SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
A ARTE NA GRÉCIA
Por volta do século X a.C., os
     habitantes da Grécia
  continental e das ilhas do
      mar Egeu formavam
   pequenas comunidades,
 distantes uma das outras e
   falavam vários dialetos.
Nessa época as comunidades
eram muito pobres, mais aos
poucos foram enriquecendo e
     se transformaram em
    cidades-Estado. Com o
  aumento dessas cidades-
Estado, entraram em contato
 com a cultura do Egito e do
 Oriente Próximo, cuja arte
  despertou admiração nos
            gregos.


Atenas, capital da Grécia.
A GRÉCIA ANTIGA
OS PERÍODOS DA
                    ARTE GREGA
   PERÍODO
ARCÁICO: Vai
de meados do
século VII a.C.
  até a época
 das Guerras
 Pérsicas, no
 século V a.C.
OS PERÍODOS DA ARTE
                         GREGA

   PERÍODO
CLÁSSICO: Vai
  do século V
a.C., até o fim
 da Guerra do
  Peloponeso,
 século IV a.C.
A ESCULTURA
Aproximadamente
por volta do século
VII a.C., os gregos
   começaram a
    esculpir em
mármore grandes
      figuras
    masculinas.
A EVOLUÇÃO DA
                    ESCULTURA
  Padrão
 Kouros: Na
  escultura do
período arcaico
   nota-se a
 influência do
  Egito,ao dá
 uma ênfase à
  simetria do
corpo humano
 de forma bem
     rígida.
Efebo de Crítios 480 a.C.:

A obra Efebo de Crítios
apresenta uma nova forma
de fazer escultura. Em vez
de olhar bem para a frente,
como no Kouros, o Efebo
tem a cabeça voltada
ligeiramente para o lado.
Atleta em competição de lançamento
Discóbolo de Míron, 450 a.C.   de disco, olimpíadas de Londres 2012
Doríforo de Policleto 440 a.C.


Nessa obra os braços e as
pernas apresentam-se
alternadamente tensos e
relaxados, o que sugere que a
figura está dando um passo.
As construções que se
destacam na arquitetura
grega são os templos, e se
hoje as pessoas se reúnem
nos templos para o culto
religioso, os gregos
construíam templos para
proteger as estátuas dos
deuses das chuvas e do sol
excessivo.

                             Alguns deuses gregos
Planta de um templo grego

 A característica
mais evidente dos
templos gregos, é
  a simetria dos
    pórticos da
 entrada e o dos
fundos. Ou seja a
   entrada e os
   fundos eram
      muitos
  semelhantes.
MODELOS DE COLUNAS
                   DOS TEMPLOS GREGOS
   O conjunto
 formado pelas
 colunas e pelas
  estruturas a
  elas ligadas,
 obedecia a dois
  modelos: o da
ordem dórica e o
da ordem jônica,
 além de existir
   também o
     corinto.
Partenon 440 a.C.: exemplo de
                                     ordem dórica
 A ordem dórica pode ser
    vista no Partenon,
  templo construído em
   homenagem à deusa
    Atena.O corpo das
   colunas era grosso e
  firmava-se no degrau
 mais elevado. O capitel
   era muito simples. A
   arquitrave era lisa e
 apoiava-se diretamente
  nas colunas. Sobre ela
  havia retângulos com
     sulcos verticais e
 retângulos que podiam
ser lisos, pintados ou com
    figuras em relevo.
Erecteion 420 a.C.: Exemplo de
                                     ordem jônica
 A ordem jônica era mais
 ornamentada e sugeria
    leveza. As colunas
apresentavam corpo mais
  fino e, diferentemente
das da ordem dórica, não
se apoiavam diretamente
sobre o último degrau do
 templo, mas sobre uma
 base decorada.O capitel
   era ornamentado e a
 arquitrave , dividida em
      três a de faixas
 horizontais. Acima dela,
    havia uma faixa de
   esculturas em relevo.
ARQUITETURA




Ruínas do Santuário de
 Palas, Atenas, Grécia
ARQUITETURA




 Ruínas do Templo de
              Apolo
ARQUITETURA




  Ruínas do Templo de
                Zeus
ARQUITETURA




   Teatro Epidauro
ARQUITETURA

  A arquitetura grega
  influencia até hoje
muitas construções em
   todo o mundo. O
Lincoln Memorial, nos
 Estados Unidos, é um
    exemplo dessa
influência. Construído
entre 1914 e 1922, em
    homenagem ao
 Presidente Abraham
 Lincoln (1809-1865),
 possui 36 colunas em
estilo dórico, um para
  cada estado norte-
americano que existia
       na época.
Na Grécia a pintura em cerâmica tornou-se uma
forma especial de manifestação artística . Os vasos
  gregos ou ânforas eram famosos pela beleza da
  forma e pela harmonia entre desenho , cores , e
       espaço utilizado para ornamentação.
  Representavam formas da mitologia grega e de
          pessoas em atividades diárias.
Vasos com figuras negras



   O artista pintava em negro a
   silhueta das figuras . Depois
  fazia os detalhes do desenho
 retirando a tinta preta. O maior
    pintor de figuras negras foi
             Exéquias.




Aquiles e Ajax jogando damas (540 a.C.)
Âfora ática decorada com    Hércules contra duas amazonas
                 Hércules
Atenas Promachos   Ânfora de Diplon
Kylix 540-530 a.C.   Vaso dos corredores 530 a.C.
Âfora Analatos   Ânfora Neck 620-590 a.C.
Vasos com figuras vermelhas


Por volta de 530 a.C. Eutímetes
    discípulo de Euxéquias
    introduziu uma grande
 modificação na arte de pintar
 vasos, inverteu o esquema de
cores, isto é, deixou as figuras
na cor natural do barro cozido
  e pintou o fundo de negro,
 dando início à série de figuras
          vermelhas.


  A despedida do guerreiro (530 a.C.)
Calix-Krater 440-430 a.C.     Lekythos, frasco de óleo, com
                        representação de Poseidon 440 a.C.
Eos e Memnos   Nolan, ânfora de pescoço, 440-430
                                            a.C.
Psykter 521-510 a.C.   Volute krater 515 a.C.
A ESCULTURA NO PERÍODO
                            HELENÍSTICO
N o século IV a.C.,
Filipe II, rei da
Macedônia Dominou
a Grécia. Ao morrer
foi sucedido pelo
filho Alexandre
Magno que
construiu um
gigantesco império:
manteve o domínio
sobre a Grécia e
conquistou a Pérsia
e o Egito.




  Império macedônio
Pintura e busto de Alexandre Magno

Com a morte de
Alexandre Magno, o
império macedônio
dividiu-se em vários
reinos onde se
desenvolveu uma
cultura semelhante à
grega – daí ser
chamada de
helenística, de
Hélade, como a
Grécia era conhecida.
A escultura desse período apresenta
    características bem diferentes da dos
períodos anteriores. Uma delas é a tendência
 de expressar sob a forma humana ideias e
  sentimentos, como paz, amor, liberdade,
                 vitória, etc.
Na escultura Afrodite de
Cápua, veem-se combinados
a nudez parcial e o princípio
    de Policleto,que é a
  alternância de membros
 tensos e relaxados que ele
usou ao esculpir o Doríforo.
Outra característica do período é o do
   nu feminino, pois nos períodos
  arcaicos e clássicos as figuras de
  mulher eram esculpidas sempre
              vestidas.
Afrodite de Milos ou Melos mais
  conhecida como a Vênus de
    Milo, é uma estátua em
    mármore e uma das mais
  famosas obras de escultura
grega antiga. Criado em algum
momento entre 130 e 100 a.C.,
 acredita-se para representar
   Afrodite, a deusa grega da
 beleza e do amor (Vênus para
os romanos). Os braços e plinto
original foram perdidos após a
      descoberta. Ele está
   atualmente em exposição
   permanente no Museu do
  Louvre, em Paris na França.
No início do século III a.C., os escultores já
  aceitavam a ideia de que suas figuras
deveriam expressar movimento e despertar
no observador o desejo de andar em torno
delas para examiná-las de vários ângulos.
Vitória de Samotrácia 180 a.C.

 Supõe-se que essa escultura
 estivesse presa à proa de um
navio que conduzia uma frota.
    De fato, as formas que o
  artista deu à figura de uma
  mulher com asas abertas e
 ligeiramente afastadas para
   trás, a túnica agitada pelo
vento, as ondulações e dobras
        da veste, o tecido
    transparente e colado ao
    corpo, parecem sugerir o
sentimento de vitória. Além de
criar no observador uma forte
   impressão de movimento.
A grande novidade da escultura do período
 helenístico, entretanto, foi a representação de
   grupos de pessoas, em vez de apenas uma
figura.Todo o conjunto devia dar a impressão de
movimento e permitir a observação por todos os
                     ângulos
O soldado gálata e sua mulher


  Esse conjunto foi esculpido para uma
  monumento de guerra em Pérgamo,
cidade helenística da Ásia Menor. Além
   da beleza, a obra transmite grande
dramaticidade, de qualquer ângulo que
     seja vista: desafiador, enquanto
    segura por um dos braços o corpo
 inerte da mulher, o soldado olha para
trás e está prestes a enterrar a espada
 no pescoço. O outro braço da mulher,
   já sem vida, contrasta com a perna
  tensa do marido, ao lado do qual ele
     pende. A dramaticidade é obtida
   justamente pelos contrastes: vida e
     morte, homem e mulher, nudez e
        vestes, força e debilidade.
A arte na grécia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte gregacattonia
 
História arte grega
História arte gregaHistória arte grega
História arte gregaceufaias
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaSusana Simões
 
3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.Estudantil
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na gréciaArtesElisa
 
A Escultura E A CerâMica Na GréCia
A Escultura E A CerâMica Na GréCiaA Escultura E A CerâMica Na GréCia
A Escultura E A CerâMica Na GréCiaSílvia Mendonça
 
Pintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaPintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaMarisaPinto97
 
3.a arte na grécia
3.a arte na grécia3.a arte na grécia
3.a arte na gréciavaldeck1
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte gregaceufaias
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regularCarla Freitas
 

Mais procurados (20)

A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
 
História arte grega
História arte gregaHistória arte grega
História arte grega
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
 
GréCia Antiga Arte
GréCia  Antiga ArteGréCia  Antiga Arte
GréCia Antiga Arte
 
2c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte na grécia
Arte na gréciaArte na grécia
Arte na grécia
 
A Escultura E A CerâMica Na GréCia
A Escultura E A CerâMica Na GréCiaA Escultura E A CerâMica Na GréCia
A Escultura E A CerâMica Na GréCia
 
Pintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaPintura na grécia antiga
Pintura na grécia antiga
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
3.a arte na grécia
3.a arte na grécia3.a arte na grécia
3.a arte na grécia
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
 
Grecia antiga Arte e Cultura
Grecia antiga Arte e CulturaGrecia antiga Arte e Cultura
Grecia antiga Arte e Cultura
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 

Destaque

Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaProfessor Gilson Nunes
 
A arte da segunda metade do século xx
A arte da segunda metade do século xxA arte da segunda metade do século xx
A arte da segunda metade do século xxCEF16
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...ArtesElisa
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismocamilagarciaia
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaCarla Teixeira
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanicatorga
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaGiorgia Marrone
 

Destaque (13)

Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
 
A arte grega
A  arte gregaA  arte grega
A arte grega
 
A arte da segunda metade do século xx
A arte da segunda metade do século xxA arte da segunda metade do século xx
A arte da segunda metade do século xx
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
 
A arte no egito
A arte no egitoA arte no egito
A arte no egito
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 

Semelhante a A arte na grécia (20)

6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
Apostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°anoApostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°ano
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 
Historia da arte primeiras civilizacoes
Historia da arte primeiras civilizacoesHistoria da arte primeiras civilizacoes
Historia da arte primeiras civilizacoes
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
 
Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 

A arte na grécia

  • 1. A ARTE NA GRÉCIA Por volta do século X a.C., os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes uma das outras e falavam vários dialetos. Nessa época as comunidades eram muito pobres, mais aos poucos foram enriquecendo e se transformaram em cidades-Estado. Com o aumento dessas cidades- Estado, entraram em contato com a cultura do Egito e do Oriente Próximo, cuja arte despertou admiração nos gregos. Atenas, capital da Grécia.
  • 3. OS PERÍODOS DA ARTE GREGA PERÍODO ARCÁICO: Vai de meados do século VII a.C. até a época das Guerras Pérsicas, no século V a.C.
  • 4. OS PERÍODOS DA ARTE GREGA PERÍODO CLÁSSICO: Vai do século V a.C., até o fim da Guerra do Peloponeso, século IV a.C.
  • 5. A ESCULTURA Aproximadamente por volta do século VII a.C., os gregos começaram a esculpir em mármore grandes figuras masculinas.
  • 6. A EVOLUÇÃO DA ESCULTURA Padrão Kouros: Na escultura do período arcaico nota-se a influência do Egito,ao dá uma ênfase à simetria do corpo humano de forma bem rígida.
  • 7. Efebo de Crítios 480 a.C.: A obra Efebo de Crítios apresenta uma nova forma de fazer escultura. Em vez de olhar bem para a frente, como no Kouros, o Efebo tem a cabeça voltada ligeiramente para o lado.
  • 8. Atleta em competição de lançamento Discóbolo de Míron, 450 a.C. de disco, olimpíadas de Londres 2012
  • 9. Doríforo de Policleto 440 a.C. Nessa obra os braços e as pernas apresentam-se alternadamente tensos e relaxados, o que sugere que a figura está dando um passo.
  • 10. As construções que se destacam na arquitetura grega são os templos, e se hoje as pessoas se reúnem nos templos para o culto religioso, os gregos construíam templos para proteger as estátuas dos deuses das chuvas e do sol excessivo. Alguns deuses gregos
  • 11. Planta de um templo grego A característica mais evidente dos templos gregos, é a simetria dos pórticos da entrada e o dos fundos. Ou seja a entrada e os fundos eram muitos semelhantes.
  • 12. MODELOS DE COLUNAS DOS TEMPLOS GREGOS O conjunto formado pelas colunas e pelas estruturas a elas ligadas, obedecia a dois modelos: o da ordem dórica e o da ordem jônica, além de existir também o corinto.
  • 13. Partenon 440 a.C.: exemplo de ordem dórica A ordem dórica pode ser vista no Partenon, templo construído em homenagem à deusa Atena.O corpo das colunas era grosso e firmava-se no degrau mais elevado. O capitel era muito simples. A arquitrave era lisa e apoiava-se diretamente nas colunas. Sobre ela havia retângulos com sulcos verticais e retângulos que podiam ser lisos, pintados ou com figuras em relevo.
  • 14. Erecteion 420 a.C.: Exemplo de ordem jônica A ordem jônica era mais ornamentada e sugeria leveza. As colunas apresentavam corpo mais fino e, diferentemente das da ordem dórica, não se apoiavam diretamente sobre o último degrau do templo, mas sobre uma base decorada.O capitel era ornamentado e a arquitrave , dividida em três a de faixas horizontais. Acima dela, havia uma faixa de esculturas em relevo.
  • 15. ARQUITETURA Ruínas do Santuário de Palas, Atenas, Grécia
  • 16. ARQUITETURA Ruínas do Templo de Apolo
  • 17. ARQUITETURA Ruínas do Templo de Zeus
  • 18. ARQUITETURA Teatro Epidauro
  • 19. ARQUITETURA A arquitetura grega influencia até hoje muitas construções em todo o mundo. O Lincoln Memorial, nos Estados Unidos, é um exemplo dessa influência. Construído entre 1914 e 1922, em homenagem ao Presidente Abraham Lincoln (1809-1865), possui 36 colunas em estilo dórico, um para cada estado norte- americano que existia na época.
  • 20. Na Grécia a pintura em cerâmica tornou-se uma forma especial de manifestação artística . Os vasos gregos ou ânforas eram famosos pela beleza da forma e pela harmonia entre desenho , cores , e espaço utilizado para ornamentação. Representavam formas da mitologia grega e de pessoas em atividades diárias.
  • 21. Vasos com figuras negras O artista pintava em negro a silhueta das figuras . Depois fazia os detalhes do desenho retirando a tinta preta. O maior pintor de figuras negras foi Exéquias. Aquiles e Ajax jogando damas (540 a.C.)
  • 22. Âfora ática decorada com Hércules contra duas amazonas Hércules
  • 23. Atenas Promachos Ânfora de Diplon
  • 24. Kylix 540-530 a.C. Vaso dos corredores 530 a.C.
  • 25. Âfora Analatos Ânfora Neck 620-590 a.C.
  • 26. Vasos com figuras vermelhas Por volta de 530 a.C. Eutímetes discípulo de Euxéquias introduziu uma grande modificação na arte de pintar vasos, inverteu o esquema de cores, isto é, deixou as figuras na cor natural do barro cozido e pintou o fundo de negro, dando início à série de figuras vermelhas. A despedida do guerreiro (530 a.C.)
  • 27. Calix-Krater 440-430 a.C. Lekythos, frasco de óleo, com representação de Poseidon 440 a.C.
  • 28. Eos e Memnos Nolan, ânfora de pescoço, 440-430 a.C.
  • 29. Psykter 521-510 a.C. Volute krater 515 a.C.
  • 30. A ESCULTURA NO PERÍODO HELENÍSTICO N o século IV a.C., Filipe II, rei da Macedônia Dominou a Grécia. Ao morrer foi sucedido pelo filho Alexandre Magno que construiu um gigantesco império: manteve o domínio sobre a Grécia e conquistou a Pérsia e o Egito. Império macedônio
  • 31. Pintura e busto de Alexandre Magno Com a morte de Alexandre Magno, o império macedônio dividiu-se em vários reinos onde se desenvolveu uma cultura semelhante à grega – daí ser chamada de helenística, de Hélade, como a Grécia era conhecida.
  • 32. A escultura desse período apresenta características bem diferentes da dos períodos anteriores. Uma delas é a tendência de expressar sob a forma humana ideias e sentimentos, como paz, amor, liberdade, vitória, etc.
  • 33. Na escultura Afrodite de Cápua, veem-se combinados a nudez parcial e o princípio de Policleto,que é a alternância de membros tensos e relaxados que ele usou ao esculpir o Doríforo.
  • 34. Outra característica do período é o do nu feminino, pois nos períodos arcaicos e clássicos as figuras de mulher eram esculpidas sempre vestidas.
  • 35. Afrodite de Milos ou Melos mais conhecida como a Vênus de Milo, é uma estátua em mármore e uma das mais famosas obras de escultura grega antiga. Criado em algum momento entre 130 e 100 a.C., acredita-se para representar Afrodite, a deusa grega da beleza e do amor (Vênus para os romanos). Os braços e plinto original foram perdidos após a descoberta. Ele está atualmente em exposição permanente no Museu do Louvre, em Paris na França.
  • 36. No início do século III a.C., os escultores já aceitavam a ideia de que suas figuras deveriam expressar movimento e despertar no observador o desejo de andar em torno delas para examiná-las de vários ângulos.
  • 37. Vitória de Samotrácia 180 a.C. Supõe-se que essa escultura estivesse presa à proa de um navio que conduzia uma frota. De fato, as formas que o artista deu à figura de uma mulher com asas abertas e ligeiramente afastadas para trás, a túnica agitada pelo vento, as ondulações e dobras da veste, o tecido transparente e colado ao corpo, parecem sugerir o sentimento de vitória. Além de criar no observador uma forte impressão de movimento.
  • 38. A grande novidade da escultura do período helenístico, entretanto, foi a representação de grupos de pessoas, em vez de apenas uma figura.Todo o conjunto devia dar a impressão de movimento e permitir a observação por todos os ângulos
  • 39. O soldado gálata e sua mulher Esse conjunto foi esculpido para uma monumento de guerra em Pérgamo, cidade helenística da Ásia Menor. Além da beleza, a obra transmite grande dramaticidade, de qualquer ângulo que seja vista: desafiador, enquanto segura por um dos braços o corpo inerte da mulher, o soldado olha para trás e está prestes a enterrar a espada no pescoço. O outro braço da mulher, já sem vida, contrasta com a perna tensa do marido, ao lado do qual ele pende. A dramaticidade é obtida justamente pelos contrastes: vida e morte, homem e mulher, nudez e vestes, força e debilidade.