SlideShare uma empresa Scribd logo
A Escultura Renascentista
«A estátua é o ideal deste tempo. […]
a arte “corporal” por excelência.»
Bazin, Histoire de l’Art
- Itália recupera a grandeza e a preeminência alcançada na Antiguidade Clássica;
- Em Roma as escavações arqueológicas trazem a descoberto muitas das obras-primas
da estatuária greco-romana;
- As descobertas arqueológicas tornam-se fonte de inspiração para os escultores do
Renascimento;
Contextualização
- Humanismo e naturalismo: interesse pela representação da figura humana com
elevado rigor anatómico e expressividade fisionómica - o corpo nu ressurge com uma
nova dignidade;
- Equilíbrio e racionalidade: especial gosto pela composição geométrica,
especialmente pela piramidal;
- Elevado aperfeiçoamento técnico: perícia demonstrada na utilização dos materiais e
na criação de novos processos de projeção e execução das obras, nomeadamente, os
estudos prévios de perspetiva.
Características:
- A escultura readquire a grandeza e proeminência do período clássico;
- Ganha desenvoltura e naturalidade, visível no nu e nas estátuas
equestres;
- A escultura tornou-se autónoma em relação à arquitetura:
a estatuária ganha uma função pública no espaço urbano, num
jardim, numa praça ou num palácio.
- Ressurgem as estátuas equestres;
- Dá-se atenção aos túmulos;
Material utilizado:
Mármore;
Pedra;
Bronze;
Madeira;
Terracota.
Principais escultores:
Lorenzo Ghiberti (1378-1455);
Donatello (c. 1386-1466);
Bernardo Rossellino (1409-1464);
Andrea dei Verrochio (1435-1488);
Miguel Ângelo (1475-1564).
Autor: Miguel Ângelo (6 de março
de 1475, em Caprese - 18 de
fevereiro de 1564, em Roma).
Data:1501-1504
Local: Accademia di Belle Arte, em
Florença.
Dimensões: 5,17 cm
Material: Mármore branco
Função: A estátua terá sido
encomendada para ser colocada
no contraforte da cúpula da
Catedral de Santa Maria das
Flores, em Florença.
Escultura inspirada na história Bíblica de David, o jovem pastor que, com seu arpão e uma pedra, corta a
cabeça do gigante Golias, o guerreiro filisteu, e que, mais tarde, torna-se o lendário rei Hebreu.
A cabeça do «David» é, proporcionalmente, maior do
que devia ser em relação ao corpo.
Como observamos a estátua de baixo para cima, a
cabeça tem de ser maior para compensar a distância a
que se encontra do observador.
O olhar expressa a concentração e determinação
de quem está prestes a atacar o inimigo.
A mão direita é maior que a esquerda o que pode
ser uma referência à «mão forte» de David, já que
foi com ela que derrotou Golias.
Influências clássicas:
Racionalismo
Beleza ideal
Realismo
Conhecimento da anatomia
Proporção
Simetria
Perfeição
David, de Donatello, Florença.
Autor: Miguel Ângelo.
Data:1498-1501.
Local: A estátua encontra-se na
Basílica de S. Pedro em Roma
(Vaticano).
Dimensões: 1,74 cm
Material: Mármore branco
Representação: Pietá representa a
figura isolada da Virgem Maria,
que tem nos braços o corpo de
Cristo, após ter sido retirado da
cruz.
Miguel Ângelo cria obras a partir de um bloco único de pedra sem projeto prévio.
Nesta obra, a regra da proporção foi alterada: o Cristo é
menor que a Virgem, não só para dar a impressão de não
esmagar a Mãe mostrando que é seu Filho, mas também
para manter a composição em pirâmide.
A assinatura é uma manifestação de individualismo
A Virgem aparenta ser muito nova para ser mãe de alguém com 33 anos.
MICHAEL ANGELUS BONAROTUS
FLORENT. FACIEBA(T), ou seja,
«Miguel Angelo Buonarotus de
Florença fez.»
.
Expressão de resignação: a dor do rosto é idealizada;
O panejamento das vestes tem um efeito
translúcido, causado pelo efeito da sombra sob
a figura.
A mão direita, que sustenta com força o corpo inerte,
tem os dedos abertos, evidenciando as costelas do
Cristo.
O braço direito de Jesus cai inerte.
A mão esquerda com um gesto de aceitação/resignação.
Escultura equestre de Bartolomeo Colleoni realizada em bronze por Verrocchio. A figura é representada com um aspeto
majestoso e monumental.
Na estatuária do
Renascimento, para além da
representação de figuras
religiosas, laicas e
mitológicas, também há
muitas esculturas equestres.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
Carlos Vieira
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
Laguat
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
Ana Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
teresagoncalves
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
Hca Faro
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
Ana Barreiros
 
04 escultura renascentista
04 escultura renascentista04 escultura renascentista
04 escultura renascentista
Vítor Santos
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
João Lima
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Natália Cabral
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
miguel ângelo
miguel  ângelomiguel  ângelo
miguel ângelo
Carlos Vieira
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
Ana Barreiros
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e MoçárabeMódulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
04 escultura renascentista
04 escultura renascentista04 escultura renascentista
04 escultura renascentista
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
miguel ângelo
miguel  ângelomiguel  ângelo
miguel ângelo
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e MoçárabeMódulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
 

Semelhante a A Escultura Renascentista

Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - ArteRenascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Hadassa Castro
 
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médioRenascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
alexandramatos33
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4
paulo_batista
 
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMOSLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
MoniqueSousa25
 
Renascimento 2017
Renascimento 2017Renascimento 2017
Renascimento 2017
CLEBER LUIS DAMACENO
 
O Barroco na Europa, Parte 1 - 1563-1750.
O Barroco na Europa,   Parte 1 - 1563-1750.O Barroco na Europa,   Parte 1 - 1563-1750.
O Barroco na Europa, Parte 1 - 1563-1750.
Professor Gilson Nunes
 
Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1 Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1
lucas_12
 
Mulher na arte
Mulher na arteMulher na arte
Mulher na arte
Ana Paula Chierotti
 
Arte renascimento 2
Arte renascimento 2Arte renascimento 2
Arte renascimento 2
Carla Teixeira
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Claudio Bastos
 
Museu Nacional de Arte Antiga
Museu Nacional de Arte AntigaMuseu Nacional de Arte Antiga
Museu Nacional de Arte Antiga
kalaukias
 
Renascimento 2018
Renascimento 2018Renascimento 2018
Renascimento 2018
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
Nº 2, 13, 15, 16  10ºHNº 2, 13, 15, 16  10ºH
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
António Luís Catarino
 
Representação do corpo humano na arte 9º ano.pptx
Representação do corpo humano na arte 9º ano.pptxRepresentação do corpo humano na arte 9º ano.pptx
Representação do corpo humano na arte 9º ano.pptx
arteinovacaokids
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
chicovalmir
 
Michelangelo uma obra genial (1)
Michelangelo  uma obra genial (1)Michelangelo  uma obra genial (1)
Michelangelo uma obra genial (1)
Rachel Paula
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3
 Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3 Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3
Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3
Professor Gilson Nunes
 

Semelhante a A Escultura Renascentista (20)

Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - ArteRenascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
 
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médioRenascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4
 
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMOSLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
 
Renascimento 2017
Renascimento 2017Renascimento 2017
Renascimento 2017
 
O Barroco na Europa, Parte 1 - 1563-1750.
O Barroco na Europa,   Parte 1 - 1563-1750.O Barroco na Europa,   Parte 1 - 1563-1750.
O Barroco na Europa, Parte 1 - 1563-1750.
 
Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1 Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1
 
Mulher na arte
Mulher na arteMulher na arte
Mulher na arte
 
Arte renascimento 2
Arte renascimento 2Arte renascimento 2
Arte renascimento 2
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Museu Nacional de Arte Antiga
Museu Nacional de Arte AntigaMuseu Nacional de Arte Antiga
Museu Nacional de Arte Antiga
 
Renascimento 2018
Renascimento 2018Renascimento 2018
Renascimento 2018
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
Nº 2, 13, 15, 16  10ºHNº 2, 13, 15, 16  10ºH
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
 
Representação do corpo humano na arte 9º ano.pptx
Representação do corpo humano na arte 9º ano.pptxRepresentação do corpo humano na arte 9º ano.pptx
Representação do corpo humano na arte 9º ano.pptx
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
Michelangelo uma obra genial (1)
Michelangelo  uma obra genial (1)Michelangelo  uma obra genial (1)
Michelangelo uma obra genial (1)
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3
 Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3 Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3
Michelangelo: Alto-Renascimento - Parte 3
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
Susana Simões
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
Susana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
Susana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
Susana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Susana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
Susana Simões
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 

Último

quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

A Escultura Renascentista

  • 1. A Escultura Renascentista «A estátua é o ideal deste tempo. […] a arte “corporal” por excelência.» Bazin, Histoire de l’Art
  • 2. - Itália recupera a grandeza e a preeminência alcançada na Antiguidade Clássica; - Em Roma as escavações arqueológicas trazem a descoberto muitas das obras-primas da estatuária greco-romana; - As descobertas arqueológicas tornam-se fonte de inspiração para os escultores do Renascimento; Contextualização
  • 3. - Humanismo e naturalismo: interesse pela representação da figura humana com elevado rigor anatómico e expressividade fisionómica - o corpo nu ressurge com uma nova dignidade; - Equilíbrio e racionalidade: especial gosto pela composição geométrica, especialmente pela piramidal; - Elevado aperfeiçoamento técnico: perícia demonstrada na utilização dos materiais e na criação de novos processos de projeção e execução das obras, nomeadamente, os estudos prévios de perspetiva. Características:
  • 4. - A escultura readquire a grandeza e proeminência do período clássico; - Ganha desenvoltura e naturalidade, visível no nu e nas estátuas equestres; - A escultura tornou-se autónoma em relação à arquitetura: a estatuária ganha uma função pública no espaço urbano, num jardim, numa praça ou num palácio. - Ressurgem as estátuas equestres; - Dá-se atenção aos túmulos;
  • 5. Material utilizado: Mármore; Pedra; Bronze; Madeira; Terracota. Principais escultores: Lorenzo Ghiberti (1378-1455); Donatello (c. 1386-1466); Bernardo Rossellino (1409-1464); Andrea dei Verrochio (1435-1488); Miguel Ângelo (1475-1564).
  • 6. Autor: Miguel Ângelo (6 de março de 1475, em Caprese - 18 de fevereiro de 1564, em Roma). Data:1501-1504 Local: Accademia di Belle Arte, em Florença. Dimensões: 5,17 cm Material: Mármore branco Função: A estátua terá sido encomendada para ser colocada no contraforte da cúpula da Catedral de Santa Maria das Flores, em Florença. Escultura inspirada na história Bíblica de David, o jovem pastor que, com seu arpão e uma pedra, corta a cabeça do gigante Golias, o guerreiro filisteu, e que, mais tarde, torna-se o lendário rei Hebreu.
  • 7. A cabeça do «David» é, proporcionalmente, maior do que devia ser em relação ao corpo. Como observamos a estátua de baixo para cima, a cabeça tem de ser maior para compensar a distância a que se encontra do observador. O olhar expressa a concentração e determinação de quem está prestes a atacar o inimigo.
  • 8. A mão direita é maior que a esquerda o que pode ser uma referência à «mão forte» de David, já que foi com ela que derrotou Golias.
  • 9. Influências clássicas: Racionalismo Beleza ideal Realismo Conhecimento da anatomia Proporção Simetria Perfeição David, de Donatello, Florença.
  • 10. Autor: Miguel Ângelo. Data:1498-1501. Local: A estátua encontra-se na Basílica de S. Pedro em Roma (Vaticano). Dimensões: 1,74 cm Material: Mármore branco Representação: Pietá representa a figura isolada da Virgem Maria, que tem nos braços o corpo de Cristo, após ter sido retirado da cruz.
  • 11. Miguel Ângelo cria obras a partir de um bloco único de pedra sem projeto prévio. Nesta obra, a regra da proporção foi alterada: o Cristo é menor que a Virgem, não só para dar a impressão de não esmagar a Mãe mostrando que é seu Filho, mas também para manter a composição em pirâmide.
  • 12. A assinatura é uma manifestação de individualismo A Virgem aparenta ser muito nova para ser mãe de alguém com 33 anos. MICHAEL ANGELUS BONAROTUS FLORENT. FACIEBA(T), ou seja, «Miguel Angelo Buonarotus de Florença fez.» . Expressão de resignação: a dor do rosto é idealizada;
  • 13. O panejamento das vestes tem um efeito translúcido, causado pelo efeito da sombra sob a figura. A mão direita, que sustenta com força o corpo inerte, tem os dedos abertos, evidenciando as costelas do Cristo. O braço direito de Jesus cai inerte. A mão esquerda com um gesto de aceitação/resignação.
  • 14. Escultura equestre de Bartolomeo Colleoni realizada em bronze por Verrocchio. A figura é representada com um aspeto majestoso e monumental. Na estatuária do Renascimento, para além da representação de figuras religiosas, laicas e mitológicas, também há muitas esculturas equestres.