhecimentos são o
filosófico, tendo como propulsor Tales de Mileto em “Atenas na luta contra os persas”
na Roma. Após este, expandiu-se a Grécia na qual, vários filósofos demonstraram seus
conhecimentos, bem como: Sócrates, Platão e Aristóteles. O conhecimento filosófico é
o pensamento crítico reflexivo para gerar coerências nas informações. Em Ramos;
Ramos; Busnello (2005), o conhecimento filosófico é apresentado como respostas aos
1
Instituto Blumenauense de Ensino Superior, msdalfovo@gmail.com
2
Instituto Blumenauense de Ensino Superior, ral.adm@terra.com.br
3
Universidade Regional de Blumenau, amelia@furb.br
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
problemas que rodeiam o ser humano em seu contexto histórico. Porém, tanto em
Fachin (2003) como em Ramos; Ramos; Busnello (2005), o conhecimento filosófico é
considerado como originador do raciocínio lógico.
O segundo tipo de conhecimento a ser citado, sem seguir nenhuma ordem
específica é conhecimento teológico, em que, Fachin (2003); Ramos; Ramos; Busnello
(2005), abordam como a resposta para perguntas que o homem não consegue responder
com base em outros conhecimentos, tendo como principal objeto de estudo a fé e
crenças do ser humano. Os dois autores exemplificam como objetos de estudo, Deus.
O conhecimento empírico é conceituado por Fachin (2003) como a resposta
para ocorrências baseada na vivência, experiência de erros e acertos, que não possuem
fundamentação metodológica. Já em Ramos; Ramos; Busnello (2005) acrescenta o
conceito anterior a concepção do autor em que o conhecimento empírico é estabelecido
pela experiência do outro ensinado e da interação humana e social, na qual são
explicitados conhecimentos implícitos individuais e antes em grupo.
O que é mais estudado e difundido, o conhecimento científico, se apresenta para
Fachin (2003) como o resultado de uma investigação que segue uma metodologia,
baseada na realidade de fatos e fenômenos capaz de analisas, descobrir, concluir, criar e
resolver novos e antigos problemas. Em Ramos; Ramos; Busnello (2005), o mesmo
conhecimento só é realizado quando trabalhado em dados e fatos. Além disso, o mesmo
autor, ressalta que precisa sofrer uma análise documental e textual, de como é realizada
a metodologia para verificar os resultados da pesquisa realizada.
Para Ramos; Ramos; Busnello (2005) ainda há um outro tipo de conhecimento, o
tecnológico, que é abordado como um auxílio para os outros tipos de conhecimento,
defendendo a idéia de que como antigamente os meios naturais já influenciavam nas
pesquisas, as inovações tecnológicas, não podem ficar excluídas, visto avanços nas
várias áreas conhecimento: engenharia, biologia, sociais, entre outra e até a própria
tecnologia.
Pode-se então perceber, que não importando o tipo de conhecimento, há
implicitamente a não ser no conhecimento científico, a busca por uma estruturação de
fases e sistemas que organizassem melhor tanto o conhecimento, como a forma de se
alcançar o resultado. É esta fase e estrutura a seguir que será abordada neste estudo,
visando compreender melhor o método de pesquisa.
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
2 MÉTODO DE PESQUISA
Para se começar uma pesquisa, Asti Vera (1979), defende a idéia que o
propulsor para um estudo é o problema pois sem ele não há razão de realizar a
pesquisa.
Em Ander – Egg (1978), já tinha uma concepção estruturada de pesquisa aliada
ao conhecimento, na qual a classificava como um procedimento. Este procedimento
consistia em um sistema que pudesse ser controlado, avaliado, mas que acima de tudo
descobrisse novos dados e informações, não se restrigindo a nenhum tipo específico de
conhecimento. Aplicada as ciências sociais, Marconi; Lakatos (2002), definem pesquisa
como instrumento fundamental para a resolução de problemas coletivos. Pois, Selltiz et
al (1965) defendia que a definição e respeito a aplicação dos métodos é que realmente
poderia trazer resultados nem sempre satisfatórios mas com certeza fidedignos.
Em conformidade com Marconi; Lakatos (2002), quando a respeito de uma das
características da pesquisa, podendo até enquadrar-se como um dos primeiros passos de
uma pesquisa, que é de acordo com o autor a exploração técnica, sistemática e exata,
onde o pesquisador basea-se em estudos já realizados por teóricos anteriores e
pesquisas, a fim ter a certeza do método a ser trabalhado e se realmente está com o
delineamento correto. Da mesma forma, Silveira (2004), denomina este procedimento
de revisão de literatura. Além disso, Marconi; Lakatos (2002), apontam para a
necessidade de registrar na própria pesquisa a fonte e referência de onde foram retiradas
as informações. Para isso, no Brasil segue-se um padrão que é definido pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas, ABNT (2005).
3 TIPOS DE PESQUISA
Pode-se perceber uma diferença de como as pesquisas podem ser classificadas
ou estereotipadas, segundo alguns autores abaixo.
Ander – Egg (1978), dividi a pesquisa em fundamental, por aquela que possui
caráter científico e a aplicada, que é feita na prática sem preocupação junto a ciência.
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
Hymann (1967), indica pesquisa como descritiva, na qual descreve um
fenômeno e registra a maneira que ocorre e, também como experimental, quando há
interpretações e avaliações na aplicação de determinados fatores ou simplesmente dos
resultados já existentes dos fenômenos.
Além destes quatro tipos, Best (1977), acrescenta nos tipos de pesquisa, a
histórica, na qual pode se enquadrar dentro dos moldes da revisão de literatura.
Há outras abordagens de classificações da pesquisa. Alguns pesquisadores
dividem em monodisciplinares, interdisciplinares e multidisciplinares. É o caso de
Pardinas (1977); Abramo (1979).
De maneira geral, em vários autores classificaram como partes de uma pesquisa
a população como o conjunto a que se pretende estudar e indivíduo uma peça deste
conjunto. Apesar ainda de alguns autores classificarem amostra também como
população, a amostra tem como corpo uma fração da população delineada na pesquisa.
Outra parte da pesquisa, foram as características como sendo aspectos
específicos de uma população e variáveis como sendo a apresentação destes aspectos
dentro de um contexto. Os valores ou modalidades é a explicitação das peculiaridades
da amostra que enquadram dentro das variáveis.
Boente; Braga (2004), classifica a pesquisa em acadêmica quando possui fins
científicos e pesquisa de ponta, na qual é considerada pelo autor como científico mas
com enfoque ao mercado e não ao conhecimento. Dentro destas duas classificações os
mesmos autores ainda caracterizam a pesquisa de acordo com algumas fases da
pesquisa.
Então, segundo os objetivos são caracterizados em:
a) descritiva – estando dentro de análises quantitativas e qualitativas,
quando há um levantamento de dados e o porquê destes dados;
b) exploratória – a investigação de algum objeto de estudo que possui
poucas informações;
c) explicativa – informar e explicar a ocorrência de algum fenômeno.
Segundo os procedimentos de coleta de uma pesquisa:
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
a) experimental – envolve algum tipo de experimento que deve seguir um
método a rigor científico para que a estrutura se faça eficiente;
b) ex – post – facto – é parecida com a experimental, só que aqui não é
possível ter controle dos fenômenos que ocorrem durante o estudo;
c) levantamentos – foca-se a pesquisa em diretrizes para se alcançar o
objeto de estudo;
d) pesquisa – participante – os participantes são considerados um dos
problemas da pesquisa;
e) estudo de caso – trabalha aspecto específico de um fenômeno e suas
decorrências;
f) pesquisa bibliográfica e documental – ponto de partida de toda pesquisa.
como já foi abordado é a revisão de literatura.
Segundo fontes de informação:
a) de campo – geralmente utiliza-se da observação e conhecimento
empírico;
b) de laboratório – realizado em condições artificiais;
c) qualitativa e quantitativa – levam como base de seu delineamento as
questões ou problemas específicos. adota tanto em um quanto em outro a
utilização de questionários e entrevistas. os autores boente; braga (2004),
colocam que não importa a pesquisa sempre haverá antes algum
contexto que terá a parte quantitativa,diferindo desta forma de diversos
autores;
d) social – identificar aspectos importantes do objeto de estudo em
determinado grupo social;
e) histórica – tudo que envolve o estudo em cima de algo que já ocorreu;
f) teórica – realiza para analisar e estudar releituras de teorias já firmadas;
g) aplicada – é a práxis para resolver determinado problema;
h) intervencionista – a fim de alterar algum fenômeno da realidade.
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
O autor defende esta divisão, mas ressalta em Boente; Braga (2004), para que
sejam sempre trabalhadas em conjunto. Outro autor que trabalha com as mesmas
definições porém com conceitos diferentes é Gil (1991; 1997).
Ramos; Ramos; Busnello (2005), também tem sua própria forma de classificar
uma pesquisa. Quanto a natureza:
a) básica – novos conhecimentos para a ciência;
b) aplicada – novos conhecimentos para a prática.
Quanto a abordagem do problema:
a) quantitativa – tudo que pode ser mensurado em números, classificados e
analisados. utiliza-se de técnicas estatísticas;
b) qualitativa – não é traduzida em números, na qual pretende verificar a
relação da realidade com o objeto de estudo, obtendo várias
interpretações de uma análise indutiva por parte do pesquisador.
Em sentido amplo, para Richardson (1989, p. 29) “(...) método em pesquisa
significa a escolha de procedimentos sistemáticos para a descrição e explicação de
fenômenos”. Desta forma, todo trabalho de pesquisa deve ser planejado e executado de
acordo com as normas que acompanham cada método.
As duas estratégias de pesquisa, em termos de aplicabilidade, podem ser
chamadas de abordagem qualitativa e abordagem quantitativa, utilizando-se uma
classificação bastante ampla.
Segundo Diehl (2004) a escolha do método se dará pela natureza do problema,
bem como de acordo com o nível de aprofundamento. Ademais, estes métodos são
diferenciados, além da forma de abordagem do problema, pela sistemática pertinente a
cada um deles (RICHARDSON, 1989).
Diehl (2004) apresenta um esboço acerca destas duas estratégias:
a) a pesquisa quantitativa pela uso da quantificação, tanto na coleta quanto
no tratamento das informações, utilizando-se técnicas estatísticas,
objetivando resultados que evitem possíveis distorções de análise e
interpretação, possibilitando uma maior margem de segurança;
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
b) a pesquisa qualitativa, por sua vez, descrevem a complexidade de
determinado problema, sendo necessário compreender e classificar os
processos dinâmicos vividos nos grupos, contribuir no processo de
mudança, possibilitando o entendimento das mais variadas
particularidades dos indivíduos.
De modo geral quantitativa é passível de ser medida em escala numérica e
qualitativa não. (ROSENTAL; FRÉMONTIER-MURPHY, 2001).
4 QUANTITATIVA
Seguindo ensinamentos de Richardson (1989), este método caracteriza-se pelo
emprego da quantificação, tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no
tratamento dessas através de técnicas estatísticas, desde as mais simples até as mais
complexas.
Conforme supra mencionado, ele possui como diferencial a intenção de garantir
a precisão dos trabalhos realizados, conduzindo a um resultando com poucas chances de
distorções.
De uma forma geral, tal como a pesquisa experimental, os estudos de campo
quantitativos guiam-se por um modelo de pesquisa onde o pesquisador parte de quadros
conceituais de referência tão bem estruturados quanto possível, a partir dos quais
formula hipóteses sobre os fenômenos e situações que quer estudar. Uma lista de
conseqüências é então deduzida das hipóteses. A coleta de dados enfatizará números (ou
informações conversíveis em números) que permitam verificar a ocorrência ou não das
conseqüências, e daí então a aceitação (ainda que provisória) ou não das hipóteses. Os
dados são analisados com apoio da Estatística (inclusive multivariada) ou outras
técnicas matemáticas. Também, os tradicionais levantamentos de dados são o exemplo
clássico do estudo de campo quantitativo (POPPER, 1972).
Richardson (1989) expõe que este método é freqüentemente aplicado nos
estudos descritivos (aqueles que procuram descobrir e classificar a relação entre
variáveis), os quais propõem investigar “o que é”, ou seja, a descobrir as características
de um fenômeno como tal.
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
Também, entre os tipos de estudos quantitativos, segundo Diehl (2004) pode-se
citar os de correlação de variáveis ou descritivos (os quais por meio de técnicas
estatísticas procuram explicar seu grau de relação e o modo como estão operando), os
estudos comparativos causais (onde o pesquisador parte dos efeitos observados para
descobrir seus antecedentes), e os estudos experimentais (que proporcionam meios para
testar hipóteses).
No planejamento deste tipo de estudo, o primeiro passo a ser dado é no sentido
de identificar as variáveis específicas que possam ser importantes, para assim poder
explicar as complexas características de um problema (RICHARDSON, 1989).
Outrossim, segundo Richardson (1989), embora muitos experimentos em
Ciências Sociais estejam limitados pelas características dos sujeitos, pelo instrumento
de avaliação empregados, fator de tempo, disposição de pessoas, o que pode implicar
grave incorreção é a grande tendência dos profissionais em fazer generalizações com
base nos resultados dos experimentos.
Em Tripoldi (1981, p. 48), enquadra estudos quantitativos-descritivos como uma
categoria dentro da pesquisa. Esta categoria, ainda possui sub-divisões, ou como cita o
autor propósitos, bem como de modo geral a “verificação de hipóteses e a descrição de
relações quantitativas entre variáveis especificadas”.
O primeiro propósito se destina a hipóteses de causa-efeito ou então as hipóteses
que inter relacionam duas ou mais variáveis.
O segundo propósito serve para correlacionar várias variáveis específicas para
responder as questões específicas da pesquisa.
O autor Tripoldi (1981, p. 51) ressalta que características experimentais de busca
aleatória e o trabalho em cima de variáveis independentes não podem fazer parte de
estudos quantitativo-descritivos.
A pesquisa classificada, desde que, se tenha controle sobre as variáveis podem
assumir papel importante em estudos quantitativo-descritivos.
A técnica mais conhecida para se trabalhar neste sentido é o método de survey.
(HYMAN, 1967).
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
A coleta de dados geralmente é realizada nestes estudos por questionários e
entrevistas que apresentam variáveis distintas e relevantes para pesquisa, que em analise
é geralmente apresentado por tabelas e gráficos.
A pesquisa não pode possuir estudo quantitativo-descritivo quando for de caráter
experimental (TRIPOLDI, 1981, P. 52 – 59).
A expressão dos dados pode ser abordada conforme Marconi (1982), ao revelar
que devem ser expressos com medidas numéricas. Defende ainda que técnicas quânticas
de análise e tratamento dos dados apresentam melhor compreensão, mais objetivo,
dinamizam o processo de relação entre variáveis.
Pois em Marconi (1982) a pesquisa quantitativa também é apresentada como
“semântica quantitativa e análise de conteúdo”, trabalhando e mensurando dados de
uma base textual.
5 QUALITATIVA
Este método difere, em princípio, do quantitativo, à medida que não emprega um
instrumental estatístico como base na análise de um problema, não pretendendo medir
ou numerar categorias (RICHARDSON, 1989).
Os estudos de campo qualitativos não tem um significado preciso em quaisquer
das áreas onde sejam utilizados. Para alguns, todos os estudos de campo são
necessariamente qualitativos e, mais ainda, como já comentado, identificam-se com a
observação participante.
Podemos partir do princípio de que a pesquisa qualitativa é aquela que trabalha
predominantemente com dados qualitativos, isto é, a informação coletada pelo
pesquisador não é expressa em números, ou então os números e as conclusões neles
baseadas representam um papel menor na análise.
Dentro de tal conceito amplo, os dados qualitativos incluem também
informações não expressas em palavras, tais como pinturas, fotografias, desenhos,
filmes, vídeo tapes e até mesmo trilhas sonoras (TESCH, 1990).
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
Para estudos em Administração de Empresas, essa conceituação pode ser
adaptada. Conservando a idéia de que a pesquisa qualitativa não envolve a quantificação
de fenômenos, em Administração ela pode ser associada com a coleta e análise de texto
(falado e escrito) e a observação direta do comportamento.
Evidentemente, existem alguns métodos mais apropriados a tal coleta e análise:
entrevistas abertas, observação participante, análise documental (cartas, diários,
impressos, relatórios, etc.), estudos de caso, história de vida, etc.
Mais do que tais métodos, interessam-nos aqui as características básicas da
pesquisa qualitativa. Sem pretender esgotá-las, pode-se dizer que incluem (CASSEL;
SYMON, 1994, p. 127 - 129):
a) um foco na interpretação ao invés de na quantificação: geralmente, o
pesquisador qualitativo está interessado na interpretação que os próprios
participantes tem da situação sob estudo;
b) ênfase na subjetividade ao invés de na objetividade: aceita-se que a busca
de objetividade é um tanto quanto inadequada, já que o foco de interesse
é justamente a perspectiva dos participantes;
c) flexibilidade no processo de conduzir a pesquisa: o pesquisador trabalha
com situações complexas que não permite a definição exata e a priori dos
caminhos que a pesquisa irá seguir;
d) orientação para o processo e não para o resultado: a ênfase está no
entendimento e não num objetivo pré determinado, como na pesquisa
quantitativa;
e) preocupação com o contexto, no sentido de que o comportamento das
pessoas e a situação ligam-se intimamente na formação da experiência;
f) reconhecimento do impacto do processo de pesquisa sobre a situação de
pesquisa: admite-se que o pesquisador exerce influência sobre a situação
de pesquisa e é por ela também influenciado.
Infelizmente, a pesquisa qualitativa não tem ainda o papel de destaque que
deveria ter. Muitos pesquisadores a evitam, em nome de uma pretensa neutralidade
científica e de um rigor metodológico mais próprio da ciência natural. Identificando
algumas características dos estudos qualitativos como:
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
a) os dados são coletados preferencialmente nos contextos em que os
fenômenos são construídos;
b) a análise de dados é desenvolvida, de preferência, no decorrer do
processo de levantamento destes;
c) os estudos apresentam-se de forma descritiva, com enfoque na
compreensão à luz dos significados dos próprios sujeitos e de outras
referências;
d) a teoria é construída por meio de análise dos dados empíricos, para
posteriormente ser aperfeiçoada com a leitura de outros autores;
e) a interação entre pesquisador e pesquisado é fundamental, razão pela
qual se exige do pesquisador diversos aperfeiçoamentos, principalmente
em técnicas comunicacionais;
f) a integração de dados qualitativos com dados quantitativos não é negada,
e sim a complementaridade desses dois modelos é estimulada.
Por sua vez, para Minayo (1994) as relações entre abordagens qualitativas e
quantitativas demonstram que:
a) as duas metodologias não são incompatíveis e podem ser integradas num
mesmo projeto;
b) que uma pesquisa quantitativa pode conduzir o investigador à escolha de
um problema particular a ser analisado em toda sua complexidade,
através de métodos e técnicas qualitativas e vice-versa;
c) que a investigação qualitativa é a que melhor se coaduna ao
reconhecimento de situações particulares, grupos específicos e universos
simbólicos.
REFERÊNCIAS
ABNT. Institucional. Disponível em: <http://www.abnt.org.br>. Acesso em: 25 mar.
2005.
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
ABRAMO, Perseu. Pesquisa em ciências sociais. In: HIRANO, Sedi (Org.). Pesquisa
social: projeto e planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979.
ANDER – EGG, Ezequiel. Introducción a lãs técnicas de investigación social: para
trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978.
ASTI VERA, Arnaldo. Metodologia da pesquisa científica. 5. ed. Porto Alegre:
Globo, 1979.
BEST, J. W. Como investigar em educación. 2. ed. Madri: Morata, 1972.
BOENTE, Alfredo; BRAGA, Gláucia. Metodologia científica contemporânea. Rio de
Janeiro: Brasport, 2004.
CASSELL, Catherine; SYMON, Gillian. Qualitative methods in organizational
research. London: Sage Publications, 1994.
DIEHL, Astor Antonio. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas.
São Paulo: Prentice Hall, 2004.
FACHIN, Odilia. Fundamentos de metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas,
1991.
______. Metodologia do ensino superior. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1997.
HYMANN, Hebert. Planejamento e análise da pesquisa: princípios, casos e
processos. Rio de Janeiro: Lidador, 1967.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 5. ed.
São Paulo: Atlas, 2002.
MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento científico: pesquisa qualitativa em
saúde. 2. ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1994
DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e
qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01-
13, Sem II. 2008
ISSN 1980-7031
PARDINAS, Felipe. Medología y técnicas de investigación em ciencias sociales. 2.
ed. México: Siglo Veintiuno, 1977.
POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1972.
RAMOS, Paulo; RAMOS, Magda Maria; BUSNELLO, Saul José. Manual prático de
metodologia da pesquisa: artigo, resenha, projeto, TCC, monografia, dissertação e
tese.
RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas,
1989.
ROSENTAL, Claude; FRÉMONTIER-MURPHY, Camille. Introdução aos métodos
quantitativos em ciências humanas e sociais. Porto Alegre: Instituto Piaget, 2001.
SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Heder, 1965.
SILVEIRA, Amélia. (Org.). Roteiro básico para apresentação e editoração de teses,
dissertações e monografias. 2. ed. Blumenau: Edifurb, 2004. p. 103 – 106.
TESCH, Renata. Qualitative research: analysis types and software tools. Basingstoke:
The Falmer Press, 1990.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Técnico Científico
Relatório Técnico CientíficoRelatório Técnico Científico
Relatório Técnico CientíficoLucas De Paula
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaÉrica Rigo
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaFernando Dantas
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slidesguestc028f7
 
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004Hidematuda
 
Metodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigaçãoMetodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigaçãoDavid Lamas
 
Estrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científicoEstrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científicoAlexandre Fidelis
 
Palestra tcc
Palestra tccPalestra tcc
Palestra tccwapiva
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaPaulo Silva
 
Ii. O Processo De InvestigaçãO
Ii. O Processo De InvestigaçãOIi. O Processo De InvestigaçãO
Ii. O Processo De InvestigaçãOguest5b37db
 
Modelo de projeto do CEP da Estácio de Alagoas
Modelo de projeto do CEP da Estácio de AlagoasModelo de projeto do CEP da Estácio de Alagoas
Modelo de projeto do CEP da Estácio de AlagoasJuliane Barreto
 
Pesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisPesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisAna Rodrigues
 
Pesquisa científica
Pesquisa científicaPesquisa científica
Pesquisa científicacostafranklin
 
Metodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos geraisMetodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos geraisJuliana Sarieddine
 

Mais procurados (20)

Relatório Técnico Científico
Relatório Técnico CientíficoRelatório Técnico Científico
Relatório Técnico Científico
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Tipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisaTipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisa
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
 
Aula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisaAula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisa
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
 
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
 
Metodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigaçãoMetodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigação
 
Estrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científicoEstrutura de trabalho científico
Estrutura de trabalho científico
 
Palestra tcc
Palestra tccPalestra tcc
Palestra tcc
 
Guia para Construção de Projeto TCC
Guia para Construção de Projeto TCCGuia para Construção de Projeto TCC
Guia para Construção de Projeto TCC
 
Apresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científicaApresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científica
 
Validade e fidedignidade
Validade e fidedignidadeValidade e fidedignidade
Validade e fidedignidade
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
 
ABNT
ABNTABNT
ABNT
 
Ii. O Processo De InvestigaçãO
Ii. O Processo De InvestigaçãOIi. O Processo De InvestigaçãO
Ii. O Processo De InvestigaçãO
 
Modelo de projeto do CEP da Estácio de Alagoas
Modelo de projeto do CEP da Estácio de AlagoasModelo de projeto do CEP da Estácio de Alagoas
Modelo de projeto do CEP da Estácio de Alagoas
 
Pesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisPesquisas educacionais
Pesquisas educacionais
 
Pesquisa científica
Pesquisa científicaPesquisa científica
Pesquisa científica
 
Metodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos geraisMetodologia científica introdução e conceitos gerais
Metodologia científica introdução e conceitos gerais
 

Destaque

Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teoricoMetodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teoricoFrancisco Augusto de Junito
 
Metodo De Pesquisa Ensinando 2010
Metodo De Pesquisa Ensinando 2010Metodo De Pesquisa Ensinando 2010
Metodo De Pesquisa Ensinando 2010jhony
 
Pesquisa e Método Cientifico
Pesquisa e Método CientificoPesquisa e Método Cientifico
Pesquisa e Método CientificoCarson Souza
 
Tirocínio deficiencia auditiva
Tirocínio deficiencia auditivaTirocínio deficiencia auditiva
Tirocínio deficiencia auditivaJuliana Silva
 
Marcadores Inflamatorios AR
Marcadores Inflamatorios ARMarcadores Inflamatorios AR
Marcadores Inflamatorios ARPriscila Torres
 
Tirocínio slide deficiência visual
Tirocínio slide deficiência visualTirocínio slide deficiência visual
Tirocínio slide deficiência visualJuliana Silva
 
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISA
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISAMÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISA
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISATecoluca Luiz
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1queenbianca
 
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009Flavio Oliveira Alencar
 

Destaque (13)

Métodos Quantitativos e Pesquisa em Ciências Sociais - Ramos, 2013 (Síntese d...
Métodos Quantitativos e Pesquisa em Ciências Sociais - Ramos, 2013 (Síntese d...Métodos Quantitativos e Pesquisa em Ciências Sociais - Ramos, 2013 (Síntese d...
Métodos Quantitativos e Pesquisa em Ciências Sociais - Ramos, 2013 (Síntese d...
 
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teoricoMetodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
Metodos quantitativos e_qualitativos_um_resgate_teorico
 
Metodo De Pesquisa Ensinando 2010
Metodo De Pesquisa Ensinando 2010Metodo De Pesquisa Ensinando 2010
Metodo De Pesquisa Ensinando 2010
 
Pesquisa e Método Cientifico
Pesquisa e Método CientificoPesquisa e Método Cientifico
Pesquisa e Método Cientifico
 
Apresentação metodologia da pesquisa
Apresentação   metodologia da pesquisaApresentação   metodologia da pesquisa
Apresentação metodologia da pesquisa
 
Tirocínio deficiencia auditiva
Tirocínio deficiencia auditivaTirocínio deficiencia auditiva
Tirocínio deficiencia auditiva
 
Diagnostico Precoce AR
Diagnostico Precoce ARDiagnostico Precoce AR
Diagnostico Precoce AR
 
Marcadores Inflamatorios AR
Marcadores Inflamatorios ARMarcadores Inflamatorios AR
Marcadores Inflamatorios AR
 
Tirocínio slide deficiência visual
Tirocínio slide deficiência visualTirocínio slide deficiência visual
Tirocínio slide deficiência visual
 
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISA
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISAMÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISA
MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS DE PESQUISA
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
 
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
 
Livro De Metodologia CientíFica
Livro De Metodologia CientíFicaLivro De Metodologia CientíFica
Livro De Metodologia CientíFica
 

Semelhante a Métodos quantitativos e qualitativos na pesquisa

H - Metodologia IV.pdf
H - Metodologia IV.pdfH - Metodologia IV.pdf
H - Metodologia IV.pdfssuser622d3b
 
PESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPaloma Thayná
 
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...Bárbara Morim
 
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa naPesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa naMariele Schossler
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Pesquisa na graduacao
Pesquisa na graduacaoPesquisa na graduacao
Pesquisa na graduacaoben
 
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02willian pereira
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativagisa_legal
 
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Concurso Professor Cariri   PesquisaConcurso Professor Cariri   Pesquisa
Concurso Professor Cariri PesquisaJonathas Carvalho
 
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídicoArtigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídicorqmjr2003
 
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...LilianeAmaral11
 
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...Rosane Domingues
 
31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptx31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptxRobsonDorival1
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ipUNICEP
 

Semelhante a Métodos quantitativos e qualitativos na pesquisa (20)

H - Metodologia IV.pdf
H - Metodologia IV.pdfH - Metodologia IV.pdf
H - Metodologia IV.pdf
 
PESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIAPESQUISA - METODOLOGIA
PESQUISA - METODOLOGIA
 
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...
“A ÁREA, O TEMA E O PROBLEMA DE PESQUISA COMO FATORES DETERMINANTES NO PROCES...
 
Metodologia de Pesquisa
Metodologia de PesquisaMetodologia de Pesquisa
Metodologia de Pesquisa
 
Modalidades pesquisa
Modalidades pesquisaModalidades pesquisa
Modalidades pesquisa
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa naPesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Pesquisa na graduacao
Pesquisa na graduacaoPesquisa na graduacao
Pesquisa na graduacao
 
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Concurso Professor Cariri   PesquisaConcurso Professor Cariri   Pesquisa
Concurso Professor Cariri Pesquisa
 
document-7.pdf
document-7.pdfdocument-7.pdf
document-7.pdf
 
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídicoArtigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
 
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
 
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
 
31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptx31_março_2017 aula presencial.pptx
31_março_2017 aula presencial.pptx
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
 

Mais de Rosane Domingues

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Rosane Domingues
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Rosane Domingues
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaRosane Domingues
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELORosane Domingues
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.Rosane Domingues
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...Rosane Domingues
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Rosane Domingues
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Rosane Domingues
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Rosane Domingues
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional Rosane Domingues
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016Rosane Domingues
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALRosane Domingues
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...Rosane Domingues
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...Rosane Domingues
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012Rosane Domingues
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...Rosane Domingues
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...Rosane Domingues
 

Mais de Rosane Domingues (20)

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 

Último

Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Métodos quantitativos e qualitativos na pesquisa

  • 1. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS: UM RESGATE TEÓRICO Michael Samir Dalfovo1 Rogério Adilson Lana2 Amélia Silveira3 RESUMO A realização de estudos sobre tipos e métodos de pesquisa sempre provocaram divergências e discussões, principalmente no meio acadêmico. Percebe-se a importância dessa discussão para o meio acadêmico, pois os alunos geralmente possuem problemas em definir qual o método estão utilizando, como também pesquisadores para a construção do conhecimento. Neste sentido, este artigo se propôs a realizar um resgate sobre alguns conceitos e definições de autores consagrados. Ao final, volta-se o foco para estudos sociais principalmente os ligados a administração. Contudo, espera-se com esse artigo contribuir para uma melhor definição dos processos de pesquisa. Palavras-chave: Conhecimento. Pesquisa. Método. 1 CONHECIMENTO Desde a história mais remota do homem primitivo, sabe-se da ânsia de conhecimento, a busca insana pela sabedoria, fazendo com que o homem começasse a pensar com base nas suas observações evoluindo seus conhecimentos desde as concepções astrológicas evoluindo até registros em papiros a fim de realmente tornar o conhecimento explícito. Pode-se dizer científicamente, que o conhecimento sofreu várias fases, na qual se fundou em vários tipos. (FACHIN, 20035; RAMOS; RAMOS; BUSNELLO, 2005). De acordo com Fachin (2003, p. 5 – 10), os tipos de conhecimentos são o filosófico, tendo como propulsor Tales de Mileto em “Atenas na luta contra os persas” na Roma. Após este, expandiu-se a Grécia na qual, vários filósofos demonstraram seus conhecimentos, bem como: Sócrates, Platão e Aristóteles. O conhecimento filosófico é o pensamento crítico reflexivo para gerar coerências nas informações. Em Ramos; Ramos; Busnello (2005), o conhecimento filosófico é apresentado como respostas aos 1 Instituto Blumenauense de Ensino Superior, msdalfovo@gmail.com 2 Instituto Blumenauense de Ensino Superior, ral.adm@terra.com.br 3 Universidade Regional de Blumenau, amelia@furb.br
  • 2. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 problemas que rodeiam o ser humano em seu contexto histórico. Porém, tanto em Fachin (2003) como em Ramos; Ramos; Busnello (2005), o conhecimento filosófico é considerado como originador do raciocínio lógico. O segundo tipo de conhecimento a ser citado, sem seguir nenhuma ordem específica é conhecimento teológico, em que, Fachin (2003); Ramos; Ramos; Busnello (2005), abordam como a resposta para perguntas que o homem não consegue responder com base em outros conhecimentos, tendo como principal objeto de estudo a fé e crenças do ser humano. Os dois autores exemplificam como objetos de estudo, Deus. O conhecimento empírico é conceituado por Fachin (2003) como a resposta para ocorrências baseada na vivência, experiência de erros e acertos, que não possuem fundamentação metodológica. Já em Ramos; Ramos; Busnello (2005) acrescenta o conceito anterior a concepção do autor em que o conhecimento empírico é estabelecido pela experiência do outro ensinado e da interação humana e social, na qual são explicitados conhecimentos implícitos individuais e antes em grupo. O que é mais estudado e difundido, o conhecimento científico, se apresenta para Fachin (2003) como o resultado de uma investigação que segue uma metodologia, baseada na realidade de fatos e fenômenos capaz de analisas, descobrir, concluir, criar e resolver novos e antigos problemas. Em Ramos; Ramos; Busnello (2005), o mesmo conhecimento só é realizado quando trabalhado em dados e fatos. Além disso, o mesmo autor, ressalta que precisa sofrer uma análise documental e textual, de como é realizada a metodologia para verificar os resultados da pesquisa realizada. Para Ramos; Ramos; Busnello (2005) ainda há um outro tipo de conhecimento, o tecnológico, que é abordado como um auxílio para os outros tipos de conhecimento, defendendo a idéia de que como antigamente os meios naturais já influenciavam nas pesquisas, as inovações tecnológicas, não podem ficar excluídas, visto avanços nas várias áreas conhecimento: engenharia, biologia, sociais, entre outra e até a própria tecnologia. Pode-se então perceber, que não importando o tipo de conhecimento, há implicitamente a não ser no conhecimento científico, a busca por uma estruturação de fases e sistemas que organizassem melhor tanto o conhecimento, como a forma de se alcançar o resultado. É esta fase e estrutura a seguir que será abordada neste estudo, visando compreender melhor o método de pesquisa.
  • 3. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 2 MÉTODO DE PESQUISA Para se começar uma pesquisa, Asti Vera (1979), defende a idéia que o propulsor para um estudo é o problema pois sem ele não há razão de realizar a pesquisa. Em Ander – Egg (1978), já tinha uma concepção estruturada de pesquisa aliada ao conhecimento, na qual a classificava como um procedimento. Este procedimento consistia em um sistema que pudesse ser controlado, avaliado, mas que acima de tudo descobrisse novos dados e informações, não se restrigindo a nenhum tipo específico de conhecimento. Aplicada as ciências sociais, Marconi; Lakatos (2002), definem pesquisa como instrumento fundamental para a resolução de problemas coletivos. Pois, Selltiz et al (1965) defendia que a definição e respeito a aplicação dos métodos é que realmente poderia trazer resultados nem sempre satisfatórios mas com certeza fidedignos. Em conformidade com Marconi; Lakatos (2002), quando a respeito de uma das características da pesquisa, podendo até enquadrar-se como um dos primeiros passos de uma pesquisa, que é de acordo com o autor a exploração técnica, sistemática e exata, onde o pesquisador basea-se em estudos já realizados por teóricos anteriores e pesquisas, a fim ter a certeza do método a ser trabalhado e se realmente está com o delineamento correto. Da mesma forma, Silveira (2004), denomina este procedimento de revisão de literatura. Além disso, Marconi; Lakatos (2002), apontam para a necessidade de registrar na própria pesquisa a fonte e referência de onde foram retiradas as informações. Para isso, no Brasil segue-se um padrão que é definido pela Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT (2005). 3 TIPOS DE PESQUISA Pode-se perceber uma diferença de como as pesquisas podem ser classificadas ou estereotipadas, segundo alguns autores abaixo. Ander – Egg (1978), dividi a pesquisa em fundamental, por aquela que possui caráter científico e a aplicada, que é feita na prática sem preocupação junto a ciência.
  • 4. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 Hymann (1967), indica pesquisa como descritiva, na qual descreve um fenômeno e registra a maneira que ocorre e, também como experimental, quando há interpretações e avaliações na aplicação de determinados fatores ou simplesmente dos resultados já existentes dos fenômenos. Além destes quatro tipos, Best (1977), acrescenta nos tipos de pesquisa, a histórica, na qual pode se enquadrar dentro dos moldes da revisão de literatura. Há outras abordagens de classificações da pesquisa. Alguns pesquisadores dividem em monodisciplinares, interdisciplinares e multidisciplinares. É o caso de Pardinas (1977); Abramo (1979). De maneira geral, em vários autores classificaram como partes de uma pesquisa a população como o conjunto a que se pretende estudar e indivíduo uma peça deste conjunto. Apesar ainda de alguns autores classificarem amostra também como população, a amostra tem como corpo uma fração da população delineada na pesquisa. Outra parte da pesquisa, foram as características como sendo aspectos específicos de uma população e variáveis como sendo a apresentação destes aspectos dentro de um contexto. Os valores ou modalidades é a explicitação das peculiaridades da amostra que enquadram dentro das variáveis. Boente; Braga (2004), classifica a pesquisa em acadêmica quando possui fins científicos e pesquisa de ponta, na qual é considerada pelo autor como científico mas com enfoque ao mercado e não ao conhecimento. Dentro destas duas classificações os mesmos autores ainda caracterizam a pesquisa de acordo com algumas fases da pesquisa. Então, segundo os objetivos são caracterizados em: a) descritiva – estando dentro de análises quantitativas e qualitativas, quando há um levantamento de dados e o porquê destes dados; b) exploratória – a investigação de algum objeto de estudo que possui poucas informações; c) explicativa – informar e explicar a ocorrência de algum fenômeno. Segundo os procedimentos de coleta de uma pesquisa:
  • 5. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 a) experimental – envolve algum tipo de experimento que deve seguir um método a rigor científico para que a estrutura se faça eficiente; b) ex – post – facto – é parecida com a experimental, só que aqui não é possível ter controle dos fenômenos que ocorrem durante o estudo; c) levantamentos – foca-se a pesquisa em diretrizes para se alcançar o objeto de estudo; d) pesquisa – participante – os participantes são considerados um dos problemas da pesquisa; e) estudo de caso – trabalha aspecto específico de um fenômeno e suas decorrências; f) pesquisa bibliográfica e documental – ponto de partida de toda pesquisa. como já foi abordado é a revisão de literatura. Segundo fontes de informação: a) de campo – geralmente utiliza-se da observação e conhecimento empírico; b) de laboratório – realizado em condições artificiais; c) qualitativa e quantitativa – levam como base de seu delineamento as questões ou problemas específicos. adota tanto em um quanto em outro a utilização de questionários e entrevistas. os autores boente; braga (2004), colocam que não importa a pesquisa sempre haverá antes algum contexto que terá a parte quantitativa,diferindo desta forma de diversos autores; d) social – identificar aspectos importantes do objeto de estudo em determinado grupo social; e) histórica – tudo que envolve o estudo em cima de algo que já ocorreu; f) teórica – realiza para analisar e estudar releituras de teorias já firmadas; g) aplicada – é a práxis para resolver determinado problema; h) intervencionista – a fim de alterar algum fenômeno da realidade.
  • 6. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 O autor defende esta divisão, mas ressalta em Boente; Braga (2004), para que sejam sempre trabalhadas em conjunto. Outro autor que trabalha com as mesmas definições porém com conceitos diferentes é Gil (1991; 1997). Ramos; Ramos; Busnello (2005), também tem sua própria forma de classificar uma pesquisa. Quanto a natureza: a) básica – novos conhecimentos para a ciência; b) aplicada – novos conhecimentos para a prática. Quanto a abordagem do problema: a) quantitativa – tudo que pode ser mensurado em números, classificados e analisados. utiliza-se de técnicas estatísticas; b) qualitativa – não é traduzida em números, na qual pretende verificar a relação da realidade com o objeto de estudo, obtendo várias interpretações de uma análise indutiva por parte do pesquisador. Em sentido amplo, para Richardson (1989, p. 29) “(...) método em pesquisa significa a escolha de procedimentos sistemáticos para a descrição e explicação de fenômenos”. Desta forma, todo trabalho de pesquisa deve ser planejado e executado de acordo com as normas que acompanham cada método. As duas estratégias de pesquisa, em termos de aplicabilidade, podem ser chamadas de abordagem qualitativa e abordagem quantitativa, utilizando-se uma classificação bastante ampla. Segundo Diehl (2004) a escolha do método se dará pela natureza do problema, bem como de acordo com o nível de aprofundamento. Ademais, estes métodos são diferenciados, além da forma de abordagem do problema, pela sistemática pertinente a cada um deles (RICHARDSON, 1989). Diehl (2004) apresenta um esboço acerca destas duas estratégias: a) a pesquisa quantitativa pela uso da quantificação, tanto na coleta quanto no tratamento das informações, utilizando-se técnicas estatísticas, objetivando resultados que evitem possíveis distorções de análise e interpretação, possibilitando uma maior margem de segurança;
  • 7. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 b) a pesquisa qualitativa, por sua vez, descrevem a complexidade de determinado problema, sendo necessário compreender e classificar os processos dinâmicos vividos nos grupos, contribuir no processo de mudança, possibilitando o entendimento das mais variadas particularidades dos indivíduos. De modo geral quantitativa é passível de ser medida em escala numérica e qualitativa não. (ROSENTAL; FRÉMONTIER-MURPHY, 2001). 4 QUANTITATIVA Seguindo ensinamentos de Richardson (1989), este método caracteriza-se pelo emprego da quantificação, tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento dessas através de técnicas estatísticas, desde as mais simples até as mais complexas. Conforme supra mencionado, ele possui como diferencial a intenção de garantir a precisão dos trabalhos realizados, conduzindo a um resultando com poucas chances de distorções. De uma forma geral, tal como a pesquisa experimental, os estudos de campo quantitativos guiam-se por um modelo de pesquisa onde o pesquisador parte de quadros conceituais de referência tão bem estruturados quanto possível, a partir dos quais formula hipóteses sobre os fenômenos e situações que quer estudar. Uma lista de conseqüências é então deduzida das hipóteses. A coleta de dados enfatizará números (ou informações conversíveis em números) que permitam verificar a ocorrência ou não das conseqüências, e daí então a aceitação (ainda que provisória) ou não das hipóteses. Os dados são analisados com apoio da Estatística (inclusive multivariada) ou outras técnicas matemáticas. Também, os tradicionais levantamentos de dados são o exemplo clássico do estudo de campo quantitativo (POPPER, 1972). Richardson (1989) expõe que este método é freqüentemente aplicado nos estudos descritivos (aqueles que procuram descobrir e classificar a relação entre variáveis), os quais propõem investigar “o que é”, ou seja, a descobrir as características de um fenômeno como tal.
  • 8. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 Também, entre os tipos de estudos quantitativos, segundo Diehl (2004) pode-se citar os de correlação de variáveis ou descritivos (os quais por meio de técnicas estatísticas procuram explicar seu grau de relação e o modo como estão operando), os estudos comparativos causais (onde o pesquisador parte dos efeitos observados para descobrir seus antecedentes), e os estudos experimentais (que proporcionam meios para testar hipóteses). No planejamento deste tipo de estudo, o primeiro passo a ser dado é no sentido de identificar as variáveis específicas que possam ser importantes, para assim poder explicar as complexas características de um problema (RICHARDSON, 1989). Outrossim, segundo Richardson (1989), embora muitos experimentos em Ciências Sociais estejam limitados pelas características dos sujeitos, pelo instrumento de avaliação empregados, fator de tempo, disposição de pessoas, o que pode implicar grave incorreção é a grande tendência dos profissionais em fazer generalizações com base nos resultados dos experimentos. Em Tripoldi (1981, p. 48), enquadra estudos quantitativos-descritivos como uma categoria dentro da pesquisa. Esta categoria, ainda possui sub-divisões, ou como cita o autor propósitos, bem como de modo geral a “verificação de hipóteses e a descrição de relações quantitativas entre variáveis especificadas”. O primeiro propósito se destina a hipóteses de causa-efeito ou então as hipóteses que inter relacionam duas ou mais variáveis. O segundo propósito serve para correlacionar várias variáveis específicas para responder as questões específicas da pesquisa. O autor Tripoldi (1981, p. 51) ressalta que características experimentais de busca aleatória e o trabalho em cima de variáveis independentes não podem fazer parte de estudos quantitativo-descritivos. A pesquisa classificada, desde que, se tenha controle sobre as variáveis podem assumir papel importante em estudos quantitativo-descritivos. A técnica mais conhecida para se trabalhar neste sentido é o método de survey. (HYMAN, 1967).
  • 9. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 A coleta de dados geralmente é realizada nestes estudos por questionários e entrevistas que apresentam variáveis distintas e relevantes para pesquisa, que em analise é geralmente apresentado por tabelas e gráficos. A pesquisa não pode possuir estudo quantitativo-descritivo quando for de caráter experimental (TRIPOLDI, 1981, P. 52 – 59). A expressão dos dados pode ser abordada conforme Marconi (1982), ao revelar que devem ser expressos com medidas numéricas. Defende ainda que técnicas quânticas de análise e tratamento dos dados apresentam melhor compreensão, mais objetivo, dinamizam o processo de relação entre variáveis. Pois em Marconi (1982) a pesquisa quantitativa também é apresentada como “semântica quantitativa e análise de conteúdo”, trabalhando e mensurando dados de uma base textual. 5 QUALITATIVA Este método difere, em princípio, do quantitativo, à medida que não emprega um instrumental estatístico como base na análise de um problema, não pretendendo medir ou numerar categorias (RICHARDSON, 1989). Os estudos de campo qualitativos não tem um significado preciso em quaisquer das áreas onde sejam utilizados. Para alguns, todos os estudos de campo são necessariamente qualitativos e, mais ainda, como já comentado, identificam-se com a observação participante. Podemos partir do princípio de que a pesquisa qualitativa é aquela que trabalha predominantemente com dados qualitativos, isto é, a informação coletada pelo pesquisador não é expressa em números, ou então os números e as conclusões neles baseadas representam um papel menor na análise. Dentro de tal conceito amplo, os dados qualitativos incluem também informações não expressas em palavras, tais como pinturas, fotografias, desenhos, filmes, vídeo tapes e até mesmo trilhas sonoras (TESCH, 1990).
  • 10. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 Para estudos em Administração de Empresas, essa conceituação pode ser adaptada. Conservando a idéia de que a pesquisa qualitativa não envolve a quantificação de fenômenos, em Administração ela pode ser associada com a coleta e análise de texto (falado e escrito) e a observação direta do comportamento. Evidentemente, existem alguns métodos mais apropriados a tal coleta e análise: entrevistas abertas, observação participante, análise documental (cartas, diários, impressos, relatórios, etc.), estudos de caso, história de vida, etc. Mais do que tais métodos, interessam-nos aqui as características básicas da pesquisa qualitativa. Sem pretender esgotá-las, pode-se dizer que incluem (CASSEL; SYMON, 1994, p. 127 - 129): a) um foco na interpretação ao invés de na quantificação: geralmente, o pesquisador qualitativo está interessado na interpretação que os próprios participantes tem da situação sob estudo; b) ênfase na subjetividade ao invés de na objetividade: aceita-se que a busca de objetividade é um tanto quanto inadequada, já que o foco de interesse é justamente a perspectiva dos participantes; c) flexibilidade no processo de conduzir a pesquisa: o pesquisador trabalha com situações complexas que não permite a definição exata e a priori dos caminhos que a pesquisa irá seguir; d) orientação para o processo e não para o resultado: a ênfase está no entendimento e não num objetivo pré determinado, como na pesquisa quantitativa; e) preocupação com o contexto, no sentido de que o comportamento das pessoas e a situação ligam-se intimamente na formação da experiência; f) reconhecimento do impacto do processo de pesquisa sobre a situação de pesquisa: admite-se que o pesquisador exerce influência sobre a situação de pesquisa e é por ela também influenciado. Infelizmente, a pesquisa qualitativa não tem ainda o papel de destaque que deveria ter. Muitos pesquisadores a evitam, em nome de uma pretensa neutralidade científica e de um rigor metodológico mais próprio da ciência natural. Identificando algumas características dos estudos qualitativos como:
  • 11. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 a) os dados são coletados preferencialmente nos contextos em que os fenômenos são construídos; b) a análise de dados é desenvolvida, de preferência, no decorrer do processo de levantamento destes; c) os estudos apresentam-se de forma descritiva, com enfoque na compreensão à luz dos significados dos próprios sujeitos e de outras referências; d) a teoria é construída por meio de análise dos dados empíricos, para posteriormente ser aperfeiçoada com a leitura de outros autores; e) a interação entre pesquisador e pesquisado é fundamental, razão pela qual se exige do pesquisador diversos aperfeiçoamentos, principalmente em técnicas comunicacionais; f) a integração de dados qualitativos com dados quantitativos não é negada, e sim a complementaridade desses dois modelos é estimulada. Por sua vez, para Minayo (1994) as relações entre abordagens qualitativas e quantitativas demonstram que: a) as duas metodologias não são incompatíveis e podem ser integradas num mesmo projeto; b) que uma pesquisa quantitativa pode conduzir o investigador à escolha de um problema particular a ser analisado em toda sua complexidade, através de métodos e técnicas qualitativas e vice-versa; c) que a investigação qualitativa é a que melhor se coaduna ao reconhecimento de situações particulares, grupos específicos e universos simbólicos. REFERÊNCIAS ABNT. Institucional. Disponível em: <http://www.abnt.org.br>. Acesso em: 25 mar. 2005.
  • 12. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 ABRAMO, Perseu. Pesquisa em ciências sociais. In: HIRANO, Sedi (Org.). Pesquisa social: projeto e planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979. ANDER – EGG, Ezequiel. Introducción a lãs técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978. ASTI VERA, Arnaldo. Metodologia da pesquisa científica. 5. ed. Porto Alegre: Globo, 1979. BEST, J. W. Como investigar em educación. 2. ed. Madri: Morata, 1972. BOENTE, Alfredo; BRAGA, Gláucia. Metodologia científica contemporânea. Rio de Janeiro: Brasport, 2004. CASSELL, Catherine; SYMON, Gillian. Qualitative methods in organizational research. London: Sage Publications, 1994. DIEHL, Astor Antonio. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004. FACHIN, Odilia. Fundamentos de metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991. ______. Metodologia do ensino superior. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1997. HYMANN, Hebert. Planejamento e análise da pesquisa: princípios, casos e processos. Rio de Janeiro: Lidador, 1967. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002. MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento científico: pesquisa qualitativa em saúde. 2. ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1994
  • 13. DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031 PARDINAS, Felipe. Medología y técnicas de investigación em ciencias sociales. 2. ed. México: Siglo Veintiuno, 1977. POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1972. RAMOS, Paulo; RAMOS, Magda Maria; BUSNELLO, Saul José. Manual prático de metodologia da pesquisa: artigo, resenha, projeto, TCC, monografia, dissertação e tese. RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1989. ROSENTAL, Claude; FRÉMONTIER-MURPHY, Camille. Introdução aos métodos quantitativos em ciências humanas e sociais. Porto Alegre: Instituto Piaget, 2001. SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Heder, 1965. SILVEIRA, Amélia. (Org.). Roteiro básico para apresentação e editoração de teses, dissertações e monografias. 2. ed. Blumenau: Edifurb, 2004. p. 103 – 106. TESCH, Renata. Qualitative research: analysis types and software tools. Basingstoke: The Falmer Press, 1990.